1. Spirit Fanfics >
  2. Orgulhe-se >
  3. Prólogo

História Orgulhe-se - Capítulo 1


Escrita por: chenie

Notas do Autor


Hum, olá ksksks depois de quase um ano eu finalmente achei um rumo para esse plot, foram muitas tentativas, cheguei a postá-la ano passado, mas não me sentia confortável com as ideias na época e acabei desistindo. Depois de crises existências e muita dó de desperdiçar ele, acabei modificando para ficar mais leve (?) não sei, mas estou muito satisfeita com o novo roteiro. Eu espero que vocês gostem da minha escrita, pois estava em hiatus desde dezembro do ano passado.
A capa foi feita pela belíssima @lunaticax
Boa leitura!

Capítulo 1 - Prólogo


Eu nunca pensei muito no momento que fosse me assumir para a minha família. Na verdade, por um bom tempo eu optei por não falar sobre minha sexualidade quando meus pais estavam presentes, talvez pelo fato de eu não ter certeza sobre qual era o pensamento deles sobre o assunto, quer dizer, eu sabia que meus pais não ligavam para os costumes da família tradicional coreana, mas não queria jogar tudo em cima deles de uma vez, como um balde de água fria. Já foi complicado o suficiente para mim lidar com aquele misto de ansiedade e medo por estar fora dos padrões.

Desde o início do ensino médio eu havia começado a desconfiar de que não era apenas por garotas que eu me interessava, com o término do meu último namoro e a entrada na faculdade, tudo ficou claro, eu gostava de garotos e garotas. No começo não foi lá muito fácil, era tudo muito novo pra mim e, mesmo que não devesse, eu estava mais preocupado com o que os outros pensariam de mim, do que com todo o resto. Naquela época, a única pessoa que eu tinha certeza de que poderia contar era a minha melhor amiga, Baek Hee. Ela havia se assumido trans para a família um pouco antes de ingressarmos na faculdade de arquitetura, se tinha uma pessoa que saberia o que me dizer, esse alguém seria ela.

E, como eu previa, foi isso que aconteceu. Esperei o fim de semana daquele mesmo mês, e me abri com ela quando estávamos completamente a sós. Lembro-me como se tivesse sido há dias atrás, nós nos abraçamos, por mais que eu estivesse sentindo mil coisas naquele instante e chorado bastante em seu ombro também, eu já não tinha mais tanto medo assim. No fim daquela tarde, resolvemos sair do apartamento que dividíamos para distrair a cabeça e eu nem me importei com o fato de ter ficado de vela para Jongin e a minha melhor amiga até de madrugada, faria tudo de novo, aliás.

Aqueles anos na faculdade foram cruciais para eu me entender melhor, vivenciar novas experiências e, principalmente, conhecer novas pessoas. Nesse meio tempo, eu conheci Sehun, o primeiro garoto com quem eu me relacionei, mesmo que não tenha sido por muito tempo, eu não mudaria nada, se tivesse a chance. Eu com certeza tive um ano maravilhoso ao seu lado! Houveram momentos muito preciosos para mim, que jamais irei esquecer. No entanto, após a formatura, nós percebemos que tínhamos sonhos e metas muito diferentes e, por conta disso, o relacionamento não daria mais certo, infelizmente. Cada um acabou indo para um canto, eu continuei em Gangnam e Sehun foi para Londres, mas hoje em dia ainda somos bons amigos e mantemos contato frequentemente. Afinal, mesmo com o término, não quisemos cortar os laços completamente, isso era besteira, ao meu ver, ainda somos especiais um para o outro. 

Ainda na época da formatura, minha família ainda não tinha ideia de que eu era bi. Baek havia me dito uma vez que o pior erro que ela cometeu foi se assumir sem ter estabilidade financeira e uma casa própria, para no caso de ser expulsa de casa. Aliás, esse foi o meu medo por meses! Mas depois de conversar com alguns amigos meus, eu sabia que teria a quem recorrer, caso algo fora do planejado acontecesse. 

Aos vinte e sete anos, já tinha minha tão sonhada estabilidade financeira. Pude até mesmo tirar algumas semanas de folga e viajar mundo afora, e foi na minha viagem para Pequim que conheci Yixing, meu atual namorado.

Eu estava sozinho em um bar, era uma tarde de sexta-feira — um pouco patético, confesso — quando ele se sentou ao meu lado e me ofereceu uma bebida. Após uma longa conversa e muitas risadas, ele me disse que era dançarino profissional e que na próxima semana embarcaria para a Coreia, pois lá havia surgido uma oportunidade para realizar seu sonho; abrir um estúdio de dança para crianças e jovens. Eu sorri para ele, achando a ideia bacana e contei que morava por lá também e trabalhava em uma empresa no centro da cidade, mas que coincidência, não? Pois aquele foi o começo da nossa história. 

Após algumas festas e passeios pela sua cidade natal, acabamos voltando para a Coreia juntos e nos tornamos ótimos amigos! Yixing até mesmo me ofereceu algumas aulas de dança, mas sinceramente, o meu lugar é na minha salinha, com materiais para desenho e projetos. Mas aquilo foi divertido, apesar das diversas vezes em que quase beijei o chão e pisei em seu pé.

O pedido de namoro foi o estopim para que eu tomasse a decisão de contar tudo para a minha família. Já tinha namorado com Sehun às escondidas e, de certa forma, hoje eu vejo que aquilo não foi o certo a se fazer com ele, tampouco comigo. Decidi que dessa vez seria tudo diferente! Por isso, esperei um mês mais ou menos e, durante um almoço com todos reunidos, me abri, sem medo de suas reações.

Claro, de imediato não foram boas, não em sua maioria. Meu pai com certeza foi quem mais ficou surpreso com a notícia; não expressou emoção alguma na hora. Já minha mãe, desde sempre deixou explícito que ela não tinha nada a ver com a felicidade de ninguém e eu não era uma exceção. Ah, meus outros parentes, eles se dividiram em “oh, eu sempre desconfiei” e “um garoto bonito desses… Meu deus”, mas eu já não me importo muito, desde que me respeitem e não cuidem da minha vida. No geral, levou algumas semanas até que tudo se normalizasse e eu conseguisse olhar para todos sem receio de que me rejeitassem por finalmente me assumir. Fiquei mais aliviado quando minha mãe convidou Yixing para jantar e correu tudo bem! Só meu irmão que implicou um pouquinho com ele por alguns meses, mas hoje eles se suportam. Eu não julgo, são completamente o oposto um do outro. 

Mas, claro, como nem tudo são flores, frequentemente tenho que aguentar olhares tortos quando saio com Yixing. Sei que por aqui as pessoas lidam com isso de outra forma, são mais conservadores, só que esse tipo de comportamento não vai mudar o que eu sinto. Então simplesmente me acostumei, eu e Yixing aprendemos a lidar com isso. Fosse na minha empresa, na rua, ou em qualquer outro lugar.

Afinal, eu não estou sozinho e não nasci para agradar ninguém.

 


Notas Finais


Se você chegou até aqui, aceito elogios e críticas >construtivas<
No próximo capítulo, teremos o nosso lindíssimo Yixing e um pouco da rotina do casal.
Até breve!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...