1. Spirit Fanfics >
  2. Os girassóis de Van Gogh - Wangxian >
  3. Único

História Os girassóis de Van Gogh - Wangxian - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Uma one de mo dao zu shi, eu nunca escrevi sobre, mas fiquei morta de vontade para tentar, espero que tenha ficado legal

Capítulo 1 - Único


Fanfic / Fanfiction Os girassóis de Van Gogh - Wangxian - Capítulo 1 - Único

– Hoje focaremos a aula em um importante nome da arte, do período pós-impressionismo. - A professora colocava os livros sobre a própria mesa. - No dia 30 de março de 1853, nascia Vincent Van Gogh.

Wei WuXian automaticamente se desligava das falas da professora, deitava sua cabeça contra a mesa sem interesse. Era final de semestre já havia gastado todas as faltas disponíveis o que lhe restava agora era assistir as aula de história da arte.

Soltou um longo suspiro, virando a cabeça para o outro lado, lá estava Lan WangJi, o garoto mais desejado da sala, considerado um gênio, admirado por todos e sem dúvidas o garoto mais belo que ele já pode ver. Os olhos amarelos quase dourados, os cabelos escuros, o porte atlético mesmo que o jovem fosse um estudante de arte como ele.

Desta vez não foi estes aspectos que chamaram a atenção do rapaz, mas sim o fato de que o jovem Lan tinha 100% da sua atenção voltada para aquela aula monótona e cansativa.

Wei WuXian nunca foi do tipo que se interessava na história da arte, para ele arte era sua forma de se expressar e toda a rigorosidade da faculdade de artes não o agradavam. Ele era um desenhista de histórias em quadrinhos não tinha desejo nenhum de ser um exímio pintor contemporâneo ou clássico.

Outro suspiro lhe escapou e seu olhar retornou mais uma vez para o belo rapaz focado um pouco distante dele. Sua atenção agora estava ali, admirando cada traço masculino, cada gesto, falando em gesto como as mãos dele agiam com delicadeza ao segurar o papel, ao tocar nos objetos...

– Wei WuXian, minha aula está te incomodando? - A professora prestava atenção no olhar totalmente desligado do de cabelos negros.

– De forma alguma, só que o jovem mestre Lan está chamando a minha atenção com a sua beleza. - Disse para a professora arrancando risadas da turma em seguida olhando para o outro, que desviava o olhar irritado, mas com os lóbulos de suas orelhas avermelhados.

– Mude de lugar então. A prova para o fim do semestre será toda sobre Vincent Van Gogh, se quer passar deve se focar. - A mulher o repreendeu e ligou o projetor.

Wei WuXian revirou os olhos de forma automática ao ouvir tais palavras. Ele era um aluno de notas excelentes mesmo que não prestasse atenção nas aulas.

– Em 1888, Van Gogh se muda para o sul da França onde ele pinta seu famoso quadro, os doze girassóis numa jarra, usando óleo sobre a tela. - Professora apertava o botão em seu pequeno controle. - Vejam a delicadeza e como as cores amarelas se intensificavam com o tempo... Muito diziam ser dos remédios que o pintor ingeria na época.

O jovem de Jiang olhou com atenção pela primeira vez para a projeção, um vaso amarelo com laranja, dentro dele todos aqueles girassóis, alguns mortos, outros vivos e repleto de cores. Suas sobrancelhas se ergueram ao ver aquele quadro que de algum modo era tão intenso e expressivo, mesmo que não houvesse nada tão explícito, o tocava profundamente.

Logo foi despertado daquela sensação quando viu o olhar de perplexidade vindo de Lan WangJi, a caneta antes segurada com tamanha suavidade agora estava caída sobre a mesa. Os olhos quase dourados vidrados na projeção, Wei WuXian teve certeza que a sensação também o havia tocado.

– É uma obra simples para um mero leigo, mas para nós do campo da arte entendemos e sentimos tudo o que esse quadro exala, será o primeiro da aula ao qual daremos atenção. - Ligou um pequeno lazer inofensivo que só servia para indicar. - Van Gogh como vocês já sabem foi um pintor a margem da sociedade durante a sua vida vendeu somente um quadro. Ele só foi reconhecido depois de sua morte. Muito caracterizado como o louco, ou pelas histórias de seus surtos psicóticos. Qual de vocês ouviram a história de como Vincent Van Gogh cortou a própria orelha em uma discussão com Gauguin e depois embrulhou o pedaço cortado e mandou para uma prostituta?

Todos presentes ali ergueram suas mãos, até o travesso filho adotivo do clã Jiang.

Com um pouco de esforço para se focar a aula se tornou muito mais interessante, cada obra apresentada pela professora o atraia ainda mais, junto da melancólica e deprimente história do pintor mais conhecido que jamais foi apreciado enquanto vivo.

A aula passou rapidamente depois do esforço para entender do de cabelos negros.

Wei WuXian enfiou todo o material de qualquer jeito dentro da mochila e olhou para Lan WangJi que guardava com atenção os materiais, de forma cuidadosa. Se sua mente era clara a delicadeza daquele homem viria com certeza do clube de música que eles também faziam juntos, mesmo que não se falassem Wei nunca pode deixar de notar o belo que tocava piano de forma magnífica e encantadora.

– Hey Lan Zhan! - Correu em direção ao outro, o chamando pelo nome de nascença algo considerado desrespeitoso se não lhe foi permitido chamar alguém assim.

O olhar seguiu em direção ao outro de forma fria, sem responder uma única palavra.

– Somos do mesmo clube de música. - Disse animado.

WangJi suspirou. - Eu sei.

– Vamos almoçar juntos? - Perguntou com um largo sorriso.

– Não. - Juntou o material e apoiou a bolsa no ombro.

– Ok... - Coçou a cabeça sem jeito. - E o que planeja fazer para o trabalho final da matéria?

– Os doze girassóis numa jarra. - Disse com a postura perfeita diante do outro.

– Eu também pensei em fazer esse. Vamos fazer juntos? - Perguntou animado.

– Não. - Colocou ambas as mãos no sobretudo bege.

– Por que não? Estou começando a achar que não vai com a minha cara. - Disse o de olhar azulado franzindo o cenho.

– Porque você é irresponsável, não leva a faculdade a sério. - Disse com uma sinceridade bruta.

– Qual é, vou me esforçar... Você é um gênio, pode ser até o próximo Van Gogh então que mal há em ajudar? Eu só quero passar na matéria, e você sempre está sozinho... Uma mão lava a outra. - Deu um gigantesco sorriso iluminado.

Lan WangJi soltou o ar pelas narinas, claramente não via solução para aquilo, Wei WuXian era insistente, já havia presenciado tal ato várias vezes.

– HanGuang-Jun! - Vinha um grupo de garotas em direção a ele o tratando pelo seu título. - Seja do nosso grupo! - Pediam animadas.

Agora era um beco sem saída, ou iria com o irresponsável do Wei Wuxian ou iria com um grupo de garotas que investiam contra ele. Soltou o ar pelas narinas e antes que pudesse responder alguém o fez.

– Perdão meninas, mas o jovem mestre Lan fará o trabalho comigo. - Wei deu um sorriso para as meninas.

– Wei WuXian ele te odeia, por que ele faria trabalho com você? - Uma das garotas disse sem hesitar.

Antes de responder o de cabelos negros olhou para o outro mais alto e forte que ele e então soltou as palavras sem pudor. - Somos namorados agora, por isso ele fará comigo.

Instantâneamente HanGuang-Jun ergueu as sobrancelhas chocado, mesmo que ele não fosse muito expressivo podia-se ver que ele estava surpreso, as bochechas antes marmoreas agora estavam com tom rosado assim como os lóbulos de suas orelhas.

As meninas olharam para Lan WangJi que desviou o olhar frio para outra direção, imediatamente se desculparam e saíram correndo.

– Está vendo? Posso te livrar delas. - Apontou por cima do ombro.

– Tudo bem. Só leve isso a sério. - O outro virou seus calcanhares e seguiu em direção a porta.

– Espera, você realmente me odeia? - O de longos fios negros correu atrás dele.

Mal sabia Wei WuXian que o jovem mestre que ele tanto incomodava havia se apaixonado por ele a primeira vista, ódio era longe dos sentimentos dele pelo colega de classe.

– Não. - O Lan se virou olhando para o outro. - Amanhã as duas da tarde na sala de pintura, tudo bem?

– O que? - Perguntou curioso.

– Nosso trabalho Wei Ying. - Disse fazendo a mesma coisa que o outro, usando o nome de nascimento algo desrespeitoso, mas tudo para retribuir a ação do outro.

– Ahhh sim. - Deu um risadinha. - Estarei lá, mas você não faz parte do time de futebol e tênis? Terá tempo amanhã?

– Sim. Só terei tênis. Nos vemos amanhã. - Enfiou as mãos nos bolsos do sobretudo e seguiu até a saída.

Wei WuXian o olhava com um deslumbrante sorriso nos lábios. Logo sendo acertado com um forte tapa no ombro.

– Que cara é essa? - Perguntou Jiang Cheng irmão dele.

– Minha cara, nasci assim, bonito por natureza. - Virou o olhar em direção ao irmão.

– Não seja estúpido, vi você falando com Lan WangJi, o que fez para o pobrezinho desta vez? - Cruzava os braços diante do peito olhando para o de olhos azuis.

– Só o convenci a fazer o trabalho de história da arte comigo. - Sorriu desviando o olhar. - Vou aproveitar e...

– Vai flertar com ele para descobrir se ele é gay? Que ridículo da sua parte. - Cheng dizia marrento.

– Claro. Eu não consigo parar de olhar para ele e imaginar o que aquelas mãos podem fazer. - Apoiou a mão no queixo. - Um homem tão atraente...

– Não sei porque eu falo com você. Você só pensa essas besteiras. Lan WangJi é tão focado que deve ser virgem ainda, você é o único pervertido. - O irmão disse enquanto ambos caminhavam.

– Seria ainda melhor, eu seria o primeiro a instruir ele. - Sorriu animado.

– Você é um pervertido, espero que ele seja hétero. - O outro seguiu alguns passos a frente.

No dia seguinte, ele foi até a sala de pintura como o HanGuang-Jun havia instruído.

Chegando lá se deparou com uma visão diferente do habitual, o belo homem estava vestido mais casualmente, com jeans e uma camisa de mangas curtas branca justa ao belo corpo. Além disso a sala estava vazia, só os dois estavam ali com tudo já pronto para iniciarem.

– Pensei em fazermos dois quadros, os doze girassóis e algum auto-retrato. Se concordar é claro. - Lan Zhan amarrava o avental no quadril olhando para o outro que não havia dormido de ansiedade para aquele momento.

– Sim, parece bom, posso fazer o auto-retrato sou forte nisso. - Sorriu tentando ao máximo não analisar o monumental homem que parecia feito de mármore na sua frente.

HanGuang-Jun de sentou diante da tela e iniciou sua pintura em silêncio. De frente para ele estava o outro quadro, onde Wei WuXian ficou de pintar, uma visão privilegiado do outro.

Os minutos se passavam e ambos pareciam muito concentrados no que faziam. Até que o jovem de Jiang não suportando mais o silêncio o quebrou.

– Você é tímido né, Lan Zhan? - Perguntou curioso.

– Não. - Flexionou o braço deslizando delicadamente o pincel sujo de tinta amarela na tela fazendo o contorno.

– Então porque ouço tão pouco da sua bela voz? - Disse em tom cantarolante.

– Não há necessidade de falar tanto. - Curto e direto.

Wei WuXian prestava atenção nos traços físicos masculinos e cada segundo se encantava mais, desde a pele marmorea até os olhos dourados, o homem brilhava. E para seu deleite a camisa branca estava mais justa que o normal mostrando claramente o conjunto de músculos muito bem definidos. Não conseguiu evitar pintar a belíssima cena que lhe era proporcionada.

– Você me lembra um personagem de uma novel que li. Todos diziam que se houve algo que pudesse ser explicado com uma palavra ele não usaria duas. - Wei disse brincalhão olhando para o outro e tentando o copiar de forma fiel no quadro.

Lan WangJi não respondeu, simplesmente se manteve focado no que fazia.

– Você namora? - WuXian não hesitou perguntar na lata.

– Não. - Mais uma vez ele foi breve.

– Difícil manter um diálogo com você, mas para a sua sorte eu sou muito falador. - Riu divertido. - Diga-me existe alguém do seu interesse no campus?

Os lóbulos marmoreos se tornaram vermelhos.

O de olhar azulado percebeu imediatamente o leve corar do outro.

– Isso é um sim. - Imediatamente o jovem de Jiang se ergueu. - Ela é da nossa classe de arte?

– Não seja patético. - Desviou o olhar ainda com os lóbulos avermelhados.

– É. Eu olho para você em todas as aulas e num reparei que olhava para alguém... Só fica me encarando de volta. - A de cabelos negros apoiou a mão no queixo.

– Vamos acabar nosso trabalho. - Voltou o olhar a tela outra vez.

– Mian-Mian? Eu já te vi falando com ela algumas vezes, ela sempre está vermelha... Que tipo de coisas pervertidas diz para ela? - Wei WuXian se levantou indo em direção ao outro.

– WEI YING! - Disse em tom de advertência escondendo o rosto com o cotovelo.

– Lan Zhan, vamos ser amigos, me conte os seus segredos. - Apoiou-se nos joelhos ao lado do outro com o olhar meigo e um sorriso doce.

– Não é ela. - Disse de forma simples, mudou para o laranja e deslizou os pêlos macios do pincel pela tela.

– Você não gosta deste tipo de assunto né? Ok. - O jovem de Jiang deu um boa risada e em seguida parou para analisar o quadro que estava sendo pintado diante de seus olhos. - Que técnica incrível, as pétalas parecem reais, como você faz?

Não obteve resposta em troca viu o apoiar delicado do pincel e a forma sútil que Lan WangJi deitava o pincel formando um pétala.

– Uau! Você é realmente forte nisso. - Apoiou o queixo no ombro do outro mais alto. - Então sua única falha é não falar muito né?

O outro ergueu as sobrancelhas.

Os dois mantinham o rosto a um palmo de distância agora, em um silêncio ensurdecedor, único som ali era ambas as respirações descompensadas.

– WangJi! Vamos... - Antes que o belo homem de longos cabelos e olhos castanhos quase idêntico a Lan Zhan finalizasse a frase seu olhar chegou em nossa direção.

– Xichen, olá! - Wei WuXian se levantou rapidamente correndo até o outro.

– Jovem mestre Wei, olá. - Disse com sua doçura. - Não sabia que estavam juntos.

– Eu tento, mas WangJi não me dá muita confiança. - O outro disse depois de um longo suspiro.

– Estranho ouvir tal coisa. - O de olhos castanhos olhou para o irmão que estava vermelho e tampou a boca rindo.

– Eu irei me atrasar. - O de olhos dourados voltou sua atenção a pintura.

– Tudo bem, direi ao tio. - Xichen sorriu balançando a cabeça de forma negativa em seguida olhou para Wei WuXian. - Pode me acompanhar até a porta? Gostaria de falar sobre o Cheng.

– Claro, sem dúvidas. - O de cabelos negros e roupas de mesma cor concordaram.

Ambos seguiram pelo corredor.

– Jovem mestre Wei, eu gostaria de saber um presente apropriado para o Jiang Cheng, como sabe o aniversário dele está chegando... - Disse de forma tímida passando a mão pelo pescoço.

– Sim, eu entendo, mas quero algo em troca. - Disse com um malicioso sorriso.

– O que deseja? - Xichen parou diante da porta.

– Quero saber quem é a pelo pelo qual WangJi está apaixonado. Eu sei que ela é da nossa turma, mas não faço ideia de quem seja, ele é muito discreto. - Apoiou a mão no queixo olhando para o outro de expressão angelical.

– Discreto? - O mais velho riu cruzando os braços. - Está ai algo que Lan WangJi não é. Na verdade eu achei que você já soubesse...

– Não sei, única pessoa que ele olha é para mim. Nunca vejo ele olhando para qualquer outra pessoa que seja, as vezes para as professoras... Será que ele é do tipo milf? - Ficou boquiaberto.

Xichen ergueu as sobrancelhas outra vez. - Milf?

– Você sabe: Mom I'd Like To Fuck" (em português, "Mãe que eu gostaria de foder"). - Disse quase em um sussurro apoiando uma das mãos na lateral da boca para que o som não fugisse.

O outra gargalhou bem mais alto desta vez. - Que visão você tem do WangJi... Basta usar a cabeça, você está com a resposta entre os dedos. Só para que saiba, meu irmão é gay.

Os olhos azuis brilharam imediatamente de alegria, uma explosão calorosa preenchia seu peito.

– Mas para ser mais direto, ele gosta de uma pessoa que começa com W. Agora me deve um bom presente para Jiang Cheng. - Deu um vitorioso sorriso.

– Sim, um cachorro, ele quer muito um cachorro, não podia ter um porque eu tenho medo deles, mas agora eu moro na faculdade... - O de cabelos negros piscou. - Se não se importa, quero voltar ao Lan Zhan agora.

– Vá em frente, obrigado pela dica. - Xichen acenou indo pela porta.

– Digo o mesmo. - Sorriu animado percorrendo o caminho de volta.

Wei WuXian retornou para a sala de pintura, se sentou diante do seu quadro. Estava buscando palavras para perguntar era por ele que WangJi estava apaixonado.

– Finalizei com o amarelo, quer ver? - O jovem do clã Lan disse com o olhar fixo a tela.

– Não precisa, confio cegamente em você. - Disse corando as bochechas e tampando o rosto com as mãos.

– Como vai a sua? - O de cabelos castanhos se aproximou da bancada limpando o pincel.

O jovem de Jiang olhou para a tela que só tinha o Lan WangJi pintado e nem estava finalizado já que ele não parou diante de seu quadro. - Bem, só veja quando estiver finalizado.

O de olhar amarelo quase dourado simples assentiu com a cabeça.

– Lan Zhan... Podemos acabar amanhã? Eu gostaria de ir para casa. - Disse pressionando os dedos na calça.

– Tudo bem. Pode ir. - O outro disse com eu tom sereno.

– Pode me levar até o meu apartamento na facul? - Deixou que a vermelhidão de suas bochechas transparecer.

Assentiu de forma positiva.

– Legal. - Wei WuXian correu, pegou nos braços seu casaco e do outro e seguiu até a porta.

Lan WangJi tirou o avental, pacientemente lavou as mãos e seguiu até o outro pegando seu casaco.

Ambos começaram a caminhar vestindo seus casacos.

– Eu acho que sei de quem você gosta... - Wei cruzou os braços diante do corpo.

O de cabelos castanhos olhou surpreso para ele esperando pela resposta.

– Se for um menino atrapalhado... De cabelos escuros e jeito atrapalhado, saiba que seus sentimentos são recíprocos. - Abraçou o próprio corpo, com a bochecha avermelhadas, enquanto uma fumaça do calor expelido do seu corpo no tempo frio saia pela sua boca.

Lan WangJi firmou os pés no chão e parou de caminhar deixando que o outro ficasse alguns passos na frente até notar que ele havia parado.

– Eu realmente gosto de você Lan Zhan, desde o primeiro dia que te vi. - Passou a mão pela nuca envergonhado. - Foi amor a primeira vista.

– Eu também. - Curto como de costume, mas o tom de sua voz saiu mais sútil.

Os dois pararam por alguns segundos se olhando, não sabiam o que dizer ou fazer dali em diante.

– Então... Somos namorados agora? - Wei WuXian perguntou curioso.

– Mn. - Lan WangJi o respondeu com os lobulos das orelhas vermelhos.

– Isso inclui beijos, abraços e andar de mãos dadas? - Os olhos azulados brilhavam de animação.

– Mn. - Respondeu olhando para o outro.

– Ótimo, sempre quis fazer isso. - O de cabelos negros correu em direção ao novo namorado e o beijou os lábios com carinho, não houve língua, foi um beijo puro e bom.

O jovem Lan permaneceu paralisado por um tempo. Enquanto o outro corria em direção a casa acenando com um gigantesco sorriso.

No dia seguinte ambos retornaram para a sala de pintura para finalizar seus projetos.

– Hey, pode me ajudar? Não consigo pegar a essência desse auto-retrato dele. - Wei WuXian com suas roupas vermelhas e pretas se atiraram nos braços do agora namorado que estava sentado. Deitou-se dramaticamente sobre as coxas firmes do outro.

– Se não consegue pegar a essência é porque não entendeu a obra. - Lan WangJi passava a mão pela barriga do outro de forma carinhosa.

– Me explique, a cabeça de Van Gogh é complexa demais para que eu a entenda. - Deitou que os braços tocassem o chão enquanto olhava no rosto marmoreo do outro e aspirava o delicioso perfume masculino.

– Onde está sua apostila? - O de cabelos castanhos escuros colocou seu pincel junto da palheta.

O outro se levantou rapidamente, pegou a apostila e se sentou no colo do namorado, Lan Zhan o segurou pela cintura.

– Wei Ying preste mais atenção aos detalhes. Este quadro foi pintado no final de agosto de 1889, Van Gogh estava no asilo. - Com a outra mão de dedos delgados o jovem Lan percorreu a imagem da tela na apostila. - Ele pintou este quadro como forma de terapia, ele tinha medo de assumir que não estava distante dos companheiros daquele lugar. Vê a expressão nós olhos dele? Diz que ele não quer ser está pessoa, mas ainda era ela. É como se ele dissesse: Eu sou doente.

Os olhos azulados brilhavam de animação ao ver o outro pela primeira vez usar tantas palavras e explicar aquilo com tanta paixão.

– Você é realmente bom nisso. - Deu um imenso sorriso beijando o rosto do outro de forma demorada. - Vou me esforçar.

– Obrigado. - Assentiu para o namorado.

– Mas antes... - Wei WuXian abraçou o pescoço do outro o beijando nos lábios de forma mais ousada do que havia feito no dia anterior, desta vez não hesitou em usar a língua, foi muito bem retribuído por sinal.

As mãos de dedos longos agarraram-se ao quadril do de cabelos negros, enquanto o beijo se tornava mais envolvente e quente, suas cabeça acompanhavam o ritmo. Depois de um tempo ambos se afastaram, o som de suas respirações descompensadas preenchia a sala.

– Durma na minha casa... - Wei Ying disse com os olhos vidrados nas pupilas dilatadas do outro.

– Não posso, não tenho roupa nem nada, vamos deixar para outro dia. - Lan Zhan respondeu pressionando os dedos contra o quadril do outro.

– Tudo bem. - Sorriu docemente e se levantou indo até sua tela.

Algumas semanas depois...

Wei WuXian deitava a cabeça contra a mesa do refeitório da faculdade, suspirava alto em busca de chamar atenção dos dois ali presentes.

Xichen e Cheng fingiam não ver tão situação, continuavam comendo suas refeições, de forma tranquila, um levava seus hashis em direção a boca do outro de forma despreocupada.

Wei Ying suspirava bem alto outra vez.

O casal se entreolhava.

– Algo te aflige Jovem mestre Wei? - Lan Xichen dizia com olhar tênue para ele.

– Não pergunta, ele nunca mais vai calar a boca. - Disse o irmão dele tampando a boca do namorado.

– Obrigado por perguntar meu amado cunhado. - O de cabelos negros ergueu a cabeça. - Algo tem me incomodado... Lan Zhan sempre foge quando eu o chamo para dormir lá em casa. Sabe o porquê disso?

– Talvez... Mas deve falar com ele e não comigo sobre isso. - O primogênito dos Lan disse com tranquilidade levando a comida até a boca com os hashis.

– Lan Zhan é virgem? - Wei WuXian apoiou a mão ao lado da boca se debruçando sobre a mesa para sussurrar aquilo.

Cheng empurrou imediatamente o rosto do outro para longe de seu namorado. - Como Xichen vai saber disso?

– Eles são irmãos como nós, obviamente falam dessas coisas. - O jovem apoiou o cotovelo na mesa.

– F-f-falam? - O de roxo ergueu as sobrancelhas com as bochechas coradas.

– Não de forma tão explícita. Só dizemos se já aconteceu ou não. - O Lan moveu os ombros. - Conhecem meu irmão, ele não é do tipo que fala disso, muito menos que escuta.

Cheng respirou aliviado, era constrangedor a ideia de olhar para Lan WangJi imagina se ele soubesse do que ele faz com o irmão na cama, seria desconfortável além do que se pode calcular.

Wei WuXian suspirou agora de frustração. - Hoje eu vou perguntar na lata, ele vai ter que me dizer. - Levantou determinado, colocou a mochila nas costas e correm sem nem se despedir daqueles dois.

Lan WangJi voltava do clube de tênis, ainda usava a roupa branca com a raquete nas costas, limpava o rosto em um felpuda toalha caminhando em direção aos chuveiros.

– LAN ZHAN! - Berrou a todos pulmões.

O de olhar dourado seguiu em busca de quem o chamava se deparando com o namorado que corria ofegante em sua direção.

– Ainda bem que te achei. - Se apoiou nos joelhos. - Há algo que preciso saber.

O outro assentiu.

– Qual o problema comigo? Não sou bonito o suficiente? Não sente atração física por mim? - Disse ofegante olhando para o namorado.

– De onde tirou essas idéias? - Lan WangJi ergueu as sobrancelhas chocado.

– Estamos namorando há semanas e você nem se quer tentou me tocar de forma sacana ou transar comigo... Estou começando a achar que não sou bom o bastante. - Olhava nos olhos dourados ao dizer tais palavras.

– Wei Ying! - Disse com as bochechas coradas e os lóbulos das orelhas. - Não diga besteiras.

– Me explique o que está havendo, então! Droga. - O de cabelos negros apoiou as mãos na cintura.

– Eu só queria esperar o momento certo. Eu quero isso desde que nos conhecemos, mas temo que ache que só estou interessado nisso e não em um relacionamento sério e duradouro. Eu só queria deixar claro que te amo antes disso. - Passou a mão pela nuca ainda corado olhando para o namorado que parecia perplexo.

– Você ama? - Wei WuXian diziam ao sentir seu coração se acelerar. - Ama quanto?

– Amo. Amo o bastante para querer fazer parte da sua vida para sempre. - Deu um suspiro.

O de olhos azuis deu um largo sorriso se atirando nos braços fortes do outro. - Eu sinto o mesmo, eu te amo. Não precisa de segurar, conheço você, sei que não é um cara que vai me usar. Confio em você bobão.

– Mn. - Abraçou o outro com carinho.

– Vamos para a minha casa então? - Wei Ying sorriu.

– Mn. - Assentiu Lan WangJi.


Notas Finais


(◕ᴗ◕✿) Se vocês quiserem eu faço o porn, eu parei pq achei bonitinho assim


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...