1. Spirit Fanfics >
  2. Os pecados que cometemos (imagine jungkook) >
  3. Chapter two : a vangloria que Henry insistía em demonstrar

História Os pecados que cometemos (imagine jungkook) - Capítulo 2


Escrita por: Annacampos346

Capítulo 2 - Chapter two : a vangloria que Henry insistía em demonstrar


Fanfic / Fanfiction Os pecados que cometemos (imagine jungkook) - Capítulo 2 - Chapter two : a vangloria que Henry insistía em demonstrar


                        |P.O.V Hannah|



Meus olhos estavam fixos no vidro  escuro do carro blindado, que andava pelo centro da cidade deixando-me encantada. Depois que entrei na boate eu não tinha mais direito de ver o sol ou passear pela rua, o máximo que tinha de liberdade era tomar banho sozinha(Quando podia).

— Gosta do que vê? — Ouço voz de Henry chamando minha atenção

— Eu nunca havia visto o centro da cidade. — Comentei voltando minha atenção para a rua

Henry abriu as janelas do carro fazendo-me sentir o vento forte bater em meu rosto. Em um movimento involuntário, meus lábios abriram um sorriso. Eu me sentia livre  como nunca havia sido antes.

Ao chagarmos no local desejado, os portões da mansão se abrem automaticamente deixando o carro passar.

— Vamos, eu irei lhe apresentar todo mundo. — henry saiu do carro  e eu logo em seguida

Todos os funcionários da mansão estavam enfileirados há espera de um pronunciamento de Henry

— Essa é a hannah e ela irá morar que temporariamente e eu espero que todos a recebam bem. — Avisou o senhor Lee fazendo-me assustar com o “ temporariamente”

— Seja bem vinda. — Disse uma senhora se aproximando de mim

— Essa é mii-hee, ela é a governanta da casa e irá te apresentar todos os cômodos. — Avisou Henry

Mii-hee era baixa, aparentava ter uns 35 anos, em seu rosto haviam algumas rugas e seu cabelo era preto com alguns fios brancos que se ressaltavam.

— Venha querida, eu irei te mostrar a casa. — Avisou pegando em minha mão




[...]




— hannah, nos temos um assunto sério para tratar. — Henry fechou a porta do escritório deixando tudo mais mistério

— Sobre o que se trata? — Perguntei me sentando em sua frente

— Eu não tenho costume de ir há leilões daquele tipo e nem mesmo aquela boate. — Confessou sentando- se na cadeira acolchoada.

— Então o que estava fazendo lá e por qual motivo o senhor me comprou? — Questionei sem nem mesmo tentar esconder minha curiosidade

— Eu tentarei ser breve. — Disse deixando-me mais curiosa ainda — Eu tenho um primogênito, um pouco mais velho que você, ele faz faculdade e vive com a mãe não muito longe daqui. — Disse se levantando

— Você é divorciado? — Perguntei enquanto o mais velho pegavam copo de vidro

— Sim, nós separamos faz apenas 5 meses.  — Henry pegou uma garrafa de whisky e despejou em seu copo com três cubos de gelo — Como você já percebeu, eu tenho um grande patrimônio e pretendo me aposentar em breve. — Comentou fazendo-me arregalar os olhos

— Mas o senhor ainda está jovem. — Comentei vendo o mesmo sorrir

— Depois de me aposentar, pretendo deixar meu filho cuidando de meus negócios. — continuo — Eu não posso deixar ninguém além do meu filho na presidência, eu dei muito duro para juntar toda a fortuna que tenho hoje e não confiarei em qualquer um. —  Henry levou o copo a boca engolindo o whisky em um gole só

Henry se vangloriava a todo momento do dinheiro e da grande fortuna que tinha, deixando bem claro o qual  importante era o dinheiro para ele

— Eu ainda não entendo senhor, para que precisa de mim? — Questionei ainda sem intender

Henry foi até sua mesa e pegou um jornal da gaveta, deixando-lhe em minhas mãos

Olho para a notícia e leio mentalmente, o título da manchete era “ Herdeiro do magnata Henry Lee não se casou até hoje por que é gay.

Logo abaixo do título tendencioso, havia uma foto de dois homens se abraçando carinhosamente

— Sim, mas qual o problema? — Questionei folheando o jornal — O senhor é homo-fóbico? — O mais velho arregalou os olhos

— Não. — Exclamou rápido — Não teria problema nenhum se meu filho realmente fosse gay, a questão é que ele está fazendo isso apenas para me provocar. — explicou exaltado — Esse homem na foto é um dos amigos de infância do meu filho e ele tem namorada. — Fecho o jornal após terminar de ler a notícia por completo

— Eu ainda não estou entendo o que eu tenho que fazer. — Comentei vendo-lhe suspirar

— Quero que se case com meu filho. — Ao ouvir aquilo sinto minha respiração parar

— Como assim? Questionei — Eu nem conheço seu filho, não posso me casar com quem eu não conheço. — Me levantei descontente

— Também não é para tanto, você só precisa se casar por contrato durante um ano, apenas isso. — Disse Henry como se fosse simples

— Eu não posso me casar com alguém por contrato, é antiético e sujo. — Me neguei

— Só serão 12 meses, farei uma conta no banco e irei depositar todos os meses até inspirar o contrato, quando isso acontecer, você estará livre. — Comentou fazendo-me pensar — Não precisa responder hoje, amanhã me de uma resposta. — pediu simples saindo logo em seguida

Sento no sofá bege que havia no escritório com a cabeça a mil, eu meio que não sabia o que fazer. Seria antiético aceitar o pedido do Henry, mas também, seria burrice negar. Com essa dúvida cruel descido listar os pós e os contras de dizer sim ou não.



[9:45 da manhã ]



— Aceita café senhora? — Questionou  uma das empregadas me tirando do meu transe

— Não obrigada. — Agradeci vendo a mesma recuar

— Que bom que acordou. — Ouço a voz de Henry adentrar a sala — Ou melhor, parece que nem dormiu. — Presumiu ao olhar para meu rosto e ver minhas olheiras recentes

— Eu pensei a respeito da sua proposta e já tenho uma resposta. — Dei um gole em meu Suco

— Espero que seja positiva. — Pediu colocando café em sua xícara

— Apesar de achar sua proposta ridícula e antiética, eu aceito. — Comentei — Prefiro ser antiética e ter dinheiro, do quer orgulha e pobre. — Henry sorriu

— Espero que isso seja o começo de uma grande amizade. — pediu — Amanhã irei prepara o contrato, mas de ante mão irei lhe relatar uma regra que você terá que seguir caso contrário o contrato será quebrado imediatamente. — Garantiu

— Qual é a regra? — perguntei sem conter minha curiosidade

— Você não poderá se envolver emocional com meu filho. — Disse em alto e bom som, deixando me sem palavras 


Notas Finais


Espero que tenham gostado ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...