História Os Segredos de Woodbeard - Capítulo 5


Escrita por: , Jessica_Alves0 e natsb4

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Blog, Blogueiro, Colegial, Colégio, Comedia, Comedia Romantica, Drama, Escola, Europa, Gossip Boy, Gossip Girl, Romance, School, School 2015, School 2017, Yaoi, Yuri
Visualizações 30
Palavras 2.350
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Bem-vindos a mais um capítulo. Espero que gostem e boa leitura!
Personagens estarão nas notas finais.

Capítulo 5 - Reputação ou sentimentos?


Anne Woodbeard Point of View

Ouvi alguns rumores pelo corredor, então me aproximo de duas garotas que conversam. Logo percebo que são Victoria e Alice. Elas me olham um pouco surpresas pela minha presença. Sem enrolar muito, já que não tinha tempo, vou logo dizendo:

— Que história é essa de um blog circulando pela Woodbeard?

Cruzo os braços e começo a bater o salto sem parar, demonstrando impaciência. Elas se entreolham decidindo por fim quem iria falar.

A garota ruiva tomou iniciativa:

— No verão, foi criado um blog cujo o dono é anônimo. Lá ele posta o que ocorre de desagradável na escola.

Dou uma última olhada para as duas garotas, dando as costas imediatamente. Vou em direção a minha sala, procurar esse blog.

[...] 

Olho para o relógio e percebo que está na hora de ir embora. Normalmente vou embora somente quando os alunos estão saindo, mas hoje será diferente. Esperaria Marjorie em casa.

Caminho em direção ao estacionamento e sem perceber, acabo esbarrando em alguém. Olho para a figura a minha frente e vejo que não é apenas uma, são três: Meredith, Yumi e Katherine.

Sem dizer nada, dou umas batidinhas em meu blazer preto e continuo andando.

 Marjorie Woodbeard Point of View 

Chego em casa e já é um pouco tarde. Depois do treino das líderes de torcida, as meninas e eu fomos até o Nando's, uma lanchonete onde a maioria dos alunos de Woodbeard se juntam em horas vagas.

A casa está toda escura então ligo o abajur e levo um susto: minha mãe está sentada na sua poltrona de coro com uma taça de vinho na mão.

— Mãe, você me assustou!

Sem dizer nada, ela levanta deixando a taça de vinho em cima da mesinha de verniz. Ela caminha até a lareira e de costas diz:

— Estava mesmo te esperando. Suponho que você já saiba sobre o blog.

Congelo na hora, pois já sei onde ela quer chegar. Penso em algo rapidamente para sair do meio daquela conversa.

— Mãe, estou um pouco cansada, vou subir e tomar um banho. No jantar conversamos. — Digo.

Quando vou em direção as escadas, ela joga a taça na parede, me fazendo recuar. E aos gritos, ela começa:

— Onde você estava com a cabeça, Marjorie? A família Woodbeard tem uma reputação a zelar! É melhor você procurar alguém que honre o nosso nome ou te mando para um internato, onde você vai fazer companhia para sua tia!

— Mas mãe! Eu já conversei com papai. Ele disse que não importa as escolhas que eu fizer, desde que eu seja feliz! — Argumento.

Eu sei que não devo colocar meu pai no meio disso, nesta casa está claro que é Anne Woodbeard que dita as regras. Ela continua, sem baixar o tom de voz:

— Seu pai sempre baixa a guarda quando se trata de você, mocinha. A sua sorte é que você tem a mim. Este será o único aviso. Fique longe daquela garota ou eu expulso ela daquele colégio e lembre-se: para um Woodbeard não existem fronteiras que o faça parar!

Seguro as lágrimas enquanto a encaro, oque eu faria? Como iria provar para ela que sou forte o suficiente? Não importa, eu vou provar para minha mãe que mereço ser chamada de "Marjorie Woodbeard".

Subo para o quarto correndo, não tenho a mínima ideia de como iniciar essa conversa com Elizabeth. Pego o celular abrindo o chat. Meus dedos dançam sobre o teclado, penso em como acabar com tudo sem machuca-la. Eu não podia dizer a verdade, mas também não queria mentir.

Desligo o celular jogando o mesmo no chão. Vou até a frente da minha penteadeira ensaiando oque iria dizer no dia seguinte, as lágrimas finalmente parecem enquanto encaro o meu reflexo. Em segundos o meu rosto está vermelho e o rímel borrado. Sento no chão abraçando meus joelhos dizendo em meio aos suspiros:

— Por que tem que ser tão difícil? Eu não acredito que deixei tudo chegar a esse ponto. Eu não posso estragar a sua vida, Elizabeth, me perdoe.

Tudo vai se apagando, o cansaço me vence.

[No dia seguinte] 

Jae Kim Point of View

Finalmente o almoço! Não aguentava mais as aulas do professor de matemática e estou morrendo de fome. Vou até a fila que já estava imensa e esperei até chegar a minha vez. Assim, olhei por alguns segundos para o cardápio, enquanto tentava pensar no que comeria hoje.

— Um Jjajjangmyun, por favor. — Peço o meu prato favorito e quando percebo quem era a atendente, dou um sorriso meio forçado. — Como estão as coisas ai, Yumi?

— Um lixo, como eu. — Ela responde, e logo gritou o meu pedido, de um jeito meio enrolado.

Vou até a máquina de refrigerantes e pego uma coca pequena, voltando para minha mesa e tomando enquanto espero o pedido e mexo no celular. Ah, as visualizações do meu blog aumentam a cada minuto, me fazendo ficar ainda mais ansioso para o post de hoje.

— Então quer dizer que você está solteiro? — Ouço uma voz atrás de mim seguido pelo barulho de uma tigela batendo contra a mesa.

Viro-me e vejo Jackson com um sorriso. Espera ai, ele está me cantando? Olho para o meu pedido e solto uma risada baixa, entendendo tudo. Claro que o Quarterback dos Eagles não iria fazer isso. Falando sério, ele não faria esse tipo de coisa com ninguém, ainda mais que namora com Yumi. Jackson faz o tipo certinho, digamos assim. E eu gosto disso nele.

— Sim. — Respondo-o e ele também ri. No meu país, jjajjangmyun é muito popular entre os solteiros durante o black day, onde nos reuniamos para comer esse delicioso prato e celebrar a triste solteirisse. — Mas eu realmente gosto dessa comida, é a minha preferida.

— Eu também gosto. — Ele comenta. — Qual seu nome?

Como isso era possível? Eu estudo aqui tanto tempo quanto ele. Será que eu sou tão invisível assim? Pensei que meus cabelos em um tom chamativo de vermelho me ajudariam a me destacar. 

— Jaehyun. — Respondo, dando meu nome coreano, já que ele entenderia. Não sou acostumado a aceitar que me chamem pelo meu nome, pois sempre ouço piadinhas ou pronúncias erradas... Jackson não pronunciaria meu nome errado, então é uma exceção.

— Significa virtuoso. — Ele diz, se apoiando na mesa. Ele disse o significado de meu nome e agora estava se apoiando na minha mesa com a cabeça levemente virada e alguns fios negros de seu cabelo caindo na frente de seus olhos. De qualquer forma, ele é hétero, não é? — Meu nome coreano é Yeonjin, mas eu não gosto muito... — Ele sussurra, como se fosse um segredo.

De qualquer forma, era um. E dessa vez, eu não diria no blog. Yeonjin significa bonito. Cara, os pais sabem de tudo mesmo!

 Clair Esme Blanche Point of View

 Entrego o pedido feito para a mesa sete, onde duas garotas, uma loira e uma ruiva, estam.

— Grace, me traga um suco de laranja e compre algo para você. — A ruiva diz para Grace, a loira, que assente e vai fazer o que ela tinha dito. Então o colégio é movido por garotas mimadas e suas assistentes? — Então você é a Clair?

— Sim. — Assenti, ainda em pé e pronta para voltar aos meus afazeres.

— Hey, espere. O que você acha de se sentar conosco na aula de geografia? — Ela pergunta, séria. Que acolhedor!

— Por que não? — Sorrio, voltando aos meus afazeres.

 Nash Kang Russell Point of View

 Esse colégio é incrivelmente avançado. Temos tudo do bom e do melhor. Em minha cabeça, começar a estudar aqui seria horrível, mas eu estava completamente errado. Tenho que agradecer aos meus pais por me colocarem aqui.

Eu estudo no Primeiro Grau, portanto estou indo ao último piso do prédio escolar, onde ficam as salas utilizadas pelo ensino médio e os armários dos estudantes desses graus. Abro meu armário que fica ao lado da sala de geografia e pego meu material para a aula que teremos. Assim que o pego, começo a fazer um desenho aleatório na última folha do caderno.

Desde muito cedo peguei amor pelas Artes. Meu pai é dono de uma das maiores galeria de artes da Austrália e minha mãe é uma grande pintora. Assim, seria um tanto estranho se eu não me apaixonasse pelo desenho e pela pintura, visto que sou cercado de Arte.

Do meu lado, está um grupo de alguns jogadores do time de futebol, com o uniforme escolar e seus casacos dos Eagles, já que os treinos dos times e das líderes de torcida começam depois do lanche da tarde. Eu já memorizei quase todo o cronograma daqui, preciso saber já que vou entrar em algum time. Somos obrigados, então acho que vou entrar no time de natação. Sou meio desajeitado para me tornar um jogador ou algo do tipo.

Meus olhos pousam em uma figura de cabelos compridos e franja perfeitamente arrumada. Aquela garota que eu tinha esbarrado na biblioteca anteriormente. Ah, ela é linda, mesmo com a expressão séria no rosto delicado. Ela abre seu armário pegando o material da aula.

Percebo os olhares dos garotos a ela. Não me surpreendo, eu tinha ouvido falar que ela é muito desejada. Mas aquilo me deixa de certa forma desconfortável — apesar de eu nem ao menos saber o nome dela.

Não é que eu estou apaixonado por ela, mas o jeito que os caras tratam as garotas aqui é completamente ridículo.

— Hey, Russell. — Escuto meu nome e sigo o som da voz de um dos jogadores que me encara com um olhar debochado. — Fique sabendo que a Lin é difícil, hm? E ela nunca vai querer alguém como você. Cara, esquece! — Riu mais uma vez, acompanhado por seus amigos.

Prefiro não responder a esse tipo de provocações. Continuo meu desenho aleatório na última folha do meu caderno. Com intenção de provavelmente provocar, o cara foi até a garota — que agora eu tinha descoberto se chamar Lin — e se encostou no armário, com os braços por volta de seu pescoço.

— O que você quer, idiota? — Ela pergunta, tirando o braço dele de cima dela e fecha o armário com força. Segurei o riso.

— Quanta raiva, princesa. — Ele ri, me fazendo revirar os olhos e acabar amassando a folha.

— Poupe-me, Aaron! — Ela exclama. — Eu não sou nada sua, agora, com licença.

— Com licença nada, princesa. Você sabe que no final será minha. — Ele sorri de lado, com um olhar malicioso.

— Lin. — Um garoto alto a chama, tocando em seu ombro. Ela o olha como se ele fosse sua salvação. — Preciso conversar com você.

— Não me diga que... — Lin para, o encarando. — Vocês dois são impossíveis.

— É isso que você está pensando. — Ele diz e os dois saiem, indo para outro canto do corredor ao encontro de uma garota com cabelos azuis.

Ah, pronto. Ela tem namorado. Talvez seja assim mesmo, certo? Eu nunca teria chances com ela. Balanço levemente a cabeça negativamente, jogando a folha de papel amassada no lixo e seguindo para a sala de geografia.

 Katherine Cooper Point of View

 Estava terminando de pegar meu material para a aula de geografia. Enquanto termino de fechar meu armário, Jackson e Meredith aparecem do meu lado. Viro-me para eles e espero um pronunciamento.

— Yumi parece diferente. — Jackson começa. — Acho que ela está brava comigo.

— Ela provavelmente está. — Digo, debochada. Olho para Meredith e ela provavelmente entendeu que não é bem aquilo. — De qualquer forma você sabe que não estamos tão próximas agora.

— Vocês deveriam se entender com a novata, já que ela é o pivô da briga de vocês.

— Não venha dar palpite, Lee! — Meredith exclama irritada. Por que ela não podia simplesmente se entender com Clair? Dessa vez Jackson tem razão. — Por acaso eu sou obrigada a me dar bem com aquela garota? Vá conversar com Yumi logo, vocês sim devem se entender.

Assim, Meredith entra na sala, se sentando do lado de Yumi. Me sento atrás dela, mais no fundo, evitando olhar para Yumi. Coloco meus cabelos azulados para trás dos ombros.

— Você demorou. Ainda bem que o professor de geografia é legal e não vai te mandar pra diretoria. — Digo, olhando para Clair que tinha chegado. Percebo o olhar de Meredith e Yumi para nós. Não ia deixar de falar com Clair apenas porque elas queriam.

— Espera, eu posso ser mandada para diretoria se não chegar exatamente no horário? — Ela pergunta parecendo surpresa e eu soltei uma risada.

— Exatamente.

Assim que eu disse, Violet e Vivian aparecem do lado de Clair, praticamente a puxando.

— Venha, Clair. Lembra quando disse que ia se sentar conosco? — Pergunta Violet, balançando os cabelos ruivos e dando um sorriso debochado. Elas estavam tramando algo, com certeza.

— Ah, sim. — Clair suspira, olhando para mim, e sem saída, segue as garotas.

O professor havia chegado na sala, um tanto atrasado. O almoço foi a poucos minutos então é compreensível. Sentou-se em sua carteira depois de nos cumprimentar de forma informal como ele sempre faz. Estava pronto para começar sua aula, se não fosse a chegada do capeta, digo... da diretora.

— Boa tarde. — Ela diz, sendo recebida com um "boa tarde" também. Faz sinal para que dois alunos entrem, uma garota baixinha e de belos cabelos cacheados e um garoto que tem cara de certinho extremamente chato. — Esses são seus novos colegas de classe, Dylan Morgan e Maree Kimberly Parker. — Ela diz, os apresentando. Não pude deixar de notar que Dylan é bonitinho. Mas como eu disse, provavelmente mais um garoto certinho. — Senhorita Katherine, você irá mostrar o colégio para os dois. — A diretora manda, com um sorriso irônico no rosto. Então essa é a minha punição?


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...