História Casamento de conveniência - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathalie Sancoeur, Nathanaël, Nino, Plagg, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain
Tags Adrinette
Visualizações 131
Palavras 1.224
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente Desculpas por demorar demais, só que meu calut escangalhou, ficou com a bateria inchada e tive medo de explodir então...
Mas espero q gostem desse cap, prometo voltat em breve se vocês me deixarem na mão

Boa leitura!

Capítulo 10 - 10 - capítulo


Mil, milhares, bilhares de homenzinhos na direção do Lobo feroz que atacava todos sozinho. Sangue. Somente sangue, e o pior, sangue verde. Muitos apareceram como baratas e pude ouvir benzinho o Lobo resmungar.

Alguns deles atacaram de frente e outros atrás, poucos na retaguarda esperando a hora de proceguir.  E foi que todos o atacaram de uma vez só.  Aproveitei e corri pra tras de uma árvore bem grossa.  

Quando espiei cabeças rolaram e tive vontade de vomitar,  é uma briga entre pequeninos contra o gigante.

A única impressão que eu via era que esse Lobo peludo estava me protegendo. Só acho. Desses homenzinhos. 

Algo tapa minha boca e um cheiro horrível eu sinto. Tentei gritar tentando chamar atenção e o Lobo ouviu. Não sei se sinto aliviada ou apavorada. 

O Lobo ficou em pé e andou perfeitamente se aproximando. Peguei um homenzinho daquele e o deixei na minha frente tentando me proteger.  Ouvi uma risada vinda desse gigante peludo e eu simplesmente petrifiquei, o homenzinho que estava na minha frente   apontou pra ele

- Desista enquanto é tempo!  Vocês nunca derrotaram o mestre! - disse ofegante e eu também tava

- Então me diga, por que rapitar Marinette como uma atitude desesperada? - engoli em seco colocando a mão no coração,  até que ponto eu estava envolvida nisso? 

- Só seguimos ordens!

- Então seguiram a minha - se aproximou, eles se afastaram me puxando bruscamente numa velocidade incrível.  Mesmo eles correndo olhei pra trás mas não vi ninguém,  algo puxou meu corpo e eu gritei bem alto, arregalei os olhos vendo o Lobo voltando a ser humano, a ser Rodolfredo - Saíam,  AGORA!

Em um piscar de olhos todos tinham sumido. Meus pés ainda estavam amarrados. Gentilmente o moreno me sentou no chão e começou a desamarrar a corda bem presa

- Como? - ele me olhou , aqueles olhos tão conhecidos por mim, olhos felinos. Arfei vendo ele tirar a piruca e jogando pra longe 

- Já me viu mesmo né - deu de ombros - Desculpe mentir pra você, mas sabe como é né? Problemas são problemas.  E esse era um, mostrar minha identidade é complicado.  Mas vamo porque a Pit Bull está furiosa beleza? - acenti e ele me carregou - Aliás, sou Nino!

- Nino? Vou tentar me acostumar - ele riu

- Adrien já sabe o que aconteceu,  ele pressentiu,  só que não o deixei vir, meu dever é te proteger na ausência dele

- Como assim? Vocês já sabiam que isso ia acontecer?! Adrein é um monstro e agora você também!  Me larga eu quero ficar com meu pais! - ele me deixou no chão e eu suspirei angustiada - Adeus casamento. 

- MARINETTE! - Nino gritou tão alto que doeu muito meus ouvidos - Você não pode ir assim,  eles estão em algum lugar prontos pra te levar seguindo seu cheiro-

- Por quê?  Se eu não machuquei nem uma mosca, e que merda é essa de que um humano vira Lobo! Arr céus,  por favor quero ir pra casa.

Nino bufou e como se eu fosse nada me jogou nos seus ombros, gritei quando ele começou a andar

- Você não pode ir embora, sabe que vai casar com Adrien

- Mas antes disso acontecer ele vai casar com uma morta! - revirei os olhos batendo em suas costas

- É por isso que estou aqui - quando vi voltamos aonde tudo começou,  solucei baixinho, Nino me deixou no chão e pegou a minha mão e colocou um óculos sorrindo pra mim - Lembre-se, só quero que você veja que esta tudo bem, isso não irá mais se repetir.


(...)


Saí do banheiro respirando direito, depois de um longo banho gelado pra me distrair. Consegui convencer Nino a ir comigo na casa de Alya. Vou pedi-la para ficar comigo.

É tedioso ficar aqui sozinha.

E com Alya aqui seremos como unha e carne.

Peguei um vestido azul e um par de sapatilhas aleatórias.  Prendi meus longos cabelos em uma trança de lado e desci as escadas.

Lá em baixo encontrei um Nino com a cara emburrada, e quando me olhou piorou o bico, sorri amarelo.

- Não seria mais fácil ficar em casa e descansar pro seu casamento? 

Oh sim, hoje era sábado,  dia do meu casamento mas quem disse que o noivo estava aqui? Vagabundo desmiolado, vai casar sozinho porque eu não,  vou é aproveitar! 

- Sem chance de me convencer Nino - neguei com dedo e ele bufou - Não sei por que tanto estresse.

- Sair de casa, quer outra? - murmurou irônico abrindo a porta da carruagem 

Como iam três pessoas não dava pra ir a um cavalo e a pé Nino disse que era perigoso.

odeio carruagem

Como a Mansão Agreste era um pouco afastada do centro da vila, eu e o senhor emburrado me contou algumas coisas à mais.

Ontem exiji a resposta pra tudo aquilo porque isso não era normal. Nino  disse que ele não ia dizer nada pois ele não era Adrein,  só o capiroto tinha que contar

Fiquei muito furiosa porque Adrien está mentindo pra mim. Porra nós não somos uma droga de marido e mulher? Foda-se.

Nós dois saímos da carruagem logo atravessando a rua, falei um oi com alguns reconhecidos e cumprimentaram o senhor chato ao meu lado.

A casa de Alya não ficava muito longe, mas Nino resmunga que eu deveria mesmo estar em casa, me fazendo revirar os olhos.  Vou jogar ele da ponte!

Chegamos na parte onde os maiores e melhores condomínios de luxo estavam. O meu ficava mais lá pra tras mas não tenho a mínima vontade de rever meus pais. 

Procurei e procurei

- Se perdeu? - falou o moreno que tinha um sorrisinho no rosto

- Claro que não! - mordi meu dedão revirando os olhos ao ouvir a gargalhada de Nino

- Meu Deus! - arregalei os olhos e me virei pra ele - Caraca... - gemeu e puxou meu pulso me fazendo correr com ele enquanto tentava me soltar

- O que foi Nino?!

- Seu casamento é daqui à duas horas - choramingou e eu travei


(...)


- Alfa - os homens se ajoelharam e entregaram uma caixa média vermelha aveludada para o loiro - Está aqui o que pedio.

- Ótimo. - sua voz era grossa, imponente - Estão todos convidados. Daqui à algumas horas me casarei com minha marcada.

Sua longa capa grossa e pesada balançaram minimamente quando virou e andou até seu carro branco luxuoso. Quando entrou se sentou suspirando pesadamente. 

Encarou pelo espelho do retrovisor do carro e passou a mão pelo cabelo, agora curto, sua aparência antes jovem de quando tinha 98 anos se foi, agora sua máscara verdadeira brotara e com ela veio muitas coisas.

Viu seus súditos irem embora e lembrou-se da caixa. Fitou os lados e respirou, lentamente viu o brilho das pequenas jóias vermelhas com bolinhas pretas. Sem perceber estava sorrindo. 

Um par de brincos da criação estava diante de si, olhou também sua mão onde continha seu anel preto com o centro verde. Estalou a língua no céu da boca e olhou pro lado.

Decidira que contaria a verdade pra azulada.  E isso era uma grande dor de cabeça. 

Casar. Unir-se a sua marcada. Isso sempre foi seu desejo mais nutrido, mas... Seria também para Marinette casaria e pra isso seria oficialmente sua, e faria sua marcada. A mulher com que escolheu por instinto pelo seu pai.

- Miraculous da criação - tocou na jóias - Marinette... Será minha hum, minha...

Mas estranhamente sentia um péssimo pressentimento. 



Notas Finais


Opa, opa, opa
O próximo casamento!
Vou dar o meu melhor viu!
Prometo não demorar, quando terminar de escrever já vou longo postando
Aichi, tchau meus anjinhos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...