História Os conflitos internos de uma rainha confusa - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias League Of Legends (LOL)
Personagens Ashe, Braum, Katarina, Leona, Lux, Soraka, Tryndamere
Visualizações 22
Palavras 956
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Hentai, LGBT, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Canibalismo, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eaaeeeee galerinha, tudo beleza? Tô trazendo pra vocês o segundo capítulo dessa fanfic que tá narrando uma Ashe mais bipolar que minha cara e um Trynda pior ainda. Não entendeu? Leia que você vai entender essa bagaça...

Capítulo 2 - Eu não devia ser ela?


Fanfic / Fanfiction Os conflitos internos de uma rainha confusa - Capítulo 2 - Eu não devia ser ela?

 

A rainha gélida acordou assustada. Seus olhos brilharam levemente com a visão diante de si. Tryndamere estava fazendo valer a expressão "sinta-se em casa". Despia-se sem se incomodar se a rainha dormia ou não, apenas caminhou até a porta do banheiro.

Ashe ruborizou. O outro estava de costas para si, mais ainda sim conseguia ver grande parte de seu corpo. E mesmo gostando do que via, fechou os olhos e tentou adormecer novamente. Passou um tempo na mesma posição.

- Eu sei que está acordada. - Ouviu o bárbaro dizer e abriu os olhos. Agora o mesmo estava envolvido por uma toalha, os longos cabelos caídos pelas costas escorriam água. - O que foi?

- Não é nada. - A rainha ocultou o rosto corado virando-se para o outro lado. O bárbaro riu do ato.

- Não vai tomar o seu banho matinal? - Provocou outra vez.

- Isso não diz respeito a você, Tryndamere. - Respondeu friamente, sem se mover.

- Pelo menos não por enquanto.

A rainha se ergueu majestosamente e se colocou na frente do bárbaro. Utilizou a voz mais sex possível para sussurrar no ouvido do outro.

- O que quer dizer com isso? - Provocado pelas palavras de Ashe, desistiu de se conter. Tryndamere agarrou-lhe o rosto e tentou unir seus lábios, porém, a rainha saiu de seu alcance.

- Ora, majestade, conversaremos sobre isso em nossa "reunião de negócios". - O bárbaro pegou suas vestes e se dirigiu ao banheiro. - Espero que contenha sua curiosidade até o momento adequado.

Deixando-a sozinha, Tryndamere não conseguiu evitar as imagens que lhe vieram à cabeça. Era como se, depois de ter visto Ashe nua, nunca mais conseguisse imaginá-la vestida. O rosto agressivamente corado também não lhe saía da cabeça, assim como a voz trêmula que demonstrara o quanto a rainha estava envergonhada pela situação.

Subitamente, desejou que ela não o tivesse barrado na noite anterior.

Terminou de se vestir e saiu do banheiro, deparando-se com a rainha, que aguardava sua saída. Quando sentou-se na cama passou a observá-la. Abafou uma risada ao entender a situação.

A porta que dava acesso ao banheiro era transparente, e isso permitiria a ele a visão da rainha despindo-se.

- Ah, então você está com vergonha de ir tomar banho agora por conta da porta transparente?

Uma rainha jamais poderia mostrar vergonha ou qualquer resquício de timidez.

- Claro que não. - Com os olhos ainda fixos no nada, respondeu calmamente à altura da provocação. - Só não é adequado que um homem permaneça no mesmo ambiente que uma dama durante o banho.

- Ainda mais se tratando de uma mulher virgem, não é? - Sem saber como reagir a uma provocação de tal nível, a rainha se dirigiu ao banheiro. Poderia se arrepender mais tarde pelo ato que realizaria, mas não se permitiria perder a compostura tão cedo.

Só desta vez não entre em pânico, dizia a si mesmo internamente, enquanto mudava seu rumo até o bárbaro.

- Já que as criadas não estão presentes, poderia me auxiliar com isso? - Falou calmamente, virando as costas para Tryndamere. O mesmo pousou as mãos no vestido de Ashe e o desamarrou cautelosamente, passando as mãos pela pele lisa da rainha. - Obrigado.

Quando ia seguir novamente rumo ao banheiro, sentiu seu braço ser puxado e não teve tempo de se defender. O bárbaro a jogou de frente para a cama, assustando-a.

- T-tryndamere! - Pronunciou o nome rapidamente ao perceber as intenções do bárbaro. Tarde demais, o mesmo já estava fora de si. Sentiu o vestido ser puxado agressivamente e o segurou com toda a força. Sua pequena provocação poderia resultar em uma das piores lembranças de sua vida.

Lutou para segurar o vestido até que ouviu o mesmo rasgando-se. Os olhos marejaram ao sentir as enormes e quentes mãos do bárbaro apertando-lhe os seios por cima das roupas íntimas.

Por favor... NÃO.

A única coisa que poderia pensar era em Avarosa. Diziam que era a reencarnação da antiga líder de Freljord, mas agora não se sentia assim. Avarosa não era fraca e não aceitaria o comportamento daquele bárbaro.

Mas eu não devia ser ela?

Eu não devia ser forte como ela?

E foram estes seus últimos pensamentos antes de entender o que devia fazer.

O bárbaro, que havia levado sua atenção para o que havia entre as pernas de Ashe, mal percebera quando bruscamente a rainha acertou o joelho em seu membro. Tryndamere soltou-a e pôs as mãos no membro ferido. Seus reflexos não foram rápidos o suficiente para evitar uma bofetada da monarca.

Estando novamente consciente, o bárbaro deparou-se com uma rainha seminua furiosa e ao mesmo tempo aliviada. Desta vez, não parecia tão envergonhada já que seu corpo não fora totalmente exposto. Tryndamere questionou-se sobre como havia deixado-a assim. Lembrava-se de a rainha lhe provocar pedindo que abrisse seu vestido, depois disso nada lhe vinha à cabeça.

Já ashe, que só então compreendera que o bárbaro estava fora de si pelo que chamavam de "fúria traumática", resolveu por esquecer o que se passou ali. Afinal, Tryndamere também não se lembrava de nada, então que mal haveria em fingir que nada ocorrera? Percebeu o olhar do outro sobre si e foi ao banheiro, sendo observada pelo bárbaro enquanto despia-se.

Após retirar as vestes que restavam em seu corpo, entrou na ducha onde o homem não tinha visão e permitiu que pequenas lágrimas saíssem desenfreadamente pelos olhos brilhantes. Sentira tanto medo e só agora poderia encolher-se e chorar. Evitou ao máximo que seus soluços fossem audíveis, mas ainda assim Tryndamere pode lhe ouvir.

Sentindo ódio de si mesma por ter sido fraca, a rainha desejou gritar, mas tudo o que conseguia fazer era derramar suas mais sinceras lágrimas. 


Notas Finais


Bipolaridade excessivamente exagerada?
Nunca nem vi.
Trynda estrupador da madruga?
Que dia foi isso?
Ninguém viu, ninguém ouviu, vlw flw


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...