História Os Opostos - Capítulo 4


Escrita por: , fantasiar e imature

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Hopekook, Jikook, Jimin!top, Jungkookbottom!, Sol&lua, Vmin, Yoonkook
Visualizações 140
Palavras 1.074
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oooooooooooi gente linda, tudo bem? esperamos que sim!!
não vou enrolar muito, pq eu sou cHAta, então é isso!!
até as notas finais hohoho <33

Capítulo 4 - Capitulo IV.


E mesmo depois de todos esses anos, ainda sinto tudo quando você está por perto. 


Quando Jungkook entrou na pequena lanchonete bonitinha e bem cuidada, avisou que alguém tinha chegado pois um barulho de sino foi escutado.

Se sentou em uma mesa tirando os seus fones de ouvido.

Uma moça de olhos verdes veio lhe atender.

– Boa tarde. O que irá querer?

– Olá, eu gostaria de um cappuccino e uma porção de cookies, por favor – pediu.

– Okay, anotado. Quer algo a mais? – negou com a cabeça logo dando um pequeno sorriso para a atendente.

Passou-se alguns minutos e nestes o Jean se entretia mexendo em seu celular.

Pode também perceber que pessoas entravam e saiam do lugar a todo instante. Até que tinha uma porção razoável de pessoas para aquela hora.

– Pedido 7 terminado – uma voz encheu os ouvidos de Jungkook, mas ele não teve a mínima vontade de olhar de quem era.

– Obrigado – agradeceu em baixo tom. – Poderia acrescentar na nota algumas balinhas? – ouviu um murmúrio de confirmação – E ah, obrigado novamente – decidiu finalmente olhar para cima.

Suspirou engolindo seco lembrando do garoto de cabelos pretos de algum lugar, o mesmo também o olhava.

Só podia ser brincadeira. Estava quase se beliscando para ver se estava estava em um sonho mas era idiotice.

– Park...Jimin? – limpou as mãos nas calças.

– Jeon Jungkook? O que faz aqui? – perguntou.

– Eu… – tentou falar mas acabou se perdendo – Vim tomar um café, oras, é óbvio. – Jimin se permitiu a rir lembrando direitinho do garoto.

– Ah, é claro – coçou a nuca – Bom, tenha um ótimo apetite, licença – Jimin iria sair mas sentiu um pulso puxando a sua mão.

– É….Park, e você? O que faz aqui? – o mais novo perguntou tentando não demonstrar o seu interesse na pergunta.

– Eu trabalho, oras, é óbvio – riu vendo a feição que o garoto fez.

– Eu não queria saber o que de tão importante você fazia aqui mesmo – Jeon tentou esconder a sua vergonha sendo grosso novamente.

– Aham sei – Jimin estreitou os olhos.

– Eu tô falando sério seu...seu… energúmeno idiota! – disse falando o “apelido” de infância do outro fazendo o rir mais uma vez.

– Mas olha só o que temos aqui… um Jeongguk que lembra da melhor parte da infância dele.

– Melhor parte? – riu irônico.

– Claro, me teve nela, como não foi? – sorriu saindo do lugar onde o Jeon estava.

E claro, o mesmo só revirou os olhos começando a comer pois estava morrendo de fome.

Depois que Jungkook terminou o café, chamou a moça e ela veio trazendo já a nota para o mesmo.

Pagou e saiu do local caminhando até o último carro estacionado no bairro, era seu motorista.

– Sério que você ainda está parado aqui John? Pelo amor, viu – o homem ocidental abriu as portas para o acastanhado – Parece um boneco de gelo que nunca derrete, eu hein – umedeceu os lábios – Pode dirigir – ditou antes que o moço começasse a falar.

No meio do caminho, foi apenas em uma questão de segundos até Jeon ficar pensativo sobre o garoto de madeixas pretas que havia encontrado depois de tempos.


(...)


– Cara eu ainda não acredito – sussurrou para si mesmo – Eu encontrei o garoto que eu mais amei na minha vida. – mordeu os lábios.– É inacreditável.

– O que é inacreditável? – Taehyung chegou tirando o seu avental de trabalho e logo se espreguiçou.

– Inacreditável? Não, nada não – bateu nas costas do seu melhor amigo.

– Jimin pode falar para mim agora. Não quero mentiras não – tirou as mãos do outro de suas costas.

– Como você sabe que eu tô mentindo? – suspendeu as sobrancelhas.

– Eu vivo praticamente com você vinte e quatro horas por dia a mais ou menos uns 9 anos, como eu não vou te conhecer? – sorriu ladino.

– Ainda sabe as datas, isso que é inacreditável – tentou se desviar da pergunta anterior do ruivo.

– Vai direto ao ponto dono Park, para de enrolação – soltou a mão do moreno para se encostar no balcão.

– Tá, tá – rolou os olhos – Eu reencontrei o Jungkook.

– Jungkook?

– É Tae. Aquele garoto que você odeia, que você não gosta, que você tem vontade talvez de estrangulá-lo – fechou os olhos esperando a bomba vir.

– Aquele mimado chatinho? Sério?! – perguntou com uma feição entediada.

– Sim.

– E como o reencontrou?

– Ele veio na lanchonete mais cedo.

– Se fosse eu que tivesse atendido…

– Tae, me poupe das suas palavras – Jimin fez um sinal com as mãos pedindo certa calma.

– Hunf, tá.

Não pode mentir mas o Kim ficou muito chateado com as palavras do amigo o qual era tanto apaixonado.

E foi sempre assim. Jimin corria atrás de alguém que não gostava dele e era cego pois não via que o melhor amigo o amava. Doía. Doía muito. Mas tinha que infelizmente aceitar.

– Eu acho que é melhor a gente fechar aqui e ir embora. A minha mãe já me mandou mensagem e está quase para chegar em casa – disse terminando de limpar a bancada.

– Também acho – o Kim suspirou e foi terminar de ajudar o parceiro.


(...)


– Ai que cansaço – Taehyung se espreguiçou deveras cansado quando já tinham fechado a cafeteria-lanchonete.

– Também estou, não vejo a hora de chegar em casa, me jogar na cama e dormir – Jimin fechou os olhos imaginando.

Tae riu.

– Jiminnie…

– O que você quer?

– Nossa – o moreno riu – Por estarmos cansados não acha melhor comprar algo já feito para a janta? – perguntou colocando o seu casaco.

O tempo havia fechado.

– Se você acha – deu de ombros – Por mim, tudo bem.

– Vamos passar naquele fast-food? – sorriu sapeca.

– Já era de se esperar né seu criança – empurrou o outro com os ombros.

– Você quase me fez cair na poça de água suja ali – riram – E eu não sou criança, obrigada.

– Eu acho que você está delirando em suas mentiras – engrossou a voz fazendo os dois soltarem risadas novamente.

Depois de terem chegado no estabelecimento fizeram os pedidos e esperaram.


(...)


– Jimin sobre o Jungkook, eu sei que você ainda mesmo depois de tanto tempo, curte ele – disse com um aperto no coração – E eu quero pedir desculpas por ter falado aquelas coisas.

– Tudo bem Tae. Acontece – desculpou indiretamente o amigo e continuou a caminhar até chegar em sua casa.

– Só espero que você saiba que ele ainda continua o mesmo e que eu ainda te amo – disse baixo fazendo com que Jimin não escutasse.

– O que disse? – virou a cabeça para o lado.

– Nada não – coçou a garganta.



E Taehyung foi o caminho todo aguentando as lágrimas porque Jimin só sabia falar dele, daquele garoto. Tae havia cansado mas não revelava.


Nunca poderia, na verdade.




Notas Finais


VOCÊS QUE ESTÃO CHORANDO EU NAO
vcs viRAM ESSE REENCONTRO? ATÉ QUE ENFIM NÉ

e o jungkook com o motoristakkkkkdsclp
tAEHYUNG VEM AQUI MEU FILHO ai gente vamos cuidar dele >:c

scr eh isto
espero q tenham gostado e até a próximaaaaaaa att <33


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...