1. Spirit Fanfics >
  2. Os dois lados de Jeon Jungkook >
  3. O segundo lado de JJK

História Os dois lados de Jeon Jungkook - Capítulo 1


Escrita por: KookminCitypjct e JikookUttedd

Notas do Autor


Hi babys. Tenham uma boa leitura 💜

Capítulo 1 - O segundo lado de JJK


Fanfic / Fanfiction Os dois lados de Jeon Jungkook - Capítulo 1 - O segundo lado de JJK

Sexta-feira, onze da noite, saída da faculdade e todos com sede de álcool. É claro que a boate mais próxima seria alvo de muita gente ali. Principalmente de Park Jimin e seu grupo de amigos. Não tinha nada mais agradável para fazer numa sexta-feira do que ir para uma boate qualquer, beber até cair, transar com um desconhecido e acordar todo tonto no dia seguinte, sem saber o próprio nome ou onde estava. Ou pior, acordar vomitando por tudo quanto é lado. 

Com todos caminhando grudados, Park Jimin conseguiu avistar o nerdzinho Jeon saindo às pressas na frente dos outros, mamãezinha com certeza estava ligando para que o filho fosse logo para casa. 

— Tenho dó desse coitadinho do Jungkook, nunca vejo o garoto se divertindo. Imagina nunca ir a uma boate? Eu ficaria louco! — Kim Taehyung lamentou, enquanto caminhava ao lado de Jimin. 

— Só lamento. Ele poderia muito bem dar uma fuga para se divertir, mas escolhe ser o garoto certinho, o filhinho dos sonhos. — Jimin deu de ombros. 

— Deixa o cara, gente. Ele faz o que ele quiser, eu hein. Vocês gostam demais de se meter na vida alheia. — Min Yoongi, sempre grosseiro. Não era surpresa nenhuma que aquela frase havia saído dele. 

— Grosso. — Taehyung revirou os olhos, em seguida acertando um tapa na nuca do namorado. 

— E grande também. Sei que você adora. — Yoongi levou outro tapa na nuca, após soltar a frase pervertida para o namorado nervosinho. 

— Credo! Parem já com isso! — repreendi aquela pouca vergonha que se passava na minha presença. 

— Cara, meu irmão foi a uma boate gay ontem! Você precisa ver o moleque descrevendo o lugar, parece que vai ter um treco! — Taehyung começou do nada, fazendo-me rir. Kim Taehyong era mesmo muito exagerado. 

— Boate gay?! Onde? Nunca vi nenhuma por aqui — perguntei ao franzir o cenho. 

— Abriu há poucos dias, soube que está bombando, aliás, ouvi dizer que os barmans são uns doces. — Taehyung lambeu os lábios de forma maliciosa, gargalhei e Yoongi revirou os olhos. 

Yoongi tinha mesmo sangue de barata. Queria ver se fosse eu ouvindo meu namorado falar de outros homens na minha frente, eu ia descer a porrada. Mentira, gente, eu iria fodê-lo apenas para lembrá-lo que eu sou o único homem da vida dele. Enfim, eu. 

— Poderíamos ir para lá, então. Estou cansado de mulheres esfregando os peitos em mim, não é disso que eu gosto, porra! — reclamei. 

Era sempre a mesma coisa em boates. Sentávamos nós três juntos na bancada do bar, não demorava dois minutos para as oferecidas aparecerem. Sempre pensando que somos três amigos héteros, doidinhos para foder uma mulher, eu hein, longe de mim! 

Taehyung sempre fazia questão de enfiar a língua na garganta de Yoongi, só para ter certeza de que as vadias iriam sumir, e sumiam. Bem, quase todas, algumas ainda insistiam em ficar se esfregando em mim, ah, eu odiava aquilo. Uma boate gay é mil vezes melhor para mim, pelo menos não teriam muitas mulheres em cima. Não que eu seja isso tudo, mas, olha, arrumadinho eu sou. Pelo menos isso, né... Pode um feio bagunçado? Não pode. 

— Vou pegar o carro, esperem aqui — Yoongi avisou, antes de atravessar a rua e caminhar em direção ao seu carro que estava estacionado perto da esquina. 

Não demorou dois minutos, logo eu e Taehyung entrávamos no carro, Tae no banco da frente, óbvio, e eu no banco de trás. 

— Sabe onde fica essa tal boate? Preciso do endereço, não tenho bolinha de cristal. — Curto e grosso, esse é Min Yoongi. 

— É bem no centro da cidade, quando ver vários carros e gente gostosa se pegando do lado de fora enquanto enfrentam a fila enorme, pode parar, porque vamos ter chegado — disse o Kim. Soltei um risinho, enquanto observava Yoongi revirar os olhos pelo retrovisor. 

— E planeja mesmo ficar a noite toda ao lado de fora na fila? Como vamos entrar sem que precise ficar esperando até o amanhecer? — perguntei o óbvio. 

— Faz apenas duas semanas desde a inauguração, e Taehyong vem quase todos os dias, aquele moleque sem vergonha vive passando pela janela nas madrugadas, ele acha que eu não vejo! 

— Direto ao ponto — pedi. 

— Enfim, ele conseguiu algumas pulseirinhas vips depois de transar com o chefe de segurança da boate, é claro que tirei proveito disso. Peguei três emprestadas para não devolver mais. — Gargalhou maléfico enquanto tirava as pulseirinhas de cor neon da mochila. 

O safado tem solução para tudo! 


[…]


Do lado de fora havia uma bagunça de pessoas, estava cheio pra um caralho! Se não tivéssemos essas pulseiras, eu daria o fora agora mesmo. Um caralho que eu iria enfrentar essa fila pra entrar numa boate, ou pior, iria amanhecer, o povo saindo depois de beber drinques até pelo ânus, e eu lá querendo entrar. Nem fodendo! 

— Vamos logo! — Taehyung quase me derrubou no chão, após me dar um tranco pelo pulso. Esse bixo é animado demais, Deus me livre. 

Yoongi desceu do carro, em seguida trancando-o com aquela cara de desanimado. Não me surpreende, eu nunca vi o Min animado com nada, e olha que nós nos conhecemos a mais de dois anos. Acreditam que os pais dele contrataram strippers em seu aniversário de 16 anos? Bom, eu não estava lá. Mas, pelas fotos, ele não estava nada animado enquanto aquela mulherada toda nua praticamente esfregava a bunda em seu rosto. 

E foi aí que o senhor e a senhora Min viram que tinham feito algo errado. Poxa, o garoto é uma flor, deviam ter contratado strippers homens ao invés de mulheres. Pois é, no aniversário de dezoito, onde eu era recém-amigo do Min, eles acertaram a mão. Foi a melhor festa de aniversário que eu fui na vida, sério, eu fiquei duro várias vezes, e no fim da noite, ainda consegui foder com o primo gostoso do Yoongi. Foi uma ótima noite, e que noite, amigos, que noite… 

— Para de pensar na morte da bezerra e acorda pra vida, garoto! — Me assustei ao ser puxado por um segurança. 

Taehyung já estava dentro da boate, enquanto eu tentava passar pela multidão, e o Min me acompanhava. 

— Presta atenção, cara! — um rapaz alto e musculoso gritou quando eu esbarrei em si por acidente. Ganhei um esbarrão em troca que quase me fez cair. 

— Chupa meu pau, vagabundo — gritei raivoso, enquanto apertava meu pau por cima da boxer, mostrando-o na direção ao bombado. 

— Se quiser apanhar, pode ficar aí, mas eu vou entrar nessa porra logo. — Yoongi me empurrou para o lado como um saco de batatas, creio que eu estava atrapalhando sua entrada. Porra, cara grosso! 

Segui o Min para dentro do local, finalmente pude desfrutar das luzes coloridas, muita dança e gritaria, ah, aquilo era ótimo. Tirando aquele cheiro de maconha, o cheiro de suor e do álcool forte, e as pessoas esbarrando em mim totalmente sem rumo. 

Quando me dei por mim, estava me aproximando do bar junto de Yoongi, não demoramos a nos acomodar nos banquinhos da bancada, quando iria perguntar por Taehyung, o loiro aparece como fantasma na minha frente, e como fantasma eu digo, ele estava mais branco que gesso. 

— O que foi, amor? Aconteceu algo? Fala alguma coisa, porra! — Yoongi balançou o Kim com força. 

— Acabei de atrapalhar uma boa foda no banheiro, mas, bem, isso é comum em boates. — Revirou os olhos. — Bom, a bomba não é essa. Vocês não vão acreditar! — gritou em nossos ouvidos por conta do barulho, Taehyung estava ofegante, parecia que havia corrido para chegar até nós. 

— Fala logo, porra! — incentivei. 

— O Jungkook! Meu Deus, eu ainda não acredito no que vi. — Seu olhar carregava total surpresa, só não entendi o motivo. 

— O que tem? Essa surpresa toda só porque o cdf da turma está em uma boate gay? — indaguei, enquanto revirava os olhos. 

Isso realmente foi uma surpresa. Jeon Jungkook nunca se divertida, era um nerdzinho metido a Albert Einstein que agia que se soubesse de tudo, mas, bem, ele realmente sabia. O bicho era um gênio, um gênio chato e grosseiro, nunca queria conversa fiada, só conversava com pessoas quando era para falar de tarefas e mais tarefas. Então, ver Jungkook arrumadinho e bebendo em uma boate gay é realmente de se surpreender. Bom, se ele está arrumadinho, eu não sei, é bem capaz de estar com os óculos fundo de garrafa e com o cabelinho em franja, um total nerdzinho otário. 

Ele até que é bonitinho, eu sei que é, mas ainda não consegui ver essa sua parte, já que ele nunca se arruma. E o garoto realmente é antissocial para um caralho. Então nem tente puxar papo com ele, não rola. Nunca rola. 

— Não! Ele não só está aqui, como… 

— Olá, rapazes. 

A fala do Kim foi interrompida por uma voz atrás de nós, certamente do barman que finalmente apareceu. E, olha, que voz sedutora, meus amigos, adorei. Têm umas boates que tem cada barman que às vezes dá vontade de largar todas as variadas pessoas que eu poderia pegar na pista de dança e pular em cima de um desses barmans bonitões.  

Me virei, prontinho para fazer meu pedido, mas minhas palavras foram para a puta que me pariu assim que encarei aquele rosto. Meu pai amado, eu ‘tô sonhando?! 

— Era isso que eu queria falar, porra! — Taehyung falou no meu ouvido, sua voz carregava tanta surpresa, eu não julgava mais. 

Era Jeon Jungkook ali. Puta merda! Não é ele! Não pode ser ele. Puta que me pariu, é ele, sim.

Sem os óculos horríveis, com o cabelo partido e um topete totalmente arrumado e charmoso, uma camisa preta larga, e, olha só, é da minha marca predileta. Meus olhos desceram pela calça de couro, fiz menção de inclinar meu pescoço para enxergar toda aquela beleza que estava atrás do balcão, as pernas do Jeon eram grossas, as coxas ainda mais, puta merda! Aquelas coxas são puro músculos! E como o pervertido que sou, continuei minha tour sem vergonha pelo corpo do moreno, é uma pena que eu não tinha visão da melhor parte: a bunda. Em seus pés, estavam um par de coturnos pretos, cacete, o garoto curte mesmo a cor preta, hein? Por fim, analisei seu rosto, estava completamente maquiado. Nos olhos, um esfumado escuro e perfeito, meu pai, quem foi que o maquiou? Quero ser maquiado por ele ou ela também, adorei. Nos lábios finos, um leve batom vermelho, estava bem claro, e por cima, um brilho labial que deixou os lábios de Jungkook ainda mais brilhosos. É como a cereja no topo do bolo. 

Puta merda! Que homem! E que homem… 

Ele é mesmo, o Jungkook? O cdf? Nerdzinho metido a Albert Einstein?! Não posso acreditar. Meu Deus, agora eu acredito no que minha mãe diz. 

O que ela diz? Bem… 

"— Nunca chame alguém de feio ou bagunçado, ele pode se arrumar e se maquiar, e depois, bingo! Virar o rei da porra toda, e mais tarde terá você implorando aos seus pés para que seja fodido por ele." 

Pois é, mamãe é meio sem noção em relação a palavrões. Mas, por um lado, ela está certíssima. Não há nada que uma maquiagem e uma roupa bonita não resolva. 

Mas, Jeon Jungkook tinha mais que isso. Esse cara tem um corpão da porra! Caralho, eu sentava sem pensar uma mísera vez. 

— Terminou de me admirar sem ao menos disfarçar? — Jungkook indagou, tirando-me completamente do transe. Um sorriso ladino dançava em seus lábios. 

— O que é bonito tem que ser admirado, não é mesmo? — indaguei na pura sem vergonhice. 

— Cacete, o garoto é um puta gostoso… — Yoongi soltou do nada, fazendo-me rir enquanto observava as bochechas de Jungkook tomarem um tom avermelhado. 

Yoongi era um safado do caralho. Assim como eu e Taehyung. Por isso combinamos tanto, éramos três safados que elogiavam os outros na cara dura. 

— Cuidado, Yoon, daqui a pouco eu te largo aqui e me atraco com o Jeon — Taehyung soltou entre risos, fiz o mesmo. 

Coitado de Jungkook, deve estar a pura vergonha. 

— Vocês também não são de se jogar fora, se não tivesse um casal envolvido, poderíamos nos divertir juntos — Jungkook falou naturalmente, deixando-me de boca aberta, assim como Taehyung e Yoongi, que ficaram totalmente sem fala. 

— O nerdzinho também sabe ser pervertido! Olha só! — Taehyung falou surpreso, como se aquela fosse a coisa mais interessante do mundo. Acabei gargalhando da cara de abobalhado que o Kim fazia. 

— Lembre-se, TaeTae, ninguém é apenas o que aparenta ser — Jungkook falou como Sócrates, em seguida piscando o olho para o Kim. 

— Bem, foi bom te ver aqui, Jungkook. Está um gatão, bonito pra um caralho. Agora pode me arranjar um drinque forte? — Yoongi pediu totalmente à vontade com o nerdzinho. 

— Certo, o que vão querer, meninos? 

— Pra mim, uma Sex On The Beach e uma Pinã colada — pedi, em seguida relaxando sobre a bancada. 

— E para mim, qualquer coisa que tenha muito álcool, e também, uma Licor Stock Menta, Yoongi adora uma boca refrescante chupando o pau dele. — Arregalei os olhos ao ouvir a frase descarada de Taehyung, em seguida gargalhando. Que cara safado. 

— Errado não está. — Yoongi piscou para o Kim, em seguida depositando-lhe um selinho casto nos lábios.

Foi uma fração de segundos até que o moreno voltasse com as bebidas em mãos. A minha estava tão bonita, que dava vontade de beber mil iguais. Ah, eu adorava bebidas doces. 

Não deu outra. Assim que Yoongi e Taehyung pegaram as bebidas, eles acenaram para mim e sumiram pelos corredores daquela boate enorme. Com certeza iriam se pegar por aí, e até mesmo fazer coisas ainda mais maliciosas. Ai pai, não quero nem pensar. 

— Não vai se atracar com alguém por aí? — Jungkook perguntou, enquanto preparava uma bebida para um garoto que estava quase ao meu lado no bar. 

— Não ‘tô afim, prefiro ficar aqui vendo você mexendo essa bunda redondinha pra lá e pra cá nessa calça apertada. É uma bela visão, sabe? — Pisquei o olho e sorri todo cafajeste. 

Ah, qual é! Não me julguem. É verdade que eu nunca dei muita bola ‘pro Jeon, mas ele também sempre pouco se fodeu pra mim. Os dois pouco se fodiam um para o outro. 

Ele só abria a boca para me corrigir nas aulas, dava até ódio. Era sempre assim, o professor perguntava, eu respondia, porque se não respondesse, me fodia no fim do semestre, então o jeito era responder pelo menos uma em cada aula. E toda vez o nerdzinho metido a Einstein estava lá, sempre dizendo: 

"— A resposta do Park está errada. A resposta certa é blá blá blá blá blá e mais blá blá blá." 

Eu faltava morrer de raiva com isso. Porra! É chato ficar sendo corrigido sempre, e ter sempre um nerdzinho otário que faz questão de esfregar na sua cara o quanto você é burro em tal matéria. É de foder, viu. 

Mas agora, ver o moreno desse jeito, gostosura pura, o mal caminho completo. Puta merda, meu desejo era deixar ele me foder aqui mesmo. Eu até curto esse lance de ser ativo, mas com um homem gostoso desses na minha frente, amigos, eu abro as pernas sem me preocupar com o amanhã. 

— Não gostaria de vê-la por baixo dessa roupa toda? Garanto que a visão é ainda melhor — falou na pura safadeza, assim que o garoto alheio saiu do bar. 

— Cacete, cadê o Jungkook todo inocente e nerdzinho? Não estou te reconhecendo — brinquei, em seguida gargalhando. 

Observei atentamente o garoto bem arrumado dar a volta e sair do balcão, em seguida, vindo em minha direção. 

— Você conhece um dos meus dois lados, Jimin — sussurrou, enquanto se aproximava cada vez mais de mim. — Está na hora de conhecer o segundo.  

Puta merda… Me tremi todo agora. Fiquei em choque quando senti o moreno tomar meus lábios para si sem mais e nem menos. Óbvio que eu nem quis parar para fazer qualquer tipo de pergunta besta sobre aquele beijo repentino. A boca de Jungkook era bem mais interessante do que qualquer dúvida que ousasse rondar minha mente naquele momento gostoso. 

Os lábios finos do Jeon deslizavam sobre minha boca, o moreno não demorou nadinha para enfiar a língua na cavidade, e, puta merda, um gostinho doce de álcool e coquetel invadiu meu paladar, deixando o beijo ainda mais saboroso. Não consegui ficar sentado diante do tamanho desejo de sentir mais daquela boca macia. 

Me levantei e enlacei meus braços no pescoço de Jungkook, logo sentindo os braços alheios rodearem minha cintura. Minhas mãos puxavam os fios escuros do garoto, enquanto minha boca parecia se fundir à sua, era uma sensação maravilhosa, nossas bocas se moviam rapidamente e com desejo, não havia nadinha de beijo casto ali. 

A mão direita apertando minha cintura de maneira desejosa denunciava que Jungkook queria muito mais do que apenas me beijar, e minha resposta foi mais do que positiva. Quando dei por mim, estava erguendo minhas pernas para grudá-las na cintura de Jungkook, aproveitando a pegada forte em minha bunda para tomar impulso. 

Nossos corpos estavam quentes, minha respiração ofegante, nunca senti tanto tesão em ter meu corpo grudadinho com o de outra pessoa. Meus gemidos baixos foram deixados no ouvido do Jeon, enquanto este beijava e mordia meu pescoço com vontade. Puta merda! O cara tem uma pegada do inferno! 

— Namjoon, Seokjin, podem segurar as cordas por aqui por alguns minutos? Talvez horas? — Jungkook indagou para os outros dois barmans, que assentiram com sorrisos para lá de maliciosos. 

Quando menos percebi, Jungkook estava caminhando pelos corredores longos da boate, comigo grudado feito um coala em seu tronco definido. 

— Horas? — indaguei, gargalhando. 

— Se for por minha vontade, você vai sentar em mim por horas. — Piscou de modo cafajeste, em seguida, abrindo uma das últimas portas do corredor, logo nos enfiando ali dentro.

O quarto estava arrumado, uma cama de casal, escrivaninha, uma porta que parecia ser um banheiro, e o resto eu não quis olhar, os lábios de Jungkook me pareciam bem melhores e mais interessantes do que ficar observando os detalhes do quarto. 

Meu corpo foi deixado sobre o colchão, Jungkook deixou um selinho em meus lábios antes de se ajoelhar na cama, observei o moreno tirar a roupa aos poucos, eu estava queimando de tesão, meu pau parecia querer estourar dentro daquela boxer apertada. A camisa do moreno foi jogada ao chão, permitindo-me apreciar aquele abdômen dos deuses, caralho, olha o peitoral daquele homem! Ele é todo uma delícia. 

A calça de Jungkook não demorou a estar completamente fora de seu corpo, logo, sobrou somente a boxer. O rapaz também não fez questão de enrolar para tirar a peça, em instantes o pano foi tirado de si, dando-me uma visão do paraíso, meu pai, eu daria tudo pra ter esse pau dentro da minha boca. Até o pau dele é lindo, vê se pode um negócio desses. É de foder mesmo, viu. 

Jungkook voltou a beijar meu pescoço com possessão, suas mãos passeavam por minhas pernas ainda cobertas pelo tecido de couro da calça, eu só sabia abrir a boca para soltar gemidos baixos no pé do ouvido do Jeon. Aquele garoto era um pecado, puta que me pariu, eu daria tudo para ter uma transa com ele todos os dias. 

— Essa blusa está me atrapalhando, algo me diz que você fica melhor sem ela — falou, antes de tirar minha camisa rapidamente. 

Agarrei a nuca do Jeon com desespero, beijando aqueles lábios vermelhinhos em seguida, caralho! Beijar ele era bom demais! Jungkook deixou meus lábios somente para agarrar um de meus mamilos entre os dentes, até ouvir um gemido mais alto saindo de meus lábios. Ai, cara! Ponto fraco… Meu ponto fraco são meus mamilos, porra! É gostoso demais ter um cara como o Jungkook chupando meus mamilos, puta merda, eu poderia gozar apenas com isso, fácil, fácil. 

Meus dedos passaram a apertar os lençóis da cama, como tentativa para se aliviar de todo aquele tesão. Jungkook sabia bem onde tocar e como tocar, ai, meu pai, vou explodir de tanto prazer. Cheguei a tremer quando senti a mão grande do Jeon apertar meu membro levemente, ai que delícia, meu Deus… 

— Puta merda, Jungkook! Me chupa, vai… — pedi, enquanto tentava tirar minha calça de uma vez. 

Jungkook sorriu todo safado, enquanto me ajudava a tirar de uma vez aquele tecido que me apertava tanto. Quando enfim me vi livre da calça e tênis, pude sentir os lábios de Jungkook descerem diretamente para meu pau, assim que a língua alheia deslizou abaixo de meu umbigo, senti meus pelos se arrepiarem por completo, sério, acho que arrepiei até onde o sol não bate, e onde, com certeza, não tem pelos. 

Faltei desmaiar de tesão quando desfrutei aquela visão perfeita, apoiei-me nos braços para poder observar melhor, Jungkook descia minha boxer com a boca, esse cara vai me deixar louco. Sério mesmo. 

— Quer mesmo que eu chupe você, Jimin hyung? — indagou da maneira mais cafajeste possível. — Quer que o nerdzinho cdf te chupe até você gozar gostoso na minha boquinha? Quer? 

— Puta merda, Jeon. Me chupa logo, por favor… Chupa meu caralho. 

Desgraçado! Por que todo homem gosta de ver o passivo implorando? Tomar no cu! Chupa logo a porra do meu pau e cala a porra da boca. Inferno! 

— Se é o que quer… 

E antes que eu pudesse praguejar mais ainda contra os machos ativos, senti um arrepio do caralho percorrer por meu corpo, da cabeça aos pés. Jungkook tinha colocado meu pau todo na boca, sem mais e nem menos, meu Deus, eu vou enlouquecer de tanto tesão! 

Minhas pernas tremiam enquanto eu sentia a boca macia e quente de Jungkook me abrigar perfeitamente, seus lábios deslizavam com maestria pela extensão do meu pau, era uma linda cena de se ver, isso se eu conseguisse manter os olhos abertos. Eu os revirava com frequência, parecia que iriam pular do meu rosto. Meus gemidos agora eram bem audíveis, todos ouviriam, se não tivesse essa música absurdamente alta e outras pessoas também se atracando por aí. 

Vou dizer uma coisa. Olha, sentir as chupadas excepcionais de Jungkook em meu pau enquanto tocava Slow Down do Chase Atlantic em alto e bom som, era perfeito, puta merda, está tudo em perfeita sintonia. 


Eu não sei se você já sabe como

Mas, garota, tenho a sensação de que você sabe agora

Você está enterrada no travesseiro, sim, você é tão barulhenta

Mas estou prestes a te mostrar, amor, desacelere

Desacelere, desacelere

Estou prestes a te mostrar, amor, desacelere

Desacelere, desacelere

Estou prestes a te mostrar, amor, desacelere


Empurre um pouco mais na borda

Rasteje um pouco mais na cama, querida

Estou queimando, sim, tudo que vejo é vermelho

Ela disse: Me foda como se eu fosse famosa

Eu disse: Ok


Esse trecho… Puta merda, tudo resolve colaborar para que eu me desfaça rápido. Mas, calma, eu ainda vou aproveitar isso muito mais.

Minha mão direita estava agarrada aos cabelos negros de Jungkook, enquanto eu empurrava sua cabeça para baixo, fazendo o rapaz quase engasgar. Puta que pariu, tudo é muito bom: sentir sua saliva molhando meu pau, sua língua deslizando pelo meu falo, minha glande tocando o céu de sua majestosa boca, tudo isso me faz gemer como um louco. 

As chupadas ficaram mais rápidas, me levando a ter espasmos constantes, cacete… Eu ia gozar, esse cara chupa bem demais, sem condições pra isso… 

— Goza na minha boquinha, hyung. Goza pra mim — Jungkook resmungou, logo voltando a me chupar com rapidez. 

Seu pedido foi rapidamente atendido, meu pau simplesmente pareceu explodir, minha porra foi diretamente para a boca de Jungkook. Eu não esperava que ele engolisse, afinal, nem eu curto muito isso. Mas, o moreno pôs tudo pra dentro, soltei um gemido arrastado enquanto observava o sêmen escorrendo pelo canto de seus lábios. 

Deitei minha cabeça sobre o travesseiro, descansando ali por alguns minutos, Jungkook se jogou ao meu lado. Cerca de cinco minutos se passaram, estava puro silêncio, eu já me sentia renovado, com a respiração normalizada. 

— Agora é sua vez de me fazer gemer. — Jungkook sorriu todo safado, em seguida tomando meus lábios em um beijo envolvente. 

Nem foi necessário que ele pedisse passagem para um beijo de língua, já que puxei sua nuca rapidamente e subi sobre seu corpo sem demora. Minhas pernas ficaram uma de cada lado de sua cintura. Eu queria logo sentir o pau de Jungkook em meio interior, minha entrada pulsava em ansiedade. Ainda bem que as preparações não eram para mim, eu tinha zero paciência para isso, sei que doeria de qualquer forma. 

— Senta em mim, senta gostoso no seu dongsaeng — ofeguei baixo. 

Beijei Jungkook uma última vez antes de me posicionar sobre seu corpo corretamente. 

— Me ajude a colocar, dongsaeng — pedi manhoso, enquanto segurava o pau de Jungkook na mão direita. Estava pulsando… 

O Jeon sorriu sem vergonha, mas não tardou em tomar seu membro de minha mão e posicionar em minha entrada sedenta. Fui sentando devagar, sentindo a extensão do moreno me preencher aos poucos. Deixei algumas caretas escaparem, afinal, não era segredo para ninguém que aquilo doía como o inferno. 

Quando finalmente pude me sentar sobre o quadril alheio, respirei fundo, a parte ruim havia passado: a dor

— Está tudo certo, Park? — Jungkook perguntou calmamente, sua expressão era serena e bonita. 

— Sim, tudo certo. 

Poucos minutos se passaram, e aos poucos, fui descendo e subindo, meus gemidos arrastados eram soltos, ter o pau de Jungkook saindo e entrando de mim era simplesmente a melhor coisa da vida. Eu estava com um tesão do caralho, nem parecia que havia acabado de gozar, esse moreno gostoso do caralho não deixa eu me sentir cansado um segundo sequer. É bom demais sentar nele, nem dá tempo de ficar cansado, o prazer é maior. 

— Senta forte no meu pau, isso… 

As mãos grandes de Jungkook seguravam minhas duas bandas com força, apertando a carne farta a todo momento enquanto eu quicava sem parar em seu pau. Minhas mãos apoiavam-se em seu peitoral, tomando impulso para dar quicadas mais fortes. O barulho dos quadris se chocando me faziam sentir ainda mais prazer, se é que aquilo era possível. Jungkook gemia em alto e bom som, era bom ouvi-lo gemendo, ainda mais quando o motivo era a minha sentada. Sua voz majestosa entrava como música em meus ouvidos, certamente a melhor música que eu poderia ouvir na vida. 

Senti o quadril do Jeon tomar impulso para cima, batendo mais violentamente contra o meu, fazendo-me gemer como um louco descontrolado. Minha bunda batia contra seu quadril da forma mais suja possível, parecia uma cena de filmes quentes, em que nós somos os protagonistas.

As quicadas ficavam cada vez mais rápidas e violentas contra o quadril alheio. O pau de Jungkook entrava e saía gostoso de mim, sentia meus lábios inchados de tanto mordê-los. O moreno não estava diferente, seu lábio inferior não saía um momento sequer do meio de seus dentes, era uma cena pra lá de sexy, eu poderia gozar pela segunda vez só por observá-lo franzindo o cenho por puro prazer enquanto rolava os olhos. 

— Que bunda dos deuses… Caralho! Eu vou gozar gostoso dentro de você — gemeu, todo gostosinho bem perto do meu ouvido.

Aquilo só serviu de combustível para mim, visto que sentei nele como nunca sentei em ninguém, estava indo extremamente rápido, chegava a sentir as gotículas de suor começarem a descer pelo meu rosto. Jungkook gemia assim como eu, dois descontrolados e loucos de tesão. 

Bastou mais algumas descidas e subidas para que o líquido do moreno me preenchesse por completo, ah, aquela era uma sensação maravilhosa, com toda a certeza. Me senti completamente mole, mas continuei com os movimentos somente para prolongar o prazer do moreno, e, enquanto fazia isso, Jungkook foi super rápido em pegar meu pau e bombeá-lo rapidamente, foi questão de segundos, meu pau estava completamente ereto, escorrendo porra sem parar, o toque me deixou todo tremido, estava sensível para um caralho. Somando isso tudo, foram segundos até que eu gozasse pela segunda vez na noite. Puta merda, eu ‘tô todo mole, alguém me helpa

Não pensei duas vezes em sair do colo de Jungkook, gemendo arrastado ao sentir seu pau saindo de dentro de mim. Meu pai, essa foi uma das melhores transas que eu tive na vida, e olha que todo fim de semana eu transava com alguém diferente nas boates, não me chamem de galinha, apenas sei aproveitar as coisas boas da vida.

— Curtiu a foda com o nerdzinho cdf? — Jungkook indagou no puro deboche. 

— Porra… Você é gostoso pra um caralho, é claro que eu curti. — Dei um tapa no braço alheio, em seguida ouvindo a risada fraca do Jeon. 

— Espero ver você na sexta que vem — falou, pegando-me de surpresa enquanto me acomodava sobre o peitoral alheio. 

— Se estiver aqui, pode garantir a minha presença. — Gargalhei baixo. 

Minha respiração estava acelerada, isso dificultava um pouco na tentativa de falar calmamente. O peito de Jungkook subia e descia rapidamente, os batimentos a mil. 

Eu teria muita coisa a contar para Taehyung no dia seguinte, como o bom amigo que sou, óbvio que iria contar os detalhes dessa foda incrivelmente perfeita. 

No entanto, mal sabia eu que aquela boate se tornaria minha preferida entre todas as outras da cidade… Simplesmente por ter um moreno chamado Jeon Jungkook toda sexta-feira me esperando. Amigos, minhas sextas iriam ser maravilhosas dali em diante. Graças a Jungkook, aquele nerdzinho cdf metido a Einstein, o mesmo que conseguira me levar à loucura.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.

Deixo aqui meus agradecimentos a @jiminstrip pela betagem excepcional e perfeita. Te roxo, anjinho. 💜💜💜

Agradeço também a @keugimari pela capa e banner perfeitos. Menina, você me surpreendeu de verdade. Eu adorei os designs, muito obrigada. 💜💜💜

Agradeço também aos leitores e ao @Kookmincitypjct por toda a ótima estadia oferecida. 💜💜💜

Beijinhos e até a próxima. 💜💜💜

[Nota da administração do projeto: Todos os personagens contidos nessa estória são de maior e responsáveis pelos seus atos. De forma alguma temos a intenção de romantizar ou problematizar quaisquer assuntos. Caso ache algo que infrinja as regras do site, por favor, entre em contato com a administração através da MP do perfil.]


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...