História Only Exception - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Black Pink, Pristin, Red Velvet
Personagens Eunwoo, Irene, Jennie, Jisoo, Joy, Lisa, Seulgi, Siyeon, Wendy, Yebin, Yeri
Tags Drama, Romance, Seulrene, Suspense
Visualizações 329
Palavras 2.105
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, LGBT, Luta, Mistério, Orange, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Yuri (Lésbica)
Avisos: Homossexualidade, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Um capítulo interessante...

Capítulo 8 - Darkness


Fanfic / Fanfiction Only Exception - Capítulo 8 - Darkness

POV IRENE

 

Os dias iam se passando igual ao vento que sopra na janela... Quieto e ao mesmo tempo perceptível. Em todos os meus sonhos, eu tinha flashes do que eu poderia ser, de quem eu poderia ser... Mas por alguma razão, pareciam informações desconexas e sem sentido algum. Toda aquela situação, estava me causando grande agonia, era como se toda a vida que eu tivesse tido não passasse de um grande borrão impossível de ser decifrado.

 

Em algumas noites, depois de desejar as meninas que tivessem bons sonhos, eu me deitava em minha cama e ficava admirando as estrelas de neon presentes no teto... Parecia até um quarto infantil, não é? Mas aquilo me agradava... Me agradava a certo ponto de me fazer fechar os olhos e respirar fundo tentando me convencer de que um dia esse pesadelo iria acabar.

 

Não posso dizer que a convivência com as meninas era horrível, e que eu estava sendo super maltratada por elas, muito ao contrário disso, todas me tratavam como se eu fosse a mascote da turma, a garota avulsa que caiu do céu e agora faz parte de uma equipe sem nome e sem numeração. Todas as vezes que meus olhos se deparavam com aqueles anéis em meus dedos, era como se tivessem uma história linda para me contar, como se as respostas de todas as minhas perguntas estivessem ali... Bem diante dos meus olhos.

 

Já era tarde da noite, e eu não conseguia pegar no sono, estava chovendo, chovendo muito por sinal... E o barulho da ventania contra as árvores me causavam grandes arrepios pelo corpo... Eu precisava sair daquele quarto, e pela primeira vez... Precisava agir longe dos olhos de todas elas, iria então buscar minhas respostas no lugar mais perigoso possível... No campo de simulação.

 

Me levantei da cama, coloquei meu roupão quentinho e calcei minhas pantufas adultas nos pés, me ajudaria muito a não provocar nenhum barulho com os meus curtos e precavidos passos. Caminhei com cautela, me certificando de que todas estavam dormindo, e que eu era a única alma viva acordada naquela grande mansão que chamávamos de DDC... Meu único e possível problema seria M300, eu precisava que ele estivesse recarregando as baterias, mas também precisava que ele me orientasse no sistema... Seria uma bela ajuda.

 

Para minha sorte, dentro dessas semanas em que eu estivesse neste lugar, eu prestei muita a atenção na forma como M300 comandava os sistemas, como ele ajudava as meninas quando estavam em apuros... Pude ver de perto inúmeros confrontos das três equipes contra os seres sobrenaturais... Me deslumbrava com a Storm e a Empress... Mas ficava encantada com a equipe Dominators... Por mais que eu e SeulGi nem sequer nos falássemos direito, algo nela me prendia, me fazia ficar vidrada em cada pequeno movimento.

 

— Bom, então eu terei que comandar tudo sozinha. — Disse para mim mesma assim que entrei na sala de controle e fechei a porta atrás de mim... Não a tranquei, apenas a fechei.

 

Caminhei com a mesma calmaria até os controles, e programei o sistema para me fazer voltar dentro de trinta minutos exatos... Eu não sabia lutar, eu não sabia nem ao menos o que fazer lá dentro caso um monstro visse ao meu encontro... Mas eu precisava descobrir o que significavam aqueles anéis nos meus dedos.

 

— Bom... Acredito que seja assim. — Eu disse baixinho, respirando fundo antes de apertar o botão do “start”, para que minha experiência tivesse um início.

 

—Vamos lá! — Tomei coragem, e apertei o dedo no botão. Diante dos meus olhos, uma zona que na verdade era um portal, se abriu a minha frente, e o computador por si só me mandou uma mensagem na grande tela.

 

—SIMULAÇÃO NIVÉL FÁCIL ATIVADA. TEMPO DE DURAÇÃO, TRINTA MINUTOS. PRONTO PARA INICIAR. — Sorri internamente ao ler aquilo, eu podia sentir a adrenalina no meu peito, como se aquela não fosse de forma alguma a minha primeira vez.

 

Mesmo que tivesse muito receio e medo, eu caminhei até a zona de tele transporte... Eu pensava que minha roupa não mudaria, porém... Fui surpreendida ao sentir meu corpo ser preenchido por um tecido diferente, era uma armadura igual ao das meninas. Eu chamava dessa forma pois as protegia no combate, e naquele minuto eu estava ganhando a minha roupa também.

 

Ao contrário da roupa delas, a minha era uma saia jeans com uma blusa social branca e uma gravata vermelha... Ao lado de cada uma das minhas pernas tinham alças do meu suspensório, e nos meus pés, um par de sapato de salto alto conhecido como Scarpin na tonalidade de vermelho,  como minha gravata.

 

Fiquei tão surpresa com aquilo, que quando dei por mim estava tocando o chão de um lugar muito diferente... Um lugar extremamente amedrontador... Escuro... Ao contrário do que costumava ser os lugares onde as meninas batalhavam.

 

—Que lugar é esse!? — Eu perguntei, e por incrível que pareça o sistema respondeu.

 

—ESTAMOS EM UMA DAS ZONAS DE SIMULAÇÃO LEVEL HARD. — Meus olhos se arregalaram, como assim o level era hard? Eu havia programado para ser level fácil e ainda sim fui teletransportada para uma zona difícil?

 

—ESTÁ ERRADO! — Eu disse mais alto. — EU NÃO PODERIA ESTAR AQUI! — Gritei, e para minha surpresa...Mais uma vez o sistema respondeu.

 

—SEUS ANÉIS NÃO PERMITEM QUE ENFRENTE UMA ZONA TÃO FRACA PARA SEU NÍVEL. BAE IRENE, SEJA BEM-VINDA A SIMULAÇÃO DO CASTELO ESQUECIDO. — Bae Irene? Então esse era o meu nome?

 

Fiquei parada, como se tivesse recebido uma notícia muito ruim e impactante... Como o sistema sabia meu nome? M300 me examinou diversas vezes de diversas formas e nunca encontrou uma resposta... Então como isso era possível?

 

Estava tão perdida ali, que tomei um belo de um susto quando uma arma se materializou em minhas mãos... Essa era boa não era? Eu ao menos sabia atirar como que esse sistema me disse que meu nível é alto? Isso só poderia ser um imenso engano.

 

~~~~ AUUUUUULLLL!!!~~~~~~

 

Senti um calafrio percorrer a minha espinha... Era o uivo de um lobo... Parecia estar tão mais tão perto, que tudo que eu conseguia fazer era segurar a arma como se fosse atirar na primeira coisa que aparecesse em minha frente. Eu mirava para os lados, para cima, para baixo... Todo canto, a procura de um possível alvo... Eu podia sentir meu coração bater acelerado no peito, como se fosse ter um enfarte a qualquer momento.

 

~~~~~AAAUUUUUUUUULLL!!! ~~~~

 

O uivo procedeu, se antes eu achava que estava perto, agora eu tinha certeza... Quando olhei para o meu lado esquerdo, eu pude ver um par de olhos vermelhos caminhando para cima de mim, lentamente... O grande problema é claro, é que não era um mero lobo, era uma criatura enorme de outra dimensão.

 

— PARA! — Eu gritei para ele como se fosse acatar as minhas ordens. —NÃO QUERO TE FERIR! — O que eu estava dizendo!? Nada daquilo era verdade, era uma mera simulação, então.... Bastava eu deixa-lo me atingir que tudo iria parar e eu voltaria para o DDC em segurança.

 

— PARA AI MESMO! —Gritei no impulso, ao notar que aquela criatura enorme passou a correr em minha direção, com saliva na boca... Eu estava perdida. No desespero, comecei a correr do lobo como se estivesse correndo mesmo de um psicopata, eu corria e corria e nem ao menos sabia a direção que estava indo, eu só queria que aquele pesadelo acabasse.

 

Me permiti olhar para trás por alguns segundos, e isso foi o suficiente para que eu tropeçasse e caísse em um monte de folhas secas espalhadas no meio de algumas grandes árvores... Seria o meu fim? Parecia que sim. Fechei meus olhos e cobri meu rosto, não deveria doer tanto a mordida de uma simulação, deveria?

 

~~~~~~ BARULHO DE VÁRIOS TIROS SENDO DISPARADOS DE UMA VEZ, SEGUIDO DE GRITOS DE CACHORRO SENDO FERIDO. ~~~~~~

 

— O QUE VOCÊ TEM NA CABEÇA? — Escutei a voz da última pessoa que eu esperava encontrar ali.

 

—SEULGI? — Mais uma vez, aquela dor na cabeça.. Tinha se tornado tão rotineira, que eu nem expressava mais dor alguma.

 

— VOCÊ É LOUCA MENINA? COMO QUE ENTRA EM UMA SIMULAÇÃO DESSA? AINDA MAIS SOZINHA! — Ela estava bem brava comigo, isso seria raiva acumulada?

 

—EU NÃO COLOQUEI NO LEVEL HARD, EU COLOQUEI NO FÁCIL! — Retruquei a crítica dela, antes de sentir suas mãos segurarem meus pulsos dando um impulso para que eu me levantasse rápido... O problema, é que isso nos fez ficar frente a frente, muito perto...

 

 

—NÃO IMPORTA, VOCÊ NÃO TEM EXPERIÊNCIA NENHUMA NISSO! PODERIA TER MORRIDO! — Ela gritava, e tudo que eu mais queria era me desvencilhar de suas mãos.

 

— É SÓ UMA SIMULAÇÃO! — Me defendi, a vendo negativar com a cabeça.

 

— NÃO É! NÃO É SÓ UMA SIMULAÇÃO, ESTAMOS MESMO NUMA DIMENSÃO DE COMBATE REAL! O SISTEMA ENLOUQUECEU COM VOCÊ AQUI DENTRO! — Arregalei ainda mais meus olhos,  e senti os mesmos começarem a arder... Eu queria chorar.

 

— ME DESCULPA! EU SÓ QUERIA ENCONTRAR RESPOSTAS! — Eu disse, mas nada do que eu dizia fazia aquele coração frio me compreender.

 

—AGORA TEREMOS QUE ESPERAR ATÉ O M300 DESPERTAR PARA NOS TIRAR DAQUI! SUA SORTE É QUE TE SEGUI E VI A BURRADA QUE ESTAVA FAZENDO! — Finalmente ela me soltou, e quando fez isso... Depositou força demais, me fazendo dar três... Quatro passos para trás.

 

— SINTO MUITO! — Eu disse mais uma vez, me recusando a chorar perto dela.

 

— QUE SEJA! — Ela gritou, levando as mãos até a cabeça. — Vai seguir todas as minhas ordens, ok? Se quer sair daqui viva, não me desrespeite de jeito nenhum!

 

—Ok. — Eu disse, a vendo olhar ao redor, como se tivesse tentando entender onde nós duas poderíamos estar.

 

— Vamos passar a noite naquele castelo. Lá não deve ter seres dimensionais, e eu acredito que este seria o grande desafio. Sua sorte é que o peguei de surpresa e ele morreu, caso contrário quem estaria morta era você. — Eu escutava tudo calada... Mesmo não me suportando, por que ela veio atrás de mim?

 

(...)

 

 

—Me desculpa por te colocar nisso. — Finalmente eu abri a boca para quebrar aquele silêncio ao nos depararmos com a porta do castelo.

 

— Não peça isso, não pediu para eu estar aqui. — Ela respondeu sem ao menos me olhar. Empurrou a porta e permitiu que entrássemos sem segredo algum.

 

—Parece que conhece bem esse lugar. — Eu disse, a vendo pegar uma vela para poder acende-la... Estava escuro.

 

—Algumas vezes. — Ela respondeu. — É por isso que sei onde cada coisa que precisamos está.

 

— As outras equipes também já vieram para cá? — Perguntei, notando que ela queria ficar calada, e estava se irritando com tantas perguntas.

 

— Está me interrogando agora? Quem precisa disso é você não eu. Não tem que saber de detalhes de nada da minha vida ou equipe. — As palavras dela doíam...  Por que era tão dura comigo?

 

Decidi caminhar atrás dela, bem perto... Já que a luz estava sendo guiada por suas mãos. Eu adoraria estar com uma vela também, mas ela não me ofereceu nenhuma. Chegamos a uma grande escada caracol, a qual subidos devagar... Era um silêncio aterrorizante, e eu confesso que estava contando os minutos para ir embora dali.

 

Quando chegamos ao topo, teríamos que enfrentar mais um longo corredor até chegarmos ao destino que era uma única porta no final do caminho. Estava tudo correndo perfeitamente bem, quando num impulso ao me assustar com o uivo de outro lobo, eu acabei abraçando SeulGi por trás e escondendo meu rosto em suas costas, a fazendo derrubar a vela no chão, nos deixando outra vez no escuro.

 

— GAROTA... — Ela gritou, pois até ela se assustou com aquele abraço. Acho que eu estava em estado de choque, pois não a soltava de forma alguma. — Baechu... — Ela me chamava e eu não atendia... — Está tudo bem, aqui em cima estamos protegidas.

 

Senti as mãos quentes dela tocarem os meus antebraços, e aos poucos foram me fazendo soltá-la sem pressa... Eu jurava que tomaria outra bronca por tê-la feito derrubar e apagar a vela, mas isso não aconteceu...

 

— Calma, agora está tudo bem. — Ela disse baixinho, notando que eu realmente estava assustada ao extremo. — Para uma garota com três anéis... Você é bem medrosa. — Pela primeira vez, pude escutar um riso baixo vindo dela, e quando ergui minha cabeça para encará-la, o seu sorriso estava estampado em seus lábios... Podia até dizer que estava zombando de mim.

 

— Está rindo do meu medo? — A questionei, levando minhas mãos até meu rosto o esfregando como se isso fosse mudar o rubor de minha face... Eu estava tímida.

 

— Estou rindo da sua falta de coragem. Apenas isso. — Mais um riso... Só que dessa vez, foi acompanhado pelo meu.


Notas Finais


O que acontece afinal?

SeulGi deu para seguir Irene por que? rs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...