História Paint Me - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Chen, Xiumin
Tags Chen, Jongdae, Minseok, Xiuchen, Xiumin
Visualizações 183
Palavras 6.614
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


NÃO ISSO NÃO É UMA MIRAGEM.
E peço desculpa pela demora para postar esse bônus. Eu não devia ter dito que iria fazer bônus sem ter nem idéia do que eu iria escrever. Tive um bloqueio top, mas do nada tive um surto de criatividade que resultou nesse cap de quase 7000 palavras.
Queria agradecer todos os favoritos, os comentários e os feedbacks que vocês me mandaram por mensagem. Muito obrigada mesmo, desculpa ter vacilando, sempre fui péssima em cumprir prazos.
Esse bônus está bem fluffy com um pouco de comédia. Eu pretendia fazer um capítulo bem menor, mas parece que eles tem vida própria. E eu também não pretendia fazer um hot detalhado mas pra compensar o meu vacilo encrevi um hotzão
Já estou falando de mais né?
Um beijo, desculpa e boa leitura.

Capítulo 2 - Capítulo Bônus - Be My Boyfriend


Fanfic / Fanfiction Paint Me - Capítulo 2 - Capítulo Bônus - Be My Boyfriend

Já fazia dois meses desde o fatídico dia em que Minseok e Jongdae se conheceram.

Sempre aproveitando as folgas para sair juntos ou com os amigos para um bar ou karaokê. Ou simplesmente ficavam em casa assistindo algum filme — ou fazendo o filme (pornô) — comendo o que desse na telha.

Além de ficantes se tornaram ótimos amigos, passavam horas conversando por telefone ou pessoalmente, compartilhando segredos e fofocas dos mais variados tipos.

Era claro que a relação dos dois já tinha passado da primeira fase, mas nenhum dos rapazes eram de tomar iniciativas para pedir o outro em namoro. E isso corroía a mente dos dois, pois não sabiam como se declarar.

Minseok decidiu conversar com Sehun sobre o assunto, embora ele não fosse a melhor pessoa para lhe dar conselhos amorosos, era um rapaz que sempre tomava as iniciativas e também já estava em uma espécie de relacionamento com o tal Baekhyun.

Depois de uma tarde de muito vídeo game, o mais velho abordou o assunto:

— Eu e o Dae já estamos nessa a muito tempo… Queria pedir ele em namoro, mas morro de vergonha só de pensar em me declarar. — viu que o mais novo ria e berrou — Tá rindo do que palhaço?!

— De você todo envergonhado, quem vê até acha que é um moço recatado. —se jogou no chão de tanto rir. — Na hora de transar com ele que nem dois coelhos você não teve vergonha nenhuma!

— Não é tão fácil quanto parece Sehun!

— É sim.— respondeu. — Eu cheguei no Baek e falei: “Vamos namorar?”, ele respondeu “Sim”. E pronto. Simples assim.

Minseok levantou-se não mais afim de perder tempo com aquele pirralho, que não lhe daria nenhum tipo de solução para seus problemas e subiu para seu quarto pra pensar sozinho sobre o assunto.

Deitou-se encarando o teto, cogitando as possibilidades, mas a maioria não lhe pareciam muito viáveis. Decidiu ligar para Chen, ouvir sua voz era como música para seus ouvidos.

— Ah Seokkie? Eu ia ligar pra você, está tudo bem?  

— Oi Dae… Está fazendo o que? — perguntou sem muita ideia de como puxar um assunto.

Eu acabei de sair do banho, hoje meu dia passou muito devagar... Fiz uma sessão de fotos bem grande, muitas trocas de roupa. Meu corpo tá um caco, você não quer dormir aqui? Estou aceitando uma massagem.

— Agora?... Eu vou arrumar minhas coisas e daqui a pouco estou aí, ok?

Ok, até daqui a pouco.

— Até… — encerrou a chamada.

Tomou um banho, e colocou uma muda de roupa na mochila, junto com os produtos de higiene pessoal.

Desceu as escadas já pronto, recebendo um olhar curioso de Sehun.

— Você vai a algum lugar?

— Vou encontrar o boy, volto só amanhã. Ou não...

— Vai abandonar sua visita? Você já foi mais educado Kim Minseok.

— Visita? Você? Me poupe, se poupe, nos poupe. Você está mais para encosto.

Depois de expulsar o mais novo e trancar devidamente a casa, foram juntos até o ponto de ônibus indo cada um para seu caminho.

Chen não morava muito longe, após meia hora ele já estava em frente a porta tocando a campainha.

Rapidamente ouviu o barulho da fechadura, sendo recepcionado por um Jongdae sem camisa que o cumprimentou com um breve selar.

Guiou-o até a cozinha onde tinha algumas porções de comida chinesa encomendadas pelo mesmo.

— Não cozinho pelo bem da humanidade, sou um desastre completo, desculpe. — Minseok riu murmurando um “não tem problema”.

Comeram enquanto assistiam um filme que passava naquele horário, sobre investigação policial. Passaram grande parte do filme trocando uns belos de uns  amassos no sofá e no restante já estavam caindo pros lados de sono, decidindo ir logo para o quarto.

O mais velho fez com que Chen deitasse de bruços para que pudesse fazer a massagem prometida.

— Onde dói? — perguntou para ter uma ideia do que precisaria fazer.

— Tudo dói, só falta os órgãos internos começarem a doer também.

Minseok suspirou vendo que o amante precisava de uma massagem completa, o que era bem cansativo e dolorido para as mãos. Mas estava tão bobo apaixonado que aquilo não lhe abalou, tudo o que passava em sua cabeça era tocar o belo corpo do moreno.

Começou pelos pés do rapaz, pressionando com os polegares na planta fazendo semicírculos. Passou para os calcanhares apertando-os como se fossem uma massa de modelar e estendeu o toque para as pernas, usando um pouco mais de força nos músculos para aliviar a tensão acumulada ali. Demorou um pouco mais nas coxas por gostar muito daquela parte e não seria louco de ignorar os glúteos do rapaz.

— Isso faz parte da massagem ou é só um pretexto pra você agarrar minha bunda? — disse entre risos vendo que o mais velho estava demorando demais ali.

Apenas riu soprado em resposta, logo voltou-se para as costas do moreno que estavam cheias de nós. Massageou lentamente aliviando a tensão acumulada nos ombros, lombar e entre as escápulas arrancando de Jongdae suspiros longos. Observou o pescoço exposto do mais novo e não resistiu, desceu o rosto distribuindo alguns beijos ali enquanto apertava sem muita força os músculos dos braços.

Virou o rapaz para que pudesse finalizar, massageando as têmporas e pressionando os principais pontos de tensão.

Quando finalmente terminou, acariciou a face do moreno caindo logo depois na cama cansado, sentindo as mãos formigarem.

— Obrigado.— sussurrou dando um breve selar nos lábios de Minseok. — Onde aprendeu a fazer uma massagem tão boa? — perguntou sonolento.

— Meu médico me indicou que eu fizesse massagem quando sentisse que a dor iria começar… Funciona… Um pouco… Mas quando a dor aumenta eu tenho que tomar meus remédios — fez um carinho suave nos cabelos do menor.

— Você tem ótimas mãos… Só faltou um lugarzinho que eu queria muito que você fizesse uma massagem agora… — sorriu de canto, observando se o outro iria entender a mensagem subliminar.

— Onde? — perguntou não percebendo a malícia nos lábios de Chen.

Indicou com o olhar o próprio membro coberto pela calça. Minseok abriu um sorriso largo, esticando um dos dedos traçando uma linha descendo pelo abdômen nu do rapaz até a barra da calça, puxando-a sem rodeios pra baixo.

— De preferência com a boca...— sussurrou fazendo o riso do mais velho só crescer.

Martubou-o bem devagar enquanto se beijavam no mesmo ritmo, ao som dos gemidos abafados de Jongdae.

Desceu o rosto, lambendo a glande lentamente a fim de provocar o mais novo, que jogava a cabeça pra trás ao sentir as fisgadas em seu baixo ventre. Quando começou um vai e vem com a cabeça, Jongdae só conseguia pensar o quanto a boca do Min era maravilhosa enquanto a língua massageava toda a estrutura. Sugou as bolas uma por uma vendo o moreno revirar os olhos. Segurou-lhe os cabelos, estocando devagar para não fazer o mais velho não engasgar.

Algum tempo depois e com a concessão do mais velho, gozou em sua boca, se deleitando com a expressão do mesmo.


Depois de Jongdae retribuir o favor  — boquete— recebido , ambos caíram exaustos na cama, dormindo logo em seguida abraçados.


Por volta das 3 da manhã, o mais velho despertou depois de um sonho bizarro com o ex-namorado, onde o mesmo se aparentava com o Toshio de “O Grito”, assombrando-o e perseguindo-o pelos cantos de sua casa com a expressão assustadora que só Kyungsoo sabia fazer. Minseok não sabia se dava risada ou ficava assustado com toda aquela bizarrice que seu subconsciente tinha criado.

Depois disso não conseguiu mais dormir, rolou na cama em busca de uma posição que lhe desse sono, mas falhou miseravelmente. Encarou o teto sob a mínima iluminação vinda da rua que passava por entre as frestas das persianas,pensando sobre o que tinha acabado de sonhar.

Tomou o maior susto quando Tony o gato de Chen, subiu na cama logo em seguida caminhando para deitar entre os dois.

— Não consegue dormir? — perguntou o moreno em um sussurro preguiçoso.

— Desculpa, eu te acordei?

— Não tem problema.

— Eu tive um sonho super esquisito… Meu ex namorado parecia o Toshio e ele me assombrava na minha casa, com a cara de diabo que ele fazia quando ficava bravo… Eu não sei se acho graça ou se fico com medo.

Ouviu o riso preguiçoso do mais novo.

A partir daí começaram a conversar sobre os antigos relacionamentos que tiveram. Minseok contou que teve seu primeiro relacionamento sério aos 19, quando tinha acabado de entrar na faculdade com seu colega de curso Luhan. A princípio tudo era um paraíso, estava realmente apaixonado, mas depois de completarem um ano de namoro ele descobriu que o rapaz não tinha se assumido pros pais, e nem tinha planos para isso. Mas o que realmente partiu seu coração foi descobrir que o mesmo tinha um relacionamento de fachada com uma garota para agradar os pais.

A segunda e última relação séria que teve foi com Kyungsoo, não era de namorar muito, de vez ou outra ficava com alguns garotos da faculdade, mas não costumava se arriscar muito e ter outra decepção, não confiava muito nas pessoas. Namorou Kyung por 3 anos, gostava bastante do rapaz, embora suas personalidades não batessem uma com a outra, ambos tinham gênios fortes e acabavam brigando por futilidades. Tentavam resolver tudo em carinho e sexo e realmente funcionou por um tempo, mas depois começaram a discutir até em meio a transa e decidiram pôr um fim naquele namoro.

Chen também não era de se relacionar muito e também não tinha muito tempo para isso. Namorou apenas 3 rapazes a sua vida inteira, um deles era seu antigo manager cinco anos mais velho. Jongdae estava apaixonado e demorou para perceber que estava em um relacionamento abusivo, além de que o rapaz tratava-o super mal.

Huang Zitao fora seu primeiro namorado, tudo fora ótimo, até o dia que o rapaz anunciou que iria voltar a morar na China e que não queria manter um relacionamento a distância.

Por último, mas não menos importante estava Park Chanyeol, era vizinho da casa de seus pais mas fanfarrão demais, vivia em boates e bares e Jongdae não duvidava nada que em um de seus passeios noturnos teria colocado alguns pares de chifres em sua cabeça.

A conversa se estendeu um pouco mas logo o sono de Minseok voltou novamente, o moreno demorou pra perceber que tinha sido deixado falando sozinho, sorriu, acariciando o rosto do menor e puxando-o para perto aconchegando-o em seus braços.


*



Acordaram por volta das 10, tomados pela preguiça matinal. Prepararam o café ao som dos miados insistentes de Tony querendo um pouco da comida.

— Você sabe que eu não posso te dar, da última vez tive que te levar no veterinário! — falou com o bichano como se o mesmo entendesse — Pra você só ração!— pegou-o colocando-o de frente para o próprio prato de comida.

Tomaram o café enquanto conversavam animadamente, contando os podres de Sehun e Junmyeon. Quando terminaram lavaram e guardaram a pouca louça que sujaram. Jongdae fazendo questão de encoxar o mais velho quando colocava os utensílios nos armários próximos a pia.

— Você não sabe disfarçar Dae!— ouviu-o rir soprado logo em seguida deixando um breve selar em seu pescoço.

— Eu não queria disfarçar.— sussurrou.

Ao terminar o serviço, pegou Minseok no colo colocando-o em cima da bancada, se encaixando entre suas pernas observando o belo rosto do mesmo, sentindo seu coração bater mais forte. Sabia exatamente que estava perdidamente apaixonado só de olhar para o mais velho. Sorriu de forma doce e permitiu-se enfim beijar o rapaz. As mãos percorrendo pelos corpos sem muito pudor, deslizando e apertando como bem entendiam. Chen desceu os beijos até o pescoço alheio, maltratando a pele clarinha que o mesmo tinha. Minseok abriu os olhos ao ouvir um barulho na porta e pulou da bancada ao ver de relance uma silhueta entrando.

— Jongdae? Filho? — se desgrudaram um do outro na velocidade da luz.

A mulher baixinha apareceu na cozinha cerca de um segundo depois, olhando desconfiada do movimento abrupto dos dois, mas logo sorrindo.

— Ah, olá!— veio comprimentar o mais velho que ainda estava um pouco desconcertado com a situação.

— O-Olá. — respondeu tímido, recebendo um carinho na cabeça como se fosse uma criancinha.

— Seu namorado é muito bonitinho Jongdae.

Ambos se encaram com os olhos um tanto quanto arregalados, abrindo a boca pra falar algo mas sem saber como responder aquilo.

— Mãe!!! — repreendeu o moreno, sentindo-se constrangido.

— Sua mãe sabe das coisas Dae-ah, vai dizer que não é seu namoradinho? Se não for você é muito burro, ele é uma graça!

Minseok estava quase roxo de vergonha, não sabia nem para onde olhar, só queria cavar um buraco no chão e esconder seu rosto em algum lugar.

Jongdae resolveu tentar mudar de assunto sentindo-se tão envergonhado quanto o mais velho.

— O papai não veio?

— Ele já está vindo, nós trouxemos frango assado e uma caixa de cerveja.

— Você nem para ajudar o coitado.

Logo o pai do moreno apareceu, carregando o frango num braço e as bebidas no outro todo atrapalhado, correu para ajudar o mesmo.

— Mamãe só explora você não é?— assentiu cansado.

A senhora Kim ignorou completamente, virando e indicando o rapaz envergonhado com as mãos.

— O namoradinho do Jongdae não é uma gracinha?. — achou que iria morrer quando foi avaliado pelos pais do rapaz.

— Está namorando? Parabéns aos dois. Ele é muito bonito Dae-ah parabéns. — Minseok não estava acostumado com toda aquela aprovação, nunca apresentou ninguém a seus pais por saber que iriam iriam lhe olhar torto e destilar veneno de suas línguas, e vendo a família de Jongdae toda feliz com isso fez com que o mesmo sentisse uma pontada de inveja não só por si próprio mas por Junmyeon também.

O mais velho já estava com as pernas preparadas pra pegar a mochila e ir embora, mas a mãe do moreno insistiu muito para que o mesmo ficasse e comesse com eles. Aceitou sentindo que eles ficariam sentidos se o mesmo fosse embora.

— Então o que vocês vieram fazer aqui?. — perguntou Chen.

— Eu preciso de motivos pra vir visitar meu filho?

— Vocês moram do outro lado da cidade, raramente me visitam aqui, então eu tenho o direito de perguntar. Desembucha.

— Nós compramos aquela casa na praia.— falou o pai, logo em seguida recebendo uma sequência de tapas de sua esposa.

— Eu ia fazer surpresa seu inútil.

— Pra que vocês compraram aquela coisa cara? Pretendem morar lá? E o emprego de vocês como fica? — perguntou Chen parecendo ser a única pessoa a pensar com sensatez naquela família.

— Nós não vamos morar lá, é pra passar as férias e finais de semana. — explicou a mãe — Pare de me dar bronca, eu sou sua mãe, eu sei o que eu faço.

— Pois não parece, gastando todo esse dinheiro… Como vão fazer pra compensar o gasto?

— Estou tentando convencer sua mãe a alugar para outras pessoas, mas ela é difícil sabe…

Passaram bons minutos discutindo sobre a compra da casa e seus respectivos fins, até se darem conta que Minseok estava sendo completamente excluído da conversa. Decidiram mudar de assunto perguntando-lhe sobre o trabalho do mesmo e sobre sua faculdade, sentiu-se um pouco mais confortável contando como sua doença o atrapalhava constantemente.



Mais tarde, depois de conversarem bastante enquanto comiam, Seok anunciou que tinha que voltar pra casa, despedindo-se dos pais do mais novo com uma reverência. Pegou a mochila sendo acompanhado por Jongdae até a porta dando-lhe um beijo de despedida escondido. Saiu da casa do amante com um sorrisinho bobo nos lábios, estava cada vez mais apaixonado pelo mais novo e se perguntava quando iria conseguir dizer tudo o que sentia pelo mesmo.



Chegou em casa encontrando Junmyeon no quintal limpando o carro, convidou-o para passar a tarde consigo, queria ter a mesma conversa que tivera com Sehun no dia anterior. Estava feliz por estar apaixonado mas ao mesmo tempo aquilo o corroía.

Passaram algumas horas largados no sofá, assistindo a programação daquele horário, Minseok com a cabeça apoiada no colo do outro, que acariciava seus cabelos vendo o quanto o mais velho parecia um gatinho.

— JunJun...— chamou-o baixinho já completamente sonolento.

— Hm?... — murmurou para que o mesmo continuasse.

— O Dae… Eu estou pensando em pedir ele em namoro já faz um tempo… Mas… Não consigo me declarar, tenho muita vergonha…

— Você gosta dele não é?— perguntou, recebendo um “uhum" como resposta — Não precisa se precipitar… — falava pausadamente — … O momento certo vai chegar, faça-o quando se sentir confortável em dizer... Tenho certeza que o Jongdae gosta de você na mesma proporção e deve estar pensando em te pedir em namoro também… Deixa fluir… Uma hora essa declaração acontece, seja da sua boca ou da dele ok? Não se preocupe tanto. — o mais velho assentiu erguendo-se o suficiente para abraçar o outro.

— Obrigado… Não sei o que seria de mim sem você… Eu pedi esse mesmo conselho para o Sehun e ele só me disse uma pilha de baboseiras.

— Sehun não presta pra dar conselhos, aquele lá tem um parafuso solto, ou vários.

— Eu só perguntei por que ele é do tipo direto, do tipo que toma iniciativas sabe?…

Depois disso, Minseok contou-lhe tudo o que tinha acontecido na casa de Jongdae, não poupando-o dos detalhes sórdidos. Contou sobre o quase flagrante da mãe do mais novo e como ficou sem reação com as falas da mesma.

— Eu fiquei até com inveja… De como ele se dá bem com a família dele… — se arrependeu por ter comentado sobre família, quando viu Junmyeon murchar visivelmente.

Tratou de mudar de assunto, não querendo ver seu amigo deprimido, sabia como aquilo afetava o mais velho.

Pegou até uma câmera para tirar fotos do outro enquanto o mesmo estava distraído, zoando-o quando conseguia capturar uma expressão engraçada. Mas sabia que aquilo não era o suficiente para trazer o humor do mais novo de volta, então convidou-o para dormir em sua casa, para que pudesse ocupar sua mente e não permitir que o mesmo tivesse pensamentos tristes. Yixing estava de plantão no hospital onde trabalhava, então não podia deixá-lo sozinho de maneira alguma por saber que o mesmo iria se afogar em lágrimas em algum canto de sua casa.

Fizeram um jantar digno de masterchef juntos, ficando orgulhosos de si mesmos ao verem os pratos dispostos na mesa.

Minseok ligou para Sehun vir comer com eles, já que tinham se empolgado preparando bem mais que o necessário e o mais novo era do tipo “saco sem fundo”, apesar de ser extremamente esguio.


Menos de meia hora depois, o mais novo já estava ali acompanhado do namorado e Minseok já temia pela vela que os dois o fariam segurar. Adorava Sehun e Baekhyun, mas não quando os dois ignoravam sua existência e começavam a se agarrar —ou quase transar— na sua frente.

A comida antes abundante, acabou em questão de minutos, não sobrando nada pois o mais novo fez questão de raspar a panela.

— Porra, quer comer a panela também? — perguntou o Min chocado com o apetite do magrelo.

— Você sabe que eu adoro sua comidinha caseira hyung.

— Já que gosta tanto, vai lavar a louça.

— Você só me escraviza hyung, eu tenho cara de lavadeira? — fingiu uma falsa indignação.

— Tem, lava aí.

Depois de muita conversa jogada fora, Minseok recebeu uma ligação de Chen:

Seok?

— Oi Dae? — Sehun imitou-o de forma um pouco mais exagerada, caçoando do jeito que o mesmo falava com o outro no telefone, sendo seguido de um um coro de imitações.

Está todo mundo aí? Dá para ouvir eles zoando você.— ouviu-o dar uma risada gostosa.

— É, tem três hienas na minha casa, uma delas parece um poste.

Desculpa por hoje, minha mãe é meio doida...

— Tudo bem, não precisa se desculpar… Foi engraçado… — pode ouvir a risada gostosa do outro e não conseguiu conter o sorrisinho bobo nos lábios, o que não passou despercebido pelos presentes na sala que logo caçoaram da maneira com que ele ficava quando falava com o outro.

Então… Eu queria perguntar se vocês não querem aproveitar o feriado prolongado para ir a praia na próxima semana?

— Ok, calma aí… — disse aos amigos a proposta, recebendo uma chuva de “sim” bem empolgados com a idéia. — Eles aceitaram, depois eu pergunto pro Yixing por que ele está de plantão no hospital em pleno sábado.

Vamos aproveitar a loucura da minha mãe e passar uns dias na casa na praia que ela comprou.

— É, vai ser legal, vou levar algumas câmeras para tirarmos algumas fotos, fazer um álbum de férias com todo mundo. — ouvindo isso os outros ficaram empolgados, começando a dialogar sobre roupas que poderiam usar.

Combinaram tudo por telefone, Junmyeon ia levar todos em seu carro com exceção do mais novo que iria de moto com Baekhyun.


Já beirando a madrugada, foram dormir, Sehun e o namorado optaram por passar a noite ali já que o ônibus naquele horário demorava 50 anos para aparecer.

Minseok colocou o único colchão reserva na sala para os dois e dividiu sua cama com Jun.

— Se comportem! — advertiu aos pombinhos.

— Sim, mamãe. — disseram em coro, e pelos sorrisinhos o mais velho já desconfiava que não iam obedecê-lo .

Foi para o quarto encontrando o outro já deitado, apagou as luzes deitando ao seu lado, e quando já estava quase caindo no sono pode ouvir Junmyeon sussurrar:

— Obrigada hyung… Por me animar hoje… E por tudo que você sempre fez por mim… — falou tão baixinho que se o outro não prestasse atenção não conseguiria escutá-lo.

— Eu que te deixei pra baixo… Foi culpa minha… Desculpa…

— Não precisa se desculpar… Não foi culpa sua… — deixou no ar que a culpa era de sua própria família.

— Eu não devia ter tocado no assunto… Mas quero que saiba… Que nós somos sua família agora… E amamos muito você… Então… Quando se sentir triste, saiba que pode contar com a gente…

— Obrigada hyung…

Se abraçaram com os olhos cheios de lágrimas e não demorou muito para que caíssem no sono.



Por volta das 3 da manhã Minseok acordou com dor, levantou-se sem fazer barulho para não acordar o outro.

Caminhou tentando controlar a dor com a respiração — o que não era algo muito eficiente—, indo até o balcão que ele deixava os medicamentos na sala. Enxergava muito bem no escuro e se arrependeu profundamente de deixar seus antibióticos ali quando viu a cena que acontecia no seu sofá.

Baekhyun no colo de Sehun, da forma que veio ao mundo, enquanto o outro apertava suas nádegas.  Rapidamente o mais velho desviou o olhar, praguejando os dois cretinos que estavam quase transando em seu querido sofá.

Pegou seus comprimidos e voltou novamente para seu quarto esperando o efeito do remédio agir. E mesmo após a dor cessar não conseguiu pregar os olhos, já que graças às paredes finas começou a ouvir gemidos provindos da sala.

Sentiu inveja da forma com Junmyeon dormia profundamente naquela hora. Mas quando fechava os olhos, os barulhos pareciam aumentar.

Só conseguiu dormir colocando o travesseiro em cima da orelha segurando-o com força para abafar o som.



***



A semana passou rápido, mesmo com os trabalhos ocupando o tempo todo dos rapazes.

Yixing conseguiu a folga, mas para isso teve que passar a semana toda no plantão. O rapaz gostava de ser médico, mas trabalhar o dia inteiro no pronto-socorro era uma situação caótica, e fazia o mesmo se perguntar o porquê de ter se matado de estudar pra trabalhar daquela forma.

Na noite antes do feriado, se reuniram de mala e cuia na casa de Minseok, o chinês parecendo mais um zumbi de tanto sono. O porta malas ficou lotado, graças a comida e as bebidas que também levavam numa  caixa de isopor.

A viagem foi bem tranquila, já que os barulhentos estavam de moto pela sorte do chinês que dormia profundamente no banco do carro.


Já perto do litoral pegaram um pequeno trânsito típico de feriado mas nada muito demorado.

Chegaram na casa de praia por volta das 3, e embora não fosse muito grande era bonita e tinha ainda tinha uma piscina enorme.

Era mobiliada mas apenas com o essencial

Descarregaram as malas, a caixa de isopor e Yixing, pois o mesmo não acordava de forma alguma, sendo carregado no colo feito uma criança para dentro.

Sentaram-se no chão da sala em volta da mesinha de centro, fazendo um lanche noturno acompanhado de algumas doses de álcool. A medida com que a bebida fazia efeito, mais barulhentos os mesmos ficavam, acabando por acordar o chinês.

— Vocês fazem muito barulho… — resmungou, recebendo apenas risadas como resposta pelo estado que o mesmo se encontrava.

Junmyeon fez um carinho suave nos cabelos de Yixing que logo voltou ao seu estado de hibernação. Sentia pena da forma que o rapaz ficava esgotado por conta do trabalho.

Começaram a brincar de “eu nunca”, num tom de voz mais baixo para o chinês não reclamar novamente. Baekhyun começou, já que o mesmo que tinha sugerido o jogo, iniciando de uma forma nada leve.

— Eu nunca participei de um ménage. — todos entreolharam-se com sorrisos nervosos. — Levante a mão quem já participou.

Minseok e Sehun levantaram as mãos um tanto quanto envergonhados, logo rindo um do outro por suas piranhagens, mas o que ninguém esperava foi ver a mão de de Junmyeon se erguer timidamente. A sala ficou em completo choque, todos olhando-o com os globos quase saltando das órbitas, apenas pensando como um rapaz até certo ponto inocente como o mesmo fora parar em um ménage.

— Como, quando e onde? — perguntou o mais novo da sala ainda incrédulo.

— Foi na época em que eu e o Xing ainda não éramos namorados… Estávamos completamente bêbados numa festa da faculdade dele… Quando eu vi já estava no motel transando com ele e outro garoto estrangeiro…

A sala ficou em silêncio por vários segundos, digerindo a informação até o rapaz pigarrear em constrangimento.

Continuaram jogando, a garrafa escolheu Minseok para perguntar.

— Eu nunca… — pensou um pouco mais logo algo veio a sua mente— … Eu nunca transei na sala do meu amigo, enquanto achava que ele dormia. — era uma indireta muito direta para o casal ao seu lado.

Levantaram a mão com sorrisinhos travessos, recebendo tapas logo em seguida.

— Desculpa hyung! — disse recebendo um olhar mortal do mesmo, ao som das risadas dos presentes

— Eu estava com dor de madrugada e fui pegar meu remédio… Aí me deparo com seres pelados no meu sofá! NO MEU SOFÁ! Eu mal consegui dormir com vocês gemendo alto, Junmyeon teve sorte por estar dormindo.

A partir daí o jogo transformou-se em expor os podres dos amigos. Fizeram uma faxina na casa algum tempo depois a mando do mais velho, alegando que não deixaria ninguém dormir — exceto o chinês que já estava capotado — enquanto não tirassem todo o pó dos móveis.

Quando tudo estava limpo ao gosto do mais velho se organizaram para dormir. Havia apenas dois quartos, Jongdae e Minseok ficaram com o quarto menor, deixando o mais espaçoso para os outros quatro. Os futons não eram lá muito confortáveis, mas não demorou muito para que dormissem.



Acordaram por volta das dez — com a ajuda de despertadores é claro —, já se arrumando para irem a praia. Minseok tirou algumas fotos de Chen enquanto ainda estavam no quarto, aproveitando a luz do sol e algumas dos rapazes na sala.

O mais velho não sabia nadar então não gostava tanto de praias, mas estava feliz de passar o feriado ali com os amigos.

Foram a pé mesmo, já que o percurso era pequeno, enquanto carregavam a caixa de isopor e o guarda-sol. Colocaram bem próximo da água, por Minseok já ter declarado que não iria nadar.

Ficou sentado na areia, deixando as ondas o molharem da cintura para baixo. Gostava da sensação, fechando os olhos para desfrutar mais.

Observou os rapazes se divertindo e tirou várias fotos, capturando as brincadeiras dos mesmos de jogar uns aos outros na água.

Jongdae e Junmyeon se sentiram mal por estarem  se divertindo enquanto o mais velho apenas os observava, então foram perturbá-lo.

Ficaram conversando um pouco, tirando algumas fotos e tentando persuadi-lo a entrar na água. A verdade era que além de não saber nadar, o mesmo morria de medo de mar aberto e de se afogar.

Vendo que não ia conseguir convencê-lo, Chen o pegou no colo a força e o arrastou até onde os outros estavam.

— Me solta! Eu não sei nadar! — protestava nos ouvidos dos dois.

— Relaxa eu não vou soltar você. — colocou-o em suas costas e sentiu o mais velho o abraçar forte com medo.

Ainda na parte rasa, brincou de pular as ondas a fim de distraí-lo e até que funcionou mas a medida com que iam mais fundo era possível senti-lo tremer. Puxou-o então para um beijo calmo, mas percebeu que o rapaz estava bastante aflito sentindo a água bater na linha de seus ombros.

— Dae… Eu tenho medo de mar aberto… — confessou baixinho, praticamente grudado no moreno.

E para completar a aflição do rapaz, seu peito começou a doer e Jongdae teve que levá-lo de volta pra casa para que o mesmo pudesse tomar algum remédio.

Tomou um banho quente, enquanto Chen pegava o comprimido e a bolsa térmica para ajudar o sangue a circular direito novamente. Deitou junto com o mesmo no sofá, aproveitando pra tirar um cochilo enquanto o mesmo se recuperava.

Minseok acariciou-o enquanto observava-o dormir e nunca teve tanta certeza do quanto estava apaixonado. E adormeceu junto, sentindo o coração palpitar e decidido que iria se declarar naquele mesmo dia.



Quando o moreno despertou o mais velho já estava acordado, admirando silenciosamente o quão bonito o mesmo conseguia ser.

— Está melhor?... — perguntou ainda sonolento, selando seus lábios suavemente com os dele.

— Estou… Obrigada… Por cuidar de mim e ficar aqui comigo…  Pode voltar pra praia… Eu vou ficar bem…

— Eu prefiro ficar aqui com você… Não vou te deixar sozinho… — disse fazendo o mais velho sorrir docemente sentindo uma sensação quentinha tomar seu coração.

Prepararam alguns sanduíches para aplacar a fome, logo em seguida fazendo a cozinha de palco para os amassos.


Quando já não tinham mais o que fazer, Jongdae ligou o rádio colocando alguns cds de sua mãe pra tocar. Tinham gostos musicais parecidos, ambos gostavam de rock das antigas e músicas suaves. Começou a dançar vindo na direção do mais velho, oferecendo-lhe a mão para dançar juntos ao som de “Stairway to Heaven” do Led Zeppelin.

— Dae eu não sei dançar— e também não podia, mas sabia que o mesmo não iria fazê-lo rodopiar e nem cansa-lo.

Colaram as cinturas, dando dois passos para cada direção, era bem simples para não se atrapalharem. Se deixaram levar pela música de batidas lentas, Minseok com o rosto enterrado na curva do pescoço do outro, sentindo seu cheiro, vendo ali o momento certo para se declarar.

— Eu demorei um bom tempo pra te dizer isso… — sussurrou, sentindo as bochechas esquentarem —… Mas quanto mais o tempo passa parece que… Eu me apaixono cada vez mais por você… — a essa altura do campeonato a voz do mesmo vacilava mas continuou firme com sua declaração —… E eu queria ter dito isso faz tempo, mas estava morrendo de vergonha… E... Pra falar a verdade… Ainda estou… Mas eu te amo Dae… — a última parte saiu num fiozinho de voz que se o mais novo não estivesse prestando atenção não conseguiria escutar.

— Eu também te amo... — apertou-o mais forte, aconchegando-o melhor consigo, sentindo-se tão feliz que poderia morrer ali de taquicardia —… Desculpa não ter tido coragem de te dizer antes também… Mas… Eu gosto tanto de você que chega a doer…

Minseok segurou suas mãos, finalmente olhando-o nos olhos, mas estava tão feliz e envergonhado ao mesmo tempo que achava que ia derreter entre os dedos do mesmo.

— Desculpa não ter anel nem nada mas… Namora comigo Jongdae?

— Eu aceito meu amor… E quanto ao anel… — não terminou a frase, apenas guiou-o até o quarto buscando algo dentro da mala, tirando de lá uma caixinha de veludo preto. — Eu comprei isso já faz tempo… Mas eu fiquei com muita vergonha... Desculpa.

O sorriso de Minseok era tão grande que mal cabia no rosto. Era um anel prateado com detalhes delicados, por dentro era possível ver as iniciais gravadas. Estavam tão felizes que apenas se abraçaram sentindo os olhos marejados.


Mais tarde quando o sol estava quase se pondo, o restante dos rapazes chegaram exaustos e levemente bronzeados. Baekhyun logo notou o comportamento estranho dos dois.

— O que vocês aprontaram para estarem com essas caras?

Entreolharam-se com cumplicidade, e apenas levantaram as mãos revelando o par de alianças para o restante dos meninos. A sala foi preenchida pelo som dos berros de “aleluia” de Sehun e as parabenizações dos demais.

Comemoraram com muita comida e bebida e fizeram questão de fotografar o novo casal.



Por volta das 8 da noite, Chen avisou que ia sair pra dar uma volta e ver as estrelas com Minseok, sendo alvo de piadas como “que espécie de de estrelas vocês vão ver?”, “você vai mostrar pra ele as estrelas do motel?”. Ignoraram e seguiram seu caminho, andando pela orla da praia de mãos dadas com sorrisinhos bobos nos lábios.

Não trocaram muitas palavras, não sabiam exatamente o que dizer, era como se eles tivessem desaprendido a como falar.

Compraram algo para beber num quiosque e seguiram viagem. Segundo Jongdae o mesmo iria levá-lo a seu lugar preferido da praia, que descobriu quando criança.

Andaram bastante, até chegar em uma parte com muitas pedras e um rochedo, que o mesmo lhe fez subir. Minseok quase perguntou para o outro se não estavam indo longe demais para voltar a pé, mas calou-se quando terminou a subida e viu seu destino lá embaixo.

Chen ajudou-o a descer, estava pasmo em como aquele lugar era bonito. Era como uma mini praia particular já que os rochedos e a vegetação que tomava conta da maior parte dali a escondiam bem.

— Posso dizer que essa é a minha praia particular. — disse sorrindo.

O mais velho não conseguiu formular uma resposta, atônito com a beleza dali. Encontrou uma plaquinha improvisada já um pouco gasta escrito: “ Jongdae Paradise” ,e mostrou ao namorado que riu lembrando de quando tinha feito aquilo.

Colocaram uma toalha grande na areia e deitaram-se, finalmente parando para admirar as estrelas que decoravam o céu aquela noite, apontando as constelações que conseguiam ver. Fecharam os olhos por um momento, prestando atenção no som das ondas e sentindo a brisa noturna. Minseok virou-se para admirar o mais novo secretamente, observando cada traço de seu rosto.

— Eu sei que você está me olhando Kim Minseok… — murmurou o moreno em um sussurro, abrindo um sorriso ladino antes de abrir os olhos e constatar sua afirmação.

O mais velho retribuiu o sorriso subindo em cima do outro, agora encarando-se mais de perto.

— Como você consegue ser tão bonito Jongdae-ah?... — sussurrou .

Chen deu um sorriso envergonhado, que o Min achou a maior preciosidade e um bálsamo para enchê-lo de beijos, dos quais o mais novo não demorou para retribuir.

Estendeu o beijo para o pescoço, traçando um caminho molhado até ele e o mais velho esticou-se para dar-lhe mais espaço enquanto distribuía mordidas e leves chupões na pele clarinha do mesmo.

Minseok começou a rebolar sutilmente no colo do outro, iniciando uma fricção entre os membros, olhando-o durante todo o processo e o mais novo sentiu sua sanidade desaparecer.

Não tardou a despir o rapaz em cima de si percorrendo as mãos pelas costas, deixando as unhas rasparem de leve na pele do mais velho, causando-lhe arrepios.

Trocou de posição, tirando suas próprias roupas também, sentindo o olhar do outro queimá-lo. Já desprovidos de qualquer tipo de tecido, Jongdae não perdeu tempo em iniciar uma masturbação lenta no outro enquanto continuava seu trabalho de distribuir beijos pelo corpo do outro. Lambeu a fenda, vendo-o ter um espasmo com o contato, logo sugando a glande fazendo o rapaz revirar os olhos e jogar a cabeça pra trás. Tentou colocar tudo na boca,  olhando-o durante todo o processo, vendo os olhos nublados de desejo. O Min segurou seus cabelos, instigando-o a continuar, mas o mesmo tirou a boca em provocação, percorrendo a língua pela extensão bem devagar, apenas para vê-lo novamente só que agora com o olhar transbordando luxúria e um sorrisinho safado que prometia uma vingança. Torturou-o um pouquinho mais, até ouvi-lo gemer seu nome:

— Ahh Jongdae-ah… Se você continuar desse jeito... Eu vou te foder tanto que você não vai conseguir andar de volta pra casa… — sussurrou entre dentes e o outro ponderou a ideia gostando da proposta e daquela frase saindo de seus lábios.

Não eram muito verbais durante o sexo, se comunicavam através do olhar e dos gemidos. Mas agora, ouvindo-o se sentiu tentado a aderir a ideia.

Virou o mais velho de costas, preparando sua entrada, não perdendo a chance de tortura-lo lentamente com a língua. Minseok estava gostando muito daquele joguinho, e o mais novo sabia apenas pelo olhar que o outro iria matá-lo de tanto foder. Apenas seguiu com aquilo, colocando-o de quatro e passando o membro entre o vão das nádegas até sentí-lo rebolar em seu encontro, gemendo impaciente. Beijou suas costas enquanto penetrava-o, apertando sua cintura em deleite quando estava por completo dentro do outro. Começou com movimentos lentos , continuando em sua linha de provocação, mas o próprio não aguentou aquilo, estocando firme em seu interior fazendo-o gemer alto, arqueando as costas em alguns momentos.

Logo o Min derrubou-o ficando por cima de si para que pudesse cavalgar, já iniciando sua tortura ali enquanto rebolava lentamente em seu colo, deixando Chen louco. Aumentou o ritmo, enquanto beijava-o entre os gemidos logo se separando para se encarar, vendo um brilho provocativo nos olhos do mais velho que ditava os movimentos, e ele realmente sabia como provocar Jongdae.

Mudou de posição deitando o mais novo de costas para si, traçando com a língua uma linha por suas costas até chegar em sua entrada, fazendo o moreno arfar ao sentí-lo ali, tentando penetrá-lo com o músculo úmido. E gemia tão alto que se alguém estivesse passeando por perto poderia facilmente escutá-lo, graças às mãos do Min que masturbavam-o ao mesmo tempo em que preparava sua entrada.

Quando terminou seu trabalho ali, sorriu para o outro como se dissesse “você está ferrado”, logo deixando um tapa estalado em sua bunda. Apertou suas coxas com vontade preparando-se para fodê-lo da forma como havia dito. Pincelou a entrada em pura provocação, penetrando apenas a glande e tirando só para ouvi-lo arfar. Mas não aguentou muito, logo sentindo o membro dar fisgadas em expectativa.Penetrou-o sem aviso prévio, ainda querendo se vingar e iniciou com estocadas lentas, fazendo Jongdae gemer arrastado ao sentir o membro do outro estocá-lo devagar massageando seu interior. Queria continuar daquele jeito mas seu corpo já não aguentava aquele ritmo, começou a investir contra ele mais rápido e firme, as carnes fazendo um som obsceno quando se chocavam.

— Ahh Minseok— a essa altura do campeonato o mais novo não tinha um pingo de sanidade para se agarrar, e apenas gemia conforme o outro o fodia.

Não conseguia formar nenhum pensamento coerente, completamente perdido enquanto sentia bater no céu e voltar delirando.

Virou-o de frente para si, segurando suas pernas para conseguir ir mais fundo, voltando a meter com força, praticamente esmurrando sua próstata. E já próximos do ápice, o mais velho masturbou-o no mesmo ritmo das investidas gozando quase ao mesmo tempo, sentindo o orgasmo atingi-los em cheio. Minseok estocou mais algumas vezes, prolongando aquela sensação o máximo que conseguia.

Agora exaustos, deitaram juntos se beijando de forma calma, muito diferente de como estavam segundos antes.

Passaram alguns minutos em silêncio normalizando a respiração, passando os melhores momentos da transa em suas mentes, até o mais velho perguntar:

— Segundo round?— abriu um de seus melhores sorrisos maliciosos

— Minhas pernas estão bambas Minseok! Você quer me deixar paraplégico?!.

E embora tenha dito isso, não voltaram para casa aquela noite.


Notas Finais


Obrigada por ler até aqui
Sintam-se livres para me chingar nos comentários hshshshshs eu sei que mereço.
Mas me digam o que acharam. Se gostaram, se não gostaram, se querem me esquartejar viva, e se tiver qualquer errinho me informem também que corrijo na hora.
Eu vi uma fancam do Xiumin dançando Artificial Love e fiquei muito inspirada para escrever esse hot.
Agradeço vocês mais uma vez pela compreensão, ou não hshshshshs.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...