1. Spirit Fanfics >
  2. Os Últimos Cavaleiros (NAMJIN) Parte2 >
  3. Capítulo doze.

História Os Últimos Cavaleiros (NAMJIN) Parte2 - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Olá anjinhos.

Boa leitura...

Capítulo 13 - Capítulo doze.


Fanfic / Fanfiction Os Últimos Cavaleiros (NAMJIN) Parte2 - Capítulo 13 - Capítulo doze.

Seokjin deslizava para a beira da cama tentando não acordar Namjoon.

- Onde você está indo? 

- Eu tenho que ir ao banheiro. Então estou saindo dessa cama. Se ficar aqui mais tempo ficarei paralisado novamente. - Namjoon riu, segurando seu quadril enquanto ele rolou mais perto dele, seu peito em suas costas. Seokjin fechou os olhos enquanto apreciava a sensação dele em suas costas. A boca de Namjoon se aninhou em seu pescoço, seus dentes passando em sua pele sensível.

- Você está dolorido?

- Qual a parte do meu corpo não está?

- Você precisa de um de seus analgésicos? 

- Não, se eu precisar de alguma coisa eu vou tomar um ibuprofeno. Pelo menos eu não tenho que fazer exercícios esta manhã. Você cuidou disso na noite passada. - gemeu Seokjin.

- Eu estou tentando construir a sua resistência.

Seokjin riu - Você está louco se acha que uma noite como a de ontem pode ser repetida.

- Bem-vindo ao seu novo normal. - Namjoon disse a ele com uma cara séria. 

- Eu nunca vou sobreviver. - ele se virou para olhar Namjoon.

O braço de Namjoon deslizou ao redor de sua cintura puxando-o de volta para a cama, deslizando a perna entre as dele, puxando o corpo de volta para o seu.

- Você está indo para ansiar o meu pau dentro de você. - um movimento em sua cabeça, ele percebeu que Namjoon estava pegando um preservativo. Seokjin gemeu quando a sua mão escorregou para seu pênis, renovando facilmente o fogo que havia morrido. Soltando-o ele rolou o preservativo antes dele sentir o pênis deslizando profundamente por trás. Sua entrada estava ligeiramente dolorida da noite passada, e cada vez que Namjoon estocou sua carne suave desencadeou uma sensação de um puxão na carne inchada.

Seokjin não conseguia impedir os gemidos escapando. - Fodi muito você e sua bunda ainda está mais apertada do que um punho. - Namjoon gemeu.

- RM... - a mão de Seokjin agarrou o braço em volta da sua cintura.

- Você está esmagando o meu pau Menino bonito... - ambos gozaram juntos e ficaram deitados satisfeitos até que Seokjin não teve escolha a não ser levantar.

Namjoon se levantou da cama, foi para o banheiro e voltou antes dele conseguir chegar ao meio do caminho. Olhando para ele quando voltou, Namjoon o carregou sem pausa e o levou para o banheiro. Ele o colocou no chão para ligar o chuveiro e deixou o vapor encher o cômodo. O colocando no chuveiro antes de se juntar a ele. 

- Eu acho que você vai me colocar de volta em minha cadeira de rodas. - Seokjin acusou. 

- Se nós continuarmos fodendo desse jeito vou precisar de uma para mim.


                        **♡**


- Eles estavam na mesa comendo cereal frio quando os outros membros começaram a vir para a cozinha. Jungkook e Lee começaram a cozinhar o café da manhã para todos.

- Não conseguiram achar algo decente? - Lisa perguntou sentando com um copo de suco.

Seokjin ficou vermelho. Namjoon se sentou na cadeira com o braço casualmente sobre a parte de trás da sua cadeira. V e Suga sentaram-se à mesa enquanto Jungkook servia a V seu café da manhã. O cheiro de bacon fez Seokjin olhar o prato de comida com inveja, sorrindo Jungkook deslizou um igualzinho na frente dele.

- Eu te amo. - disse Seokjin com fervor.

Jungkook sorriu antes de se sentar com seu próprio prato. Suga e Namjoon olharam para ele antes de se concentrarem em seus próprios pratos. Jungkook e Seokjin sorriam um para o outro enquanto comiam.

- Como é que Jimin está indo? - Seokjin perguntou depois que ele conseguiu limpar seu prato.

- Bem. Ele volta para a universidade em duas semanas. Ele e seu colega de quarto estão planejando as férias de primavera juntos.

- Onde eles estão pensando em ir? - perguntou Seokjin antes de dar uma mordida na torrada.

- Eles estão tendo problemas para decidirem. Junmyeon quer ir a um mini cruzeiro, diz ele que é o lugar perfeito para conhecer pessoas sem o ambiente de festas nas praias das férias de primavera.

Seokjin tentou segurar os lábios para não sorrir da carranca de Suga. - Será que Jimin quer ir? 

- Na verdade ele quer ir para os Estados Unidos, para o Arizona. - a carranca de Suga mudou para um sorriso. 

- Para ver o Grand Canyon? - Seokjin perguntou pensando que era uma escolha eatranha para uma pausa de férias de primavera. 

- Eu pensei a mesma coisa. - Jungkook riu.

- O que ele disse?

- Ele disse que o Arizona tem cowboys. Parece que ele tem uma coisa por cowboys, dão a impressão de que são todos machos protetores e, são cavalheiros. Ele acha que eles são sexy. - o grupo riu bem humorado da fantasia do rapaz. O sorriso de Suga tinha desaparecido.

- No Arizona não têm tornados? - perguntou casualmente Seokjin.

A risada de Jungkook parou - Sério? - Suga e todos os homens assentiram.

- As férias da primavera são bem no meio da temporada de furacões. - confirmou Seokjin.

- Eu vou ter que lhes dizer, talvez um cruzeiro seja melhor. - Suga não parecia mais feliz.

- Talvez você possa convencê-los a ficar alguns dias em Daegu. O encontro da primavera será em Gyeongsang, então você poderia trazer Jimin com você e teremos sua festa de despedida nessa sexta-feira.

Jungkook considerou por alguns minutos. - Eu acho que é uma ótima idéia. Obrigado Jin.

Seokjin sorriu para Jungkook, ignorando o olhar estreito de Suga. O braço em volta de seus ombros mudou para o seu pescoço, o polegar deslizando contra sua pele sensível. Ele olhou para Namjoon para vê-lo sorrindo em apreciação.

- Eu estou ansioso para a festa de despedida. Hwasa falou com Psy, ele disse para deixá-lo saber a data e poderíamos ter o bar para a noite. Vai ser bom, apenas nós.  - disse Lisa.

 - Bem, nós e alguns dos meus outros amigos. - Jungkook esclareceu hesitante.

- Como quem? -  Hwasa perguntou desconfiada se sentando à mesa com a comida.

- Han Louco, Sex Minnie, Bambam...

Hwasa levantou a mão - Você tem que estar brincando comigo. Diga-me que você não está considerando seriamente em convidá-los para a sua festa.

- Eu tenho que convidá-los. Vai ferir seus sentimentos, se eu não fizer.

- Aqueles garotos pirados não tem sentimentos. Não os normais de qualquer maneira. - Suga se intrometeu na conversa. Jungkook enviou a ele um olhar de reprovação.

- Há  um problema com eles vindo. - Hwasa lembrou Jungkook. Todos os olhos se voltaram para Choa, que estava descaradamente escutando no balcão da cozinha.

Jungkook sacudiu a cabeça - Não, isso está tudo esquecido. Eles vão ser legais, eles prometeram.

Todo mundo olhou para Jungkook com o olhar de dúvida. Seokjin se lembrou da luta de Cherry Bomb e como os garotos motoqueiros queriam Choa mal. Ele duvidava que aqueles sentimentos tinham desaparecido. Especialmente um louco desgrenhado, ele não parecia que esqueceria alguma coisa. 

- Posso fazer uma sugestão? Supunha que a festa vá das oito até as duas. Fale para seus amigos motoqueiros que começa às onze. Se Choa não se importar em sair alguns minutos mais cedo antes deles chegarem. 

Choa sorriu aliviada - Está bem para mim.

Jungkook nem tanto. Seokjin amava Jungkook; Ele era uma pessoa verdadeiramente bondosa, que não tinha a intensão de machucar ninguém intencionalmente. Seokjin engoliu um nó  na garganta quando viu o olhar de V fixo em Jungkook. Era óbvio que ele o amava, e sabia que Jungkook não estava feliz com a solução, mas não tinha outra alternativa. 

- Ok, se isso faz todo mundo  mais confortável. - Jungkook admitiu. Todos na sala assentiram com a cabeça.


                          **♡**


Seokjin pediu emprestado o carro de Hwasa e foi ao médico na segunda-feira. Satisfeito com seu progresso, o médico decidiu assinar a sua alta para voltar ao trabalho. Seokjin queria comemorar, mas estava sozinho, todos os membros foram trabalhar na fábrica. A grande encomenda deve sair na quinta-feira e muitos tiveram que trabalhar em horas extras. Ele franziu o cenho, percebendo de repente que seu mundo se limitou aos Últimos Cavaleiros. Ele nunca tinha tido uma super abundância de amigos, mas há alguns que ele poderia ter chamado a qualquer momento para o almoço.

Seokjin decidiu ir ao restaurante para almoçar. O local não estava muito cheio, apenas alguns clientes ocupando as mesas. Reverendo Changkyun estava sentado sozinho.

- Se importa se eu me juntar a você? - perguntou Seokjin.

Ele se levantou e puxou uma cadeira da mesa. - De modo algum. - reverendo Changkyun se sentou quando a garçonete veio pegar os pedidos. Seokjin apreciava os seus modos cavalheirescos. Ele era um homem extremamente bonito, que também era um excelente reverendo. Seokjin tinha procurado suas orientações várias vezes após a morte de sua mãe.

- Você parece estar se recuperando bem.

- À exceção da bengala e os passos lentos como uma tartaruga, eu estou. - concordou Seokjin alegremente. 

- Agora que você está melhor, eu estou esperando ver você na igreja novamente. As crianças em sua classe sentem a sua falta.

- Eu sinto falta delas também.  - sua classe pré escolar era pequena, e ele estava ansioso para vê-los novamente. - Estarei de volta neste domingo.

- Vou contar com isso. - eles conversaram sobre como estavam indo os vários idosos paroquianos da igreja até que as suas comidas chegaram. Eles estavam bebendo café quando a Sra. Choi apareceu depois de uma hora de salão de beleza para se encontrar com a amiga.

Choi Shinsu era tia de Seokjin. Jennie era sua neta, que era tão cruel quanto a Sra. Choi era gentil. Sentou-se à mesa para esperar pela amiga. Depois de ambos garantirem um ao outro que estavam indo bem, Sra. Choi fez a situação desconfortável ele mesmo.

- Jin, eu ouvi no salão de beleza o que aconteceu com Jennie. Eu estou profundamente envergonhada por suas ações.

- Tia Shin, você não é responsável por suas ações, você não tem nada para se envergonhar. - Seokjin lhe garantiu que não havia ressentimentos.

- Primeiro Woong, em seguida, Jennie. Minha filha estaria com o coração partido se ela ainda fosse viva.

A filha da Sra. Choi  tinha morrido há três anos. Jennie, que sempre estava em apuros, tinha se tornado ainda mais selvagem sem a orientação de uma mãe. Um pensamento repentino golpeou Seokjin, ele não queria machucar a mulher, mas a verdade precisava ser esclarecida.

- Tia Shin, alguém lhe disse que Jennie teve um bebê há três anos? Isso foi bem na época da morte da mãe de Jennie. - a expressão da Sra. Choi se tornou cautelosa. Seokjin sabia que estava certo, todos tinham sido cautelosos em proteger os sentimentos da mulher, que eles estavam ignorando a única fonte de informação que eles tinham. Mesmo reverendo Changkyun estava dando a mulher mais velha um olhar preocupado.

- Ela disse a RM que era filho de seu irmão. Ele ficou arrasado, ele amava Jackson e o pensamento do filho do seu irmão assassinado estar por aí sem os cuidados da família, está sendo difícil para ele aceitar. - Seokjin explicou suavemente. 

Sra.Choi encarou o reverendo Changkyun por vários minutos antes de responder numa voz tranquila. - Ela disse que era do menino Jack?

Seokjin ouviu o reverendo invadir a conversa - Você conhecia o Jackson?

Surpreso com a familiaridade do nome vindo do reverendo, apenas a resposta da Sra. Choi o fez esquecer-se de interrogá-lo.

- Ele ficou em minha casa enquanto eles estavam construindo a fábrica. Woong investiu no negócio e como a minha casa era tão grande, ele me perguntou se Jack podia ficar. E claro que eu aceitei. Eu não sabia que Woong estava planejando matá-lo. - sua mão frágil tremia quando ela colocou o seu copo de chá de volta na mesa - Provavelmente tornou mais fácil fazê-lo desaparecer. - uma lágrima correu pelo rosto enrugado.

Reverendo Changkyun entregou-lhe um lenço - Você não poderia saber, por favor, não se culpe. 

Levou vários minutos antes da mulher mais velha encontrar o controle.

- Eu não pude ajudá-lo mas pelo menos posso ajudar Namjoon. Eu sabia que Jennie estava grávida. Ela veio até mim primeiro quando descobriu, ela queria fazer um aborto, mas a gravidez já estava muito avançada e ela ficou comigo até que ela teve o bebê. Quando ela entrou em trabalho de parto, ela chamou Woong e ele veio a minha casa para pegá-la. Depois, quando eu perguntei sobre o bebê, ele me disse que Jennie o tinha dado para a adoção. Eu teria cuidado da criança, mas me disseram que não. Eu não tenho nenhuma idéia de onde meu bisneto está e eles não vão me dizer. - angústia encheu os olhos da velha mulher.

- Você sabe se o bebê era de Jackson? - Seokjin empurrou gentilmente, sabendo que sua tia tinha que entender a situação de Namjoon. 

- Não era. Ela nunca me disse quem era o pai da criança, mas eu sei de um fato e não era de Jack.

- Como?

- Porque eu era a pessoa que a levou para a consulta com o médico quando ela estava grávida. Ela engravidou depois que o menino Jack desapareceu. 

Seokjin se sentiu decepcionado - Jennie deu a Namjoon a data do nascimento do bebê. Ele ainda estava na cidade quando ela concebeu. - reverendo Changkyun parecia tão  decepcionado quanto Seokjin.

A Sra. Choi balançou a cabeça, triste com a traição da neta - O bebê era prematuro. Os médicos disseram que era porque Jennie era muito jovem e não cuidou de si mesmo.

- Você pode me dar o nome do médico que a levou? - perguntou Seokjin.

- Sim. - abrindo a bolsa, ela tirou um bloco de papel e caneta, escrevendo o nome e endereço do médico. 

- O médico fica em Ulsan? - a cidade ao lado que era alguns quilômetros de distância. Distância essa que permitiu Woong esconder a gravidez de sua filha.

- Sim. Woong tinha medo da fofoca na cidade, então eu tive que levar ela até lá, e foi onde ela teve o bebê.

Seokjin se levantou da mesa e abraçou a tia com força. - Obrigado tia Shin. RM estava chateado que seu irmão foi acusado de se envolver com uma menor de idade e ainda engravidar a garota, em seguida, saber do desaparecimento da criança foi duro para ele.

- Estou feliz que eu pude ajudar. - Seokjin viu que um pouco da carga saiu dos ombros da mulher. A amiga de sua tia entrou no restaurante; Com um abraço e promessas de vê-lo logo ela saiu para se juntar a amiga.

- Ninguém pensou em perguntar a ela. Jennie nunca vai visitar a avó. - reverendo Changkyun comentou.

- É assim que eu posso te dizer, que você não é de uma cidade pequena. - respondeu Seokjin. Uma expressão fechada surgiu em seu rosto bonito.

- O que você quer dizer?

- Se você fosse de uma cidade pequena, especialmente a nossa, você saberia que apesar de ter muitos problemas com a família, você sempre se volta para ela quando está em apuros.

- Bom saber. - reverendo Changkyun deu um sorriso irônico.

- Jungkook não pensaria em perguntar porque aquele garoto é incapaz de machucar os sentimentos de alguém. Ele teria evitado perturbar a tia Shin.

- Sim, ele teria. - o reverendo concordou.

- Você deve saber, saiu com ele por um tempo. - Seokjin sondou.

- Jungkook é muito bondoso. - sua expressão tornou-se fechada.

- Sim, ele é. - ele estendeu a mão e agarrou a do reverendo, que a virou e segurou a dele.

A garçonete trouxe a conta, quando Seokjin iria pagar, reverendo Changkyun não deixou. - Por minha conta.

Eles saíram juntos. Reverendo Changkyun seguiu ao seu lado enquanto Seokjin caminhava até o carro, segurando a porta do carro aberta para ele. Seokjin estava prestes a entrar quando o reverendo falou.

- Jin, foi uma coisa que você fez hoje, Namjoon não teria parado até encontrar a criança, ele não seria capaz de parar.

- Eu sei, RM é teimoso.

A cabeça do reverendo se inclinou - Você o chama de RM?

Seokjin fez uma pausa, finalmente admitindo para si mesmo o que ele sabia o tempo todo.

- Namjoon foi imaginário. Um disfarce que ele usou, ele é RM para mim agora. - ele lhe confessou algo que não tinha sido capaz de fazer para si mesmo - Eu nunca tive Namjoon, ele era uma miragem.

Reverendo Changkyun balançou a cabeça em desacordo. Parecia que ele estava prestes a dizer algo, mas mudou de idéia - Te vejo no domingo.

Seokjin o assistiu ir embora antes de entrar no carro e dirigir de volta para a sede do clube. Ele estava saindo do carro antes de perceber algo e sair do seu caminho, se virando novamente, em direção ao carro ele esbarrou em Suga.

- Me desculpe, eu não te vi saindo. - Seokjin se desculpou.

- Está bem. Eu estava saindo da fábrica quando vi que você estava chateado com algo. - Seokjin deu um passo atrás, estar próximo de Suga o deixava nervoso. Ele estava vestindo calça jeans folgada que se agarrava ao seu quadril, botas de motoqueiro e uma camiseta preta. Seus braços e pescoço que estavam a vista, davam um olhar ameaçador ao homem, e combinando com as vibrações que ele exalava, todos teriam medo dele. Quando eles foram cercados pelos outros membros o efeito do pequeno silêncio foi esmagador.

Seokjin estava chateado - Eu só percebi que eu tenho tentado voltar para a minha casa desde que voltei para a cidade e, em seguida, a primeira vez que eu realmente tive a oportunidade, eu nem sequer passei para verificar a minha casa.

Suga riu, tomando-lhe o braço enquanto caminhavam  em direção a casa.

- Bem, é tarde demais. - com um movimento rápido, ele o tinha em seus braços carregando-o até as escadas.

- Eu poderia ter feito isso.

- Há setenta e cinco degraus, todo mundo tem contado eles, duas vezes. Não precisa colocar esse tipo de pressão sobre suas costas. - Seokjin agarrou a bengala quando ele sem esforço o levou para dentro da casa antes de colocá-lo no chão perto da porta.

- Obrigado, eu aprecio o elevador. 

- A qualquer hora. - ele disse antes de sair. Ninguém poderia dizer que Suga era um homem de palavras, Seokjin riu para si mesmo. Animado sobre dizer à Namjoon a boa notícia, ele foi até a cozinha para ver se alguém sabia onde ele estava. Ele estava sentado à mesa com Wonho e Lisa  terminando o almoço. 

Não querendo interromper o almoço dos três, ele foi se sentar em uma cadeira ao lado de Namjoon. 

- A consulta com o doutor foi bem? - ele questionou. 

- Sim, ele assinou a minha alta para o trabalho. Vou levá-lo ao escritório amanhã. 

- Eu ainda acho que é um pouco cedo, mas eu sei que você está entediado em casa o dia todo. 

- Não realmente, eu tenho todos os seus papéis para me manter ocupado. Eu acho que você precisa contratar alguém em tempo integral para fazer a papelada e manter a ordem dentro do cronograma. 

- Não, é negócio do clube, apenas à um membro é permitido acesso. - disse Namjoon friamente. 

- Eu não sou um membro. - confuso com as suas palavras, Seokjin estava surpreso que ele lhe permitiu fazer a pequena papelada para ele.

- Essa é uma situação diferente. - ele disse levantando-se da mesa para pegar outra garrafa de água e entregando uma para ele antes de se sentar. 

- Por quê? Por que eu estou dormindo com você? - Seokjin começou a ficar com raiva, ele ainda estava chateado consigo mesmo por não ter ido a casa dele. Tinha pensado anteriormente que os Últimos Cavaleiros estavam tomando conta de sua vida, quando na verdade ele não estava pronto para admitir que estava se tornando muito apegado a Namjoon. 

- Nós não dormimos muito mais, muito sexo acontecendo, porém. - Namjoon brincou com ele. 

Seokjin corou com Wonho e Lisa ouvindo atentamente. 

- Mas não é por isso. - continuou ele. 

- Bem? - perguntou Seokjin. 

Bebendo o copo de água, Namjoon respondeu. - Porque você é um prospecto, que permite acesso a qualquer coisa. 

Seokjin deu-lhe um olhar. - Eu pensei que você estava brincando quando disse aos gêmeos Tico e Teco. 

- Tico e Teco? - Lisa se entrometeu encantada com o argumento acontecendo em frente a ela.

- Os gêmeos foda. - foi Wonho quem respondeu. 

- Ahhh. - Lisa assentiu com a cabeça. 

- Você os conhece? - Seokjin perguntou surpreso. 

- Sim, todo mundo conhece. - Lisa não  respondeu sabendo que ela estava andando em areia movediça. 

- Há alguém que anda através da porta que vocês não tenham fodido? - os três membros na mesa sabiamente permaneceram quietos. 

- Jin... - Namjoon tentou impedir a erupção que podia ver chegando em relação a eles. 

- Não me venha com Jin, seu prostituto. Eu lhe disse que eu não estava indo para me tornar um membro e eu quis dizer isso. Eu não vou lutar, muito menos transar com todos os membros e eu certamente não vou fazer uma tatuagem me marcando como prostituto do seu clube. Eu não tenho nenhuma idéia de como Jungkook permitiu ser fodido por oito homens diferentes. - disse Seokjin com raiva. Um suspiro na porta fez Seokjin girar em sua cadeira para ver Jungkook e V em pé na porta. Seu rosto estava pálido e parecia que ele estava prestes a chorar. 

- Kookie eu sinto muito, eu não quis dizer nada. Eu estava com raiva de RM, eu deixei minha língua solta. - Seokjin se desculpou. 

Jungkook se virou e saiu da cozinha e com um olhar zangado V o seguiu. 

- Seokjin!

- Ele se virou para olhar para Namjoon, que lhe deu um olhar irritado. 

- Sinto muito. - Seokjin queria chorar, ele se sentiu muito mal com o que tinha dito. 

- Isso não vai funcionar desta vez. Você insultou não só a Jungkook, mas também todos os membros do clube. Você tem que fazer as pazes ou você precisa sair. - disse Namjoon acentuadamente. 

O coração de Seokjin afundou. Ele havia deixado a sua boca escapar, insultando a todos que tinham ajudado com a sua recuperação. Eles não mereciam a sua atitude e o julgamento que tinha sido jogado neles desde o dia em que ele chegou. 

- Ambos. Eu vou fazer tudo ao meu alcance para me desculpar, então eu vou embora. - Seokjin não soube porque isso o fez sentir como se seu coração estivesse rasgando em dois. Ele  queria sair desde o dia em que havia chegado. 

Namjoon manteve as suas emoções sob controle, irritado consigo mesmo, por ter empurrado Seokjin na frente dos outros, mas ser presidente significava que ele tinha que controlar, e fazê-los serem responsáveis por suas ações. 

- Estamos dando punições na quinta-feira. - disse Namjoon. 

Hoje é apenas segunda-feira. Isso lhe dá mais três dias com Namjoon. Isso se ele ainda quiser alguma coisa haver com ele após o jeito que agiu.

- Ok, há algo que eu quero te dizer. Não espero que isso faça diferença quanto ao meu castigo.

Namjoon acenou a cabeça, sua ira implacável. Seokjin engoliu as lágrimas que ameaçavam cair. Abrindo sua bolsa, ele tirou o pedaço de papel que sua tia Shinsu tinha dado a ele e entregou a Namjoon.

- Esse é o médico que Jennie foi quando estava grávida. Tia Shin confirmou que Jackson não era o pai, ela não engravidou até depois que ele tinha sido morto. Jennie e seu pai sabiam da verdade.

Namjoon se sentou atordoado, ninguém tinha pensado em questionar a avó de Jennie, pensando que ela teria escondido isso da gentil senhora. Tinha sido um erro estúpido. Se não fosse Seokjin, teria levado muito mais tempo para descobrir a verdade.

- Isso não vai tirar sua punição, mas vai diminuir a gravidade. Você é bem-vindo para ficar o tempo que quiser. Obrigado Jin, isso estava me comendo vivo, pensando que o filho de Jack estava lá fora em algum lugar.

Namjoon nunca teve qualquer intenção de deixá-lo sair, mas desta forma ele era capaz de ceder sem mostrar favoritismo. Todos no clube seguiam as mesmas regras, mesmo ele. Seokjin tinha que aprender que em público ele era o presidente dos Últimos Cavaleiros, só em seu quarto ele poderia ter mais margem de manobra.

- Eu sei. - disse Seokjin em voz baixa.

- Ela disse quem era o pai? - perguntou Lisa.

- Não, mas eu perguntei. Eu estava com medo de empurrar por muita informação. 

- Eu vou ligar e dizer a Dong, e em seguida, ao xerife. Talvez agora que temos o nome do médico, haja esperança de encontrar a criança. 

- Você vai continuar procurando mesmo que a criança não seja do Jackson? - Seokjin perguntou surpreso.

- É filho de alguém e nós temos a responsabilidade de certificar que a criança esteja sendo bem cuidada. - disse Namjoon. 

- Como é a sua responsabilidade? O bebê não é de Jackson, você não tem nenhuma conexão com a criança. 

Seokjin tinha planejado começar a procurar a criança sozinho. Apesar de distante o bebê era um parente seu.

- Eu faço como um ser humano. Há uma criança lá fora, que desapareceu, e não um bicho, mas a cadela de uma mãe e um avô assassino sabe o que aconteceu. Acho que todos nós temos a responsabilidade de garantir que a criança esteja em um ambiente seguro.

- Eu também. - Seokjin abaixou a cabeça com vergonha. Ele tinha interpretado mal este grupo de pessoas desde o início,  ele merecia qualquer punição que lhe dessem.


                        **♡**


Notas Finais


Os gêmeos Tico e Teco são os gêmeos YoungMin e KwangMin membros do boygroup Boyfriend.

Apelidos a parte, tivemos mais pistas de quem é o pai do bebê de Jennie.

Algum palpite? Me digam.

A qual será a punição do Jin?

Até o próximo.

Beijinhos ♡♡♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...