História Os Amantes - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias MasterChef Brasil
Personagens Henrique Fogaça, Paola Carosella
Tags Farosella, Henrique Fogaça, Masterchef Brasil, Paola Carosella
Visualizações 297
Palavras 3.486
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


AAAAAAAEEEEEE ! Demorei mais voltei nessa porra kkkk. Nada a dizer, apenas agradecer a quem favoritou e quem comentou ! Obrigada lindezas 💜💜
Two shot dedicada a Gabs ! Gabs, é tua ! Beijos galerx amo vcx ! 😘😘

Capítulo 2 - End



Após as horas de sexo e amor tórridos dentro daquele carro no estacionamento da emissora, os dois chefs mantiveram uma relação em completo sigilo, Henrique para o conforto e segurança da privacidade dos dois, alugou uma pequena casa num bairro não muito movimentado para que os dois pudessem se encontrar. A residência simples havia se tornado palco das intensas noites dos dois e apenas as paredes daquele local eram testemunhas do amor que cresceu ali dentro durante aqueles meses de encontros divididos entre os restaurantes e gravações.

Flashback On

- Até quando vamos continuar assim ? Nos encontrando escondidos, como se tivéssemos cometendo um crime por nos amarmos ? – Henrique indagou enquanto acarinhava os fios ondulados da morena que estava deitada em seu peito após se amarem quase a noite toda.

Ela suspirou e fechou os olhos quando ouviu a pergunta do homem, queria tanto quanto ele assumir para todos que estava com ele, que ela era dele e somente dele, mas zelava por sua privacidade e pela dele também, sabia que o relacionamento dos dois daria uma boa nota em revistas de fofocas e não era aquilo que que ela queria.

- Mi vida, já conversamos tanto sobre isso, seria um escândalo, perderíamos essa privacidade que temos, perderíamos o sossêgo que temos diante da mídia. – ela tentou que ele entendesse e ele se levantou sentando de frente pra ela que cobriu os seios com o fino lençol de linho branco.

- Qual é o problema ? Porra Paola, somos adultos, solteiros, nos amamos, que mal há nisso ? – questionou irritado.

- Henrique, por favor, não vamos discutir por isso de novo. – pediu.

- São 6 meses Paola, 6 meses que estamos nessa, nos encontrando escondidos, eu tendo que me controlar pra não te agarrar dentro do camarim e te foder lá dentro do jeito que você gosta. – disse sem pudores e ela ruborizou. - 6 meses que eu vivo um amor escondido, quando na verdade eu queria que todo mundo soubesse que meu coração tem dona. – desabafou querendo que ela entendesse que aquilo tudo que ele sentia não era brincadeira, muito menos passageiro.

- Eu sei, você acha que eu também não queria fazer tudo isso ? Mas tem tanta coisa entre isso, que eu não sei se teria coragem. – disse insegura e se aproximou sentando no colo dele.

Ela acarinhou a barba rala do tatuado e ele desviou seu olhar do dela.

- Às vezes acho que não estamos na mesma vibe. – soltou e ela franziu o cenho sem entender onde ele queria chegar.

- O que quer dizer com isso ? – perguntou ansiosa.

- O que eu quero dizer é que eu acho que não quero mais viver isso, se for assim escondido. – disse enquanto via os olhos negros da argentina escurecerem em lágrimas. - Eu te amo pra caralho, só Deus sabe o quanto, mas eu não suporto mais viver assim, te tendo 3 horas por dia, a cada 3 dias, quando dá, eu não sei viver assim. – descarregou sobre ela que sentiu seu coração parar.

- Henrique, no, por favor. – disse com seu sotaque acentuado. – No faz así.

- Eu te amo morena, amo mais do que consigo colocar em palavras, tá doendo em mim também, mas eu não posso mais. – acarinhou o rosto dela e ela levantou da cama enrolada no lençol.

- No ! Tu no me amas. – ficou de frente pra ele que se levantou vestido apenas em sua box branca.

- Paola, não faz assim.

- Se me amasse no desistiria da gente, no me deixaria así, aqui. – chorou e ele se aproximou e depositou um beijo na testa dela. – Tá doendo... – se referiu ao coração apertado que sentia a ida de seu amor por culpa de sua insegurança.

- Eu não tô desistindo de você, eu te amo demais, mas você precisa saber o que quer de verdade...

- É você que eu quero. – interrompeu e o fitou e ele acarinhou seu rosto.

- Eu vou esperar por você. – avisou e novamente depositou um beijo na testa dela e se afastou pegando sua roupa e se vestindo.

- Henrique, no. – murmurou e tentou segurar a mão dele. – Yo te amo. – declarou.

- Eu também morena, eu também, é por isso que estou indo. – falou e saiu do quarto deixando Paola desolada.


Flashback Off.


A terça-feira havia amanhecido ensolarada porém fria, Paola despertou cedo para seus afazeres em casa e no restaurante. 1 mês havia se passado desde a conversa entre ela e Henrique, os dois não mais se viram desde então, com o final das gravações os encontros profissionais haviam diminuído, trocaram apenas algumas mensagens simples quando Henrique a procurava preocupado, naquele dia seria a final da 5° temporada do reality onde os dois voltariam a se encontrar, a morena havia pensado durante todo o tempo em que esteve longe dele e que sentiu sua falta, ela estava ansiosa, queria revê-lo, abraçá-lo, estar entre os braços dele novamente.

A equipe trabalhava agitada preparando o estúdio para o programa ao vivo, enquanto os jurados e Ana Paula se aprontavam em seus camarins. Paola estava em seu camarim sozinha ainda vestida em uma calça jeans e um casaco amarelo, seu cabelo agora curto estava preso e os pés estavam descalços, ela mexia em seu celular quando ouviu no corredor a voz grossa de Henrique, seu coração palpitou e ela imediatamente caminhou para fora de seu camarim, ela buscou com os olhos o homem e pôde vê-lo com o pessoal da produção que o ajudava, ele estava vestido em um terno preto pronto para o início do ensaio, seus olhos se encontraram com os dele e ele sorriu para ela abertamente que retribuiu com a mesma intensidade, ela caminhou até ele e os dois se abraçaram ali, tentando amenizar toda a saudade que sentiam um do outro, os dois integrantes da produção que ali estavam se afastaram deixando os dois sozinhos.

- Eu senti tanto sua falta. – ela declarou.

- E eu a sua morena, e eu a sua. – disse e depositou um beijo no ombro dela e se afastou.

- Você está muito elegante. – ela elogiou sorrindo.

- Gostou ? – brincou e ela assentiu.

- Faltou a gravata. – pontuou.

- Esperando o Jacquin para dar o nó, você sabe que eu odeio usar isso, e também não sei dar nó. – relembrou e ela gargalhou.

- Traz pra mim, eu dou o nó pra você. – ela disse prestativa e ele assentiu. – Agora eu vou me vestir, até daqui a pouco. – ela falou e jogou um beijo pra ele no ar e voltou ao seu camarim.

Logo Larissa entrou com o seu vestido e ela o colocou se preparando para o ensaio que começaria em instantes, o vestido era longo roxo, havia uma fenda na perna esquerda e um decote que deixava seus seios fartos avantajados e bem desenhados no modelo do vestido, o pano era um pouco justo marcando as curvas da morena e a deixando ainda mais sensual. Ela estava sozinha e decorava o texto quando Henrique bateu na porta que estava encostada e entrou em seguida.

- Uau, você está linda. – disse a vendo de pé em frente ao espelho.

- Obrigada. – ela sorriu tímida e ruborizou quando os olhos dele devoraram seu corpo.

Eles ficaram em silêncio e Henrique parecia hipnotizado com a beleza da chef naquele vestido.

- Henrique, fala alguma coisa. – ela disse sem graça.

- Desculpa, eu viajei. – ele riu e ela também. – Eu trouxe a gravata. – estendeu a mão para ela que pegou o tecido e se aproximou ainda mais do corpo dele sentindo aquela aproximação perigosa.

Ela mordeu o lábio inferior e ele sorriu cafajeste pra ela, Paola passou a gravata pelo pescoço dele e iniciou perfeitamente o nó, logo finalizando.

- Prontinho. – disse ajeitando a gravata e abotoando o blazer.

- Obrigado. – agradeceu com sua voz rouca e levou sua mão ao rosto dela acarinhando sua bochecha de leve. – Sinto falta do teu corpo, da tua pele, de te fazer minha. – sussurrou e ela fechou os olhos se entregando ao toque.

- Yo también – disse em sua língua quando abriu os olhos e o fitou. Acarinhou a barba dele e passou o dedão por seus lábios. – Sinto falta da tua boca, do teu beijo, das tuas carícias. – murmurou enquanto rendida passava o nariz de leve pelo rosto dele. – Me beija Fogaça. – pediu e ele a puxou pela cintura e encravou seus dedos nos fios de cabelo dela que estavam soltos.

Eles se beijavam com paixão e as línguas brigavam por dominância, ele invadia a boca dela e mordia de leve o lábio fino da morena, as mãos dela arranhavam as costas dele coberta pela roupa e o puxava ainda mais para si juntando seus corpos, ele desceu os beijos pelo pescoço da mulher deixando ali leves marcas vermelhas. Talvez aquilo só acabasse com os dois nus no sofá que havia naquele pequeno espaço, com Paola ofegante após gozar com Henrique dentro de si, mas naquele momento não era a hora de matarem as saudades – não ainda. - os dois rapidamente se afastaram quando duas batidas na porta foram ouvidas. Ana Paula abriu a porta e mirou os dois que tentavam disfarçar o clima e a tensão naquele camarim.

- Atrapalho ? – ela indagou desconfiada.

- Não, imagina. – Paola respondeu rapidamente. – O Henrique já estava de saída, não é ? – olhou para ele que assentiu sorrindo fraco.

- Sim, eu já estava. – disse e se retirou dali deixando as duas morenas sozinhas.

Ana Paula não sabia sobre os dois, apenas tinha suas desconfianças, assim como Jacquin também tinha, Paola e Fogaça tentavam ser muito discretos, quando não conseguiam tentavam passar apenas a imagem de amigos de longa data.

- Por que sempre parece que você e o Henrique estão escondendo algo ? – ela indagou direta e Paola franziu o cenho.

- Como ?! – exclamou. – Não estamos escondendo nada. – se explicou.

- Sei. – a mais baixa continuou. – Vamos ? Vai começar o ensaio. – avisou e as duas saíram em direção ao estúdio.


[...]


Após o ensaio todos voltaram aos seus camarins e finalizaram suas produções com a ajuda da equipe, o programa iniciou ao vivo e durante a parte gravada os chefs assistiam dentro de uma sala reservada a eles, Paola e Henrique trocavam apenas alguns olhares e não voltaram a ficar próximos.

Finalmente a hora de anunciar o grande vencedor havia chegado, Paola estava ansiosa como sempre ficava naqueles momentos e Ana Paula já estava pronta para dar o resultado quando Mimi, uma das integrantes da equipe entrou no estúdio de repente com um pequeno embrulho nas mãos logo o deixando nas mãos de Jacquin, Ana ficou sem entender e Paola e Fogaça trocaram olhares confusos.

- Bom gente, isso aqui não é pra vocês, é pra mim, eu não quis contar antes, queria fazer uma surpresa. – o francês iniciou com seu sotaque forte. – Eu não contei, mas eu vou ser pai. – ele anunciou animado gerando uma gritaria e aplausos de felicidade.

Paola pulou de alegria festejando r abraçou o amigo apertado e em seguida correu até a amiga Rosângela para parabenizá-la pela feliz notícia. Fogaça e Ana também cumprimentaram animados o amigo e Rô e voltaram para o palco.

- E são dois gente ! – ele exclamou e Paola arregalou os olhos fitando a esposa do chef e gesticulando com os dedos o número 2.

A felicidade foi geral e Padrão anunciou o intervalo para que eles se acalmassem e assim pudessem voltar ao trabalho. Eles caminharam animados até a sala que estavam anteriormente e ao passar pelo pequeno corredor estreito, Henrique segurou Paola pelo braço e se distanciou um pouco com ela.

- Que isso, você é doido podem ver a gente ! – ela exclamou e ele a encostou na parede não dando atenção ao que ela falava.

- Imagina se fôssemos nós ? Imagina você mãe de gêmeos, mãe de dois filhos meus. – ele sonhou acordado fitando os olhos castanhos que tanto amava e ela sorriu.

- Era tudo que eu queria, uma família, a nossa família. – ela soltou e depositou um selinho nos lábios dela.

- Me perdoa. – ele pediu.

- Pelo quê ? – a morena cerrou os olhos sem entender.

- Por ter te deixando no nosso canto sozinha, por ter saído de lá como um covarde. – emitiu arrependido.

- Você não me deve desculpas, eu não preciso te perdoar por nada, você estava certo, eu quis tudo do jeito errado. – ela assumiu e ele a beijou nos lábios apaixonado. – Vamos, o programa vai começar. – se afastou e o puxou pela mão não dando liberdade para que ele continuasse.

Aquela noite ainda reservava muitas emoções e ela queria aproveitar cada minuto.


[...]


Mais uma temporada havia se encerrado, mais um ciclo fechado e agora toda a equipe e os jurados comemoravam em um salão não muito longe dali, o local era sofisticado e contava com o melhor serviço de buffet, o lugar era espaçoso e a pouca iluminação deixava o ambiente misterioso. Paola conversava com Ana e Rosângela quando seus olhos buscaram Henrique e pôde vê-lo não muito longe dali, estava parado próximo a uma parede, segurava um copo de whisky em uma mão enquanto a outra estava em seu bolso, a gravata já estava um pouco mais frouxa e o blazer com os botões abertos, ele parecia analisar todo o local pensativo e Paola decidiu se aproximar, pediu licença as amigas e se levantou indo até ele.

- Pensativo... – ela falou para ele que a fitou de frente para si.

- Um pouco.

- Dança comigo ? – ela o convidou e ele sorriu.

- Eu que deveria lhe convidar né ? – brincou.

- Eu sou uma mulher moderna. Aceita ou não ? – questionou.

- As pessoas vão estranhar, comentar. – ele disse mais preocupado por ela do que por si só.

- É uma dança de amigos. – afirmou e ele mirou ainda mais intensamente os olhos dela.

- Então eu aceito, Carosella. – disse com uma pausa e estendeu seu braço a ela que de pronto o pegou.

Os dois caminharam devagar até a pista de dança e a música romântica contagiava os convidados ali presente, eles pararam no meio do espaço e ali dançaram em passos lentos enquanto todos formavam um círculo próximo a eles observando apenas os dois. Ele tinha a mão na lombar dela e ela segurava de leve no ombro dele, os olhos estavam fechados e os dois sentiam apenas as respirações um do outro.

- Me beija Henrique. – ela pediu e ele abriu os olhos surpreso com o pedido dela.

- Paola... – ele tentou.

- Vamos ficar juntos, agora sem esconderijos, sem segredos. – ela disse olhando nos olhos dele e ele lhe ofertou seu melhor sorriso.

- Eu te amo demais. – ele declarou e tomou os lábios da chef em um beijo desesperado.

Eles aproveitavam o sabor de suas bocas e suas línguas dançavam num ritmo intenso, todos que estavam ali presentes se surpreenderam, Ana e Jacquin se aproximaram e viram mais de perto os amigos se entregando a paixão. Ela sorriu entre o beijo e ele puxou o lábio inferior dela, Henrique envolveu seus braços na cintura dela e a levantou em seu colo rodando com ela ali naquela pista gerando aplausos de todos os convidados e amigos.

- Eu sou o homem mais feliz do mundo agora. – ele disse quando a colocou de volta no chão

- Eu te amo tatuado. – ela declarou. – Preciso te dizer mais uma coisa. – disse e ele não entendeu. Ela sorriu para ele e se aproximou do ouvido do homem. – Parabéns papai. – confessou e olhou para ele que não sabia o que dizer naquele momento.

- O quê ? Você tá grávida ? Vou ser pai ? – ele questionou ansioso sem acreditar e ela assentiu sorrindo.

Ele gargalhou alto e voltou a abraçá-la colocando toda sua felicidade pra fora ali mesmo, ser pai era um sonho pessoal e ele mal podia acreditar que a mulher que amava estava grávida de um filho seu. Alguns dias depois que Henrique foi embora, Paola descobriu que estava grávida de 3 meses e a descoberta daquele bebê havia lhe ajudado a pensar melhor sobre rumo que sua vida tomaria, até chegar a conclusão de que amava o pai daquela criança e não pretendia viver uma vida sem ele.

- Eu te amo, obrigado, eu sou o homem mais feliz do mundo nesse momento. – agradeceu emocionado segurando o rosto da argentina que também se emocionava.

Ele depositou um leve beijo nos lábios dela e sob o olhar dos amigos e de todos os presentes ele se ajoelhou e segurou na cintura dela ficando de frente para a barriga ainda discreta onde ali depositou beijos dando a entender a todos ao seu redor, que ali, no ventre de Paola, uma vida era gerada, todos aplaudiram e assobiaram sendo testemunhas daquele amor que era firmado ali naquela festa.


[...]


Os dois entraram aos beijos na casa de Paola e ao bater a porta Henrique a pegou em seu colo e caminhou até o quarto que conhecia bem, ele a deitou na cama e desceu os beijos pelo pescoço e colo da morena enquanto ela gemia sentindo a barba roçar em seu corpo, ela retirou a gravata que ele usava e em seguida o blazer negro, arrebentou os botões da camisa social branca e logo avistou as tatuagens desenhadas no corpo dele, ele se levantou e a virou de costas para si, suas mãos buscaram o zíper do vestido e em frações de segundos ela vestia apenas a lingerie preta com detalhes em vermelho. Henrique encravou os dedos no couro cabeludo da morena e afastou os cabelos que caíam pela nuca dela, nenhuma parte do corpo de Paola ali naquela posição deixou de reconhecer e receber os beijos dele, ele se levantou um pouco ficando apoiado nos joelhos e a colocou de quatro com a bunda dela empinada para si. Ele grudou seu corpo no dela e ela sentiu o mastro de Henrique já duro dentro da calça, ele apertou os seios dela ainda cobertos pelo sutiã e desceu sua mão até a intimidade já encharcada escondida pela fina calcinha, ela arfou e sentiu seu corpo balançar com os toques dele.

- Sempre molhadinha, pra mim. – ele sussurrou rouco e ela mordeu o lábio com força.

- Vem, me faz tua, me fode com força. – pediu safada e ele sorriu.

As mãos brutas dele arrebentaram o fecho do sutiã, libertando os seios fartos e em seguida retirou a calcinha, com a agilidade que pôde tirou o resto de sua roupa e acariciou seu membro duro pronto para penetrá-la.

- Não vai machucar o bebê ? – indagou preocupado e ela sorriu amorosa.

- Não, fica tranquilo. – o acalmou e ele sorriu.

Ele depositou um beijo na bunda da morena e em seguida um tapa não muito forte, ela gemeu e encostou sua cabeça na cama já sentindo o tesão tomar seu corpo, ele se abaixou um pouco mais e passou a língua pela intimidade encharcada, sugou com volúpia e lambeu de leve ao redor do ânus da chef que gemeu alto em aprovação.

- Henrique... – ela murmurou. – Que delícia. – confessou e ele continuou intercalando as lambidas pela intimidade e pelo ânus.

Paola sentiu suas pernas falharem e se deitou na cama de bruços sentindo os espasmos por seu corpo.

- Eu preciso que você entre em mim Henrique. Ahora. – implorou ofegante e ele a penetrou ali naquela posição.

Embolou os cabelos dela entre seus dedos e metia fundo na intimidade que agora parecia mais apertada.

- Porra você me enlouquece. – disse com a voz rouca enquanto a penetrava e apertava sua bunda a fazendo gemer feito louca.

Ela levantou um pouco o quadril e as duas mãos dele agora apertaram sua cintura deixando ali as marcas vermelhas dos dedos dele. Ele estocava com rapidez e força sentido ela tremer em seus braços e suas paredes internas se contraírem, ela gemia alto e pedia por mais, ela adorava a forma que ele a fazia dele, com força, com amor e às vezes com certa brutalidade.

- Você tá toda molhada, goza pra mim morena, goza no meu pau, do jeito que você gosta. – falou cafajeste e os dois gemeram sentindo seus corpos relaxarem e o orgasmo lhe atingirem.

Ela estava ofegante e o corpo de Henrique suado, ele saiu devagar de dentro dela e caiu ao seu lado a puxando pra perto.

- Eu amo você. – ela declarou de olhos fechados e sentiu o beijo dele em sua testa.

- Casa comigo. – ele pediu e ela abriu os olhos e o mirou.

- Como ? – indagou sem acreditar na proposta dele.

- Casa comigo, seja minha mulher. – repetiu e ela sorriu com lágrimas nos olhos.

- Eu caso, é claro que eu caso.- aceitou e ele a tomou mais uma vez em um beijo apaixonado.


Notas Finais


Beeeeijotes 😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...