História Orion - Imagine Jungkook - Capítulo 37


Escrita por:


Notas do Autor


Oooooooooooooie :)
Antes de começar, devo lembrar que: O tempo em Orion é diferente na Terra. Lá passa mais devagar.

Pronto, recado dado, agora...
AIM QUE SODADES EU TAVA DE VOCÊS <333
Espero conseguir escrever mais vezes, agora que eu estou mais livre... Não prometo nada tá, mas eu estou tentando.
Muito obrigada pelos favoritos e comentários <3
Amo vocês <3

Capítulo 37 - A Ascensão


Fanfic / Fanfiction Orion - Imagine Jungkook - Capítulo 37 - A Ascensão

— A profecia… — Me olhou confuso. — É real… Ela é real Sehun. — Eu queria chorar. 

 

— Ela não é, você mesmo dizia não ligar pra isso, o que mudou? — Seus olhos foram para algo atrás de mim, a pressão ficou mais forte de repente, meu corpo se impulsionou para Sehun, me desequilibrei distraída, mas ele me segurou. 

 

Me virei vendo JungKook ali parado, foi tudo muito rápido desde então. A pressão e a sucção ficou fora do controle, eu preciso proteger Jungkook. Com meu poder impulsionei para frente, jogando seu corpo longe do meu e meu corpo consequentemente foi para trás, levando comigo Sehun para dentro do buraco, antes de fechar, que era mais um portal, vi o universo nos olhos do JungKook. Me arrepiei. 

 

— As estrelas. — Afirmei, assim o buraco se fechou, fui jogada para longe. 

 

Stellar POV 

 

Sai correndo desde o momento que ouvi a voz de Suga pedindo por socorro. Entramos na nave, e fui direto para pilotar. Sentei na cadeira onde Hobi costuma se sentar, olhei os diversos botões ali, algumas mini alavancas, é muita coisa para si pensar, meu coração parecia querer sair pela boca. 

 

— Eu não sei ligar isso… 

 

— Deixa que eu faço. — Channie disse me fazendo levantar rapidamente. Ele se sentou e eu segurei no encosto do banco, seu rosto correu por todo o painel luminoso. 

 

— Você tem certeza de que sabe? 

 

— Achei! — Apertou um botão verde que piscava, sua outra mão foi até a mini alavanca ali, empurrando-a para cima. Assim a nave se mexeu meio torta. — Me passa as coordenadas. 

 

Me sentei ao seu lado, pelo relógio em meu pulso, eu deslizei o dedo para frente, a imagem de um mapa, com um ponto branco piscando, mostrada a localização exata de Chen. — É aqui, não está muito longe. 

 

— Vamos logo então. — A nave pegou velocidade, meu corpo bateu nas costas da cadeira macia. — Não foi arriscado deixá-los? 

 

— Eles precisam de ajuda, a S/N é a mais forte entre nós, ela vai conseguir. — Falei tentando me convencer do mesmo. 

 

— Mas… — Óbvio que ele estaria preocupado, era como sua irmã, ela é sua irmã e minha melhor amiga. 

 

— Chanyeol. — O fitei. — Ela consegue. 

 

— Certo. — Olhei pelo visor e o mundo estava uma bagunça, nuvens negras, da cor preto começaram a surgir, um vento forte nos atingiu como se viesse de muito longe, pensei em Jin na mesma hora. Chegamos perto de uma vasta destruição. — Olha! — Apontei para o chão. 

 

Um buraco negro quase tocava o chão, em volta todas as estrelas, poeira galáxia e gases rodavam, o chão estava todo destruído, alguns prédios em volta tombados, mas parecia deserto, do buraco negro saiam cavalos negros de fumaça, duas pessoas se encontravam em frente do mesmo e… 

 

— Suga parou o tempo. — Channie disse. — Esperto. — Sorriu de canto. 

 

Sorri junto, ele de certo salvou muitas pessoas e ainda sim nos protegeu preservando nossa imagem. Imagina se a Nasa descobre sobre nós? Seria nosso fim. 

 

Antes de pousarmos, o buraco se fechou rápido demais. 

 

— O que aconteceu?? — Me levantei aturdida.

 

— Eu não sei. 

 

Assim que Chaneyol pousou sai correndo abrindo a porta. Logo veio atrá de mim, corri até Chen que estava caído, fraco, sem forças. De soslaio vi Channie ir até Suga. 

 

— O que aconteceu? — Segurei os ombros de Chen. — Cadê o Hobi? Você está machucado? 

 

— Stellar… — Me olhou com os olhos normais. — Cadê a S/N? 

 

— Ela… Ela ficou… 

 

— O que? — Se levantou com tudo, tirando forças de onde eu não sei.

 

— Como vocês dois vem aqui e deixa os dois sozinhos? — Dessa vez era Suga brigando alto com Chanyeol. 

 

— Stellar. — Chen me chamou segurando meus ombros. — Me diz que eles estão dentro daquela nave. — Engoli em seco, o que eu poderia ter feito? Eu só queria salvá-los. 

 

— Não estão. — Neguei me sentindo mal, por que eu não pensei nisso? 

 

— Nam, cria um portal para casa. — Tae apareceu todo machucado e mancando, sendo carregado por Jimin. 

 

— Como você deixa sua irmã sozinha? — Suga gritou com Chanyeol e tossiu.  

 

— Eu… — Parecia tão mal quanto eu. — Ela é forte. 

 

— Eu vou com a nave com eles, vocês menos fracos vão com o Nam. — Hobi passou por nós, pegou Tae nos braços e começou a andar para a nave, seguido por Jin que mancava, mas logo parou em frente ao Chen. 

 

— Protege o JungKook, por favor. — Pediu suplicante. 

 

— Levem ela. — Xiumin apareceu com Soyeong, em suas mãos tinham correntes congeladas. — Ela nos enganou. 

 

— Eu nã- — Apertei o olhar, puxei minha katana das costas congelando-a, a sua ponta congelada parou na garganta dela, calando-a. 

 

— Não faça nada Stellar. — Jimin disse. — Vamos interrogá-la, vão para o portal. 

 

— VEM LOGO! — Nam gritou. 

 

Antes de passar pelo portal, olhei para Chanyeol, sua feição preocupada, me fez me sentir culpada, afinal, eu só pensei em mim nesse momento, levando-o junto comigo. Se alguma coisa acontecer com eles, eu irei me sentir culpada. Por favor S/N proteja o JungKook… Se protejam, estejam a salvo. 


 

 

JungKook POV 



 

Ela estava demorando demais, entrei na sala, eu me sentia atraído, meu corpo sentia algo forte, era como se algo me chamasse, precisasse de mim, era como se eu sentisse meu corpo todo esquentar, mas ao mesmo tempo esfriar. Meu corpo formigou, minhas mãos adormeceram, meus olhos arderam, eu me enchi de felicidade, meu coração começou a bater em uma frequência diferente. Eu tive uma epifania, meus sentidos foram cegados e ao segundo seguinte aumentaram absurdamente, eu respirava o universo e ele batia na mesma frequência que meu coração, as estrelas me escutavam e eu a elas, minha respiração era gás, poeira estelar e também oxigênio. Eu era tudo e também nada. A bondade, mas também a maldade, eu sentia a cura e a doença, meu corpo era forte e fraco, algo faltava, eu era o equilíbrio, mas ele estava longe de mim. 

 

— As estrelas. — Foi a última coisa que ouvi de seus lábios, logo depois ser puxada para dentro do buraco e se fechar. Minhas costas bateram como um baque na parede e eu caí no chão. 

 

Minhas mãos tremeram, eu queria fazer algo, me senti perdido, onde ela está? Eu preciso dela, ela é meu porto seguro, minha força. Levantei meu tronco fraco, com medo, meu coração se apertou e minhas vistas embaçaram. 

 

— S/N… — Olhei para onde estava o buraco. 

 

Ouvi vozes. 

 

— CORRAM! — Era a voz de Jimin, ele foi o primeiro a entrar e correr até a mim, se abaixou. 

 

— Jimin… — Minhas lágrimas escorriam sem parar pelo meu rosto. — A S/N… 

 

— Cadê a S/N? — Chanyeol chegou e mesmo com os olhos embaçados eu podia ver seus cabelos pegando fogo. — JungKook… Cadê? CADÊ ELA? 

 

— Foi engolida pelo buraco negro… — Falei, minhas mãos apoiadas ao chão socaram-o com força. 

 

— Não é possível… — Caiu de joelhos ao meu lado. — Não… — Pela primeira vez ouvi Chanyeol chorar assim. 

 

— Cadê? — O resto chegou todos juntos, como eu falaria para eles que não pude proteger a mulher que amo, só porque sou um inútil sem poder. 

 

— Channie… — Stellar ajoelhou ao seu lado. 

 

— Eles levaram ela! — Gritou choroso. — Isso é tudo minha culpa. 

 

— Impossível… — Chen disse. — JungKook. — O olhei nos olhos, deu um passo para trás surpreso, senti uma eletricidade forte. 

 

— Seus olhos. — Nam hyung falou. 

 

— O que tem meus olhos? — Toquei-os com receio. Logo os cinco me olharam surpresos. 


 

S/N POV 

 

Fui jogada em um manto de areia fina, com Sehun em minhas costas, nos protegi do impacto que veio, nos arrastando para longe da queda, quase pegando fogo. Rolamos assim que nosso corpo parou no topo de uma montanha de areia, assim que meu corpo parou, de barriga pra cima eu sorri. Pela primeira vez em anos, eu senti alegria. O céu estava estrelado, com luzes rosas, azuis e vermelhas, eu não me importava em onde estava, eu só conseguia pensar em JungKook, ele finalmente despertou seu poder. 

 

Uma movimentação despertou meus sentidos entorpecidos pela felicidade, Sehun se remexeu ao meu lado tossindo areia pura, pude então sentir minha garganta se arranhar e meus braços arderem. Me levantei com dificuldade, de todo lugar possível caiu areia, quando tossi, era pó. Eu queria ao menos um pouco de água. 

 

— S/N… Você… Você está bem? — Olhei para Sehun que tinha um pequeno corte na sobrancelha esquerda. 

 

— Sehun — Aproximei a mão. —, sua sobrancelha. — Ia tocar seu rosto, quando sua mão segurou seu punho, estávamos de joelhos um na frente do outro. 

 

— S/N, quem era aquele? — Franzi o cenho. — Era ele, não era? Príncipe Ephan. 

 

— Sehun… 

 

— Eu achei que você ia manter sua promessa. — Fechou os lábios prensando-os. 

 

— Nós sabíamos que isso nunca ia dar certo, Sehun. — Falei com cuidado, mesmo que fosse verdade, sempre tivemos sonhos e eu sabia que algumas coisas não fluem do jeito que queremos.

 

— É triste. — Balançou a cabeça em concordância. — Eu arrisquei tudo, TUDO S/N. — Apontou pra si, largando minha mão com força. — Tudo pra te ter de novo. 

 

— Me desculpa… — Falei em um fio de voz, eu sabia o quanto nós sofremos. A cada vez que seu olhar ia pra cima de mim, eu sentia todo o peso de ser a profecia em mim, eu tinha todo o poder em minhas mãos e tive noção de que eu poderia magoar a todos com uma simples escolha errada. Eu sempre soube que alguns iam sair machucados nesse caminho importante, mas eu não imaginei que eu iria sentir tanto. — Eu não tive escolha Sehun. 

 

— Você o ama? — A batida no meu coração falhou e eu me calei. Meu peito se remexia em felicidade e tristeza, eu queria chorar pela mistura de emoções, eu queria o JungKook aqui e agora. Sehun entendeu meu silêncio, afinal ele me conhecia a muito tempo, ele sabe que eu não consigo machucar as pessoas de propósito, ele conhece minha verdadeira essência, assim como eu conheço a dele e sei que ele jamais se juntaria a eles se soubesse a verdadeira causa. — Eu queria que você me amasse, como me amou algum dia. — Falou baixo. 

 

— Me desculpe Sehun… — A imensidão de tristeza me invadiu, dando lugar às lágrimas que escorreram sem freio por minhas bochechas. 

 

Em um milésimo de segundo, um buraco negro gigante se abriu um pouco mais longe. Segurei os braços de Sehun e o puxei pras minhas costas, como proteção. Uma voz rouca, porém reconhecível soou. 

 

— Que cena linda, adoraria acabar com ela agora. — Kris falou saindo do buraco negro junto com Aron e D.O. 

 

— Muito obrigado por seus serviços Sehun. — Aron falou com o tom de deboche. Minha respiração se intensificou, sentia minha garganta arder e todo o peso de minhas escolhas voltarem para mim como um baque. Sehun se levantou rapidamente, mesmo que fraco. 

 

— Agora que eu fiz o prometido, me dê passe livre. — Com essa fala, Aron e Kris riram alto. A sombra de Kris até ficou mais densa, olhei para os dois sentindo um arrepio forte na espinha, meus olhos pararam nos de D.O, este que me olhava intensificadamente. Eu conseguia sentir seu poder, por toda a parte. Onde estou? Olhei ao redor, vendo que era tudo deserto, a areia fina e clara, quase branca não existia em nenhum lugar da Terra, muito menos nos reinos de Orion que frequentei, mas eu sei que estou aqui em meio ao mar de estrelas e cosmos. 

 

— Como você é ingênuo, Oh Sehun. — Aron falou, sua voz saiu falha até pelo meu comunicador no pulso esquerdo, franzi o cenho confusa e finalmente me toquei de que tudo foi uma bela armadilha. — Saia da frente. 

 

— Vocês prometeram. — Sehun dessa vez se colocou em minha frente me protegendo. — Disseram que eu só precisava me livrar dele, Ephan. — Com tudo sendo revelado, eu tentava inutilmente achar alguma forma de sair, a qualquer lugar que eu fosse, poderia ser atacada. 

 

— E você acreditou? — Kris deu um passo à frente e devagar mais um. O seu jeito de andar, sua postura me lembrava alguém. — Acha mesmo que somos tolos a te entregar a princesa S/N? A profecia? 

 

— D.O, você prometeu. — Sehun apertou firme meu pulso, olhei para suas costas largas, seus cabelos alaranjados e me lembrei de todos os momentos que tive com ele, de todos os sonhos compartilhados e o carinho que mesmo separados, ainda existia. 

 

D.O finalmente fez algo, riu. Um riso amargo e desafiador. 

 

— É até triste pensar que existem pessoas tão ingênuas nesse universo. — Sua voz era diferente do seu olhar frio, a melodia é doce. 

 

— Vocês só podem estar brincando comigo. — Sehun respondeu sério. — Eu vou sair com ela, quer vocês queiram ou não. 

 

— Sehun. — Segurei seu braço. 

 

— Agora não princesa. — Respondeu ríspido. 

 

— Kris. — D.O falou e em um movimento rápido Sehun ficou em minha frente, dando um mero empurrão em mim. 

 

— Prince-cesa. — Sehun que estava de costas se ajoelhou. 

 

— Sehun! — Dei a volta e me ajoelhei em sua frente, havia uma estaca de ferro em sua barriga, parecia algum estilhaço da Terra, mas como? Meus olhos se encheram de lágrimas quando meus olhos encontraram o seu. — Sehun — Coloquei minhas mãos em suas bochechas. —, eu vou te salvar. 

 

— Não… — Ele tremia e falava com certa dificuldade. — Você tem… — Respirou fundo. — Tem que se salvar. 

 

— Sehun eu não vou te deixar aqui. — Falei com raiva, era uma mescla de dor, raiva e mágoa. Por que as coisas tinham que ser assim? Me arrepiei quando uma onda de poder exalou por meu corpo, como uma força maior. 

 

— Desde quando se-seus olhos foram tão cin-cinzas assim? — Ele tentava se comunicar, mas eu só focava em tentar salvá-lo

 

Em uma mão eu tinha a barra e na outra já pronta pra estancar seu ferimento, a barra forçava aos poucos para dentro, Aron ainda usava seu poder, mas era impedido pelo meu.

 

— Você não vai morrer. — Eu mantinha isso em mente. 

 

— Eu estraguei tudo… — Apertei com força a barra. 

 

— Cala boca Sehun. — Em um movimento rápido e carregado de poder, puxei a barra. Um urro de dor soou por meus ouvidos, rapidamente apertei minha mão direita em seu ferimento e estanquei com meu poder. — Como eu queria rei Lhiu aqui. 

 

— Meu irmão é um tolo. — A voz de Aron soou mais perto, me virei rapidamente criando um escudo invisível. Ele estava a poucos metros de nós. — Todos são uns tolos, escravos de Vulkox. 

 

— Vulkox está adormecido. — Falei sem entender onde ele queria chegar. 

 

— Mesmo dormindo — Aron deu um sorriso amargo e torto, presente da nossa querida rainha Trix. Seus lábios se torceram quando eu dei um sorriso de canto. —, ele consegue nos controlar. 

 

— Ele só tenta controlar quem faz mal ao cinturão. — Respondi ainda voltada para ele. — Ele e Orion criaram o cinturão para trazer a paz entre as outras constelações. Você não sabe nada de Vulkox. 

 

— E você conhece Orion? — Aron se aproximou falando com raiva. — Meu pai é tão ruim quanto eu, meu filho será o próximo rei do universo. — Falou com convicção. 

 

Senti um arrepio na espinha. 

 

— Por todas as guerras que Orion suportou, por todo o mal do universo, sempre existiu um ser que renascia de Vulkox. — Olhei para DO que se mantinha atento com os punhos friccionados e seus olhos tão negros quanto o vazio. — Você nunca será o universo. 

 

— Mate-o. — Meus olhos se arregalaram, prontamente intensifiquei meu poder em um escudo. As sombras de Kris cresceram, Aron puxou diversos ferros do buraco negro que DO ainda mantinha aberto. 

 

— S/N. — A mão ensanguentada de Sehun segurou meu pulso. — Se mantenha viva, esqueça de mim. — Ele respirou com dificuldade. — Eu te coloquei nessa… — Sua pele estava mais branca que o normal, assim como seus lábios. 

 

— Como você pôde confiar assim no inimigo? — Perguntei. — Sehun, quantas vezes eu tive que ficar sem dormir pra treinar contra o inimigo… 

 

— Me perdoa. — Em seu olhar havia arrependimento, eu podia sentir. 

 

Em um movimento rápido as sombras de Kris me atacaram, mesmo que eu tentasse alcançá-lo, eu não poderia. Afinal eu tinha mais que uma vida pra cuidar. 

 

— Você não vai aguentar tanto tempo. — D.O falou pela primeira vez. — Se renda. 

 

— Isso só vai acontecer quando eu morrer. — Gritei de volta, em um solavanco o vento se intensificou, jogando Kris no chão. 

 

— Wow. — Kris reclamou levantando o tronco e rindo. — Te matar vai ser divertido.

 


 

Namjoon POV 

 

Depois de anos planejando tudo, chegamos em nossa maior encruzilhada. Estava ao lado de Hobi e Chen, fazendo testes em JungKook, para saber qual é o seu poder exato. Xiumin e Suga colocava todos os eletrodos, enquanto Stellar, Suho, Chanyeol e Jin procuravam S/N pelo satélite. 

 

A porta se abriu, revelando Bella e Nari, essa que correu até os braços de Chen, fazendo com que eu assumisse seu lugar. 

 

— Certo, JungKook. — Hobi o chamou, estávamos na sala de treino da nave principal. Ele nos olhos, com os mesmos olhos de antes, como um universo, uma galáxia inteira em seus olhos. — Vamos testar elementos em você.

 

— Não vai doer, não é? — Sua voz ficou abafada pelo comunicador. 

 

— Não. — Respondi com uma risadinha, me lembro da primeira vez que testaram, eu morri de medo e no fim eu abri um portal para o vazio, levando algumas pessoas nesse processo confuso. — Você vai despertar apenas os que você tem. 

 

— Vocês já acharam ela? — Sua voz soou novamente. Olhei para o painel em minha frente. 

 

— Vamos achá-la. — Foi tudo que Suga disse, o silêncio se instalou e dentro de meio segundo tudo estava congelado. 

 

— Já faz quase um dia — JungKook começou a falar, a nave começou a chacoalhar, as luzes e botões piscavam e faziam um barulho alto ao mesmo tempo. Olhei para Jungkook, seus olhos estavam com cores mais fortes, seus cabelos flutuavam e em uma mão era pedra com fogo e na outra era gelo e água. — que você não se importa. — Ele se levantou e tudo começou a flutuar. — Um dia que eu estou nessa espera. 

 

— JungKook se acalma. — Xiumin foi segurar seu braço, mas em JungKook foi mais rápido e jogou-o longe. Nesse processo, fomos todos jogados longe, minha cabeça bateu com força na parede, o vidro que nos separava dele quebrou, explodindo em pedaços. 

 

Uma voz surgiu em minha cabeça. 

 

“A ascensão de Vulkox renasceu”





 


Notas Finais


GENTO!! QUE ISSO???
S/N tendo que lutar com três ao mesmo tempo...
Sehun ferido. O que vai acontecer com esses dois?

PARA TUDOOOO, JUNGKOOK DESCOBRIU O PODER DELEEEEEEE!!!!!!
Eu to-
Arrepiada óh...
Muita gente falou que ele conseguiria decodificar, mas não esperavam por essa não é?
Finalmente minha gente, FINALMENTE!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...