1. Spirit Fanfics >
  2. Os filhos dos descendentes >
  3. 02x11: Depois do lago

História Os filhos dos descendentes - Capítulo 43


Escrita por:


Capítulo 43 - 02x11: Depois do lago


Chloé e Alex diferente de Mal, sempre nadaram esplendidamente bem. Liam não ficava pra trás, nem Aghatha que a uma das primeiras coisas que fez ao chegar em Auradon, foi natação.

Lorenzo e Sofia, mesmo sabendo nadar, a noite e o susto os atrapalharam, lolo com muito esforço ajudava Sol. Lizzie optou por apoiar-se em Chloé, Ravena e Vitor incrivelmente conseguiram se virar apoiando-se um no outro, ja Cheryl, relutante aceita ajuda de Alex.

—Olhem pelo lado positivo!—Incentiva Lorenzo assim que todos sentaram do outro lado do lago, mais especificamente, na floresta depois do lago.

—Que lado positivo?—Sofia indaga retirando a jaqueta.—As roupas não vão secar, ninguém vai conseguir atravessar o lago de novo, não agora. Cecília certamente está esperando ansiosa pra atacar...

—Ela não sabe que fugimos.—Alex diz.

—É claro que sabe, certamente entre todos que se ajoelharam, ela esperava Liam, Aghatha, Alex, Chloé e talvez Vitor e Revena. Ela vai se dar falta, e outra, ela tem o cetro...

—Olha aqui, chega de pessimismo.—Liam diz fazendo Chloé bufar. Ele recolhe alguns gravetos, folhas secas e pedras acendendo uma fogueira—nós ficamos aqui um tempinho, depois vamos pra casa pela floresta, nos trocamos, e...vemos o que faremos.

—Só tem duas coisas que eu conheça que são mais fortes que o cetro da malévola são...—Lorenzo diz pensativo

—A varinha e a brasa do Hades, mas os dois estão fora de cogitação.—Sofia declara

—Não. Podemos pegar a brasa.—Alex declara

—Você quer mesmo roubar o Hades?—Felipe ri.

—Não. Não vamos roubar, vamos pedir. Na verdade, a Chloé vai pedir.—Alex diz fazendo a irmã rir.—Chlo, eu...eu descobri quem é nosso avô materno...

—Eu sou neta do Hades?! A quanto tempo você sabe?!—Chloé explode levantando-se

—Eu descobri ontem, mas...

—É você? Sabia também?—Ela indaga olhando fixamente a melhor amiga que melancolicamente riscava o chão com gravetos

—O que te faz pensar que eu sabia?—Ela pergunta sem mostrar o menor interesse ou indignação na voz.

—Ultimamente meu irmão vem contando tudo pra você.—Chloé dispara.

—Não, Chloé. Eu não sabia.—Sofia responde

—Você ainda está brava por Eu te contado aquilo pra mamãe?!—Alex questiona incrédulo.

—Você não contou só pra mamãe, contou pra a Sofia também!

—Eu achei que ela poderia te ajudar! E o que eu poderia fazer? Aquilo estava me preocupando! A Sofia saberia o que fazer melhor que eu!

—Não me envolve nisso, por favor.—Sofia pede colocando novamente a jaqueta.

—Chloé, por favor.—Liam começa

—Ok. Amanhã vamos até a ilha e eu falo com o Hades.—A garota diz se posicionado perto da fogueira

—Ele vai dar.—Felipe declara assustando a todos—Ele vivia falando de vocês.

—O Lipe trabalhava pro Hades.—Aghatha explica—Você tem a chave ainda, não tem?

—Não, só meu avô, o Josh, a Célia e o T.J.—Felipe diz.

—Nossa melhor chance são T.J e o Dr.Facillier.—Esclareceu Lizzie

—O Josh entrega se a Cheryl Pedir.—Vitor zomba enquanto deita na grama

—Não começa!—Cheryl urra

—Que história é essa?—Alex questiona

—Você não contou?—Ravena pergunta, ela não estava em seu tom irônico debochando de Cheryl, estava realmente surpresa.

—Contou o que? Anda, eu quero saber.—Alex continua

—Você me contou sobre o casamento? Acha que tem algum tipo de moral, "amor"?—Cheryl pondera a plenos pulmões

—cuidado, Alex.—Lizzie alerta rindo deitando-se junto de Vitor apoiando sua cabeça no peito do rapaz que a abraça na intenção de aquece-la.

—Chega! O Felipe está dormindo, e não da com vocês gritando um com o outro! Então, por favor, calem a droga da boca, antes que eu faça vocês calar a força!—Aghatha ameaça, não era necessário dizer muito, sua voz era firme e autoritária, sabiam que ela não estava brincando, não quando o assunto era "Felipe" ou "Diana". As duas crianças eram como irmãos para ela, e de tudo a jovem era capaz por eles, principalmente Felipe.

—Sim, capitã.—Todos os jovens da ilha, inclusive Ravena e Cheryl dizem em uníssono, Aghatha ajeita Felipe em seu colo abraçando-o contra seu corpo para esquenta-lo. Dentro de minutos, todos estavam dormindo.

...

Pov. Autora

O medo era insuportável.

Mas a dor era maior.

"Me desculpe, Sofia" ela sussurra antes da tortura começar. A voz de Uma é firme e clara. "Onde seus amigos estão?" Sofia cerra o maxilar. Prefere sofrer a dor que seja, torce para que eles já estejam bem longe.

—Comece pelo braço.

A ordem é clara. Relutante, Crystal toma seu braço direito. O imobiliza. A adolescente começa a se rebater em vão, procurando uma forma de escapar. O gelo lentamente se espalha a fazendo gritar de dor, mas ainda podia suportar, era é ruim, mas sabia que vai piorar. O rosto de Riven se contorce, mas é tarde. Sofia faz questão de o olhar fixamente para que saiba o erro que cometeu.

—Eu não sei! Juro!

—Onde está o controle da barreira?

Ela abaixa a cabeça, estava com ela. Um deles, os escolhidos foram Sofia e Lorenzo, as pessoas mais confiáveis de acordo com Chloé. O controle está com Riven. Que novamente se contorce. Crystal ergue lentamente a manga da jaqueta, ela posiciona as mãos gélidas novamente, mais forte desta vez, Sofia grita a plenos pulmões, lágrimas e soluços acompanham os berros.

—Uma, por favor, é uma criança...—Crystal começa

—Eu vou perguntar mais uma vez, onde está o controle da barreira?

—Está com eles!

—Trouxeram dois, mamãe. Um com ela, e o outro com o nerd dos cachorros. —Luma declara, mas se mostra arrependida segundo depois.

Manchas vermelhas surgem em seu braço, elas crescem a cada segundo, pontos vermelhos nítidos na pele agora azulada. O gelo está aos poucos congelando seu sangue. Pedir misericórdia não adianta. Cristais de gelo atravessam sua pele cortando seus nervos. Nunca sentiu dor parecida, afinal, aonde sentiria? Em Auradon seria a última opção. A azulada grito o mais alto que pode enquanto chora. Não que isso lhe ajudaria, as lágrimas só lhe ajudam a engasgar mediante ao desespero .

—Onde estão seus amigos?

—Em Auradon, nessa altura do campeonato. —Responde soltando o ar pelos dentes cerrados.

—A panturrilha.—Uma declara. Aí então seu desespero aumenta

—Por favor, não!—Grita quando se ajoelha.—Piedade, por favor.

—Responda a pergunta!

—Eu não sei!—Ela diz levantando-se

O gelo congela rapidamente suas pernas fazendo seus joelhos irem contra o chão com uma força imensurável fazendo tudo voltar a doer. Suas lágrimas e gritos voltam e continuam a não mudar a postura de nenhum dos seres na sala além de Riven, Luna e Crystal.

—Mamãe, já está bom, não acha?—Riven diz

—Por hoje é só.

A garota acorda com o coração pulsando forte, leva a mão a boca pra não gritar, por seu rosto estar molhado e seus olhos engraçados, deduz que chorou. E muito.

Foi só um pesadelo. Foi só um pesadelo. Ela diz pra si mesma.

A floresta está calma. Todos ainda estão dormindo, e por mais que queira, Sofia tem a plena certeza que não vai conseguir dormir. A anos tem pesadelos do tipo, com diversas formas de tortura que Uma poderia ter usado, ou diversa formas de morte que Thomas poderia ter tido ou com ele voltando e lhe dizendo coisas horríveis, e esse pesadelo, foi um dos muitos exemplos do seu criativo subconsciente.

—Desculpa ter te acordado. Você parecia desesperada.—Líam diz.

—Que horas são?—Ela pergunta limpando o rosto.—Você não dormiu?

—4h30. Eu dormi, mas acordei faz pouco tempo e não consegui dormir mais. Você deveria...

—Eu não consigo!—Responde de imediato afundando seu rosto nas mãos—Tenho certeza que vou visitar diversas realidades que me mostraram diversas situações, e em todas, o Thomas morre da mais criativa forma. Ou vou sentir várias formas de tortura. Uma pior que a outra. É muito real liam. Eu não consigo acordar.

—Calma, princesa.

—Você já teve pesadelos?—Sofia pergunta ironicamente.

—Não ligo muito pra eles. Afinal, ultimamente vem sendo o mesmo. Eu indo pra faculdade e quando eu voltava, o Lorenzo gritava com todos, até com você, e estava bem machucado, como se tivesse apanhado. Você, chorava desesperadamente, não comia, conversava e nem dormia, a única coisa que falava era "Thomas" ou "Meu irmão". E a Chlo, estava descontrolada como os olhos verdes atacando tudo.

—É por isso que você não consegue dormir, não é?

—Sim. Vou sentir falta de tudo. Acho que até das brigas com o Josh, ou xingar o Riven.

—Com certeza vai.

—Sentirei sua falta, Sofia.—Ele diz

—Também vou sentir a sua.—Com essas simples palavras, por uma pequena fração de segundo, Sofia não tem mais certeza do que sente.

Não. Não Sofia. Liam é só um amigo. Ela grita internamente.

Tanto ela quanto ele, queiram permanecer ali. Parar o tempo. Mas é impossível.

Os dedos de Liam, lentamente levantam seu queixo com cuidado para que seus olhares se encontrem, e então, ele a beija.

O seu primeiro beijo.

Por mais que queira se afastar, Sofia simplesmente não consegue e por fim cede ao invés de sair dos braços do rapaz e aos poucos acaba retribuindo o beijo, afinal, tanto ela quanto ele estavam surpresos pelo ato. Tenta raciocinar. Entender o que se passa em sua cabeça, organizar seus sentimentos. Foi criada pra planejar todos seus passos e isso, isso com toda certeza não estava nos seus planos, por mais que não haja o que te prepare para isso. Liam se sentia feliz e culpado ao mesmo tempo. Feliz por finalmente estar rolando algo com Sofia e culpado por pensar que Chloé ainda está afim dele.

Assim que assume novamente o controle de seu cérebro, a azulada desvencilha-se rapidamente, o que deixa um clima pesado entre os dois.

—Me desculpa,Sofh. Eu...

—Tudo bem.—Ela responde enquanto tenta arrumar seus pensamentos.—Isso não pode se repetir, a Chloé é nossa melhor amiga, e é muita mancada com ela. E eu não quero brincar com os seus sentimentos. Não posso é não quero magoar ninguém, nem você, nem a Chlo, a Aghatha e nem eu.

—Entendo...pera, Aghatha? Eu...ela... caramba. E o Lorenzo...Meu Deus.

—Vinte pras cinco. É melhor acordarmos os outros. É uma longa caminhada.—Essa foi incrivelmente a melhor desculpa que arrumou.

No caminho, junto dos outros, ele age naturalmente, seguindo seu exemplo, Sofia não diz absolutamente, nada sobre o ocorrido, torcendo para que ninguém perceba, mas infelizmente falha.

POV Chloé

—Odeio a Cecília. Simplesmente odeio.—Resmungo colocando cereal no meu leite.

Já havíamos chegado. É resolvemos comer antes de nos trocarmos.—Ainda mato aquela desgraça...

—Na ilha é melhor nos dividirmos, assim vamos ter mais chance.—Sol diz interrompendo meu surto de raiva.

—Entre nós só quem conseguiria arrancar algo do Josh é a Cheryl e o Vitor. Facillier o Lipe e a Ravy. E T.J é a Aghatha.—Lizzie declara

—Contando que eu não me depare com a Célia.—Cheryl da ombros

—Acho melhor eu ficar, só vou atrasar vocês.—Alex diz

—Eu também vou ficar, passei tempo demais trancada naquela ilha.—Sol diz—Mandem um abraço pro Pedro e pro Riven caso encontrarem eles.

Após comermos, subimos para nos trocarmos. Entro no banho e deixo a água quente escorrer sobre meu corpo. Se eu encontrar Riven, não sei de onde vou tirar coragem para encara-lo tendo a plena ciência de que sugeri tranca-lo lá, longe da irmã e da prima que tanto ama. Logo surgem nitidadas as lembranças dos nossos beijos, e com elas vem a dor. Não uma dor física, uma dor oca, por dentro, que é muito maior do que um braço quebrado. Beijei Riven porquê sou fraca. Me apaixonei por ele porquê sou fraca. E farei todos sofrerem por que sou fraca, egoísta, penso em meu conforto antes dos outros. Mas agora, não é a melhor pra para pensar nisso.

Saio do chuveiro, faço minhas higiene pessoais e me enxugo. Me dirijo diretamente ao armário e saco a primeira peças de roupa que vejo adequada pra ilha e para meu conforto, um cropped sem manga de couro preto acetinado com roxo e azul, uma calça de cintura alta do mesmo material e dos mesmos tons, e uma jaqueta preta para me proteger do frio da manhã e da noite. Arrumo meus cabelos rapidamente e agradeço por eles serem da altura do ombro, diferente dos da Sofia que ultrapassam a cintura.

Numa mochila coloco tudo que acho necessário e desço as escadas, lá encontro Sofia que usava uma saia xadrez azul com correntes que a mesma personalizou, uma blusa justa um pouco acima do umbigo, preta ombro a ombro e um colete de couro azul escuro e preto escrito "Good to be bad", Sofia é talentosa, vai se dar bem no mundo da moda.

A azulada mantinha uma guerra com Lorenzo, Vitor e Liam que tentavam pegar a comida que a mesma cozinhava e distribuía em 10 pequenos potes.

—Se vocês não pararem eu...Vitor!—Sofia exclama batendo a colher no rapaz.

—Ok, chega de brincadeiras.—Aghatha diz fechando seu colar. Ela limpa pequenas migalhas de pão que caíram sobre a calça. Logo depois coloca a jaqueta vermelha a ajustando sobre o top preto.

Cada um pega uma marmita, e coloca na mochila, Felipe anda escorado em Aghatha. Ashley e Alex ficam na parte lateral da casa e partimos em direção a ilha.

—Aconteceu algo entre você é a Sofia?—A pergunta que faço a Liam é clara e direta.—Ela claramente esta desconfortável quando está com você.

—Não faço a menor ideia do que pode ter acontecido.—Ele responde rapidamente enquanto entramos na garagem para retirar a limusine.

—Certeza? —Questiono, ele olha de relance pra Sofia é entra no carro—Eu sou sua melhor amiga, não mente pra mim.

—Claro.—Ele responde—Por que eu mentiria?

—Tenho mesmo que responder?—Eu indago mas ai percebo que não tinha contando nem a ele nem a Sofia sobre o que rolou com o Riven—Líam eu preciso te dizer uma coisa.

—É sobre o Riven?—Ele pergunta

—Como você...sim envolve o Riven.—Respondo rapidamente —Eu queria dizer que tenho 99,5% de certeza que superei meus sentimentos por você além da amizade!

—Então quer dizer que...—Ele começa com um sorriso de orelha a orelha enquanto olha de relance Sofia pelo retrovisor.

—Que se você quiser ficar com a Sofia, eu não serei exatamente um obstáculo. Contando que não fiquem melosos perto de mim.—Completo—Só não conta pra ela ainda. Eu quero falar. 

—Então você está mesmo apaixonada pelo traste do Riven?—Ele questiona fingindo estar indignado

—Não quero falar sobre ele. E não, ele não fez nada.—Respondo virando o rosto antes que ele me fizesse cantar tudo a ele

—Está tudo bem, bebê?—Ele pergunta

—E que...Eu...vão fechar a barreira pra sempre, e eu...—Ouço minha voz vacilar quando eu travo.

—Vão fechar a barreira? Quem deu essa ideia? Eu acho melhor nos conversarmos outra hora.—Ele diz segurando minha mão com sua mão livre

—Concordo.

POV Vitor.

Eu me chamo Vitor Hans III, tenho 18 anos. Sou neto do príncipe Hans, minha pele é clara, meus olhos são escuros e meu cabelo ruivo. Vivi minha vida inteira na ilha, e até uma semana atrás tudo estava como era, mas fui morar em Auradon, e minha vida mudou. E uma coisa que me recuso a acreditar até agora, a neta da bela adormecida é louca. Já aviamos feito a divisão exata do grupo pra que o trabalho fosse mais rápido e com mais progresso. Eu, Lizzie, Cheryl e Sofia caminhávamos até onde encontraremos Josh.

—Vocês acham que ele vai nos dar a chave?—Lizzie pergunta

—É o que vamos descobrir, vida.—digo. Mais uma coisa que mudou drasticamente, mas isso não teve influência de ninguém, meses antes de irmos pra Auradon, assumi meu amor por Lizzie e descobri que a mesma também me amava. Confesso que fiquei muito aliviado, jurava que ela pisaria no meu coração com botas de salto, mas invés disso, estamos namorando. É claro que de início ninguém além de nos sabia.

—Josh!—Ouço Cheryl exclamando.

Quando olhamos o garoto ele estava com o rosto vermelho, com certeza chorou. Só o vi chorando uma vez, quando quebrou o braço, mas sua avó uma surra que nunca mais chorou em sua vida.

—Cheryl! Você está bem!—Ele diz a abraçando.

—É Claro que estou bem, mané!

—Lizzie, Vitor!—Ele diz nos abraçando—Sofia.—Ele faz uma reverência.—Os outros também estão bem?

—Todos.—Lizzie responde de imediato—Agora quer me dizer o que está acontecendo?

—O T.J e a rainha. Eles estão com um plano doido de dominar Auradon e já começaram a executa-lo! Eu estava preocupado.—Josh explica—Pelo que eu ouvi, eles usaram um tal...

—Espelho?—Sofia interrompe

—Disseram ferramenta mágica.—Ele responde.

—Josh, viemos aqui pra pedir a chave da caverna do Hades, Auradon esta em perigo.—Cheryl diz calmamente

—Então o plano começou. Eu queria dar a chave a você, eu juro, mas ela está com a Célia.—Josh diz—Me desculpa.—Lizzie o olha perplexa, ele nunca se desculpa.


Notas Finais


Esse foi o Cap de hoje, espero que tenham gostado. Nos próximo capítulo eu vou dedica-lo a ilha dos perdidos, mais especificamente, os personagem que lá vivem ou viveram, ou seja, sobre os Hook's, as gangues, comércios, a vida lá em si.


Eu criei uma nova histórias, ela NÃO envolve o universo dos descendentes, mas os personagens principais foram inspirados em personagens que tem seus próprios filmes na Disney
Sinopse: Uma pequena fagulha pode provocar um incendio, não há como controlar uma rebelião"
Mediante a insaciável ambição de aumentar seu império,Frederic Loscksley rei de Kenneth, trava guerras contra fortes reinos inimigos, precisando de mais soldados, cria a lei "Bazzerd", decreto no qual, eram escolhido uma vez ao ano, vinte e cinco jovens entre dezesseis e vinte e oito anos,z
de cada um dos vinte estados, assim, o rei controlava o crescimento populacional e tenha soldados para sua caprichosa guerra.
Não contentes com isso, os camponeses de Sherwhood (a capital), se rebelião escolhendo como alvo um evento que parou todo o reino, o aniversário da rainha, onde os rebeldes atentaram contra sua vida, arrancando um dos tesouro mais preciosos do rei, a rainha Luna que partiu deixando uma filha de apenas dois anos de vida, a princesa Calista Jane Locksley.
Como punição, o rei aumentou significativamente a taxa de impostos e tributos, além de diminuir a menor idade do exército, agora, com seus soldados, sendo garotos e garotas entre catorze e vinte e oito anos.
A princesa, cresceu de maneira independente, nunca aceitando o fato de seu pai usar seu poder e abusar dos pobres, cobrando taxas absurdas que bancam as festas, grandes banquetes e luxos caprichosos dele e de sua madrasta. Tendo em mente isso, disfarçada usando o nome do lendario heroi Robin Hood, passou a roubar dos ricos políticos corruptos como seu pai, e distribuindo aos pobres, sendo vista e reconhecida como a rainha dos ladrões, com suas únicas leis, ideias e códigos sendo: liberdade, igualdade e fraternidade.

Para quem tiver interesse o link:https://www.spiritfanfiction.com/historia/em-chamas-18787671

Desculpem as notas longas kkkkk, um beijo e até o próximo❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...