1. Spirit Fanfics >
  2. Os herdeiros dos deuses - O sangue de Athena >
  3. Capítulo Dois

História Os herdeiros dos deuses - O sangue de Athena - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Capítulo Dois


Newt é um bom garoto, isso não resta dúvida, mas as vezes não sabe seguir ordens de forma adequada, muitas vezes ele ama burlar os pedidos do irmão mais velho e fazer as próprias. Por isso saiu da escola junto de sua amiga Teresa e foi até a floresta ver os sátiros e as ninfas que sempre convive brincando, porém, desta vez, eles não brincaram. Não havia clima para isso, afinal como podem pensar em divertimento quando um corpo cheio de sangue aparece no meio da floresta?!

Os Sátiros e Ninfas ficaram assustados, nunca haviam visto aquele garoto nas redondezas, e geralmente nenhum humano se atreve a entrar tão profundamente dentro dela. O rapaz estava vivo, mas muito ferido, não tinha como acionar o resgate da li. Sendo assim, eles em conjunto das crianças decidiram levar o jovem ferido para a casa de Newt, que estava bem próxima, Stiles e a Elizabeth cuidaram dele, eles são os melhores em feitiços de cura. 

Newt já chegou gritando, o pequeno garoto loiro se esqueceu que nessas horas seu irmão já foi para a aula, a única que está em casa é Elizabeth, que correu rapidamente até os gritos do jovem herdeiro de Athena. Em poucas palavras, ele explicou toda a situação para ela. Elizabeth sem perder tempo, começou o processo de cura no jovem rapaz, ela conseguiu curar a maioria das feridas, agora só restava esperar que ele acordasse. 

-Teresa, querida, vai lá e leve leite da nossa querida Cabra Almatéa para os sátiros e Ninfas que ajudaram vocês, também de comida da horta, ela está bem farta – sorriu Elizabeth, carinhosamente.

-Claro! – exclamou a garota, entusiasmada para ordenhar a cabra. 

Elizabeth encarou o jovem ferido e depois Newt, ele está realmente preocupado. Até parece que o jovem é um parente dele. 

- Ele vai ficar bem? – perguntou Newt, incansavelmente. 

- Vai, a cura Élfica é forte. Principalmente em pele humana, porém, Newt, não deveria ter trazido ele até aqui – disse ela, calmamente. – Seu irmão não irá gostar disso. E com razão. 

-Eu sei, eu sei, mas não podíamos deixar ele lá – bufou Newt. – Stiles faria a mesma coisa, eu sei que faria.

-Entendo, querido, você agiu bem. Porém é arriscado, não sabemos quem ele é, estamos em tempos perigosos, por isso Stiles quer que você saia da escola e venha direto. Entenda isso, Newt. Agora,  eu acho que irei fazer uma barreira de proteção em volta dele por precaução – respondeu ela colocando a mão em sua testa... – Está ouvindo isso? 

-Isso o que? – questionou ele.

-NEWT!! NEWT!! ELES ESTÃO TENTANDO LEVAR A EMILY! – berrava Teresa.

Sem dizer qualquer palavra, Elizabeth correu para fora para ver o que estava acontecendo, e ela viu, 5 figuras encapuzadas tentando amarrar Emily e atacando Teresa e os sátiros...

...

Alisson encarava o espelho,  se aprontando para ir a escola, resolveu deixar seus cabelos castanhos escuros encaracolados dessa vez, naturalmente sua babá herdeira de Afrodite surtaria se a visse assim, porém, o dia de folga a impediu de ter esse inoportuno desprazer. Não que Alisson se importasse com o que ela achasse ou dizia,  não era de seu costume se arrumar e se embelezar tanto, e muito menos chegar atrasada, sendo uma Argent, ela é obrigada a ser equilibrada e pontual em quase todos os seus atos na frente das outras pessoas, até mesmo bebendo água. Seu pai, mãe e Avô não toleram qualquer tipo de deslize, a família Argent é muito rica, poderosa e influente, eles fazem de tudo para se manterem no topo na mente e na boca das pessoas. 

Alisson estava quase terminando, até sua atenção ser chamada para o reflexo de seu irmão gêmeo, Justin, que estava encostado na porta, a observando com aquele sorriso sínico que só ele sabe fazer. 

-Pra que tanta arrumação? Por causa dos alunos novos? Ou por causa do pamonha do Scott? Por acaso você quer que ele te deixe torta igual o queixo dele? 

Alisson ficou um tanto vermelha, raiva e frustração preencheram sua feição, era o que ela merecia por comentar com Justin sem querer que Scott, seu colega de classe era bonito.

-Justin! – exclamou ela atacando o travesseiro nele. – Ao invés de se preocupar com minha vida, deveria se preocupar com a sua e na encrenca que está se metendo. Fiquei sabendo que você ficou com o Jackson Withmore.

Um sorriso orgulhoso brotou no rosto de seu irmão. 

- Eu só fodi ele, nada demais e farei de novo com toda certeza. – seu sorriso safado aumentou - Realmente, os Herdeiros de Afrodite tem as melhores bundas. 

Os lábios de Alisson se contorceram em uma careta. 

-Isso inclui a Lydia, Justin?! Você estava saindo com ela, mal terminaram, uma semana depois  você já estava com o Jackson, que no caso é o ex namorado dela! – respondeu Alisson, inconsolável. Ela detesta esse tipo de coisa. 

-A Lydia que terminou comigo, não fui eu – ele se defendeu, isso é verdade. Foi ela que terminou com ele, porém, ele nem mesmo tentou reatar o namoro ou saber verdadeiramente o motivo. – Ela não tem que me dizer nada, e outra, foi o Jackson que deu em cima de mim. Eu não podia deixar ele naquela situação, ele estava implorando por mim, assim como todo mundo faz. 

Alisson revirou os olhos. 

-Vocês, herdeiros de Apolo levam a vida tudo na zona e brincadeira – murmurou ela. – Quando vai crescer? 

-E vocês, herdeiras de Ártemis sempre são corretas demais, credo.  Anda, não precisa se arrumar tanto. 

- Não enche, esqueceu que temos que estar sempre bem apresentáveis? – ela bufou. 

-E tem como? Basicamente nascemos seguindo regras, acredito que até horário de chorar a gente tinha que ter – murmurou ele para que seus pais não ouvissem. Justin se aproximou de forma sorrateira, e se abaixou para sussurrar. – O Papai... ele chegou tarde ontem de novo, as roupas dele estavam com manchas vermelhas...

Alisson ouviu atentamente, um tanto atônica... faz um tempo que ela e Justin perceberam algo diferente no comportamento de seus pais, ultimamente eles estão mais estranhos que o normal, sem dizer o avô deles, Gerard, que está mais... severo do que o costume.

-Justin... – Alisson não terminou de dizer, pois se levantou de maneira ríspida ao ver a mãe, Victoria Argent, Herdeira de Hel, a Matriarca da família Argent, uma mulher alta, robusta com cabelos ruivos curtos e olhos amarelos, sua feição severa quase nunca abandona seu rosto, combinando perfeitamente com seus vestidos pretos ou vermelhos cor de sangue que sempre usará. 

-Filhos – sua voz ecoou pelo quarto, seu olhar gélido e penetrante encontrou o de seus filhos que não puderam encara-la diretamente, seus lábios encobertos por um batom vermelho se abriram. – Bom dia. 

- Bom dia, mãe. – responderam ambos em uníssono.

Ela entrou no quarto, usando aquele olhar crítico para analisar se os filhos estão vestidos de forma adequada. 

-Muito bem, estão afeiçoados, é assim que seu pai e eu gostamos – um sorriso orgulhoso surgiu em seu rosto petrificado. – Porém, estão atrasados á 1 minuto para o café, seu pai já está na mesa nos esperando, o que conversamos sobre ser pontual? 

Alisson e Justin se entre olharam, era assim todo santo dia, eles não podiam fazer nada fora dos planos de seus pais, tinham horário para tudo. 

-Nos perdoe, mãe – respondeu Alisson, engolindo em seco, formando automaticamente um sorriso. – Estávamos conversando sobre os novos alunos que chegaram na escola hoje, e como presidentes do grêmio mitológico, estamos muito ansiosos para recebe-los. 

- Oh, é verdade. Me esqueci disso – Victoria passou sua mão grossa em Alisson, ela estava bem fria. – Estão perdoados, mas tenham em mente, são eles que devem estar ansiosos para conhecer vocês, os gêmeos Argent, por favor, deem todos os autógrafos que eles pedirem. 

-Ah, sim, senhora! – Justin abriu a boca a primeira vez desde que sua mãe entrou, antes de que pudesse dizer mais alguma coisa, seu estômago roncou o salvando. 

Sua mãe sorriu. 

-Venham, vamos nos deleitar no café da manhã em família. 

Eles desceram para baixo, o pai deles, Chris Argent, Herdeiro de Odin, Chefe Do Departamento de Leis do Senado e patriarca da casa, um homem de 38 anos, forte com uma barba cinzenta e olhos claros, ele estava lendo o jornal local, esperando pacientemente por eles. Quando chegaram perto da mesa, não se sentaram imediatamente, eles tiveram que esperar que aquele homem permitisse que sentassem à mesa. E assim, com um olhar sério e melancólico, permitiu. 

-Bom dia, Sr. Meu pai – disse Alisson. 

- Bom dia, querida – respondeu ele voltando sua atenção ao jornal.

- Bom dia, Sr. meu pai – disse Justin. 

- Bom dia, filho – respondeu ele, no mesmo tom sem muito interesse. – Podem se alimentar. 

E assim, a família começou a comer. A mesa preta feita de madeira com uma elegante toalha vermelha com o símbolo da família, estaca farta de comida com: Panquecas doces cheias de mel e chocolate, bacon e ovos, pão com pasta de amendoim e geleia, leite, sucos de diversos tipos. Eles comem com muita etiqueta, levando a comida a boca com calma e minimamente, tinha cada talher para alguma coisa, alguns anos atrás a família até tinha serviçais que os alimentavam e lhe davam refresco, mas por alguma razão, o Sr. Argent decidiu acabar com essa mordomia sem muitas explicações. Eles comiam em silêncio, isso até Victoria destrui-lo em milhões de pedaços perguntando ao seu marido o que ele tanto lê no jornal, ele colocou o jornal sob a mesa, mostrando a todos o motivo de sua atenção. 

-Vejam, um jovem foi achado morto na floresta dos Jötunn – disse ele, a imagem no jornal se mexia, era um garoto de Nova Asgard. 

- Não sabem como ele foi morto – disse Alisson, lendo a matéria. – Apenas especulam que pode ter sido um ciclope selvagem. 

-Ciclopes não fazem isso, vejam, como o corpo dele está rasgado. Isso são garras – respondeu seu pai. – Suspeito demais e além disso, Ciclopes vivem nas montanhas com os anões no Norte, jamais desceriam até o extremo Sul.   

-Como assim? – questionou Justin.

-Não deveria ter ninguém nessa floresta, vocês sabem muito bem que lugar é aquele. É onde viviam os descendentes dos Gigantes de Jotunheim – respondeu ele, eufórico. – Aquelas malditas aberrações que nossa família exterminou bem antes de vocês nasceram, destruímos todo o local, a floresta ficou abandonada, totalmente restrita e desértica de acordo com seu Avô. 

Alisson e Justin já se cansaram de ouvir essa história, a história de como sua família liderada por seu bisavô, descobriram que os descendentes dos Gigantes de Jotunheim eram uma ameaça pior que os Orcs, dragões, Quimeras e outras criaturas presas no Monte Tártaro, eles os destruíram completamente, foi assim que a família Argent se tornou conhecida em todo o mundo, pelo seu heroísmo e coragem, viraram os matadores de Gigantes. 

- Não gosto disso, falarei com meu pai mais tarde, iremos a Nova Asgard investigar – concluiu Sr. Argent. 

-Querido, deixe isso com a polícia Especial de Tyr, o governo de Nova Asgard pode cuidar disso. Vai ver foi um infeliz acidente. A área e totalmente proibida, sabemos como os adolescentes sem educação são hoje em dia, ele deve ter entrado lá e acabou acontecendo uma tragédia – respondeu sua esposa o reconfortando. – A única coisa que deve pensar agora é na candidatura de seu pai, ele tem que vencer as eleições para purificar essa cidade. 

-Pode ser – concordou ele, bebendo água – Falei com ele mesmo assim, mas por via das dúvidas mandarei uma carta para o Presidente Freyr. 

-Isso, precisamos ficar juntos aqui – sorriu Victoria e depois olhou para os filhos. – Já tá está hora de irem. 

-Sim, nós vamos – respondeu Alisson se levantando junto de Justin. – Irmão, vamos de Pegasus, hoje?

- Não sei se é uma boa ideia, com todos esses roubos acontecendo, poderíamos pegar o Expresso de Hermes – argumentou ele. 

Victoria sorriu. 

-Vão de Pegasus, o de vocês não serão roubados – disse ela de forma descontraída. 

-Mãe, é perigoso. Já sumiram milhares de criaturas de estimação... o pior é que nem mesmo o Sr. Sisífo sabe como isso está acontecendo – respondeu Justin.

-Sisífo é um centauro falho, nem deve chama-lo de Senhor. Ele é um tolo altruísta assim como está administração. Deaton não é capaz nem de solucionar esses problemas, foi um erro ele ter tirado sua Tia Kate do comando da Polícia e colocar aquele Herdeiro de Héstia, por isso estamos nesse caos total. – respondeu ela um tanto  melancólica. – Não é, querido? 

-De fato, preciso concordar. As ações do ministério da Defesa e proteção dos seres mitológicos não são eficientes, por isso a proibi totalmente de fazer parte dele, Alisson, você merece coisa melhor minha filha. Suas habilidades de Herdeira de Ártemis não serão desperdiçadas lá enquanto Deaton for o Chanceler e Sisifo o Ministro. 

Alisson assentiu, sentindo sua boca amargar. Ela queria muito ir para lá, conheceu Sisífo, não sabe nem descrever a admiração que sente pelo centauro, suas amigas trabalham lá como polícias ambientais e protetoras, ela adoraria ter ido junto, mas seus pais nunca permitiram e ela entende os motivos disso, eles só querem o melhor para ela. 

- Podem ir de Pegasus, confiem em mim, o de vocês não serão roubados – repetiu a mãe deles. 

-Ok, vamos, com licença, pai e mãe – disseram ambos. 

Eles pegaram seus materiais escolares e foram em direção ao pequeno estábulo no quintal da casa, subindo em seus Pegasus e partindo em direção a escola. 

...

Liam odeia quando Stiles faz isso, eles mal chegaram na escola e o castanho já desapareceu para a biblioteca estudar feitiços antes da primeira aula que só iria começar em 30 minutos, por causa de uma alteração no horário em decorrência de novos alunos, na verdade foi de propósito dessa vez, como Liam é o monitor de boas vindas desse ano, ele tem que apresentar a escola para os novatos e o pior de tudo... em companhia dos presidentes do Grêmio, os irmãos Argent. Ele nem os chama de presidentes, mas sim de realeza colegial, pois sempre ganham todo o ano as eleições de forma disparada na frente de qualquer outro ser mortal. Não é novidade nenhuma para seus amigos mais íntimos que ele não suporta o Justin Foley Argent, o atual Capitão do time de Lacrosse, um time que ele está entregando as tripas do coração para poder entrar e jogar, não que Justin tenha feito algo contra ele ou qualquer coisa do tipo, no entanto, o jovem de cabelos castanhos e olhos azuis o irrita pela maneira de ser e agir, Justin se acha incrível, fodão e extremamente desejável, não tem nada pior que pessoas assim, principalmente para Liam que foi criado com uma pessoa assim, seu pai. 

Só de lembrar sua boca já amarga, nunca tivera um bom relacionamento  com o pai, que já falou milhares de vezes que deseja que Liam siga seus passos na vida, viva seus sonhos... fazer coisas que Liam jamais se imaginou fazendo, mesmo com toda a insistência da família. Sua mãe é a única que o compreende, mas não adianta muito, ela sempre se cala perante seu pai, não por medo, mas por respeito,  como a vida estava insuportável, Liam saiu de casa com seu Griffo e foi morar com Stiles, que o recebeu com muita alegria, sem dizer que ama o pequeno Newt, Liam sempre se deu bem com crianças, mas lhe dar com dar adolescentes é outra coisa... 

Ele suspirou fundo, primeiro precisa ir para a diretoria, os alunos no os já devem ter chegado. Ajeitando sua mochila nas costas, ele começou a fazer seu caminho pelo enorme salão cheio de alunos que é o portão da entrada. 

Depois de passar pelo corredor e virar a direita, só precisava subir pela escada até a sala do diretor, mas seus passos foram impedidos quando um flash de câmara quase o cegou por alguns segundos, o fazendo fechar os olhos. 

-Ah! Não é pra fechar os olhos, Li – disse Matt, desapontado. 

- Não fecharia se esse seu flash não tentasse cega-los – respondeu Liam passando a mão nos olhos ainda borrados. – O que eu já disse sobre tirar fotos minhas? 

-Que preciso de sua permissão, eu sei disso, só estava brincando – disse ele apertando um botão na câmera que apagou a foto. – Feliz? La se vai o rosto da primeira página do jornal estudantil. Já falei que amo sua cara de poucos amigos?!

Matt é o jornalista e editor do jornal estudantil, não tem nada mais prazeroso para ele do que ficar naquela sala mofada cheia de pó, jornais, revistas e fotos com toda informação e notícia que ele pode considerar relevante para seu entusiasmo. 

- Eu? – sorriu Liam – Está louco? 

- Não, meu amigo, meus contatos me informaram que você está tentando entrar para o time Lacrosse, isso é verdade? 

-É – respondeu Liam. 

-E Por que não me contou?! – exclamou Matt, um tanto eufórico é agitado. Ele odeia ser o último a saber de qualquer coisa relacionada a seus amigos.

- Porque eu sei o que você pensa sobre o Lacrosse e que iria tentar me persuadir a não ir – respondeu Liam fazendo uma careta. 

-Claro que não, se é o que você quer, vá em frente. Eu só não quero que você mude... tipo, quando começar a usar a jaqueta do time e andar com o bando do Justin Merda Foley Argent – murmurou Matt e isso arrancou um sorriso divertido de Liam. Ele levou seu braço ao ombro de seu amigo, depositando um tapa amigável. 

-Relaxe, Matt. Eu nunca irei abandonar você por causa do time, não precisa ter ciúmes. 

-Eu não tenho ciúmes! – Matt quase gritou. 

-Sei – Liam deu um sorriso sínico, mas algo lhe ocorreu. – Matt, você não vai tirar uma foto dos novos alunos que chegaram? Não é isso que o pessoal do jornal tem que fazer sempre ou estou errado? 

-E eu vou, eu estava indo falar com diretor quando te vi, eles serão a primeira página de hoje. Já fiz até a manchete. “Adolescentes desesperados sem escolhas na vida acabam caindo na pior escola Mitológica de todos os tempos onde a existência de rei e rainha ainda predominam a cadeia educacional ”. – respondeu ele, ironicamente. 

-Sabe que pode perder a posição de editor se publicar isso não é? – Liam não aguentou e acabou rindo. 

-Claro que sei, só estou falando a verdade enquanto posso. Na real, eu estou de saco cheio dessa ditadura. Eu só queria sei lá, publicar algo em que os Argent não estivessem com seus rostos perfeitos na capa! – suspirou ele. – É pedir demais?! 

De repente uma carta vermelha apareceu na frente deles de cima, essa não... era uma carta da Vice-diretora, Natalie Martin, herdeira de Freya. A carta tomou forma de seu rosto, não tem nada mais assustador do que o rosto da diretora furiosa feito de papel vermelho. 

-Sr. Dunbar e Sr. Daheler, o que estão fazendo aí parados que ainda não vieram até seus compromissos? – perguntou a carta. – Por acaso acham que temos todo o tempo do mundo?! VENHAM AGORA! 

A carta se rasgou automaticamente depois do grito e se jogou na lata de lixo. 

-Essa mulher me da medo... – murmurou Matt. 

-Em todo mundo,  vamos logo – suspirou Liam, passando o braço pelo pescoço de Matt e começando a andar até a diretoria. 

...

Os alunos da escola são obrigados a virem uniformizados, os garotos recebem uma camiseta da cor que eles desejarem, com o nome do Deus que eles são descendentes, com o nome e a insígnia da escola estampado nas costas e no peito. A calça pode ser qualquer uma, assim como os calçados. As garotas por outro lado recebem uma camisa e short saia da cor que desejarem com os mesmos benéficos dos meninos, porém se elas quiserem usar uma calça, podem usar a vontade, roupas que Érica Reyes odeia totalmente, por isso faz seu próprio estilo, vestindo Jaquetas, saltos altos, evitando o máximo apenas usar uma camisa com o nome da escola e o nome do deus qual é herdeira. Ela não é a única a pensar assim, Lydia Martin, filha da Vice-diretora, odeia totalmente o uniforme da escola, já até ameaçou fazer uma revolução pela moda, porém sua mãe a impediu para o desgosto dela e de muitas garotas. 

Érica estava animada está tarde, afinal de contas finalmente estavam chegando novos alunos, carne nova no pedaço e nada deixava ela mais feliz do que garotos novos para ela jogar todos seus encantos femininos de líder de torcida e seu olhar penetrante de Herdeira de Baldur, ela atravessou a porta da biblioteca à procura de seu amigo, Boyd, mas ao ver seu outro amigo, Stiles, sentado totalmente concentrado em seus estudos, a garota não pode evitar de sorrir e de sentir uma coceirinha  cheia de vontade de atrapalha-lo, e também de conversar com ele.

Stiles ama estar ali, lendo, aprendendo, é um dos poucos lugares que ele se sente em paz consigo mesmo... que se permiti aliviar os pensamentos de sua mente. 

-Oi, Sti! – exclamou ela, se sentando na cadeira com força. 

Stiles levantou seus olhos do livro que estava lendo e a encarou, abrindo um sorriso amigável. 

-Oi, Érica, o que faz aqui? – perguntou ele. – Achei que tivesse aversão a bibliotecas. 

-Realmente, não é o melhor lugar para se pegar com um garoto – riu ela. – Eu fico doida com isso, você já é um aluno nota 10. Pra que estudar tanto? 

- Não é de estudo, são feitiços antigos, da era dos deuses. Eles estão em grego, estou tentando decifra-los, comecei meu curso de línguas gregas e Nórdicas semana passada – respondeu ele, feliz. Stiles ama conhecimento, ainda mais se for para aprender feitiços novos, é trabalhoso é, mas ele precisa fazer isso. Ele prometeu a seu pai que protegerá e cuidaria de Newt e para isso ele precisa ficar mais forte e acima disso, mais sábio como o Diretor Horácio, o homem a quem ele se espelha desde criança. – Só estou passando o tempo enquanto não começa a aula. 

Érica sorriu para ele, docemente. Ele sabe o motivo dele estudar e se dedicar tanto. A vida da família de Stiles nunca foi fácil, ela sabe disso, não por ele reclamar, ele nunca reclama de nada. Porém, ela sabe por ser uma das amigas mais antigas dele e nutri secretamente uma paixão por ele que nunca teve coragem de contar. 

-Você vai na festa na casa do Issac? – perguntou ela para a surpresa de Stiles. 

-Não sei, não gosto muito do povo que vai estar lá, entende – respondeu ele. – Principalmente o pai do Issac. 

-Também detesto aquele homem, com todas as minhas forças – respondeu ela arrumando uma mecha de seu cabelo loiro encaracolado -, mas pense um pouco. Eu acho que será muito divertido.

-Vou pensar – ele sorriu, Érica ama quando ele abre aqueles lábios, mostrando os dentes sorridentes para ela. Seu coração até deu um pulo. – Stiles... será que...

Ela não conseguiu terminar de falar, pois Stiles começou a grunhir de dor e fumaça começou a sair de seu braço, era um símbolo Élfico que ele e Emily compartilharam um com o outro, é um feitiço de socorro, isso quer dizer que ela está com problemas e precisa de sua ajuda. 

-Merda! O que será que aconteceu?! – exclamou Stiles tendo bilhões de pensamentos negativos. Será que aconteceu algo com Newt?! Para Elizabeth pedir ajuda, somente algo grave deve estar havendo! Não havia tempo de avisar Liam. – Érica, por favor, eu tenho que voltar pra casa. Avise o diretor Horácio.

-Mas onde você vai? O que está havendo?! – perguntou ela, muito preocupada.

- Só avise ele! Por favor! – exclamou Stiles, saindo correndo para fora e sumindo no corredor. 

  ...

- Bom pessoal, eu sou o Justin e essa é minha irmã, Alisson, somos os presidentes do grêmio estudantil e seus fiéis anfitriões por hoje e todos os dias – ele emitiu um sorriso encantador, arrancando suspiros de alguns alunos e alunas que praticamente babavam nele em sua irmã que mantinha a mesma postura. Liam e Matt olhavam aquela cena com desdém e chateação, não viam a hora dessa apresentação acabar. – Para economizamos tempo, eu levarei um grupo para uma parte e minha irmã outro grupo, mas antes, quem quiser autógrafos, podem vir! 

Os alunos novos praticamente se jogaram em cima dos irmãos Argent. Liam havia sido chamado junto a Justin e Alisson para serem os  guias dos alunos novos, porém os novos alunos não parassem muito interessados nele para tal função, tanto que nem se deram o trabalho de saber o nome dele. 

Matt já havia tirado as fotos, quase todas com os Argent se destacando, ao menos uma ele sabe que conseguiu tirar sem a presença deles e está será a primeira que ele ficará feliz em revelar em sua sala especial. 

-Olha pra ele, parece um idiota sorrindo dessa forma Imbecil. Se acha líder de acima coisa... – comentou Matt para Liam. 

- Ele é charmoso, temos que admitir – Liam deu de ombros. – Só está usando sua maior arma. 

-Charmoso? – Matt quase vomitou as palavras ao olhar para Liam, desconsertado. – Perdeu o juízo? 

Apesar de sua oposição, internamente, Matt admite que Justin é bem atraente, como todo herdeiro de Apolo. Sua construção atlética é perfeita,  nem muito musculoso, nem muito magro, seus olhos são azuis que combinam 100% com seu cabelo castanho curto e seu rosto quase que divino de tão lindo, o que realmente irrita Matt é Justin ficar se achando e se gabando sempre que fosse possível. 

-Mas é, no entanto, olhe, nem todo mundo está babando em cima deles dois – Liam apontou para dois garotos que ficaram parados enquanto outros fizeram um tumulto para chegar perto de Alisson e Justin. Um deles está encostado na parte, com um olhar sério, não parece prestar atenção em nada ao redor, ele é bem magro, seus cabelos são castanho escuros, seus olhos azuis-acinzentados, usa um moletão Jeans com uma camisa preta com estampa de caveira, calças pretas e um tênis. O outro garoto é loiro, seu cabelo está arrumado com gel, seus olhos são azuis bem claros, seu rosto parece perdido e ele não está olhando para ninguém e sim para o chão ou talvez para seus tênis pretos, ele uma jaqueta perca com uma camiseta roxa. Liam também reparou uma coisa desde que chegará na sala, esse último rapaz loiro, as vezes olhava para ele rapidamente e depois desviava o olhar... será que ele está nervoso por ser o primeiro dia? 

-São gatos – sussurrou Matt. – E o fato deles ignorarem o embuste ali só deixa eles mais gostosos ainda, eu jurei a mim mesmo que nunca olharia para um padrão, mas olha aquele loiro com aquele rosto perdido de bebê.

Liam levantou a sobrancelha. 

-Deve ser difícil ser bissexual, gostar dos dois tipos.

-E como é... o que adianta gostar dos dois se nenhum deles me quer? Desgraça viu – suspirou Matt e Liam foi internamente e resolveu perturbar mais ainda o amigo.  

- Você por acaso ainda gosta da A? – perguntou ele apontando discretamente para Alisson. 

-Jamais! Já gostei muito, admito – respondeu Matt, com horror só de lembrar. 

-Gostou? Obsessão é o correto, afinal você havia virado o stalker dela, de 30 fotos que você tirava nessa câmera, 29 eram da madame ali – respondeu Liam. 

-Ok, ok, eu tive uma certa fixação por ela, mas ela nunca nem reparou que eu existo, só no dia que cometi a burrada de contar pra ela que gosto dela na festa na casa da Lydia, eu estava muito mal, Danny me fez beber muito,  estava totalmente fora de mim.

Liam sorriu mais uma vez. 

-Será que ela ainda se lembra do vômito? – questionou ele para irritação de Matt. – Com certeza deve lavar o cabelo até hoje por causa daquilo. 

Matt fez uma expressão incrédula. 

-Deveria parar de andar com Stiles, está sarcástico igual a ele – respondeu o jornalista.

- Eu sei – riu Liam – Relaxe, não precisa dela. Você vai achar a garota certa ou o garoto. 

-Tenho que dizer, sempre achei você uma tentação. – Matt sorriu de uma maneira maliciosa. – Eu preciso tirar uma foto dessa bunda sua qualquer dia. 

-Opa! Opa! Calma ae, mensageiro, primeiro, obrigado pelos elogios, segundo, esse corpo já tem dona, se não tivesse eu poderia pensar no seu caso – respondeu Dunbar.

-Nada Que um sacrifício não resolva – brincou Matt. – Quem é a sortuda? Aliás, isso é mais uma coisa que você não me contou.

-Ah... é a Hayden – respondeu Liam. 

A feição curiosa de Matt se desfez totalmente para decepção, parecia que estava escrito em sua testa “ coragem viu, muita coragem”.

-A Sandy Bochechas insuportável? – perguntou ele sentindo a boca azedar em só dizer o apelido da desgraçada. – Ela não está namorando o imbecil do Bryce? 

- Não fala assim dela, Matt, por favor – pediu Liam, sinceramente. – Ela terminou com ele e veio falar comigo. Eu sei que ela tem um gênio difícil e foi muito arrogante com muita gente aqui, mas não pode negar, ela é linda demais, você sabe que sempre senti uma enorme queda por ela. 

-Hum... que repentino, eles terminarem do nada – respondeu Matt, pensativo. – E mais surpreendente ainda ela começar a falar com você do nada, não acha estranho? 

-Ah, Matt, não começa com suas teorias da conspiração – respondeu Liam. – Ela finalmente percebeu o amor que sempre senti por ela. 

-Obsessão é o correto – pontuou Matt com um pouco de ironia usando as mesmas palavras de Liam de segundos atrás. Antes que Liam pudesse responder, a atenção deles foi chamada por Justin. 

-Bom, vamos pessoal – disse ele, todo animado com Alisson, sendo seguidos pelos novos alunos, no entanto, Justin reparou que os dois garotos novos ali atrás não estavam indo com eles, muito menos foram até lá pedirem autógrafos. Isso era inadmissível, tanto para ele quanto para Alisson, eles nunca foram ignorados por ninguém, seus pais sempre disseram desde pequenos que as únicas pessoas que os ignorassem são as mais mal educadas de todas. No entanto, Justin entende que por serem novos, talvez eles sejam tímidos e não o conheçam como deveriam conhecer, sendo assim, ele se aproximou primeiramente do garoto de olhos azuis usando moletão, Justin até mesmo reparou que o mesmo usa um anel em formato de caveira na mão esquerda. – Olá, sou Justin Foley Argent. 

-Eu sei quem você é – respondeu o garoto. –  Herdeiro de Apolo, membro da família matadora de gigantes e muitos adjetivos a mais que não faço muita questão de lembrar. 

-Opa, então ouviu falar de mim. Com certeza deve ter lido o manual que entregaram para todos sobre os melhores alunos da escola e eu estou incluso – respondeu Justin e alguns mostraram o manual com uma linda foto dele com arco e flecha. 

-Na verdade eu o joguei fora no lixo quando o correio trouxe, obrigado por perguntar, eu ouvi falar de você, pois todo mundo aqui fala de você é sua irmã o tempo todo. Me pergunto se essa e uma escola para nos ensinar coisas de verdade ou se é para elegermos novos deuses falhos? – questionou o garoto. 

Matt arregalou os olhos, assim como Liam. Quase ninguém fala desse jeito com um Argent. 

Justin sorriu, ele parece ter gostado da agressividade do novo aluno, apesar de ainda não acreditar que ele teve tanta coragem.

-Muito bem, você tem personalidade, qual o seu nome? – perguntou Justin para o garoto. 

-Clay Jensen – respondeu a Vice-diretora observando tudo enquanto tomava uma xícara de café. – Herdeiro de Hades. 

Clay levou seu olhar enfurecido para a Vice-diretora que encobriu o rosto com a xícara.

-Clay Jensen? Nome interessante – sorriu Justin, amigavelmente. – Não nos conhecemos antes? Seu nome é muito familiar. 

-Herdeiro de Hades? Isso é ótimo – disse Alisson se aproximando. – Tem uma sala muito especial na escola para vocês  testarem e desenvolverem seus poderes. Venha ver conosco, Clay, está um dia lindo e agradável para conhecer tudo. 

Clay suspirou fundo, já não bastava o galo, agora vem a galinha cacarejar. 

- Não, estou muito bem aqui – respondeu ele de forma ríspida. 

-Sr. Jensen, você tem que conhecer a escola, faz parte do programa. Quero que saiba, rapazinho, seu comportamento está sendo o pior possível. – anunciou ela. – Sorria, seja gentil, o sol está lindo, olhe todos os alunos cheios de energia e alegres.

Clay olhou para todos e fez uma careta que fez Matt e Liam rirem internamente. 

-E eu lá sou planta pra fazer fotossíntese com a luz do sol e ficar idiota como eles? Não, muito obrigado, mas já que preciso fazer isso, eu irei com ele – Clay apontou para Liam. – Pelo percebi, ele também é um monitor.

A cara de Justin endureceu totalmente, uma coisa qualquer herdeiro de Apolo odeia é ser ignorado e indesejado. 

-É claro, pode vir – anunciou Matt amando aquela situação toda. Nada melhor do que ver um novato jantando os Argent chatos! 

Clay enfiou as mãos nos bolsos e foi até o lado de Liam, sem olhar para trás deixando Justin um tanto furioso, mas o mesmo focou sua atenção no garoto loiro que estava encolhido ali atrás. 

-E você? Vai vir? – perguntou Justin, tentando chamar a atenção dele, mas  o mesmo não deu a mínima. 

“Ok, qual é a piada do dia?!”, pensou Justin, totalmente irritado. 

-Este rapaz também ficará aos cuidados do Sr. Dunbar. – interviu a Vice-diretora, em um tom sério. – Creio que ele será um guia mais paciente para o assunto. 

Mais paciente? Como assim? Liam não conseguiu entender. 

- Ok, vamos então – anunciou Justin começando a andar, mas não sem dar uma última olhada para trás antes de sair, uma olhada fixa em Clay Jensen... um monte de pensamentos turbinaram sua mente... mas principalmente um monte de questionamentos.

Depois que todos saíram, a Vice-Diretora fechou a porta.

-Vocês já vão, primeiro preciso estabelecer certos assuntos – disse ela olhando para cada um deles, porém seu olhar interrogativo parou em Matt. – Sr. Daheler, não deveria ir revelar as fotos? Ou será que preciso lembra-lo disso a todo momento? 

-Ah, não, não precisa – ele sorriu de um jeito engraçadinho, indo até Clay e estendendo a mão para o mesmo. – Como já viu, não irei acompanhar sua visita de conhecimento por este belo lugar, mas quero que saiba, eu já adorei conhecer você, Jensen, meu nome é Matt Daheler, Herdeiro de Hermes, a seu total dispor. 

Clay deixou um sorriso brotar no canto de sua boca, ele logo viu que Matt era totalmente diferente de Justin e por isso não precisa tratar ele com hospitalidade, ele estendeu a mão e o cumprimentou.

- Já acabou, sr. Daheler? – questionou Natalie, impaciente. 

-Claro, claro! Até mais Liam! – exclamou ele saindo rapidamente pela sala. 

Natalie Martin soltou um leve suspiro, esse trabalho realmente é muito cansativo. Ela ajeitou seus óculos e levou seu olhar primeiramente para Theo Raeken, o loiro calado, e depois para Liam e Clay. 

-Sr. Jensen, depois conversaremos melhor sobre seu comportamento com o Diretor Horácio, agora, Sr. Dunbar, vou explicar a situação do sr. Raeken – Ela se sentou em sua cadeira. – Liam, você tem uma certa experiência em lhe dar com pessoas autistas não é?

Liam pensou bastante antes de responder, de certo modo ele tem, seu primo, Corey, Herdeiro de Poseidon, é Autista até certo grau, seus pais não sabiam lidar direito com ele, apenas os médicos com sua infinita paciência e Liam que cuidava dele na maior parte do tempo. 

-Sim, de certa forma eu tenho – respondeu Liam. 

-Então, o Sr. Raeken, Herdeiro de Tyr – disse ela e Liam lembrou que Tyr era o Deus da guerra Nórdico, mas diferente de Ares, Tyr guerreava pela paz e não a violência. – Ele tem um nível. Considerável de Autismo, mais elevado que muitos herdeiros dos deuses da sua idade, o pai dele já o levou em diversos especialistas, que apenas responderam que ele é normal como qualquer um, apenas precisa que tenham paciência com ele, que saibam conversar com ele, o nosso Psicólogo irá ajudar muito nessa parte, mas o diretor Horácio e eu vimos que Théo precisa de uma companhia adolescente de sua idade, achei você a companhia ideial, sr. Dunbar. Seus pais me falaram como você foi crucial na criação de seu primo, hoje em dia ele apresenta um desenvolvimento incrível, claro a medicina fez sua parte, mas acho que você também teve muita relevância, se não for pedir muito, será que poderia fazer o mesmo por ele? 

Liam olhou para o jovem rapaz, ele não o encarava, parecia nervoso e assustado, por um leve momento sentiu algo estranho, uma sensação de como se... já tivesse sentido a presença desse garoto antes. Bom, não custa nada tentar. 

-É claro que posso fazer isso – ele sorriu, feliz por ser reconhecido em algo e alegre por seus pais terem falado bem dele, pra variar... 

-Muito obrigada – sorriu Natalie – Podem ir, Sr. Raeken, vá com eles, por favor.

Theo se aproximou andando de forma ereta, ele passou a língua duas vezes pelos lábios... 

- Olá, Theo, eu sou Liam, Liam Dunbar – respondeu ele, com um sorriso.

-Theodore, Theodore Raeken – respondeu o loiro, não conseguindo encarar Liam. As bochechas dele, Liam teve a impressão delas terem ficado coradas... 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...