História Our Love - Fillie - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Stranger Things
Personagens Billy Hargrove, Bob Newby, Dustin Henderson, Eleven (Onze), Jonathan Byers, Mike Wheeler, Personagens Originais, Steve Harrington, Will Byers
Tags Cadie, Fillie, Noah Schnapp, Noha, Original, Romance, Stranger Things
Visualizações 96
Palavras 3.255
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 10 - Closer


Millie

11 de março de 2018.

Um mês de aula se passou e continuo viva e isso é mais do que pensei que ia aguentar naquela escola de gente rica e se tem uma coisa que eu aprendi estando lá é não julgar um livro pela capa. Sinceramente, as pessoas de lá não são bem como eu imaginei, eles não são civilizados. Não mesmo. Eu achava que seria amiga dos bolsistas, mas me tornei amiga da menina mais rica da escola. Vai entender como o destino funciona.

Estava eu e Sadie voltando da casa de Chloe e Noah, passamos sexta e sábado lá. E como terça é feriado porque é aniversário da escola emendaram com segunda e eu amo quando isso acontece é a realização de um sonho ficar 4 dias em casa ou na casa dos seus amigos. Ontem foi muito divertido e é claro que Noah nem chegou perto de Hannah e fizemos questão para que fosse algo entre nós meninas. Deus que me livre ter que ouvir mais uma briga deles dois.

Chegando na casa de Hannah que viemos andando já que Sadie deu a brilhante ideia de nos exercitarmos. O pior de tudo é que está um calor e eu estou tão suada que perdi 75% da água que tinha no meu corpo.

- Mas o melhor foi a Sadie caindo da cama... - Hannah tentava falar, mas não parava de rir e eu a acompanhava. Sadie apenas queria nos matar.

- Ela começou a dançar que nem uma doida. - Falo morrendo de gargalhar, risinhos escaparam de Sadie.

A cena foi hilária devo dizer, estávamos todos dançando no quarto de Chloe que nem loucas até que Sadie e eu subimos na cama de Chloe. E Sadie estava tão louca que caiu da cama dela. E começamos a rir como 4 loucas e no final todas estavam no chão de tanto gargalhar. Foi uma cena épica e acho que vai ficar para o resto da história desse planeta.

Hannah tira um chaveiro com muitas chaves de sua kanken amarela e abre a enorme porta de madeira. Entramos no corredor rindo e conversando ainda, o que foi descuidado porque pessoas poderiam estar dormindo, o irmão dela provavelmente está dormindo.

Chegamos na sala de estar e Hannah paralisa. Eu e Sadie a acompanhamos e paramos de rir também, mas só porque não parecia adequado rir mais.

Eu vi no sofá Finn que tinha uma cara de preocupado, do seu lado seu pai e do lado dele um garoto familiar. Ele tinha um cabelo enorme e um nariz também, ele era a cara de Finn. Eles tinham um outro irmão? Por que nunca me contaram? O menino conversava alegremente com o pai de Hannah que também sorria. Olhei para o lado e vi Sadie dando as mãos para Hannah como se aquilo fosse fazê-la mais forte. Dou a mão para Sadie também, Hannah olha para a minha mão e sorri para mim.

O menino logo perde o sorriso e para os olhos na Hannah. Na sua cara é uma expressão que eu não saberia descrever, tristeza? Não sei descrever, ele parecia sério. Finn olhava para ela também.

- Hannah... Não sabia que vinha tão cedo. - Eric se pronuncia. Ele não é meio que controlador? Não é ele que sabe todos os lugares onde a filha dele está? E que horas ela vai voltar?

- Hannah. - É tudo que sai da boca do Finn. O menino olhava para os seus pés.

Hannah fecha os olhos e seu queixo mexia, daquele jeito que parece que você vai chorar. Daquele jeito que quebra o coração de qualquer um. Não, eu não vou deixar ninguém quebrar você. Eu prometi.

- Seu irmão está fazendo uma visita...

- Oi Nick. - Hannah fala abrindo os olhos agora e ele olha surpreso para ela. - Bem-vindo de volta para casa. Se me dão licença tenho coisas para fazer.

Ele apenas assente com a cabeça e dá um sorrisinho mínimo. Finn tinha cara de dúvida e Sadie também, não acredito que a minha estaria diferente. Porque diferente deles eu não sei de nada, só que rolou um climão aqui entre todos.

Hannah soltou a mão de Sadie e eu também. Ela subiu as escadas e fomos atrás dela claro. Eu queria saber o que aconteceu, mas queria dar um tempo para ela mesmo raciocinar o que aconteceu. Porque parece algo que ela precisa muito fazer e a entendo completamente. Eu também precisaria de um tempo para entender o que aconteceu aqui hoje.

Entramos no quarto dela e ela se jogou na cama, apenas sentou. Suas pernas encostadas no colchão e sua coluna e cabeça na cabeceira. Ela parecia pensar, não tinha mais tristeza em seus olhos, apenas a dúvida. Se ela está com tanta dúvida do que aconteceu ali embaixo imagina eu. Eu e Sadie arrastamos dois de seus puffs coloridos e nos sentamos em frente a ela que parecia pensar seriamente no assunto.

- Vocês se falam agora? - Sadie interrompe o silêncio e o pensamento de Hannah.

Eu não entenderia do que elas estão falando e não sei muito bem se Hannah quer que eu entenda.

- Não. - Hannah a responde e seus olhos estão presos nas suas figurinhas que piscam na noite.

Eu queria que ela me contasse, sinto que confio mais nela mais do que confio em mim mesma, e queria que ela entendesse que eu seria essa pessoa para ela. Ela querendo ou não. Eu prometi que estaria aqui para ela, e aqui estou eu. Estou pronta para combater todos os seus monstros e ser assombrada pelos seus fantasmas, isso que é amizade.

Amizade é estar com a pessoa não pelos seus encantos, pela nota na escola, ou pela riqueza. Mas é estar com ela pelos seus defeitos e não ajudar acabar com eles, mas ajudar a amar eles também. Porque é isso que faz de uma pessoa uma pessoa. E de amigos se faz uma pessoa. É muito bom termos aquela pessoa em que podemos confiar. Amizade é poder olhar para trás e ver a casa que você vai voltar. Amizade é nunca desistir da pessoa que um dia deixou você chorar no colo dela. Isso é amizade e não um bando de gente se traindo.

- Então o que foi aquilo? - Sadie pergunta.

Ótimo, eu não estava sozinha nesse barco. Tem mais gente comigo, muito mais gente comigo.

Eu sei que parece estranho, mas quero estar aqui para ela quando ela precisar de mim, que tipo de amiga eu seria se abandonasse ela pelos meus ideais? Que tipo de pessoa eu seria se simplesmente saísse da vida dela por que não entendo o que ela passa ou passou? É para isso que amigos existem na nossa vida, o universo nos prova o quanto podemos amar.

- Finn colocou essas figurinhas. - Hannah fala e fico meio em dúvida com o que isso significava. - Eu tinha 7 anos, eu não conseguia dormir. Eu sempre achava que ia morrer, todo dia. Eu tinha medo da escuridão. Medo de que tivesse alguém nela. Então Finn com seus oito anos foi até a loja de decoração de quarto e comprou essas. Estrelas e planetas. - Hannah dá uma pequena risada abafada. - Quando eu tinha 6 anos, Finn vinha me ver no quintal enquanto olhava para o céu e chorava. Ele me abraçava e perguntava: "Por que chora? E eu respondia que era porque Deus não me respondia. E ele perguntava o que eu tinha perguntado e eu respondia: "Quero saber quantas estrelas tem no céu." E aí ele me perguntou: "Sabe quantas estrelas eu tenho?" E olhei para ele com a maior cara de dúvida do mundo. "uma, e para mim é o suficiente." E eu não entendia nada. E aí ele me respondeu: "Você é a minha estela Hannah, como o sol. Brilha mais do que todas as outras do mundo." Eu o abracei.

Finn era assim?

- Mas aí eu o respondi. "Eu não sou uma estrela eu sou um lobo." E ele me disse: "Você pode ser os dois, pode ser o que você quiser."

Eu não entendo a fascinação de Hannah pelos lobos, não mesmo. Eu queria entender muito o que acontecia em sua mente. Eu queria compreender como ela pensava. Porque sinceramente ela pensa rápido demais e para tudo tem um significado.

- Nos meus 9 anos de idade Finn me ajudou a tirar o dente de leite, com 10 anos ele foi comprar comigo o meu primeiro sutiã, ele que escolheu. Eu tenho ele até hoje. Com 11 fomos comprar o meu primeiro absorvente e ele estava tão feliz por mim, com 12 ele me acompanhou no ginecologista, com 13 ele quase pirou quando contei como foi o meu primeiro beijo. Com 14... Bom, com 14 ele salvou a minha vida. E agora com 15 ele cuida de mim. Mas tudo que fui mais grata em toda a minha vida foi por essas estúpidas figurinhas. É isso que irmãos fazem, não é? - Hannah pergunta agora olhando para nossa cara.

Eu assenti com a cabeça e me vi querendo conhecer esse Finn. Esse Finn que eu quero conhecer não aquele que se passa na escola e acho que é a primeira vez que tenho algo definido sobre Finn, ele vai se abrir comigo. Eu vou fazê-lo fazer isso. Agora eu sei de verdade que ele passou por um bando de coisa e cuidou dela e eu tenho essa vontade cuidar dele. Finn Wolfhard você tem uma chance.

- Nick me odeia... Ele sempre me odiou. E eu não consigo... odiá-lo também. Porque odiá-lo dói muito. Odiá-lo significa machucar meu pai e meu irmão e eu não posso mais machucar a minha família. - Hannah fala.

- Você não machucou ninguém. - Falo.

- Como você sabe? Você nem sabe de tudo. - Hannah fala.

- Não, mas eu confio em você. Hannah é você. Você nunca seria capaz de fazer nada que machucasse nenhuma mosca e se você fez, o que eu acho que não, foi autodefesa, foi um jeito de sair de alguma situação. - Falo. Me sento do lado dela na cama na mesma posição e Sadie do meu lado. - A gente gosta dele?

Hannah parecia confusa.

- Eu não posso dizer em quem...

- A gente gosta dele? - Sadie refaz a minha pergunta.

- A gente não quer falar com ele. - Hannah responde e sorrio para ela. Ela encosta sua cabeça no meu ombro. Sadie faz o mesmo.

Eu amo demais essas duas. Eu não lembro muito bem como tudo isso veio acontecer. Tão rápido, mas tão maravilhoso, e sabe não quero que acabe eu quero que dure por muito tempo, quero que isso aqui seja para sempre. Eu quero e quando eu quero eu faço de tudo para acontecer. Eu amo o que essa mudança me proporcionou, amigas de verdade. Pessoas que eu posso confiar e dizer o que eu penso e se eu estiver errada, elas não vão me julgar, elas vão tentar de tudo para me convencerem do certo e é importante ter pessoas assim na sua vida.

- O que vocês querem fazer? - Hannah pergunta.

- Tá bem sol. - Sadie fala.

- Sorte de vocês que na minha casa tem uma piscina enorme. - Hannah fala.

- Não trouxemos biquíni.

- Sorte de vocês que eu tenho vários. - Hannah fala de novo sorrindo para gente.

Como se nada tivesse acabado de acontecer ela pula e anda até o seu closet, eu e Sadie trocamos olhares e a seguimos. Hannah estava no final do mesmo e abria uma gaveta. Quando chegamos perto vimos dezenas de biquínis e maiôs embalados por saquinhos lindinhos. Ela me dá um com um tecido preto e começou a olhar para Sadie, mas logo volta sua atenção para a gaveta. Fechando a mesma e abrindo outra.  

Olhamos no espelho como ficamos vestidas e todas as duas estavam lindas, mas o meu? Era pequeno demais, o biquíni de Hannah tampava até o seu piercing. Mas o meu era muito pequenos.

- Por que o meu é menor? - Pergunto].

- Por que o meu é menor? - Pergunto.

- Porque você tem alguém para impressionar. - Sadie me responde.

- Como é que é? - Pergunto.

- Finn. - Sadie me responde.

- Não fui feita para agradar homem nenhum, não vou me vestir de tal jeito porque supostamente ele vai gostar. Se ele quiser tocar nisso aqui, ele vai ter que esperar.

- Então, você quer que ele te toque? - Hannah pergunta.

- Não foi isso que eu disse.

- Foi exatamente o que você disse. - Sadie fala.

- Não foi o que eu quis dizer. - Falo.

O meu biquíni era preto e seu sutiã era perfeito. O problema era a calcinha que era mínima. Eu não me senti confortável daquele jeito. Eu até que estava linda, mas queria algo mais sútil.

- Você tem uma saída de praia?

Hannah me entrega um vestido transparente com um decote em formato V que era enorme. Eu queria matá-la.

- É só o que eu tenho.

- Mentirosa.

- Nunca saberemos. - Hannah fala.

Coloco aquilo que era melhor do que nada. Hannah e Sadie colocam seus slides nos pés e me juntam a elas. Pegamos toalha, protetor solar e tudo que se deve usar em uma piscina. E Hannah não esqueceu do celular claro. Certeza que ela vai inventar de tirar milhares de fotos enquanto estivermos lá. Não tenho a mínima dúvida disso.

Descemos a escadas e eu vou atrás. Graças a Deus não tinha ninguém na sala. Sinto o desaponto de Sadie ao ver que não tinha uma alma viva naquela sala e Hannah deixa um ar pesado sair de suas narinas. Eu estranho, mas resolvo em focar em não cair da escada nesse momento. Segui Hannah na imensa casa que ela tinha e logo me deparo com aquela delícia. Por que eu não tenho uma dessa na minha casa?

O sol estava perfeito. Tudo naquele dia parecia ótimo e nossa eu poderia viver com isso aqui pelo resto da minha vida, principalmente morando em Los Angeles.

Hannah tira o seu celular e começa a mexer no mesmo. E aí ouço um grito que dizia: Qual cor?

Eu olho para cima de onde parecia que vinha o grito e vejo Finn na varanda dele. Eu não sabia o que ele estava fazendo ali. Será que o quarto é ali? E tem uma varanda enorme?

Seus olhos encontram com o meu e ele sorria e queria socá-lo até que ele esquecesse como se abre a boca. Parecia com um daqueles sorrisos ignorantes que ele me dava quando me via na escola. Aquele sorriso que dizia que ele tinha ganhado alguma coisa, eu queria bater nele toda vez que eu via aquela droga.

Quando finalmente reparei em Finn vi que ele estava sem camisa e arregalei meus olhos, coisa que é claro que ele reparou. Só que eu não esperava por isso. Nem pela visão que eu estou tendo. Finn nunca usou camisas muito coladas. Então quando tive a visão do seu perfeito abdômen entendi duas coisas, a primeira é que eu realmente não sabia nada sobre Finn Wolfhard. A segunda coisa que eu entendi foi porque as meninas queriam sempre entrar no carro dele. Eu reparei algo que eu nunca iria acreditar se não visse. Uma tatuagem em sua costela. Eu não consigo ver bem o que é.

Finn Wolfhard tem uma tatuagem, por que será que eu estou tão surpresa com esse menino? 
Ele começa a gritar com Hannah agora tirando os seus olhos de mim e agradeço porque ia ficar muito constrangedor se continuássemos encarando um ao outro. Eu tenho que parar com isso, antes que seja tarde demais.

"Você vai vir aqui?"

Se tem uma coisa que Hannah sabe fazer muito bem é gritar. Certeza que Los Angeles inteira teria ouvido.

"Não."

Finn grita de volta.

"Tenho que sair com o pai, coisas da empresa."

"Sinto muito" Hannah grita de volta. Ele pisca para ela.

Ele agora vira para mim, e por que diabos eu continuo olhando para ele? Ele me olha de cima até embaixo e sinto minhas bochechas queimarem, eu tinha certeza que estava vermelha. Ele pisca para mim também e se vira para ir embora. Tomo um longo suspiro e solto todo ar pesado de dentro de mim, olhando para as duas na minha frente que tinham um sorriso enorme em seus rostos.

- Desde quando ele tem aquilo? - Pergunto, mas logo sinto que as minhas bochechas queimavam mais. Eu não acredito no que eu tinha perguntado.

- Ele fez no aniversário de 17 anos. - Hannah fala.

- Seus pais deixaram? - Pergunto. Hannah me dar um olhar estranho e depois dá de ombros e resolvo fazer o mesmo.

Não preciso ficar obcecada com a tatuagem que ele tem, é só uma, aliás. Será que ele tem outras escondidas? Eu queria saber muito sobre ele, muito mesmo e espero que ele me deixa fazer isso. Não do jeito que ele espera ou do jeito que todas as outras meninas da escola querem, mas do meu jeito. Como amigos. Não é como se eu fosse me apaixonar por ele em dois dias. Ou em dois anos. Eu nunca iria fazer isso. Entre mim e Finn nunca existiria um nós.

Depois de tirar muitas e muitas fotos com o celular enorme de Hannah, resolvo postar duas no instagram. Uma com as minhas duas amigas e outra apenas minha. E em segundos vejo que Finn curtiu as minhas fotos. Eu sorri, mas não sei bem porquê. Eu só cliquei no seu nome e logo apareceu seu instagram que era privado. Eu não queria segui-lo. Não depois dessa bizarrice que passamos agora. Mas se eu quisesse ser amiga dele, eu teria que fazer isso. Se eu apenas o ignorasse ele ia pensar que eu gosto dele, então pedi solicitação para seguir e em segundos eu pude ver seu perfil. Muito bem organizado. Finn tinha muitas fotos com pessoas famosas, mas uma delas em comum era Jaden Smith. Os dois tinham foto de tudo que era tipo, sem blusa, em um palco, em restaurante, com Hannah, sem a Hannah. Ele tinha muitas fotos com Hannah em roupas que eu nunca a vi usando. Uma com uma mulher que eu nunca vi na minha vida. Umas quatros só com Sadie. Várias de paisagens ou de instrumentos, ou ele mesmo tocando vários. Tinha vídeos, resolvi assistir o primeiro que eu achei, que era Hannah dançando e ele rindo dela. Eu ri muito e Hannah ouvindo os barulhos me deu seu olhar matador.

- Foi um desafio. - Hannah fala.

Tinha outro vídeo do lado que era Finn e um outro garoto dançando com Hannah que nem retardados. O nome do outro menino pela marcação era Josh. Tinha foto com Jack, Caleb e até Noah. Amo que Finn coloca os seus amigos assim sem se importar com o que as pessoas iam falar, pessoas são bem chatas e preconceituosas quando elas querem e não querem. Realmente tinha muita coisa sobre Finn que eu não sabia, nem conhecia e por causa disso o fiz na minha mente, mas talvez o que eu pensei o que ele seria não é exatamente o que ele é. E talvez realmente vale a pena conhecer ele. 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...