História Our Love - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook
Tags Bangtan Boys, Bts, Imagine, Imagine Bts, Jeon Jungkook, Jungkook, Prostituição, Sexo, Staygirl, Você
Visualizações 1.254
Palavras 1.776
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá Stayzitos, tudo bem com vocês?

A Suzy trouxe mais uma atualização bem forte para vocês, e espero que gostem do que vira por aí.

Aliais, queria agradecer por todo o amor que estão dando para esse enredo. Muito obrigada mesmo ^^

Boa leitura =

Capítulo 4 - III - Como é teimosa.


Fanfic / Fanfiction Our Love - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 4 - III - Como é teimosa.

— Padre… eu não sei se posso morar com você.

— _______ me chame de Jungkook. — Assenti para o moreno que riu para mim. — Para onde irá se não em minha casa?

— Eu não sei, mas a igreja. Se souberem disso…

— Não vão, você sabe guardar segredo, não é? Você só precisa não dizer para ninguém, apenas isso.

— Tudo bem Jeon, eu fico em sua casa até as coisas se resolverem entre eu e minha avó. — Suspiro profundo vendo o sorriso dele.

— Tenho certeza que irá se resolver, apenas questão de tempo para isso acontecer. Sua vó te ama, e te perdoará, mesmo estando errada nessa história.

— Eu espero. Só não quero que ela me odeie por isso, não foi culpa minha. — Abaixo minha cabeça. — Eu não escolhi essa vida para mim. — Tento segurar as lágrimas que insistiam em sair.

— Eu entendo. Mas não fique assim, não deixei a tristeza te contaminar. — Senti suas mãos geladas tocarem meu rosto. A cabeça foi levantada o que fizeram meus olhos se encontrarem com os deles. — Tudo se resolverá, menina. — Assenti, soltando um pequeno sorriso para ele. — Venha comigo.

Ele se levanta, estenda a mão para mim que seguro logo após. Levanto da cadeira e o sigo, andávamos pelos cômodos de sua casa, mas já conhecia essa parte. Sua casa era linda, mesmo com várias coisas religiosas.

Entramos em uma parte da casa que não conhecia, era estranho. Mas logo percebi que havia outro quarto, bem maior do que os outros. Mas por que ficava tão afastado dos demais locais? Sem contar dos quadros religiosos que tinha.

— Você irá dormir aqui. — Olhei pelos arredores do quarto e percebi o quanto ele estava empoeirado. — Não posso te deixar dormir nos demais quartos, pois outros padres acabam dormindo aqui.

— Eu pensei que essa casa fosse apenas sua!

— Sim, ela é apenas minha. Mas quando aparecem outros padres na igreja, eles acabam ficando em minha casa.

— Entendo. Mas como irei ficar? Esse quarto precisa ser arrumado, olha o tanto de poeira que tem.

— Eu sei, por isso irei te ajudar. Está vendo tudo isso que tem nele? — Concordo. — Pode tirar tudo que quiser e jogar fora. Como disse, o quarto é seu!

— Tudo bem. — Ele saiu do quarto e eu fui começar a arrumar tudo. Começo primeiro tirando os objetos dos cantos, essas coisas eu iria jogar fora, sem dúvida. — Mas porque esse quarto é afastado dos demais? — Pergunto para Jeon, assim que ele retorna ao quarto.

— Digamos que está casa era de família, então os outros quartos deveriam ser o do casal que é onde durmo, depois os dos filhos e esse o de hóspedes. — Ele carregava em suas mãos, alguns materiais que serviriam para limpar.

— E então, você decidir usá-lo como soltam? — Ele concorda. Começamos a limpar o quarto, que por sinal levaria um tempo para ser arrumado.

(...)

— Onde fica o banheiro? Não encontro um no quarto.

— Tem dois, porém um fica no quarto de outro padre, e outro no meu. Você pode tomar um banho lá, eu não me incomodo.

— Não tudo bem, eu tomo um banho no outro.

— Acho melhor ser no meu, pois o outro padre pode chegar a qualquer momento. — Concordo entendendo o que ele pedia. Pego algumas roupas minhas, que já encontravam dentro da gaveta.

Eu e o padre estávamos muito suados, por causa do calor que fazia no quarto. Mas tudo se resolveu quando ele arrumou o ar condicionado, mesmo assim, ainda estávamos sujos. Ele me empresta uma toalha e me leva até seu quarto.

Depois saiu de lá me deixando sozinha. Deixei minhas roupas em cima da enorme cama e fui para o banheiro. Já lá dentro, tirou minhas roupas e abro o chuveiro. Deixei a água fria cair por meu corpo, e sinceramente? Eu precisava de um banho assim, meu corpo estava em completo tumulto por tudo que aconteceu.

Ele está sendo tão bom para mim, não tiro o fato de ser um padre pois esse deve ser seu dever. Ajudar a todos que precisam. Mas comigo ele está sendo mais que bom, Jungkook me ofereceu um abrigo, mesmo sabendo que sou uma prostituta, ele me ofereceu uma casa.  

Desligo o chuveiro assim que me sinto mais bem. Porém, ainda cansada um pouco, precisava de um sono relaxado. Pego a toalha que havia trago comigo e passo em meu corpo. Sai de seu banheiro deixando tudo como estava. Chegando em seu quarto, visto toda a minha roupa, me olho no imenso espelho que tinha pregado em seu guarda-roupas.

Ele deve está querendo um banho também. Jungkook fez mais coisas do que eu, e eu me sinto culpada por isso. Saio do quarto, mas não o encontrei na sala, até sentir um cheiro bom vindo da cozinha. Ando até lá e o encontro na pia, fazendo algumas comidas.

— Já está pronta? — Ele perguntou.

— Sim! Acabei de terminar. Por que não vai tomar um banho também? Você já fez de mais, precisa descansar um pouco. — Digo me aproximando do mesmo, seguro suas mãos, fazendo ele parar de cortar as verduras.

— Eu estou bem ______, você quem precisa descansar um pouco. Vá, quando tudo estiver pronto, eu te acordo.

— Jungkook, não! Tome um banho primeiro, deixei que eu faço a comida. Eu sei cozinha.

— Saiba que eu amo fazer a comida, então será meio difícil deixar você fazer isso. — Ele comenta divertido.

— Tudo bem! — Solto suas mãos e vou até o meu quarto.

Ao chegar nele, coloco minhas roupas no cesto de roupas sujas que ele havia me dado. Depois estendo a toalha e um canto qualquer. Comecei a admirar o quarto, ele estava bom agora. Deixei tudo como gostaria que tivesse, joguei apenas algumas coisas que não me importava, menos os quadros religiosos, pois eles eu gostava.

Pensei em me sentar na cama para dormir, mas lembrei que Jungkook realmente estar cansado e precisa de um repouso. Saio em imediato do cômodo e vou até a cozinha de volta. Ele ainda estava cortando as verduras, respiro fundo e vou até o fogão. Ele estava torrando carne, e parecia estar ficando bom.

— Não mexa em nada, deixo que eu faço tudo. — Ele comentou para mim, assim que colocou as verduras cortadas em outra panela que estava no fogo.

— Não deixo! — Peguei a colher de sua mão, e fui até a pia. — Jeon, me deixe aqui e vá descansar um pouco, por favor.

— Você é muito teimosa, sabia? Eu já disse que não vou, não agora. — Ele levou suas mãos até a colher, mas eu segurei as duas.

— Então, tome pelo menos um banho, depois você volta. Estou incomodada em vê-lo ainda sujo. — Ele suspira, concorda comigo e vai para seu quarto.

Fiz toda a comida, rápido. Já estava perto, então agilizar ainda mais as coisas, para quando ele retornar apenas comer, sem ter que fazer nada. Vendo que tudo já estava estava pronto, decidi colocar os pratos na mesa, mas eu não sabia onde ele guardava.

Fui procurar pelos armários até encontrá-los. Deixo a mesa arrumada, apenas o esperando para comermos juntos.  Não demora muito e ele volta para a cozinha, seu cheiro pairava sobre o local.

— Você já fez tudo? — Concordo começando a servir a comida. — Eu não acredito que não me esperou para poder terminar. — Sento ele na cadeira.

— A comida iria queimar se fosse deixar para você terminar quando voltasse. — Servi o prato para ele que agradeceu. — Quando terminamos de comer, pode deixar que as vasilhas eu mesma lavo. — Ele iria comentar, quando o interrompi. — E não diga que não, pois irei lavar do mesmo jeito.

— Como você é teimosa. — Sorri sapeca pra ele. Voltamos a comer, ouvindo alguns elogio dele sobre a comida.

Observei ele dormindo em seu quarto. Jungkook parecia cansado um pouco, fecho a porta e vou até o meu. A casa estava silêncio, e isso era bom. Abro a gaveta e tiro de lá meu cartão. Tinha uma quantia boa na minha conta, a empresa sempre depositava, mas agora que parei o serviço, eles não depositam mais.

Por precaução caso eles pegassem o dinheiro de volta. Liguei para o banco e pedi para trocar a conta. Saio de sua casa em silêncio, seu sono estava profundo, então nem percebeu quando sai. Caminho sobre as ruas de nova York, e hoje parceria ter bastante movimento nela. Lembrei-me que hoje era halloween, por isso de toda essa animação.

Entro no banco mais perto que tinha aqui. Caminho até uma das atendentes e entrego o cartão avisando que iria pegar dinheiro. Ela confirma e me entrega a quantia, como disse, o dinheiro todo estava aqui. Ainda bem que não dei o tempo deles pegarem o dinheiro de volta. Agradeço a moça e saiu do banco em menos de vinte minutos.

Não seria justo dividir a casa com Jungkook e não ajudá-lo nas coisas que podem faltar. As crianças já caminhavam arrumadas pela rua, ainda tão cedo e elas já se encontravam arrumadas. Avistei a casa de minha avó, mas como sempre estava fechada. Respiro fundo continuando a andar para a casa dele. Ela não vai me querer mais de volta na casa, não depois de tudo que fiz a ela.

Chego em sua casa, abrindo a porta vagarosamente. Entrando para dentro, caminho até meu quarto, deixo o dinheiro em um canto bem escondido entre minhas roupas. Mas ele era um padre, não iria roubar e nem fazer nada comigo. Quando saio do quarto, tomo um susto ao vê-lo em minha frente.

— Acordou agora?

— Assim que você saiu. Eu ouvi a porta ser batida, para onde foi?

— Ao banco, pegar dinheiro. Não é justo morar com você e não ajudar em nada.

— Não é justo saber que você nunca me escuta. Eu já disse que não precisa me ajudar em nada, eu te chamei para morar comigo, não espero nada em troca.

— Mais você também ein. Eu já disse que quero ajudar. — Caminho até a sala, mas antes de chegar até lá, acabo escorregando em um objeto que estava no chão.

Sorte minha que Jungkook me puxou para sua frente. Suas mãos puxaram as mãos com força, que me fizeram esbarra em seu peitoral, olho para cima onde vejo seu rosto perto ao meu.

— Obrigada Jeon!

Disse baixo, para apenas ele escuta. O mesmo concorda, mas ainda não me solta o que me deixava nervosa pelo contato e aproximação dele.

— Jungkook… — Engoli a seco, quando seu rosto aproxima do meu. Mas não excitei em recuar, quando seus lábios tocaram os meus.

Nossos lábios se tocaram em uma mistura calma e boa. 


Notas Finais


O que dizem sobre esse capítulo? Jeon bem safadinho!

Perfil: @StayGirl


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...