1. Spirit Fanfics >
  2. Our Legacy - CARL GRIMES (1) >
  3. 43. A mulher e o bebê

História Our Legacy - CARL GRIMES (1) - Capítulo 43


Escrita por:


Capítulo 43 - 43. A mulher e o bebê


Fanfic / Fanfiction Our Legacy - CARL GRIMES (1) - Capítulo 43 - 43. A mulher e o bebê

NATÁLIE DIXON

Já tínhamos nos afastado da prisão, mas ainda conseguíamos ver a fumaça branca no céu. Nós duas não conversamos muito sobre o ocorrido, até por que, não queríamos falar sobre aquilo.

Estávamos seguindo um rastro recente, achando que seria alguém do nosso grupo. Ficamos em total silêncio, quando alguns zumbis começaram a andar ao nosso lado. Michonne olhou para um - que era uma mulher e também tinha dreads - e começou a fazer barulho, o que poderia chamar a atenção dos outros.

Mich... - tentei chama-la em um susurro, percebendo que ela estava prestes a ter uma crise de pânico.

Não adiantou. A samurai parou de andar e começou a olhar todos os errantes, o que fez ela ser notada. Quando percebi eles se aproximaram, puxei minha espada e comecei a matá -los. Michonne também fez isso, com uma certa raiva em seus golpes.

Quando acabamos com o pequeno grupo, nossas respirações estavam ofegantes, e Michonne estava chorando.

一 Samurai... - toquei em seu braço, o que fez ela se assustar, como se voltasse de um momento de transe. 一 Vamos descansar por hoje. - ela assentiu em silêncio, e começou a andar de volta.

(...)

Havíamos encontrado um carro na beira da estrada, e decidimos ficar nele. Deixei que Michonne dormisse primeiro, e fiquei com a vigia.

Sentei no asfalto, encostando minhas costas na lataria velha do veículo. Fechei meus olhos e dei um suspiro profundo. Comecei a pensar se os outros haviam conseguido sair, e se estavam bem.

Poderia caçar algum animal, mas deixei minha faca na minha mochila, na cela da prisão. Fiquei triste por perder a única lembrança que tinha sobre Merle.

Deixei os pensamentos de lado, e voltei a atenção para minha ronda. O silêncio do apocalipse - que chegava a ser torturador - se instalava na floresta a minha frente, se misturando com a escuridão da noite. No céu, havia algumas estrelas, sendo até bonito.

Tirei meus dois colares, um com uma aliança e o outro com o pingente de asas, e segurei em minha mão. Onde quer que o Carl, Maggie ou Daryl estejam, eu desejo que eles estejam, pelo menos, à salvo.

(...)

Pela manhã, Michonne acordou assustada. Perguntei o que houve, e ela disse que havia sido um pesadelo. Resolvi não questionar. Voltamos para nossa caminhada, agora buscando comida e água.

Decidimos ficar na rodovia, na tentativa de achar alguma casa ou mercearia. Estamos lado a lado, olhando a estrada a nossa frente, e o sol subindo no horizonte.

一 Acha que eles estão vivos? - perguntei, virando o rosto para Michonne, que continuou olhando a estrada.

一 Quero acreditar que sim, Nate. - ela me olha. 一 Mas, você sabe que tem chances de eles terem...

一 É, eu sei. - digo, sem deixá-la completar. Voltamos ao silêncio. Um pedido de socorro, vindo da floresta, nos fez parar de andar e ficar em alerta. 一 Você ouviu?!

一 Ouvi. Mas, não... NATE! - deixei Michonne falando sozinha, e corri atrás da voz, mesmo sabendo que ela me seguiria.

Avistei uma cabana - já bem velha -, onde uma mulher estava caída na frente da porta, com dois zumbis em cima dela. Fui até lá e passei a lâmina no primeiro, e depois puxei o segundo, batendo seu crânio podre em um pilar, até que ele ficasse esmagado.

一 A senhora está bem? - pergunto a moça, a ajudando se levantar. Ela não responde, e sai correndo para dentro da casa.

Achando aquela atitude estranha, eu resolvo segui-la. Deixo a mão na espada, caso precise usar, e entro na cabana. Passo pelos cômodos, não encontrando a mulher. Escuto um choro franco de bebê em um dos quartos, e sigo.

Abaixo a mão da espada, e sorrio, ao ver a mulher com um garotinho nos braços. Pelo seu tamanho, suspeitei que ele tivesse a mesma idade que Judith. Me aproximei devagar, vendo a moça sorrir com isso.

Michonne entrou correndo no quarto, com a katana em mãos e a expressão fechada. A samurai também abaixou a guarda ao ver a cena.

一 É seu filho? - pergunto, e a mulher concorda, com algumas lágrimas nos olhos. 一 Posso segurar?

一 Claro... - ela me entrega o menino, que logo se ajeita em meu colo. 一 Ele se chama Jeffrey Peterson. - sorri e estendi meu dedo ao bebê, que logo o agarrou com suas mãozinhas.

一 Você está sozinha? - Mich pergunta, ainda desconfiada.

一 Sim. Estávamos em um grupo, mas as pessoas morreram. Fugi com ele e acabamos aqui, mas... -  a mulher levanta a barra de sua calça, revelando uma mordida. 一 Aconteceu.

Olhei boquiaberta para o lugar. Ela tinha um filho, e ele não podia ficar sozinho.

一 Vocês poderiam...

一 Claro. - digo, entendendo sua próxima pergunta. 一 Eu vou cuidar dele.

一 Nate... - Mich me chama em repressão.

一 Eu.vou.cuidar.dele. - digo pausadamente para a morena. 一 Pode ficar tranquila, eu dou conta.

一  Tudo bem. - Michonne diz, desistindo de me convencer do contrário. 一 Você tem coisas para ele? - ela diz a mulher.

一 Tenho! Aqui. - ela se vira, e pega a bolsa no chão. Michonne a pega e a coloca atravessada em seu pescoço. 一 Não quero me transformar. - a mulher estende uma arma para a samurai. 一 Tem alguns enlatados na cozinha, e remédios no banheiro. Peguem as coisas e saiam daqui! - assentimos. 一 Se algum dia... - a moça se virou para mim. 一 ele te chamar de mãe, eu quero que deixe!

一 Tudo bem. - sorri triste. 一 Eu vou cuidar dele, é uma promessa!

一 Eu sei que vai. - ela sorri, e se aproxima do pequeno, que dormia tranquilamente em meus braços. 一 Adeus meu pequeno. - ela sussurra e deixa um último beijo na testa do filho. 一 Espero que sobrevivam.

一 Nós vamos. - Michonne responde confiante e a mulher assentiu. Quando ela se afastou, a samurai engatilhou a arma e esticou seu braço. 一 Me desculpa. - ela disse, antes de apertar o gatilho e o corpo da mulher cair no chão.

Deixei uma única lágrima cair, enquanto olhava o pequeno em meus braços. Eu cuidaria dele. Fiz minha promessa e vou cumprir. E se alguém se meter com ele, vai morrer.

Decidimos enterrar o corpo da mulher, apenas por respeito. Depois disso, Michonne juntou os enlatados e os remédios em um outra mochila e colocou ela nas minhas costas, já que a mesma já carregava a bolsa do bebê. Enrolei um lençol em meu tronco, improvisando um baby sling para o pequeno Jeffery.

Assim que tudo estava pronto, saímos da casa e voltamos nosso caminho. Decidimos ir pelos trilhos, por que dessa maneira, poderíamos achar algum lugar seguro para nós.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...