1. Spirit Fanfics >
  2. Os Filhos de Hécate >
  3. Chá de Artemísia

História Os Filhos de Hécate - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Esse capítulo é narrado pela Lily (de novo)
Mas relaxem, teremos outros narradores ao longo da história.
Boa leitura!

Capítulo 4 - Chá de Artemísia


Eu estava voltando para o meu chalé depois de uma longa caminhada pelo acampamento, pensando só em chegar e dormir (eu estava morta de cansaço), mas acabei encontrando com o Dipper no caminho. Tentei não ficar nervosa, passar direto e ignorar, mas meus métodos nunca funcionam.

— Ei, Lily! — Ele me chamou e eu travei levemente. Sei lá, ainda estava meio confusa. Sabe, aquele negócio da mão foi meio... Ah, esquece.

— Oi... — Respondi e me arrependi quase imediatamente de não ter ignorado.

— Que foi? Tá tudo bem? Você parece meio pra baixo... — Ele perguntou, parecendo estar levemente preocupado comigo. Não, pera aí, Lily, isso é impressão sua! Não é preocupação, esquece esse garoto!

— Tá tudo bem, sim... — Menti. Quer dizer, teoricamente estava tudo bem, mas eu estava nervosa demais por causa dos acontecimentos recentes.

— Você não vai conseguir me enganar. Anda, vamos andar um pouco, vai ver isso te ajuda a melhorar! — Ele sugeriu. Andar? Mas eu tinha acabado de fazer uma caminhada de uma hora! Era óbvio que eu não aceitaria, né? Né?

— Claro! — Eu aceitei. Devia ter previsto essa.

Começamos a andar e falar sobre coisas aleatórias, e eu estava tentando ignorar a dor nas pernas por causa de duas caminhadas seguidas. O papo estava bom, mas eu realmente não devia ter aceitado andar mais. Quer dizer, pra começo de conversa o meu cansaço era o principal motivo de eu estar voltando pro chalé! Comecei a me sentir mal em um certo momento. Minha cabeça começou a rodar um pouco, e eu parei bruscamente.

— Lily, tá tudo bem? — Dipper perguntou, e pela cara dele, dessa vez ele devia estar mesmo preocupado.

— Eu to meio tonta... — Falei devagar, tentando respirar fundo e me recuperar. Comecei a andar de novo (sendo que eu ainda estava passando mal), e aí a minha visão começou a escurecer. Não aguentei e sentei no chão, me encostando na parede do chalé mais próximo (por sorte estávamos perto dos chalés).

Eu estava começando a me desesperar, não conseguia mais enxergar muita coisa além de pontinhos coloridos e nem ouvir nada além de vozes distantes. Não sabia se era melhor levantar ou abaixar a cabeça, não sabia se respirava rápido ou devagar. Eu estava mole, e o Dipper estava falando com alguém do chalé que eu estava encostada.

Senti ter perdido a consciência por alguns segundos, mas não tinha certeza do que tinha acontecido. Estava com falta de ar. Do nada, a Jane apareceu com água e queijo. Ela parecia desesperada. Ela me fez comer o queijo e beber a água, e a minha visão foi lentamente voltando ao normal.

— O que aconteceu? — Jane perguntou, depois que eu já estava um pouco melhor.

— Ela desmaiou. Ou quase desmaiou, não sei. — Dipper respondeu.

— Lily, você comeu alguma coisa hoje cedo? — Ela me perguntou.

— Eu tomei um copo de suco... — Respondi, um pouco envergonhada.

— Um copo de suco?! Sério isso?! — Ela parecia estar brava comigo.

— Desculpa... — Falei baixinho.

— Você precisa se alimentar, se não vai ficar desmaiando por aí! Vem, a gente vai te levar de volta pro seu chalé. — Ela disse e me ajudou a levantar. Ela e o Dipper me ajudaram a chegar no chalé sem cair no chão, e tive que escutar a Jane me dando bronca durante o trajeto inteiro. Okay, eu sei que sou teimosa e que caminhar sem comer nada não é uma ideia muito boa, mas eu já entendi o recado! Eles se despediram e foram embora, me deixando sob a responsabilidade das meninas malucas do chalé de Deméter. Fui deitar um pouco e tirei um cochilo de uns 20 minutos, e quando acordei já me sentia mais disposta, então tentei sair pra encontrar meus amigos, mas uma das meninas me impediu.

Voltei pra dentro, ainda irritada, mas esse foi um dos meus piores erros: assim que as outras garotas me viram, resolveram perturbar a minha paciência falando sobre qual chá eu deveria tomar pra me sentir melhor. Elas são loucas, eu to falando! Eu decido o que vou tomar!

Enfim, mais tarde eu já estava bem melhor, e todos estavam no refeitório pra jantar. Sentei com o pessoal do meu chalé, torcendo pra ter um pouquinho de paz, até que vi a Prine saindo da mesa dela pra vir me encher o saco. Ela ficou em pé do meu lado me ameaçando com o olhar. Não me entenda mal, nós duas temos uma boa relação e somos ótimas amigas. Ela só é meio protetora demais de uma forma agressiva, e principalmente quando se trata de saúde. E a culpa nem é minha, eu só não me alimento tão bem porque eu me esqueço! Quando você é uma pessoa empolgada demais com as atividades do dia, a alimentação deixa de ser uma prioridade.

Ela continuava em pé e eu já estava começando a perder a paciência, mas calma, fica pior: as meninas do meu chalé continuaram enchendo o saco com o negócio do chá.

— Que chá é esse que você tá botando aí? — Uma delas me perguntou.

— Artemísia, ué. — Respondi, tentando acabar com o assunto o mais rápido possível.

— Artemísia? Tá louca? Isso não vai te ajudar a melhorar!

— Pois saiba que eu já to melhor, e o chá que eu tomo ou deixo de tomar não vai fazer diferença nenhuma na sua vida! — Falei, irritada. Se eu que vou tomar, eu que escolho, ora!

Depois que terminei de comer, a Prine finalmente saiu da minha mesa, e depois disso eu voltei pro chalé. Já estava tarde e eu estava com sono, então fui dormir. Tive um sonho estranho... Será que foi o chá?

Uma menina bem alta de cabelo encaracolado estava conversando com um baixinho de cabelo castanho com mecha azul. Os dois se despediram e foram em direções opostas, e aí o sonho mudou pro lago. Tinha um menino. Ele estava mexendo com as plantas... Tinha umas velas, e a água estava estranha. Parecia sólido, parecia... Um espelho? Ele fez uma raíz bem grande se mover em direção ao lago, mas no lugar de parar, ela atravessou o "espelho", como se fosse um portal. Depois disso, eu acordei. Já estava bem tarde, então não era mais permitido sair do chalé, mas não me importei. Levantei silenciosamente e saí. Fui até o lago, e lá estava a raiz! A mesma do sonho! E ela não parava de sair...

Cheguei mais perto, e quando olhei para a água, ou melhor, o "espelho", não vi o meu reflexo. Eu vi aquele menino do sonho. Eu já tinha visto ele uma vez no reflexo da água bastante tempo atrás, mas nunca contei pra ninguém. Não sabia o nome dele, mas gostava de me sentar perto do lago pra me lembrar da primeira vez que o vi.

Agora ele estava lá de novo.


Notas Finais


Lily é gado do Dipper KEIWJEJDH
E esse negócio do lago aí vai dar merda hein
Vou tentar escrever mais esse fim de semana :v
Só isso mesmo, espero que tenham gostado, e até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...