História Opening your eyes (Malec) - Capítulo 81


Escrita por:

Postado
Categorias Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Personagens Originais, Raphael Santiago, Simon Lewis, Valentim Morgenstern
Visualizações 121
Palavras 2.654
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OLÁ, TÔ AQUI COMO PROMETI!
FICO MUITO FELIZ QUE NÃO TENHAM ME ABANDONADO!❤
Somos quase 200 favoritos aaaaa😃❤
Sejam bem vindos novos bolinhos!
Prometo que mais tarde irei responder os comentários, perdoem o atraso do capitulo...
Boa leitura!

Capítulo 81 - Delinquentes no amor


Pov's Alec

 

Acordei com meu despertador praticamente berrando em meus ouvidos. Levantei e o desliguei o mais rápido possível, já está mais do que na hora de trocar esse toque infeliz.

 

Caminho sonolento até o banheiro, irei tomar um banho quente com toda a certeza, está tão frio que parece até que irá nevar. Ligo o chuveiro na água mais quente que tem e tiro minhas roupas, já consigo sentir meus músculos relaxarem somente com o vapor quente que sai daquela água.

 

Vou para de baixo do chuveiro, mas sem molhar a cabeça, sem condições de lavar o cabelo neste frio. Depois de um longo e relaxante banho, resolvo me trocar no banheiro mesmo, acho que se eu saísse nesse corredor eu cairia congelado ali mesmo.

 

Visto minha calça preta, uma blusa azul marinha de mangas compridas e o meu moletom azul claro, que é o mais quentinho que eu tenho. Coloco minhas meias e calço minha bota, me sinto tão aquecido...Agora sim posso começar meu dia.

 

Vou para o meu passar um pouco de perfume e ajeitar meu cabelo, aproveitando para pegar logo minha mochila e meu celular. Desço as escadas e coloco minhas coisas no sofá, caminhando em direção a cozinha para tomar café. 

 

Izzy e mamãe já estavam na mesa tomando café, então as cumprimentei e me juntei para comer. Duas torradas e um chocolate quente, melhor jeito de começar o dia com toda a certeza. Izzy e mamãe conversavam sobre Simon e faculdades, então resolvi não me meter.

 

Terminei o meu café e fui até a cozinha deixar a louça lá, aproveitando para pegar um pacote de cookies para comer no intervalo. 

 

-Tchau mãe -Passo na mesa dando um beijo em sua testa

 

-Tchau filho, tenha um bom dia -Ela diz sorrindo 

 

-E eu? -Izzy reclama de braços cruzados 

 

-Mas eu vou te ver no colégio -Digo rindo -Até daqui a pouco maninha

 

Pego minhas coisas e saio de casa, tendo que caminhar até o ponto de ônibus. Tudo ocorre de maneira normal, dentro da minha rotina.

 

Chego ao colégio e Magnus está me esperando perto do portão com uma carinha sonolenta, mas sorridente. Sorrio para ele e caminho até o portão em passos rápidos.

 

-Bom dia -Lhe dou um selinho 

 

-Bom dia -Ele sorri de leve -Vamos entrar?

 

-Claro -Lhe dou a mão e entramos no colégio -Então...dormiu bem?

 

-Mais ou menos, tive um pouco de dor de cabeça, mas nada muito terrível -Ele diz bocejando 

 

-Mas você já se sente melhor? -O pergunto preocupado enquanto ele abre seu armário 

 

-Parcialmente - Ele pega seus livros e fecha a porta do armário -Mas não se preocupe, já vai passar 

 

-Hum...- Vamos até o meu armário e destrancou a porta -Mas algum sintoma?

 

-Um pouco de enjôo...Mas estou bem - Ele afirma novamente 

 

-Bom, se você diz...-Pego uns livros e fecho a porta -Já que faltam mais meia hora, quer esperar comigo no jardim?

 

-Claro -Ele concorda e vamos para lá 

 

Nos sentamos no canto do jardim e ele apóia sua cabeça em meu ombro, me fazendo sorrir discretamente e pegar sua mão. Ficamos alguns minutos em silêncio observando os alunos até que me deparo com Jace e Clary, pareciam estar tendo uma discussão. 

 

-Hey amor...-Magnus me chama e puxa meu rosto para encará-lo e tentar me distrair

 

-Espera -Digo desviando o olhar novamente

 

-Não se preocupe com eles - Ele puxa meu rosto para si de novo -Se preocupe conosco 

 

Ele me da um beijo caloroso, me fazendo retribuir na hora. É óbvio, estávamos no colégio, então logo tive que me conter para nos afastarmos e ele se controlasse também. Ele me da um sorriso, me fazendo retribuir na mesma hora.

 

Olho para onde estavam Clary e Jace, mas eles não estão mais lá. Frustrado, olho para o outro canto e lá estavam Rapha e Ragnor se pegando como se não houvesse amanhã.

 

-Do que está rindo? -Magnus me pergunta ao me ouvir soltar uma risada

 

-Olha lá -Aponto discretamente para Rapha e Ragnor -Seus amigos esqueceram totalmente que estão no colégio, dou 5 minutos para eles tirarem as roupas 

 

- santa Lana del Rey! A gente cria as criaturas por anos para elas crescerem e viverem de safadeza no colégio, o que eu fiz para merecer isso? -Ele diz dramaticamente me fazendo rir mais ainda -Meus filhos cresceram e se tornaram delinquentes 

 

-Mas são delinquentes fofinhos, pelo menos o único crime deles é se amar -Digo e ele solta uma risada melodiosa 

 

-Então também somos delinquentes? -Ele pergunta rindo 

 

-Bem...Se formos pensar por esse lado sim...-Digo e me aproximo mais -Que crime quer cometer primeiro meu cúmplice?

 

-Bom...-Ele se aproxima também e sussurra de forma ousada -Eu adoraria deixar minha marca no monumento sua boca, seria possível?

 

-Agora mesmo -Provoco de volta e ele ri, me beijando logo em seguida 

 

O sinal toca e me afasto, vendo Mag revirar os olhos irritado. Rio e pego sua mão, o ajudando a levantar. Olhamos para onde estavam Rapha e Ragnor e vemos ambos ajeitando rapidamente suas roupas e cabelos amassados, tentando fingir que nada havia acontecido, danados...

 

[...]

 

O resto da manhã foi completamente normal, a mesma coisa de sempre: aulas chatas, intervalo com Mag, Rapha e Ragnor, matérias novas e chatice. Não que eu esteja reclamando, pelo contrário, até agradeço que seja isso e não mais problemas, mas sei lá, tudo se repete tanto que me cansa.

 

Quando a tarde caiu, Magnus passou em minha casa para que eu o ajudasse com seus estudos, é óbvio que essa ajuda não duraria tanto com nossos impulsos, mas não custaria nada tentar.

 

-Biologia ou química? -O pergunto enquanto pego meus livros na mochila e ele me encara deitado de bruços na cama

 

-Biologia com certeza -Ele diz e procuro meu livro na mochila -Aquele professor não explica nada direito

 

-Mas você nem vai na aula dele direito, sempre que a aula dele se inicia você diz estar passando mal ou então fica no banheiro, são poucas as que me recordo de te ver lá -Digo rindo e ele bufa

 

-As aulas dele são chatas e tediosas, ele não sabe explicar! -Ele faz bico 

 

-Tá bom tá bom, então ele não sabe explicar ok? -Rio de novo e ele sorri

 

-Que bom que concorda 

 

-Podemos estudar o capítulo 1 hoje e fazer uns exercícios pra fixar, depois nós...-Olho para Magnus e eles está brincando com a cordinha de seu casaco, me fazendo rir - Magnus! 

 

-O que foi meu gatinho? -Ele pergunta se jogando em cima de mim

 

-Magnus! - Me controlo para não rir

 

-Meu nome -Ele diz distribuindo beijinhos pelo meu pescoço 

 

-Nós não íamos estudar? -Pergunto rindo

 

-Ah...Temos mesmo? -Ele pergunta fazendo manha enquanto esconde o rosto em meu pescoço 

 

-Bom se você quer passar de ano e se formar...Sim -Digo rindo

 

-Aff -Ele reclama se sentando -Odeio essa pressão de último ano no colegial

 

-Eu te entendo -Rio e me senti também -É insuportável, mas é importante...pense bem, logo logo estaremos na faculdade, depois nos formando e por último, sendo os melhores em nossos empregos, ricos, viajando pelo mundo, casados...

 

-Casados? -Seus olhinhos brilham 

 

-É...-Fico sem jeito ao perceber o que havia dito

 

-Calma -Ele ri -Só achei fofo que também pense um pouco em nosso futuro. Juro que já imaginei também...

 

-No que você pensou? -Pergunto acariciando sua mão em seu colo 

 

-Nós dois, morando em Nova York, na cobertura com piscina, presidente miau, dois carros na garagem e o passaporte lotado -Ele diz com um grande sorriso 

 

-E filhos? -Pergunto um pouco receoso, por mais que eu não seja o mais experiente com crianças, eu sempre quis ser pai, se Magnus não tivesse essa vontade...seria um tanto complicado 

 

-Ah e claro, filhos -Ele sorri -Uma menina e um menino, pra saber como é ter os dois, um futuro perfeito...

 

-Concordo -Sorrio junto a ele -Mas agora se você quiser esse futuro, é melhor estudar, a cobertura em Nova York não se compra sozinha 

 

-Tá, só pelo nosso futuro -Ele reclama, me fazendo rir e dar um selinho antes que voltássemos aos estudos 

 

[...]

 

-Mas já está indo? -Minha mãe pergunta assim que a digo que irei levar Mag em casa

 

-Infelizmente já senhora Maryse -Ele diz dando uma risadinha sem graça 

 

-Já está ficando tarde mãe, sabe como é né, amanhã temos escola...-Explico um tanto apressado 

 

-Uma pena -Ela diz e faz beiço -Bom, foi um prazer te ver meu querido, saiba que é sempre bem vindo aqui 

 

-Obrigado -Magnus sorri e a abraça -É sempre um prazer estar aqui 

 

-Até mais querido 

 

-Até -Magnus responde e vamos para o quintal 

 

Andamos até a calçada e penso um pouco. Bom, eram seis horas, não era tão tarde assim, mas tinha um pouco de receio de ter que levar Magnus a pé e depois voltar sozinho. Do mesmo jeito, não iria deixá-lo ir sozinho para casa, respiro fundo e lhe dou a mão.

 

-Eu tenho que aprender a dirigir logo -Digo e lhe puxo para começarmos a andar 

 

-Pera, você irá me levar a pé? -ele pergunta

 

-Sim, por que não iria? -Digo simplesmente 

 

-Para depois voltar sozinho? Nem pensar -Ele diz parando 

 

-Mag, tá tudo bem ok...

 

-Não, eu irei pedir um táxi, você não vai voltar sozinho -Ele diz sério

 

-Magnus vai ficar tudo bem e...

 

-Não vai não, é perigoso demais, não quero que te machuquem -Ele diz preocupado 

 

-Magnus, não vou te deixar gastar dinheiro com isso, não faço mais do que a minha obrigação como seu namorado de lhe deixar em casa -Digo acariciando seu rosto -Irei ficar bem 

 

-Certeza? -Ele pergunta inseguro

 

-Claro! -Não, definitivamente não, mas eu não iria responder isso 

 

-Então vamos -Ele sorri, me dá a mão e voltamos ao caminhar - O céu já escureceu...estranho 

 

-Mas já são seis horas, acho que é normal, não? -Digo olhando para o céu 

 

-Mais ou menos, na verdade deveria estar um pouco mais claro ainda -Ele diz -Além do mais, você vê as estrelas? 

 

-Não...

 

-Então, o céu está nublado -Ele diz - Por isso que está tão frio 

 

-Isso é ruim, será que chove? -Pergunto preocupado 

 

-Acho que não, acho que o clima só está mudando mesmo...

 

-Assim espero...-Digo receoso 

 

Caminhamos em um silêncio gostoso até a casa de Mag, que por sinal nem era tão longe quanto eu havia pensado. Chegamos em frente a sua casa e paramos na porta.

 

-Então...-Tento pensar em algo para dizer mas nada vem em minha mente

 

-Acho que minha tia não está em casa- Magnus diz tentando olhar pela janela - Onde ela se meteu?

 

-Ela tinha trabalho hoje, não? -Pergunto

 

-Tinha, mas ela não havia me avisado que ficaria até mais tarde...-Ele diz um pouco preocupado -Será que aconteceu algo com ela?

 

-Calma, ela deve estar no trabalho, liga pra ela -Digo tentando acalmá-o

 

-Vou ligar -Ele pega o celular e disca o número, sendo atendido no terceiro toque -Alô? Tia?...É...Queria saber se você estava bem...ah, está com o...Ah sim...Mas você volta hoje?...ah então tudo bem...Pode deixar...Tchau 

 

-E então? -Pergunto curioso

 

-Ela está com o namoradinho dela, disse que volta hoje, mas que não é para ficar esperando porque ela deve voltar tarde...-Ele diz 

 

-Não sabia que ela namorava...

 

-Faz pouco tempo -Ele explica -Catarina tem saído bastante com ele 

 

-Isso é bom, não acha?

 

-Mais ou menos -Ele diz um pouco triste -Gosto muito de ver minha tia feliz mas...Não sei, me sinto um pouco deixado de lado 

 

-Ah, você está com ciúmes? Que fofinho -Digo rindo e aperto sua bochecha

 

-Não tenho ciúmes! -Ele diz bravo e cruza os braços -Só...Me sinto trocado 

 

-Ah você não está sendo trocado, sua tia também tem vida social Mag, ela é nova e tem que viver 

 

-Eu sei...

 

-E além do mais...-Me aproximo e agarro sua cintura -Mesmo que ela te troque, você tem a mim! E eu sempre estarei aqui para você caso precise de alguém pra te ajudar, dar carinho ou simplesmente uma companhia para fazer um monte de nada

 

-Eu te amo tanto -Ele sorri e envolve meu pescoço com seus braços 

 

-Também te amo muito -Sorrio e o beijo com sutileza

 

Afastamos nossos rostos e ele me encara, seus olhos sapecas brilhando, um sorriso se forma em seu rosto. Ele beija meu nariz, minhas bochechas, meu maxilar, até chegar em meu pescoço e começar a mordiscar de leve a região.

 

-Quer entrar? -Ele pergunta baixinho escondendo o rosto em meu pescoço 

 

-Está ficando tarde -Comento olhando para o céu 

 

-Só um pouco -Ele diz em um tom manhoso 

 

-Está bem, só um pouquinho -Concordo e ele me encara sorrindo, destrancando a porta logo depois 

 

[...]

 

-Que horas são? -Pergunto me sentando na cama e pegando meu celular -Já são nove! Caramba, preciso voltar pra casa

 

-Calma, eu chamo um táxi para você -Ele diz se sentando também e pegando seu celular

 

-Eu já disse que não precisa - Minto pegando minha camiseta e minha calça que estavam espalhadas pelo chão 

 

-Mas amor...-Ele tenta me convencer - Já está tarde e é perigoso para você ir à pé 

 

-Não tem problema -Digo me vestindo -Não vai acontecer nada 

 

-Eu fico preocupado! -Ele reclama fazendo bico 

 

-Não precisa ficar -Caminho até a cama e me abaixo em sua frente, colocando minha mão em seu rosto -Ficarei seguro 

 

-Tem certeza? -Ele diz segurando minha mão 

 

-Claro - Não, nenhuma, mas eu não me faria de frouxo naquele momento 

 

-Então antes só me deixe preparar algo para você comer no caminho -Ele diz e concordo com a cabeça 

 

Ele se levanta e veste sua calça, mas continua sem camisa. Se não estivesse tão tarde diria que adoraria deixar mais algumas marquinhas iguais aquela que havia deixado a pouco no pescoço dele, uma verdadeira pena não poder ficar mais.

 

Descemos as escadas e vamos para cozinha. Me sento no balcão enquanto Magnus me prepara um sanduíche, é tão adorável vê-lo preparar coisas com tanto carinho para mim. Sorrio bobo enquanto o observo, me perdendo tanto que nem percebo quando o mesmo já está em minha frente, me entregando o sanduíche e sorrindo.

 

-Muito obrigado - Sorrio de volta -Deve estar ótimo 

 

-Bom, com a durante sua ida para casa e quando chegar me diga se gostou -Ele sorriu -Falando nisso, seu táxi já deve estar chegando 

 

-O que? -Pergunto desentendido -Magnus,  eu te disse que não precisava...

 

-E eu te disse que me preocupo -Ele rebate 

 

-Você não existe -Dou uma risada sem graça graça e desço do balcão -Depois me diga quanto foi, eu te pago amanhã 

 

-Nada disso!- Ele diz -É por minha conta 

 

-Magnus...

 

-Eu mesmo

 

-É sério, quanto foi? -Pergunto puxando minha carteira no bolso, mas ele me para

 

-Já disse que não precisa!

 

-Mas Magnus...

 

-Então tá, você pode me pagar...

 

-Ótimo - Volto a pegar minha carteira mas ele me para novamente

 

-Com um beijo -Ele diz com um sorriso sapeca

 

-Magnus...

 

-Anda...senão vem com taxa...-Ele diz brincalhão 

 

-Aff -Rio e me aproximo, lhe agarrando firme pela cintura e lhe dando um beijo - Está pago?

 

-Hum...faltaram uns centavos...-Ele reclama, então lhe pego pela cintura e coloco em cima do balcão, ficando entre suas pernas e lhe beijando novamente

 

-E agora? -Pergunto contra seu pescoço

 

-Só mais uma taxa...pendências sabe?

 

Lhe Beijo novamente e desço até seu pescoço, dando algumas mordidas e fazendo questão de deixar mais uma marca ali. No final, me afasto um pouco e o encaro, sorrindo e depositando um beijo na ponta de seu nariz.

 

-E então? -Pergunto rindo -Dívida paga?

 

-Com toda certeza -Ele ri de ouvimos uma buzina do lado de fora -Te dou o troco outro dia, bebê 

 

-Posso esperar -Sorrio -Agora e tenho que ir

 

Ele me acompanha até a porta e lhe dou um selinho.

 

-Me liga quando chegar -Ele diz 

 

-Tudo bem, até amanhã -Digo lhe dando mais um selinho 

 

-Até -Sorrio e caminho até o carro


Notas Finais


Espero que tenham gostado❤
até logo💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...