1. Spirit Fanfics >
  2. Only About Us - Hot Beauany >
  3. Escritório

História Only About Us - Hot Beauany - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Eu queria avisar denovo, tá na sinopse, porém repetindo: Os capítulos não tem relação entre si, são várias one shots

E eu havia esquecido de postar aqui também, por isso sumi ajsnsnsnjejsj desculpa

Capítulo 2 - Escritório


Não era uma surpresa eu aparecer na sala de Josh, principalmente agora onde esse desculpa poderia muito bem ser usada. Duas semanas atrás nós transamos em sua casa em Porto Rico e desde então, eu nunca havia lavado tantos lençóis ao mesmo tempo. Jurei a mim mesma que aquilo foi um deslize e que não aconteceria denovo, mas minha cabeça ria de mim mesma enquanto o tesão me invadia, cobrindo meu corpo devagar, enquanto eu o via caminhar para sua sala ajeitando o terno escuro e limpo. Não me dei conta do quão mole minhas pernas estavam até chegar em sua sala e seus olhos me encontrarem, fazendo um gemido escapar baixo de mim. Sobrancelhas franzidas, lábios vermelhos, oh Deus.

- Se você contar isso pra alguém, eu fodo sua carreira - Murmurei retomando a consciência. Ele parecia ainda mais confuso.

Andei até sua cadeira a puxando levemente pra trás, ansiosa por sentir sua boca na minha novamente. Antes de ele completar a pergunta que queria fazer, montei em seu colo, deixando um gemidinho escapar ao sentir o botão de sua calça arrastar em cima da minha boceta. Minhas mãos pararam atrás de seu pescoço conforme eu ataquei sua boca, sedenta, grunindo desconexa rebolando em seu colo. Suas mãos geladas subiram pela blusa colada que eu usava, as invadindo depressa sem parecer hesitar ou ter paciência. Seus dedos tocaram a ponta do meu mamilo arrepiado e eu gemi contra seu beijo. Desci minha mão devagar, soltando a gravata, enrolando os botões em meus dedos, acariciando seu abdômen, apertando o pênis pulsante. Ele, impaciente, levantou de sua cadeira me segurando com uma mão em seu colo, a outra empurrando qualquer caneta ou papel em cima da mesa. Ele me largou na mesa com certa violência, que eu senti piscando em meu útero.

- Você é muito audaciosa, entrando assim do nada

Concordei prendendo seu pescoço, abrindo minhas pernas involuntariamente e apoiando um salto em cima da mesa deixando minha calcinha roxa a mostra. Chupei seu maxilar e ele arfou de satisfação. Um grunido irritado foi o que ele soltou em seguida, mordendo meu lábio com força e eu automaticamente senti o gosto de sangue em minha boca. Seus dedos subiram minha blusa, esmagando meus seios enquanto ele os admirava, se jogando na cadeira. Foi estranho, achei que ele fosse convulsionar, mas foi o contrário; eu quase convulsionei sentindo sua mão jogar minha sainha pra cima, caindo de boca inesperamente na minha região mais sensível. Soltei um gemido alto sem me controlar, abrindo a boca inconformada com a sensação gostosa, quase ilegal de seus lábios me sugando infinitamente. Dei um pulo quando ele chupou meu clitóris sem me dar muito tempo de pensar. Enrolei minhas pernas em seu pescoço esmagando meu peito com minha própria mão, a outra contendo meus gemidos.

Era quase insensível a forma que ele gemia e estava contra minha carne. Era fodidamente erótico sentir sua língua me lambendo sem pudor, prendendo meu clitóris entre os dentes, acariciando minhas coxas. Imediatamente eu senti falta de algo, algo me apertando, algo me... Asfixiando? Não era a palavra certa, mas eu precisava explodir em tesão do jeito certo, eu precisava dele socando fundo em mim, mas o escritório não parecia o melhor lugar pra isso. E isso foi oque tornou tudo melhor. Estressada com a ideia, passei as pernas por baixo de seus braços o puxando, me erguendo e desabotoando sua camiseta, cada botão, um beijo ou uma chupadinha em seu peito, até chegar na minha parte favorita; o pau me esperando, latejante e pulsante contra minhas mãos. Inocente, beijei ele por cima da cueca, relando meus dentes por ele. Suas mãos passearam pela minha cabeça enquanto eu continuava a brincar com ele, com sua sanidade.

Levei minhas mãos até a barra de sua cueca e me afastei evitando uma cutucada no olho, prendendo meu lábio inferior em um sorriso quando o vi duro pra mim, inchado e molhado. Me inclinei mais procurando suas bolas e as chupei rodeando minha língua, sentindo o calor do seu pau apoiado em meu rosto. Ele gemeu arrastado antes de o deixar sair em tom claro pressionando minha cabeça com as mãos ainda ali, segurei um de seus testículos com os lábios chupando levemente e o soltei em um estalo, finalmente o encarando e dando um beijo carinhoso antes de me afastar, ainda sobre o olhar e aperto das mãos de Josh, impacientes mexendo em meu cabelo. Usei uma mão pra erguer seu pau e passei minha língua ávida por baixo de sua glande, o escutando suspirar engolir a saliva produzida em excesso, me afastei minimamente olhando a cabecinha vermelha e passei meu polegar por cima de sua fenda, deixando o líquido grudento sair enquanto rosqueei meus dedos por ali, lubrificando todo seu pau. Sem avisar, engoli sua extensão com os lábios escorregadios e o chupei com força, vendo sua perna esquerda tremer e ele se apoiar na mesa atrás de mim, em um gemido arrastado e nasal.

Meu cabelo começou a entrar em minha boca conforme aumentei os movimentos e agarrei sua mão em minha cabeça o lembrando de segurar meu cabelo, e assim ele o fez, bruto. Relaxei minha garganta ao sentir ele pressionar minha cabeça contra sua pélvis e fechei os olhos com força segurando o ar, me engasgado quando meus pulmões o pediram e ele me soltou. Puxei o ar com força levantando meu olhar brava, vendo a expressão divertida em sua face. Gay do caralho.

Levei um susto ao sentir ele me puxar pra cima e agarrar meus pulsos, em segundos me deixando com eles nas costas com uma mão ainda agarrando meus fios. Tropecei em meus saltos quando ele me empurrou até as paredes de vidro, pressionando minha bunda com seu quadril. Soltei um gemido mascarado de suspiro ao sentir o vidro gelado encostar em meus mamilos sensíveis, e antes que eu aproveitasse a sensação, senti ele apertar e chacoalhar meus pulsos.

- Quietinha - Não desobedeci

Escutei o barulho de panos no chão e vi pelo reflexo da vidraça seu peito nu, e um pano comprido em sua mão. Tombei a cabeça e franzi a sobrancelha ao não entender o que aquilo era, até sentir dando um nó em meus pulsos apertado, abri a boca em choque tentando soltar meus pulsos e ri pelo nariz ao não conseguir.

- Okay Christian Grey - Brinquei

Imediatamente me arrependi, ou não, apesar do tapão que eu levei na bunda depois disso, uma fisgada venho da minha buceta que me fez arquear as costas encostando uma bochecha no vidro. Olhei pra ele por cima do ombro e soltei um risinho contido.

- Eu disse quietinha

Franzi os lábios segurando o riso provocativo e joguei o pescoço pra trás gemendo ao sentir o aperto em meu cabelo aumentar e ele me puxar meu quadril pra trás, apoiando as mãos sobre o nó bem dado da gravata. Abri a boca pra questiona-lo, porém fui impedida pelo empurrão que seu pé deu por dentro do meu afastando minhas pernas. Ele se curvou e antes de eu pensar, senti seu pau sem camisinha me preencher em um empurrão. Soltei uma arfada surpresa, me encostando no vidro empinando a bunda para lhe dar espaço e assim ele o seguiu, socando com força dentro de mim. Senti minha boceta o engolir gulosa, feliz com os barulhos dos corpos se chocando inundando o escritório. Ele puxou mais meu corpo com a mão em meu quadril me inclinando, mantendo a mão lá enquanto a levava lentamente até minha vagina, afastando os lábios e sincronizando o movimento de seus dedos com o de seu pau entrando e saindo de mim com força, me impulsionando pra frente a cada empurrada.

Remexi os pulsos inconformada com os ter presos mas não ousei reclamar uma vez sequer, confiando no punho dele pra me segurar ao mesmo tempo que me penetrava e masturbava, ágil em seus dedos. Prendi meu lábio entre os dentes, mordendo e segurando meus gemidos enquanto ele continuava, gemendo contra sua própria língua. Apertei as unhas nas palmas fechando os olhos os revirando, perdida cada vez mais a cada deslizada de seu pau dentro de mim. Senti ele encostar seu nariz frio em minhas costas e estremeci, abrindo as mãos e mexendo os dedos atrás de tentar alcançar sua pele.

Com uma bufada ele tirou a gravata de meus pulsos e eu na hora me virei, sem tempo de respirar antes de ele me erguer em seu colo, automaticamente me enrolei em seu quadril e prendi as mãos atrás de seu pescoço enquanto erguia o meu abrindo a boca desconexa, franzindo a testa mergulhada no prazer. Gritei esticando o peito quando sua boca mordeu meu ombro, subindo rapidamente até a garganta a chupando e lambendo, tirei as mãos de seu pescoço apoiando no vidro atrás de mim na altura da cabeça, tremendo com as estocadas agressivas no meio das minhas pernas.

- Josh... - Chamei em um sussuro me sentindo lentamente desmoronar.

Fechei meus olhos com força rebolando contra seu quadril, contraindo minha buceta ao redor dele enquanto empurrava mais o vidro atrás de mim, gemendo enquanto gozava em cima de seu pau. Levei as mãos até suas costas me escondendo em seu pescoço, ainda sentindo ele me penetrar ao som de seus gemidos apurados, e em uma ou duas mais estocadas ele soltou uma mão de mim, levando até o mesmo vidro se equilibrando. Lentamente ele parou com os movimentos, me colocando no chão com cuidado, automaticamente me apoiei em uma barra da janela, revirando os olhos ao olhar e sorriso convencido de Josh sobre mim.

- Não aconteceu nada - Reforcei, ganhando uma revirada de olhos agora dele.

Na hora senti um vento frio entre minhas coxas e me peguei toda melada, reclamei antes de sentir um lenço na minha cara, do qual eu levantei agradecendo. Me sequei e me pus a me vestir, mas travei ao olhar pela janela, demorando a raciocinar o que eu vi, mas automaticamente arregalei os olhos. Uma velha, me encarando chocada do prédio ao lado. Levei a mão a boca escondendo meu corpo e acenei em puro terror, me afastando lentamente até a frente da cortina parada em choque. Escutei uma risada alta atrás de mim e vi Josh ajeitando a gravata quando me virei, piscando pra senhorinha do outro lado, neguei com a cabeça mas acabei soltando um riso junto.

É um filho da puta.


Notas Finais


Juro que vou começar a lembrar, digam os lugares que vocês gostariam de ler (Elevador e etc, deu pra entender?)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...