1. Spirit Fanfics >
  2. Os Herdeiros dos Marotos em: o Epílogo. >
  3. O Crepúsculo de Fogo.

História Os Herdeiros dos Marotos em: o Epílogo. - Capítulo 29


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura.

Capítulo 29 - O Crepúsculo de Fogo.


-Para onde você está indo?-Camilla perguntou confusa, ainda em choque com todas aqueles dragões voando pelos céus.
-Eu tenho que encontrar alguém. Luna, avise os meus pais para mim, por favor. -Teddy disse já descendo pelas arquibancadas.
-Como que você vai até lá?-Perguntou Luna, alto.
-Correndo!-Disse ele e se transformou lobo, em sua forma animaga, correndo para longe.
-Por que ele só não foi para uma lareira ou para Hogsmeade, onde poderia aparatar?-Camilla questionou.
-Onde estaria o drama nisso?-Luna riu.

XxX

Teddy não conseguia correr mais rápido do que as asas dos dragões, obviamente, mas conseguia segui-los. Sentindo seu focinho gelado e os seus pelos acinzentados ficando com pontinhos brancos, por causa da neve, não fez qualquer menção para parar e descansar. Sentia seu coração batendo com força, era a chance dele de ver Charles novamente e como queria fazê-lo.

O gelo nos rios se partia enquanto ele corria. Suas orelhas estavam para trás por conta do vento. Deve ter ficado quase trinta minutos correndo, os dragões já haviam desaparecido de sua visão, provavelmente tendo chegado ao destino, então, apressou-se, entrando nos grandes campos de grama para seguir o rastro que levaria até a Reserva Weasley. Logo, avistou as dezenas de dragões e seus cuidadores, sendo que a maioria ainda estava saindo de suas celas.

Andou até o celeiro, entrando pela janela e se escondendo para voltar a sua forma humana. Sob o feno, estava Audax. O enorme dragão estava deitado, dormindo, mas respirar profundamente, mexendo a palha, sentiu o cheiro de Teddy, se levantando imediatamente, agitado. O dragão cego estava sendo cuidado por ele, enquanto Charles estava na Romênia.

Teddy se aproximou dele rapidamente, sentindo as pontas de seus dedos bem geladas e levemente roxas pelo frio. Seu nariz estava vermelho e seu cabelo cheio de neve.

-Shhh, Audax. Calma. -Sussurrou fazendo carinho no enorme dragão albino. -Seu pai acabou de chegar. Fique quietinho, quero surpreende-lo.
O dragão mexeu abaixou a cauda, como se tivesse entendido o pedido.

Sorrindo, andou até a porta do celeiro e a entreabriu. Observou em volta. Os funcionários de Charles haviam trazido em suas bolsas casas reduzidas e agora, as instalavam, tornando-as em tamanhos comuns. Os dragões estavam sendo colocados em outros celeiros, ou para a montanha mais próxima, onde tinham cavernas.

Procurou o ruivo por toda parte e bufou ao não encontra-lo.

-Onde você está?-Sussurrou insatisfeito.

-Chefe, onde colocamos todos esses ovos?-Perguntou uma mulher de pele escura e tranças.
-O ninho fica para perto daquele celeiro ali, Ericka. -Saiu Charles de dentro da casa.
-Valeu!-E a mulher saiu, carregando um enorme ovo em seus braços.

Edward observou. O ruivo estava com cabelos curto e repicados. Bonito. Haviam algumas cicatrizes e queimaduras novas em seus braços. Estava mais musculoso também, usando só uma camiseta cinza, cheira de furos, e calça de couro e suas botas. Quase que Teddy conseguia ouvir os gêmeos dizendo para não babar.

Vendo que todos os funcionários estavam ocupados, e deixando Charles ali. Teddy saiu do celeiro, andando em sua direção no chalé. O Weasley estava olhando alguma coisa atrás de si, por isso não o vira e Teddy aproveitara.

-Ei Charlie. -Chamou e rapidamente o ruivo se virou.
-Eddie?!-Charles disse, sorrindo ao vê-lo. -Você está aqui...
-É, eu estou. -Teddy devolveu o sorriso e se aproximou mais.

E em um impulso só, sentindo um frio imenso na barriga, Teddy colocou os braços nos ombros dele e o beijou. Inicialmente Charles arregalou os olhos, surpreso e confuso. Mas, ao fechar os olhos, puxou Teddy ainda mais para perto, o levantando e o beijando profundamente.

Quando o ar acabou, os dois respiravam descompassadamente. Charles o abraçou e riu, feliz, e Teddy retribuiu, sentindo alguns beijinhos em seu pescoço.

-Você está congelando...-Charles sussurrou.
-É, claro eu corri até aqui. -Teddy disse, sem aguentar o sorriso que brotava em seu rosto. Charles o olhou, acariciando seu rosto.
-Você correu de Hogwarts até aqui? -Perguntou o ruivo, sorrindo bobo.
-Claro que eu corri até aqui, Fire. Eu precisava ter ver e te beijar. Não poderia parar por nada até chegar aqui. -Disse Teddy, pegando a mão de Charles.
-Eu vejo que...Espera. Fire?-Perguntou Charles.
-Pois é. -Teddy corou, envergonhado.
-Como descobriu?-Perguntou Charles, sorridente.
-Bem, você não conseguiu esconder a sua letra tão bem assim, Charlie. E enquanto você estava na Romênia, Fire fazia várias referências ao lugar. Você me chamou de Dusk e disse que enviaria uma carta para um garoto que estava afim um pouco antes de eu receber a primeira carta de Dusk. Além de eu sentir o seu cheiro nas cartas. -Disse Teddy.
-Cheiro?-Charles perguntou.
-Coisa de licantropo. -Teddy disse e Charles riu. -Ah! Teve mais uma coisa...O seu ajudante trocou os envelopes. Eu recebi uma carta sua em um envelope do Fire.

E o sorriso de Charles desapareceu e ele olhou para trás, dando visão para Teddy de William, que estava com Fleur no sofá do chalé. A loira segurava uma bebezinha, que estava quietinha em seu colo.

William estava congelado no lugar e tentou sorrir pro seu irmão.
-É...Foi mal?-O mais velho disse.
-Corre. -Charles disse e William não esperou mais qualquer aviso, saindo correndo pela porta da cozinha, fazendo Fleur gargalhar.

Teddy riu, negando com a cabeça. Ele colocou a mão no rosto de Charles e trouxe os olhos dele de volta para si.

-Não mate seu irmão. -Disse Teddy.
-Eu não disse que ia mata-lo. -Charles disse.
-Sei. -Teddy sorria.
-Então...Esse beijo?-Charles colocou as mãos na cintura de Teddy. -É pra valer?
-Hum...Eu preciso te dar outro beijo para que perceba?-Perguntou Teddy.
-Talvez. -Charles se aproximou e o beijou novamente.

XxX

Com a neva engrossando do lado de fora, o trem partira de Hogwarts partira. Os alunos que desejavam, iriam passar o feriado com suas famílias, enquanto aqueles que preferiram, chamaram seus pais, namorados ou amigos para Hogwarts, onde poderiam passar um Natal aconchegante juntos.

Alguns professores também foram para casa, como Sprout, Slughorn e Scamander, indo passar a semana com seus familiares. E alguns alunos também. Draco e Neville decidiram pegar o trem, indo passar junto a Narcisa e Augusta na Mansão Longbottom. Já os Weasleys, convenceram sua mãe que seria uma boa ideia passar no castelo, tendo a chance de Gina ter o seu último natal na escola, com sua namorada, assim como Ronald que viera passar com a namorada. Os Lupin e os Black também se uniram ali. Mas de resto, o castelo esvaziou-se, deixando com que eles tivessem liberdade para construir muros de neves e preparar o terreno para uma batalha de bolas de neve.

Harry e Aurora corriam aos risos, protegendo suas cabeças e pulando para trás dos muros de neve, os dois se abraçavam, desviando das bolas de Hermione e Fred, que estavam em cima de um enorme monte de neve. Pansy e Ronald estava atrás das árvores. Apollo e Margareth estavam com Molly e Minerva, que deixaram os mais novos se divertindo e, é claro, isso incluía todos os irmãos Weasleys e os casais, Lupin e Black.

Sirius corria jogando bolas de neve em Remus, enquanto Ninfadora revidava em Evan e nele. 
De repente, Sirius caiu de boca em uma montanha de neve, sendo acertado por diversas bolas de neve de Angelina e Jorge.

Todos gargalhavam em sua bolha de alegria e brincadeira.

-Gostariam de chá? -Percy perguntou para as duas mulheres.
-Obrigada, querido. -Molly pegou a xícara.
-Ôia! -Maggie mostrou o seu bonequinho de neve.
-Lindíssimo, Margareth. Os olhos de pedra ficaram adoráveis. -Disse Minerva.

Apollo riu ajoelhando-se para colocar gravetinhos como se fossem braços. Margareth bateu palmas alegre. A menina estava andando de forma engraçada, estando cheia de roupas de frio e um gorro com orelhinhas cor de rosa. Seu primo estava da mesma forma, se sentindo muito quentinho com seu cachecol que era uma mistura das duas casas de seus pais.

-Onde está os seus filhos mais velhos, Molly? Achei que viessem passar o feriado aqui também. -Disse Minerva.
-E eles vão. Mas Charles acabou de chegar de viagem, devem estar arrumando tudo no chalé antes de vir. Além de William e Fleur terem que ter certeza que pegaram tudo da pequena Victorie. -Disse Molly.
-Como está ela? Soube que nasceu em Novembro. -Disse Minerva.
-Sim. -Molly sorria. -Uma menininha muito saudável. Nasceu dia 15 de Novembro....Loirinha. 
-Deve se parecer muito com Fleur. -Disse Minerva.
-Os olhos são de William, um azul bem esverdeado... -Molly olhou pro céu.
-Como o do papai. -Percy disse pegando a mão de sua mãe e sentando-se ao lado dela.
-Você estão melhorando...-Minerva disse.
-Um de cada vez. -Suspirou. -Ainda acordo achando que ele está no banheiro ou já acordou pra fazer café...Mas não doí tanto quando eu me lembro. 

-Aqueles que nos marcam não desparecem quando morrem. E sim, cicatrizam, deixando para sempre as coisas boas que nos fizeram em nossos corações. -Eles ouviram alguém dizer.

Molly se virou e sorriu, vendo os seus dois filhos mais velhos ao lado de Teddy e Fleur. William segurava sua bebezinha, como se a usasse para se proteger. A loira estava com as bochechas vermelhas, como se não conseguisse parar de rir de alguma coisa. Enquanto Charles estava de mãos dadas a Edward, que havia sido quem falara a frase.

-Vejo que conseguiram ajeitar tudo na reserva. -Disse Percy.
-Tudo tranquilo. Os meus funcionários conseguiram fazer os dragões adormecerem e de qualquer forma, Audax está cuidando de tudo. Mandei-os para casa e logo pudemos vir. Desculpem-nos por perder o almoço. -Charles disse indo até sua mãe e beijando-a no rosto. -Senti a sua falta, mamãe.
Molly fez carinho na mão do garoto.
-Também senti a sua, querido. Como você está? Parece mais saudável...Nenhuma queimadura nova. -Disse Molly, brincando.
-Isso porque eu cuidei delas, senhora Weasley. -Teddy disse indo até a sua irmãzinha e a pegando no colo.
-Eddie! -Maggie o abraçara.

-Ei, gente, o Charles chegou. -Jorge disse ajudando Sirius a se levantar.
-Charlie! -Ronald e Fred correram para abraçar seu irmão mais velho, logo Gina e Luna também se aproximaram.

-"Por que não vamos para dentro? Já está escurecendo mesmo. Nos fará bem." -Evan disse.
-É uma boa ideia. Preciso descongelar o meu cabelo. -Sirius disse.
-Não ficou tão ruim, Padfoot. -Remus prendia a risada, enquanto se abraçava com frio. 
Eles ouviram Aurora gargalhar.
-Pai, como seu cabelo conseguiu ficar desse formato? -Ela perguntara, e Harry prendia o riso.
-Mereço. Nem a minha filha me defende. -Sirius ficou emburrado. -Foi a sua tia. Ela não parava de me acertar na cabeça.
-Não me arrependo de nada. -Disse Ninfadora.

Eles foram para dentro do castelo, limpando suas roupas e secando-se. Minerva se despediu, dizendo que ia pedir aos elfos para servir chocolate quente e biscoitos de gengibre para todos.

Evan andava de mãos dadas a Apollo e ouvia o menino tagarelar sobre as construções que havia feito naquela tarde com sua priminha, Margaret. Sirius também escutava, com um sorriso desenhado em seus lábios e sem demorar para pegar o menino no colo.

Todos foram andando para o Grande Salão, conversando entre eles. Os Weasleys estavam amontoados em volta de Fleur e William, querendo ver a pequena nova integrante da família.

O casal Black-Potter não se aproximara tanto, passeando de mãos dadas pelo corredor e aproveitando a companhia um do outro. Eles não haviam tido tanto tempo para si mesmos e sentiam falta disso, então, se davam carinho e conversavam baixinho, até que, Aurora percebeu uma coisa.

-Que foi, luz? -Harry perguntou, devolvendo o sorriso para ela. Aurora apontou para frente. Harry olhou para frente e tirou seu gorro com surpresa.

Teddy andava abraçado ao braço de Charles e os dois conversavam, andando pelo corredor, se olhando e sorrindo um para o outro.

-Finalmente. -Harry disse.
-Não demorou tanto. -Aurora disse.
-Pareceu uma eternidade. Nós não enrolamos tanto. -Ele respondeu.
-Claro que não...Nossa. -Aurora revirou os olhos.
-Eu enrolei você? -Harry riu.
-Só talvez eu estivesse esperando que você tivesse me beijado no baile...-Aurora disse, sorrindo fraco.
Harry abriu a boca surpreso.
-No quarto ano?!-Ele perguntou. -Seu pai disse que você se apaixonou por mim nas férias antes do quinto!
-Padfoot não sabe de tudo, amor. -Aurora riu. -Mas sim, eu me apaixonei por você durante as férias. Queria estar o tempo todo ao seu lado e sentir a sua mão na minha. No entanto...-Aurora sorrira fraco. -Quando nós dançamos no Grande Salão, por um instante, olhando pros seus olhos, eu pensei que fosse rolar. 
-Own. -Harry parou de andar.
-Brega? -Ela perguntou.
-Nenhum pouco. Cliché, talvez...Mas teria sido bonito. E estaria em todas as capas do Profeta no dia seguinte. -Disse Harry.
-Você teria amado. -Aurora revira os olhos, sendo irônica.
-Você sabe como eu adoro chamar atenção. -Harry brinca. -Mas eu teria descoberto mais cedo quem eu queria estar para sempre ao lado.
-Demorou só mais um ano, Harry...-Aurora disse.
-E novamente estamos aqui. -Ele disse e Aurora levantou uma sobrancelha.
-Onde? -Ela riu. Então, Harry apontou para cima, mostrando que eles estavam embaixo de um visco. -Não estávamos de baixo de um visco no nosso primeiro beijo!
-Mas havia um na sala. -Harry disse brincando e Aurora negou com a cabeça, o puxando pela gravata e o beijando.

XxX

Todos estavam reunidos no grande salão, tomando chocolate quente. Gina e Luna decoravam os biscoitos de Natal, assim como Fred, Hermione, Pansy e Ronald. O clima era aconchegante enquanto eles riam ouvindo história de Molly e Minerva.

Sirius estava com Apollo em seu colo, adormecido e Evan também bocejava, com um sorriso tranquilo. Remus e Dora estava mostrando a árvore de natal para Margaret.

-Era o segundo natal em Hogwarts dos gêmeos. Eu já tinha consciência que era um desafio anual aguentar esses dois pestinhas. Foi inacreditável. Era nessas horas que mais tinha pena de Filch. -Disse Minerva.
-Você nunca teve pena dele, Minnie. -Disse Jorge.
-Eu realmente não tinha, era um homem desprezível e da época que punições físicas ainda eram comuns na escola. Mas mesmo assim, meninos, vocês foram terríveis. O homem não parecia nem mais humano de tanto enfeites de natal que estavam presos a si. -Minerva disse.
Molly ria, vermelha.
-Em casa era mesma coisa, Minnie! Eu ficava até com medo na hora de abrir os presentes. -Molly disse.
-Mamãe! -Fred disse rindo.
-O quê? O relógio da Toca possuí "Prisão" por algum motivo. Eu sei os filhos que eu tenho. William trabalha com os duendes, tudo pode acontecer. Charles sempre conversa com traficantes de dragão e couro. Os gêmeos são os gêmeos. Ronald é melhor amigo de Harry Potter e Gina tinham os gêmeos como exemplo. Então, o único que eu tinha esperança era Percy e ele transformou o antigo ministro em um porco espinho.

Os outros riem.

-E eu não me arrependo. -Percy disse bebendo seu chocolate quente.
-Mas, mamãe, todos nós terminamos bem. Veja! -William disse.
-Estou vendo, estou vendo. Só queria que Charles também arranjasse alguém. -Molly disse. E o ruivo corou tapando seu rosto. -Eu estava pensando, querido, poderíamos abrir uma temporada de cortejo! Como fizeram como o pequeno Teddy. Existem muitos bruxos interessantes ainda solteiros.
-Oh, mamãe. -Fred negou com a cabeça.
-Você não sabe ainda? -Jorge questionou.
-Meninos! -William os olhou feio.
-Até eles sabem? -Perguntou Charles, sentindo leve vontade de servir o seu irmão mais velho como almoço para um dos dragões da reserva. 
William sorriu sem graça.
-Eu juro que eu achava que eles sabiam. O Ronald é um dos melhores amigos dele. -Disse William.

-Sabem o quê? Ele quem? -Molly chama, questionando.
E todos os Weasleys a olham. O salão ficou em silêncio. Remus já sorria em ansiedade e Luna riu ao ver os cabelos de Teddy mudando pro rosa escarlate.
-Bem...Eu e Eddie estamos namorando, mamãe. Sou eu quem ele se referiu na cartas aos outros que o cortejaram. -Charles pegou a mão do garoto e Molly abriu a boca chocada. -Eu o amo.

Ninfadora sorriu brilhante, batendo palmas e dando pulinhos. Seus cabelos ficaram rosa chiclete. Remus riu, sorrindo pro seu filho, feliz por ele.

-Eu também o amo, senhora Weasley, do fundo do meu coração. -Disse Teddy.
Molly sorrira, com carinho e lágrimas em seus olhos.
-Então acho...Que podemos propor um brinde? -Ela perguntara e Charles sorriu feliz, agradecendo pelo apoio.
-Um brinde ao novo casal da nossa família. -Disse Sirius.
-Um brinde! -Hermione ergue seu chocolate assim como os outros e eles brindaram. 


Notas Finais


O que acharam? Espero que tenham gostado!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...