História Optimus Fortuna - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Tags Abo, Chanbaek, Hunhan, Kaisoo, Sulay, Xiuchen
Visualizações 26
Palavras 1.055
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Fantasia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - Septima


Luhan

Acordei assustado por um sonho estranho que tive. Algumas noites atrás tive uma conversa séria com Chanyeol e Baekhyun sobre minha vida e o quanto precisava seguir em frente. Os argumentos dados por Baek foram muito convincentes e acabei entendendo e aceitando que XiaoBai não retornaria nunca mais e eu ainda tenho a vida inteira pela frente. Sehun me chamou totalmente a atenção e por isso eu tenho que criar coragem para chamá-lo um dia e contar dos sentimentos que ando tendo com ele. O ômega recebe muito amor do meu filhote, sempre e todos os dias. Desde que o ano começou não se passa um momento sem que Zitao não comente em casa o quanto seu professor é bom e especial com todos. Dias atrás meu filho até mesmo questionou quando eu iria arrumar um namorado e que ele deseja que eu peça Sehun em casamento. Resolvi deixar de ser idiota e seguir em frente enquanto ainda tenho esse direito.

-Bom dia appa. -Tao entrou no quarto com um pijama de nuvens e se sentou na cama.

-Bom dia meu amor, dormiu bem?

-Sim. Hoje nao tem escolinha mas eu queria muito ver o professor.

-Hm... Eu não sei querido. Sehun tem que descansar também. É o dia que ele tem para ficar longe desses pestinhas que atormentam todos os dias, ou pensa que são anjinhos? Eu conheço muito bem todos vocês. -Tao sorriu. Ultimamente ele tem voltado cada dia mais feliz para casa e eu fiquei com uma pulga atrás da orelha. Era algo que queria muito perguntar ao Sehun.

-Liga pra ele appa. Liga, liga. -Acabei concordando com a ideia louca do meu filho de perturbar a tarde de outra pessoa. Sentei na cama e peguei o celular procurando pelo contato de Sehun. Estava um pouco nervoso mas dei graças quando Tao falou que iria no banheiro. Sempre tento esconder meus sentimentos para não deixar que ele crie esperanças com isso. Eu preciso achar a pessoa certa, não quero me deixar enganar pelos sentimentos do coração e muito menos que meu filho se apegue a uma pessoa se ela não for ficar em nossas vidas. Coloquei o celular para chamar, demorou um tempo mas alguém atendeu.

-Alô? -A voz não parecia dele, era um pouco diferente, mais grave. Poderia ser um namorado?

-Er... Sehun?

-Ah não, sou Kang Daniel, um amigo, quem deseja falar com ele?

-Ahn... me chamo Luhan, sou appa de um dos seus alunos.

-Oh, entendo. Eu vou chamá-lo senhor. -A linha ficou muda mas enquanto isso mil e uma coisas se passavam na minha mente.

-Luhan? Oi? -Sua voz se fez presente e meu coração deu uma leve disparada.

-Ah, eu atrapalho?

-Não. É uma supresa que esteja me ligando. Aconteceu alguma coisa com Tao?

-Ele insistiu que eu te ligasse pois quer te ver. Eu realmente sinto muito atrapalhar seu dia de folga Sehun.

-Oh, não se preocupe com isso. Bem, já que vocês estão sem opções do que fazer, tem um festival de música em Seul, alguns dos meus antigos alunos irão se apresentar, querem ir? É um festival público e creio que seria muito bom estimular o lado artístico do Taozi. É uma ótima ideia para ômegas. -Ele comentou. Isso tudo sempre me encantava nele, seu lado preocupado com uma criança que ele não possui responsabilidade mas cuida com amor e carinho.

-Eu acho uma ótima ideia. Me passe o endereço por mensagem e eu estarei lá.

-Tudo bem. Nos vemos mais tarde. -Ele desligou e fiquei pensando. Recebi a mensagem e me levantei para avisar Taozi sobre isso. Meu filho ficou logo muito animado por passar o dia ao lado de seu professor que tanto ama enquanto eu me preocupei com o modo como devo agir com Sehun e se devo falar de cara que quero tentar alguma coisa. Eu nunca precisei conquistar ninguém então isso pode ser a coisa mais complicada de toda a minha vida. Sehun parece ser um ômega muito seguro de si mesmo com todo o seu jeito delicado. Mesmo que estejamos muito evoluídos ainda existe muitas pessoas que mantem o famoso preconceito de que trabalhar não é apropriado para ômegas e sabendo disso ele continuou e continua, além de ter pulso para negar investida de qualquer alfa que tente. Eu mesmo já fui capaz de presenciar ele negando sair com um alfa e confesso que meu coração ficou bastante aliviado com aquela cena.

Nunca fui uma pessoa ciumenta, sempre me mantive com muito cuidado em uma linha de amizade e paciência. XiaoBai nunca deu motivos para que eu desconfiasse de algo. Ele era um ômega excelente e um amigo grandioso, sempre me contava tudo independente do que fosse  era algo louvável e muito admirável em alguém assim. Como alfa posso dizer que tive o prazer de conhecer um ômega diferente, que era livre e tinha seus próprios pensamentos, nunca dependeu de mim ou do dinheiro dos appas que o abandonaram quando precisou. Ele era meu orgulho e quero que Zitao seja um ômega livre para suas escolhas, mas atualmente, precisa desse modelo de pessoa. Seu omma existe apenas em uma imaginação, nas histórias que conto e toda criança precisa de um modelo real, o mais próximo da realidade possível.

-Appa vai ficar pensando por quanto tempo? Eu já estou pronto. -Olhei para as horas no celular e quase arregalei os olhos ao perceber que passei muito tempo pensando nele. Levantei correndo e coloquei a roupa que mais gostava. Peguei dinheiro e todo o necessário. Me dirigi ao carro colocando Zitao que não parava de falar na cadeirinha e me sentei, suspirei e liguei o carro. O lugar onde Sehun tinha indicado não era longe então seria uma viagem rápida e quanto mais andamos mais meu coração fica acelerado e o estômago se revirando em nervoso. Fazem muitos anos desde que essas sensações adolescentes passaram por mim que nem mesmo sei lidar com elas. É sempre um fato muito complicado ter que reviver experiências embora Baek sempre diga que não há idade para amar e eu acredito fielmente nisso mas nunca é fácil quando é você. Estacionei o carro e já podia ver várias pessoas por ali. Saí e tirei meu filhote da cadeirinha que já pulava ali. -OLHA O TIO HUNNIE.

Avistei Sehun e ele não podia estar mais lindo com aquele sorriso. Veio até nós e cumprimentou primeiro Zitao que o agarrou e depois me encarou.

-Olá Luhan.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...