História Our Song - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Hizashi Yamada (Present Mic), Shouta Aizawa (Eraserhead)
Tags Eraserhead, Erasermic, Fluffy, Hizashi Yamada, Kpop, Maizawa, Muito Fofinho, Present Mic, Shouta Aizawa, Yazawa
Visualizações 24
Palavras 5.855
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Fluffy, LGBT, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olaa pessoas lindas!
Primeiramente agradeço a @TiaCherrry por ter ficado me perturbando pra terminar essa fanfic no prazo do DeLiPa26 ( e mesmo assim não consegui, perdoe essa alma tola ;-;)

Para melhorem usufruir dessa fanfic tem alguns bônus nos comentarios finais (pq aqui não tem como por link -.- se tiverem curiosidade podem dar uma olhada lá. ^^

Agora leiam e depois eu perturbo mais vocês o/
Boa leitura.S2

Capítulo 1 - Apenas sinta a música


Fanfic / Fanfiction Our Song - Capítulo 1 - Apenas sinta a música

Já devia fazer alguns minutos que as batidas da porta não paravam, elas mantinham estranhamente um certo ritmo como se fosse a batida rápida de uma balada, mas nunca paravam não importava o quanto Aizawa pedisse por isso mentalmente. O responsável pelo barulho não desistia e não deixava o silêncio do local retornar.

- EI! Cara! Eu sei que você ta ai! O chefia me falou sobre você! Vamos conversar parça!

Uma voz voltou a vir da porta barulhenta de seu quarto, a voz não era estranha para si, reconhecia a voz de todos os artistas daquela agência, já que sua vida se baseava até agora em criar músicas pra eles pelos bastidores, mas nunca fora de decorar o nome deles, não se apegava a nenhuma voz e nem a ninguém ali, tinha até uma voz ou outra que lhe chamava atenção mas parava por aí, tudo ali naquela indústria era muito falso para si, então evitava o máximo de contato possível, porém, a pessoa barulhenta não desistia da chance daquela porta ser aberta, e aquela também não era a primeira vez que Aizawa tentava se fingir de morto naquele momento não respondendo nada.

Mas nada adiantava, as batidas na porta continuavam, o fazendo deitar a cabeça no caderno que tinha nas mãos como um esconderijo suspirando cansado daquilo.

- Ei! Você sabe que posso ir falar com a faxineira dos quartos e pedir a chave né ? Vamos conversar cara… temos muito coisa em comum sabe.

A voz continuava tentando entrar no quarto sem cessar e Aizawa cansado daquela insistência estava agora em frente a porta a encarando com sua cotidiana cara de sono. As coisas estavam indo bem na agência, porque o diretor não podia deixar as coisas como estavam ? Ele precisava realmente ter que inventar algo novo.

 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

- Quer compor uma música comigo ?

Aizawa resumiu o que acabara de escutar de seu chefe Nezu que lhe olhava apenas com um pequeno sorriso que sempre mantinha no rosto, mas ao passar essa notícia ele aparentou estar mais animado do que o normal se levantando e indo com seu tablet em mãos até o garoto com cara de sono.

- Sim! Será uma oportunidade perfeita para você se apresentar como um artista da nossa empresa oficialmente.

Ele falou mexendo no tablet enquanto Aizawa fez uma careta pela sugestão, às vezes se perguntava como acabara seguindo aquela carreira, se dava bem com a produção musical e por indicação de Toshinori, aquele idiota, acabou tentando o teste para ser trainee na agência U.A. Uma agência produtora de grandes artistas no Japão e atualmente Coréia também.

Só não imaginou que realmente iria passar e agora já completava dois anos que estava ali e que as letras bobas que escrevera algumas vezes fossem tão bem recebidas e se tornassem sua marca ali dentro, já tendo suas letras cantadas por vários cantores e grupos da agência, se fosse por si tudo ficaria bem desse jeito. Escrever letras não era problema nenhum.

Mas descobriu que ter fãs que queriam o ver no palco era a verdadeira dor de cabeça por seguir essa carreira.

- Eu estou bem apenas compondo para os artistas daqui senhor Nezu... - Respondeu já sabendo que Nezu não receberia aquela resposta como palavra final, não era a primeira, nem segunda vez que dava uma resposta como essa para o chefe, mas tinha que tentar pelo menos, vai que hoje poderia ser um dia especial? Viu ele levantar o rosto para ele sério.

- Não diga isso Aizawa, você tem um grande futuro pela frente. E hoje é um dia especial para você! O Yamada quer produzir uma música especialmente com você ele disse que não quer mais ninguém então…

- Yamada ? - Aizawa repetiu na esperança de que a imagem de alguém viesse em sua mente. O nome não era estranho, mas não conseguia vir ninguém em mente até o chefe lhe apontar o tablet mostrando uma imagem dele.

- Sim! Yamada é o artista de nome Present Mic. Vocês entraram em épocas próxima. Ele é um ótimo compositor apesar de novo assim como você. Sei que vocês dois juntos farão algo grandioso. - Nezu falou guardando o tablet e sorrindo calmo para Aizawa, mesmo sentindo que aquele sorriso parecia de alguma forma… estranho? - Conto com você também Aizawa. Além do mais quer continuar aqui conosco né ?

 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

Aizawa já estava ali tempo suficiente para saber quando o diretor estava sério sobre algo, e lhe questionar se queria continuar ou não ali era um perigo que conhecia já.

Sabia que o chefe não brincava sobre isso, e ele não podia na altura desse campeonato deixar de ser trainee e a pessoa ali batendo na porta mostrava não desistir tão fácil também. Mexeu na tranca da porta e no mesmo instante a melodia feita pelas batidas na porta cessaram e ele abriu a porta devagar vendo aos poucos o corredor dos dormitórios do prédio da agência e logo na frente de sua porta estava o responsável pelo barulho.

- Ae! Finalmente! Já estava achando que você tinha morrido ai dentro!

“Escandaloso” esta foi a primeira palavra que veio em sua mente ao olhar para aquele garoto de tamanho parecido com o seu. Ele tinha um jeito de falar que mostrava ser o tipo de pessoa que Aizawa mais evitava se comunicar.

Todos artista desta agência tinham um certo padrão, era o que a agência normalmente cobrava por ser o que vendia fácil para o público, ele fugia totalmente disso e da foto dele na ficha, vestia calças jeans coladas e uma jaqueta com vários botons coloridos, seu cabelo era loiro num recorte totalmente estranho colocado para o alto com bastante gel, provavelmente para conseguir ficar daquele jeito chamativo digno de um clipe de kpop. Estava com óculos escuros mesmo estando dentro de um prédio o que impedia Aizawa de ver seus olhos direito e junto havia um bigode loiro bem feito num estilo vintage porém totalmente fora da moda juvenil. Devia ser um artista bem excêntrico, aqueles que chamavam atenção exatamente por serem muito estranhos. O olhou de cima abaixo barrando totalmente a entrada para ele.

- Não vai me deixar entrar ? - Ele falou dando um passo para perto da brecha da porta e Aizawa apenas ameaçou fechar na cara dele o fazendo recuar de volta.

- E você é ? - Se pronunciou saindo a voz um pouco falha, normalmente só precisava falar com o chefe e os managers e muitas vezes por mensagem, ter que abrir a boca para falar com alguém era bem raro desde que virou trainee.

- Ah! Desculpa a pressa! Sou Hizashi Yamada! Deve me conhecer por Present Mic! - Sabia quem ele era, o chefe Nezu lhe obrigou a ver uma foto dele, ele estava bem mais normal naquela foto da ficha dele, mas ainda tinha esperança naquela hora de que ele desistisse daquela ideia boba para a carreira dele. - Você é Shouta Aizawa né ? O chefe falou que você estava de folga e que poderíamos começar hoje. Estou empolgado para o que podemos fazer junto.

- Eu não. Volte depois… - Aizawa falou fechando a porta, contudo Yamada voltou a se aproximar da porta, o que lhe surpreendeu ao ver que o loiro segurava a porta para não ser fechada, mantendo um sorriso amigável na face.

- Eu sabia que você seria assim… - Ele murmurou encarando a Shouta e pela proximidade ele pode ver os olhos num tom verde meio amarelado como o cabelo que ele tinha lhe encarando por uma brecha do óculos torto em sua cara agora - Qual é Shouta! Vamos lá! Você não ta fazendo nada que eu sei.

- É Aizawa, e eu tô ocupado sim. - Aizawa respondeu sério com a voz ainda falhando e meio rouca enquanto tentava forçar a porta e fechar na cara daquele louco.

- Lendo um livro ? Ou devia tá dormindo por essa cara e voz de sono…

- Essa é minha cara e minha voz, agora se retire da porta.

- Opa! Essa não é a sua voz que conheço. - Aizawa parou um pouco de forçar a porta ao ouvir a afirmação olhando sério para ele de novo.

- O que você conhece de mim ?

- Muita coisa Shouta. Muita coisa. - Ele falou cantarolando e Aizawa ergueu as sobrancelhas com a afirmação, não conhecia aquele cara direito, o que ele podia conhecer sobre si que não interagia com ninguém ali ? Pensando nisso acabou sendo pego quando ele forçou a porta abrindo ela e entrando dentro do quarto e quase derrubando o óculos da cara e se desequilibrando.

- Consegui! Vamos arrasar com essa música!

- Se quer tanto assim essa música faça você mesmo. - Aizawa falou cruzando os braços e Yamada se arrumou para em seguida se aproximar dele fazendo um sinal negativo com o dedo indicador.

- Nananinanão. Tem que ser com você! - Ele falou colocando sua face frente a frente com a de Aizawa que deu um passo pra trás como defesa automática, qual era a necessidade de a música ser feita daquele jeito ?

- Não vai sair daqui sem essa música né? - Ao escutar tal questionamento, Yamada deu um sorrisinho que deixou Aizawa desconfiado, ele tava feliz pela pergunta pelo visto.

- Se você não me deixa escolha.

- Isso é invasão de privacidade.

- Tudo pela música Shouta!

- Procura outro compositor então que a música sai. - Viu ele fazer  biquinho e cruzar os braços igual a ele na sua frente antes de responder.

- Tem que ser você Shouta! Vamos lá! Isso vai ser bom pra nós dois aqui.

Aizawa voltou a encarar ele como se isso pudesse lhe dar uma resposta e o expulsar da entrada de seu quarto mas ele ficou ali apenas lhe encarando. Por que ele ?

- Não tem jeito né ? Vamos fazer logo essa droga… -  murmurou se virando de volta para o quarto podendo ouvir o loiro comemorando atrás de si, se virando então para ele por um instante - E para de me chamar de Shouta.

- Ah! Você pode me chamar de Hizashi! Somos parças na agência. - Yamada respondeu seguindo Aizawa já cantarolando alguma melodia que não reconhecia, já inventando uma música nova, talvez que não era ruim pelo que prestara atenção. Entrou em seu quarto ao lado de Hizashi, Shouta tinha suas peculiaridades por ele ser um compositor, tinha sua cama e uma cômoda e seu armário no canto, mas no outro lado do quarto havia seu mini estúdio, que recebeu depois de ter sido lançada sua quarta composição, ali havia uma mesa enorme com equipamentos de dj e um computador conectados a ele no centro, havia vários cadernos por ali e perto um sofá no qual Yamada saiu se sentando e pegando um dos cadernos que estava largado ali e a caneta presa a ele.

- É parecido com o meu aqui…

- Eles fornecem isso a todos que compõem na empresa. - Aizawa respondeu pegando o caderno da mão dele e foi até o canto da mesa de dj pegando um dos cadernos vazios que havia ali, ele não precisava ver suas composições, havia umas letras bem idiotas ali que ninguém precisava saber da existência delas.

- Não posso usar aquele caderno ?

- Não. Toma esse aqui. - Falou estendendo a mão com o caderno vazio pra ele.

- Que frieza… vamos lá, vai ser divertido fazer isso.

Aizawa queria dizer agora que seria mais divertido se ele fosse embora e o deixasse de volta com seu silêncio, mas isso agora parecia uma missão impossível.

- Certo, só vamos começar com essa música e acabar com isso. - Aizawa falou sentando na outra ponta do sofá ficando bem longe do loiro. - O que você tem em mente ?

- Que ? Nada. - Yamada falou como a coisa mais óbvia do mundo e Aizawa olhou para ele mantendo sua expressão séria enquanto ele abriu um sorriso pra ele.

- Você não tem ideia do que quer produzir aqui ?

- Pretendia pensar nisso junto com você. Não é uma boa ideia ?

“Isso só vai fazer isso demorar mais ainda”. Foi o que passou na cabeça do Aizawa enquanto podia ver uma aura radiante sair do garoto escandaloso na sua frente, ele estava realmente animado com aquela oportunidade como podia ser visto por ele. Era tão bom assim produzir uma música com um trainee na empresa? ele era um prodígio na composição e desde que uma foto sua vazou apareceram algumas fãs malucas e um chefe doido para lhe debutar, mas isso não o tornava alguém famoso e muito requisitado.

- Tanto faz… - falou abrindo o caderno que havia pego da mão do Yamada antes e pegou uma caneta que havia largada no sofá - Qual o tema que vamos trabalhar então.

- Que tal o amor ?

Aizawa não respondeu rapidamente, ele depois de abrir o caderno numa folha em branco levantou o rosto e voltou a olhar para ele na esperança de que aquilo fosse uma brincadeira mas ele parecia animado demais como tava desde que chegou. Aquilo só podia ser brincadeira certo?

- Sério ?

- Eu pude dar uma olhada em suas composições e você nunca escreveu uma música sobre algo relacionado a amor. Seria uma boa oportunidade não ? - Aizawa ficou avaliando o loiro a sua frente que parecia até ta apresentando um programa do jeito que falava e não parecia se importar nem um pouco com o fato de estar sendo quase que fuzilado com o olhar de sono dele por conta da ideia idiota.

Sim, Aizawa nunca escreveu uma música romântica, e nunca viu necessidade, todos gostavam de suas letras da forma que estava, as com certo tom macabro então, tinham bastante sucesso. Logo, por que alguém iria querer uma letra desse tema, especialmente com ele ?

- Você já escreveu alguma letra romântica ? - Aizawa perguntou direto e ele pareceu feliz pela pergunta.

- Já, várias. Tem até aquela que ficou famosa...

- Então não precisa de mim pra compor uma.

- Preciso sim Shouta. - Yamada respondeu rápido assim como Aizawa tinha o interrompido antes falando e por um segundo ele pareceu ficar um pouco mais sério o que pegou ele de surpresa. - Então podemos começar ? Ou não consegue ?

- Desafios não funcionam comigo… - Aizawa voltou a responder querendo fuzilar aquele cara pra que Hizashi fosse embora dali, mas ele apenas fez um biquinho estranho tentando mostrar que estava chateado com a resposta.

- Vamos lá Shouta. O chefia aprovou então não posso sair daqui sem uma composição nossa.

- É Aizawa… - Resmungou e suspirou. Se fizesse aquilo rápido poderia o fazer sair de seu quarto, de sua casa, de sua vida. Escrever uma música romântica não seria difícil afinal. - Certo… vai ser uma música romântica então, vai cantar em dupla com alguém então.

- Isso ai! Ta entrando no clima agora Shouta! Nós vamos cantar ela juntos.

Shouta voltou a fuzilar ele com o olhar graças a nova sugestão, qual era o problema desse maluco? ele tinha lido sua ficha técnica direito ?

- Eu não canto.

- Canta sim que eu sei safadinho!

- Eu sou compositor...

- E pode se lançar como cantor também. O chefia vai ficar feliz pra caramba!

- O que você sabe de mim pra falar isso ?

- Como eu disse, muita coisa! - Aizawa ia revidar quanto aquela afirmação dele mas a dúvida lhe tomou, como ele podia conhecer tanto a si se nunca tinham se comunicado direito até hoje ? - Curioso não é Shouta ? Eu sei que você está!

Pelo sorriso sacana na cara dele, ele parecia bem satisfeito por ter feito isso, era tão bom assim o deixar curioso a esse ponto? O que ele queria afinal ?

- Não estou. Vamos acabar logo com isso. E eu não vou cantar.Qual será o enredo da música ? - Aizawa falou voltando a olhar para o caderno em sua mão e escrevendo aleatoriamente a palavra romântico ali, jogar palavras na folha sempre lhe ajudava a compor.

- Podemos começar com você falando sobre si. - Aizawa fez uma linha aleatória no caderno por conta da surpresa com o que ele disse, levantando o rosto e vendo ele lhe encarando continuando com um sorriso bobo no rosto. - E você vai cantar sim.

- O que ? Por que falar sobre mim vai fazer uma música romântica ?

- Shouta meu Shouta. Para uma música ser criada precisamos mergulhar fundo. - Yamada falou encenando um mergulho com os braços.

- Eu não sou seu Shouta. E no quê minha vida vai ajudar aqui ?

- Muita coisa pode ter certeza. - Yamada falou mais devagar do que o normal mas ainda com a mesma empolgação e Aizawa tinha vontade de socar a cara dele, contudo precisava entrar naquilo pra conseguir sair alguma letra disso, olhou para a folha escrito a palavra romântico e um rabisco torto por cima e escreveu do lado a palavra intruso.

- Você é o invasor aqui. Por que não começa falando sobre você então ? - Aizawa falou vendo ele se levantar do sofá e estender os braços animado.

- Certo. Pra você se sentir confortável eu começo a música. Darei a nota inicial dessa música. Não vai fugir depois heim.

- Desde que você vá embora depois… - Aizawa respondeu e escreveu a palavra suma no papel, depois olhando para o Yamada que finalmente resolveu tirar os óculos ali, aqueles olhos tinham chegado perto dele quando ele invadiu sua casa, mas agora podia notar o brilho natural que eles tinham, eles tinham uma coloração única num verde amarelado que prendia sua atenção de uma forma estranha, deveria atrair muitas fãs por conta destes olhos.

- Veremos! Sou Hizashi Yamada como já deve saber, o Present Mic para o mundo, 18 anos e entrei numa audição antes de você. - “Essa parte tá na ficha que o chefe mostrou pra mim”. Aizawa pensou observando ele gesticular como um narrador enquanto falava e direcionou o olhar na direção dele ali lhe pegando de surpresa. - Como entramos em épocas parecidas, nossos quartos nos dormitórios são próximos, então não demorou para eu esbarrar com você pelos corredores, até acenei para você na época, mas eu era sempre ignorado.

Aizawa ignorava quase todo mundo a não ser que fosse necessário interagir com ela então não era especial por isso. Mas enfim. O que isso tinha haver com a música?

- Como estamos perto, eu sempre acabava esbarrando com você ou até ouvindo falar sobre você e suas composições, incríveis por sinal. Fiquei intrigado e resolvi começar a compor me baseando em você que estava do meu lado e me saí muito bem por sinal.

Aizawa acabou escrevendo a palavra inesperado no caderno ao ouvir aquela parte da história, então o doido ali se inspirava um pouco nele, não imaginava que isso poderia acontecer.

- Fiquei feliz porém fiquei intrigado com o fato de nunca encontrar com você em lugar nenhum além daqui entre os quartos. E descobri que você não falava com quase ninguém além do necessário por aqui. Um grande compositor solitário, como deveria ser ele ? Você é um pouco como imaginei por acaso. Mas o estopim de toda essa história foi uma visita que fiz ao estúdio daqui da empresa num feriado.

Aizawa rabiscou de novo a folha pelo susto que levou com o andamento da história.

- Feriado ?

- Sim, eu iria aproveitar para testar uma música que compus e a sala já estava sendo usada por Shouta Aizawa e lá estava você.

Aizawa levantou do sofá derrubando o caderno da mão e o esquecendo ali enquanto que Yamada olhou pra ele sorrindo.

- Eu ouvi você cantando uma de suas composições lá.

“Puta merda”. Ecoou na cabeça do Aizawa, naquele feriado ele tinha tido dificuldade para finalizar a música que tinham lhe pedido para fazer, então em cima da data acabou deixando para finalizar ela sozinho no estúdio para entregar a banda no dia seguinte, aquela era a única base de música que havia gravado por pressão do chefe especificamente com sua voz por culpa da pressa. Pensava que tinha conseguido apagar a existência daquele áudio em seus arquivos, ninguém devia saber disso além da banda e do chefe.

- Toda aquela solidão, misturada aquela melodia e… a sua voz. Eu precisava de mais daquilo.

“Ai merda, o que ele tá falando ?” Continuou passando na mente de Aizawa vendo que ele deu um passo para próximo de si enquanto ele deu um passo pra trás o fazendo soltar uma risada com aquela situação assustando mais ainda e até fazendo o sono que tinha em sua face sumir um pouco.

- Bom enredo para uma situação romântica não é ? É o despertar de um amor único. Já imagino o clipe e tudo.

- Isso é absurdo… - Aizawa falou se acalmando da situação, aquilo fora inventado da parte dele ? Não, ele o ouviu cantar, não era uma coincidência, ele sabia demais realmente.

- Isso que torna isso romantico. Senti a música. - Ele falou indo até o notebook e colocou uma batida que não era rápida nem lenta, uma baladinha poderia ser considerada.

 

Cativado pela sua expressão parcialmente escondida
Através do seu humor privado
Os segredos fluem, querida

 

Ele começou a cantar bem na sua frente, se fosse imaginar ele cantando seria algo bem agitado e elétrico, não uma música sedutora daquela forma, era bonito de se observar, podia o imaginar agora cantando aquela música num palco, distraído imaginando não viu quando ele se aproximou colocando a mão rápido em seu queixo, lhe fazendo levantar o rosto e lhe encarar bem nos olhos.


Com seu olhar sonolento, diga algo
Claro que eu irei notar, apenas eu irei
Oh wowo

 

- E ai ? Boa né ? - Aizawa tirou a mão dele do queixo e deu um passo pra trás batendo no sofá e quase caindo ali demorando mais do que queria para o responder.

- Sim, ficou boa. Realmente dá para imaginar um clipe.

- Não é ? Então que resposta você daria a esse verso ? - Perguntou se virando e pausando a música.

- Que ? Como assim resposta ?

- Ah! O cara acabou de apresentar uma parte de seus sentimentos. E ai ? Aceitaria ? Tem que cantar heim. - Yamada falou se mantendo do lado do notebook e deixou a baladinha voltar a tocar ali.

- Eu não vou cantar. E a resposta seria não. Como vou aceitar uma coisa dessa.

- Huum… uma pessoa difícil vai ser é ? Boa!

 

Isso é um não não querido
Ele é tão orgulhoso até em suas atitudes
Eu gosto tanto
Meu desejo por vitória está engatilhado novamente

 

Ele voltou a cantar dando uma acelerada no ritmo dessa vez como se realmente a coisa estivesse fluindo na relação entre duas pessoas, mesmo que da parte dele ali isso não estivesse acontecendo.


Cada minuto, cada segundo é precioso
Pois qualquer um aqui iria te cobiçar

 

- Cobiçar ? - Aizawa soltou e ele fez um instalo com o dedo pra ele.

- Você é único Shouta. Pode ter certeza. Devo continuar ?

- É Aizawa… faz a música sozinho logo então. - Ele tava de novo fazendo aquele biquinho de birra, sem os óculos até que era fofo ver aquilo e aquela batida junto a música estava boa não podia negar.

- Não é assim que funciona Shouta. Você tem que dar sua resposta. E não esquece de cantar. Temos que compor essa música juntos.

- Como chegamos a essa situação ?

- Só entrar no papel! Vamos lá cara. - Ele falou ignorando a pergunta e Aizawa suspirou indo até o notebook ficando do lado dele e mexendo na mixagem que ele fez rápido e foi acelerando a batida e acrescentando alguns ritmos e modificando aos poucos.

- Uma resposta né ? - Ele falou quase como um sussurro vendo a batida tocando e virou pra Yamada se mantendo com o olhar sério enquanto ele continuava sorrindo com ele.

 

Caia fora, afaste-se de mim
Eu odeio isso porque é sujo
Não toque em mim

 

Aizawa cantou com a voz meio rouca que tinha, mas cantou com vontade algumas partes, outras era mais pela rima. Ele queria uma resposta certo? e pela cara dele e aqueles olhos brilhando ele tava gostando do que tava vendo o que incomodou mais ainda Aizawa, especialmente depois que ele fez gesto com a mão para ele continuar, mas não iria conseguir parar realmente, a letra já estava em sua cabeça e ela queria sair.

 

Eu não estou te reconhecendo mais
Você age como se não gostasse de mim, já deu
Você olha pra mim como se soubesse de tudo
Eu não quero mais esse sentimento

 

Quando chegou na último verso o loiro se aproximou dele virando o notebook pra si e fez a mixagem anterior de novo em uma nova aba e pausou a anterior se virando para Aizawa com um sorriso bobo no rosto e deu um passo para perto dele.

 

Me aproximando
Eu empurro todos os outros e te clamo para mim
E então eles não
Ousariam olhar para você em lugar nenhum

 

Ele voltava a cantar daquela forma mais sedutora, carinhosa até, e como um predador indo aos poucos até sua presa ele foi dando passos com os olhos fixos em Aizawa, era encantador o quão bom ele podia ser naquilo, ele sabia o que estava fazendo, ele parecia estar encantado pelo que estava na sua frente, encantado por poder estar em sua frente. Todo aquele encanto lhe distraiu e quando despertou Yamada estava colocando a mão em sua cintura e foi até o ouvido dele sem avisar continuando a cantar.


Eu te seguro para que
Os outros possam olhar deslumbrados

 

Aizawa sentiu ficar quente pela proximidade e a respiração dele em seu ouvido o fez inconscientemente morder de leve os próprios lábios enquanto a música fluía delicadamente por sua cabeça demorando para perceber o que tava acontecendo e só então o empurrando pra longe antes que ele pudesse continuar lhe provocando essas sensações.

- O que tá fazendo ?

- Mergulhando na música como eu te falei. - Ele falou e Aizawa foi até o notebook colocando a mixagem que fez no lugar da dele de novo.

 

Não olhe para mim desse jeito
Não se aproxime
Você precisa deixar pra lá
Me deixe em paz, paz
Não quero voltar pra trás

 

Ele voltou a cantar se virando pra Yamada esperando que aquilo tomasse outro rumo mais no último verso ele voltou a se aproximar dessa vez o cercando contra o notebook e mexeu na máquina dali mesmo, trocando o ritmo e Aizawa tentou empurrar ele para poder se afastar, mas ele segurou na cintura dele com firmeza o mantendo preso perto de si.

- Pode dar espaço ? Yamada ?

 

Além dos lábios abertos está o caminho até você
O desejo habilidosamente
Captura minha atenção, querida
Com sua voz sonolenta diga algo
Algo especial
Em meu ouvido, fale baixo

 

Ele ia cantando próximo demais lhe encarando nos olhos de novo, aqueles olhos amarelos compenetrados nele estavam lhe causando arrepios estranhos mas que não eram cem por cento ruins, todo aquela música junto a voz dele estava lhe deixando louco, ele dizia que eles tinham algo em comum. Era isso ? Essa música sem sentido nenhum ? Essa harmonia entre os ritmos e as vozes estavam criando um laço único que nunca presenciara antes.

Ele deu uma pausa provavelmente esperando para ver se ele iria continuar e decidiu não mudar o ritmo, aquela vibe entre eles estava lhe contagiando e isso estava fazendo sua cabeça se centrar apenas na música e no que ela transmitia entre eles.

 

A respiração está ficando mais forte
E a cor do nosso amor
Está ficando mais profunda, profunda
No ritmo tic toc
Existe uma espada
No momento em que eu hesitar
Ela irá abrir um espaço
Para que nosso amor escape

 

Aizawa foi cantando se deixando levar pela letra e Hizashi apenas ficava no mesmo lugar o cercando hipnotizado, nitidamente prestando atenção nos lábios de Aizawa em cada palavra que soltava, e aquilo também estava o prendendo numa espécie de feitiço. Yamada voltou a se aproximar de Shouta, agora os corpos estavam próximos, podia o sentir colado a si deixando tudo ali muito quente, ele voltou a seu ouvido voltando a cantar.

 

Venha novamente
Deixe que eles saibam que eu irei te ganhar
E então não será preciso que eu me explique
Feche seus olhos por um momento
Segure seus braços ao redor do meu corpo

 

Aizawa não sabia como, mas estava fazendo exatamente o que a música lhe indicava, podia sentir, estava tão hipnotizado na música quanto ele estava, a loucura daquele garoto estava lhe contagiando, levou as mãos a cintura dele enquanto o loiro fazia o mesmo movimento ao mesmo tempo, podendo sentir ele o acariciando de leve ali, Aizawa foi fechando os olhos enquanto que Yamada foi continuando a cantar até que do nada sem nenhum aviso parou, fazendo Aizawa estranhar o fato de o lugar estar preenchido apenas pelo som da batida da música, e antes que ele pudesse fazer algo sentiu a mão do loiro segurar em seu rosto e logo em seguida sentiu a distância deles cessar podendo sentir os lábios dele tocarem os seus devagar seguindo um ritmo igual ao da música ele foi se deixando levar por aqueles movimentos, sentindo ser invadido pelo outro, mas não conseguia se soltar daquilo, na verdade seu corpo estava pedindo por mais daquelas sensações, sentindo ser puxado para mais perto pela mão dele em sua cintura, soltou um suspiro provocado por toda aquela adrenalina, mas logo Yamada se afastou assustando Aizawa que lhe olhou surpreso enquanto que ele apenas abriu um sorriso bobo para ele.

 

Fique presa no tempo e dance comigo
Por todo o caminho em meu maxilar, respire em mim
Confie você a mim, confie você a mim

 

Ele cantou para Aizawa que lhe olhava sem entender nada que processava toda aquela situação devagar associando ao que ele contara antes deles começarem aquela música doida.

- Aquilo era verídico ? Você… - Antes que terminasse Yamada se aproximou de novo dele o fazendo se silenciar por esperar mais um beijo no meio daquela música mas ele parou ficando apenas com a testa encostada com a dele, com uma proximidade íntima que fazia parecer como se eles sempre tivessem aquela conexão.


Tudo (tudo), eu irei aguentar
Seu dia (todo dia), sua noite
E então ninguém poderá
Se misturar em seu coração

 

Ele cantou e Aizawa seguia repetindo baixo o que ele falava como uma segunda voz, e quando eles terminaram o último verso a mão de Yamada foi até o notebook pausando a música e Aizawa sentiu como se acordasse de um transe o olhando surpreso enquanto que ele apenas riu para ele com uma cara sacana parecendo vitorioso pelo que acabara de acontecer.

- Viuuu! Eu disse que precisava de você. Temos muita coisa em comum!

Aizawa continuava lhe olhando bem na sua frente e tentando entender o que acabara de acontecer entre eles ali.

- Você… o que você acabou de fazer ? - Aizawa falou devagar e Yamada viu como ele estava confuso e voltou a se aproximar dele mas dessa vez ele recuou a cabeça, a música não estava ali lhe hipnotizando.

- Eu apresentei minha música e você a sua e elas se conectaram até chegarem onde chegaram. Desde que eu escutei sua voz naquela vez que eu contei… eu senti algo especial…

- A música…

Yamada se afastou e coçou a costa da cabeça com uma das mãos soltando uma risada sem graça.

- Deu trabalho até eu conseguir isso heim! Até o chefia permitir que eu composse com você. E ainda quase não consegui que você deixasse eu entrar. Você é bem difícil de se aproximar. Bom, eu já tava esperando isso também!

Yamada saiu falando enquanto Aizawa ficava lhe encarando perdido absorvendo as informações devagar conseguindo aos poucos ficar com sua cara de sono e séria normal.

- EI!

- Sim Shouta ?

- Você lembra tudo que cantou aqui agora ? - ele não respondeu de imediato e só soltou uma risada sem graça. Não, ele não lembrava.

- Bom, eu não esperava que tudo fosse fluir desse jeito, foi novo isso aqui pra mim também pode acreditar… Nós fomos incríveis aqui agora não achou Shouta ? - Ele falou voltando a ficar animado e Shouta foi lembrando de como a música fluíra entre eles ali da metade pra frente abrindo um pequeno sorriso no rosto.

- É foi incrível...

- Ah! Você sorriu! - Yamada exclamou e Aizawa na mesma hora voltou a ficar sério na frente dele parecendo um gatinho emburrado na visão do outro, mas só isso fizera o Yamada acabar ficando corado naquela situação, ficando os dois em completo silêncio por alguns minutos até Aizawa soltar uma tosse falsa.

- Bom precisamos compor algo junto né ? Melhor seria… a gente repetir isso… - Aizawa ficou surpreso com o que ele mesmo falava, depois de tudo aquilo, a companhia daquele louco criara algo diferente em si que agora não desejava perder. - Além de que aquilo saiu uma bagunça, temos que reformular isso.

- Shouta! - Yamada gritou se aproximando dele de novo e ele deu um passo para o lado o fazendo ficar de cara com o notebook.

- Vamos falar sobre algo romântico então ? - Aizawa perguntou sendo pego de surpresa ao sentir ele levar a mão de novo ao seu rosto e deu um selinho em seu rosto o pegando de surpresa antes que pudesse revidar.

- Romântico! - Yamada falou animado depois se virando para o notebook do Aizawa que ficou lhe observando sentindo seu rosto ficar um pouco vermelho se perguntando como seria se eles se falassem a mais tempo. - Vamos tentar algo mais erótico ?

Aizawa olhou indignado para ele e deu um tapa na testa dele sem pensar duas vezes o fazendo abaixar no chão resmungando de dor.

- Nem nos conhecemos direito.Romântico tá bom.

- E será que eu posso olhar seus cadernos agora ?

- Não.

- Seu frio…

Yamada resmungou e Aizawa olhou pra ele de relance vendo que o loiro lhe observava com olhos pedintes, soltando um suspiro cansado enquanto tentava entender no que tinha se metido com ele.

- Então… nossas vozes nos atraem um ao outro? - Yamada apenas concordou com a cabeça. - No que isso vai dar ?

- Quer descobrir comigo ? - Yamada respondeu e Aizawa virou o rosto, sua curiosidade sobre aquele loiro lhe impedia de negar.

- Coloca pra tocar essa musica… e fica longe de mim.

- Vou tentar.


Notas Finais


E aeh! Como estão ? hehe

Musicas donas dos versos utilizados na historia:
- The Closer do VIXX - https://www.youtube.com/watch?v=Q2Rsmi7jhg8
- Don't Recall do Kard - https://www.youtube.com/watch?v=41Dp7Q-SM1Y

E para quem tiver curiosidade (como eu tive kk) segue vídeo dos dubladores dos Present Mic e do Eraser head cantando para vocês imaginarem como seriam eles cantando hue hue
Aizawa: https://www.youtube.com/watch?v=MTk4LqCuPyU
Yamada: https://www.youtube.com/watch?v=jQvOIY4jZOg

Essa fanfic surgiu com o intuito de participar do DeLiPa26 realizado no grupo do facebook Panelinha da Limonada, o tema era países e eu peguei Coreia e então saiu essa coisa fofa ai relacionada a produção musical hehe
Se quiserem ver fanfics com tema de outros países(ou até fanfics resultados de outros DeLiPas) deem um olhada lá na pagina o/

Curiosidades:

- A questão de um estúdio no próprio quarto me surgiu na cabeça por conta de um programa coreano que vi de dois cantores compondo uma musica, fiz um mais simples né pq os garotos não tão podendo kk ( link aqui pra ver o lugar que vi kk https://youtu.be/KAFOjukDzSc?t=69 )

- Yamada ta cantando The Closer do VIXX e Aizawa Don't Recall do Kard e depois canta The Closer junto com Yamada. E as partes das musicas inseridas na fanfic não estão na ordem certinha da musica, fui as inserindo de acordo com o clima adequado pra elas.

Espero que tenham se divertido. E até a próxima ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...