1. Spirit Fanfics >
  2. Our Legacy - CARL GRIMES (1) >
  3. 09. Orgulho

História Our Legacy - CARL GRIMES (1) - Capítulo 10


Escrita por:


Capítulo 10 - 09. Orgulho


Fanfic / Fanfiction Our Legacy - CARL GRIMES (1) - Capítulo 10 - 09. Orgulho

NATÁLIE DIXON

(...)

Já havia me acalmado, mas não levantei do sofá. Senti a ponta dos mesmo se afundar e percebi que era Maggie que tinha se sentado ali. Sem dizer nada, ela pegou na minha perna com delicadeza e começou a fazer novos pontos, mas não consegui sentir nenhuma dor.

Quando acabou, a morena ficou revisando o olhar para mim e para frente, então entendi que tinha mais alguém no local.

一 Seja lá quem esteja aqui com você Maggs, fala para ele que eu não quero o ver tão cedo. - disse com ódio e pude ouvir uma risada fraca vindo do sofá oposto.

Eu te ajudo pela segunda vez e você me trata assim, Nate? - olhei para trás e pude ver Glenn. 一 Magoou... - ele tentou fazer uma cara triste.

一 Desculpa... - digo arrependida e me sento no sofá. 一 Achei que... - paro de falar e olho para baixo. 一 Deixa para lá.

一 Tudo bem pequena. - ele responde, e dá um sorriso muito fofo com os lábios fechados para mim. 一 Só estamos preocupados com você.

一 Estou bem. - falo olhando para ele e depois para Maggie, que ainda me olha desconfiada. 一 É sério! Já tivemos brigas piores que essa. - digo, dando de ombros.

一 Vou acreditar em você. - a morena sorri para mim. 一 - Vamos fazer uma cerimônia simbólica para o Otis, quer participar? - concordei.

Saímos da casa e fomos até a sombra de uma árvore, onde juntamos algumas pedras e falamos algumas palavras para Otis. Não disse nada para que todos ouvissem, mas fiquei na minha e respeitei o momento da família. Rick e Shane também falaram como o homem morreu para ajudar Carl e eles eram gratos a isso.

(...)

Quando o momento acabou, Rick explicou que a filha de uma das integrantes do grupo havia sumido e eles estavam a procurando. Hershel não deixou que ele saísse, pois estava muito fraco para isso, e nem Shane, que havia torcido o tornozelo, então Daryl disse que faria uma pequena busca hoje pelas redondezas.

一 Uma garota desaparece a dois dias e ele quer bancar o herói. A irmã some por quase seiscentos dias e ele nem liga?! - falo baixo, sem acreditar, para Maggie ao meu lado. 一 Só pode ser brincadeira isso. - digo para mim mesma, enquanto balanço a cabeça.

Hershel também avisou sobre o porte de armas de fogo na fazenda, e Rick convenceu o grupo a aceitar essa decisão. Shane perguntou o que faríamos se encontrassem a garota com uma mordida, e o seu líder disse que fariam o for preciso.

一 E o que falaram para a mãe dela?! - Maggie perguntou.

一 A verdade. - Andréa, a loira do grupo disse. Nós duas trocamos um olhar com Hershel, e o mesmo negou com a cabeça. Se eles souberem do celeiro, a briga estará feita.

(...)

Estava afiando a lâmina da espada, já que sairia com Glenn e Maggie para ir até a cidade. Percebi alguém se aproximando do meu lado e nem tive o trabalho de olhar para saber quem era. Ele ficou parado ao meu lado, com sua crossbow nas costas e a cabeça baixa.

一 Fala logo o que quer, porque vou sair. - digo me levantado, para encará-lo, e colocando a katana de volta na proteção.

一 Sabe usar? - ele perguntou e eu cruzei os braços, sabendo que não era isso que ele queria dizer. 一 Ouvi o que disse para a filha do Hershel...

一 O que? A verdade? - perguntei e ele desviou o olhar. 一 Você tinha uma promessa a cumprir lembra? Você fez isso Daryl?

一 Não. - ele respondeu olhando para os próprios pés. 一 Mas, eu quis te procurar, quis saber se estava bem. Só que o Merle disse que você deixou um bilhete avisando que não era para te procurar. - dei uma risada sem humor.

一 E você acreditou nele como sempre, não é mesmo? - ele não respondeu, e eu suspirei fundo. 一 Onde ele está?

一 Rick o prendeu em um telhado em Atlanta. Voltamos para buscá-lo, mas ele já não estava mais lá. - assenti e tirei o colete.

一 Isso é seu. - Daryl pegou sem muita vontade. 一 Peguei antes de sair só para não me sentir sozinha... - murmurei e saí andando, para poder procurar Maggie.

Natálie! - meu irmão me chamou e eu virei de volta em sua direção. 一 Eu não ter ido atrás de você, não significa que deixei minha promessa de lado. - ele disse e virou para o lado oposto. Segurei as lágrimas nos olhos e voltei para meu caminho.

Encontrei os dois perto das baias, já prontos nos cavalos. Maggie parecia assustada com alguma coisa, mas quando me viu, abriu um sorriso e me entregou a corda do meu cavalo.

一 Está tudo bem? - perguntei ao ver que os dois estavam estranhos.

一 Havia um zumbi no poço... - Glenn começou. 一 Eu me ofereci para entrar e ten...

一 Você o que?! - arregalei os olhos. 一 Poderia ter morrido!

一 É mais não morri. - ele respondeu, como se não fosse nada. 一 Na hora que conseguimos puxa-lo, o corpo partiu no meio e sujou toda a água.

一 Eca. - fiz uma careta e os dois riram. 一 Tudo bem, agora podemos ir?

(...)

Eu estava no meio de Glenn e Maggie, perdida em meus próprios pensamentos, enquanto os dois mantinham uma conversa aleatória.

As palavras do meu irmão não saiam da minha cabeça. Eu sabia que ele se importava comigo, mas seu orgulho não iria o deixar admitir isso tão cedo. Como o meu também não aceitaria o perdoar tão fácil.

一 Nate? - Maggie me chamou, fazendo eu voltar para a realidade, e olhar para ela. 一 Está tudo bem? - assenti. 一 Você vai conosco até a farmácia, ou vai procurar outra coisa na cidade?

一 Vou na quadra de cima, em uma loja de conveniência. O cavalo vai ficar aqui, assim é mais fácil para mim ir sem chamar muita atenção. - respondi e ela concordou.

一 Pera aí... Você vai sozinha?! - Glenn perguntou, eu e Maggie nos olhamos, e depois concordei. 一 Mas, é perigoso!

一 Eu sei me virar Glenn. - digo. Descemos dos animais e os amarramos em um pilar na frente da farmácia. 一 Fica sossegado que dentro de uma hora eu volto.

一 Tome cuidado Nate. - ele pede e Maggie dá uma risada.

一 Estamos falando da Natálie Dixon, Glenn! - ela pisca para mim e logo vai até a porta do estabelecimento.

Agradeço a Maggie por ela me conhecer, e saber que queria ficar um pouco sozinha.

(...)

Já havia passado algumas quadras da farmácia, mas nada muito longe. As ruas sempre reviradas e sujas. Alguns mortos que vagavam por ali, logo tiveram minha espada em seu crânio, uma forma que tinha para distrair um pouco.

Quando cheguei no meu destino - uma loja de conveniência -, bati algumas vezes no vidro, esperando que algo aparecesse. Como nada aconteceu, eu entrei, fazendo o sino da porta ecoar pelo lugar.

As prateleiras não estavam muito reviradas, e ainda continuavam com bastante produtos. Peguei a minha mochila e joguei alguns pacotes de doces, que por incrível que pareça, ainda estavam na validade.

Caminhei até o balcão e encontrei várias histórias em quadrinhos na frente do caixa. Juntei todas as edições possíveis e também as coloquei na bolsa.

Abri um pacote de balas de goma, e me sentei no fundo da loja para come-las. Enquanto aproveitava aquele gosto bom em minha boca, me lembrei outra vez da samurai.

"Eu vou te encontrar, é uma promessa!"

Fico me perguntando se ela realmente conseguiu sair de Atlanta, e estaria me procurando por aí. Eu sinto falta dela, das suas piadas e até como - em dois dias - ela cuidou tão bem de mim.

(...)

Depois de mais alguns doces e ler uma das revistas, resolvi voltar até Maggie e Glenn. Saí da loja, coloquei o capuz da minha blusa e deixei minhas mãos dentro dos bolsos.

Ignorei alguns zumbis - que não poderiam me alcançar com sua lerdeza - e continuei caminhando normalmente pela rua, como se eu estivesse em uma tarde normal de segunda-feira, após a escola.

Virei a esquina e pude ver que os dois saíam da farmácia, com sorrisos nos lábios e trocas de olhares. Estreitei os olhos, me perguntando o que aconteceu entre eles. Comecei a andar mais sorrateiramente pela calçada e parei atrás deles, sem deixar minha presença ser notada.

一 E aí galera? - digo, e seguro a risada, ao ver os dois olharem para trás e darem um pulo.

一 Que susto Natálie! - Maggie diz ainda com a mão sobre o peito.

一 Se assustaram, é por aprontaram. - falei tirando o capuz e cruzando meus braços. 一 Desembuchem logo, o que aconteceu aqui?

一 Não aconteceu nada. - Glenn diz e os dois coram. Olhei eles com uma sobrancelha levantada.

一 Vou fingir que acredito. - começo a andar até os cavalos e os dois me acompanham.

一 Achou algo de interessante? - Maggie pergunta e apenas dou de ombros, terminando de me ajeitar em cima do animal.

一 Achei doces e gibis, tudo que um adolescente precisa. - digo, e dou um sorriso irônico.

一 Carl pode gostar também. - Glenn fala, e eu o olho confusa.

一 É Nate, acho que deveria ir falar com ele. - Maggie completa, com a minha fala de ontem, e pisca.

一 Vocês estão querendo começar um assunto que não faz menor sentido! - digo, rolando os olhos e passando na frente deles. Os dois ficaram rindo atrás de mim.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...