História Os Segredos de Peter Maximoff - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias X-Men
Personagens Dr. Henry "Hank" McCoy (Fera), Erik Lehnsherr (Magneto), Jean Grey (Garota Marvel / Fênix), Ororo Monroe (Tempestade), Pietro Maximoff (Mercúrio), Professor Charles Xavier, Raven Darkhölme (Mística), Scott Summers (Ciclope)
Tags Erik Lehnsherr, Magneto, Mercurio, Peter Maximoff, Relação Pai-filho
Visualizações 83
Palavras 1.048
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Ação, Comédia, Ficção Adolescente, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, pessoas! Como vão?

Aviso: A minha conta no Spirit está maluca. Não está enviando mensagens nem capítulos novos na maioria das vezes. Essa é a décima tentativa minha de enviar este capítulo kkk. Então se segunda não tiver um capítulo novo será por este motivo.

Agradeço a todos que acompanham e, especialmente, os que comentaram o capítulo anterior:
ForeverNejiTen, Rose900, ariM e Nerd-19.

tenham todos uma ótima leitura ^^

Capítulo 17 - Gêmeos Maximoff


Fanfic / Fanfiction Os Segredos de Peter Maximoff - Capítulo 17 - Gêmeos Maximoff

-Ainda dá tempo de fugir -disse Peter a Erik, que observava os degraus da escada, onde há pouco tempo, Magda subira.- Você viu? Ela é doida. É minha mãe, mas é doida!

-Já a vi em seu pior, até que ela não está tão maluca como eu a conheci no passado.

-E ela ainda consegue ficar pior? Vou dá o fora daqui porque quando ela descobrir o motivo da sua visita, vai sobrar até pro meu lado -Peter falou se levantando.

-Não, não, não -Erik disse ficando de frente para o garoto.- Você fica.

-Muito bonito. Quer morrer e me levar junto?

-Ela é sua mãe, não vai matar você!

-Mas é por esse motivo mesmo que ela acha que pode. Ela sempre diz que se foi ela que me colocou no mundo, é ela que tem o direito de me tirar dele.

-Estou pronta, o que deseja? -disse Magda descendo as escadas com uma blusa, agora limpa.

-Conversar -respondeu Erik.

-Conversar sobre o quê? O que foi que ele aprontou agora? -indagou olhando para Peter.- Soube que agora você é professor da escola. Azar o seu de ensinar logo esse garoto.

-Nem falei e já tô sendo culpado.

-Você é culpado desde o dia que nasceu, meu filho.

-Eu vou direto ao ponto -disse Erik.- Você estava grávida quando fui embora? -indagou curto e grosso fazendo o silêncio permanecer na sala.

-Quem te disse isso? -Magda perguntou depois de alguns minutos calada.

-Vi sua filha. Ela é a cópia fiel da minha mãe. E as contas batem com a idade dela. Quando você engravidou dela, nós ainda estávamos juntos. E como ela e Peter são gêmeos, ele por consequência também é meu....

-Não fala -pediu Peter.- Toda vez que você me chama assim eu me sinto estranho.

-E então? -disse Erik.- O que me diz?

-É verdade -Magda declarou.

-Simples assim? Você me esconde duas crianças e acha que vai ficar por isso mesmo?

-O que você queria, Erik? Você foi embora! Eu era só uma menina. Fiquei arrasada com a sua partida e ainda mais devastada quando soube que estava grávida, ainda por cima de gêmeos! Mas eu consegui criá-los sem a sua ajuda. Quando ouvi falar de você novamente as crianças já eram crescidas e eu não tinha a menor intenção de levar meus filhos para uma cadeia de segurança máxima para que eles pudessem conhecer o pai.

-Entendo, mas você me viu aquele dia na delegacia. Por que não me chamou para conversarmos?

-Queria o quê? “Oi, como vai, se lembra de mim? Quando você foi embora eu estava grávida, Parabéns, você é pai de gêmeos!”

-Poderia ter falado de outra maneira.

-Não tem uma maneira certa para falar desse assunto. E, além do mais, não queria uma pessoa como você perto dos meus filhos.

-Concordo –disse Peter.

-Cala a boca –Erik falou.

-Não mande meu filho calar a boca!

-É isso aí! Mostra quem é que manda, mãe!

-Cala a boca, garoto –disse Magda.

-Enfim –começou Erik-, nós temos que conversar.

-Por que você não apenas esquece essa descoberta?

-Ficou louca? Não posso ignorar a presença de dois filhos! Ainda mais porque eu e Peter já nos tornamos amigos.

-Nada disso –disse Peter enquanto comia pipoca.

-Você concordou no carro agora há pouco que éramos amigos.

-Não falei nada e se disse foi pra você parar de falar no meu ouvido.

-Peter, vá para o seu quarto –ordenou Magda.

-Eu não.

-Não estou pedindo. Vá agora!

-Agora vocês dois resolveram mandar na minha vida. Isso é ótimo –Peter falou emburrado no sofá.

-Olha como fala comigo –disse Magda.

-Até agora só aprendi a falar pela boca.

-Você me respeita que ainda sou sua mãe! Deixa de ser mau criado! Troquei suas fraldas, alimentei, eduquei.... Não mereço ouvi esse tipo de desaforo!

-Não fez mais do que a sua obrigação. Se colocou no mundo, o mínimo que poderia ter feito era cuidar!

-Tá vendo como seu filho é desaforado? –Magda disse encarando Erik.

-Agora ele é meu filho?

-Vá agora para o seu quarto, Peter! –ordenou Magda.

-Tanto faz –resmungou Peter se levantando e caminhando na direção do porão.

-Não me dê as costas! –Magda gritou.

-Você é louca? Só estou obedecendo você!

-Você é que me deixa louca garoto!

-Vá de uma vez, Peter –disse Erik.

-Já fui –o garoto disse desaparecendo em um segundo.

-Sinto que esse garoto ta aprontando alguma coisa –Erik falou olhando para o local em que Peter se encontrava há pouco tempo.

-Ele pode até omitir, mas meu filho não mente!

-Engraçado, o meu mente.

-Oi, cheguei –anunciou uma voz vindo da porta.

-Oi, querida –Magda disse ao avistar Wanda entrando.

-Oi –Erik disse encarando a garota.

-Oi –ela respondeu desconfiada.- O que esse homem está fazendo aqui, mãe?

-Ele só veio acompanhar o seu irmão e falar a respeito da escola comigo.

-Uhm.....

-Nós vamos voltar para a escola daqui há pouco –disse Erik-, se quiser pode vir conosco.

-Acho que não.

-Por que não?

-Da última vez você ficou me encarando muito estranhamente.

-Foi só impressão sua.

-Não foi mesmo. Sou uma garota, já aprendi que alguns homens não têm vergonha suficiente na cara e ficam olhando.

-“Olhando”? Mas eu não olhei dessa maneira. Só achei você parecida com uma pessoa. Apenas me impressionei, desculpe se constrangi você.

-Se é assim, tudo bem, então. Com quem eu pareço?

-Minha mãe.

-Um sonho de qualquer adolescente ouvir que parece com a mãe de um coroa.

-Não foi isso que quis dizer....

-Tanto faz. Mãe, meu namorado pode vir dormir aqui hoje?

-Não! –disseram Erik e Magda ao mesmo tempo.

-E quem é você mesmo pra opinar na minha vida? –Wanda indagou cruzando os braços.

-Só não acho uma boa idéia um garoto dormir no mesmo quarto que você.

-Você não tem que achar nada. E, além do mais, eu e Peter já dividimos o quarto e até onde sei, ele é um garoto.

-É diferente, Peter é seu irmão!

-Estou mesmo discutindo minha vida com esse maluco? –indagou Wanda.- Essa noite resolveu ser a noite da loucura, por acaso? Um mutante assassino aparece na minha sala querendo mandar em mim. Mais estranho impossível de ficar!

-Sou seu pai –Erik disse.

- Eu vou retificar –Wanda disse surpresa.

 

 

 


Notas Finais


Obrigada por ler até aqui!
Deixe sua opinião se possível que logo responderei!
Abraços ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...