1. Spirit Fanfics >
  2. Os Outros Sentidos >
  3. Oshie.

História Os Outros Sentidos - Capítulo 5


Escrita por: DarorowOhBartosz e impilusa

Notas do Autor


Olá, Olá! ^^

Estão curiosos para saber o que ira acontecer nessa sessão de autógrafos? hihi.

Capítulo 5 - Oshie.


 

 

SeHun sentia falta de BaekHyun mais do que jamais sentira falta de alguém. Foi várias vezes à orquestra e aquele parque onde se conheceram pela primeira vez. Ele até foi aos lugares onde eles namoraram, mas não conseguiu encontrá-lo. A oportunidade de cancelar a assinatura escandalosa poderia ter se apresentado se ele o tivesse encontrado novamente, mas não aconteceu, então o plano continuou.

BaekHyun havia desaparecido da face da terra, ou assim parecia.

Não foi tão terrível, ele disse a si mesmo, afinal. Teve a grande ilusão de poder reencontrá-lo no dia 24, já que não poderia encontra-lo antes, por isso comprou-lhe um presente de Natal, pois esse dia seria a véspera desse feriado. SeHun estava animado, quando tocou na caixinha e sentiu a textura sob a ponta dos dedos, foi o suficiente para dizer a si mesmo que tudo o que estava fazendo valia a pena. Ouvi-lo rir, chorar, ficar desapontado com sua verdadeira identidade ou talvez ele mesmo se contentar com isso. Mesmo assim, isso simplesmente se tornou parte de sua vida e bagunçou cada um de seus esquemas como ele fez desde a primeira vez que se conheceram.

Em 24 de dezembro, ele acordou tão mal quanto há meses. Desta vez, ele estava completamente descoberto e seu corpo inteiro espalhado na cama. Seu café da manhã queimou e quase colocou fogo em sua casa, assim como quando o café derramou em seu computador. Mas nada o derrubaria, porque aquele era o dia em que tudo mudaria.

Talvez ele estivesse exagerando um pouco, porque talvez houvesse outras oportunidades de encontrar BaekHyun novamente, mas aquele vazio que ele sentia quando não estava com ele o distraia de suas rotinas, de suas fórmulas mentais, e ele precisava dele para lhe dar um pouco de estabilidade, ou não, ele não se importava mais. Apenas senti-lo em seus braços seria ótimo, não importava se todos os seus esquemas fossem apagados e ele tivesse que começar do zero ao seu lado.

SeHun chegou ao local com antecedência, para começar a preparar tudo. Colocaram à disposição uma grande mesa no fundo da sala, a qual cobriram com uma toalha e anexaram alguns anúncios e uma foto de seu livro, ou pelo menos é assim que o proprietário explicou. Eles viriam até de um programa de televisão para filmar a grande revelação do escritor que durante anos permanecera anônimo e revelaria seu rosto e nome.

 

“Não fique nervoso.” SeHun ouviu Jongin dizer ao lado dele, sentado no sofá da sala dos funcionários. “Já tem gente suficiente lá dentro. Eles estão se alinhando.”

 

Isso fez SeHun estremecer. Ele estava muito nervoso.

 

"Você sabe que a única razão de eu fazer isso é por um nome e sobrenome, certo?" Ele murmurou, esfregando as palmas das mãos nas coxas para aquecê-las.

“Eu sei.”

 

A porta se abriu e passos entraram na sala. Jongin deu um suspiro quase inaudível e SeHun riu de sua reação. Será que seu amigo acabou de experimentar o que se chama de amor à primeira vista?
 

"Está na hora, SeHun." KyungSoo disse em sua voz profunda, deixando o lugar novamente com uma batida da porta.

 

O silêncio deu a SeHun a compreensão de que o cérebro de seu amigo ainda estava processando a informação.

 

"Como você nunca o apresentou para mim? Este é o seu representante?” Jongin perguntou depois de alguns segundos.

"Eu não vi a necessidade." SeHun murmurou, tentando suprimir um sorriso. “É melhor você não tentar conquistá-lo.”

"Oh, você não viu o olhar que ele me deu. É tudo meu.”

"Jongin ..." SeHun disse com um pequeno tom de aviso.

"Vamos, é hora de você se mostrar para o mundo!" Jongin disse mudando de assunto. Ele colocou a mão no ombro do mais alto com confiança. “Relaxe e seja você mesmo. Eu confio em você, Oh SeHun, e não tenho dúvidas de que estarei lá para apoiá-lo.”

“Obrigado.”
 

A mão em seu ombro apertou um pouco mais, e SeHun estava realmente grato na época por ter Jongin apoiando-o incondicionalmente. Ele estava sempre lá para ele nos momentos mais difíceis e ele conhecia suas preocupações como a palma da sua mão.
 

“Não precisa agradecer. Você é meu irmão de toda a vida, se alguém o insultar, não duvide que vou pular para a jugular dele.”

 

SeHun riu do exagero do amigo, mas assentiu, acreditando completamente em suas palavras.

 

“Está bem. Mas o fato de você me apoiar nisso não significa que vou lhe dar o número do meu representante.”

 

Jongin bufou.

 

"Levante-se."
 

O escritor levantou-se com excessiva energia, ainda divertido com a reação do homem. Com a ajuda de seu melhor amigo, ele caminhou até a portinha que ficava logo atrás da mesa onde ele iria assinar.

A ansiedade o consumia. Ele praticou uma assinatura boba o dia todo para assinar as cópias, porque mesmo que fosse para encontrar BaekHyun, ele sabia que tinha fãs e realmente não queria desapontá-los. Seu coração não parava de bater com pressa desde o momento em que ele acordou.

Com uma respiração final, ele ajeitou a camisa do terno e o cabelo ligeiramente para trás.
 

"Você está muito bonito, SeHun. Eu vou abrir a porta. Pronto?”

“Sim.” Ele agarrou o antebraço do amigo com força.

 

O silêncio reinou no café-bar. Houve algumas exclamações e ele prendeu a respiração. Toda a atmosfera cheirava a perfumes, tanto femininos quanto masculinos. Um leve aroma de café podia ser percebido embaixo dele, mas apenas aqueles com um nariz refinado podiam senti-lo.

Jongin o ajudou a se sentar na cadeira de frente para o público, ele ouviu o barulho das câmeras tirando fotos, e seu coração parecia bater tão rápido que era praticamente ilegal.

 

"Bem..." Ele limpou a garganta e enxugou o suor das mãos nas coxas. “Acho que vou me apresentar.”

 

Ele gentilmente tirou os óculos, como se esperasse alguma reação negativa das pessoas. Ninguém disse nada e SeHun interpretou isso como um sinal para continuar.
 

"Meu nome é Oh SeHun, tenho vinte e oito anos. Desde o dia em que nasci, a cegueira completa me acompanha. Talvez por isso mesmo, evitando preconceitos, me tornei um autor sob o pseudônimo de Oshie.”
 

Alguns murmúrios encheram o ar durante a breve pausa que ele fez, mas imediatamente ficou em silêncio novamente.

 

"Espero não ter desapontado e que vocês estejam aqui para discutir intelectualmente meu último livro, ou talvez algum outro." Ele suspirou, sentindo o rosto aquecer e muitos olhares para ele. “Até rabisquei para assinar suas cópias.”

 

Houve silêncio por apenas alguns segundos, mas imediatamente depois, o público irrompeu em aplausos e ele não pôde deixar de suspirar em alívio.

A assinatura durou mais horas do que o esperado, mas ele se divertiu tanto que nem ligou. Conversar com seus leitores sobre suas obras foi muito gratificante para ele, nenhum deles se importou que fosse na véspera do Natal. Recebeu abraços, elogios, presentes e flertes de algumas mulheres e até homens, e muitas pessoas tiraram fotos com ele. Já fazia muito tempo que não se sentia tão satisfeito com o que havia conquistado e prometia a si mesmo e a outros leitores, fazer mais assinaturas no futuro, talvez até em outras cidades.

No entanto, BaekHyun não saiu de sua mente. Ele até esperou uma hora por ele naquele bar após o término da assinatura, acreditando que o jovem poderia estar atrasado. Ele silenciosamente observou a conversa de flerte entre KyungSoo e Jongin, bebeu um café e também ouviu a música de um rádio enquanto o proprietário desmontava e limpava o local.

Por que ele esperou por BaekHyun todo esse tempo? Porque tinha certeza de que seus ouvidos alcançaram a sessão de autógrafos que seu escritor favorito faria no mesmo bar onde ele havia aparecido pela última vez. Ele tinha certeza de que BaekHyun já sabia que ele era Oshie, então por que ele não veio? Ele até sentiu os olhares furtivos de seus dois amigos sobre sua figura, e ele estava com muito medo de não vê-lo novamente.
 

"Não desanime." Disse Jongin antes de ajudá-lo a entrar no táxi. “ Talvez eles não devessem se encontrar aqui. BaekHyun pode ter ido visitar sua família. Não se esqueça que hoje é véspera de Natal.”

"Eu sei." Respondeu ele com uma pitada de angústia em sua voz. “Mas dei a ele todos os sinais, até mandei uma mensagem no dia em que meu celular quebrou, dizendo que meu novo livro seria publicado em uma determinada data. E ele não veio.”

"Talvez algo tenha acontecido com ele, então ele não pode chegar lá, SeHun. Nem todas as pessoas têm suas vidas disponíveis para satisfazer os desejos dos outros.”

 

E SeHun acreditou, embora isso não o impedisse de ficar deprimido.

O taxista perguntou o endereço e ele ditou sem hesitar, não iria se encontrar com sua família neste Natal e, como não tinha o que fazer, iria para sua querida orquestra, algo que ele realmente amava e era totalmente apaixonado. Ele tentou não mostrar a cara feia quando comprou a passagem do homem que já conhecia na bilheteria.

 

"SeHun, que bom ver você!" Yixing, o recepcionista, disse a ele enquanto o ajudava a subir as escadas para o teatro. “Não esperava que aparecesse por aqui no Natal.”

"Foi um pouco repentino."

"De qualquer maneira, ainda é recompensador. Aqui, espero que você aproveite a noite.” Ele guiou a mão de SeHun para um dos assentos para mostrar a ele o caminho que ele já conhecia. “Feliz Natal.”

“Igualmente.”
 

Ele se sentou como de costume no penúltimo assento da última fileira enquanto as memórias começaram a vir à tona. Ele sorriu dolorosamente ao se lembrar da vez em que ele e BaekHyun se conheceram lá depois de tantos meses.

A peça começou e ele estava muito distraído, triste e retraído em seus pensamentos. Ele passou mais de uma hora e um quarto do show e durante todo esse tempo não conseguiu se concentrar em uma única peça, nem seguir a melodia de nenhum instrumento.

O que foi esse aperto no peito?

Ele concluiu que amava BaekHyun. Ele amava sua voz, a suavidade de sua pele sob seu toque, sua personalidade, a maneira como ele ia direto ao ponto e a maneira como seus lábios se encaixavam perfeitamente. Cada vez que se encontravam, ele acabava desejando mais, saboreando-o completamente, ouvindo suas risadas e talvez até mesmo seu canto.

 

" O que você acha sobre amar uma pessoa, SeHunnie?” Baekhyun perguntou baixinho em uma de suas caminhadas casuais pelo parque.

 

Seu coração bateu mais rápido com o apelido e ele se agarrou talvez um pouco mais forte ao antebraço do homem.
 

"Acho que é isso que me mantém vivo ultimamente." SeHun respondeu honestamente.

"Você já amou alguém?"

“Sim. Faz muito tempo. Mas não me lembro mais do formato de seu rosto sob meu toque, então suponho que esteja no passado. E você?”

"Foi há muito tempo também. Você se lembra da primeira vez que nos encontramos neste parque?” SeHun acenou com a cabeça. “Bem, eu ia conhecer meu parceiro. No entanto, esse foi o dia em que ele terminou comigo.”

“Sinto muito.’

"Não se desculpe, SeHun." BaekHyun pegou sua mão com cuidado, enredando os dedos. “Durante esses meses sem nos vermos, a tua imagem não parava de me acompanhar, embora eu me sentisse muito deprimido para te procurar. Foi muito bom ver você naquele dia na orquestra, ouvindo a música com tanta calma.”

"Eu não pensei que você se lembraria de mim." SeHun confessou honestamente, acariciando a pele lisa de BaekHyun com o polegar.

"Como posso esquecer alguém como você?"


 

SeHun estava tão absorto em seus pensamentos que não prestou muita atenção ao que estava ao seu redor. Ele voltou à realidade quando alguém se sentou em total familiaridade em seu colo. Um perfume de rosas e baunilha inundou completamente seus sentidos e ele sorriu, talvez por inércia, ou porque estava apaixonado.
 

"Quanto trabalho está tendo?"

 

BaekHyun se virou e colocou os braços em volta dele, gentilmente abraçando seu pescoço. SeHun simplesmente levantou o rosto e sorriu, sentindo um floco de neve cair em seu nariz, que provavelmente caiu do cabelo de seu amante.

 

“Não sei. Eu estava pensando em você!” Admitiu, mas riu nervosamente, mas ao mesmo tempo aliviado.
 

Os lábios de BaekHyun descansaram no floco que caiu em seu nariz, deixando um doce beijo de borboleta.
 

"Inferno, SeHun. Não consigo te encontrar por duas semanas! ” Ele murmurou, abraçando-o com força. SeHun circulou sua cintura para puxá-lo para mais perto, ansiando por mais contato. “Eu estava em Busan quando descobri que meu autor favorito estava prestes a fazer uma sessão de autógrafos no mesmo bar em que cantei pela última vez. Acho que foi quando tudo se fechou na minha cabeça. Você sabia que eu era BBH, certo?”
 

SeHun acenou com a cabeça, sentindo como tudo voltou ao normal e aquela negatividade deixou seus pensamentos como um rio que fluía novamente na direção do mar, longe dele. Retornando a uma rotina maluca desgastada por uma única pessoa que o fez acordar do lado errado da cama e que não se importou em nada se o motivo era BaekHyun e sua presença essencial em sua vida.

 

"Eu descobri naquele parque no dia em que nos conhecemos."

"Então você guardou o segredo muito bem." BaekHyun acusou com diversão em sua voz. SeHun assentiu com um pequeno sorriso nos lábios. “Então, cada um suspeitou da identidade do outro.”

"Suponho que também goste de mistérios." SeHun respondeu dando de ombros. “Ah, e não pude me comunicar com você durante essas semanas porque meu celular foi destruído. Você não tem ideia de como fiquei ansioso durante esses dias para contatá-lo novamente.”

 

BaekHyun enterrou o rosto no pescoço de SeHun, segurando com força. Este último não pôde fazer nada além de sorrir e se embriagar com o perfume das rosas e baunilha que tanto amava. Ele finalmente conseguiu relaxar, porque agora eles estavam juntos. SeHun acariciou as costas de BaekHyun com muita delicadeza, ele realmente sentia sua falta.

 

"Eu estava atrasado porque tinha que voltar de Busan. Quando cheguei ao local, eles já estavam fechados.”

"Você realmente voltou para mim?"
 

BaekHyun acenou com a cabeça contra seu peito e algo disse a ele que não era o único dos dois que queria o outro desesperadamente.

 

“ Sim. Vi um anúncio na internet no último minuto. No instante em que descobri que você estava assinando, eu sabia que era você, e também que você estava fazendo isso por mim. Eu senti isso bem dentro de mim e não pude evitar de voltar para ver você, SeHun.” BaekHyun explicou , acariciando seu cabelo com amor, e o mais alto praticamente derreteu com suas palavras. “Mas eu estava atrasado...”

"Então, como você me encontrou?"

"Eu conheci um amigo seu... ele disse que seu nome era Jongin. Ele explicou que você saiu desapontado há um tempo, e outro homem que... Não me lembro o nome. Ele me desafiou por ter feito você revelar sua identidade, disse que foi minha culpa.” SeHun imaginou a situação e não pôde deixar de rir. “No final, Jongin sugeriu que eu viesse aqui, sabendo que você certamente estaria na orquestra.”

"Acho que devo minha vida a Jongin."

 

No final, um havia voltado no meio da véspera de Natal do outro lado do país, e o outro revelou sua identidade para o mundo, com o simples objetivo de se encontrarem. Mas o que importava se eles tivessem tomado medidas desesperadas para se encontrarem novamente? Era assim que o amor os fazia agir e nenhum dos dois jamais reclamaria disso, porque valia a pena fazer pelo outro.

 

"Acho que nós dois devemos isso a ele." BaekHyun sussurrou.
 

Um silêncio agradável se formou entre eles, no qual apenas a orquestra de fundo podia ser ouvida tocando uma bela melodia, quando seus lábios se encontraram pela primeira vez nas duas semanas mais longas de suas vidas.


Notas Finais


Ahhhhhh, deu tudo certo no final!

Lembrando que só tem mais dois capítulos!! ;---;

Até. ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...