História Pais Ao Acaso - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, Personagens Originais, Suga, V
Tags Jeongguk, Jungkook, Jungkook!tops, Suga, Sugakook, Sugakookie, Sukook, Yoongi, Yoongi!bottom, Yoonkook
Visualizações 556
Palavras 2.064
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Saga, Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie, até que foi rápida a atualização desse capitulo. Eu pensei que fosse demorar mais, mas como o prologo só tem quatrocentas e poucas palavras, decidi atualizar essa antes de qualquer outra fic minha que precise ser atualizada, bem, deixando de enrolação, aproveitem o pequeno drama aqui e até as notas finais.

Capítulo 2 - II. Testamento.


Após um pouco mais de cinco horas no trânsito, para o carro na primeira vaga que encontra e entra no enorme cemitério, achando o túmulo do casal rapidamente, por ter chegado tarde pro velório e enterro já não havia mais ninguém ali, e ele preferia assim, pois não teria que ouvir falsos pesares, se abaixa em frente as lápides e deixa o grande buquê de rosas brancas em frente ao mármore, lendo as escrituras, ainda não acreditando naquilo.

'Jeon Yoonji & Jeon Junghyun, 1995 - 2024'

Sem escrituras, nada, só os nomes e datas, mas no fim sabia que não havia nada por sua culpa.

Respira fundo, se mexendo incomodado com a sensação de ser observado, e limpa as lágrimas, que nem notou descerem, ao sentir o perfume tão conhecido por si.

- Por que não colocou nada nas lápides? - pergunta com a voz grossa e se levanta, sem tirar os olhos dos escritos bonitos no mármore cinza polido.

- Minhyun não tem idade suficiente pra decidir algo assim, e não seria justo eu decidir algo pra ambos, já que a irmã é sua. - ele responde, parado atrás de mim. - Hyung. - quando ele sussurra, consegue sentir a respiração bater em seu cabelo. - Nunca pensei que seu ódio por mim o faria perder o velório da própria irmã.

- Não se ache de mais Jeongguk. - diz irritado se virando pro maior que si, se arrepende no mesmo instante, ele estava perto, perto demais. - Você não significa nada na minha vida, não que seja da sua conta, mas eu não apareci mais cedo pois a presença de todas as pessoas falsas que fingem se importar comigo ou com Yoonji me faria vomitar. - cospe todas as palavras irritadas na sua cara, ficando mais e mais nervoso com a proximidade. - Agora se me der licença, eu tenho que ir buscar as coisas do Minhyun. - finalmente consegue respirar direito ao sair da sua frente e seguir em direção ao carro.

- O quê você disse? - ele grita correndo até o menor e o puxa pelo braço. - Onde você pensa que vai levar ele?

- Você é estúpido ou o se faz? - diz bravo pelo aperto. - Ele vai vir morar comigo em Seul.

- Por que? - ele aperta mais ainda o braço do branquinho o fazendo gemer de dor. - O que te faz pensar que eu deixaria você fazer isso? Você nunca nem o vem visitar e acha mesmo que eu vou deixar você o levar para tão longe? Ele é meu sobrinho também.

- Eu não sou desocupado feito você que pode vir aqui sempre que der na telha Jeongguk, mas pra sua informação, um final de semana ao mês eu pagava a passagem de avião pros três irem me ver, e pagava a volta também, então pare de insinuar que eu não posso ficar com ele por ele não me conhecer, e me larga pois está me machucando.

- Vamos ver então no tribunal quem fica com ele. - diz e sai marchando em direção ao estacionamento.

- ELE NÃO É UM MALDITO OBJETO PRA VOCÊ QUERER BRIGAR POR ELE. - grita fazendo ele parar, mas sem se virar para encará-lo. - Você, melhor que eu, sabe o trauma que é pra uma criança pequena passar por isso, não ouse fazer isso com ele Jeongguk, porquê se você tentar, vai perder.

Percebe suas mãos se fecharem em punho, sua respiração pesada, e fica com medo, pois sabe que se ele resolver discutir vai falar, e ainda não está pronto  para isso, ainda não, ele respira fundo e sai sem se virar ou dizer mais nada.

Espera um tempo, pra ter certeza que ele foi embora e vai até o carro, se trancando dentro do mesmo, tira o terno grosso, o jogando no banco ao lado, a gravata escura segue o mesmo caminho, desabotoa a blusa social branca, abaixando só o braço esquerdo, e respira pesado ao perceber que ficaria roxo.

- Filho da puta. - murmura consigo mesmo e veste novamente a blusa, estava pronto pra sair quando o telefone toca, não reconhece o número, mas atende mesmo assim. - Alô.

"Min Yoongi?"

- Sim, é ele.

"Meu nome é Kim Joonki, sou o advogado da sua irmã e cunhado. Eu queria confirmar sua presença na abertura do testamento deles."

- Ah sim. - suspira massageando as têmporas, pela dor de cabeça repentina. - Onde?

"Vai ser amanhã senhor, as dezoito, na casa da sua irmã."

- Quem mais estará lá?

"A exigência deles é que o senhor e o senhor Jeon Jeongguk, irmão do Junghyun, estejam lá."

- Tudo bem. - respira fundo por ter que encontrá-lo novamente antes do esperado. - Estarei lá, até amanhã.

"Até."

Bate a cabeça no volante repetidas vezes, irritado, respira fundo, ele não vai me tirar do sério, não hoje, quando levanta a cabeça, o olhar se prende em alguém bem ao longe, ele estava sentado em posição fetal, e seus ombros se balançavam, denunciando que ele chorava, não entendia o por quê aquela cena estar sendo tão dolorosa de se olhar, ficando mais ainda ao reconhecer quem estava chorando, abaixa a cabeça, não tinha o direito de ver essa cena, coloca o cinto e dirige pro hotel que iria ficar até poder levar o Min embora consigo para Seul.

 

 

No dia seguinte, às dezoito em ponto, ele e o advogado Kim já estavam sentados na mesa da sala de jantar da casa da irmã, ambos em silêncio após se apresentarem, apenas esperando o Jeongguk, que chegou meia hora atrasado, o quê não surpreendeu nenhum dos dois homens de terno e cara fechada.

- Joonki Hyung. - o castanho diz assim que chega, abraçando o advogado com um sorriso bonito nos lábios, o que fez o mais velho dos três fechar, mais ainda, a cara.

- Está atrasado Jeongguk, e muito. - responde se sentando novamente, sendo acompanhado pelo mais novo.

- Eu sei, desculpa. - ele coça os cabelos na nuca, desviando os olhos, envergonhado, e acaba olhando pro loiro. - Hyung.

- Jeon. - responde no mesmo tom brando e se vira pro advogado esperando ele começar, até perceber a falta de algo, ou melhor, alguém. - Cadê o Minhyun?

- Ele está no ct. - o Jeongguk diz com a cabeça abaixada.

- Ct? O que raios meus sobrinho está fazendo no conselho tutelar, Jeongguk? - se levando estressado e o mais novo encolhe na cadeira.

- Ele não teve escolha. - diz o advogado. - Ele foi obrigado a deixar o Minhyun com o ct até a abertura do testamento ou até acharem um tutor legal para ele. - o acalma e o puxa de volta pra cadeira, a contra gosto.

- Tudo bem, eu só quero pegar ele e voltar pra casa. - diz baixinho, esfregando uma mão outra que começou a suar de repente.

- Yoonji ou Junghyun falaram com vocês sobre o acordo tutelar? - pergunta olhando para ambos.

- Não. - responderam juntos após se encararem.

- Bem, o acordo tutelar é basicamente a nomeação de quem cuidaria do Minhyun caso eles viessem a falecer. - diz incomodado com os olhares intensos sobre si. - E bem... eles nomearam vocês... vocês dois no caso. - aponta para ambos, que, novamente, se olham, rindo.

- Só podem estar de brincadeira com a gente. - o mais novo diz e o loiro balança a cabeça concordando.

- Espera aí. - o mais velho diz, depois de notar que é sério. - Quer dizer, que esses dois cabeças ocas nomearam nós dois para cuidar do Min? Nós dois juntos?

- Bem. Por ser amigo do Junghyun, eu sei um pouco da desavença de vocês dois. - diz fazendo os dois encontrarem os olhares mais uma vez. - E sei que não é o que nenhum de vocês queriam, e que será um incômodo pra vocês, acredite, eu tentei fazer os dois mudaram de ideia, mas eles não quiseram, disseram que seria vocês dois, juntos, e deixaram uma carta para convencê-los. - abre a maleta bonita e tira de lá um envelope branco, deixando no meio dos dois, que olhavam aquilo como se fosse uma bomba prestes a explodir. - Eles achavam que nada iria acontecer, então eles mais brincaram que tudo na hora de escrever essa carta.

O primeiro a fazer algo em relação a carta foi o mais velho, que estica o braço respirando fundo, pega o papel com as mãos trêmulas e abre o envelope, retirando o papel de dentro, o início da carta estava endereçada a si, e o resto ao mais novo, a carta foi toda escrita a mão por ambos, conseguia ver pela diferença de letra.

 

"Oi Yoongi-Yah e Jeongguk-Ah.

Se vocês estão lendo essa carta, bem, provavelmente aconteceu algo conosco, e nós gostaríamos já de pedir adiantado: desculpa. Sei que é uma grande responsabilidade e um enorme pedido que se aturem, mas se vocês amam a gente, por favor, por favor, cuidem do Minhyun, só confiamos em vocês para isso."

Sente os olhos arderem ao ler o pedido antes de passar para parte endereçada a si.

"Oppa, eu sei que o que o Ggukie fez foi errado, ele também sabe, todos sabem, e sabemos também o quanto te machucou, e eu também sei que provavelmente eu estou ultrapassando todos os limites com esse pedido, mas por mim oppa, pelo Minhyun, por favor, aceite criar o nosso filho como se fosse de vocês, juntos, assim como um dia você quis.

Não, eu não estou pedindo para você voltar com ele, só estou pedindo que deixa esse ódio de lado e convivam como os irmãos que são pra cuidar da sobrinho, não precisa perdoá-lo, só precisa aceitá-lo, Jeongguk é uma pessoa maravilhosa, apesar de babaca,..."

Ri do xingamento escrito pelo cunhado e imagina a irmã batendo no mesmo por isso, nem ao menos sente duas lágrimas finas escorrerem pelo rosto bonito.

"..., ele é um ótimo tio, assim como você, e eu sei que Minhyun vai se sentir muito melhor com vocês do que com qualquer outro membro da família ou até mesmo outra família.

Por favor oppa, por mim, crie meu filho e o transforme num ótimo ser humano assim como você!"

Respira fundo ao terminar, olhando a letra torta do cunhado, em dúvida se deveria ou não ler a parte do Jeon, no fim decide que sim, já que é certeza que ele lerá a sua.

"Hey Jeongguk, pirralho.

Eu não tenho muito o quê dizer, até porquê eu espero que você nunca precisa ler essas palavras endereçadas a ti. Mas se por alguma desventura você está lendo antes do Minhyun completar maior idade, que é quando pretendíamos mudar o testamento, eu gostaria de fazer das palavras da Yoonji, minhas, cuide do meu filho, o crie bem, e por favor, não seja babaca nem com ele nem com o Yoongi, quero que você cuide dos dois, pois eu sei que por mais que o Yoon hyung não demonstre, ele vai estar atordoado pela irmã, então cuide dele também sim? Me promete cuidar dos dois como se eles fossem as pessoas mais importantes na sua vida?

Assinado por:

Jeon Yoonji

Jeon Junghyun"

Teve que respirar fundo algumas vezes, sentindo as lágrimas descerem sem parar, coloca a folha sobre a mesa e desliza sobre a superfície até o mais novo, que não lhe encarava, ele segura o papel com cuidado, decidindo lhe olhar, ao mesmo tempo em que um soluço dolorido sai por entre seus lábios avermelhados de tanto morder.

Foi a vez do mais velho abaixar a cabeça, fungando enquanto tentava segurar as lágrimas, enquanto o castanho lia as palavras endereçadas a ambos, com um braço apoiado sobre a mesa e a mão sobre a boca, seu olhos estavam vermelhos e ardiam, mas ele estava conseguindo segurar bem as lágrimas.

-Babaca é você, seu idiota. - murmurou baixinho em algum momento da demorada leitura.

Ainda dava pra ouvir alguns murmúrios baixinhos, porém ilegíveis para ambos sobre a mesa, mesmo que o loiro estivesse completamente focado em entender as palavras desconexas, mas ele conseguiu entender a última frase, a frase que o faz levantar da mesa e correr pro quarto do casal, não mais conseguindo segurar o choro pesado.

- Eu prometo hyung, prometo cuidar deles.


Notas Finais


A partir do próximo capitulo, eu pretendo começar a comedia, ou a tentativa dela né, porem vai demorar um pouquinho, já que estou indo viajar, nessa segunda, vai demorar até eu voltar e não vou levar o notebook e nem pretendo pegar no celular, só quero dormir 10 dias seguidos hihihihi.
Aaaaaaah, no próximo capitulo também irá aparecer nosso pequeno Minhyun <3
Comentem ai o que acharam pro natenate, façam dele uma criança muito feliz.

De uma pessoa completamente apaixonada por yoonkook, para outros.

xoxo

Ren.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...