1. Spirit Fanfics >
  2. Operação Yohan >
  3. Baralho, Park Yohan.

História Operação Yohan - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


OLÁ <3<3<3

tudo bem com voces? espero que sim

adivinha quem se atrapalhou com os capítulos da fic? eu KKKKKKKK esse deveria ter sido postado antes do anterior mas a merda ja tava feita entao tem que terminar de cagar KKKKK

desculpem os erros e boa leitura <3

Capítulo 5 - Baralho, Park Yohan.


Jimin havia descoberto que, quando se tem um filho ou um bichinho de estimação você não pode usar o banheiro com privacidade. Ao menos que se trancasse lá dentro e esperasse o caos depois — no caso da criança.

E Jimin tinha uma criança. 

Enquanto descoloria seus fios em frente ao espelho do banheiro com água oxigenada e pó descolorante, o menino o observava atentamente. 

— Jimin, por que você ta fazendo isso no seu cabelo? — Os grandes olhos pretos o observavam com a pura curiosidades estampada. O homem sempre achou fofa a pronúncia que Yohan dizia o seu nome, era como um "zimin". 

— Para ficar bonito. 

— Tá feio. 

Jimin não conseguiu segurar sua risada, as respostas imprevisíveis de Yohan eram muito engraçadas. Mas, concordava com o menino. Com aqueles cabelos com parte espetada e parte lambida para o lado com o produto ao qual aplicava não faziam uma imagem bonita. 

Pelo menos, não ainda. 

— Mas, vai ficar bonito, amor.  

Jimin continuou seu trabalho. Terminou de descolorir todas as mechas, colocando a touca em seguida — que esquentava sua cabeça — e enquanto esperava o tempo necessário para acabar a duração do tempo, passou alguns cremes na pele, tirou a sujeira das unhas e depois apenas ficou observando os detalhes do banheiro. 

O azulejo branco, as prateleiras cheias de cremes para para o rosto e para o cabelo. E também hidratantes corporais que Jimin adorava o cheiro. Amava quando Yoongi passava e vinha deitar para dormir e ficava sentindo o cheirinho dele misturado com o cheiro de lavanda e lichia.

Yoongi havia voltado para o trabalho um dia atrás. Um secretário executivo que não podia se afastar por muito tempo do posto. Havia tirado três semanas de férias para ficar em casa com o marido e o filho, até Jimin se adaptar a vida de pai novamente. 

O Park não voltaria ao trabalho agora, era pedagogo em uma escola de ensino médio. Sempre foi econômico e ainda tinha dinheiro guardado. Aproveitaria mais o tempo perdido até resolver voltar para escola. 

Quando finalmente o tempo acabou — finalmente, porque parece que quanto mais você quer que algo passe logo, mais demora a passar. Jimin foi tomar um banho para retirar as coisas da sua cabeça, que já estava a um bom tempo com vontade de coçar e aproveitando para dar uma pequena hidratada. 

Cabelo loiro desgasta demais, mas era tão bonito. A vida é injusta. 

Jimin sentia que estava esquecendo de alguma coisa, não, de alguém

Quando saiu do banheiro depois do banho — devidamente seco, vestido, com um cabelo loiro bonito e hidratado que na sua opinião lhe caiu muito bem — reparou que não tinha nem a sombra, nenhum fio de cabelo, nenhum rastro de Yohan por ali. E Jimin não se lembrava do momento em que ele havia saído do banheiro, nem sabia pra que lugar da casa ele tinha ido, muito menos o que estava fazendo. 

Se tem uma coisa que Jimin aprendeu naquele tempo de convivência com Yohan era que, se uma criança estava quieta podia significar 3 coisas: ou ela estava dormindo, opção totalmente descartável, porque ainda beirava às 9:30 da manhã. Ou ela estava doente, coisa que Jimin desconfiava, já que Yohan estava completamente bem a alguns minutos atrás e a última opção e provavelmente a opção certa: ele estava aprontando. 

Criança calada é criança aprontando. A casa estava em um silêncio profundo como se estivesse todo mundo dormindo. 

Saiu procurando de cômodo em cômodo e continuava a não achar o menino em lugar algum. Restava apenas o quarto do casal para procurar e Jimin já ia abrindo a porta pensando mentalmente em quais coisas poderiam ter ali pra uma criança mexer. 

Quando entrou parou no meio da porta. Caralho, puta que pariu, minha nossa senhora da bicicletinha. 

— Caralho, Park Yohan. — Jimin soltou o palavrão sem perceber, tendo a atenção do menino que teve um pequeno susto olhando para o homem com os olhos arregalados, como se tivesse sido pego fazendo algo errado. E realmente tinha. 

— Caralho. — O menino repetiu. 

Oh não, não suje sua boca linda e fofinha com palavrões Yohan. Coopere com o papai. 

— Baralho, Yohan, baralho. — Se corrigiu. 

— Caralho. — Não seria tão fácil assim.

Teria que apelar. 

— O bicho papão vem pegar as crianças que falam essa palavra viu, cuidado. — Percebeu que a tática tinha dado certo e o menino não repetiu mais a frase. 

Agora podia se concentrar no problema real. 

Um batom vermelho na mão de Yohan. A testa, bochecha, nariz e até mesmo os dentes, sem contar na barriga e nas pernas. Completamente vermelhos, sujos de batom. 

Mas, aí você se questiona... E esse batom? Pois é, cada um com seus fetiches. 

— Uau, como você ta bonito. — O menino colocou as mãos na bochecha, enquanto falava com a voz mais alta olhando diretamente para o seu cabelo. 

Jimin estreitou os olhos. 

— Não tente mocinho, você acha bonito isso que você fez? — Cruzou os braços. 

— Acho. — As unhas de Yohan estavam completamente sujas de batom, assim como suas mãos. Aquilo daria um trabalho enorme pra sair. 

— Pois eu não acho não. E fique sabendo que o bicho papão vai vir pegar você, se fizer isso de novo, tá bom? — Viu o menino assentir. 

Chegou perto pra pegar o batom — ou o resto dele — da mão pequena, quando olhou pra parede e quase chorou. 

Tinha três traços na parede. Três manchas de batom na parede

Yoongi iria matar ele. 

— Yohan do céu, o que foi isso. — Se ajoelhou do lado do menino passando os dedos sobre as manchas, já estava seco. 

— É o papai, eu e você.

Assim o coração de Jimin iria explodir. Ele devia brigar com o menino, entretanto, aquilo deixou seu coração quentinho. Tudo bem que aquele não era o lugar certo de desenhar, muito menos com um batom. Mas ainda era Yoongi, Yohan e Jimin. 

A parede tinha ficado manchada, mas, ainda era Yoongi, Yohan e Jimin em uma imagem de família que o menino desenhou. Iria ter que relevar. Pelo menos dessa vez...

Yoongi teria que entender, era só um desenho de família. Nada demais. 

Nesse dia, Jimin aprendeu mais uma lição valiosa. 

Não deixem nada no alcance de crianças. Nunca pensou que os avisos nas embalagens eram tão importantes assim, mas eram. 

Coloquem tudo para cima. É perigoso, lugares altos. Não pode deixar a criança pegar, lugares altos. Para todos os casos, lugares altos. 

— Hora do banho! Vamos ver como é que eu vou tirar esse batom de você. 

Foram ambos até o banheiro. Chegando lá, antes de tirar a peça íntima de Yohan — única coisa que ele usava, pois estava um dia quente — viu ele fazendo uma expressão estranha. 

— O que foi? 

— Quero fazer cocô. 

— Tudo bem, deixa eu abaixar sua cueca. 

— Você limpa? — Sabia que Yohan perguntava isso pelas diversas vezes que brincou dizendo que não iria limpar ele quando fizesse cocô, mas claramente era mentira. 

— Limpo.

Limpar o bumbum do filho também era um dever dos pais. E Jimin iria cumprir com o seu dever.


Notas Finais


entao, espero que nao tenha ficado tão ruim

é isso, se hidratem e tchau tchau <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...