História Outono Para o Amor - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Batman vs Superman: A Origem da Justiça, Liga da Justiça, Superman
Personagens Clark Kent (Superman), Jonathan Kent, Lois Lane, Martha Kent, Personagens Originais
Tags Amyadams, Batmanvssuperman, Clarkkent, Clois, Henrycavill, Ligadajustiça, Loislane, Ohomemdeaco, Superman
Visualizações 19
Palavras 2.694
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 18 - Apenas um Instante : Parte 01


Fanfic / Fanfiction Outono Para o Amor - Capítulo 18 - Apenas um Instante : Parte 01

Ele capturou os lábios dela, enquanto movia seu corpo sobre ela. As respirações estavam aceleradas, o calor dos seus corpos se uniam, e o único som ouvido era os suspiros de prazer. As mãos desceram pelas costas largas, completamente entregues ao desejo e paixão.

O beijo foi interrompido e Clark a olhou nos olhos enquanto se movia dentro dela. Os gemidos baixinhos da ruiva o deixava fora de si, passaria a vida revivendo esse momento, apenas para tê-las em seus braços, e se amarem até a exaustão como naquele instante.

As pernas dela envolviam sua cinturas o mantendo ainda mais junto do seu corpo, procurou os lábios do moreno o beijando com toda paixão, sentindo os efeitos que ele causa em si. Clark se moveu dentro dela pela última vez antes de ambos chegaram ao clímax e gozarem. Lhe dando um selinho, saiu de dentro dela e se jogou ao seu lado na cama.

O sol entrava no lugar deixando o ambiente iluminado. Lois ajeitou o lençol em seu corpo e se virou de lado um pouco sonolenta após o sexo matinal. Ele também ficou de lado a observando, gostar de a observar, ver cada detalhe dela. Tocou seu ombro descendo seus dedos pela sua pele branca, nunca se casaria de sentir o seu cheiro, de beijar cada parte do seu corpo e de a descobrir cada vez mais quando faziam amor.

Os olhos azuis claro dela o encaravam e ele sorriu pego no flagra pelo tempo que passou completamente fascinado a olhando.

- O que foi? - A voz sonolenta ecoou -

- Não é nada, apenas gosto de observar você, apenas isso.

- São 08:00h da manhã, Clark. Eu devo está horrível, com a cara toda amassada. - Colocou o lençol na frente do seu rosto, mas ele puxou sorrindo e a olhou nos olhos -

- Isso é impossível, não existe a possibilidade de você ficar feia. E não me importa a hora, eu sempre gosto de te observar, é um hábito e não quero perde-lo. - O sorriso dela se abriu deixando as leves marquinhas no canto da sua boca em evidência. Tinha o namorado mais clichê do mundo, mas o amava da forma que ele era -

- Você é um poço de clichê, garoto do Kansas.

- "O último romântico". Quis evitar teus olhos. Mas eu não pude resistir. - Cantarolou fazendo o sorriso no rosto da ruiva se abrir ainda mais. Lois se jogou para cima dele e seus cabelos caíram em seu rosto. Delicadamente ele os Colocou atrás da orelha e acariciou o rosto dela -

- As vezes eu sinto que eu não mereço você.

- Todos os dias, eu me pergunto o que seria da minha vida sem você - Trocaram sorrisos suaves, tomando seus lábios para si, a beijou com carinho e paixão, tentando passar naquele beijo todos os sentimentos que cresciam cada dia mais por ela. -

...

Lois terminava de se arrumar para mais um dia de trabalho. Fechou as botas de cano longo que adorava usar, e foi de olhar no espelho do seu quarto conferindo o look. Usava uma calça jeans azul escura, uma blusa vermelha social e um colete preto por cima. Deixou os cabelos soltos, observando que haviam crescido nos últimos meses.

Sentiu dois braços fortes a segurando pela cintura e a mantendo junto ao seu corpo. Clark havia acabado de sair do banho e estava envolvido apenas por uma toalha presa em seus quadris.

- Não vai, eu vou no seu lugar, o Perry não se importa. - Pediu, seu tom de voz era preocupado. Os dias que passaram após o ocorrido com o porteiro, o fizeram pensar que seu medo, sua insegurança sobre o evento na LexCorp fosse excesso de zelo. Mas,  sua intuição lhe dizia o oposto -

- Eu também não queria ir, porém ele exigiu a minha presença, e acho que se a minha persona não aparecer lá, Lex fará alguns coisa contra o jornal.

- Ele seria capaz disso? Apenas por um capricho? - Virando- se para o encarar, Lois confirmou -

- Vindo da família Luthor, espere qualquer coisa.

- Deixa eu te acompanhar então, não quero que vá sozinha. - Ela sorriu de lado e acariciou o rosto preocupado do namorado. -

- Você tem um trabalho para fazer na delegacia não é? Eu vou ficar bem. - O herói acentiu, mesmo que por dentro seu coração estivesse apertado. A abraçou beijando seus cabelos, queria a manter junta de si o máximo de tempo possível, sentia que algo ruim iria acontecer -

...

O evento acontecia em uma área fechada que ficava atrás da empresa. Várias pessoas já estavam no local, incluindo outros jornalistas e empresários. Lex se dividia para receber a todos, sorria e esbanjava simpatia. Conversava com um dos empresários, quando viu a repórter do Planeta Diário entrando.

Lois olhou ao redor sem nenhuma expressão. Odiava esses tipos de eventos, era um tédio. Viu Lex vindo em sua direção e respirou fundo abrindo um sorriso falso, tentando demonstrar um mínimo de gentiliza.

- Achei que não fosse aparecer. - Segurou a mão dela pronto para depositar um beijo, mas ela puxou a mão antes que ele o fizesse -

- Não tive opção, se tivesse não estaria aqui.

- Sempre dócil não é? O que fiz contra você para despertar toda essa antipatia? - Perguntou cínico -

- Existe! - Lex sorriu -

- Gosto da sua personalidade, é uma mulher de muita fibra, coragem. Permita-me lhe oferecer uma bebida? - Pegou dois copos de champanhe e estendeu um em sua direção -

- Estou aqui a trabalho, não para me divertir.

- É só uma bebida Senhorita Lane, não coloquei veneno. - Disse irónico -

- Vindo de você, eu não duvido que o faria - Pegou a taça da mão dele e tomou um gole sem desviar o olhar -

...

Era o segundo lápis que Clark quebrava sem ao menos perceber. Desde que chegou no planeta diário naquela manhã. Jogou os pedaços do lápis no lixo e levou as mãos até o rosto suspirando profundamente. Olhou o celular vendo se havia alguma ligação perdida, ou alguma mensagem da jornalistas, mas nenhum sinal.

Queria tirar da mente que nada iria acontecer, que tudo ficaria bem e que logo ela estaria passando pela redação como.um furacão pronta para entregar uma nova matéria ao Perry, tinha que pensar nisso, tinha que ter pensamentos positivos.

Checou em seu relógio a hora e viu que já estava cima da entrevista que havia marcado na delegacia. Pegando suas coisas saiu às pressas da redação rumo ao prédio antigo da cidade de metrópoles. Precisava apenas ocupar sua mente.

...

Fazia cerca de 30 minutos que Lex discursava sobre seu projeto para ajudar Metrópoles. Falava sobre política, dinheiro, sociedade e Superman. Ficou evidente para a jornalista que o empresário não simpatizava nenhum um pouco com o herói, mesmo que ele quisesse fingir que era apenas preocupação com o bem-estar da cidade

A repórter pegou outra taça de champanhe e se afastou do palco caminhando pelo local. Observando os quadros espalhados pelo ambiente, tinha alguns objetos exposto, chutaria que Lex planejava montar um museu, a ideia a fez sorrir.

De longe, Lex a observava. Encerrou seu discurso recebendo muitos aplausos dos presentes. Se afastou e sem olhar para trás deixou o lugar sem ser notado. Mexeu em seu celular e sorriu malicioso, esperando que o show começasse.

As pessoas conversavam entre si enquanto esperavam para verem o projeto. Sorriam e tratavam sobre trabalho, quando uma forte explosão foi ouvida. As paredes estremeceram, e mais uma explosão foi ouvida. Gritos de pavor se iniciaram, a correria para sair do lugar, os pedidos de socorro, enquanto outra explosão aconteceu fazendo as paredes virem abaixo.

...

- Delegado, acredita que com as novas medidas de segurança impostas pelo governo, a criminalidade em Metrópoles irá diminuir? - Estavam sentados frente a frente. O gravador colocado sobre a mesa, enquanto o repórter encarava o homem -

- Estamos fazendo o nosso melhor, sabemos que nem toda medida de segurança tomada pelo governo é eficiente, mas estamos tentando. E ainda tem o Superman que tem ajudado muito tanto na reconstrução da cidade, quanto nos casos de violência na cidade.

- O senhor já... - Antes que terminasse a pergunta Clark ouviu pedidos de socorros. Se levantou mais do que de pressa, para o estranhamento do policial -

- A onde vai? Já terminamos?

- Teremos que continuar em outro momento, delegado. Eu preciso ir só banheiro, comi algo estragado. - Saiu correndo as pressas deixando o homem sem entender absolutamente nada. Em pouco tempo, ele saiu da delegacia, retirando suas roupas em um beco e alçou voo pelos céus -

...

Quando pousou no local do ocorrido viu tudo destruído. Curiosos se aglomeravam para saber o que tinha acontecido, as ambulâncias chegaram junto ao corpo de bombeiros e policiais. A angustia em seu peito aumentou quando se deu conta que o lugar que havia desabado, era onde estava acontecendo o evento de Lex Luthor

- Tem várias pessoas presas nos escombros, algumas conseguiram sair e estão sendo atendidas pelos médicos. Vamos começar as buscar. - A polícia informou -

- Eu faço isso! - Usando sua visão de raio-x, identificou onde as pessoas estavam. Voou até lá, abrindo espaço para retirar seus corpos debaixo dos destroços. Alguns infelizmente já sem vida, outros lutavam para viver. Fez tudo com rapidez, qualquer segundo perdido poderia custar uma vida. -

- Todas as pessoas já estão aqui, Obrigada pela ajuda. - Porém o herói ignorou as palavras do homem, seu foco estava em encontrar a namorada. Lois não estava entre as pessoas do prédio, ou talvez não tivesse visto direito. Sobrevoou o local e olhou por todos lugares até ver um corpo por baixo de vários escombros. Seu coração de apertou, e mais do que de pressa ele retirou os pedaços de concreto, para retirar ela de lá. -

Era difícil controlar o que estava sentindo naquele momento, ter que ser o imparcial e não demonstrar sua dor, era horrível. Saber que a mulher que amava poderia está morta, o fazia sentir impotente por salvar a todos, mas falhar com quem amava.

Quando finalmente conseguiu chegar onde o corpo dela estava, a pegou nos seus braços olhando como ela estava toda machucada. Tinha ferimentos em várias partes do corpo e na cabeça, mas ele ainda poderia ouvir seu coração, ela está a viva.

- Vou levá-la para o hospital, está muito machucada - Informou e voou o mais rápido possível. Segurava as lágrimas por ter falhado com ela pela segunda vez, prometeu que nunca mais a deixaria de machucar e falhou, era o que passava pela sua mente e o que estava sentindo naquele momento -

...

LIGAÇÃO ON

" - Deu tudo certo do jeito que você mandou.

- Ótimo! Terá seu pagamento depósitado ainda hoje

- Pessoas morreram, fez tudo isso por causa de uma única pessoa?

- Isso são assuntos meus, sua parte já está feita, não de meta. E essa única pessoa pode ser a chave para muitas oportunidades. Agora suma, nunca mais quero ouvir falar de você "

LIGAÇÃO OFF

Lex encerrou a ligação observando todo o movimento no local do "acidente". O sorriso nos lábios demonstrando que estava satisfeito com tudo o que havia acontecido, agora era partir para o próximo passo.

...

Após deixar Lois no hospital, Clark de trocou as pressas vestindo suas roupas normais. Estava angustiado com o estado da namorada, apesar de viva, Lois não acordou durante todo o percurso que fez até o centro médico. O moreno entrou no hospital e foi até a recepção

- Eu quero ver, Lois Lane. - Disse para a recepcionista. A mulher olhou o computador buscando informações da paciente -

- É parente dela?

- Namorado, eu quero vê-la.

- Ela está sendo avaliada pelo médico, terá que esperar que em breve o doutor vem falar com você. Pode esperar na sala de esperar aqui ao lado - Entregou uma pulseira a ele de acompanhante. Clark acentiu e caminhou até a sala onde havia algumas pessoas. Se encostou na parede um pouco distante de todos, e deixou que algumas lágrimas rolassem pela sua face. Retirou o celular do bolso e discou o número da mãe, levando o aparelho até o ouvido, até ouvir o som da voz de Martha -

- A Lois sofreu um acidente mamãe, está entre a vida e a morte.

....

Após duas horas de espera, o médico finalmente veio trazer notícias. Clark continuava na mesma posição desde que chegou, sentindo medo de perder a mulher que amava, ao mesmo tempo em que seu instinto gritava dizendo que aquilo não havia sido um acidente.

- Parentes da senhorita Lane?

- Sou o namorado dela. - O moreno disse se aproximando do médico - Como ela está? Quero vê-la!

- Calma, eu a examinei. Ela bateu forte a cabeça e está inconsciente por tempo indeterminado. Ela perdeu sangue, e quebrou o braço esquerdo. Fiz uma tomografia e felizmente não teve nenhum dado na cabeça dela, dei sedativos para aliviar a dor caso ela acorde.

- Mas, ela está fora de perigo não é?

- Está sim, pela forma como chegou achei que não sobreviveria, mas vai ficar tudo bem. - Deu dois tapinhas no ombro do herói. - Venha comigo, ela está no quarto. - Seguiram por um extenso corredor até chegarem ao quarto. O médico abriu a porta para que ele entrasse, seguindo-o em seguida -

Lois parecia está dormindo, porém tinha curativos na sua cabeça, seu braço esquerdo estava engessado, e tinhas vários arranhões por todo seu corpo. Doeu vê-la naquele estado, estava aliviado por saber que não corria mais risco de vida, porém não conseguia parar de de culpar internamente.

- As enfermeiras iram vim aqui de duas em duas horas para checar o estado dela, aplicar algum remédio caso precise, e trocar e limpar os ferimentos. Caso aconteça algo de diferente tem uma aparelho ao lado da cama que emite um chamado e nós iremos vim - Dito isso o homem de retirou da sala deixando o jornalista sozinho com a ruiva -

Clark foi até ela a observando, como queria ter evitado isso, deveria ter insistido mais para que ela não fosse, ter lhe contado o que estava sentindo, ou apenas ter chegado mais rápido e impedindo que tudo isso acontecesse. Segurou a mão dela alisando seu dorso, com a outra mão tocou suavemente seu rosto, querendo que ela acordasse para novamente seus intensos olhos azuis e o seu brilho, para vê-la sorrir novamente ou apenas tagarelar como sempre fazia e que ele amava ouvir o som da sua voz.

- Me perdoa, me perdoa por não chegar a tempo e evitar que isso acontecesse. Me perdoa por falhar com você, eu prometi que nunca mais iria deixar que você se machucasse, mas eu não consegui cumprir a minha promessa. Volta pra mim meu amor, por favor acorde, por favor, Lois. - Novamente suas lágrimas desceram enquanto a olhava. Naquele momento não se sentia nenhum herói, não quando havia deixado quem amava se machucar -

....

Na sala presidencial da LexCorp, Lex estava sentado em sua cadeira encarando o homem a sua frente.

- Mandou explodir aquele lugar, matou pessoas, por nada? Não acredito que colaborei com uma coisa dessas.

- Eu paguei pelos seus serviços, e eu fiz isso porque precisava de um prova para minhas suspeitas.

- Quais suspeitas? - Lex abriu a gaveta na sua mesa e pegou um envelope amarelado. Retirou as fotos de dentro e as colocou em fileiras a frente do seu ajudante -

- Essas fotos foram tiradas no dia da luta entre o Superman e Zod. Algum curioso as tirou e eu paguei bem caro por elas, pelo simples motivo de que Lois Lane sabe quem é o alienígena, é íntima demais dele a ponto de lhe dá um beijo.

- Fez esse circo todo para saber se o Superman tem uma namorada? Quase matou ela.

- Não estou nem aí se ela ia viver ou morrer, mas tenho preferência por ela viva. Através dela vamos descobrir quem o Superman é. E quando eu descobrir quem ele é, eu vou acabar com ele.

....



Notas Finais


Oieeee!!! Não me matem, ok? Um pouquinho de sofrimento não faz mal a ninguém não é?

Mas tem vagas abertas para matar o Lex, alguém se candidata?

Espero que tenham gostado do capítulo amores 🙃☺️

Beijos 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...