História Out of everyday life - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ginga, Nijiiro
Visualizações 138
Palavras 2.217
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Crossover, Drabble, Drabs, Drama (Tragédia), Droubble, Ecchi, Esporte, Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Fluffy, Harem, Hentai, Lemon, Lírica, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Orange, Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Slash, Sobrenatural, Steampunk, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Repostando toda a história, sorry. Pra quem já leu: oi!~
Pra quem ta chegando agora: oi também!

Deem uma chance pra essa fanfic please! :>

Capítulo 1 - Um


Hakone - Japão


Um grito de dor


Um choro infantil 


Um sorriso masculino 


Um choro alegre de mãe 


[...]


Em uma maternidade simples em Hakone, uma mulher acaba de ser mãe pela segunda vez. Deitada em seu leito de descanso após tanto sofrer em uma maca hospitalar, Ryoku Usagit foi mãe pela segunda vez, seu rosto suado, mãos trêmulas e o fato de que ela mal conseguia fixar em um ponto específico naquela sala hospitalar confirmava que ela estava fraca...
Fora deixada apenas com uma enfermeira enquanto os médicos cuidavam do seu precioso bebê
Seu querido bebê... Já tinha o nome dele desde o momento em que descobriu da gravidez, "Nijiiro" um nome simples com o significado também simples, "arco-íris", fazia um lindo arco-íris no céu quando ela percebeu tal ser que residia em seu ventre... 
As portas da sala são abertas
Um médico e mais uma enfermeira entram com um pequeno ser em braços, Ryoku tenta se sentar na maca que estava deitada para receber seu filho em seus braços, e assim que isso acontece, um sorriso se estampa em sua face, vindo logo depois, umas lágrimas de alegria, em seguida mais duas pessoas entram na sala, dessa vez o pai da criança, Itsuri Usagit, e o primeiro filho do casal, Natsu Usagit de 5 anos de idade, o pai parecia o mais nervoso entre todos na sala, mal conseguia andar direito, o médico que fez o parto apenas deu uma batida nas costas dele e sussurrou um "meus parabéns" o homem agradeceu e se aproximou da maca em que a sua esposa se encontrava, o médico e as enfermeiras saíram da sala para dar mais privacidade à família, Ryoku dava um sorriso fraco para Seu marido e então olhou para o seu filho mais velho 


Ryoku: você quer vê-lo?... - Natsu se aproxima e vê seu irmão mais novo, que não chorava e tão pouco ria, apenas ficava em silêncio - ele agora é seu mais novo irmãozinho, seja gentil com ele okay?... - Natsu apenas concorda, sem mais palavras, sem mais emoções
A porta é aberta mais uma vez pelo médico dessa vez apenas por ele, ele entra na sala com um semblante tenso, deixando assim todo o ambiente tenso 


Médico: tenho boas e más notícias... - essa foi a frase que deu estopim a um sentimento dentro de Ryoku... Ela se contentava em não sorrir com aquilo - seu bebê é saudável, sem nenhum problema que seja grave... Porém... - o médico se aproxima da mãe e do seu bebê com uma mini lanterna, ele abre as pálpebras do bebê e aponta com a lanterna para os olhos do mesmo - temos um "problema" aqui - Ryoku não se surpreendeu muito, era esperado que isso acontecesse - pelo oque eu vejo seus olhos tem uma coloração violeta senhorita Usagit... E devo lembrar que essa cor de olho apesar de ser quase impossível de se achar realmente existe, seu bebê herdou o lado esquerdo com a coloração violeta, mas... O outro olho incrivelmente está ausente de melanina, que é oque da a pigmentação para a cor do olho, fazendo assim, que não tenha cor alguma no lado direito, mostrando apenas os vasos sanguíneos e resultando na coloração vermelha da íris, é óbvio que nada vai afetar na visão dele, o olho vermelho apenas vai ficar sensível ao sol, então recomendo um tapa olho e colírio até o momento


[...]


8 anos anos depois


Ryoku: Nijiiro!!! Está na hora de entrar! - Ryoku espera seu filho na frente de sua casa, já era tarde, o sol estava se pondo e o seu filho do meio, Nijiiro estava brincando sozinho com os seus brinquedos na frente da casa, assim que o garoto chega até ela, a mesma acaricia seus cabelos - venha, eu fiz biscoitos... - ela pega na mão de seu filho e ambos entram na casa 
A casa por dentro era decorada com um papel de parede roxo escuro, tudo parecia velho, como se aquela casa existisse a muito tempo, a coisa que mais chamava atenção naquela casa era um mini templo que residia um crânio, que até o momento Nijiiro não sabia se era de plástico ou de verdade, mas ele tinha um pouco de medo de qualquer forma...
Sua mãe o guiou até a cozinha e o sentou no balcão, logo em seguida pega uma bandeja cheia de biscoitos e dá um para Nijiiro, Nijiiro leva para a boca e dá uma mordida média e se esforça pra não fazer uma careta, sua mãe era péssima pra fazer doces 


Ryoku: como ficou? 


Nijiiro: péssimo, você não serve para fazer doces mamãe... - Ryoku logo muda seu semblante calmo e carinhoso para um irritado, ela revira os olhos e joga toda a bandeja de biscoitos no lixo saindo da cozinha ela fala:


Ryoku: faça seu próprio jantar então - e sai, deixando Nijiiro sozinho na cozinha


Nijiiro: mas eu disse só os doces... - ele fala mais para si do que para mãe, solta um suspiro e desce do balcão sem muitos esforços, joga o biscoito mordido no lixo e se vira para a porta, mas assim que se virou encontrou sua irmãzinha o observando na porta... Yume Usagit, cabelos curtos e loiros igual o pai, ela também tem a falta de melanina em um dos olhos porém dessa vez no esquerdo, fazendo assim, o direito ser violeta, ela era dois anos mais nova que Nijiiro, a caçula da família


Yume: você tem que parar de criticar os doces da mamãe - ela fala se aproximando de Nijiiro - você vai ficar sem jantar mais uma vez?


Nijiiro: não é a primeira vez, posso aguentar mais uma noite - o irmão mais velho passa a mão pelos cabelos de sua irmã mais nova e logo em seguida pega na mão da mesma, a guiando escadas a cima
Do corredor dos quartos já era possível ouvir uma música de rock estourada, Natsu, o mais velho dos irmãos, assim que Nijiiro abre uma das portas do corredor se depara com um quarto digno de um adolescente com os hormonios a flor da pele, Natsu, um jovem de 13 anos, cabelos negros e uma trança maior na lateral de seu rosto tingida de azul marinho... Ele lia uma revista que Nijiiro julgou ser uma revista gay, com homens pelados exibindo oque não era pra se exibir, pelo quarto de Natsu era possível ver várias revistas desse tipo, e entre elas também alguns "brinquedos", vibradores, plugs anais, cock ring's, Tenga Egg's, um Pussy Snorkel, e Natsu estava com um OhMiBod em mãos, pelo visto havia acabado de comprar e pretendia testar no mesmo instante se seus irmãos mais novos não tivessem entrado no quarto, Yume se sentou ao lado de seu outro irmão e observou o objeto em sua mão 


Yume: oque ele faz? - ela pega ele em mãos e o observa mais de perto, Nijiiro desliga o rádio que tocava a música e observa os dois irmãos 


Natsu: ele vibra ao som da música que você botar em seu celular... Talvez um dia você o use... Mas só se você for uma vadia futuramente


Yume: eu vou ter um homem, não vou precisar de objetos pra enfiar na bunda como você - ela entrega o objeto novamente para seu irmão, apesar de ser a caçula, Yume sabia de tudo um pouco, Nijiiro solta uma risada ao ver a cara de Natsu


Natsu: que seja o que querem aqui pirralhos?


Nijiiro: eu só vim pedir dinheiro, mamãe vai me deixar sem jantar de novo 


Natsu: o que aprontou dessa vez? - ele disse pegando o equivalente à 2900¥ (equivalente à 10 reais)


Yume: ele falou que a mamãe não sabia fazer doces


Natsu: mas ela não sabe, aquela vadia quer enganar à quem? - Nijiiro já ia pegar a quantia da mão de Natsu mas o mesmo desvia e olha para Nijiiro com uma cara não tão boa - acha mesmo que eu vou te dar sem querer algo em troca? - ele lança um olhar para Nijiiro que o mesmo temia, ah... E como temia


Nijiiro: Natsu são só-


Natsu: Nah nah nah... - ele fez não com a cabeça e sorriu 


Yume: Natsu são só 2000 ienes... - ela diz sussurrando baixinho para que só o mesmo ouvisse 


Natsu: eu sei que são... Mas veja bem... O cordeirinho quer comer no pasto verde sem antes dar sua carne ao lobo - ele volta a olhar para Nijiiro - tsk tsk stk... Se tudo no mundo fosse de graça nada seria divertido... Você já sabe onde eu quero chegar maninho... - Nijiiro suspira, pegando o dinheiro da mão do Natsu logo em segyida


Nijiiro: que seja - e então saiu do quarto descendo pra sala logo em seguida, onde encontrou sua mãe lendo uma revista de culinária - eu to saindo 


Ryoku: foda-se - ela fala pegando uma taça de vinho, levando até a boca 


[...]


Após sair do pequeno mercado 24 horas que tinha ali perto, foi andando em direção à sua casa novamente, tinha comprado biscoitos, salgadinhos, e doces variados... Ele fazia isso toda a vez que sua mãe o proibia de jantar, era sempre assim... Se perguntava o porque de sua família ser assim tão anormal... 
O caminho de volta estava obscuro... Sem ninguém nas ruas... Apenas o vento...
Nijiiro apressa o passo, logo avistando a rua da sua casa, assim que chega em sua porta ele olha para trás, tudo estava realmente muito calmo, ele entra, fecha a porta e então vê sua família reunida jantando, ele tenta subir de fininho para seu quarto (que era o mesmo de Natsu) mas aparentemente sua mãe notou


Ryoku: Nijiiro - todos da mesa param de comer - já que não vai comer connosco então faça suas preces e vá para o quarto, ela aponta para a caveira no mini templo, Nijiiro revira os olhos e então vai até o templo, se ajoelha, pega uma cruz que estava ao pé do templo e envolve em sua mão 


Nijiiro: In nomine dei nostri Satanas Lucifer excels.
Em nome de Satã, o soberano da Terra, o rei do mundo, eu comando as forças das trevas para conferir o seu poder infernal sobre mim.
Abram totalmente os portões do inferno e venham diante do abismo para me saudar como irmão e amigo.
Concedam-me as indulgências de que falo.
Eu aceitei o seu nome como parte de mim. Eu favoreço o justo e amaldiçoo o corrrupto.
Por todos os Deuses do Inferno eo ordeno que todas essas coisas que falo venham a se realizar. Venham adiante e respondam seus nomes pela manifestação dos seus desejos.
Mestre das ciências malditas, velai por nós.
Príncipe imenso dos espaços infinitos, matéria e espírito, razão e força, nós vos adoramos.
Satã esteja conosco, Ethan.
E com seu espírito, Ethan - Nijiiro deixa sua cruz de volta ao templo e vai andando para o quarto com suas coisas, não me pergunte agora oque foi aquilo, saberá mais tarde...
Nijiiro sobe para seu quarto e deita na parte de cima do beliche, que era a sua, pega um pacote de biscoitos e o abre, logo em seguida o devorando, ele realmente estava com fome e não era pouca... Depois de comer, se deitou e ficou observando o teto até adormecer 


[...]


Porém... Digamos que algo o despertou do seu sono, era o que ele mais temia


Natsu: acorda putinha... - assim que Nijiiro abre os olhos vê seu irmão em cima de si - e a minha parte do pagamento? - ele fala descendo o rosto e dando leves chupões no pescoço do irmão 


Nijiiro: to cansado agora Natsu... - ele tenta afastar o irmão mas sem sucesso, se deixando vencer pelo maior, se entregando ao momento...


[...]


Eu não vou dar detalhes do que realmente aconteceu, mas se é isso que querem esclarecer, então sim, Nijiiro era molestado pelo seu irmão mais velho, Natsu, quando Natsu estava irritado, de cabeça cheia... Ele usava todo o tipo de brinquedo em Nijiiro, o mesmo achava a pior das torturas, quando Natsu estava calmo, ele não era nem tão mal, mas nem tão bom, mas quando ele estava feliz, que era o caso daquela noite, ele fazia tudo ficar prazeroso, tanto para o irmão mais novo quanto para ele... 

Nijiiro se encontrava deitado no peito de Natsu, ambos os corpos na parte de baixo do beliche, ambos os corpos nus e ofegantes, ambos acordados, Njiiro se levanta um pouco e olha nos olhos de Natsu 


Nijiiro: será que um dia ainda seremos uma família normal? - ele tem o cabelo acariciado pelo seu irmão 


Natsu: claro que não 


[...]


Agora vem as tão esperadas explicações:


A família do Nijiiro é satanista
Desde a avó de Nijiiro essa onda de santanismo só vem crescendo em toda a família
Nijiiro e Yume são abençoados com os olhos vermelhos de sua falecida avó, Nijiiro herdou o olho direito enquanto Yume o esquerdo
Natsu foi o único que não herdou nada 
A família de Nijiiro é politicamente incorreta, o ato de incesto, desobediência, abusos, mortes e outras coisas vistas pela sociedade com maus olhos... Era tudo normal naquela família 
Nijiiro ainda espera que algum dia sua família seja normal...


...continua?


Notas Finais


Comentem! Me ajuda bastante! Não quero comentários de "CONTINUAAAAA" por favor deem suas opiniões sinceras! :>


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...