História Pain or Love? - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Beatrix, Carla Tsukinami, Christa, Cordelia, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Richter, Ruki Mukami, Seiji Komori, Shin Tsukinami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yuma Mukami
Tags Diabolik Lovers
Visualizações 87
Palavras 7.195
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Ecchi, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Harem, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


[Capitulo Especial - A Ira de Kino Parte II]

"O ministério atacou. Tanto Helena quando os cidadões da cidade correm perigo. Todavia a vampira decidi realizar um plano para invadir o ministério junto com os Sakamakis e Mukamis para poder salvar Ruki das garras do ministério, porém muitos imprevistos acontecem e deixa a situação ainda mais complicada . Ela descobre um pouco mais sobre o passado de sua mãe através do manda chuva, mas esse acerto de contas com o mesmo não acaba muito bem e muito menos para Kino." -Pain or Love?

Capítulo 35 - A Ira de Kino


Fanfic / Fanfiction Pain or Love? - Capítulo 35 - A Ira de Kino

   23:38

    Eu acordei.

      Minha cabeça rodava e senti um forte enjoo tomar conta de mim, foi quando me recordei do que havia acontecido mais cedo, por conta disso levantei no susto fazendo meus músculos se contraírem.

-Ruki! –Olhei a minha volta desesperada.

       Eu estava deitada em um sofá, os meninos que estavam a minha volta me encaravam igualmente preocupados, meu pai mais ainda, quanto a KarlHeinz... Ele não estava presente.

-Helena! –Meu pai veio correndo me abraçar.

-Pai...? –Falei confusa.

-Que bom que está viva... –Vi que ele tremia ao me abraçar, e seus olhos estavam vermelhos.

-Onde nós.... Estamos? –Perguntei desorienta.

-No castelo, trouxemos você até aqui enquanto ficou inconsciente –Respondeu Reiji.

-Onde está o Ruki? –Disse aflita desafazendo o abraço.

-Foi capturado pelo ministério e está preso nas mãos do manda chuva –Carla explicou a situação.

      Eu gelei. Aquilo realmente aconteceu? Ruki foi capturado por aquele feiticeiro? Ou foi tudo um sonho?

     Não...

      A dor me fazia lembrar de que aquilo era bem real. Meu abdômen doía muito, então senti mais uma onda de enjoos subir e por um acaso havia um balde à minha espera justamente ao meu lado, tratei de pega-lo botando tudo para fora.

     Eu não conseguia raciocinar tudo o que estava acontecendo naquele momento, e minha memória falha não me deixava relembrar os acontecimentos, porém quanto mais eu insistia mais era pior.

     Larguei o balde no chão me sentindo um pouco “melhor”, respirei fundo e me sentei.

-Você está bem? –Falou meu pai.

-Não muito... –Respondi.

-O que aconteceu com você? –Subaru pronunciou.

-Eu não lembro com clareza –Pus minha mão na cabeça- Eu estava com Ruki e de repente apareceu um homem...

-Um homem? –Balbuciou Lyon.

-Sim, acho que era um feiticeiro ou coisa parecida... –Assim que falei isso Carla, Shin e Lyon se entreolham um para outro.

-Como ele era? –Questionou Carla.

-Tinha cabelo branco.... Eu acho...

     Os três ficaram espantado com a minha resposta.

-Já é de grande ajuda Helena –Lyon disse vindo em minha direção- Agora vá descansar...

-Mas e enquanto ao Ruki? –Eu disse com uma gota de desespero.

-Vamos atrás dele, mas por hora fique aqui e descanse –O moreno me aconselhou.

-Não! Eu também tenho que ir! –Tentei me levantar, todavia foi em vão, cai no chão frustrada.

-Me escute Helena... –Lyon me ajudou a levantar- Sei que quer ajudar, porém seu no estado atual creio que não será capaz de muita coisa, então por favor fique aqui.

-Lyon... –Falei com uma voz chorosa e apertei sua camisa com força junto aos olhos a beira de lagrimas.

-Vai ficar tudo bem... –Ele me abraçou acariciando meus cabelos tentando me acalmar.

-Se for assim... Quero que prometa que vai trazer Ruki de volta... –Encarei profundamente os orbes avermelhadas do demônio.

       Lyon não iria recusar meu pedido, era obvio, mas.... Algo na expressão dele dizia ao contrario para mim por mais que eu já soubesse a resposta.

-Claro –O mesmo me colocou de volta no sofá onde eu estava deitada- Agora nós temos que ir... –Lyon beijou minha testa se despedindo.

-Adeus... –Eu disse ainda incrédula com a escolha dele.

       Por fim ele, Carla e Shin foram embora para poder resgatar Ruki do ministério.

      Lyon saiu pela entrada principal de uma enorme sala de onde nós estávamos, aparentemente era uma espécie de sala de estar. Não prestei muita atenção nos detalhes até porque eu estava morrendo de dor.

-Melhor você repousar filha... –Meu pai quebrou o silêncio.

-Queria poder contestar, mas acho que não tenho escolha... –Disse sincera.

-É para o seu próprio bem –Ele completou e eu apenas suspirei.

-Venha comigo –Reiji se aproximou de mim- Vou fazer curativos nesses machucados.

-Certo... –Não contestei, até porque eu precisava.

     Me apoiei nos ombros do moreno andando com certa dificuldade, fomos a caminho da enfermaria fazer os curativos. Por sorte ficava perto, me poupando o trabalho de andar, adentramos o lugar que estava vazio. Reiji me colocou na maca logo em seguida verificando os armários em busca dos afins necessários.

     Assim que os encontrou ele voltou até mim tratando de todos os machucados.

-Isso vai demorar para cicatrizar... –Balbuciou o vampiro olhando para o meu estado.

-Nem me diga –Falei desanimada.

-Sua metade vampira está muito fraca.

-Isso me faz lembrar de uma coisa... –Disse tendo um breve flashback.

      Meus poderes foram selados.

-Aquele feiticeiro... Ele selou meus poderes.

-Selou? –Reiji dizia com certa preocupação.

-Sim, ele deu um soco muito forte no meu abdômen... –Coloquei minhas mãos no local que ainda doía.

-Me permite ver? –Ele indagou me deixando surpresa.

-M-mas eu estou de vestido –Corei.

-Eu não sou o Laito, acha mesmo que quero me aproveitar da sua situação? –O mesmo disse indignado.

-Não é isso, só é vergonhoso... –Corei mais ainda.

-Helena –Reiji me encarou com tremenda autoridade. Eu sabia que ele não queria nada comigo, mas é embaraço.

-Está bom, já entendi... –Tirei meu vestido com MUITA vergonha.

     Reiji me pediu para deitar, eu somente obedeci. O moreno analisou o lugar do soco onde “supostamente” fui selada, as mãos gélidas do vampiro pousaram na minha pele fazendo eu ter um arrepio, era uma sensação estranha. Eu me sentia um ratinho de laboratório.

    Ele continuou verificando meu abdômen, enfaixou meu tronco e terminou sua inspeção.

-E então...?

-É um selo muito forte, eu não tenho recursos o suficiente para poder desfaze-lo, seria preciso um feiticeiro de alta classe para fazer isso –Disse ele aborrecido.

-Eu vou ficar com isso para sempre? –Me desesperei por um segundo.

-Não, esse tipo de selos é temporário, logo ele desaparecerá...

-E isso demora quanto tempo? –Perguntei desnorteada.

-Talvez horas, dias ou até anos –Reiji suspirou- Eu não sei dizer com exatidão, mas tente não se preocupar com isso, vá descansar –O mesmo retirou sua camisa dando para mim. Vesti na mesma hora.

-O que vamos fazer agora? –Disse inquieta.

-Sobre? –Ele pareceu confuso.

-Eu digo sobre nós e as outras pessoas...

-Bem, a partir de agora ninguém entra e ninguém saí.

-Como assim? –O encarei desorientada.

-Isso é uma conversa para outro momento... –O moreno apagou as luzes da enfermaria- Tome o remédio em cima do balcão e durma um pouco.

-Entendido...

-Boa noite... –Ele saiu da enfermaria me deixando só.

       Pois é....

    Eu queria que aquela tivesse sido uma “boa noite”, pelo visto está longe de ser boa. De qualquer maneira eu fiz o que Reiji mandou, tomei o remédio logo me deitando na maca.

   Parece que vai ser difícil dormir.

-Helena Off-

***

-Ruki On-

     Onde.... Eu estou...?    

      Eu abria meus olhos lentamente tendo uma visão turva, meu corpo latejava de dor e minha cabeça girava. Passou-se alguns segundos até que eu pudesse enxergar com clareza e a minha frente estava ele...

     Zara.

      O feiticeiro não esboçava expressão alguma, apenas me encarava de forma impaciente, foi então que ele decidiu falar.

-Finalmente acordou, você parece bem...

-Onde estamos...? –Perguntei.

-No ministério, nas catacumbas para ser mais exato –Dizia Zara tocando em meu abdômen que doía.

-O que fez comigo seu maldito? –Semicerrei os olhos com raiva.

-Nada demais por enquanto –Respondeu o loiro calmamente- Apenas selei seus poderes.

-Onde está Helena, o que fez com ela? –Disse preocupado.

-Bem, ela virá em breve –Ele falava enquanto fazia algum tipo de magia sobre o local do soco- Mas se te serve de consolo, pode ficar com isso... –Zara pegou o gato de pelúcia que Helena havia ganhado e jogou para mim.

     Tentei pega-lo, porém percebi que minhas mãos estavam acorrentadas e meus pés também, não conseguia me mover. Infelizmente não podia usar meus poderes, caso contrário eu iria bater naquele desgraçado.

-Vai me matar? –O encarei.

-Talvez... –Ele disse sem pigarrear.

-Droga... –Murmurei.

-Veja pelo bom Mukami Ruki, toda essa palhaçada vai acabar.

-Que palhaçada? –Eu falei confuso.

-Ora veja bem, porque acha que estávamos caçando vocês?

-Por causa da Helena...

-Errado –Zara deu de costas- Se quiséssemos a hibrida já teríamos feito isso a mais tempo, nossa caça envolve muito mais do que ela.

-Como assim?

-Acho que você já deve conhecer Kino, filho ilegítimo de KarlHeinz, sem qualquer direito da família Sakamaki –O feiticeiro explicou usando sua magia.

-O que tem ele? –Meus olhos seguiam suas ações.

-Acontece que ele já está cansado de tudo isso. Kino não quer mais ficar por trás de toda essa injustiça, ele quer dar a volta por cima disso –O mesmo continuou- Aposto que já ouviu falar no “grande” plano dele de eliminar toda a raça vampira.

-Que idiotice –Debochei.

-Pois saiba que essa idiotice dele está dando certo –Ele rebateu-Te capturar foi um dos primeiros passos, o próximo será atrair os Tsukinamis até a isca, ou seja, você –Zara apontou para mim.

-Então isso quer dizer que-! –Sou interrompido pela porta da cela que se abre, revelando o outro lacaio do manda chuva.

     Asmodian.

-Zara, estão aqui... –Avisou o demônio sem entrar na cela.

-Já vou –O loiro respondeu Asmodian logo em seguida dando um sorriso vitorioso para mim- Parece que seus amiguinhos chegaram...

      Droga!

-Até logo Mukami Ruki... –Zara fechou a porta da cela para fim de conversa.

     Não pode ser. Como é que eles descobriram nossa investigação? Porque Kino planeja destruir a raça dos vampiros? Qual é a intenção deles conosco?

       Só de pensar minha cabeça doía. Aquilo estava me martelando de fora para dentro, eu realmente.... Vou morrer?

-Ruki Off-

-Shin On-

    Barrados.

      Não tínhamos como entrar no ministério. Haviam muitos guardas na entrada e para melhorar a situação Zara e Asmodian apareceram para uma recepção calorosa. Se já estava difícil de conseguir um acesso, agora ele seria totalmente negado com a presença deles.

   Nós três estávamos escondidos por de trás das arvores, mas não foi o suficiente para que os lacaios nos vissem.

-Podem sair seus bundas moles! –Disse Asmodian.

     Merda!

      Olhei para Carla esperando alguma resposta, ele apenas saiu de onde estávamos e andou até o demônio e o feiticeiro sem expressar medo ou surpresa. Lyon quis recuar com a ação repentina do meu irmão, mas não tinha volta, então o seguimos.

     Andamos em direção a eles ficando frente a frente com os sujeitos que tanto evitamos. Ficamos nos encarando com um silêncio imenso entre nós, foi quando Carla resolveu falar.

-Onde está Ruki?

-Preso –Respondeu Zara.

-Devolva ele –Carla insistiu.

-Só nos seus melhores sonhos cara pálida –Disse Asmodian curto e grosso- Se quiser o amigo de vocês, vai ter que passar por nós –O ruivo cerrou os punhos.

-Estamos dando uma última chance de vocês se renderem –Completou o loiro.

-Não vamos tão cedo... –Eu disse me transformando em lobisomem.

-E você Lyon? –Asmodian sorriu de forma intimidadora- Resolveu dar as caras depois do que fez? Hein, irmãozinho...

-Cala a boca! –Lyon gritou para Asmodian com sangue nos olhos.

-Que medo –Riu o ruivo- Quero ver se essa coragem presta para alguma coisa.

-Eu não tenho mais medo de você Asmodian –O moreno disse com uma expressão assustadora.

-É o que vamos ver.... –O mais velho olhou por cima de Lyon.

-Enquanto a vocês Tsukinamis, me impressiona aparecerem aqui depois dessa traição –Pronunciou Zara.

-Sabemos dos nossos atos e para que os usamos, não precisamos do seu consentimento –Falou meu irmão.

-Sinto lhes dizer, mas esses atos devem ser julgados meu caro Carla –O feiticeiro começou a utilizar sua magia com as mãos- Então é melhor fugirem se não quiserem morrer –O loiro jogou sua magia contra nós, que apenas desviamos.

     Rosnei em posição de ataque, Lyon fazia o mesmo encarando Asmodian mortalmente e Carla se preparava para mais um ataque de Zara.

     Num movimento rápido Lyon atacou o demônio, mas foi em vão, Asmodian retribuiu com um soco 10 vezes mais forte do que o mais novo que o fez perder o ar e tossir sangue. Por conta disso não baixei a retaguarda, corri para cima de Zara pronto para rasgar a cara daquele infeliz, contudo o loiro nem precisou mover um musculo já que tinha uma barreira de proteção.

-Pense melhor cãozinho –Ele disse debochando da minha cara.

     Carla aproveitou e tentou ataca-lo de outra forma, mas sempre éramos bloqueados por causa da barreira. Lyon também não tinha muita vantagem sobre Asmodian, o ruivo era muito forte comparado a ele, todos os seus ataques eram inúteis contra o demônio.

      Zara e Asmodian pareciam estar cansados de toda aquela brincadeira e decidiram lutar de verdade, o feiticeiro utilizava sua magia habilmente com as mãos, usando ataques poderosos.

       Esquivamos deles evitando ser atingidos, Asmodian avançou em Lyon fazendo o moreno levar socos e chutes por todo o seu corpo. Ele pareceu não desistir, levantava determinado a ganhar do irmão, mas seria bem difícil com todos aqueles machucados.

-Já está fraco irmãozinho? –O ruivo chutou Lyon fazendo-o cair no chão.

-E se eu estiver? –Disse o mais novo olhando por de baixo.

-Então vai ser um prazer em te matar –O mesmo pisou sobre a cabeça de Lyon.

     O moreno não respondeu mais nada, seus esforços não foram o suficiente contra o demônio. Lyon havia sido derrotado, sobrando apenas eu e meu irmão. Asmodian suspirou e pegando o irmão colocando-o em suas costas andando para dentro do ministério.

-Acabe logo com eles Zara... –Dizia ele ao feiticeiro.

-Com prazer –Respondeu o loiro.

     Foi quando subitamente Zara socou Carla em seu abdômen, meu irmão caiu no chão com as últimas forças que lhe restavam e antes de desmaiar ele disse:

-Corra...

    Nii-san!!

  Andei até seu corpo tentando acorda-lo, mas nenhuma reação vinda dele.

-Ele está bem, só está inconsciente... –Disse Zara se aproximando de Carla, porém não o deixei leva-lo.

-Vamos, seja um bom cãozinho e me dê o seu irmão –O mesmo andou em minha direção abaixando a guarda e como resposta eu rosnei mordendo seu pulso que começou a sangrar- É uma pena que eu tenha que usar minha força contra você, Tsukinami Shin...

    O feiticeiro então usou sua magia fazendo me cegar por um instante, e quando tentei fazer alguma coisa já era tarde demais, Carla já tinha sido levado deixando apenas seu cachecol no chão.

     Não.... Não...

     Carla!!!

-Shin Off-

***

-Helena On-

    Ofuscante.

    O brilho da lua era ofuscante. A janela da enfermaria estava aberta fazendo a luz da lua adentrar o lugar e consequentemente me acordar. Esfreguei os olhos ainda cansada, a dor permanecia, mas já era tanto quanto antes.

-Acordou? –Perguntou uma voz do meu lado.

     Rapidamente me virei para ver quem era, e no fim das contas era apenas Subaru me encarando...

-Ah, é só você... –Eu disse desanimada de certa forma.

-Como assim é só “você”? –Ele franziu o cenho.

-Desculpe, achei que fosse outra pessoa... –Suspirei virando de costas para o mesmo.

-Essa pessoa é o Ruki? –O albino tocou na ferida.

-Como sabe? –Falei surpresa.

-Com toda essa situação é difícil de não adivinhar –Subaru respondeu me fazendo ficar em silêncio por um bom tempo.

.

.

.   

     Se passaram 1, 2, 3, 4 minutos e nenhum de nós dois se quer falou alguma coisa. Depois desse vácuo intenso, o vampiro decidiu quebrar o gelo.

-Você ama ele, não é....? –Senti o tom de voz dele cabisbaixo.

-Sim... –Dizia vendo sua expressão de rabo de olho.

-Eu sou mesmo um idiota –Subaru riu de canto.

-Porque? –Eu perguntei confusa.

-Nada... –Ele deu um sorrio forçado.

      Confesso que nunca vi Subaru daquele jeito. Ele estava tão triste.... Chateado.... Não é como estou acostumada a vê-lo, Subaru por vezes é violento e estressado, mas hoje ele me fez ver uma face que nem eu sabia que ele tinha.

     Fiquei preocupada com o vampiro, eu fiz algo de errado...?

-Está tudo bem? –Encarei seus olhos.

-Sim, não é nada –O mesmo disse- Mas.... Eu quero te dar uma coisa de presente.

-Um presente?

-É... –Subaru colocou sua mão no bolso retirando uma adaga de prata e logo em seguida me dando.

­-Nossa, que bonita –Falei analisando a adaga.

-Que bom que gostou, isso era meu.

-Seu? Mas eu não posso fic-! –Ele me interrompe.

-Agora é seu Helena, use quando mais precisar...

     Não entendi muito bem o que Subaru queria que eu fizesse com aquela adaga, porém eu aceitei, já que segundo ele é um “presente”.

-Onde está KarlHeinz? –Eu disse tentando mudar de assunto.

-Fugiu... –E na mesma hora fiquei espantada.

-Como assim fugiu?

-Exatamente isso que você ouviu, ele fugiu, sem deixar rastros –O albino falava com um tom do tipo “Isso não me surpreende nem um pouco”.

-Ele vai voltar?

-Muito provável que não.

-E onde estão os Tsukinamis e o Lyon?

-Ainda não voltaram –Dito isso olhei para o relógio pendurado na parede.

   Já era 1:40...

-Que tarde... –Falei com receio- Será que aconteceu alguma coisa?

-Nunca se sabe, a cidade está um verdadeiro caos lá fora.

-Caos?

-Sim, o ministério tomou conta da cidade, não deixam ninguém entrar e ninguém sair.

-Quer dizer que estamos exilados? –Foi quando me lembrei das palavras de Reiji mais cedo.

       “A partir de agora ninguém entra e ninguém saí”

-Bem isso, a situação não está nada boa –Ponderou o albino.

-Nós temos que fazer alguma coisa! –Eu disse temendo o que poderia acontecer.

-Não podemos Helena! –Subaru gritou me fazendo ficar quieta- Você ainda está se recuperando! Do que adianta ir lá fora lutar?!

-Pelo menos eu vou estar fazendo alguma coisa! –Gritei junto- Tem pessoas em perigo, enquanto estamos aqui sentados num castelo! Pense o tempo que nos foi desperdiçado treino após treino! Eu não posso é ficar aqui esperando...

        Subaru ficou apreensivo com as minhas palavras, mas pareceu entender o que eu quis dizer com tudo aquilo. Vi a expressão dele mudar e suspirar se dando por vencido.

-Pensei que nunca iria dizer isso, mas... Vamos atrás dos Tsukinamis –Fiquei surpresa ao ouvir o vampiro dizer aquilo.

-Jura? –Perguntei com os olhos brilhando, não estava acreditando.

-Juro... –Rapidamente me levantei da cama abraçando Subaru que por sua vez ficou atordoado.

-Muito obrigado! –Agradeci.

-Ok, ok, já entendi... –Ele dizia se afastando levemente corado.

-Vamos avisar os outros! –Peguei em seu braço puxando-o para fora da enfermaria indo em direção a sala de onde estavam os meninos.

    ***

         Desentendimento.

 -Como?! –Berraram eles surpresos com a minha proposta de ir ao ministério.

 -Se acalmem, pensem por um outro lado... –Insisti.

-E que lado é esse? –Questionou Ayato.

-Vamos estar todos juntos, podemos entrar e sair sem problemas.

-Helena, sinto lhe informar, mas o ministério é altamente protegido não importando o número de pessoas que entram e saem dali e as chances de conseguirmos alguma coisa é quase nula –Reiji falou com o seu ar da graça que me fez revirar os olhos.

-“Muito obrigado” mamãe Reiji, está ajudando bastante –Disse sarcástica.

-Reiji tem razão M Neko-chan, se tentarmos invadir o ministério a essa altura seremos todos presos e condenados –Kou dizia analisando as palavras do Sakamaki.

-Então vamos ficar aqui? Parados? Sem fazer nada? –Eu falei incrédula.

-Se quiséssemos teríamos feito isso a mais tempo, contudo a situação não está nem um pouco agradável –Pronunciou Yuma.

-É isso? Vão deixar Ruki apodrecer nas mãos do manda chuva por causa de orgulho contido? –Tentei convence-los.

-Helena, sabe quem vai enfrentar se sair desse castelo? –Shu abriu os olhos com um tom de voz sério.

-O ministério –Respondi sem rodeios.

-Não... –O loiro levantou da poltrona se aproximando de mim- Você terá que enfrentar o manda chuva, o dono de todo o ministério e você sabe muito bem quem ele é eu suponho... –Ele dizia firme me fazendo recuar.

-Porque está me dizendo isso?

-Porque? –O mesmo riu da minha pergunta- Porque você é uma cabeça de vento, acha que vai conseguir derrotar seu próprio avô? –Shu falou me deixando sem argumentos.

-... –Fiquei em silêncio.

-Foi que o que pensei... –O vampiro deu de costas.

      Naquela hora eu pode me sentir completamente pequena perante ele, como se tivesse sido esmagada por tudo aquilo que ele falou, mas eu não o culpo.  Até porque era verdade, eu só não estava esperando que ele jogasse na minha cara desse jeito.

     Esse é o Shu... –Pensei.

    Porém eu não queria desistir de uma forma tão fútil como aquela, eu queria ser forte diante de todo aquele momento.

-Você está certo Shu... –Comentei abatida- Mas é exatamente por isso que eu quero ir até lá, não quero mais ficar escondida, eu já cansei de ouvir que sou fraca.

-E o que você vai fazer? –O loiro lançou um olhar desafiador.

-Eu vou salvar o Ruki –Falei determinada.

-Não vai se render tão cedo, não é?

-Não –Respondi com firmeza.

-Ah... –O vampiro suspirou- Essa é a Helena...

-Isso quer dizer que vamos ao ministério? –Balbuciou Laito.

-Só se vocês estiverem realmente dispostos...

     Ali se formou um enorme silêncio. Pareciam estar discutindo uns com os outros, pareciam aflitos e inseguros, uns mais que outros. Foi então depois de bons minutos que todos finalmente entraram num acordo.

-Tudo bem, vamos te ajudar –Reiji pronunciou me deixando muito feliz- Mas com uma condição...

-Oque? –Perguntei.

-Se as coisas ficarem ruins vamos voltar e sem reclamações, entendido? –O moreno dizia me encarando seriamente.

-Entendido –Concordei com Reiji esperando o melhor.

      Parecia estar tudo ocorrendo muito bem a partir dali, porém quando as portas da sala foram bruscamente abertas vimos algo que nos deixou aflitos: Um lobo. Ele era grande, com pelos marrons claros e tinha um tapo olho...?

      No primeiro momento fiquei confusa, mas um estalo me veio à mente me fazendo lembrar de quem era aquele tapa olho.

-Shin...? –Eu disse o chamando e de imediato o lobo veio andando em minha direção- É ele mesmo?! –Gritei surpresa.

-Mas é claro, quem mais seria? –Falou Yuma como se fosse obvio.

-O que ele está fazendo aqui? –Questionou Laito.

-Verdade, onde estão o Carla e o Lyon? –Falei receosa.

     Dito isso o lobo que no caso era o Shin foi aos poucos se transformando em vampiro novamente, sumindo todos os traços caninos, com exceção da cauda e em seu colo havia um cachecol. A expressão dele era de tristeza misturada com raiva, algo tinha acontecido e não era nada bom.

-Shin o que aconteceu? –Eu perguntei preocupada.

-Pegaram meu irmão... E o Lyon... –Ele tinha um olhar perdido, como se estivesse tentando digerir toda a situação.

-Como?

-Asmodian e Zara... –O vampiro respondeu deixando todos nós espantados.

-Eles estão presos? –Disse Kanato.

-Acho que sim, mas eu temo o pior... –Respondeu o Tsukinami.

-Temos que fazer alguma coisa –Falei séria- E rápido! –Encarei os meninos.

-Estamos com você –Subaru dizia se aproximando de mim.

-Muita contra a nossa vontade, mas estamos com você Baka Ona –Shu andou até mim assim como os outros meninos.

-Estamos com você –Eles disseram em coro.

-Então é para valer –Dei um sorriso de canto.

-Helena... –Meu pai veio até mim.

-Pai...

-Tem certeza de que ir lá fora lutar?

-Tenho, não se preocupe eu vou ficar bem... –O abracei- Mas é melhor você voltar para casa, não é seguro aqui.

-Filha –Ele me encarou apreensivo.

-Por favor, quero você em segurança –Implorei.

-Entendi, só tome cuidado... –O mesmo me beijou minha testa.

-Obrigado pai.

     A verdadeira batalha começa agora.

***

       2:24

      Após um tempo discutindo sobre como iriamos invadir o ministério chegamos num plano:

       Ficamos divididos em três grupos, o primeiro deles eram os Sakamakis que ficaram responsáveis por dar conta dos guardas e afins, o segundo eram Mukamis que se encarregaram de resgatar Ruki, Carla e Lyon e o terceiro era apenas eu e Shin, teríamos que atravessar todo o ministério para poder nos livrar dos lacaios e principalmente do manda chuva.

       O plano seria executado da seguinte maneira:

       Os Sakamakis iriam dar caminho para os outros dois grupos, enquanto os Mukamis iriam atrás dos meninos e eu enfrentaria os lacaios e o manda chuva juntamente com Shin. Parecia um plano perfeito, agora se vai dar certo ou não, estamos prestes a descobrir.

       Aproveitei esse momento para trocar de roupa, já que estava só com uma camisa social. Coloquei uma espécie de uniforme que Reiji havia me dado, se baseava em uma saia branca com um blazer vermelho e para completar coloquei uma meia ¾ com uma bota preta.

      Meu abdômen fora enfaixado mais uma vez para garantir, meu corpo ainda estava um pouco fraco, porém eu estava com adrenalina pura no sangue, tirando todo e qualquer cansaço, então não seria problema.

     Tinha acabado de me trocar quando Subaru bateu na porta.

-Já está pronta? –Ele disse.

-Sim –Falei abrindo a porta e dando de cara com o mesmo.

-Que arrumação toda para invadir o ministério –O albino retrucou.

-Reiji que me deu isso –Analisei minha vestimenta- Está chamativo demais?

-Um pouco, mas isso não importa agora... –Subaru dizia sem rodeios- Está preparada pirralha?

-Acho que sim... –Senti um frio na barriga.

-“Acha”? Tanto treino para dizer que você ‘acha’ que está preparada? –O vampiro falou um pouco alterado.

-Não me jugue! Numa situação dessas qualquer um fica meio inseguro....

-Contudo ninguém treinou tanto quanto você para isso.

-Tem razão... –Suspirei.

-Mas se te serve de consolo, você está forte –Subaru deu um sorrisinho de canto.

-Valeu idiota –Bati em seu ombro rindo de leve.

-Não tem de que pirralha, mas é melhor nós irmos...

-Verdade –Olhei para o relógio- Vamos.

    Então nós dois fomos em direção ao hall de entrada, onde todos os meninos estavam nos esperando. Eles pareciam diferentes do habitual, com um ar mais sério, por isso tratei de expressar o mesmo.

-Estão todos aqui? –Perguntei.

-Sim, estávamos te esperando Mesabuta –Respondeu Yuma.

-Ótimo, vocês já sabem o que tem que fazer, hajam de acordo como planejado.

-Entendido –Todos falaram juntos.

-Os Sakamakis vão na frente, logo atrás de vocês estarão eu e os Mukamis, alguma pergunta? –Eles ficaram em silêncio- Muito bem, vamos ao trabalho!

     E sem mais delongas os Sakamakis sumiram de nossas vistas.

-Consegue usar.... Seus poderes... Helena-san? –Disse Azusa.

-Não, tenho que arrumar um jeito de ir... –E assim que terminei minha frase Shin que estava em sua forma de lobo veio até mim.

-Acho que você não precisa se preocupar com isso M Neko chan –Kou comentou- O lobinho vai te ajudar.

-Shin? –Olhei o para o mesmo.

-Sim, ele pode te levar de carona –Yuma falou- Sem medo, ele não morde.

    Encarei o lobo a minha frente.

 -Eu posso...? –Como resposta Shin se abaixou me permitindo subir em suas costas, eu apenas aceitei sem argumentar.

-Vamos? –Kou se aprontou igualmente aos seus irmãos.

-Vamos... –Dito isso Shin se levantou uivando, logo em seguida dando seu ponto de partida junto com os Mukamis.

     Segurei em seus pelos para não cair, ele corria com agilidade e rapidez, traçando nosso caminho até o ministério. Durante o trajeto eu pude ver o que estava acontecendo na cidade, as ruas estavam desérticas e bagunçadas, as poucas pessoas que andavam por ali tinham medo dos guardas que passavam.

     Haviam aqueles que não conseguiam escapar e eram detidos na hora, por muitas vezes de forma violenta, e os que se salvavam esperavam não serem encontrados. Confesso que aquilo me deixou ainda mais determinada de bater na cara daqueles infelizes, iriam pagar por tudo que fizeram...

     Logo saindo da cidade as luzes e construções começavam a sumir, dando espaço para a mata e as grandes árvores que aos poucos nos cercavam. Shin entrou em uma trilha de terra que havia ao meio da floresta e que muito provavelmente levaria ao ministério.

       Estava escuro e frio, não se via muita coisa além de vagalumes e o som de pequenos animais que passavam ali. Algum tempo depois pude avistar ao longe uma construção de pedra que mais se parecia um castelo e conforme nos aproximávamos realmente dava para ver que era um castelo.

        Bem velho por sinal.

       Foi quando depois de mais ou menos meia hora o lobo havia parado de correr, parando atrás de alguns arbustos altos que nos cobriam por completo, e não muito distante dali estavam os Sakamakis apostos esperando o meu sinal. Mas antes olhei ao redor do castelo tendo certeza de que não haveria problemas.

      5 guardas na entrada. 4 em cima. Nada dos lacaios.

 

-Prontos...? –Indaguei para eles que somente acenaram com a cabeça e então sem mais esperar eu lhes dei o sinal para atacar.

      Apressadamente eles tomaram a dianteira, Subaru, Shu e Ayato deram conta dos guardas da entrada enquanto Reiji, Laito e Kanato cuidaram dos guardas da parte de cima do castelo.  

        Os Sakamakis eram habilidosos, por isso não demorou muito para que eles derrotassem os inquilinos. Assim que terminaram os mesmos deram o sinal para que eu e os Mukamis avançássemos, e foi o que fizemos. Shin correu em direção à entrada que era um enorme portão de madeira, Reiji e Laito que estavam em cima abaixaram o portão para nós entramos.

      Conseguimos.

     Ao adentrar o local pude ver que era um uma área aberta com várias tochas iluminando e possuía toda sua estrutura feita de pedras e madeira, igual aos antigos castelos que se veem em filmes e séries.

     Contudo aquele não era um castelo de princesa, e estava longe de ser um. Haviam muitos guardas para nos confrontar, tantos que nem ao menos dava para contar nos dedos, por sorte os Sakamakis estavam nos ajudando a nos livrar deles.

      Aquele pequeno “pátio” tinha se tornado um verdadeiro campo de batalha, não eram apenas vampiros lutando ali, mas também feiticeiros, lobisomens e demônios. Eles atacavam e se protegiam como podiam, muitas vezes com sangue sendo derrubado no chão, sinceramente não era uma cena agradável de se ver.

       Desci do lobo enfrentando os guardas com chutes e socos de quem se aproximasse, Shin também me protegia, mordia a cabeça dos inimigos arrancando fora, sem pudor, sua boca estava manchada de sangue e seus olhos tinham um brilho intenso. Era de se esperar, já que as lutas exalavam uma euforia sem igual.

-Helena! –Gritou Shu.

-O que foi?! –Perguntei.

-Vá na frente! O caminho está livre! –O loiro gritou de volta.

-Tem certeza?!

-Sim! Cuidamos desses caras até você voltar! –Berrou Subaru.

-Seja rápida! –Reiji aconselhou.

-Entendido! –Respondi- Shin! Mukamis! Vamos seguir em frente, esses guardas só estão nos atrasando!

     Então sem questionar os mesmos concordaram seguindo minhas ordens, subi novamente em cima lobo e ele entrou na parte interna do castelo. Dentro o lugar era arrepiante, chegava a dar calafrios, ou talvez fosse a adrenalina que corria em minhas veias.

     Balancei a cabeça tentando ignorar e me concentrar no caminho a frente, havia muitos corredores, qualquer um que entrasse ali se perderia facilmente, porém Shin conhecia bem o local o que nos dava um ponto.

-Ei pirralha! –Ouvi alguém me chamar, virei minha cabeça para ver quem era.

-Oque? –Avistei Yuma e seus irmãos logo atrás de nós.

-Vá até o manda chuva! Nós vamos buscar Ruki e os outros!

-Mas e os lacaios? –Disse preocupada.

-Damos um jeito! –Falou Kou.

-Vocês vão ficar bem? –Os encarei apreensiva.

-Sim! Não se preocupe! –Yuma afirmou.

-Conto com vocês!

-Boa sorte...! –Azusa disse.

-Obrigado –Então os Mukamis seguiram um rumo diferente do meu deixando apenas eu e Shin.

    Agora era por nossa conta...

       O lobo avançou por diversos corredores, estava silencioso, se ouvia apenas as patas de Shin batendo no carpete de couro.

       Estranhei, estava quieto até demais, então subitamente um frio me subiu a espinha escutando uma voz ecoar ao final daquele imenso corredor e automaticamente nós paramos.

-Não imaginava que fossem chegar tão longe... –Disse o dono da voz se aproximando da janela iluminada pela luz da lua, nos permitindo ver sua face.

       Kino.

 -Você... –Eu disse com desprezo.

-Parece que nos encontramos de novo, não é Helena?

-Queria não ter esse tipo de encontro –Respondi.

-É uma pena, mas é um mau necessário... –O moreno olhou através da janela- E sinto lhes dizer que o tempo de vocês está acabando –Logo em seguido o vampiro apontou para a lua que inesperadamente se tornara vermelha.

-Que diabos...? –Falei confusa.

-É a lua de sangue, ela raramente surge, porém hoje eu tirei a grande sorte –Kino deu um sorriso de orelha a orelha.

-O que pretende fazer? –Perguntei séria.

-Bem, a lua de sangue é uma das etapas para o meu plano ocorrer com sucesso –Explicou ele nos encarando- Dizem que durante esse período um vampiro pode se apoderar das habilidades de outro semelhante, sabia?

-Então é por isso que você capturou Ruki e os outros?

-Não seja tola Helena, o que eu iria fazer com aquele vampiro de quinta? É claro que que não quero ele! –O mesmo expressava indignação- Eu quero você...!

-Eu?! –Disse espantada e Shin rosnou.

-Sim, mais especificamente falando o que está dentro de você...

-Dentro de mim...?

-Exato, esse poder que está dentro de você é incrível! Zara me fez um grande favor selando-os novamente.

-Quer tirar meus poderes?! É isso?! –Toquei em meu abdômen ainda enfaixado.

-Bingo! –O moreno fez uma “arma” de mentira com as mãos atirando para o alto.

-Eu também sinto lhe dizer, mas eu não vou dar de bom grado.

-Eu sei –O vampiro não expressou surpresa- Porque acha que armei tudo isso? –Do contrário EU me expressei surpresa.

-Isso quer dizer que os Mukamis... –Arregalei os olhos.

-Caíram numa armadilha? Sim, assim como os Sakamakis e você... -Kino esboçou um sorriso vitorioso- Mas veja o lado bom, tudo isso finalmente vai acabar.

-Maldito... –Serrei os dentes com raiva.

-Olha se quiser me matar pode tentar, porém tem algo mais interessante que isso... –Ele sugeriu.

-Anh?

-Se atravessar essa porta atrás de mim vai encontrar uma pessoa importante.

   Pessoa importante...?

-O manda chuva? –Questionei fazendo o vampiro acenar com a cabeça positivamente.

      Desci de cima de Shin e me aproximei de Kino.

-Oque que eu vou ganhar com ele?

-Talvez muito mais do que eu... –Falou ele sincero.

        Olhei para Shin esperando alguma resposta, o lobo apenas olhou para a porta.

-Deixo com você... –Disse para o mesmo andando em direção a porta e antes de abri-la ouvi Kino dizer:

-Agora é só você e eu lobinho...

       E por fim abri a porta.

       Era uma sala bem grande com uma espécie de trono no meio, havia algumas estantes com livros velhos e a decoração não mudou nada. Continuava sendo o carpete vermelho de couro com cômodos bem antigos e tochas servindo de iluminação, contudo não adiantava muito, ainda deixava maior parte do local escuro.

      Confesso que tinha um clima diferente ali, era tão frio e silencioso, como se fosse um lugar mal-assombrado chegava a dar arrepios. Todavia não tinha tempo para ter medo, tinha que ser corajosa.

-Então, você chegou... –Pronunciou uma voz fria e morta que estava sentando no trono.

-Precisamos ter um acerto de contas manda chuva –Disse firme sem pigarrear.

-Não me chame assim, Helena –Falou ele ainda sentado- Aqui sou conhecido com Ariel Simon, mas você pode me chamar de vovô –Então o mesmo finalmente se levantou revelando sua face.

       Ariel era ruivo, possuía olhos azuis com o céu, era alto e apesar de ser “velho” ele não tinha traços de velhice ou algo parecido, estava em muita boa forma (diga-se de passagem).

-Você não é meu vô –Eu dizia com a cara fechada.

-Vamos, não precisa ficar brava –Ele disse calmamente- Estamos aqui para conversar, certo?

-Já tive conversas melhores, gostaria que não fosse desse jeito.

-Durona.... Igualzinha à sua mãe –Ariel suspirou num tom melancólico.

-O que sabe sobre ela?

-Mary? Bom, ela era minha sucessora no trono da família, minha filha mais velha–Dizia o mesmo explicando- Estava prestes a fazer seus 223 anos quando conheceu o mundo humano, e bem...  Ela não quis mais voltar para casa.

-Porque?

-Sua mãe como já deve saber não aceitava ordens muito bem, era cabeça dura –O ruivo falava me rodeando- E na época ela estava arranjada com um lorde da família Sakamaki.

-Quem? –Perguntei curiosa.

-Richter, mais conhecido como irmão de KarlHeinz e tio dos Sakamakis –Naquela hora eu me espantei um pouco.

-Porque arranjou um casamento com ele?

-Porque assim Mary poderia assumir o trono no mundo dos demônios e a família Madson tomaria um rumo diferente.

-E que rumo seria esse?

-Seriamos a raça de vampiros mais forte que já existiu –Ele sorriu empolgado, mas logo se desfez- Isso só não aconteceu porque sua mãe queira muito mais que um casamento ou uma família de grande nome, ela queria o que vocês humanos chamam de amor...

      Amor...?

-Por isso ela fugiu de casa e se casou com meu pai? –Eu disse encaixando as peças.

-Sim, e logo em seguida você nasceu... –Ariel me encarou profundamente.

-Mas tem algo que eu ainda não entendo, porque perseguiram ela e porque continuaram me perseguindo? –Falei confusa.

 -Fácil. Perseguimos Mary para poder matá-la junto com seu pai, mas quando soubemos que você nasceu, tudo mudou –O vampiro apontou para o meu selo- Este selo é mais forte que imagina, os seus poderes são incrivelmente fortes e assim eu poderia finalmente realizar o meu plano.

-Então quer dizer que todo esse tempo foi tudo.... Mentira...? –Eu dizia sem chão.

-Mentira é uma palavra muito forte para se dizer Helena, digamos que foi por um bem maior.

-Bem maior de que?! –Me revoltei.

-Considerando que você é a vampira mais forte de todas, eu tenho algo para toda essa sua grandeza –O mesmo esboçou um sorriso largo- Um casamento.

-Um casamento?! Acha mesmo que eu vou me casar?! –Falei incrédula.

-Não só acho como tenho certeza, e Kino é um grande pretendente para isso –Suas palavras me desnortearam totalmente.

-Kino? Aquele imbecil?

-Não fale assim dele, o garoto de grandes sonhos –Ariel se aproximou de mim- O que acha? –Ele perguntou normalmente como se tudo aquilo não fosse um absurdo.

     Confesso que aquela proposta me irritou e muito, minha resposta foi apenas um belo tapa no rosto de Ariel, fazendo marcar meus 5 dedos em sua bochecha.

-Então vai ser assim...? –Ele disse de cabeça baixa.

-Nem uma palavra a mais...

-Não queria que fosse desse jeito Helena, mas estou serei obrigado á fazer isso –Rapidamente o vampiro pegou em meu pescoço com as duas mãos fazendo eu levantar do chão e infelizmente me enforcando.

-M-me... S-solta... –Eu tentava inutilmente me soltar.

-Se fizemos um acordo, quem sabe eu te solte.

-N-nunca! –Chutei sua face conseguindo me soltar e logo recuperando o ar.

-Forte. Muito bom.

-Cala boca! –Tentei desferir um soco em sua cara, mas Ariel desviou no mesmo momento e quem levou um soco fui eu.

      Cambaleei para trás por conta do impacto, porém retomei o soco mais forte que antes e dessa vez o acertou em cheio no queixo. O mais velho não se deixou por vencido e socou diversas vezes meu abdômen, o que fez a dor aumentar absurdamente.

      Por um momento me senti sem forças, a dor estava começando a tomar conta, e eu mal havia começado a lutar. Sem meus poderes eu sou um tanto inútil, não conseguia nem ao menos me recuperar de todos os ataques, era revoltante.

      O ruivo por sua vez se apressou e me jogou no chão tentando me sufocar mais uma vez.  Ali eu vi que não teria saída, meu corpo fraquejava e não teria forças para rebater.

       Eu vou morrer.

      Estava tão perdida nos meus pensamentos naquela hora que nem ouvi Subaru me chamando telepaticamente.

-Helena! Temos que ir embora!

-Estou ocupada...

-O que aconteceu?!

-Vou morrer.

-Como assim?!

-O manda chuva, ele vai me matar, não tenho forças para lutar.

-Use sua raiva!

-Não vai me dizer que quer teste sua teoria?

-Sim!

-Mas nunca tentamos!

-Eu sei! Mas essa é uma boa oportunidade para testar!

-Mas e se não funcionar?! –Questionei.

-Usa de uma vez!

-Que droga!!

       Foi então que decidi usar a teoria de Subaru. Vou canalizar minha raiva. E imediatamente um turbilhão de lembranças ruins me inundaram. Tantas mentiras. Tanta dor. Tantos choros. Tanta tristeza. E principalmente muita raiva.

       Acumulei de poucos em poucos. Até que eu não conseguir mais conter, eu iria explodir se continuasse pensando naquelas coisas. Mas foi exatamente nessa hora que eu senti algo diferente, algo que me fazia mais forte e determinada a derrotar Ariel e acabar com tudo isso.

     O selo se desfez.

   Meus poderes haviam voltado e com eles me dando força o suficiente para me soltar de Ariel, fazendo o bater de costas na estante de livros.

-Mas oque?! –Disse o vampiro surpreso.

       Eu não falei uma palavra se quer, apenas me aproximei do mesmo pegando em seu pescoço e o levantando-o como fez comigo. Vi ele se debater tentar se soltar, aquilo só me deixou ainda mais com raiva e então subitamente sem medo ou remorso, atravessei meu braço sobre seu corpo.

     De imediato seu sangue se apoderou de todo o meu braço, sujando minha roupa.

     O mesmo caiu no chão inconsciente, com um enorme buraco em seu abdômen, fazendo se formar uma enorme possa de sangue.

     Ariel Simon estava morto. Eu o matei.

    Espera.... Eu o matei...?

      Rapidamente retomei minha mente. Eu havia matado alguém. Oque eu fiz?? –Pensei abismada.

       Fui interrompida pela porta que se abriu bruscamente atrás de mim. Era Shin, e junto com ele Carla montado em suas costas.

-Helena, temos que ir... –Carla falou num tom enfraquecido.

-Mas eu.... Eu.... Matei alguém... –Comecei a chorar nervosamente.

-Não temos tempo para isso! Vamos! –Então Shin veio em minha direção e Carla me colocou sobre Shin- Vamos morrer se ficarmos mais tempo...

      Não consegui prestar muita atenção no que Carla dizia, porém pude entender que era algo ruim. Shin correu com nós dois sobre ele, corria mais rápido que o normal, como se aquilo dependesse de tudo.

      Notei que o caminho para fora do castelo estava cheio de pessoas mortas, um verdadeiro massacre. Realmente nunca pensei em ver aquilo um dia, era perturbador. Quando nós chegamos no pátio não avistei os Sakamakis, e muito menos os Mukamis.

      Aonde eles foram?

-Carla, onde estão os outros? –Perguntei.

-Fugiram, devem estar bem longe a essa altura... –Respondeu o albino.

-Para onde vamos? –Vi Shin entrar na floresta novamente.

-Para o mais longe possível, senão eles irão matar a gente.

-Eles quem...?

       E nesse exato momento minha pergunta foi respondida por ninguém menos que Kino.

-Para onde pensam que vão? –Ele estava um pouco machucado e tinha uma aura assustadora.

-Mais rápido Shin! –Carla apressou o irmão.

-Não tão rápido! –Kino ficou em nossa frente, mas o lobo não parou.

     Shin pulou em cima do vampiro arranhado seu olho direito, fazendo um verdadeiro estrago. Kino gritou de dor enquanto tentava parar o sangramento nocivo em seu olho, e então Zara e Asmodian vieram correndo.

-Kino!! –Eles gritaram indo em direção ao mesmo, Shin não precisou de muitas palavras para poder correr novamente, apenas fez sem ponderar.

      Carla olhava para trás aflito e eu também.

   Parecia que aquela noite não teria fim.

 -Helena off-

 -Kino On-

 -Kino!! –Zara e Asmodian se aproximaram de mim

-Não se preocupem comigo! Vão atrás dos Sakamakis! –Ordenei.

-Mas o seu olho est-! –Interrompi Zara.

-EU SEI!! Vão logo atrás deles! –E sem mais argumentar eles sumiram da minha vista- Você vai pagar...

      HELENA MADSON!!


Notas Finais


[Proximo Capitulo- A Aliança dos Tsukinamis]
.

.

.

Olá de novo! Aqui está a segunda parte dos capítulos especiais, espero que tenham gostado <3

~Sunny_Hee_

Bye Bye :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...