1. Spirit Fanfics >
  2. Only one human- kth and jjk -taekook >
  3. Capítulo 5

História Only one human- kth and jjk -taekook - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Atrasei um pouco, por conta que me impolguei um pouco kkkkkk mais aí está.

Boa leitura!

Capítulo 5 - Capítulo 5


Fanfic / Fanfiction Only one human- kth and jjk -taekook - Capítulo 5 - Capítulo 5

O mundo não é o que parece, nunca foi. Pessoas inocentes ou sem benefícios em outras palavras dinheiro, acabam por se prejudicar nesse mundo tão cruel.
Mas por quê temos que passar por coisas tão difíceis. Mesmo você se dedicando, as vezes mesmo não consegue o que tanto almeja. Por causa desses vários acontecimentos muitas pessoas acabam se afundando da pior forma.

O mundo vai te afundar se você não souber como jogar. Jogar é uma palavra para se divertir ou como no caso vou souber administrar tudo ao seu redor. Há de saber jogar ou morra, são coisas fáceis de se dizer mas não de se fazer.

Se você souber que existe um "reino" ou uma cidade, mas sem tudo que presenciou sua vida enteira. Se tiver esse lugar com riquezas e muita fartura, você abandonaria tudo e iria para esse lugar?

Esse lugar existe. Iguais e ao mesmo tempo diferentes, parecidos diria.
Mas não se engane, esse lugar pode parecer um bom lugar de se viver e cuidar de seus filhos. Mas ele não é tão belo como você "normal" diria.

Suas diferentes são vistas a partir de vários pontos. O primeiro eu diria que seria sua vista, você deve se perguntar o que eu quis dizer com isso não é mesmo? Não chamamos os lugares de cidades ou coisas parecidas. Digamos que nós chamamos como vidas do passado diriam, vilarejos, reinos. Nós os nomeamos assim, mas não é como se estivéssemos nos séculos passados apenas achamos as coisas mais fáceis assim. As coisas dão melhor assim aqui, não somos nós somos de contrariar, afinal só os conselheiros e o líder pode opnar sobre esse tipo de coisa.
O segundo eu diria seria os lugares que não existe por aqui. Os lugares "normais" seriam ter por exemplo Oceania, América do Sul e Central, Coreia e África. Esses lugares citados aqui estão inabitáveis , porque o frio do Polo sul os tomou, ou seja, esses lugares estão simplesmente cobertos de gelo e neve. Somente o norte que no caso boa parte dos Estados Unidos, Canadá, Rússia, portugal, e entre outros estão abitáveis. A mudança de estações também, outono e principalmente o inverno prevalece aqui. Mas nós nos acostumamos e eu diria que prefiro o clima mais frio.
O terceiro e último, eu diria que seria nossa sociedade. Os mitos que falam no mundo dos "normais".Aqui um humano aqui não iria sobreviver. A sociedade dos séculos passados sofreram bastante e para sobreviver o mundo daquela época, eles acabaram se modificando, foi um modo de sobrevivência que no caso algo que hoje nós não viveríamos sem. Nossos corpos aguentam frios absurdos e nossos genes também foram modificados. Nossa resistência só melhorou por causa desses tais genes.

De tantas palavras ditas você iria morar nesse lugar? Abandonaria tudo para ir nesse lugar estranho por assim dizer? Eu diria que sim, afinal eu vivi aqui minha vida toda e não iria embora daqui se tivesse uma oportunidade.

A história que vou te contar em meio de tudo isso que te falei, vai ser uma história de amor, tristeza, decepção, batalha e sobrevivência. Por quê? Simples, ela conta a história de um casal jovem que tiveram um filho em meio a ganância e guerra por poder. Isso não é uma simples história ou um conto, uma lenda. Ela é um passado, ela simplesmente aconteceu, ela é uma lembrança de um passado que se resumiu a esse presente. Por causa deles estavamos a salvo, e agradecemos imensamente. 

"Um choro, foi a primeira coisa que ouvi.
Meu filho nasceu.

Fui apressadamente para o quarto, diretamente vendo minha mulher deitada com rosto suado e lágrimas nos olhos. A parteira com a criança nos braços, e ao berros clamando por comida.
Me aproximei da parteira que me entregou a criança, meu filho com seu delicado rosto com ainda manchas de sangue.
Rapidamente me aproximei de Celeste, pondo nosso filho em seus braços pequenos.

__nosso filho é tão bonito, meu marido__ falou, direcionando seu olhar para o marido__ ele é lindo, simplesmente perfeito.

__sim, ele é tem suas feições__ Alfred disse olhando no filho, que já estava com sua boca direcionada ao mamilo de sua mãe__ Gael é sua cara meu amor, simplesmente tem tudo seu.

__sim, mas tem seus olhos__ disse sorrindo carinhosa para seu bebê__ Gael você tem os olhos mais lindos de todos.

Mas nem tudo são rosas, seu irmão estava lá para tirar sua felicidade. Estava lá para tentar tomar seu lugar do trono, que era seu de direito. Mas seu pai tinha como melhor opção, seu irmão mais novo. A partir desse dia, ele odiou seu irmão e por isso o maltratava como podia.
Com isso anos se passaram e Alfred tomou o trono, e seu reino nunca esteve tão próspero. Se casou com seu amor de adolescência e estava tendo seu primogênito, o herdeiro e futuro rei de neuschwanstein. E seu irmão para tentar impedir o nascimento, se infiltrou entre os empregados. Mas era tarde demais, a criança havia nascido e com ele sua chance de vencer seu irmão. Ele com o coração maldoso, decidiu matar o bebê inocente, para enfim tentar pegar seu lugar no trono. Só que não estava em seus planos que a governanta escutasse seu plano, que dizia para seu fiel impregado.

A mulher com o coração apertado, foi imediatamente falar com sua alteza. A mulher até cogitou não contar, afinal seu filho acaba de nascer. Mas ela tinha que contar tudo antes que seja tarde demais.

__meu rei, me desculpe interromper em um momento tão agradável em sua vida, mas...__ ela disse se direcionando para perto de sua majestade__...eu preciso te contar algo que o senhor precisa saber, antes que seja tarde demais.

__claro, me encontre na sala ao lado para conversarmos__ fala já se preocupado com o que iria ser dito por Alice__ meu amor eu já volto para você e meu pequeno, não demoro.

__pode ficar tranquilo Alfred, ficaremos bem__ fala calma, acariciando as madeixas de seu pequeno vampirinho__ converse com calma.

__pois bem, eu já volto meus amores.

____________

__o que ia dizer Alice, para me chamar em um momento tão importante como esse__ fala Alfred com o corpo tenso.

__meu rei, creio que seu irmão está aqui e deseja de algum modo lhe fazer mal__ diz Alice de uma vez com a voz baixa e receosa.

__meu irmão está aqui? Como você sabe que ele fará algo Alice?__ pergunta o rei enraivecido__ como ele ousa chegar em meu castelo sem ser chamado?

__eu ouvi, atrás da porta ele conversando com uma pessoa__

__ ele está aqui com outra pessoa? Que é Alice, quem ousou me trair desta forma__ pergunta sem paciência.

__ creio que o senhor não há de gostar de saber...__ diz com o tom de voz um pouco temerosa__... é o senhor jeff blackout.

__O QUE?, como ele ousa me trair desta forma? Um homem em que tanto confiei__ diz alterado, e também com certa decepção na voz__ o que eles pretendem fazer Alice?

__ eles pretendem matar o primogênito ao entardecer...

_________

__meu amor, como foi a "reunião"? Era algo tão importante assim?__ a morena disse ao ver seu marido adentrar o quarto.

__precisa sair daqui__ diz sem rodeios a mulher que estav sentada com seu filho nos braços.

Após o dito se ouviu explosões e gritos. O moreno rapidamente foi em direção a sua mulher e pegou a criança de seus braços , chamou a morena para a saída do quarto. Foram a saída de trás do castelo e correram em direção a floresta. Mas foram emboscados no caminho. Era seu irmão e Jeff.

__o que está fazendo Ulisses? Não se importa com sua família? Poderíamos viver em paz, mas você e suas brigas tolas sempre vem no meio__ vocifera olhando para seu irmão, colocando o bebê nos braços da mãe novamente.

__ se você não tivesse tomado o meu lugar, e roubado tudo que pertencia a mim nada disso estaria acontecendo__ esbraveja também olhando com ódio ao irmão mais novo__ começou por meu trono e depois Celeste, e por fim o filho que deveria ser meu.

__ o trono se tornou meu, por você só se importar com o dinheiro. Não se importa com nossos súditos, e Celeste nunca foi sua por que ela nunca te amou. Você só a via como um objeto e à ainda vê. Você poderia encontrar alguém que te ame mas continua a me nos perseguir.

Ao terminar, deu um aviso discreto para a mulher ao seu lado e a mandou correr.
Sem pestanejar Celeste correu sem olhar para trás, segurando com força seu filho nos braços. Correu como se a vida de seu filho dependece disso, e realmente dependia.
Ao olhar que estava perto do portal, se encolheu perto ao escutar passos. Se escondeu e se abaixou, pegou seu colar que sua mãe a dera e pos no bebê adormecido em seus braços.

__ volte depois que tudo se acalmar meu filho, mesmo que eu e seu pai não estivermos aqui. Se prepare, fique forte e lute. Lute pelo bem e paz do nosso mundo. Fique seguro e viva, viva cada dia como se fosse o último. E encontre o amor, e ame-o muito pois o amor é o que muda o mundo e faz o ficar tão belo desta forma. Só quem tem amor no coração, vê o mundo de outra forma. Ame e você encontrará a felicidade que todos desejam.

Ao terminar as palavras, com cuidado foi ao portal colocando seu filho em um lugar que seria um pouco confortável. Olhou seu pequeno e ouviu vozes, humanos. Ao olhar escondida, viu um casal que parecia serem gentis e então o som de choro. Seu pequeno estava com fome, mas não poderia fazer nada naquele momento. Com os olhos marejandos deu um beijo, em seus poucos cabelos e foi em direção ao portal. A única coisa que viu antes do portal se fechar foi o casal pegar seu pequeno no colo.
Ficou em frente ao portal, e sibilou palavras com esperança de algum dia ver seu filho novamente.

Ao falar línguas estranhas para quem não às tem conhecimento, foi vista por um dos homens de Ulisses. E levada a ele novamente.
Ao chegar ao lugar que viu Ulisses e seu marido pela última vez, viu Alfred ajoelhado aos pés de seu irmão todo ensanguentado. Ao ver seu marido de tal forma tentou sem sucesso chegar até ele. Mas os homens que a levará, a impediu de cumprir seu objetivo.

__ olha quem chegaste, minha amada celeste__ disse completamente debochado ao ver seu desespero.

__ o que está fazendo Ulisses? Me solte, olha o que fizeste com meu marido__

__ ELE NÃO É SEU MARIDO, porque escolheste ele ao invés de mim Celeste. Eu sou muito melhor que este imprestável__ raiva era o que estava há sentir nesse momento, por sua amada ter escolhido seu irmão mais velho do que ele.

__ Alfred é mais do que meu marido, é o amor que eu quero levar até à morte__ diz com firmeza, ao ouvir tais bobagens.

Ao constar ouvir aquilo de Celeste, pegou sua espada que reluzia a luz da lua. E matou a sangue frio seu irmão na frente de todos presentes.

__NÃO__ chorando era o que estava a fazer, ao presenciar tamanha crueldade. Seu marido, seu amor, seu querido Alfred morto na sua frente__ por que? Por que fizeres tudo isto?

__ eu a quero, se eu não consigo por causa de "algo". Eu elimino esse "algo"__

Após presenciar essa cena de crueldade. Conseguiu se soltar desse homens que ainda à agarrava, e se direcionou ao seu marido caído ao chão. O agarrou e  se ajoelhou aos berros. Todos presentes nada fizeram apenas observaram, e Ulisses observava tudo com um sorriso no rosto.
Não aguentando tamanha dor, rapidamente foi ao homem mais perto e tirou sua espada e a cravou  em si.

__o que está há fazer?__ Ulisses disse a mulher que estava a morrer perto de seu marido__ a peguem, não a deixem morrer. RÁPIDO.

__ não, eu quero morrer junto ao meu marido__ disse fraca, já quase sem forças abraçou seu marido como se estivessem apenas indo dormir.

Enquanto, eles estavam apenas à observar a cena os guardas do castelo e os fiéis ao seu rei. Foram para a floresta, com o objetivo de preder as pessoas que os atacaram. Mas eles não imaginavam que ao adentrar a floresta e andar por poucos minutos eles iriam encontrar, seu rei e rainha mortos, e sem o herdeiro em seu meio.

Depois de muito lutar, eles conseguiram banir o irmão do falecido rei e também jeff.
Ao olharem os corpos de suas majestades, encontraram uma carta no vestido de Celeste. A carta dizia onde estava o príncipe herdeiros, e também que ele deveria ficar onde estava até seus 19 anos.

_____________

Chegamos em minha casa, precisamente em neuschwanstein. Coloco o kim em sua cama.
Fico observando jeff deitado ao lado do garoto na cama.

--como ele consegue ser tão cínico?--

__eu deveria falar a verdade para ele, depois que acordar. O que acha Jeff?__ pergunto direcionando meu olhar para ele.

__ eu me arrependo das coisas que fiz no passado, está bem?__

__ eu não acredito em você, Jeff blackout__

__ eu não sou mais Je-ele está acordando__

Paro de olhar para Jeff e direciono meu olhar novamente a kim.
Ele acorda perdido e depois de  ver que não estava em casa se desespera, eu até entendo eu estaria assim se fosse ele.

__calma pirralho, não vamos fazer nada com você __ digo sério, afinal eu não queria está aqui e sim treinando ou fazendo outro tipo de missão.

__quem é você?__ diz direcionando o olhar para mim__ onde estou?

__ você já vai saber quem nós somos. E bem vindo a Neuschwanstein__

•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•


Notas Finais


Votem e comentem

Então é isso, vimos um pouco da história de neuschwanstein e também um pouco da vista de Jeongguk.

Até o próximo capítulo
___________

Cronograma: todo sábado


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...