História Only You - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Demi Lovato, Grey's Anatomy
Personagens Demi Lovato, Personagens Originais
Tags Demi Lovato, Lesbian For Demi, Lovatic
Visualizações 242
Palavras 1.896
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, LGBT, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


BANG!!! VAMO COMEMORAR O LANÇAMENTO DE SOLO COM UM CAP SURPRESA, VAMO??

Aproveitem que é de graça ksksksk :v

Capítulo 4 - Four!


Sexta-Feira - 10:26

Acordei em um átimo de segundo, sentindo uma enorme dor de cabeça e minha boca terrivelmente seca, mas deixei isso pra lá ao perceber que esses não eram meus lençóis, nem mesmo meu quarto, então no desespero sento-me na cama, percebendo que eu não estava com a mesma roupa de ontem, e sim uma blusa gigante do Barcelona e uma calça de moletom escura.

“ Onde eu fui me meter? Que roupas são essas, meu Deus? ”.

— Hey, olha só quem já está acordada! — Lovato entra no quarto segurando uma bandeja com o que eu supus ser um café da manhã e vestindo um baby doll cinza escuro.

Senti um alívio imenso ao vê-lá entrar, pois era bem melhor eu estar em sua casa do que numa de uma desconhecida qualquer. Lovato vendo a minha feição de dúvida riu, logo se aproximando e colocando a bandeja em cima da cama após se sentar-se ao meu lado, de frente para mim.

— Como está se sentindo? — perguntou, cruzando as pernas.

— Como se uma manada de elefantes estivessem pisoteando minha cabeça. — digo massageando as minhas têmporas.

— Imaginei. Tome isso aqui — Demi pegou uma cartela de remédio de cima da bandeja e me alcançou, juntamente de um copo de suco de laranja. — Pode pegar, é só um analgésico. Sei que se você tomar, em pouco tempo vai ver que se sentirá melhor.

Peguei o analgésico e tomei junto do suco, bebi tudo pois estava com muita sede e assim que terminei vi um sorriso grande brotar nos lábios de Demi. Lhe entreguei o copo.

— Espero que esteja certa. Céus, o que foi que aconteceu ontem? Por que eu bebi tanto? — digo ao sentir uma pontada na cabeça.

— Você não se lembra de ontem? — Demi perguntou arqueando o sobrolho esquerdo.

“ Ela fica tão linda assim… ”. Pensei, e logo sacudi a cabeça no intuito de desembaralhar os pensamentos.

— Lembro de pouca coisa, mas não de como cheguei aqui.

— Do que você se lembra? — disse me servindo outro copo de suco.

— Hum… Lembro de estar aqui no seu quarto, acho que trocando de camisa. — comecei.

— Certo.

— Depois eu desci e fui no bar, e então uma mulher sentou do meu lado. Ela era loira. Não! Morena. Ela começou a conversar comigo, nós bebemos e fomos dançar.

— Sim, e o que mais?

— Lembro de ver você gritando com um megafone ao lado do DJ, e de você vindo até mim — tentei me concentrar em mais alguma coisa. — Não Lembro de mais nada depois disso.

Ela suspirou.

— Bem, acho que posso continuar daí. E- eu só não sei como vou ter coragem de te contar tudo o que você fez depois…

— Ai meu Deus, foi muito grave? Conta pra mim. — pergunto, visivelmente curiosa.

— Pode-se dizer que sim. Você tava muito bêbada quando eu te encontrei aquela hora, com aquela… Serzinha não sei das quantas lá — diz num tom de indignação. — Enfim, dizia coisas sem sentido e jogava cantadas sujas pra tudo e pra todos que passavam a sua frente, mas esse nem foi o ponto alto da noite. — Demi fez uma careta.

— Não?

— Não! Digamos que quando eu disse que ia te levar pra casa, você não reagiu muito bem, na verdade você subiu em cima do balcão do bar, e dançou nele.

— O quê?!

— Tirou até a camisa.

— Eu tirei a camisa? — indaguei, incrédula.

— Tirou a camisa.

— Não brinca que eu fiz isso mesmo.

— Fez.

Levei a mão na boca totalmente incapaz de acreditar no que acabara de ouvir, mas nesse momento, vi um sorriso quase que imperceptível nos lábios de Demetria, que foi o bastante para eu entender o que estava acontecendo.

— Você tá tirando com a minha cara, não está? — perguntei, mesmo já sabendo a resposta.

— Uhum!

Demi caiu na gargalhada, e tudo que eu fiz foi colocar a mão na testa em sinal de alívio.

— O que foi que aconteceu de verdade na festa? — perguntei, ignorando sua risada escandalosa.

— Você tinha que ver sua cara agora, (Seu Apelido).

— Ai, Demi. Concentração!

— Ok, desculpa! — disse cessando com a risada. — Eu e as gurias, vendo que você estava completamente bêbada, tentamos te levar pra casa, mas você não queria de jeito nenhum entrar no carro.

— Sério? E o que vocês fizeram?

— Bem, eu propus que vocês dormissem aqui, até que você melhorasse por completo. Aí, com ajuda do Matt, te trouxemos para cá, para o meu quarto. As meninas te deram um banho, te vestiram e depois te colocamos no quarto de hóspedes para dormir junto da Thalita, só que no meio da noite você apareceu no meu quarto dizendo que a Thalita não parava de te empurrar na cama, e cá estamos nós.

— Então foi isso?

— Sim.

— Nossa — suspirei, olhando a janela. — Nunca mais vou beber assim. Na verdade, eu nem sou assim, não sei o que me deu ontem para fazer essas coisas.

— Seja o que for, espero que não se repita mais. — disse, me encarando séria.

— Eu também. Olha, Demi. Eu queria agradecer por…

— (Seu Nome)! — Thalita aparece na porta. — Está acordada, que bom.

— Bom dia, Thay. — eu sorri.

— Você nos deu um belo trabalhão ontem, heim.

— É, Demi me contou tudo. Desculpe por aquilo.

— Eu vou… Deixar vocês duas a sós — Demi se levantou da cama e foi em direção a porta. — Vou tomar meu café lá em baixo, tchau.

— Então, vai me contar o que houve com você ontem a noite, ou não? — Thay disse assim que Demi saiu do quarto.

— Eu não…

— E não minta pra mim. Sei muito bem quando tem algo errado contigo. — ela fechou a porta.

— Eu briguei com a Laura — desabafei. — Digamos que ela não gostou nada de eu ter dado um bolo nela ontem à noite.

— Ah, foi por isso? Achei que você tava se comportando desse jeito por causa dos seus sentimentos pela Demi.

— O quê? Não! Claro que não… Não sinto nada em relação a ela. — tentei me convencer do que estava dizendo.

— Bem, nesse caso é um alívio. Porque, como você disse antes, sua prima não gostaria nada desse assunto.

— Não mesmo. Podemos focar na Laura, por favor?

— O que tem ela?

— Tô pensando em ligar pra ela. Esclarecer tudo o que houve ontem.

— Não. Você liga pra ela mais tarde, agora você tem que se alimentar, terminar de comer o seu café da manhã. — Thalita disse empurrando a bandeja para mais perto de mim, nela tinha dois sanduíches naturais e uma jarra com suco, então dei um pra Thalita e o outro ficou para mim.

— Thalita! — gritei, espantada.

— O que foi?

— O hospital, não fomos trabalhar! A chefe vai nos matar.

— Não se preocupe, já liguei pra lá. Disse que você não estava se sentindo bem, e que eu ia cuidar de você. O Warren e o DeLuca estão cobrindo a gente.

— Eu quero te matar, sabia? Não devíamos ter vindo nessa festa — digo mordendo um pedaço do sanduíche. — Nossa, esse negócio tá bom, né?

Terminamos de comer enquanto conversávamos amenidades, depois fomos até a cozinha atrás de Marissa e Demi, que estavam terminando de comer e aquele mesmo segurança que encontramos no início da festa, ele estava de frente para a janela que dava para a piscina com uma caneca de café em mãos.

— Terminou? — Demi perguntou, erguendo o olhar pra mim.

— Sim, estava muito bom os sanduíches, obrigada. — eu disse colocando a bandeja em cima da mesa.

— Então, o que temos pra hoje de tarde? — Thalita disse se sentando ao lado de Marissa. Todos olhamos para ela. — Porque a gente podia fazer algo legal, né? Ver filme, ou sair, talvez.

— Podemos sair, ir às lojas, quero comprar umas roupas novas! — disse Marissa.

— Ou podemos ir para as nossas devidas casas, né gente? Porque já incomodamos demais a Srta. Lovato. — eu sugeri.

— Não, eu tô de boa — ela diz. — Só não vou poder sair, porque eu tenho que esperar a equipe que vai arrumar a casa e eles vão chegar à qualquer momento, sem falar na diretora do meu clipe que vai vir hoje a noite pra mostrar as edições.

— Então fazemos uma maratona de filme mesmo. — disse Marissa, e em seguida ouvimos o barulho do interfone tocar.

Demi foi pessoalmente atender a porta, e a esperamos na sala, não demorou muito para ela retornar com alguns rapazes que fariam a limpeza da casa, ela os guiou até os fundos para que começassem por lá e então deixou o Max, o segurança, cuidando de tudo enquanto subiamos para o quarto da mesma, ficamos por lá por um tempo, apenas conversando até descermos para a cozinha. Para o almoço decidimos fazer um rocambole de carne recheado com provolone acompanhado de purê de batata e ervilhas frescas, mas como Demi tem intolerância à lactose, substituímos o provolone por queijo vegetariano, o prato foi um pouco demorado, mas o resultado foi simplesmente maravilhoso, inclusive todas ajudamos a fazê-lo.

Depois que a sala ficou limpa e liberada pra gente, resolvemos sentarmos nos sofás e assistirmos a um filme, seguido de outro, e mais outros depois desse, o ritmo se seguiu assim até o final da tarde quando começamos a jogar Scrabble, um jogo de tabuleiro em que dois a quatro jogadores procuram marcar pontos formando palavras interligadas, usando pedras com letras num quadro dividido em 225 casas, e eu estava indo muito bem até…

— Ganhei! — gritou Thalita, encaixando a última pedrinha de sua palavra.

— O quê? Não mesmo — Marissa protestou. — O que diabos é Oxazepam? Isso nem existe.

— Infelizmente, sim. Existe — eu disse, me dando por derrotada. — É um medicamento anti-ansiedade.

— Que vale vinte e oito pontos, a propósito. E completando com os que eu já tenho, ganho de vocês — diz comemorando com uma dancinha. — Então, podem passando pra cá, os meus M&Ms. — estendeu a mão para nós três.

Entregamos os nossos pacotinhos de chocolate, mesmo que por contra vontade e sentamos no sofá, prestando atenção em um episódio que estava passando na televisão da série Once Upon A Time. Thalita não resistiu ao nosso encanto e dividiu os chocolates com todas, e então, depois de acabar o episódio sobredito, resolvi que já estava na hora de ir embora, então Thalita e eu nos despedimos e fomos para casa, já Marissa ia passar mais uma noite com a Demi em sua casa.

Quando cheguei, tomei um banho, troquei de roupa e passei um tempo no quarto lendo um livro sobre radiografia do tórax, depois desci para a janta que Thalita fez, vimos um filme e quando me dei por conta a mesma já tinha caído no sono, então a peguei no colo e com muito esforço e cuidado subi as escadas, entrei no quarto dela, a coloquei na cama e fui para o meu quarto. No momento em que me deito na cama, meu celular vibra indicando uma nova mensagem, então o peguei e desbloqueei indo no Whatsapp e logo que abri a conversa com Marissa vi uma foto dela e Demi juntas, mandando beijo e a seguinte mensagem:

[00h15min] Marissa: Passo para pegar o meu carro aí amanhã, tá bom?

[00h15min] Marissa: Boa noite, beijos!


Notas Finais


Então o que vocês acharam? Digam, digam! E sobre a música, vocês gostaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...