1. Spirit Fanfics >
  2. Os Orgulhos Ômegas da Yunmeng Jiang >
  3. Parte Um

História Os Orgulhos Ômegas da Yunmeng Jiang - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, aviso aos leitores: essa fanfic conterá cenas explícitas, e apesar de ser uma coisa com muito Xicheng, Wei entrará na mistura como poderão ver ao longo do capítulo, se não gosta de casais mais liberais, não leia e evitamos problemas, certo?

Capítulo 1 - Parte Um


Wei nunca ansiou tanto pela chegada no Recanto das Nuvens, o barco onde viajava com seu shidi e filho estava opressivo e ele geralmente apreciava muito a viagem de volta para GusuLan, com o vento balançando o cabelo, depois de alguns dias na Yunmeng Jiang, refletia como a estadia deles devia ter sido incrível, porém, Madame Yu tinha soltado tanto veneno para o próprio filho que até Jiang FengMian tinha tido que intervir. Jiang Cheng aguentou estoicamente os ataques da mãe, mas, suspirou aliviado quando Wei Wuxian claramente mentiu sobre estar sentindo variações de energia espiritual sem a presença de seu alfa e abreviou a estadia deles, e só quando estavam a uma distância segura do Lótus Píer soltou algumas lágrimas.

Lan Shizui choramingou nos braços de Wei, claramente incomodado com o cheiro angustiado do tio, mesmo em seu sono.

- Estou pertubando o filhote. - Jiang disse, soando cansado. - Devia ir lá para a cabine.

- Não seja tolo, além disso, deveria estar se oferecendo para tirar esse peso todo do seu pobre shixiong gestando. - Wei disse, estendendo o filhote de três anos para o outro ômega, que o pegou e, claramente relaxou, já que seu cheiro voltou a ser como sempre. - Viu só? Ele só queria um colinho mais aconchegante.

Jiang Cheng rosnou para ele ao ser chamado de aconchegante.

- Madame Yu só está preocupada, é o jeito dela de mostrar. - Wei disse, olhando para as águas.

Jiang Cheng não respondeu, e Wei soube que ser chamado de ômega seco, uma ofensa horrorosa pela própria mãe devia tê-lo machucado muito. Madame Yu estragou a alegria de Jiang Cheng entretendo Jin Ling e Lan Shizui, ensinando-os a nadar, perguntando-lhe acidamente se pretendia se contentar com os filhos dos outros ou se iria procurar ajuda para produzir um herdeiro para Lan Xichen antes que o alfa o devolvesse para a Yunmeng Jiang por ser um ômega incapaz de gerar, que essa vergonha já estava se tornando a fofoca preferida de todos, fazendo com que ela perdesse a face ainda mais.

- Está todo mundo comentando sobre isso, não é? - Jiang Cheng perguntou, amargamente.

- Ouvi rumores quando fui disfarçado visitar o assentamento dos Wen, mas, ninguém com coragem suficiente para falar na cara do seu marido ou do meu... um discípulo bêbado da Lanling Jin foi tolo o bastante para falar na frente do Lan Qiren.

            Jiang Cheng o olhou com apreensão, os dois tinham sido repreendidos vezes o suficiente pelo estrito beta que criara os dois jades alfas da GusuLan. Wei sorriu de lado, muito satisfeito.

- Soube que ele ainda está limpando estábulos como sugestão do tio para Jin Guangyao como treinamento.

            Jiang Cheng assentiu, ele não conseguia odiar o homem, por muito que seu marido tivesse se apaixonado pelo ômega doce e gentil na guerra, o total oposto do mais jovem dos Orgulhos Ômegas da Yunmeng Jiang, com quem a responsabilidade da seita o fez se casar para solidificar as alianças na guerra, além disso, teria sido um escândalo, se o Primeiro Jade de Lan se casasse com o filho de uma prostituta que não era reconhecido pelo pai na época. Jin Guangyao tinha provado sua força e seu caráter ao ser peça chave para terminar com os Wen, conseguindo salvar o Píer Lótus de um ataque traiçoeiro, suas informações possibilitaram uma união das seitas muito mais rapidamente do que qualquer um poderia imaginar e garantiram a vitória da Campanha da Queda do Sol.

 

X~x~X

 

Se tinha uma coisa que Lan Qiren gostava muito em Jiang Cheng era como ele podia colocar ordem nos discípulos com um único olhar, o ômega era o encarregado dos treinamentos físicos matinais na seita, e todos sabiam que seu humor estava especialmente azedo quando mais de um dos rapazes terminava procurando pela ala médica da seita para ajudar com as dores musculares das corridas e exercícios.

Wei mal tinha se levantado e viu uma fila de discípulos indo para Lan Qiren reclamando sobre como Sandu Shengshou só os deixou ir comer depois que foram capazes de acertar o alvo central pelo menos vinte vezes seguidas.

- Vamos lá, meninos, não sejam preguiçosos, os alvos nem estavam se movendo dessa vez. - Ele disse, alegremente. - E, sabe que ele sempre cozinha algo gostoso para vocês depois.

Os meninos suspiraram, e é claro que aprenderam muito rápido que não podiam agradecer ao mestre por essa atenção especial ou ganhariam mais trabalho por colocar em evidência o cuidado dele.

Lan Qiren sacudiu a cabeça, olhando-o com repreensão.

- Não suborne os discípulos com comida, é contra as regras.

- Sim, sim, já sei que sou uma decepção. - Wei disse, sacudindo as mãos para logo enganchar o braço no do velho, ignorando o bufo indignado que ganhou. - Não me senti muito bem essa manhã, então, precisa ser gentil comigo.

Lan Qiren imediatamente parou de andar e chegou seu pulso de energia espiritual.

- O que sentiu?

- Náuseas horríveis, vomitei tanto que pensei que ia morrer. - Wei dramatizou um pouco, com um beicinho. - Isso não acontecia da primeira vez.

Lan Qiren assentiu.

- Cada gestação é diferente, só descanse e me avise se sentir dores ou tiver algum sangramento.

Wei assentiu, Lan Qiren tinha sido o único capaz de convencê-lo que seu primeiro aborto não tinha sido culpa sua, o beta era o único em quem confiava para dizer as coisas cruamente e sem medo de ferir seus sentimentos.

- Tio...

O homem mais velho suspirou internamente, Wei Wuxian só o chamava assim quando tinha quebrado muitas regras, se estivesse ferido ou quisesse algo.

- Pode me dizer uma coisa?

- O quê?

- Meu shidi... ele te procurou para checar sua saúde? Eu quero dizer... algo sobre um bebê?

- Não. - Lan Qiren disse, calmamente. - E, a maneira rápida e leal de saber sobre o tema é perguntando a ele.

Wei assentiu.

 

X~x~X

 

O som de alguém nadando informou a Wei Wuxian exatamente o que seu amado shidi estava fazendo após atormentar os jovens da seita. Lan Xichen não tinha poupado dinheiro em um presente para seu jovem marido após a guerra: um lago com pedras entalhadas com feitiços para aquecer a água, permitindo assim que o ômega pudesse nadar como em sua terra natal, sem congelar com o frio das montanhas. Era o local particular de Jiang Cheng e ninguém além de Wei se atrevia a entrar sem um convite expresso, nem mesmo o líder da seita.

- A-Cheng, venha aqui. - Wei chamou tirando as botas e se sentando no píer de madeira, colocando os pés na água tépida com as calças arregaçadas.

- Você não me dá ordens, imbecil. - Jiang Cheng disse, emburrado.

- Venha logo, estou gestando e seu novo sobrinho me fez passar por uma manhã infernal.

Jiang Cheng nadou até o píer e Wei notou que ele usava apenas uma camisa interior fina, que não deixava nada de seu corpo escondido, nem mesmo a cicatriz em seu peito, dada por Wen Chao quando os capturou juntos na guerra. O maldito tinha sentido um prazer sádico em machucar Jiang Cheng enquanto Wei não podia fazer nada para impedir.

- O que foi?

- Não posso querer passar um tempo com meu shidi? - Wei perguntou, puxando o outro ômega pelos ombros, até recostar sua cabeça em sua coxa para poder passar os dedos pelos cabelos sedosos e molhados.

- Sei quando quer alguma coisa.

- A-Cheng, sou seu shidi e seu ômega primário, quer me contar algo sobre seu corpo? Algo que esteja errado ou te preocupe?

Wei sentiu o cheiro das lágrimas que o irmão lutou para conter.

- Eu... eu... não sou normal.

Wei suspirou, segurando o rosto vermelho de vergonha do outro em suas mãos.

- Você é perfeito.

- Sou tão repugnante que ele nunca me toca! - Jiang Cheng gritou, soltando-se do agarre de Wei. - Ele não me quer! Nunca me quis!

Wei ficou tão chocado, que nem lutou quando Jiang Cheng saiu do lago e se vestiu, provavelmente indo se esconder no local onde nem mesmo Wei entrava sem permissão, seu quarto, o ninho de um ômega era sagrado, invadir era uma violação imperdoável.

 

X~x~X

Lan Xichen e Lan Zhan costumavam trabalhar juntos, os dois tinham se comprometido a tirar uma carga de trabalho do tio após a guerra, já que ambos sabiam que o que ele mais gostava era ensinar e dedicar-se aos estudos. Os dois valorizavam muito o fato de que ele assumiu a seita para criá-los e os apoiou em todas as decisões, incluindo negociar o casamento de seus sobrinhos preciosos com os dois baderneiros de Jiang Fengmian, como gostava de chamar os maridos deles.

Eles estavam despachando trabalhos com os anciãos quando sentiram a aura de energia espiritual inflamada de Wei Wuxian, o ômega primário da seita tinha um poder que impunha medo até hoje nos confins da terra, sua ação na guerra era lendária e ele parecia muito irritado, tanto que chutou a porta do salão sem a menor cerimônia, rosnando um comando bem simples:

- Saiam todos que não tenham sangue Lan nas veias.

Ninguém com dois neurônios ousaria ficar após isso.

- Wei Ying, acalme-se, pode machucar o bebê. - Lan Zhan disse, assim que ficaram só ele e o irmão no salão com o ômega enfurecido.

- E isso vai ser culpa do seu irmão!

Lan Zhan olhou para o líder de sua seita e carinhoso irmão mais velho com uma pergunta nos olhos. Lan Xichen deu de ombros.

- Não sei o que fiz para irritá-lo, querido cunhado, mas, vou me redimir. Por favor, acalme-se pelo bem do meu novo sobrinho ou sobrinha. – Lan Xichen pediu, polidamente.

- Bem, pode começar me dizendo por que deixa que boatos horríveis sobre Jiang Cheng não ser um ômega adequado, de ser seco por dentro como é em temperamento sigam surgindo, quando é você que não cumpre com seus deveres conjugais! – Wei disse, batendo o pé, seus cabelos esvoaçando ao redor de sua figura.

- Eles estão dizendo o quê? – Lan Xichen se horrorizou.

- Nomes. – Lan Zhan pediu.

            Wei acabou rindo de desespero. Claro, os dois eram tão honrosos, nunca imaginariam algo assim, terminou se acalmando.

- A falta de um herdeiro está fazendo com que os boatos surjam, cunhado, ele já foi chamado de ômega seco, ômega defeituoso, até a mãe dele disse coisas horríveis. Estão pensando que vai devolvê-lo. E hoje ele chora para mim dizendo que não o toca, que nunca o toca... isso é tortura para um ômega.

- Irmão! – Lan Zhan disse, horrorizado.

- Maltrata meu irmão assim, Zewu Jun? – Wei perguntou, muito calmo, perigosamente calmo.

            Lan Xichen suspirou, suas orelhas vermelhas.

- Cunhado... ele não gosta. Quando fizemos isso... ele sempre chora de dor, me parte o coração vê-lo tão assustado e tenso, não importa o que tento, ele nunca relaxa, claramente não gosta desse tipo de atenção, jamais o obrigaria a me aceitar assim.

            Se Lan Xichen era como Lan Zhan em termos de tamanho, eles tinham se casado quando tanto ele quanto Jiang Cheng eram jovens e apresentados como ômegas há pouco tempo, a combinação de ansiedade e os tempos de guerra certamente não ajudaram o casal, ele e Lan Zhan se ajustaram, mas, sempre que o alfa fazia algo que não gostava, ele vocalizava e explicava, duvidava que Jiang Cheng tivesse aberto a boca para falar qualquer coisa, e Lan Xichen nunca falaria de tais coisas com o marido, ao que parecia. Wei suspirou, muito mais calmo.

- Alfas tolos, por que vivo cercado de alfas tolos? – Ele perguntou aos céus. – Vou conversar com meu shidi, talvez durma no ninho dele hoje, nos enviem comida, sim?

 

X~x~X

Os quartos particulares de Jiang Cheng ficavam próximos a seu lago particular, Wei subiu os degraus de pedra e parou nas portas fechadas, ajoelhando-se em seguida. Ele bateu na madeira levemente, chamando por Jiang Cheng, quando não obteve resposta, começou a soltar um gemido lastimoso que não usava nem para conseguir algo que queria com Lan Zhan, era o som que um ômega soltava quando estava muito triste ou em luto. A porta se abriu com força, Jiang Cheng caiu de joelhos a sua frente, as mãos checando Wei por ferimentos.

- O que houve? É o bebê? - Ele perguntou freneticamente.

Wei negou, abraçando seu adorado shidi.

- O bebê está bem, eu que sou um ômega horrível, não mereço ser seu shixiong, não sei como me tolera! - Wei disse, realmente triste.

- Por que está falando essas tolices? Quem disse coisas assim? Foi Qiren? - Jiang Cheng perguntou, uma onda de raiva irradiando por seu ser, indo direto para Zidian, que crepitou em energia, claramente pronto para ser usado contra o responsável por chatear Wei Ying dessa maneira.

- Eu falhei com você, pode me deixar fazer as coisas certas? - Wei perguntou.

Jiang Cheng o olhou confuso.

- O que é isso?

- Nos casamos há seis anos no mesmo dia e ainda assim eu falhei em ver como está infeliz, sou um ômega primário horrível. - Wei disse.

- Isso não é culpa sua imbecil! - Jiang Cheng rugiu.

- Vai me deixar entrar no seu ninho para falarmos, A-Cheng? Nunca mais me deixou entrar em seu ninho depois do nosso primeiro cio. - Wei disse, pensando se tudo isso era relacionado.

Jiang Cheng mordeu o lábio inferior, lembrando-se de todas as vezes em que aceitou ser arrastado para o ninho de Wei Ying para relaxar e fingir que só permitia ao ômega mais velho penteá-lo e perfumá-lo porque era o que Wei queria e não ele. Com hesitação, se afastou da porta, entrando e ouvindo como o outro tirava as botas e a túnica exterior, antes de pisar em seu território.

- Nossa, isso é lindo. - Wei Wuxian disse, olhando em volta, a cama com o ninho de Jiang Cheng estava coberta com almofadas macias onde podia ver o roxo e negro preferidos pelo ômega. Os cobertores e lençóis eram uma mistura de tons escuros. - Isso é uma das minhas mantas?

Jiang Cheng estava corado ao dizer:

- Você vive roubando minhas roupas descaradamente!

Wei Ying riu, deliciado.

- Isso é maravilhoso, o meu ninho é...

- Bagunçado, caótico e desorganizado. - Jiang Cheng disse, maliciosamente.

- Eu ia dizer que mais livre. - Wei disse, sorrindo. - Posso pentear seus cabelos? Não os secou adequadamente.

Jiang Cheng corou ao notar que recebeu seu ômega primário totalmente desalinhado, seus cabelos geralmente estavam trançados e presos de forma severa, ao deixá-los soltos sempre se sentia muito vulnerável.

- Eu... sim. - Ele disse, era Wei Ying, ele era o único que tocava seus cabelos assim desde que Yanli os deixou ali após o casamento deles.

Wei viu como Jiang Cheng pegava um pente de jade muito caro, presente de Lan Xichen e ia até a cama, onde se sentou no meio, fazendo um gesto para o outro ômega entrar. Wei se apressou a ir até ali, pegando um pote de óleo no caminho, ele se sentou com as pernas afastadas e puxou seu precioso shidi para se encaixar entre suas coxas antes de espalhar o óleo cheirando a flores de lótus nas mãos para espalhar pelas mechas negras do cabelo de Jiang Cheng.

Wei não disse nada enquanto deixava seus dedos desembaraçarem os nós que tinham se formado, ele pegou o pente e começou a passar por todo o cabelo, sorriu quando Jiang Cheng soltou um suspiro de prazer quando com os cabelos desenredados e macios, os dedos de Wei foram para seu couro cabeludo, massageando com cuidado e lentidão. O ômega mais jovem parecia tão cansado e triste que partiu o coração de Wei.

- Posso continuar a massagem?

- Uhum. - Jiang Cheng permitiu, relaxando, mesmo quando os dedos passaram de sua cabeça para deslizar sob a túnica de dormir que usava, massageando seus ombros.

- A-Cheng, conte-me sobre sua primeira vez com Zewu Jun.

Todo o relaxamento escorreu do corpo do menor, ele estava tenso como uma tábua novamente.

- Isso não é da sua conta! Maldito curioso! - Jiang Cheng gritou, se afastando, ainda que não saísse da cama.

- Eu preciso saber o que houve para te ajudar. - Wei disse, suspirando. - Por favor, eu só quero entender o que houve entre vocês.

Jiang Cheng sentia o rosto em chamas, ele não entedia o motivo de ter que contar coisas tão vergonhosas.

- Por favor, eu prometo que nunca direi nada a ninguém... só preciso saber se quiser ajudar.

- Ele quase nunca me toca, que diferença faz? - Jiang Cheng rosnou.

- Ele acha que não quer que o toque, A-Cheng, ele acha que odeia tanto o toque dele porque chora quando estão juntos. - Wei disse.

Jiang Cheng empalideceu, baixando a cabeça.

- Eu... eu... vou ser mais forte e aguentar, não vou chorar.

- Não! De jeito nenhum! - Wei disse, chocado. - Não é isso! Diabos, Jiang Cheng, o que te faz pensar que precisa aguentar alguma coisa?

Jiang Cheng o olhou com lágrimas de raiva e confusão.

- Como diabos vamos ter um filho se eu não aguentar ele me fodendo?

- Então, realmente não gosta de fazer sexo com ele? - Wei Ying perguntou, um pouco chocado.

- Não devo gostar disso. – Jiang disse.

- Sim, deve! – Wei Ying disse. – A-Cheng, alguém te disse que não deve gostar das atenções do seu marido?

O silêncio de Jiang Cheng era confirmação suficiente.

- Quem me preparou para noite de núpcias e me explicou o que aconteceria foi o tio. - Wei Wuxian disse, culpado. - Madame Yu te disse o que quando te preparou para a sua?

- Que eu deveria ficar quieto e aguentar, que ele iria terminar mais rápido se eu me comportasse como deveria. Que se doesse muito deveria usar cultivação depois para me curar. - Jiang Cheng disse, para o horror de seu shidi.

- Quando éramos mais jovens e tivemos nossos primeiros cios, passamos as primeiras noites juntos até que nos descobriram. - Wei disse, lembrando-se de como Madame Yu arrastou Jiang Cheng para longe dele assim que os viu, furiosa e exalando um cheiro potente de alfa comandante. - O que ela te disse na época?

- Não importa.

- Sim importa. - Wei disse, chateado além do que podia imaginar.

- Ela só me castigou por me comportar como uma prostituta e me ensinou a lidar propriamente com o cio.

- E como foi isso? - Wei perguntou, com medo da resposta.

- Eu só tomei banhos frios e meditei.

Wei gemeu, triste além do que podia mensurar. Tinha imaginado que Madame Yu não queria seu precioso herdeiro com o filho do servo, mas, sempre pensou que ela tinha providenciado outro ômega para acompanhá-lo.

- A-Cheng, se lembra dessas duas noites? De como se sentiu?

- É errado. - Jiang disse, reprimindo os arrepios ao se lembrar dos toques inexperientes e frenéticos que os dois trocaram no ninho de Wei Wuxian quando se apresentaram exatamente ao mesmo tempo.

- Não é, é o jeito certo. – Wei disse, suspirando.

- Ele não gosta do meu corpo, é só isso.

- A-Cheng, você é uma beldade, isso nem é uma possibilidade, só alguém morto não desejaria seu corpo. – Wei Ying disse, descaradamente, erguendo o queixo do ômega mais jovem. – Agora, vai me deixar te ensinar como se agradar e agradar seu alfa? Garanto que só vai chorar de prazer e não de dor, vou te mostrar todos os usos que pode dar para aquele pedaço provavelmente enorme de pau alfa que meu querido cunhado certamente tem.

- Cale-se, seu sem vergonha! – Jiang Cheng exclamou, entre horrorizado e fascinado.

- Oh, mas, eu gosto de falar, é assim que consigo o que quero de Lan Zhan, dizendo toda coisinha pervertida que quero que ele me faça.

            Jiang Cheng não recuou quando Wei Wuxian o puxou para seus braços.

- Vamos lá, shidi, deixe-me mostrar como transar com seu alfa.


Notas Finais


Por agora é isso, nos lemos logo na segunda parte.

Um cheiro, povo bonito!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...