História Our Love (G!P) - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camila Cabello, Camren, Camrengip, Drama, Fifthharmony, Gip, Intersexualidade, Lauren Jauregui, Laureng!p, Laurengip, Laurenjaureguig!p, Romance, Sexo
Visualizações 347
Palavras 2.737
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Orange, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey!! Desculpem a demora, mas estou sem tempo para escrever.
A música do capítulo é Mirros - Justin Timberlake. (Não está completa, apenas alguns trechos)
Caso tenha algum erro, relevem, não tive tempo para revisar.
Enjoy!

Capítulo 26 - De volta ao lar


Pov. Camila

Finalmente eu estava indo embora daquele hospital. Podia parecer estranho, apesar de que eu só tinha consciência de que estava ali há apenas dois dias, meu corpo denunciava que era muito mais do que isso. Eu me sentia ansiosa para conhecer meus filhos e isso também era estranho, já que eles eram meus filhos e eu deveria saber exatamente quem são eles, mas eu fui idiota o suficiente para sofrer um acidente e perder a droga da memória. Minha vida poderia ser mais fodida? Poderia, é claro, eu poderia ter morrido, ou continuado em coma e só acordar depois que meus filhos já estivessem casados e minha esposa estar com outro rabo de saia que eu iria fazer questão de jogar na frente de um carro, pois não queria ninguém perto dela e...

− Vamos? – Lauren me chamou me tirando dos meus pensamentos assassinos para com a sua futura esposa imaginaria que eu havia criado.

− Claro. – Sorri para ela e segui para fora do quarto.

Lauren levava a bolsa com nossas coisas e eu apenas seguia ao seu lado olhando feio para qualquer pessoa que ousasse olhar para ela. Não era porque eu não lembrava que éramos casadas que eu deixaria alguma oferecida perto dela, ela usava aliança e isso significava que ela era minha independentemente de eu lembrar ou não. Isso me fez lembrar que eu não estava usando aliança.

− Lauren? – Chamei assim que entramos no elevador. Ela me olhou com aqueles olhos verdes que me dão calor. Gostosa. – Onde está minha aliança?

− Eles tiraram quando você chegou ao hospital. – Explicou e colocou a mão por dentro da blusa e puxou uma correntinha dourada. – Eu quis ficar com ela por perto. – Mostrou minha aliança que estava sendo usada como pingente. Fofa.

− Eu não deveria voltar a usa-la? – Ela olhou para a aliança e depois para mim.

− Não precisa se não se sentir confortável. – Sorri para o seu jeitinho compreensivo.

− Tem muita piranha olhando pra você. – Disse ao chegarmos no estacionamento e uma mulher quase cair de cara no chão só por estar distraída com a beleza de Lauren.

− Tudo bem então. – Riu e retirou a correntinha do pescoço, retirando a aliança e pedindo minha mão para coloca-la. – Prontinho. – Deu um beijo em cima da aliança que já estava em meu dedo.

Como alguém poderia ser tão linda e gostosa em um momento e depois ser fofa e carinhosa? Eu tirei a sorte grande ao me casar com essa mulher. Obrigada Deus, desculpe por todas as vezes que eu reclamei da vida só por ter tirado uma nota baixa.

Entramos no carro e ela ligou o som em uma estação que estava tocando uma música que eu não conhecia. Mas eu não deveria conhecer nenhuma, já que eu não lembrava de nada dos últimos anos. Nota mental: Ouvir as músicas atuais. Lauren dirigia em silencio e seus lábios mexiam de acordo com o ritmo da música, ela parecia distraída e eu aproveitei aquilo para observa-la melhor. Ela continuava linda, se possível ainda mais linda do que na nossa adolescência, ela estava mais gostosa e seus lábios eram tão beijáveis que eu sentia vontade de pular no seu colo e ataca-la.

Talvez eu tenha babado um pouco.

Ou muito.

Nunca se sabe.

Paramos em frente uma casa e na porta já pude ver Dinah batendo o pé impacientemente. Descemos do carro e seguimos até a porta e Dinah não me deu tempo nem de dizer “oi”, pois ela me agarrou em um abraço de urso e me asfixiou com seus seios.

− Ai que saudade Chancho. – Disse me apertando mais.

− Nos vimos ontem Dinah. – Tentei falar com o pingo de folego que ainda me restava.

− Não mata a minha mulher Dinah. – Lauren resmungou e eu sorri com aquilo.

− Cala a boca folha A4.

Dinah já ia partir pra cima de Lauren, mas uma coisinha pequenininha passou correndo por ela e sorridente abraçou minhas pernas.

− Mama. – A fofura de criança disse e eu me abaixei para pega-la no colo.

− Ela falou? – Lauren parou ao meu lado com os olhos arregalados. – Você falou? – Perguntou sorrindo largamente. Babei outra vez.

− Mama. – Sarah repetiu e senti meus olhos arderem.

− Oi meu amor. – Disse apertando seu corpinho.

Era engraçado que mesmo sem me lembrar dela, o amor permanecia ali, era um sentimento que aquecia o meu coração, e eu sentia que poderia reconhecê-la em qualquer lugar e em qualquer época. Senti seus bracinhos rodearem meu pescoço e aspirei seu cheirinho de bebê, me deixando ser banhada por aquele amor tão inocente. Olhei ao nosso redor e todos estavam nos olhando com sorrisos enormes, Lauren também tinha os olhos marejados e fungava entre sorrisos. Estiquei meu braço e ela não esperou nem um segundo e nos abraçou apertado, escondendo o rosto em meu pescoço e se permitindo chorar. Acariciei seus cabelos e beijei sua cabeça.

− Okay, está tudo muito lindo, mas eu estou com fome. – Dinah Estraga Prazeres Hansen nos tirou do nosso momento com aquele comentário ridículo.

Entramos na casa e o cheiro de comida invadiu minhas narinas, me fazendo perceber que eu também estava com fome. Nos sentamos no sofá e Lauren subiu as escadas de dois em dois degraus com um sorriso tão grande que deveria ser visto até de costas.

− Reconhece a casa? – Taylor perguntou e eu olhei ao redor, mas nada ali era familiar.

− Não. – Sorri triste. – Eu queria lembrar de tudo, mas... – Suspirei e ela assentiu compreensiva.

− Olha que chegou. – Ouvi a voz de Lauren e olhei para ela que estava segurando o bebê mais lindo que eu já tinha visto. – Esse é o pequeno Matthew. – Sentou ao meu lado com ele.

− Oh meu Deus ele é tão lindo. – Disse emocionada segurando a mãozinha dele.

− Ele puxou a mim né. – Lauren disse convencida e eu tive que concordar. Linda pra porra – Quer segurar?

− Claro. – Dinah pegou Sarah dos meus braços e Lauren me passou Matt.

A sensação foi a mesma de quando segurei Sarah. Uma familiaridade, um calor no coração, um desejo de proteger, um amor sem tamanho. Abracei meu filho e deixei um beijo em sua cabeça, sentindo seu cheirinho. Deixei-o em meus braços de frente para mim e ele sorriu, como se me reconhecesse, acariciei seu rostinho e ele agarrou meu dedo, me fazendo sorrir mais ainda.

Depois de mimar muito meus filhos, todos nos dirigimos até a mesa que já estava posta e almoçamos em meio a risadas e conversas aleatórias. Todos tomaram cuidado para não me deixar desconfortável sobre não ter minhas memórias e tudo foi muito agradável. Dinah e Mani tinham preparado muita comida e meus olhos brilharam ao ter noção de que iria comer comida de verdade, e não aquela coisa sem gosto que eles serviam no hospital.

Após todos se empanturrarem de comida, Dinah sugeriu que fossemos assistir alguns vídeos caseiros e todos concordamos. Ajudei Lauren a colocar as crianças em seus quarto e voltamos para a sala, nos sentando e esperando Dinah dar play.

“A câmera estava focada em mim e atrás de mim tinham algumas mesas e cadeiras com vários adolescentes, parecia uma escola.

− Conta pra gente que você e a Lauren estão se pegando. – Normani disse e eu corei.

− Nós não estamos fazendo isso. – Respondi acanhada e ouvi a risada de Dinah.

− Então conta que você quer pegar ela. – Dinah disse e eu bufei.

− Eu não quero pegar ela, eu só tinha uma quedinha por ela, mas já passou.

− Quer dizer que você não gosta mais dela? – Normani perguntou e eu assenti. – Então você não iria se importar se a Britt desse em cima dela certo?

− O que? – Praticamente gritei e elas riram. – Onde aquela oferecida está? – Perguntei e olhei para trás.

A câmera se moveu para o lado e se aproximou mais de uma garota loira e sorridente que passava as mãos de uma maneira nada inocente na barriga de Lauren, que estava corada e tentava a todo custo retirar as mãos da garota de cima dela.

− Eu vou matar aquela vadia. – Disse com raiva e me levantei.

Segui a passos largos até as duas e retirei aquela oferecida de cima da minha mulher, que naquela época não era, mas isso não impedia que eu defendesse minha futura esposa das garras daquela piranha. Menos de um minuto depois voltei de mãos dadas com Lauren e dizia algumas coisas para ela que estava de cabeça baixa.

− Jauregui pau mandado. – Dinah comentou e gargalhou, terminando o vídeo”.

Todos começaram a rir depois que o vídeo terminou e eu apesar de não ter gostado muito de ver alguém se oferecendo daquele jeito para Lauren, também ri, pois ela tinha a cabeça baixa da mesma forma que tinha ficado no vídeo.

− Esse dia foi muito hilário. – Dinah bateu palmas ainda rindo.

− Foi hilário nada. – Lauren resmungou. – Ela passou dois dias sem falar comigo.

− Você poderia muito bem tirar as mãos daquela piranha de cima de você. – Comentei e Lauren arregalou os olhos. – Oh meu Deus. – Levei as mãos até a boca. – Eu lembro disso.

− Então vamos ver outros vídeos. – Normani disse animada e colocou outro CD.

“A câmera estava posicionada de frente para uma janela e era possível ver o lado de fora, onde cadeiras brancas estavam simetricamente posicionadas em frente a um pequeno palco, onde um senhor de cabelos grisalhos estava lendo algo. A câmera girou e mostrou Lauren sentada em uma cadeira enquanto uma moça fazia sua maquiagem.

− Como se sente? – Normani perguntou e Lauren olhou rapidamente para a câmera.

− Nervosa. – Suspirou. – Parece que minhas pernas viraram gelatina.

− Não precisa ficar nervosa meu bem. – A câmera virou e mostrou Clara que tinha os olhos marejados e sorria. – Você está linda.

A imagem ficou preta e novamente voltou, dessa vez, mostrando-me vestida com um vestido branco e com o cabelo preso. Eu andava de um lado para o outro e uma mulher tentava me fazer ficar quieta para poder fazer minha maquiagem.

− Karla senta essa bunda agora ou eu vou quebrar a tua cara. – Dinah disse e eu arregalei os olhos, sentando rapidamente. – Boa garota.

− Eu quero chorar. – Disse com a voz chorosa. – E se ela desistir do casamento? – Perguntei perto de ter um colapso.

− Ela não vai desistir sua idiota. – Me deu um tapa na cabeça e o vídeo ficou preto.

Dessa vez a imagem mostrava o lado de fora e as cadeiras estavam ocupadas por nossos familiares. No chão tinha um tapete vermelho e a câmera estava apontada para a entrada, aonde Lauren vinha caminhando de braços dados com Michael. O sorriso em seu rosto era enorme e seus olhos brilhavam. Ela chegou até o pequeno palco e sorriu para algumas pessoas e logo uma música começou a tocar, indicando que eu estava entrando e seu sorriso se alargou.


Aren't you somethin' to admire

(Mas não é que você é algo para admirar?)

Cause your shine is somethin' like a mirror

(Porque o seu brilho é algo como um espelho)

And I can't help but notice

(E eu não posso evitar apenas notar)

You reflect in this heart of mine

(Você reflete neste meu coração)


Eu caminhava em direção a ela com meu pai ao meu lado e também tinha um enorme sorriso ao olhar para Lauren, ela estava linda. Caminhei lentamente até ela e meu pai deixou um beijo em minha testa e se afastou, me permitindo segurar na mão de Lauren, que me olhava de uma maneira abobalhada.


If you ever feel alone and

(Se você um dia se sentir sozinha e)

The glare makes me hard to find

(A luz intensa tornar difícil encontrar)

Just know that I'm always

(Saiba apenas que eu estou sempre)

Parallel on the other side

(Do outro lado, paralelamente)


− Olá amigos e familiares, estamos aqui hoje para celebrar a união de Camila e Lauren. – O senhor grisalho disse com uma voz suave. – Hoje, nós iremos unir essas duas almas, que se pertencem muito antes de se conhecerem. Ao conversar brevemente com alguns amigos e familiares das noivas, pude ver que o amor entre ela é algo puro e que tem tudo para florescer.


Cause with your hand in my hand

(Porque com a sua mão na minha mão)

And a pocket full of soul

(E um bolso cheio de alma)

I can tell you there's no place we couldn't go

(Posso dizer, não há lugar aonde não podemos ir)

Just put your hand on the glass

(Ponha apenas a sua mão no vidro)

I'll be tryin' to pull you through

(Estarei aqui tentando puxar você)


Após dizer mais algumas palavras, o senhor sorriu para nós e nos permitiu trocar as alianças. Lauren pegou minha mãe e me olhou nos olhos.

− Eu, Lauren Jauregui, prometo amar-te, Camila, com todo o meu coração e alma, nós momentos de alegria e de tristeza. Prometo ser fiel e respeitar-te por todos os dias das nossas vidas. Prometo de proteger de tudo e de todos, para que nada te cause dor. Prometo amar o seu cabelo bagunçado e sua cara amassada ao acordar todo dia ao meu lado. – Riu e limpou uma lágrima que escorreu por sua bochecha. – Prometo te amar mesmo quando você estiver em seus dias de TPM e tente me matar de cinco e cinco minutos. Prometo te abraçar quando você estiver triste e tentar de todas as formas te fazer sorriu amo você Camila Cabello.

Lauren terminou de falar e colocou a aliança em meu dedo, beijando-a logo em seguida. Peguei a outra aliança e segurei sua mão.


It's like you're my mirror

(É como se você fosse o meu espelho)

My mirror staring back at me

(Meu espelho olhando de volta para mim)

I couldn't get any bigger

(Eu não poderia ficar maior)

With anyone else beside me

(Com mais ninguém ao meu lado)


− Eu, Camila Cabello, prometo amar-te para sempre, na saúde e na doença, na alegria e na tristeza. Prometo te proteger de todos que te olharem com desejo e bater nelas se for o caso. Prometo te amar em seus momentos de rabugenta e marrenta. Prometo te fazer e rir e chorar com você quando necessário. Prometo te amar mesmo quando você queimar nossa comida. – Ela fez uma careta e todos riram. – Prometo ser fiel e respeitar-te em todos os dias das nossas vidas. Eu amo você.

Terminei de colocar a aliança em seu dedo e repeti seu gesto, deixei um beijo em cima da aliança.


And now it's clear as this promise

(E agora está claro como esta promessa)

That we're making

(Que estamos fazendo)

Two reflections into one

(Dois reflexos em um)

Cause it's like you're my mirror

(Porque é como se você fosse o meu espelho)

My mirror staring back at me

(Meu espelho olhando de volta para mim)


Nos beijamos e todos começaram a bater palmas e gritar felicitações para nós, que tínhamos sorrisos enormes estampados nos rostos e nossos olhos estavam marejados. Demos as mãos e descemos do palco, acenando para algumas pessoas e pousando para as fotos.”

Meus olhos estavam marejados e eu sentia um pouco de falta de ar, era o meu casamento e eu não conseguia lembrar. Me sentia uma inútil. Meu peito estava apertado e eu só queria gritar e bater a cabeça na parede para saber se minha memória voltava. Lauren percebeu meu estado de nervosismo e segurou delicadamente na minha mão e deixou um beijo.

− Não se culpe. – Sussurrou e sorriu pra mim. Seus olhos também estavam marejados.

− Eu tento, mas é difícil. – Abaixei o olhar e ela levantou meu rosto. Seu rosto estava próximo do meu e eu podia sentir sua respiração bater em meu rosto. – Você é tão linda. – As palavras simplesmente saíram da minha boca e ela sorriu.

− Você é muito mais. – Acariciou minha bochecha e eu não pude me controlar.

Colei nossos lábios e uma corrente elétrica passou pelo meu corpo. Seus lábios eram macios e quentes, eu poderia beija-la para sempre. Não foi um beijo de cinema, foi apenas um encostar de lábios, mas aquilo me deixou com uma sensação maravilhosa. Descolei nossas bocas e colei nossas testas, ainda de olhos fechados, sentindo seu cheiro maravilhoso.

− Eu amo você. – Sussurrou só para que eu ouvisse.

Apertei as mãos em seus ombros e abri meus olhos. Iria abrir a boca para falar algo, mas ela foi mais rápida e tampou minha boca com dois dedos.

− Não diga nada. – Assenti e me afastei relutante.

− Nosso casamento foi lindo. – Sorri para ela.

− Você quase me deixou louca com tantos detalhes. – Riu e eu acompanhei.

− Isso é porque você tem o cérebro pequeno. – Dinah novamente cortou o clima.

− Ei, meu cérebro é do tamanho normal. – Olhou indignada para Dinah.

− O que tem nesse CD preto? – Taylor perguntou e Lauren arregalou os olhos.

No segundo seguinte ela já estava do outro lado da sala segurando o CD e seu rosto estava corado.

− Humm. Sacanagem. – Normani sorriu maliciosa.





Notas Finais


E então? O que será que tem nesse CD? Será que a Mani está certa?
Até depois...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...