História Ouça seu coração - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Afrodite de Peixes, Aiolia de Leão, Aioros de Sagitário, Albafica de Peixes, Aldebaran de Touro, Asmita de Virgem, Aspros de Gêmeos, Camus de Aquário, Defteros de Gêmeos, Dohko de Libra, El Cid de Capricórnio, Hyoga de Cisne, Ikki de Fênix, Jabu de Unicórnio, June de Camaleão, Kanon de Dragão Marinho, Kanon de Gêmeos, Kardia de Escorpião, Kiki de Appendix, Manigold de Câncer, Marin de Águia, Mascára da Morte de Câncer, Miro de Escorpião, Misty de Lagarto, Mu de Áries, Regulus de Leão, Saga de Gêmeos, Sage de Câncer, Saori Kido (Athena), Seiya de Pégaso, Shaina de Cobra, Shaina de Ofiúco, Shaka de Virgem, Shion de Áries, Shiryu de Dragão (Shiryu de Libra), Shun de Andrômeda, Shura de Capricórnio, Sísifos de Sagitário
Tags Afrodite, Aiolia, Aiolos, Aldebaran, Camus, Dohko, Hentai, Hyoga, Ikki, Kanon, Lemon, Máscara Da Morte, Milo, Romance, Saga, Saint Seiya, Saori, Seiya, Shaka, Shion, Shiryu, Shonen-ai, Shun, Shura, Yaoi
Visualizações 59
Palavras 3.493
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Lemon, Luta, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá!

Passando pra deixar mais uma atualização pra vocês. Espero que gostem!

Beijão e até as notas!

Capítulo 12 - A viagem - Parte 2


Fanfic / Fanfiction Ouça seu coração - Capítulo 12 - A viagem - Parte 2

Passado algumas horas, Dohko e Shiryu finalmente chegaram até o aeroporto e o mais velho, vendo que já estava quase na hora do vôo,  puxou Shiryu pelo pulso e saiu correndo para a fila do check in. Dohko parecia inquieto, olhando para o relógio a todo instante e batendo o pé no chão.


— Por que essa fila não anda? – resmungou.


— Mestre, quanto tempo temos até o embarque?


Dohko olhou para o relógio e para as passagens, conferindo se estava realmente certo e para seu desespero, estava. Falta pouco tempo.


— Meia hora.


— O que??? – arregalou os olhos. — Olha o tamanho dessa fila… — apontou. — Não vai dar tempo, mestre! O que vamos fazer?? – perguntou desesperado.


— Por que acha que estou assim? — disse ele, tentando ver quantos guichês estavam disponíveis para atendimento.


— Calma, mestre.


— Estou tentando, mas tá difícil…


Alguns minutos depois, a fila diminuiu. Os cavaleiros criaram uma última esperança de que ainda poderiam pegar aquele vôo e Dohko olhou para o relógio, vendo que faltava dez minutos. Olhou para a única pessoa à sua frente e desviou o olhar para o pupilo, que chamou sua atenção.


— Ah, será que nós vamos conseguir, mestre?


— Não sei. Acho que…


Os dois viram uma das cabines fecharem, restando apenas uma para atender e entraram em desespero.

— Pelos deuses! — exclamou Dohko.


O homem que estava em sua frente se virou e viu o desespero do mais velho.


— Vocês podem passar na minha frente. — disse o misterioso homem, que vestia uma capa que cobria todo seu corpo e um grande chapéu que ocultava seu rosto.


Dohko inclinou a cabeça e olhou para o homem desconfiado. Por trás daquele disfarce, pôde ver seus olhos brilhantes. Se perguntou de onde conhecia aqueles olhos. Sem mais tempo para perder com bobagens, agradeceram o homem é foram rapidamente para a cabine. Dali, saíram praticamente voando até a sala de embarque e viram que estavam quase fechando.


— Esperem! — gritou Dohko, sinalizando com as passagens nas mãos.


O rapaz conferiu as passagens e abriu a porta para que os cavaleiros passassem pelo corredor que levava até o avião. Assim que embarcaram na aeronave, passaram pelas poltronas, enquanto conferiam os números a fim de acharem seus lugares. Se acomodaram em seguida e respiraram aliviados por tudo ter dado certo.


Os cavaleiros pegaram a segunda fila de poltronas, sendo três no total. Dohko se sentou na poltrona do meio, já Shiryu pegou a direita de seu mestre, restando uma vazia ao lado do mais dele. Os dois conversavam animados, quando Dohko sentiu a presença de alguém. Se virou e viu o mesmo homem da fila, o que o deixou confuso.


Após o avião decolar, Dohko tentou puxar papo com o homem, visto que os dois havia conseguido chegar a tempo, pois cedeu seu lugar na fila.


— Com licença, senhor.


O homem se virou e Dohko novamente pode ver aqueles olhos. Desconfiou de alguém muito próximo a ele, mas pensou que talvez fosse só impressão.


— Sim?


— Queria agradecer pelo que fez por nós. Se não tivesse cedido seu lugar, nós poderíamos não ter chegado a tempo.


— Eu consegui. — deu de ombros.


— Ah, isso é verdade. – sorriu sem graça.


O homem se virou para frente e Dohko percebeu um pequeno pedaço de mecha aparecer entre o chapéu e a gola alta do casaco.


Não. não pode ser. — pensou o chinês ao ver uma mecha esverdeada.


De repente, o homem começou a rir, chamando a atenção do mais velho que lhe fitou confuso.


— Me desculpe, mas qual o motivo de sua graça?


O louro sorriu e Dohko entreabriu a boca surpreso.


— Shion????


— Vejo que me descobriu… — disse ele, retirando o chapéu e revelando sua identidade.


O louro começou a rir da expressão de seu velho amigo e Dohko cutucou Shiryu com o cotovelo para ver quem era o tão misterioso homem que os ajudou.


— O senhor é??


— Olá, Shiryu! — sorriu.


— Mas… o que o senhor está fazendo aqui? Não era para o senhor estar no santuário?


— Sim, mas isso é algo que explicarei melhor durante a viagem.


— Está certo.


Shion começou a contar o motivo real de sua aparição, enquanto os dois cavaleiros ouviam tudo atentamente.



Hyoga estava pegando suas malas, quando viu Tatsumi esperando por ele. O louro caminhou até o mordomo e parou em sua frente.


— Olá,Tatsumi. Quanto tempo.


— Me acompanhe. — respondeu seco, indo na frente para ir até o estacionamento onde estava o carro.


Assim que entraram no carro, ficaram em silêncio. Alguns minutos depois, o russo tentou puxar papo com o mordomo:


— Os outros já chegaram?


O mordomo olhou para o louro do espelho retrovisor e assentiu.


— Alguns.


— Quem?


— Os Amamiya, algumas amazonas e cavaleiros.


— Ikky e Shun já chegaram??? — perguntou empolgado.


— Foi o que eu disse.


Hyoga sorriu. Fazia muito tempo desde que viu seus amigos pela última vez e seria uma experiência e tanto reencontrá-los novamente.


Minutos depois, eles chegaram na mansão. Hyoga pegou sua mala e saiu do carro, dando uma boa olhada na fachada da mansão. Ele então ouviu uma voz familiar:


— Hyogaaa!!!


— Kiki!!! É você??? — perguntou ao ver o ruivo se aproximando.


O louro se surpreendeu ao ver como o pupilo de Mu havia crescido. E como tinha mudado… Agora possuía um longo cabelo ruivo e possuía porte de cavaleiro.


— Como você cresceu, Kiki… — disse e tocou a mão no ombro dele.


— Ah, se eu ganhasse um uma grana toda vez que me dissessem isso. Estaria rico. — riu.


Hyoga se pôs a rir junto e logo parou ao ver Shun na porta da mansão. Ficaram alguns segundos trocando olhares e foi até ele, abraçando-o forte.


— Shun!

— Hyoga… — sussurrou e fechou os olhos.


Os dois se afastaram e se entreolharam, até que Ikki surgiu, colocando o braço por trás a nuca do irmão.


— Vamos parar com a boiolagem…


– Ikki!!!


O louro não sabia se abraçava ou não o amigo. Por via das dúvidas, apertou sua mão. Os quatro entraram na mansão conversando e sorrindo. O russo perguntou por Seiya, mas os amigos disseram que ele ainda não havia chegado.


Shina vendo parte dos cavaleiros de bronze reunidos, resolver se aproximar para saber se Seiya estava com eles.


— Olá cavaleiros.


— Shina!! — olhou de cima a baixo.


— Tudo bem, Hyoga?


— Sim e você?


— Estou bem também… E o Seiya? Veio com você?


— Não, mas acho que logo aparece. Pelo menos, foi o que Ikki e Shun estavam dizendo. – sorriu amistoso.


— Bom... vou deixar vocês sozinhos. A gente se vê por aí. — disse e saiu rebolando porque adorava provocar.


Os garotos acompanharam Shina com os olhos.


— Nossa... é impressão minha, ou a Shina ficou ainda mais gostosa? — comentou Hyoga ao reparar nas curvas da italiana.


— Acho que você não está errado, pato. Muito gostosa. — respondeu Ikki, fazendo o mesmo.


— Vocês não tem respeito mesmo… — disse Shun, cruzando os braços e olhando para os dois seriamente.


— Falou o senhor certinho. – Hyoga debochou e soltou um riso.


Shun ficou vermelho e deu uma cutucada no amigo.


— Sem graça.


— O Shun só tem a cara de santo… Você precisava ver ele paquerando as mulheres no aeroporto… Sem falar nas comissárias.


— Não acredito! Shun paquerando? Essa eu queria ter visto.


— Sim, mas sabe como é, né... ele puxou o garanhão aqui… — sorriu e apontou para si.


— Isso, porque você não viu o cavanhaque de bode que ele tava usando, Hyoga… muito ridículo. Ainda bem que ele se convenceu e fez a barba.


— Poxa, queria ter visto isso também…


— Mas ainda pode…


Shun tirou o celular do bolso e mostrou para Hyoga, que em seguida começou a rir. Ikki se aproximou e viu sua foto, tentando arrancar o celular do irmão, mas o mais novo saiu correndo. Ikki saiu atrás e Hyoga pôs a rir da cena, lembrando dos velhos tempos.


Foi então, que ouviu o estalar do som de salto alto e olhou para trás, vendo alguém descer as escadas. Seus olhos brilharam ao ver que se tratava de Freya.


— Hyoga!!! — sorriu ao ver o louro e levantou a barra de seu vestido para que descesse mais rápido.


O cavaleiro se aproximou devagar e estendeu sua mão à ela. Freya olhou para o cisne e sorriu, sentindo seu rosto esquentar, quando o mesmo pegou em sua mão.


— Freya… — sorriu e beijou a mão da loura.



Enquanto isso, no avião…


Saori e Seiya continuavam em silêncio. O cavaleiro de pégaso era orgulhoso demais para dar o braço a torcer para puxar conversa. Já a deusa, sentiu o sono chegar com o tédio que estava sentindo, sem ter nada pra fazer. Seiya olhou de canto de olho e viu que a Saori estava de olhos fechados.


Como você é linda… – peensou.


Saori caiu em sono profundo e acabou encostando a cabeça no ombro de Seiya, que corou. O cavaleiro tentou afastá-la, mas foi em vão. A garota se aconchegou em seu ombro, fazendo o sagitariano sentir o perfume de seus cabelos e acabou abraçando-a. Logo, caiu no sono também.



Camus lia um livro, enquanto Aldebaran escutava algumas músicas brasileiras. O aquariano fechou os olhos e se lembrou do beijo que Milo deu certa noite em seu quarto. Se permitiu soltar um sorriso, o que chamou a atenção do taurino que cutucou o cavaleiro com o braço.


— Você está bem Camus?


— E-estou… — disse e se virou, escondendo o rosto corado.


O que estou fazendo?



Milo passou algum tempo perturbando DM, enquanto falava sobre mil coisas sem parar, o que deixou o outro a ponto de esgana-lo. Odiava bêbados chorões. O canceriano, volta e meia, olhava para a fileira onde estava Afrodite, mas dava de cara com Mu lhe encarando. O mesmo se virava no mesmo instante com raiva do ariano e procurou manter a calma.


Como ele tem o direito de se meter no que não é chamado? – pensou.


Se considerava dono do cavaleiro e resolveu que assim que tivesse uma oportunidade, falaria com ele e esclareceria tudo. Afinal, não era a primeira vez que os dois brigaram feio e Afrodite sempre acabava cedendo aos seus apelos.



Aiolia e Shaka estavam em silêncio. O leonino toda hora puxava papo com o louro, mas o mesmo estava sem ânimo para conversas. Shaka só conseguia pensar em Mu. Desde que viu a confusão entre ele e DM, notou que estavam próximos como antigamente. Seu coração apertou, dividido.


Será que Mu, está interessado em Afrodite? — pensou, e logo saiu dos seus pensamentos ao sentir o toque de Aiolia.


— Shaka, o que está acontecendo? Por que está tão calado?


O leonino perguntou, mas já imaginava o porquê. Seu nome era Mu. Sempre Mu. Até quando ele ficaria em seu caminho? Se perguntou. Ao ver a cena da briga, rogou aos deuses para que ele e Afrodite se apaixonassem e ficassem juntos, para finalmente Shaka ser inteiramente seu.


— Não aconteceu nada, Olia.


Aiolia acariciou seu rosto e colocou uma mecha para trás da orelha, fazendo o mesmo corar. O leonino admirou a beleza do indiano e sorriu. Como conseguia ser tão lindo, doce e puro? Passou a mão pelo rosto do virginiano, que fechou os olhos por um momento, fazendo Aiolia se aproximar e lhe dar um selinho. Shaka sentiu seu coração pular ao abrir os olhos e ver os olhos verdes de Aiolia lhe encarando de tão perto. Sua respiração pesava mais agora.


— Shaka…


O leonino novamente se aproximou para beijá-l, mas dessa vez o indiano virou o rosto. Aiolia se afastou e o encarou confuso. Shaka fechou seus olhos, procurando não encara-lo. O leão se afastou e se ajeitou em sua poltrona cruzando os braços.


— Aiolia?


— Fale.


– Eu ainda não estou pronto pra isso. —  disse Shaka.


Aiolia se virou novamente e puxou o queixo do louro.


— Você não vai estar pronto até esquecê-lo, não é mesmo? O que você precisa para que isso aconteça?


— Não sei do que está falando.


— Não se faça de desentendido…Você sabe muito bem.


— Olia, por favor… não insista nisso.


O leonino ficou em silêncio por uns segundos e Shaka olhou para ele, vendo uma certa tristeza em seu olhar. Ele tinha conhecimento que seus sentimentos por ele eram puros.


O louro encostou sua cabeça no braço de Aiolia, que viu a expressão entristecida de shaka e o abraçou. Acariciou seu cabelo e beijou o topo de sua cabeça.


— Me desculpe. Eu só queria que soubesse que esperarei o tempo que for preciso até que se decida. Não insistirei mais.


— Olia…

— Eu sei que me escolherá… eu sei.



Saga se juntou a Aiolos e Shura para conversar sobre as expectativas para a festa e de mulheres e de quem estaria por lá. O geminiano foi o que participou menos da conversa. Todos seus pensamentos estavam em uma única pessoa e nessa festa, decidiu que iria se declarar.


–—


Mu estava vendo um documentário pela pequena tela de LED fixada na poltrona da frente. Ele e Afrodite não trocaram muitas palavras, desde que se sentaram juntos. Às vezes, via DM olhar em direção deles e logo o encarava de volta, fazendo o mesmo se virar.


Qual era realmente o seu objetivo, depois do que fez ao pobre pisciano? Se perguntou. Era certo que os dois tinham uma relação um tanto conturbada, mas em muitos ocasiões, via o quanto DM o amava. Se lembrou das vezes que o italiano bancava o “machão”, dizendo que jamais ficaria com um homem, e agora, desfilava com Afrodite como se fosse o seu troféu.


Ele realmente mudou muito, mas ainda tinha aquele gênio difícil e pra piorar: era possessivo demais. Qualquer um que se aproximasse de sua rosa, faltava “botar fogo pelas ventas” e tinha que se controlar para não matar um. Mas definitivamente, o que tinha feito naquela noite, foi algo terrível. Estuprar seu próprio namorado por ciúmes? Que diabo de sentimento era esse? Doentio na certa. Pensou e soltou um suspiro.


Mu ouviu Afrodite murmurar algo enquanto dormia e o fitou. O ariano suspirou ao vê-lo machucado daquele jeito e jamais pensou que veria o pisciano dessa forma. Sempre andava radiante e lindo. Ah, sim! Isso ele era mesmo. O que não podia negar, era que mesmo naquele estado, continuava muito atraente.


Mu deslizou as mãos sobre os cabelos de Afrodite e o mesmo acabou sussurrando o nome do canceriano. Mu retirou sua mão e voltou a se ajeitar na poltrona.


Apesar de tudo achava que Afrodite era tão apaixonado por Giovanni que era capaz de aceitá-lo de volta. Talvez estivesse errado, mas as coisas do amor são mesmo assim. Incompreensíveis. Pensou.


O cavaleiro se virou e continuou com seus pensamentos. O que faria dali por diante? Estava tão enrolado em relação a Shaka e agora tinha Afrodite no meio. Talvez Aiolia se desse melhor, pois sabia que faria de tudo para convencer Shaka que ele fosse a melhor opção. E quem sabe se não seria mesmo. Até porque Shaka vivia mais com Aiolia, do que com ele e isso dizia muita coisa.



Depois de algum tempo, o piloto anunciou que estavam chegando em seu destino. Shura e Aiolos levantaram as mãos pra cima comemorando e

Saori acabou despertando do sono, vendo que estava colada em Seiya. O mesmo dormia tranquilamente. Pensou por uns instantes e resolveu ficar ali. Sabia que talvez não tivesse outra chance de ficar tão perto de seu pégaso.


Milo estava roncando. Depois de beber todas, acabou apagando para a felicidade de DM. O italiano teve vontade de ter arrancado a própria cabeça e arremessado para longe, para não ter de ouvir tanta bobagem.


Shaka e Aiolia estavam dormindo abraçados. Saga apenas olhava pela janela, pensando na festa.Estava perto de pôr seu plano em prática e teria sua deusa para sempre ao seu lado, se tudo desse certo.


Aldebaran acabou dormindo enquanto ouvia música e Camus não conseguiu descansar porque o taurino roncava muito.


Mu acabou dormindo e Afrodite despertou com a voz do piloto falando. Olhou para Mu, que estava com a cabeça virada em sua direção e o admirou por um instante. Parecia até um anjo dormindo. Sorriu e se lembrou dos velhos tempos que dormiam juntos aos pés de uma oliveira após os treinos.


O avião pousou, fazendo o avião chacoalhar um pouco e acordar os que estavam dormindo. Seiya e Saori se separaram rapidamente ao se verem abraçados e o pégaso foi logo se desculpando pelo inconveniente.


Mu despertou e viu que Afrodite o observava. O ariano acabou corando, pois Afrodite era naturalmente irresistível e não podia pensar em bobagens naquele momento.


Após saírem do avião, os cavaleiros seguiram até as esteiras para pegar suas coisas.


Ao ver Mu se afastar de Afrodite, DM se aproximou, puxando-o pelo braço.


— O que quer, Giovani?? – perguntou ao olhar seriamente.


— Eu… quero te pedir desculpas pelo que fiz. Eu estava muito brabo e não raciocinei direito. Depois que saí de lá, que me dei conta do que tinha feito. Me perdoa, Dite? Por favor!


— Não tem perdão para o que você fez. – puxou o braço. — Olha só o meu estado?! Estou todo marcado. Todos vão me ver assim na festa e o que vou falar pras pessoas? Que foi meu namorado que fez isso por não saber controlar seus ciúmes??! É isso? — perguntou alterado.


— Me desculpe, Dite…


— Pra você, é Afrodite! Você não tem mais essa intimidade comigo! Eu não sou mais nada seu. — disse e deu um passo.


— Não! Você é meu! — disse e o puxou, beijando-o à força.


Ao ver a cena, Mu largou as malas no caminho e correu até os dois.


— Me larga! Tenho nojo de você! — disse Afrodite ao se afastar e acertar um murro na cara do italiano.


— Dite… – segurou o queixo.


Mu se colocou na frente.


— Deixa ele em paz! Acho que você já ouviu o bastante.


— Está defendendo por que se interessou por ele?


— Não seja ridículo! Afrodite é meu amigo e mesmo que eu me interessasse, o que você tem a ver com isso? Ele não é mais nada seu! — respondeu alterado.


— Eu sabia! Eu bem me lembro do dia que você nos espionava… na certa, já estava de olho nele. Só está esperando o momento certo, para dar o bote.


— Você é doente mesmo, DM! Não sou um verme como você… Jamais trataria a pessoa que amo, como você costumava tratá-lo. Sério… você precisa se tratar.


— Ora seu… o único verme aqui é você!!! — disse e avançou contra o ariano, acertando um soco em seu rosto.


O ariano se desequilibrou e pôs a mão no rosto.


— Você vai pagar por isso! – disse e aumentou seu cosmo, sem se importar se seria punido depois ou não.


— Não, se eu não te mandar para o inferno antes, seu carneiro de merda! — elevou seu cosmo.


Os cavaleiros sentiram os cosmos de ambos queimando perigosamente e voltaram correndo. Afrodite que estava ali perto, voltou e se botou na frente de Mu.


— O que pensa que está fazendo??? — disse aos berros.


— Ah, é assim?! mandarei os dois pro inferno juntos!!


Saga chegou as pressas e se enfiou na frente do canceriano.


— Pare já com isso, DM! Você já nos expôs muito. Olhe ao seu redor…


— Pouco me importa esse bando de imbecis! Você não vai me impedir!


— Olha aqui, DM… não ouse me desafiar. Você sabe muito bem que não é páreo pra mim! — disse e agarrou o italiano pela gola, encarando-o seriamente.


DM acabou desistindo e se afastou do mais velho. Ao passar por Afrodite e Mu, apontou o dedo para ambos.


— Isso não vai ficar assim… Os dois irão me pagar!


Afrodite ignorou seu ex ajudou Mu a se levantar e acariciou seu rosto.


— Me desculpe, Mu.


— Tudo bem. Não foi nada. Você está bem?


— Eu acho que sim.


Saga se aproximou e olhou para os dois.


— Vocês estão bem?


— Sim.


— Bom… então peguem suas coisas e vamos logo. Atena está nos esperando.


Os três saíram do aeroporto e encontraram duas vans com alguns cavaleiros. Devido ao que tinha acontecido, Afrodite e Mu pediram para ficar na van onde DM não estava para evitar outro possível confronto. De lá, seguiram para a mansão Kido.



Algumas minutos depois, foi a vez de Shion, Dohko e Shiryu chegarem. Como era de costume, Tatsumi estaria lá para levá-los também.


Após todos chegarem na mansão Kido, tinham que decidir onde cada um ficaria. Os quartos seriam divididos entre cinco. Após muita conversa, ficou decidido assim:


Primeiro quarto: Aiolos, Shura, Aldebaran, DM e Saga.


Segundo quarto: Aiolia, Shaka, Milo, Camus(uma cama estava vaga, porque ainda teria cavaleiro a chegar).


Terceiro quarto: Mu, Afrodite, Dohko, Shion e Kiki.


Quinto quarto: Seiya, Shiryu, Ikki, Hyoga e Shun.


Sexto quarto: Marin, Misty, Shina, Freya e Hilda.


Os cavaleiros se reuniram em um grande salão e foram se acomodando na mesa. O jantar estava prestes a ser servido.


Saori se sentiu um pouco melhor de ver todos os seus cavaleiros reunidos confraternizando, mas ainda havia algo que estava lhe incomodando. Seria Seiya? Ou seria algo que ainda estava pra acontecer?


De repente um dos empregados se aproximou e sussurrou um recado, fazendo-a se retirar dali. Saga que não tirava os olhos de Saori, acabou se levantando e foi atrás. Sentiu um cosmo familiar ao se aproximar e parou, ao ver de quem se tratava.


Notas Finais


Eita! Mais treta! DM vagabundo tomou na cara. Bem feito! 😤😤😤

Eles finalmente chegaram. Será que rola mais treta? Quem Saga viu?

Obrigada por estarem acompanhando, meus lindos!

Beijão


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...