História Pacto Quebrado - Capítulo 47


Postado
Categorias Chris Evans, Ian Somerhalder, Jared Padalecki, Jensen Ackles, Misha Collins
Personagens Jensen Ackles, Personagens Originais
Tags Jensen Ackles
Visualizações 32
Palavras 3.460
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fantasia, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 47 - Two Of Us


Fanfic / Fanfiction Pacto Quebrado - Capítulo 47 - Two Of Us

Izzie Narrando:

- O que está fazendo aqui?

Eu juro por tudo que é mais sagrado que não era a minha intenção encontrar o Jensen.

Eu tive um dia de merda, aliás, os últimos quinze dias foram uma merda, e eu só precisava ficar sozinha.

Amanda me falou que ela estava em NY e que ele estava viajando com o time, então achei que não teria problema ficar um pouco sozinha na cobertura. Era o único lugar que eu tinha certeza que ninguém iria me procurar.

Mas, enquanto eu tomava um demorado de banheira, com bastante espuma, ele apareceu.

Jensen era muito bonito sempre, mas naquele dia…

- Tomando banho...?

- Faltou água na sua casa?

- Não... Não sabia que ia voltar hoje. -falei.- Eu já estou de saída.

- Sem problemas. -me olhou e saiu do banheiro.

- Valeu. -falei, sem mover um músculo sequer para sair.

Como eu disse antes, Jensen estava um pedaço de mal caminho naquele dia. Mais do que o normal. Parecia mais forte do que eu me lembrava, devia ter treinado bastante naqueles dias, estava com a barba feita e cabelo bem cortado.  Sua t-shirt verde escura estava deixando seus músculos bem evidentes e eu achei ter visto o pedaço de uma tatuagem, coisa que ele não tinha antes.

Eu não tinha certeza se estava bem, mas vê-lo daquele jeito me deu um puta tesão. Tentei lutar contra a minha vontade de chamá-lo, mas se eu tivesse que transar com alguém naquele dia, era melhor ser alguém que eu confiasse de olhos fechados.

- Jensen. -gritei.

Ele apareceu pouco tempo depois, sem camisa, me dando a certeza que havia uma tatuagem em seu braço agora.

- Oi.

- Quando você fez? -perguntei, olhando para ela.

Ele olhou para o próprio braço, se dando conta do que eu estava falando.

- Há quase duas semanas.

- Ficou bonita. Aliás, você todo está uma perdição. -falei, olhando fixamente para o seu corpo.

Jensen cerrou os olhos para mim.

- O que está querendo, Izabela?

- Por que eu estaria querendo alguma coisa? -arqueei a sobrancelha.- Estou apenas constatando os fatos.

- Achei que estivesse com raiva e não que ficaria me elogiando feito uma pervertida. -se encostou na pia, cruzando os braços, sem desviar os olhos dos meus.

- Não estou com raiva. Eu entendo a sua decisão. -dei de ombros.- E eu estou te elogiando porque você realmente está uma perdição, oras.

- Hm... -divagou. -  Como você está?

- Estou bem. E você?

- Bem...?

- Por que a dúvida?

- Nada demais. -deu de ombros.

- Ah sim... -divaguei, desviando o olhar.- Você está muito gostoso.

- Já sei... -desviou os olhos. - Quer transar e sabe que o idiota aqui vai fazer o que quer.  Está enganada dessa vez.

- Quem disse que eu te acho um idiota? -voltei meu olhar para ele.

- Você.

- Touché. -sorri.- Tudo bem, mas por que acha que eu quero transar?

- Ainda está pelada dentro da minha banheira, me chamando de gostoso e me olhando como se eu fosse um pênis gigante.

- Muito tempo sem... A gente sente falta, não acha? -arqueei a sobrancelha.

- Aí acha que eu sou obrigado a foder com você só porque está com vontade? Me poupe, Izabela.

Nunca foi tão difícil transar com ele.

- Eu, em algum momento, falei que você é obrigado? Transa se quiser, se não quiser não transa, Ackles. Simples. -dei de ombros.

Ele revirou os olhos, respirando fundo.

- Não quero discutir. Não hoje, pelo menos.

- Beleza. -fechei meus olhos, relaxando naquela banheira maravilhosa.

O cômodo ficou silencioso. Dava para ouvir somente as bolhas da hidromassagem.

- Eu transei com alguém em Louisiana. -ouvi sua voz soar bem baixinha.

- Ah...

Agora entendi o porquê da resistência.

- Só vai falar isso?

- Quer que eu fale mais o que?

- Não sei. Se gritasse seria melhor do que fingir que está tudo bem.

- Não vou gritar. Vim aqui para relaxar, não para me estressar.

- Estou tentando conversar com você.

- Você quer que eu fique estressada. Isso sim. -falei.

- É a última coisa que eu quero, acredite. Já estou cansado de brigas, de términos e de dramas. -suspirou.

- Então... Estou tentando manter a paz. Até eu terminar aqui. -falei, tranquilamente.

- Eu terminei com você por causa do Jared e do Misha. Eles, praticamente, me obrigaram a ficar longe de você. -explicou.

- Por que? -olhei para ele.

- Porque disseram que eu estava fazendo você sofrer. Falaram que você passou coisa demais nos últimos anos, ficaria melhor sem mim.

- Pelo menos você pôde transar enquanto esteve lá, né? -desviei o olhar novamente.

- Transei porque estava com vontade, só isso.

- Ótimo. -dei de ombros.

- Hm... -divagou. - E eu também quase transei com a ruiva no dia em que bati do seu amigo. Não aconteceu nada, nem mesmo um beijo, mas eu pensei em fazer. Me desculpa.

- Tranquilo.

- Izzie, fala alguma coisa, por favor.
- Não tenho nada para falar, Jensen. -respirei fundo.

- Você sempre tem o que falar.

- Hoje não. Só queria gemer mesmo.

- Eu transo com você, faço o que quiser, mas conversa comigo antes. Abre o jogo de uma vez, já passou da hora disso acontecer.

- Sobre o que quer conversar?

- Sobre nós e sobre as merdas que eu fiz. -suspirou.

- Pode falar. Juro que vou comentar dessa vez. -me virei para ele.

- Não consegui fazer nada com a ruiva por causa de você. -me olhou nos olhos. - E com a outra menina, eu só tive vontade de fazer. Eu estava surtando, estava há uns quatro meses sem foder.

- Tudo bem. Se você tivesse feito alguma coisa com a Hanna eu não te perdoaria. -falei.- Você é um filho da puta. -murmurei.

- E você acha que eu não fiz por quê? -arqueou a sobrancelha. - Eu sei disso. Soquei a cara dos James só porque estava com raiva de mim mesmo.

- Ele não tinha e nem tem culpa das suas merdas. -revirei os olhos.

- Eu sei. Mas eu estava puto e achei que você ficaria com ele.

- Se eu ficasse, não seria problema seu.

- E seria de quem? Ainda estávamos juntos.

- Meu. E eu ia assumir as consequências do meu ato.

- Se é assim, ok.

- Ok.

Por mais que eu não quisesse demonstrar, eu estava cuspindo fogo, pronta para enfiar a porrada naquele filho de uma puta. Eu sei que ele estava solteiro em Louisiana, mas não devia ter transado com ninguém, pois não é segredo pra ninguém que nos
acertaríamos mais tarde.

- Vou estar no quarto. -avisou.

- Calma. Ainda não terminamos. -falei séria. - Sobre os filhos e tudo mais... -divaguei.- Eu não quero. Sei que é o seu sonho, mas não quero. Entendo se não quiser voltar comigo por causa disso.

Jensen me olhou com os olhos marejados, perdido.

- Está me dizendo que eu tenho que escolher entre o meu sonho e você?

- Infelizmente, sim. Por isso, eu super vou entender se você não me quiser. -falei, suavemente.- Não se preocupa com isso.

O loiro ficou perdido por longo período de tempo, olhando para o chão até que estivesse pronto para se pronunciar. 

- Eu não imagino mais a minha vida sem você, Izzie, mas é uma porra abrir mão disso. -tampou o rosto com as mãos.

- Me desculpa... -murmurei.- Detesto te colocar nessa situação, mas…

Sem me olhar, ele tirou a calça revelando a sua boxer branca, que estava bem transparente vale ressaltar, e entrou na banheira, mas ficou um pouco longe de mim.

Respirei fundo.

- Estou indo. -fiz menção de sair da banheira, já pegando a toalha.

Ele puxou o meu braço, me fazendo sentar novamente. 

- Por que? Vou cumprir o que prometi quando pedi para você conversar comigo.

- Eu não quero que você se sinta obrigado a isso agora. -suspirei.- Depois você me paga a promessa.

- Já era pra você saber que se eu não quero fazer uma coisa, eu simplesmente não faço.

- Eu sei. -falei.- Mas pensa primeiro no que conversamos e me liga depois. -sorri, fracamente.

- Eu não quero ligar, quero você agora.

- Tem certeza disso?

- Essa pergunta deve ser feita a você. Está se sentindo bem para que  isso aconteça?

- Se tem uma coisa que eu quero agora é que você me foda com força, meu anjo. -sussurrei, olhando fixamente em seus olhos.

Ele me sentou na banheira, de costas para ele, e me abraçou por trás, apertando os meus seios com as duas mãos. Senti seu membro já rígido nas minhas costas.

Eu forçava a cabeça para trás para conseguir beijá-lo, mordê-lo e lambê-lo, enquanto suas mãos continuavam deslizando nos meus seios e descia pela minha barriga, coxas, por entre minhas pernas, provocando o que eu mais queria. Queria que suas mãos tocassem a minha abertura.

Depois de minutos de tortura, ele, enfim, atendeu às minhas súplicas e com suas mãos acariciou a minha intimidade submersa na água. Enfiava o dedo, deslizava pelo períneo, subia até o clitóris, arrancando de mim gemidos de tesão.

Eu estava com tanto tesão que não aguentei as preliminares por muito mais tempo, então ergui um pouco a minha bunda e me sentei em cima do seu pau, ainda de costas para ele. Eu segurava na borda da banheira enquanto subia e descia. Porém, eu estava indo com tanta sede ao pote que já estava quase gozando.

- Santa ali. -apontei para a borda da banheira.

- Para quê? -ele estranhou.

- Por favor.

Mesmo receoso, Jensen fez exatamente o que eu pedi. Me ajoelhei, ainda dentro da banheira, e o abocanhei, fazendo um boquete lento e torturante por toda a sua extensão. Vez ou outra até mordisquei a sua glande, o levando à completa loucura. Jensen não quis gozar na minha boca, por isso me puxou de volta para cima, para beijar a minha boca mais uma vez.

Depois do beijo, e que beijo deixando claro, trocamos de posição. Ele me colocou sentada na borda da banheira e foi descendo devagarinho, lambendo a extensão de meu corpo. O espertinho passou o dedo no fondue de chocolate, que eu estava comendo antes do dito cujo chegar, e passou o mesmo nos meus mamilos, sugando-os em seguida. Jay desceu sua língua pela minha barriga, enfiando a língua no meu umbigo, até chegar em minha abertura que estava completamente encharcada de desejo por ele.

Jensen começou dando lambidinhas no meu clitóris, deslizando pelos lábios, e depois enfiou a sua língua na abertura quente. Os meus gemidos eram intensos de prazer. O loiro concentrou lambidinhas circulares no meu clitóris e minha respiração começou a ficar acelerada, enquanto eu segurava a sua cabeça naquela posição. Não aguentei por muito mais tempo e acabei gozando em sua boca.

Nos levantamos, nos secamos um pouco e fomos para a cama, onde começamos a nos beijar novamente. Durante os beijos, Jensen puxou o meu quadril até o seu rosto, onde, sem perceber, estávamos em um perfeita posição para um 69. Eu estava a cada segundo com mais vontade dele, então agarrei o seu pau e o enfiei de uma vez na minha boca, enquanto a sua língua lambia a minha intimidade que já se encontrava super molhada novamente. Eu me contorcia toda sobre ele.

Paramos o 69 e ele foi para a beirada da cama, me chamando para se sentar sobre o seu membro, de frente para ele. Eu o fiz, então Jensen me penetrou bem fundo, bem gostoso, aproveitando a posição para chupar os meus seios e beijar os meus lábios. Eu rebolava bem gostoso em cima dele, com seu pau cravado dentro de mim.

Suas mãos acariciavam as minhas costas e apertavam a minha bunda. Jensen me puxou ainda mais de encontro a ele quando o suor já escorria por minhas costas. Suas mãos deslizaram ainda mais enquanto eu apertava um de seus braços ao mesmo tempo em que rebolava mais rápido, com as suas mãos me acariciando.

Sua respiração também acelerou e acabamos gozando em um abraço bem forte, onde se era possível sentir a batida do coração do outro.

- Preciso que saia de cima de mim para que eu possa sair de dentro você. -falou, ofegante, depois de alguns segundos, rindo.

- E quem disse que eu quero que saia de dentro de mim?

Eu me sentia bem, segura e confiante. Era tão bom me sentir assim de novo.

- Ok.  -se levantou, me segurando em seus braços, ainda dentro de mim.

Dei risada quando ele andou até o frigobar, pegou uma cerveja e se sentou novamente. Jensen me pegou com tanta facilidade que eu me senti minúscula.

- Ou você está muito forte, ou eu estou muito magra. Não é possível.

- Fico com a primeira opção. -deu uma golada em sua bebida.

- Então... O que você decidiu? Quer mais tempo para pensar?

Jay suspirou antes de responder.

- Vou abrir mão do que eu quero para ficar com você.

- Tem certeza? Não quer mais um tempo para pensar?

- Tive quinze dias para fazer isso. -sorriu.

- Então, tudo bem. -suspirei.

- Me deixa tomar banho agora.

- Vamos tomar juntos.

- Então sai de cima de mim.

- Chato.

- Não está sentindo mais nada, quer ficar com o meu pau dentro de você para quê?

- É legal. -dei de ombros.

Saí, rindo, de cima dele e caminhei até o banheiro. Liguei a ducha e esperei pelo Jensen, que até então eu não sabia se era meu ex ou atual namorado.

Tomamos um banho bem demorado porque fiz ele me contar cada detalhe da viagem.

Jensen foi o primeiro a deixar o banheiro, mas ele voltou minutos depois com uma toalha enrolada na cintura, segurando o meu celular.

- Seu amigo Jam... -pensou. - James?

- Jamie.

- Jamie. -repeitiu. - Ligou, mas como estava ocupada, atendi seu celular.

- O que ele disse?

- Quer te chamar para jantar.

Zero dramas?

- Falou que eu ia retornar?

- Sim. Vou deixar o celular aqui em cima e você liga, enquanto eu peço algo pra gente comer, ok?

- Obrigada. -sorri.

O loiro saiu novamente do banheiro e, assim que saí debaixo do chuveiro, peguei meu celular e disquei o número do Jamie.

Ligação On

- Oi, Bela. Achei que ele não falaria que eu liguei.

- Oi, Jam. Tudo bem?

- Sim. Você não tem vergonha nessa cara mesmo, né?

- Por que está falando isso? -ri.

- Está com o Jensen.

- Sobre isso... A gente meio que voltou...?

- Como eu disse, você não tem vergonha na cara. Esse cara deve ser um deus do sexo, não é possível.

- Não é isso, Jam. Nós nos amamos. Só isso.

- Não quero falar sobre isso. Vamos sair para jantar?

- Eu vou jantar com ele. Se você tivesse pedido ontem, Jamie. -lamentei.

- E amanhã?

- Eu aceito. Como amigos, certo? -perguntei, mordendo o lábio inferior.

- Tenho outra opção?

- Não…

- Então tudo bem. Te pego às oito na casa da sua mãe.

- Beleza. Até amanhã. -falei.

- Até.

Ligação Off

Vesti uma cueca e uma t-shirt do Jen, indo atrás dele em seguida. Ele estava na cozinha, sentado em uma banqueta que ficava perto da pia, mexendo no seu celular. Jay ainda estava sem camisa, usando um short preto que mostrava, claramente, que estava sem cueca.

Vi sua tatuagem pela primeira vez e adorei, então resolvi comentar sobre ela.

- Essa tattoo ficou tão sexy.

- Eu sou sexy, é diferente.

- Contra fatos não há argumentos.

- O que eu vou falar com o meu irmão?

- Que a gente fodeu. -dei de ombros.

Ele gargalhou.

- Jared, sei que deixou claro para eu deixar a Izzie em paz, mas nós transamos há algumas horas.

- Perfeito. -ri.

- Temos mais algum problema grande o suficiente para nos separar novamente?

- Acho que não.

- Então, por favor, sem mais separações.

- Pode deixar, capitão.

- Ótimo. -balançou positivamente a cabeça. - Vou tentar não implicar mais com o Jame... Jamie também.

Oh.

- Oi? -olhei para ele, surpresa.

- Vou tentar deixar ele em paz. Só tentar…

- Te amo, lindo. -abracei ele.

- Só por que vou parar de xingá-lo? -arqueou a sobrancelha.

- Sim. Significa muito para mim.

- Ótimo. -sorriu, sem graça.

- Agora me abraça, caralho.

Ele revirou os olhos, enroscando seus braços em minha cintura.

- Pronto, madame.

- Amanhã eu vou sair com ele, ok?

- Vão aonde?

- Jantar. Como amigos.

- Hm... ok.

- Vamos sair hoje?

- Eu pedi comida.

- Então ótimo. -sorri, olhando para ele.

- Vai ficar com as bochechas doendo de tanto que está sorrindo.

- Me dá um beijinho.

Ele deu um selinho na minha boca e depois, de brincadeira, lambeu a minha bochecha.

- Quero um beijo, não uma lambida na bochecha, cachorrinho

- Já dei o beijinho, chega.

- Beleza. -me afastei dele.

- Vai fazer pirraça por causa disso?

- Sim. Depois de tanto tempo sem beijar a minha boca maravilhosa você fica de palhaçada.

- Eu beijei bem mais do que a sua boca naravilhosa há menos de uma hora.

- Não ligo.

- Depois eu beijo, estou com preguiça agora.

- Certo. -fui me deitar.- Caralho, que sono.

- Bela, você vai esperar o entregador comigo. Sem essa.

- Mas eu estou com sono. -choraminguei.

- Eu vim da puta que pariu hoje, tive uma conversa desgastante e ainda transei. Quer mesmo ver quem está com mais sono?

- Eu.

- Ok. Não vou falar mais nada. -virou as costas, saindo do cômodo.

- Tudo bem. Depois eu durmo. -me sentei, pegando meu celular, em seguida.

Ele não respondeu e nem voltou para o cômodo de imediato. O loiro voltou apenas quinze minutos depois, segurando dois pratos, ambos com fatias de pizza.

- Toma. -esticou um dos pratos pra mim.

- Valeu. -falei, depois de pegá-lo.

Jensen, como sempre, ligou a tv em um canal de esporte e ficou em silêncio, concentrado em sua pizza. Ele estava meio estranho, não estávamos 100%, eu só não sabia se isso tinha a ver com o jantar que eu teria com o Jamie no dia seguinte.

- Passa a bola, filho da puta. -murmurou para a tv.

- O que você tem?

- O que? -me olhou confuso, estava concentrado demais para ter prestado atenção em mim. - Nada.

- Tem certeza? Você está estranho…

- Estou cansado.

- Só isso?

- Devia ter mais alguma coisa?

- Não sei. Por isso estou perguntando.

- Não tenho nada, meu amor. Está tudo como devia estar.

- Se você está dizendo... -dei de ombros.

- Por que acha que tem alguma coisa?

- Já disse, meu anjo. Você está estranho.

- Estou vendo o jogo, é só isso.

- Então está bom.

Jay voltou a sua atenção para a tv e terminou de comer antes de voltar a falar.

- Eu não queria que saísse com ele. Não estou arrumando confusão e também cansei de ser um idiota com ele, mas não consigo fingir que estou satisfeito com isso.

- Sabia que tinha alguma coisa. -ri.- Eu te conheço. -me sentei ao lado dele.- A gente só vai comer. Como amigos.

- Eu sei. Eu confio em você, mas... -suspirou. - Ele gosta de você e é uma merda saber disso.

- Quer que eu faça uma hipnose para você esquecer? -brinquei.- Relaxa, meu anjo.

- Sem brincadeiras, Bela. -murmurou. - Se eu ficar mais relaxado, tenho um orgasmo.

- Eu posso cuidar disso... Mas não agora. Só quero dormir.

- Então vai logo. -tirou o prato da minha mão, se levantando. - Boa noite.

- Não vai dormir agora? -perguntei.

- Não. Vou terminar de assistir o jogo lá em baixo

- Ok. Não vá dormir muito tarde. Boa noite. -falei, já deitada.

- Ok, mamãe.

- Antes... Eu tenho uma pergunta.

Ele deu três passou a trás e me olhou.

- Fala.

- A gente voltou ou só transou?

- Hm... Depende. O que você quer?

- Quero dar para você todos os dias que eu puder. -falei, tranquilamente.
- Se isso valer só para mim e se você quiser, podemos voltar. -sorriu.

- Eu quero. Você quer?

- Quero. -sorriu fraco.

- Tudo bem. Agora meu beijo de boa noite, por favor.

Jensen deixou os pratos em cima da comoda e foi até mim, me beijando em seguida. Dessa vez não foi um selinho ou uma lambida, foi o beijo. Um beijo que deixaria qualquer um sem ar, desejando por mais.

- Boa noite, Izabela. -quebrou o beijo.

- Boa noite, Ross. -sorri.


Notas Finais


Para alegria, ou tristeza, de vocês, era só a Bela. Eles não conseguem ficar longe um do outro, brotinhos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...