1. Spirit Fanfics >
  2. Orgulho e Sensibilidade >
  3. Proposta

História Orgulho e Sensibilidade - Capítulo 12


Escrita por: JessyAlencar

Capítulo 12 - Proposta


Fanfic / Fanfiction Orgulho e Sensibilidade - Capítulo 12 - Proposta

Meu coração simplesmente salta como se fosse sair pela boca só em ouvir a voz dele, mas mais uma vez ele está fazendo tudo errado e arranjando briga com o Yan, como ele pode dizer que sou mulher dele se ele disse que não me queria e ainda transou com outra? Mesmo assim eu pensei nele a semana inteira e não houve um dia em que eu não sentisse falta dele, do toque, do cheiro, do calor do corpo dele... Droga S/N você tem que conseguir esquecer o Jay, ele não é bom para você. Estou perdida em meus pensamentos e o Jay está quase caindo de tão bêbado, ele empurrou o Yan mas o mesmo não reagiu.

Jay - Anda, vai embora! Ela não quer você.

Yan - Eu não vou discutir com um bêbado. Você tem que ir embora.

O Jay coloca o braço ao redor do meu ombro e eu quase caio junto com ele.

Jay - Te garanto que ela não quer que eu vá embora.

S/N - Me solta Jay.

Tiro os braços dele de mim e ele quase cai.

Ele me olha magoado e pergunta.

Jay - Você quer eu vá embora?

Eu não consigo responder com ele me olhando desse jeito. O Yan abaixa a cabeça e eu sei que ele está triste. Quando o Jay vê que eu não respondo vejo uma lágrima escorrendo pelo seu rosto e ele a seca.

Jay - Tudo bem então.

Ele diz e vai cambaleando até o carro, eu vou atrás dele e pego a chave da mão dele.

S/N - Você não vai dirigir nesse estado Jay. Yan, eu sinto muito, mas eu não posso deixar ele ir embora assim...

Ele me olha analisando o que eu disse e sei que ele está triste, mas ele assente com a cabeça e vai em direção ao seu carro.

Yan - Qualquer coisa me liga.

S/N - Eu ligo. Obrigada por tudo.

Ele entra no carro e dá partida. Eu tiro o Jay de perto do carro ajudando o Jay a entrar em casa e faço o possível para que meus pais não nos escutem entrando. Quando entramos em casa o Jay começa a tentar me agarrar e o cheiro de bebida nele está insuportável, eu sento ele no sofá antes que ele caia em cima de mim e tiro o paletó dele, começo a desabotoar a camisa dele revelando seu peitoral definido e lembro de todas as vezes que beijei seu corpo e cada uma de suas tatuagens, me perco por alguns instantes e ele dá um sorriso safado, ele sabe exatamente o poder que tem sobre mim, ele me puxa pelo braço me fazendo cair em cima dele, estou tão perto que posso ver cada detalhe de seu rosto perfeito, as linhas bem desenhadas de sua boca carnuda, a profundidade de seus olhos puxados, o castanho de suas pupilas que agora estavam dilatadas, posso sentir o calor de seu corpo e sinto sua respiração quente se aproximando do meu pescoço enquanto ele deposita um beijo no mesmo gerando arrepios em locais que somente ele conhecia. Ele me olha tão intensamente que sinto que pode ler todos meus pensamentos.

Jay - Você me ama?

Ele perguntou seriamente e eu respondo sinceramente, pois sei que ele não vai se lembrar de nada no dia seguinte.

S/N - Amo.

Jay - Então fica comigo.

S/N - Jay eu me apaixonei tanto por você que a principio estava aceitando ser apenas mais um de seus casos. Eu pensava "se uma noite é tudo que eu posso ter com ele, então que seja" e eu quase me entreguei a você. Mas você deixou bem claro que não me queria, com palavras e atos. 

Lágrimas começam a escorrer pelos meus olhos e ele começa a secá-las.

Jay - Não é verdade. Eu te quero desde o primeiro dia. Vem cá.

Ele me puxa para si e aproxima seus lábios dos meus tentando me beijar e eu quase me deixo levar pois sonho com essa boca desde o primeiro dia que o vi, mas sinto o cheiro da bebida em seu hálito quente e me afasto. Ele me deita no sofá ficando por cima de mim e tenta me beijar novamente, quando eu não deixo ele desce seus beijos para o meu pescoço chegando até meus seios, ele aperta minha bunda e tenta levantar o meu vestido e sinto meu corpo estremecer, tudo que eu mais queria era me deixar levar e fazer amor com ele aqui mesmo, mas cenas dele com a Jane vem a minha mente e eu crio forças para levantar. Eu tiro os sapatos e as meias, o levo para o banheiro e o encosto na parede, ele me olha pegando meu rosto em suas mãos tentando me beijar mais uma vez e eu me afasto, termino de tirar a roupa dele e ligo o chuveiro o empurrando para debaixo da água quente e me viro para sair de lá, mas ele me puxa para debaixo do chuveiro me abraçando por trás, minha roupa inteira se molha e eu continuo sem reação em seus braços, ele desce as alças do meu vestido beijando e mordendo meus ombros e eu estou completamente entregue, ele me vira para ele olhando em meus olhos enquanto tira meu vestido e minha lingerie sem cortar nosso contato visual e estou completamente hipnotizada, como se fosse incapaz de desviar de seu olhar, ele se aproxima buscando minha boca com a sua e apesar de eu desviar inicialmente acabo me rendendo e finalmente sinto seus lábios nos meus, nosso beijo é intenso e sinto como se até minha alma estivesse sendo beijada, nunca senti nada parecido, sentia sua língua invadir minha boca trazendo seu gosto doce misturado com Whisky, ele me beija como se não houvesse amanhã segurando meu rosto entre suas mãos como se eu fosse escapar, ele desce suas mãos até uma de minhas pernas levantando uma delas e posiciona seu membro em minha entrada enquanto continua me beijando e tenta entrar em mim, eu volto a mim e sei que ele só está fazendo isso porque está bêbado, ele jamais me beijaria sóbrio e esse pensamento faz as lágrimas rolarem e me falta o ar, eu o empurro com os braços e ele olha nos meus olhos confuso. Eu saio do banheiro me cobrindo com uma toalha e correndo para o quarto para chorar em paz. Ele passa mais um tempo no banheiro e aprece na porta do quarto com uma toalha amarrada na cintura, ele se ajoelha na minha frente.

Jay - Eu te machuquei? Desculpa eu achei que você queria.

Eu não consigo falar pois estou soluçando de tanto chorar.

S/N - Você não me machucou agora, você me machucou quando preferiu aquela mulher.

Ele abaixa a cabeça afundando a mesma no meu colo e agarrando meu quadril.

Jay - Eu não preferi ela, aquela foi a única forma que eu encontrei de tentar controlar o meu desejo e não transar com você.

Eu dou uma risada debochada em meio às minhas lágrimas e ele levanta a cabeça ainda ajoelhado olhando nos meus olhos. Droga ele parece tão sincero.

Jay - Eu falei a verdade naquele dia, eu não quero mais transar com você.

Eu começo a chorar mais ainda,  é como se ele estivesse cutucando uma ferida que estava difícil de curar.

S/N - Eu sei, você só tentou hoje porque está bêbado.

Jay - Não. Eu falei a verdade. Eu não quero mais transar com você, eu quero fazer amor com você, quero te beijar e conhecer o seu gosto, quero que seu corpo seja só meu e que só eu saiba como é estar dentro de você, quero que você pertença a mim, não só por uma noite e eu soube disso na primeira noite quando você cuidou de mim, mas fui muito idiota e não consegui admitir isso nem para mim mesmo. Eu fui covarde pois demorei muito para superar a Diana e eu sempre soube que ela era uma vadia. Se foi difícil superar ela como eu faço se um dia precisar superar você S/N? Como eu faço se um dia descobrir que você não é tudo que eu penso que você é? Eu também estou apaixonado por você e tenho medo de curvar minha vida aos seus pés e acabar enlouquecendo se um dia você me deixar. 

Eu fico totalmente sem ação diante de suas palavras e Deus como eu gostaria que ele não estivesse bêbado, como eu queria que tudo isso fosse verdade, mas sei que ele não vai se lembrar de mais nada amanhã.

S/N - Você não imagina o quanto eu queria que isso fosse verdade.

Jay - Eu vou te provar que é.

Ele se levanta atacando meus lábios e fazendo com que eu deitasse na cama, sinto ele por cima de mim e a única coisa que nos separa são as toalhas envoltas em nossos corpos. Ele tira a toalha dele e a minha, abre bem minhas pernas e pincela minha entrada com seu membro, cada parte do meu corpo quer implorar para que ele entre em mim.

S/N - Jay, por favor, eu não quero assim.

Ele deita a cabeça sobre meu ombro e sei que ele está decepcionado, mas ele só deposita um beijo no local e sai de cima de mim. Ele deita ao meu lado e me puxa para ele, não consigo dormir pois o desejo de ter ele dentro de mim me consome, após algum tempo agarrado comigo ele dorme, eu me levanto, visto uma camisola, pego uma coberta, deito na cama e nos cubro voltando a me aconchegar no abraço dele. Amanhã quando ele acordasse ele iria embora e não lembraria de nada do que houve hoje, após algum tempo acabo pegando no sono. 

Acordo no dia seguinte e não vejo o Jay ma cama, será que ele já foi embora? Levanto da cama indo até a sala e não o encontro lá, escuto um barulho de chuveiro e sei que ele está no banho. Lembro que havia lavado a roupa que ele estava usando no dia que nos conhecemos e separo ela colocando a mesma em cima do braço do sofá e começo a fazer café e pão de queijo que ele gostava. Após algum tempo ele sai do banheiro com a toalha na cintura e seu cabelo ainda está molhado caindo sobre seu rosto perfeito. Estou coando o café mas fico hipnotizada com a visão do corpo perfeito dele e não percebo que a garrafa já estava cheia então acabo derramando café em cima da pia e quando ele percebe sorri de uma forma que faz meu coração quase parar.

Jay - Bom dia.

Ele chega por trás de mim me abraçando e me dá um beijo no pescoço.

S/N - Bom dia, tem uma roupa limpa sua no braço do sofá.

Jay - Hum por quê? Te incomoda se eu ficar assim? 

Ele olha para seu próprio corpo me provocando.

S/N - Vai sair na rua assim?

Jay - Melhor não né, não quero causar acidentes.

Como ele é convencido, bem, ele podia, ele era perfeito.

Ele vai até a sala, pega a roupa e se veste, tomamos café juntos e ele não toca no assunto de ontem, ele realmente não se lembra de nada, parte de mim rezava para que ele lembrasse. Ele checa o celular e parece um pouco irritado mas não sei o porquê. Logo ele suaviza o olhar e diz.

Jay - Você vai aceitar a nossa proposta né?

S/N - Oi?

Jay - Você vai ser nossa coreógrafa?

S/N - Jay, eu prometi ouvir a proposta, mas sinceramente, não me sentiria bem trabalhando com você.

Jay - Se você não quiser trabalhar comigo você pode trabalhar só com o Bts e os outro meninos da Aomg, geralmente sou eu que faço minhas próprias coreografias então não tem problema.

S/N - Jay, eu não entendo nada de K-pop.

Jay - Mas você é uma bailarina, professora de dança e até de pole dance, não tem nada no K-pop que você não consiga fazer.

Como eu iria dizer para ele que não vou porque não quero estar perto quando ele estiver com outras mulheres? Como digo que já o amo tanto que não suportaria trabalhar perto dele todos os dias sem poder tocá-lo e sem que ele fosse meu? Não posso, então apenas minto.

S/N - Eu não poderia deixar meu Studio.

Jay - Olha, vamos conversar melhor sobre isso no almoço com o Simon, ok?

Ele passa grande parte da manhã me falando sobre K-pop e descubro que ele já fez parte de um grupo chamado 2pm, ele me mostra um vídeo dele nessa época e eu dou muita risada do cabelo dele, mas na verdade ele sempre foi lindo. Me arrumo e saímos para nos encontrarmos com o Simon, nos encontramos em um restaurante de comida japonesa, começamos a conversar e o Simon me fala mais sobre a proposta, realmente é uma oportunidade única, ele começa a me falar sobre o Bts e aparentemente é um dos maiores grupos de K-pop e está constantemente quebrando recordes, a oportunidade parece incrível e se não fosse o fato de eu não ser forte o suficiente para ficar perto do Jay eu aceitaria imediatamente. Após muito tempo de conversa, já está quase anoitecendo e o telefone do Jay toca, o rosto dele fica sério, ele sai da mesa para atender o telefone e o Simon me olha curioso.

Simon - Seja sincera comigo, por quê você não quer aceitar?

Ele diz olhando nos meus olhos e sei que não vou ser capaz de mentir.

S/N - Eu não quero ficar perto do Jay, não quero ver ele passando de mulher em mulher e saber que eu vou estar ali tão perto e não vou poder ter ele.

O Simon parece surpreso com a sinceridade da minha resposta.

Simon - Você abriria mão de uma oportunidade única como essa que te traria experiência, reconhecimento e claro muito dinheiro só por quê gosta dele?

Eu fico calada.

Simon - Bem, ele não sabe a sorte que tem, a maioria das pessoas não pensaria duas vezes.

O Jay volta com os olhos vermelhos, ele parece estar com muita raiva e está se segurando para não chorar. Eu seguro em sua mão e ele a aperta levemente.

Simon - O quê houve?

Jay - Aquele maldito dono da Hybe me esculachou por causa da repercussão que está tendo depois que aquela garota louca me acusou. Ele disse que se eu não andar na linha ele vai desfazer a fusão das empresas. Você sabe o quanto eu odeio essas regras dele, eu não sou mais uma das crianças dele do K-pop, que raiva.

Simon - Jay você sabe que essa fusão foi a melhor coisa que aconteceu para a Aomg você tem que...

Jay - EU TENHO QUE O QUÊ SIMON? POR QUÊ EU SEMPRE TENHO QUE FAZER O QUE EU NAO QUERO? QUE DROGA!

Ele sai da mesa empurrando a cadeira com força e eu vou atrás dele, ele anda até o estacionamento e encosta em seu carro passando a mão de seu rosto para seu cabelo. Eu fico parada olhando para ele sem saber o que fazer, ele me olha e me puxa para ele encostando sua testa na minha e me abraçando, eu me aconchego nele e ficamos assim por alguns minutos.

Jay - Desculpa por isso.

S/N - Tá tudo bem,  eu entendo.

Jay - Obrigada por ficar do meu lado e me acalmar.

S/N - É para isso que servem os amigos.

Ele me olha e percebo que seu olhar está triste.

Jay - Bem preciso de algo para me acalmar.

S/N - Eu sei como te acalmar.

Ele me olha com cara de safado.

Jay - É?

S/N - Sim, entra no carro e dirige.

Eu vou guiando ele e ele está muito animado, até que paramos em frente a minha loja de açaí favorita. Eu dou um sorriso para ele e ele me olha decepcionado.

Jay - É esse seu plano para me acalmar? Sorvete roxo?

S/N - Primeiro lugar você acabou de ofender uma das melhores coisas que existe, fala isso em voz baixa se não aparece um Paraense e te agride. Segundo o que você pensou que era?

Jay - Bem era algo que envolvia você chupando algo, mas não era sorvete.

S/N - Jayyyy.

Dou um tapinha nele fingindo estar ofendida e por fim descemos do carro ele me olha e sorri com a minha empolgação.

S/N - Vai querer açaí de quê? Aqui tem de morango, amora, cupuaçu, tamarindo, maçã verde e banana que é o único que eu não gosto.

Ele olha com uma cara de que não estava curtindo a aparência e diz.

Jay - Olha acho melhor comprarmos só para você, eu não quero não.

Eu faço um biquinho e coloco a mão no peito como se estivesse ofendida.

S/N - Bem, você não sabe o que está perdendo. Moça me vê um açaí de amora puro, não quero calda nem os acompanhamentos.

Ela me entrega o açaí e o Jay paga, sentamos em uma praça  que ficava em frente, já eram 19:30 e a rua ainda estava movimentada, sentamos em uma daquelas mesas de concreto que tem quatro bancos ao redor e ao invés de sentar no banco eu sento na mesa e apoio meus pés no banco, o Jay tira meus pés e senta de frente para mim ficando entre as minhas pernas. Eu estou me deliciando tanto com meu açaí que por alguns segundos até me esqueço dele.

Jay - Nossa isso deve ser muito bom.

S/N - É uma delícia, experimenta só um pouquinho.

Jay - Ta bom. 

Ele me puxa para sentar no colo dele e ficamos frente a frente, ele tenta pegar o copo do meu açaí e antes que ele pegue eu dou uma colherada grande e coloco na boca,  entrego o copo em sua mão e ele me olha com ternura e aproxima nossos lábios iniciando um beijo delicioso que se torna ainda melhor com a sensação gelada do açaí. Ele coloca uma mão na minha nuca me puxando para si e meu corpo inteiro responde a ele, como ele me dominava facilmente, com simples gestos meu corpo se tornava seu escravo, após algum tempo ele separa nosso beijo me olhando com cara de safado.

Jay - É, realmente é uma delícia.

Sinto minha intimidade se contrair e sinto vontade de agarrá-lo aqui mesmo, mas estou totalmente confusa.

S/N - Por quê você fez isso?

Jay - Eu te disse ontem que queria você e que ia te provar isso.

Meu Deus ele se lembra.

S/N - Você se lembra?

Jay - Lembro de tudo, eu sabia muito bem o que estava dizendo e fazendo, só precisava de coragem para te dizer como me sentia, eu realmente quero fazer amor com você S/N. Vamos para o meu hotel?

Meu cérebro para por alguns instantes e antes que eu possa pensar minha boca responde.

S/N - Vamos.





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...