História P. S. I Love You -Stony - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Deadpool, Homem-Aranha, Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Anthony "Tony" Stark, Bucky, Dr. Bruce Banner (Hulk), James Rupert "Rhodey" Rhodes, Peter Parker (Homem-Aranha), Steve Rogers, Thor, Wade Willson (Deadpool)
Tags Spideypool, Steve Rogers, Stony, Tony Stark
Visualizações 548
Palavras 1.625
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção, Fluffy, Hentai, Lemon, LGBT, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey meus amores!! Como estamos?? Mais um capítulo fresquinho pra vocês!
Recomendo que escutem "Enchanted" da Taylor Swift e "Same Mistake" do James Blunt enquanto leem.
Uma ótima leitura a todos e até amanhã!

Capítulo 9 - Like a first date


                                                                          IX.

                                                                  Like a first date

 

Tony estava fazendo de tudo para que pudesse conviver bem ao lado de Steve. Ele fazia de tudo para ficar ao lado do companheiro, mas era difícil quando o mesmo não se lembrava sequer de qualquer coisa que eles já tivessem feito.

Como ele poderia fazer para ficar perto do marido novamente? Ele não fazia ideia e ficar pensando nisso quando se está trabalhando, é uma péssima ideia.

 

(...)

 

Tony tinha um plano: ele levaria Steve para o lugar onde eles tiveram o primeiro encontro de verdade. Fora o encontro mais divertido da vida de Tony, isso ele poderia afirmar com toda a certeza.

Ele nunca vira Steve com tanto medo em uma roda gigante. A roda gigante havia enguiçado com Steve e ele no topo do brinquedo. Steve quase entrou em pânico e Tony quase não conseguira segurar seu riso naquele dia.

 

Flashback on

 

-Pare de rir! -Steve advertiu para o mesmo e Tony podia ver que Steve suava frio. Era muito engraçado ver Steve naquela situação, ele só poderia dizer isso. -Você não está ajudando em nada!

Tony cobriu sua boca com as mãos para que Steve não pudesse vê-lo rindo. Steve olhou para baixo e quase teve um treco ao ver a distância em que estavam do chão.

-Eu sou muito novo para morrer. -Steve declara,tremendo.-Meu Deus, eu só tenho 28 anos. Não faz isso comigo.

Dessa vez, Tony teve que gargalhar alto. Steve pensava que iria morrer. O brinquedo só tinha dado defeito. Ele recebeu alguns tapas em resposta do mesmo.

-Não ria! Eu odeio que riam quando o assunto é sério! -Steve afirmou, enquanto estapeava o ombro de Tony.

Tony ergueu suas mãos em sinal de rendição para o mesmo.

-Tudo bem, eu parei, eu parei.

Steve respirou fundo algumas vezes e Tony se aproximou dele, lentamente. Logo, seus ombros estavam colado e não havia distância nenhuma entre nenhum dos dois.

-Respira, Steve. -Tony o instruiu, com a maior calma e paciência possível. Steve continuava a respirar fundo. -Eu sei que está com medo agora, mas logo, esse medo não vai mais existir.

Steve se virou para ele e encarou os belos olhos castanhos de Tony. Nossa, como ele nunca tinha reparado que os olhos de Tony eram tão bonitos?Eram o tom de castanho mais bonito que Steve já vira.

-Você tem lindos olhos. -Steve comenta, a garganta seca.

Tony abre um leve sorriso.

-Você também tem olhos bonitos.

Aos poucos, Steve estava ficando mais calmo e o medo já era inexistente. Todas as coisas que Tony falava para ele, faziam-no ficar mais calmo e logo, seu medo fora embora.

-Obrigado. -ele sussurrou e Tony sorriu.

-De nada, Steve.

 

Flashback off

 

Sim, Tony tentaria recriar o primeiro encontro dos dois. Quem sabe, dessa forma, Steve não se lembrava dele?

 

(...)

 

-Para onde está me levando? -Steve quis saber, mas Tony deu de ombros.

-É surpresa.

Steve estranhou.

-Eu não gosto de surpresas.

Tony sorriu e se virou para ele.

-Eu sei que não gosta, mas tenho certeza de que dessa surpresa, você irá gostar.

Steve cruzou seus braços e continuou andando ao lado de Tony. Estava fria a noite e ele não fazia ideia de onde Tony queria levá-lo.

-Tony, porque não me diz logo?

Tony fez que não com a cabeça e Steve começou a se irritar com aquilo .Porque Tony queria fazer uma surpresa para ele?

-Tony, porque você quer me fazer uma surpresa?

-Sh! -Tony disse para ele e depois sorriu. Steve soltou um suspiro e foi puxado por Tony até a porta do parque de diversões.

-Parque de diversões? Porque me trouxe aqui?

Tony se virou de frente para Steve e Steve visualizou bem os belos olhos castanhos de Tony.

-Eu sei que você não se lembra de nada do que aconteceu aqui, mas o meu objetivo é recriar o nosso primeiro encontro.

Steve estranhou.

-Achei que nosso primeiro encontro tinha sido no restaurante com o Bruce.

Tony nega com a cabeça.

-Segundo primeiro encontro, pode ser? -ele perguntou, com um sorriso no rosto.

Steve fez que sim com a cabeça.

-Ótimo. Vêm. -Tony puxou Steve pelo braço até a fila da roda gigante. -Fica aqui e eu vou comprar os ingressos, ok?

Steve concorda com a cabeça e logo, Tony é engolido pela multidão. Ele olhou para a roda gigante. Ele tinha subido mesmo naquele brinquedo com Tony? Só de pensar que sim, ele sentiu um frio em sua espinha.

 

(...)

 

-Preparado? -Tony perguntou para ele, quando o assento dos dois foi fechado. Steve se virou para ele.

-Eu aceitei mesmo vir nesse brinquedo na primeira vez? -a voz de Steve era trêmula. Tony sorriu e concordou com a cabeça. -E como foi?

-Você entrou em pânico.

-Eu quero sair. -Steve declara e começa a se balançar na cadeira. -Por favor, eu quero sair.

Tony riu dele e Steve sentiu seu sangue ferver dentro do seu corpo.

-Porque diabos está rindo, seu idiota? -ele quis saber.

-É muito engraçado te ver com medo de um simples brinquedo.

Steve revira os olhos.

-Não tem nada de engraçado. Eu só quero... -Steve sentiu seu corpo tremer assim que o brinquedo começou a se movimentar. -Meu Deus, eu vou morrer.

Tony olhou para ele. Sim, ele tinha o seu Steve medroso de volta naquele momento.

-Você não vai morrer. Eu estou aqui.

Steve revirou os olhos.

-Ah, como se você valesse de alguma coisa.

Tony riu. Sim, era impossível não rir do nervosismo de Steve, mas ele sabia que o companheiro odiava quando riam de algo que era tão sério para ele.

-Por favor, não ria. -Steve pediu, engolindo a saliva em sua boca. Tony fez que sim com a cabeça e se aproximou lentamente do marido.

-Não precisa ter medo. Eu estou aqui.

Steve olhou para ele.

-Porque eu aceitei entrar nesse brinquedo mesmo?

Tony sorriu.

-Porque você ficou com medo no começo, mas logo se divertiu.

Steve estava em pânico.

-Tem certeza?

Tony confirmou com a cabeça.

-Certeza absoluta. Apenas... respire fundo.

-Tudo bem. -Steve fez o que Tony lhe pedira e respirou fundo algumas vezes, enquanto apertava seus dedos na barra de ferro do brinquedo. Logo, ele estava se sentindo bem melhor.

-Está se sentindo melhor?

Steve confirmou com a cabeça.

-Sim. Bem melhor.

 

(...)

 

-O que quer comer? -Tony perguntou para Steve, enquanto eles desviavam das pessoas que viam em suas direções.

-Hã... cachorro quente.

-Tudo bem. Eu vou buscar.

Steve esperou pelo companheiro em um dos bancos do parque e o menor se aproximou dele, entregando o cachorro quente dele, junto de refrigerante.

-Obrigado. -Steve o agradeceu. Tony se sentou ao seu lado.

-E aí, se divertiu?

Steve deu de ombros.

-Nunca pensei que fosse entrar em uma roda gigante alguma vez.

Tony sorriu para ele.

-No nosso primeiro encontro foi assim também.

Steve sorriu para ele. Ele até poderia imaginar como havia sido o primeiro encontro dos dois, mas preferia não pensar nele esse momento. Esse primeiro encontro estava ótimo.

-Como um primeiro encontro. -Tony disse e Steve olhou para ele,enquanto mastigava o seu cachorro quente.

Steve concordou com a cabeça.

-Bom, vejo que já cometi loucuras que nunca cometeria na minha vida. -Steve disse,brincando.

-Eu levei você ao seu limite.

Steve concordou.

-E você gostou. -Tony completou. Os olhos dele estavam fixos no companheiro. Ele observou a aliança do mesmo em seu dedo anular.

 

(...)

 

Steve e Tony andaram um pouco pelas ruas frias de Nova York, enquanto os mesmos tentavam apostar uma corrida até a Estátua da Liberdade.

-Estou parecendo uma criança. -Steve declara, assim que coloca a sua mão na gélida estátua.

-Imagina eu então? O meu marido está me fazendo virar uma criança novamente.

Steve deu um meio sorriso. Ele podia escutar Enchanted tocando e viu que a música estava em seu refrão. Ele sempre achou aquela música linda, mas nunca tinha entendido o real significado dela, não até aquele momento.

Ele pegou a mão de Tony e rodopiou o companheiro uma vez. Tony ficou surpreso com o ato do marido, mas não o afastou.

-Porque isso agora? -Tony quis saber.

Steve deu de ombros.

-A música pediu para que eu fizesse isso com você. -ele sorriu ao dizer, assim como Tony também. -Está melhor que o nosso primeiro encontro?

Tony concordou com a cabeça.

-Muito melhor.

 

(...)

 

Steve o rodopiou mais uma vez e Tony caiu diretamente em seus braços. As ruas estavam desertas e eles apenas escutavam os gatos e os cachorros e o vento frio batiam de encontro ao rosto de ambos. Era maravilhoso. Principalmente quando o azul dos olhos de Steve se misturava diretamente com o azul do céu estrelado.

A música que tocava ao fundo era Enchanted e Tony deitou sua cabeça sobre o ombro do companheiro, assim como Steve também fizera, enquanto os corpos de ambos se moviam em um ritmo lento e calculado. Steve sorriu com aquilo. Se tornara algo diferente do que normalmente era, por amor. Por amor a Tony.

Nunca pensou antes que estaria no meio de uma rua, dançando uma música romântica com alguém antes, mas de alguma forma, Tony o fazia querer testar esses limites e Steve adorava. Adorava a doçura e a delicadeza com que Tony o tratava, sempre o fazendo experimentar coisas novas.

Nunca pensou em amar alguém tanto como amava Tony. Era diferente. Era algo único. Era algo mágico. Todos os seus "eu te amo" que ele nunca dissera para qualquer pessoa antes, foram reservados para Anthony e ele não se arrependia disso.

Era o cara mais feliz do mundo.

Tony o fazia se sentir a melhor pessoa, a mais amada e a mais idolatrava dentro de um mundo de bilhões de pessoas.

Tony o fazia se sentir único.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...