História Os escolhidos de Dark and Wild - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys (BTS), Fantasia, Romance, Sobrenatural
Visualizações 2
Palavras 1.419
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Um pouquinho sobre a vida do Kook.. *u*

Capítulo 2 - Estranho-JK


Fanfic / Fanfiction Os escolhidos de Dark and Wild - Capítulo 2 - Estranho-JK

************Jeon Jungkook*********

Sempre fui muito bom em criar coisas, e decifrar códigos. Desde pequeno, com uma idade de cinco anos, consegui calcular o ID exato do meu pai, que sempre se impressionara com minha inteligência precoce e extrema. Mamãe sempre me olhava de um jeito especial e diferente, ela como nunca, sempre soube de minhas grandes capacidades, só era estranho o fato eu não ter a aparência de nenhum dos dois, o que me fazia imaginar que era adotado. Na escola, já havia recebido o vigésimo terceiro prêmio de ciência analítica e exata. Um dos mais cobiçados, tanto pela aparência, quanto pelo alto nível intelecto, me fazia ter um destaque insano na escola. Várias eram as meninas que me cercavam, e por vezes insinuavam-se para mim descaradamente, mas, nenhuma delas despertava-me interesse afetivo. Após meu décimo sexto aniversário, comecei a sentir coisas estranhas com meu corpo, em especial, com minha força, não sabia o porquê daquela anormalidade humana, mas, sentia-me estranho. Também conseguia ouvir pessoas conversando a milésima de distância, e meu olfato era impressionante, tanto que, sabia quando as garotas da minha escola estavam naqueles dias, ao passarem por mim. Começava agora, a dizer olá para o inferno que se tornava minha vida. Por que tais coisas estavam acontecendo comigo? Meus amigos diziam que eu estava estranho, pois havia me afastado muito deles, mas, eu queria saber o que estava acontecendo comigo.

-Até quando você vai ficar nessa, ein?

-Não sei, eu preciso ficar sozinho, Eddy.

EDDY: Cara, já está com um tempo que não saímos juntos, e nem jogamos um game, sei que ainda está superando o seu namoro de um dia com a Becca. –Ele rir. –Mas, a vida que segue.

-Você acha mesmo que estou afastado de vocês porque estou superando a Becca? –Rio friamente. –Faça-me favor Eddy, Becca só foi uma garota que fiquei.

EDDY: E por que ela disse pra todos, que vocês estavam namorando?

-Eu só me fiz de doido, e ela apenas acreditou que estávamos juntos. –Rio malvado.

EDDY: Você é tão frívolo! Pelo amor! Agora tá explicado porque você só namorou três vezes!

-Eddy, eu não me apaixono, não sei explicar, mas, as garotas daqui não me despertam nenhum interesse afetivo.

EDDY: Eu vou ter o prazer de rir da sua cara, quando isso acontecer! Anda, vamos para a aula! –Nos levantamos e fomos em direção a sala.

*Caminhamos tranquilo pelo refeitório, os olhares femininos eram os mesmos de sempre, e me divertia com aquilo.*

-HEY! –Ouço um grito estridente, que já me atormentava desde a infância escolar.

-Brad! –Falo com desanimo.

*Aquele mala, sempre invejara-me, e sempre que podia, agredia-me com sua turma de imbecis*.

-O que você quer agora?

BRAD: Só me divertir um pouco. Peguem ele!

*De imediato eles correm atrás de mim, enquanto tento fugir pela escola. Com o fôlego faltando, e ouvindo-os a distância, eu poderia fugir, assim com tenho feito nos anos passados, mas, já estava cansado daquilo, precisava dar um ponto final, não suportava mais aquela perseguição. Estava no porão sombrio e fúnebre da escola, aquele lugar animava-me maldosamente, elevando minha mente a imaginações virais e psicóticas. Atrás de alguns entulhos, ouvi o riso e as falas de provocações vindas deles, comecei a fazer barulhos nas coisas, e senti uma força estridente gritando dentro de mim, ao olhar meus punhos, observei que o tato de minhas mãos, parecia jorrar água, me assustei com aquele ocorrido, e acabei por revelar onde estava escondido. Eles ao me verem, pegaram-me pelos braços, impedindo minha defesa, sabia que em breve iria apanhar, mas, aquilo não me assustava tanto, quanto ver sair de minhas mãos, uma água aquosa e escura. Seria meu corpo avisando estranhamente que corria perigo?

BRAD: Você se esconde muito bem, mas, vai se arrepender por ter nos feito te procurar como tolos.

***************OLYMPO***********

HADES: Você acha mesmo que devemos confiar grande feito, a esses pirralhos?

ZEUS: Claro que sim! Tenho certeza que eles conseguirão reverter a falha cósmica.

HADES: Você disse a mesma coisa á cem anos atrás, lembra?

ZEUS: Recordo-me perfeitamente, mas, dessa vez, nós teremos mais sorte!

************************************************

Ao chegar em casa, chequei o celular, e vi inúmeras ligações de Becca, tratei de ignorá-las, e foi tomar um banho, sentia-me cansado e sem energia alguma, e pensar no que me ocorrera aquele dia, deixava-me atordoado. Liguei o chuveiro, e sorri ao sentir a água descer por todo meu corpo, mas, estranhamente senti que estava absorvendo água, observei atentamente assustado, meus poros sugavam calmamente, a água, e logo desliguei o chuveiro, e tentei controlar meu desespero. Percebi que estava mais desposto, porém, não quis continuar no banheiro, e saí as pressas, vesti-me e desci para comer alguma coisa, enquanto pensava no que estava me acontecendo ultimamente*.

OMMA: Filho tá tudo bem? Você não tomou banho? –Me olha estranha.

-Claro que sim! –Olho para meu copo, e percebo que estava totalmente seco. –Mãe, eu estou com medo! Estão acontecendo coisas estranhas com meu corpo!

OMMA: É a puberdade meu filho, uma hora isso iria acontecer!

-Não mãe, não é isso, é que eu...

OMMA: Filho, sem desculpas, anda, vai pra mesa, que seu pai já está descendo para almoçar.

Droga! Por que ela não me escuta?

No dia seguinte, novamente enfrentei o banheiro, mas, nada ocorreu com meu corpo. Talvez tenha sido meu desespero quem me fez delirar, e me fez ver água sendo absorvida por meus poros. Tomei banho tranquilamente, porém, em menos de segundos, já estava com o corpo seco, era estranho, mas, era bom, aquele acontecimento bizarro, poupava meu tempo, então terminei de vestir-me, dei um beijo em mamãe, e logo segui com meu pai para a escola. Ao chegar fui diretamente ao refeitório, quando Jimin sentou-se ao meu lado assustado, e com o jornal da escola, em mãos.

JIMIN: Você viu? Saiu uma matéria sobre o grupo de garotos que viviam te atazanando.

*Engoli a seco meu café, encarei a mesa, e comprimi os ombros*.

JIMIN: Escuta só: “Grupo de garotos da escola Yunkai, são encontrados em porão abandonado, quase sem vida”. –Ele me olhou aterrorizado. –Que estranho, aqui diz que havia marcas escuras no pescoço, e que estranhamente tinha água aquosa e escura no ambiente... –Permanece lendo o jornal, enquanto tento disfarçar meu pequeno desespero. – Ah, olha só, aqui diz também que eles foram sufocados por uma base de trinta segundos, pela mesma que água estava presente no lugar. –Fecha o jornal e me olha. –Quem você acha que fez isso?

-Realmente não sei! –Tento disfarçar. –Estranho né? De repente acontece isso? E dessa forma?

JIMIN: Se bem que eu entendo, meu corpo está tendo comportamentos anormais, mas, não comentei com ninguém, porque tenho medo que possam me internar.

-Imagino, mas, vamos para a aula, okay? –Vejo um grupo de garotas se aproximarem de nossa mesa.

JIMIN: Você está mais estranho que o normal! – Me olha assustado. –Você também está sentindo as mesmas coisas estranhas, como eu?

-Se eu dissesse que não, estaria mentindo, e você mais do que ninguém, me conhece perfeitamente.

-Oi Guky, tudo bem? –Senta a mesa, com as pernas por desvendar a cor de sua calcinha.

-Está sim, Becca! –Respondo-a tentando disfarçar minha vista, enquanto Jimin rir maldoso.

BECCA: Eu queria saber, se você não quer ir pra minha casa hoje, é que você é tão bom com números, que pensei que pudesse me dar umas aulas! –Aproxima-se de meu rosto. –Por favor?!

-Eu não sei Becca. –Levanto-me e chego perto de seu ouvido. –Talvez eu apareça! –Retiro-me da mesa.

*Permaneci andando em direção a sala, enquanto Jimin tentava me acompanhar*.

JIMIN: Kook, o que foi aquilo? Becca tá maluca por você, e tudo que você faz é deixa-la na vontade?

-Você sabe que nunca fiz sexo, e a Becca só quer transar comigo Jimin!

JIMIN: Que mal tem isso? Deveria agradecer, a maioria das garotas daqui querem muito mais que sexo!

-E eu também! Desculpa Jimin, sei que somos muito diferentes nesse ponto, mas, eu quero me apaixonar, gostar de alguém, e não só transar por transar.

JIMIN: Você é tão profundo! –Debocha. –Talvez deva ser por isso que ainda é virgem! Kook, você tem mais de dezesseis anos, e está desperdiçando a oportunidade de transar, sem sentimentos, acredite, esse seu papo de se apaixonar, ainda vai te machucar muito!

-Entende Jimin, essas garotas não me despertam interesse afetivo algum! E você também só faz isso, porque já foi fudido emocionalmente pela Cinthia.

JIMIN: Okay, você venceu! Não tá mais aqui quem falou!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...