1. Spirit Fanfics >
  2. One-shots de Claire e Owen - Clawen >
  3. You and Me

História One-shots de Claire e Owen - Clawen - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, leitores!

A One-shot abaixo é sobre um pedido que recebi a algum tempo:

"Claire e Owen com três filhos e com a vida amorosa de lado, eles decidem viajar a sós para recuperar o fogo da paixão."

Sempre anoto os pedidos de vocês, então, se tiverem alguma ideia, para algum capítulo aleatório, coloquem nos comentários que farei assim que possível. Eu posso demorar, mas eu faço kkkk. Espero que gostem e comentem o que acharam !

Capítulo 6 - You and Me


Eles já estavam casados a dez anos. Nem ele mesmo podia acreditar. Owen se lembrava perfeitamente da primeira vez que viu, Claire. Ele estava em uma festa da faculdade, bebendo com amigos, azarando as mulheres. Foi quando decidiu mostrar para uma garota, obviamente tentando impressionar, como e porque ele usava uma bússula, em seu curso de preparação para o exército.

- Como você sabe qual direção seguir? - a garota perguntou.

- Bom, eu sigo o norte. Meu pai e meu avô foram do exército e eles sempre me disseram: você encontra o norte, você encontra o seu caminho - Ele posicionou a bússula, que tinha como chaveiro, e seguiu o olhar para onde o acessório indicava ser o norte. Foi então que ele a viu. Linda. Cabelos longos e ruivos, pele de porcelana, olhos de esmeralda e uma risada contagiante. Ela era o seu norte. O seu caminho e destino.

Cinco anos de namoro e mais dez anos de casados, resultaram em 3 filhos: Christopher de 6 anos, Sandy de 5 e a pequena Sol, de 2 aninhos.  Chris, era a cópia exata de Owen, cabelos loiro escuro e olhos azuis, era o mais agitado dos três e adorava animais, assim como pai, o que fez com que o casal o incluísse em várias atividades esportivas para gastar energia. Sandy também herdara os cabelos do pai, mas os olhos eram definitivamente de Claire, assim como a personalidade. Sol, ao contrários dos mais velhos, era ruiva. Herdara os cabelos da cor do pôr do sol da mãe, dizia o Grandy.  O casal era apaixonado pelos filhos, é claro, mas eles os deixavam exaustos com tanta energia, fora o trabalho que piorava a situação. Owen havia deixado a delegacia para ser agente interno do FBI. Com seu currículo no exército e na polícia, ele foi convidado para o cargo, que aceitou com a condição de que não ficasse na linha de frente, afinal ele tinha esposa e filhos, não queria se arriscar mais. Claire, dirigia a galeria de arte, mas fazia a maior parte do trabalho em casa. Ela tinha uma pessoa para auxiliar na casa, Rosa, mas ainda assim, era exaustivo. 

Levar para a escola, ao futebol, a natação, ballet, mamadeira, fraldas, fazer lição de casa, trabalhar, fazer exercício físico, cuidar da casa e manter a vida conjugal era desgastante. Owen pediu para que Claire parasse de trabalhar, já que o salário como agente, daria para mantê-los e os investimentos ajudariam, mas ela não queria. Ela amava trabalhar e gostava de ter o próprio dinheiro. Não que Owen reclamasse de algo. Ele a ajudava com tudo da forma que podia, mas o trabalho dele exigia mais estar no escritório. Era um trabalho em equipe: enquanto Claire preparava o jantar, ele ajudava as crianças com a lição de casa e dava banho. Enquanto Claire lia livros de histórias para dormirem ou cantava, Owen lavava a louça. Ainda sim, sempre tentavam ter um tempinho para os dois. Tomavam banho juntos, tomavam uma taça de vinho, faziam amor, mas era tudo de forma mais rápida. Não havia os gritos e várias rodadas de sexo em apenas uma noite como  faziam antes de terem filhos. Eles precisavam de um tempo sozinhos. A última vez que viajaram sem as crianças, Sol não existia ainda, alias foi quando ela foi "fabricada". Grandy estava decidido: viajaria sozinho com sua esposa e teria ela apenas para ele, pelo menos por um final de semana. 

**

O casal deixou as crianças com os pais de Owen em sua cidade natal. Era difícil deixar os pequenos, principalmente para Claire, mas ela sabia que seriam bem cuidados. O irmão de Owen, assim como sua cunhada, estariam na casa dos sogros no final de semana também para ajudar. 

- Será que a Sol não é muito novinha para deixarmos ela ? - Claire questionou o marido.

- Querida, fica tranquila. As crianças vão ficar bem. E nós também. - Ele solta uma mão do volante e pega na mão na esposa, depositando um beijo - precisamos desse momento.

Ela sabia que ele tinha razão. Muitas vezes ela se pegava pensando se Owen não encontraria alguém no trabalho que lhe desse mais atenção do que ela poderia estar dando, mas no fundo, ela sabia que não. Ela sentia que não. Era um momento complicado, mas eles passavam por aquilo juntos, eram companheiros e cúmplices. Eles tinham que ter jogo de cintura. Uma vez, as crianças já estavam dormindo, Owen foi guardar seu carro na garagem e Claire estava guardando alguns brinquedos antigos no local. Nem eles se lembravam como aconteceu, mas logo estavam transando encostados na traseira do carro. Claire erguera o vestido, Owen abaixou apenas um pouco suas calças e logo estavam fodendo implacavelmente e com força. Um minuto após gozarem, Sol começou a chorar em seu berço. Em outro momento, o casal estava no quarto, Owen chupava a esposa com vontade, quando ouviram alguém tentando abrir a porta do quarto. Chris teve um pesadelo. 

Eles chegaram no resort que era de frente para o mar e apesar dos funcionários do lugar terem oferecido várias opções de atividades, naquele dia, eles não queriam fazer nada, a não ficar no quarto. O loiro até pagou um dinheiro extra, para que não fossem incomodados. Após ligarem para Andrew, irmão de Owen e confirmarem que as crianças estavam bem, eles se olharam, com amor, carinho, paixão e principalmente, desejo. O beijo a seguir, foi ardente, de tirar o fôlego. O loiro segurou os quadris da ruiva e a trouxe o mais próximo possível. Eles degustaram aquele beijo, dessa vez, sem ter pressa. As roupas leves, que combinavam com o clima praiano, ajudaram bastante. Owen desceu a alça do vestido de Claire, enquanto depositava beijos desde sua orelha e ia descendo pelo pescoço, queixo, ele foi conduzindo-a  até a cama, enquanto ela também tirou a camiseta dele e sua bermuda. Após estarem completamente nus, o agente voltou a adorar o corpo da mulher. Após tantos anos e 3 filhos, ela continuava linda.

- Como você pode ser tão maravilhosa ? - ele disse e seguiu com beijos nos seios rosados, massageando-os com a língua. Ela agarrou os cabelos dele e soltou um gemido, apreciando a sensação. O homem foi descendo pela barriga e depois para as coxas, provocando-a. Ele mordeu a parte interna da coxa dela, deixando uma marca e então passou a língua em seu clitóris. Logo, ele a penetrava com a língua e a fazia a gritar o nome dele, como ela queria fazer já a algum  tempo. 

Após fazê-la gozar com a língua, Owen a penetrou, sem pressa, mas com força. A ruiva entrelaçou as pernas em sua cintura e ele a fodeu com vontade. A cama remexia e batia com força na parede do quarto. Os gemidos que antes eram oprimidos, eram altos. As costas do homem era arranhadas da forma que ele gostava. Até pensou em trocar de posição, mas ter a esposa se contorcendo de prazer embaixo dele, era absurdamente prazeroso. 

A noite foi delirante para o casal. Transaram 4 vezes, de uma forma louca, como não faziam a dois anos. Se Owen não tivesse feito cirurgia, poderiam ter engravidado novamente. No dia seguinte, aproveitaram o resort, a piscina, a praia, comeram comidas e exóticas e foram para um lual a noite. Após a festa, decidiram dar uma volta na praia e quando chegaram a um lugar mais isolado,perto das pedras grandes, Claire provocou o marido.

- Sabia que eu ia adorar cavalgar você aqui na praia?

O loiro arregalou os olhos e logo deu um sorriso, se excitando. 

- Não me provoca, sra. Grandy. Sabe que se formos pegos, seremos presos na hora.

-Eu sei... - ela se aproxima da orelha dele e sussurra - isso não tem excita ainda mais?

Não demorou muito tempo, Claire tirou a canga que usava como saia e estendo no chão, chamando o marido para se deitar. Ele fez, tirando a camisa. A ruiva rebolou em cima dele, provocando-o ainda com roupas, mas em pouco tempo, ela estava cavalgando o marido com força. Ter a visão da esposa, nua, na praia, cavalgando-o daquele jeito, com a luz do luar sobre sua pele, foi um dos momentos preferidos e mais prazerosos da vida de Owen. Ela era como uma rainha, dominando-o, fazendo o que queria com ele. O rebolado seus quadris era perfeito. Ele segurava com firmeza sua cintura e as vezes ela se curvava, para que ele pudesse chupar seus seios. Claire, também se sentia poderosa, o rosto do marido, enquanto ela o cavalgava , mostrava além de prazer, um tesão e admiração inigualáveis. Ela estava no comando, liderando o prazer dos dois e tamanha sensação, fez com os dois gozassem juntos.

**

- Três dias passaram muito rápido - Grandy reclamou, enquanto seguiam para a casa de seus pais, para buscarem as crianças.

-Deveríamos fazer isso mais vezes...

-Quem sabe para as montanhas da próxima vez?

- Acho uma ótima ideia... foi perfeito amor.

- Foi mesmo. - ele diz sorri.

- Mas agora sinto falta das crianças.. 

- Eu também. Eles dão um toque especial às nossas vidas.

Quando chegaram, as crianças foram correndo ao encontros dos pais. Eles os abraçaram e encheram de beijos. Os pais de Owen vieram logo atrás, seguidos pelo irmão e a cunhada.

- Eles se comportam, Dona Lúcia?

- Sim, Claire. Eles são muito bonzinhos... apenas agitados - ela diz rindo.

- O vovô me ensinou a pescar, papai !! - Chris conta para Owen.

- È mesmo? E pegaram muitos peixes?

- Eu só peguei os pequenos.. mas o tio Andrew pegou um grandão !!

- Eu e a Sol fizemos cookies com a vovó e a tia Margareth, mamãe! - Sandy dizia animada.

Após jantarem, a família voltou para casa. Ao chegarem, os pais tiveram que carregar os filhos até seus quartos, pois estavam muito cansados e dormiram no caminho. O casal arrumou tudo e estavam em seu quarto. O loiro se aproximou da ruiva a abraçando.

- Eu te amo, baby,

-Eu também te amo, meu amor.

O beijo foi doce dez vez, transmitindo todo o amor e carinho que tinham um pelo outro, mas foram interrompidos pela porta. Os três filhos estavam ali.

- Mamãe, podemos dormir aqui com vocês hoje? - Sandy falou primeiro.

-Estamos com saudades - Chris continuou.

- Saudades - Sol repetiu.

O casal riu e concordaram. Logo, estavam os cinco, aconchegados na grande cama. Owen e Claire se olharam, cúmplices, apesar de tudo, não trocariam aquela vida por nada no mundo.


Notas Finais


Por favor, me digam o que acharam .


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...