1. Spirit Fanfics >
  2. Outro Lado >
  3. Capítulo 4

História Outro Lado - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Mais uma vez, eu aqui kkk
Espero estarem gostando e boa leitura ❤❤

Capítulo 4 - Capítulo 4


Fanfic / Fanfiction Outro Lado - Capítulo 4 - Capítulo 4

Kim Namjoon

Segundo os maiores filósofos somos todos resultados do meio em que somos inseridos, muitas vezes isso molda nossas escolhas e caminho ao qual nos vamos seguir.

A sociedade em si já deixa escolhas, eu tenho o que comer agora não daqui a 1 ano, então preciso ir atrás de algo que me renda o tão famoso dinheiro. O que somos capazes de fazer por ele? Algumas pessoas dizem que nunca fariam isso ou aquilo, mas essas pessoas nunca estiveram em uma situação de desespero real onde sua única chance é fazer aquilo que a lei condena.

Não escolhi a vida que eu tenho, optei por ela para não ver quem eu amo morrer de forme e dor, para deitar a cabeça no travesseiro e saber que amanhã vou ter onde acordar, o que vestir.

Não me acho inocente, sou apenas mais um que seguiu o sistema.

Mas quero mudar isso.

Ninguém merece essa vida, ninguém com as devidas condições permanece nela.

É isso que eu quero, uma chance de sair disso e me tornar o homem certo.

Sou acordado desses pensamentos quando vejo um comprador recorrente me chamar.

-Aqui está.- Me enjoa ver esses tipos de pessoas se acabando em drogas, mas esse foi a única coisa que me cabeu no momento e precisei deixar os meus princípios de lado, quando ó vejo se afastar olho o relógio e percebo que o meu colega tá atrasado pra troca de turno, à mais quando ele chegar vou xingar ele de todos os nomes possíveis, até parece que eu não tenho nada pra fazer.

Passando algum tempo ele chega e só falta eu dar um cascudo no maluco.

- Ó seu vagabundo, onde você tava?- falo esbravejando raiva, ele me encara com aquela de noiado com certeza fumou umas antes de vir.

-Calma Nam, eu só acordei agora- contorso o nariz já sentindo o cheiro impregnado nele.

- Imagino, da pra sentir de longe a causa do seu sono- falo com uma cara de deboche-Mas acorda aí que eu tô vazando.

-Ixi maluco vai encontrar a namorada?- fala tentando tirar uma comigo.

- Não, mas posso dizer que é uma mulher especial- Falo já entregando a mochila pra ele e saio correndo pra pegar o ônibus, droga espero chegar a tempo.

Chegando em frente ao hospital, já identifico um dos médicos de minha mãe e vou até ele.

-Boa tarde doutor Junsun, ela tá acordada?-quando percebe minha presença ele sorri simpático.

- Sim, senhor Kim, mas antes do senhor ir queria falar como anda o procedimento de sua mãe- quando ele falo tais palavras, começo a me desesperar e sentir um aperto no peito.

-Claro, é algo grave?- logo após não recebo um olhar muito confortante.

-Infelizmente Namjoon a quimioterapia não tá dando muito efeito pras células, eu não sei mais quanto tempo ela vai resistir se continuar assim, o mais favorável seria aumentar as seções pra ver se dá resultado, mesmo assim não criar esperança- começo a querer chorar, mas teria que segurar pois daqui a pouco vou ver minha mãe e não quero acabar desesperando ela.

-O quê for preciso pra ajudar ou causar melhora.- Eu tento pensar positivo, ela que sempre me ensinou isso e agora eu tenho que ser o mais otimista e forte por mim e por ela.

-Entretanto isso será mais um custo devo dizer, tem certeza que pode arcar com as contas?- falou o médico preocupado com minhas condições.

- Sim, eu consigo aguentar, faço tudo por ela doutor.- Depois de confirmar o tratamento, pego o caminho do leito onde minha mãe se encontra, quando me aproximo já consigo à enxergar deitada, cheia de agulhas, mas mesmo assim sinto sua alegria, força e bondade, mesmo tendo perdido seus cabelos e ficado muito magra por causa do tratamento ainda tem uma enorme beleza.

Então adentro em seu quarto, já agarro sua mão zelando seu sono, e mesmo não acreditando em nenhuma religião, orações tem sido um porto pra mim, eu fico pedindo e orando qualquer que seja a divindade pra salva-lá.

Até que sinto um aperto em minha mão, e quando olho pra cima, solto um sorriso.

- Oi - falo com conforto.

- Oi- fala sorrindo, porém seu é de preocupação- Filho não precisa vir todos os dias, vejo que está bem cansado -fala apertando minha mão.

- Claro que preciso, eu me preocupo e além do mais o meu trabalho nem me desgasta tanto.

- Mesmo assim ainda acho que deveria sair ver amigos ou talvez arrumar um namorado.- Acho lindo como minha mãe consegue ser, mesmo no estado em que se encontra ela ainda vem me dando lição, e ainda é bem compreensiva na questão de eu ser bi, até que me lembro de uma história em que ela me defendeu

*flashback*

Eu estava sentado na sala de reuniões, o professor falava do meu desempenho nas aulas, mas eu sempre tentava ser bom pela minha mãe que parecia orgulhosa com os resultados, até ele chegar num assunto que mudou o clima completamente.

- Bem, como comentei o seu filho é bem esforçado, tira excelentes notas, mas venho notando um comportamento meio inaceitável- Eu e minha mãe olhamos confusos, porque desde que eu saiba estava me comportando bem.

-E o que seria?- ela fala já preparando pra qualquer coisa, menos pro assunto a seguir.

- Eu vejo ele agarrado a um menino sempre no corredor, eles sempre se abraçam e andam de mãos dadas, não gosto de tirar conclusões precipitadas antes, mas é proibido namorar pela escola.- Nessa hora eu vi minha mãe fechar a cara num nível que eu nunca vi, e não nego que fiquei incômodado com as palavras proferidas, então não pensei duas vezes em me intrometer.

- Mas eu vejo um monte de casais andando por aí de mãos dadas, se abraçando e até se beijando pela escola, qual é o problema?- Nessa eu vi ele paralisado e indignado.

- Olha Kim Namjoon, essa conversa está sendo entre mim e sua mãe, então por favor não se introme..

- Mas o senhor está ofendendo o meu filho- fala a mais velha o interrompendo- e ele tem o direito de se defender, e pelas palavras dele é natural se ver casais demostrarem carinho publicamente aqui, então porque o senhor se incomoda com o meu filho e o outro rapaz?- ela fala com tom de deboche já sabendo da situação.

- Mas...

- Mas nada, o senhor já me falou o que eu queria e vim saber, que é o desenvolvimento do meu filho nesta escola que dou graças à Deus que só falta algumas semanas pra ele se formar e se ver livre de pessoas como o senhor, passar bem - ela sai pagando a bolsa, nem dando uma chance dele continuar, já dando espaço pra outros pais entrarem. Ao seguir o corredor, eu nem sei o que dizer, pois até então não tínhamos conversado sobre a minha sexualidade, entretanto ela me olha e sorri como se adivinhace os meus pensamentos.

- Tudo bem- e me abraça- Acho que não tinha necessidade de me contar sendo que já sabia- fico abismado.

- Como?- pergunto alarmado, e ela solta uma gargalhada.

- Talvez um instinto de mãe, e talvez uma torcida bem pequena pra que você não fosse hetero, mas olha foi bem pequena, tá?- só minha mãe pra falar e pensar essas coisas que acabo por rir junto, assim seguimos pra casa.

*fim do flashback*

Me encontro sorrindo e com minha mãe me olhando com curiosidade.

- O quê?- fala contagiada

- Nada só tava lembrando de quando você descobriu minha sexualidade e me defendeu daquele professor- acaba por ela e eu rimos com a nostalgia da lembrança.

- Mas é claro, eu não ia deixar que um homofobico falasse do meu filho como se tivesse o direito de questionar na vida dele, eu ein- diz com uma falsa indignação.

- Me desculpe, senhor e senhora Kim, mas tá na hora de mais uma sessão de quimioterapia - suspiro cansado, eu queria ficar mais, porém só concordo, já que daqui a pouco eu tenho outro turno no meu "trabalho ".

- Tá bom, tchau mãe e descansa- dou um beijo em sua testa, já seguindo o meu caminho, entretanto uma fala de minha mãe me para e faz querer chorar.

- Tchau meu filho, e não se esforce tanto meu amor, te amo- apenas concordo e sigo meu caminho, se ela soubesse com o que estou metido, talvez ela não me entenderia ou me perdoasse, mas foi uma questão de necessidade, eu só queria que não fosse tão difícil assim viver nesse mundo, que não fosse tão complicado arranjar um emprego, que não fosse tão preciso seguir esse caminho fora da lei, porém é necessário e a única coisa que posso fazer é pedir perdão a ela. Me desculpe mãe.


Notas Finais


Aí Namjoon, a gente te perdoa, não se preocupe.
O que acharam? Podem dizer nos comentários. Bjs e até 😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...