História Pais Ao Acaso - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Jeongguk, Jungkook, Jungkook!tops, Menção Taegi, Suga, Sugakook, Sugakookie, Sukook, Yoongi, Yoongi!bottom, Yoonkook
Visualizações 324
Palavras 2.570
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Saga, Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, eai, 'cês tão bem? Como prometido, cá estou eu.

Capítulo 9 - IX. Covarde.



- Promete não se arrepender amanhã? - a voz grossa de Taehyung chega abafada em seus ouvidos por ter sido dita em meio ao beijo que trocavam.

- Por que me arrependeria? - pergunta ofegante ao ter o lábios libertos, olhando o rosto do mais novo, que tinha os lábios inchados e avermelhados, assim como as bochechas e não duvidava nada que estava igual ou em pior estado.

- Porquê é você, você é meu chefe, pode acabar ficando estranho no trabalho... - diz, fazendo carinho na bochecha do mais velho, que fecha os olhos apreciando o gesto. - Além de você ser apaixonado pelo Jeongguk.

Os olhos gateados rapidamente se abrem, olhando de modo afiado pro mais novo. - Eu não sou apaixonado pelo Jeon.

- Okay. - ri pelo tom raivoso usado. - Você não é apaixonado pelo Jeongguk... mas transou com ele não tem nem três meses, e detalhe, você não estava bêbado.

- Eu posso ter transado com ele, mas isso não significa que eu estou apaixonado por ele, Taehyung. - suspira pesado e fecha os olhos novamente, se encostando no banco do carro. - Jeongguk foi meu grande amor épico, mas... mas eu não fui o dele, não deu certo antes e eu não vou insistir novamente em algo que me destruiu tanto um dia.

Por longos segundos o ruivo ficou em silêncio, apenas olhando o outro enquanto absorvia as palavras para si, estava claro para ele que o mais velho ainda nutria sentimentos para com o Jeon - sentimentos estes que são muito bem retribuídos -, mas também estava claro que ele não admitiria isso nem sobre tortura com medo de se machucar novamente, por um lado conseguia entender, depois de saber toda a história pelo lado do mais velho, entendia o medo dele de se entregar ao moreno e dessa vez não conseguir juntar os próprios cacos, Yoongi se fechou a todos graças aos seus relacionamentos conturbados e por mais que esteja tentando se abrir para si, o Kim não achava que ele iria conseguir enquanto tiver assuntos não resolvidos com o outro.

- Não estou pedindo para que volte com o Jeongguk, hyung... - começa com calma, pensando em cada palavra antes de dizer. - Pois eu gosto de você, eu gosto realmente de você e acho que posso estar me apaixonando, mas eu não posso me permitir me apaixonar por alguém que não possa me retribuir, entende?

- Me desculpa. - se aproxima do ruivo, começando um ósculo lento, suave e rápido. - Eu amei a noite, você me fez me sentir amado pela primeira vez em muitos anos Taehyung. Pode ter toda certeza que eu não vou me arrepender.

- Obrigado Hyung. - sorri pro mais velho, que retribui de modo  bonito e trocam mais alguns selares estalados em meio a risadinhas. - Agora acho melhor você entrar antes que ele venha aqui te puxar pelos cabelos. - brinca, acenando discretamente com a cabeça em direção a janela da casa, onde podiam ver Jeongguk os observando com uma expressão raivosa.

- Foda-se o Jeongguk. - ri, o puxando novamente para um beijo, fazendo um showzinho para o mais novo que assistia tudo da janela, o beijo tão desejoso que os dentes às vezes se esbarravam e que se estivesse mais perto, daria para ver as línguas se acariciando. - Agora eu vou entrar. - sussurra com as bocas ainda coladas e passa a língua no lábio inferior, tocando os semelhantes do ruivo. - Até amanhã Taehyung.

- Até amanhã Hyung. - diz vendo o mais velho sair do carro e dar a volta no mesmo, parando na porta do motorista e se abaixar, se apoiando na janela, o que deixa a bunda empinada, fazendo o ruivo arquear a sobrancelha por perceber a clara provocação para o Jeon que ainda olhava de modo enciumado da janela.

- Me liga gato. - o loiro brinca, com um sorriso cafajeste nos lábios.

- Com toda certeza boneca. - entra na brincadeira e passa o dedo pela boca vemelhinha antes do outro se afastar rindo e entrando em casa, mas seu sorriso morre ao ver o moreno sentado à mesa com várias garrafas de soju ao seu lado.

- Tenho certeza que isso que eu to sentindo é um dejavu, mas de certo modo ao contrário. - brinca, apenas por se sentir de bom humor. - Cadê Minhyung?

- No cercadinho. - responde e desvia o olhar para parede, virando toda a garrafa cheia de uma vez por sua garganta.

- Vai com calma ai garoto, que você não é mais tão novo e eu não sou obrigado a cuidar de pirralho bêbado. - Yoongi diz e vai até a sala, sorrindo pro sobrinho que dormia dentro da mini redinha que se montava no cercadinho, ficando tipo um berço e volta a sala de jantar pronto para mandar o outro dormir.

- Você dormiu com ele... - a voz do Jeon sai fraca e baixa, o que faz o mais velho franzir a testa até entender o que o outro disse.

- Transei, sim. - confirma, sério. - Eu disse que ia fazer isso, mas a questão é, o que você tem haver com o fato se eu transei ou não com ele? - pergunta atraindo os olhos amendoados para si, que o olha com mágoa.

Jeongguk analisa novamente o mais velho de cima para baixo, o cabelo bagunçado, a maquiagem borrada, as roupas desalinhados, as calças apertadas colocada de qualquer jeito e as botas desamarradas, sabia que o outro tinha transado com o Kim no momento que o viu, mas não entendia por que a confirmação disso doeu tanto em si.

- Não tenho nada haver com isso, você está certo. - sussurra, abaixando o olhar para garrafa vazia em suas mãos. - Mas me machuca saber disso.

- Machuca? Por que? - pergunta raivoso, odiando a si mesmo por se sentir comovido com a fragilidade do outro, e odiando o mais novo, por agir como se ainda tivesse algum tipo de direito sobre si. - Você perdeu sua chance há muitos anos Jeongguk.

- Mas eu te amo tanto Hyun...

- NÃO AMA NÃO. - grita se aproximando, sentindo os olhos arderem pela raiva que se apossa de seu corpo e aponta em direção ao mais novo, o acusando. - Você NUNCA me amou, você me usou, você mesmo disse, você era apenas um moleque virgem e mimado que se aproveitou da puta aqui, que não podia ver um pau que já queria sentar, para saciar sua curiosidade, você nunca me amou Jeongguk, você me deixou muito bem claro isso; Não me venha agora depois de tantos anos me dizer que me ama e agir como se você não tivesse me destruído completamente, você. não. tem. esse. direito. - a última frase sai de modo pausado e entre dentes, pelo fato de estar segurando o choro, após dizer o que queria se vira, querendo o conforto de sua cama para que possa se quebrar novamente em paz.

- Eu tenho um motivo para ter dito isso Min Yoongi. - grita, vendo o mais velho parar no lugar, sem se virar. - Eu tenho um ótimo motivo para isso, só... só deixa eu me explicar? Por favor.

- Motivo? Se explicar? - Não consegue segurar a risada seca e abaixa a cabeça, deixando as lágrimas saírem. - Eu não acho que exista motivos plausíveis o suficiente para que seja aceitável o fato que você me matou por dentro Jeongguk. Nada no mundo é bom o suficiente para ser usado como desculpa pelo que você fez comigo...

- Hyung... - sussurra sabendo que o outro está certo.

- Naquele dia, eu pensei que seria o melhor dia da minha vida, eu estava tão animado... quão tolo eu fui... - soluça e se abraça, ainda de costas, se permitindo o fato de que o outro não o via para chorar a vontade. - Eu te amava tanto, mas tanto, tanto... Eu aceitei fugir com você, e naquele dia eu estava decidido a te pedir em casamento. - segreda, ouvindo o ofegar surpreso do outro. - Foda-se se ele é mais novo, foda-se se somos dois homens, foda-se se é ilegal... era o que eu pensava enquanto comprei as alianças... Eu te amava a ponto de ir contra o mundo só para poder passar o resto da minha vida com você... - Se aperta mais ainda nos próprios braços ao ouvir o choro do mais novo e perceber que ele se aproximava de si. - Então não Jeongguk, não há nada que você possa fazer ou dizer para reparar o grande vazio que você deixou no meu coração.

Antes que pudesse esticar os braços e abraçar o Min, ele se afasta, pegando o sobrinho e subindo as escadas, e naquele momento, quando foi ao chão chorando enquanto se abraçava, Jeongguk entendeu que havia perdido o mais velho para sempre, e a culpa era inteiramente sua, por ser um grande covarde.


No dia seguinte Yoongi acordou cedo, bem acordou não, afinal nem tinha conseguido dormir. Rolou sobre a cama boa parte da noite chorando e depois, continuou a rolar na cama, dessa vez tentando entender como uma noite tão maravilhosa, havia terminado de modo tão desastroso; mandou uma mensagem para Taehyung dizendo que não iria trabalhar, e não se sentiu nenhum pouco culpado ao mentir que havia rolado um problema com Minhyun, recebeu um pedido de melhoras para o pequeno e agradeceu, logo largando o celular.

Ficou vários segundos, quem sabe minutos, ou talvez até horas, parado naquela mesma posição, logo ouviu o chorinho do bebê enquanto chamava pelos tios, estranhou quando, após um longo período de tempo, Jeongguk não foi o acalmar, afinal, ele nem sabia que o Min estava em casa, então por que?

O loiro acabou se levantando a contra gosto, sentindo a cabeça latejar pelas horas a fio que chorou direto, teve que ficar alguns segundos parado, esperando a tontura passar e logo vai ao quarto da criança, a pegando no colo e começando a niná-lo, enquanto pedia desculpas pela demora.


- Cadê o desgraçado do seu tio? Hein neném? - pergunta fazendo cosquinha na bariguinha do pequeno Min, tentando faze-lo rir enquanto desce as escadas em direção a cozinha.

Coloca a criança na cadeirinha dele e começa a preparar a mamadeira, enquanto tenta se refrear pela preocupação para com o mais novo, que nunca havia deixado o Min de lado em todos os seis meses juntos; deixa a mamadeira pronta em frente a criança, junto com alguns biscoitos amanteigados e enquanto ele come, já lava a louça usada para pode fazer o café do outro, em algum momento seu olhar passa pela janela e estranha, o carro do Jeon não está na vaga.

- Neném, fica aí só um minutinho, eu já volto. - diz pro Min ao passar apressado por ele, sobe as escadas correndo, parando em frente ao quarto do Jeon, batendo na porta alguma vezes, mas não tem retorno.

Morde o lábio de sentindo repentinamente muito preocupado, tenta abrir a porta e percebe-la destrancada coloca apenas a cabeça para dentro, vendo a cama arrumada e estranha mais ainda toda a situação, afinal, Jeon Jeongguk nunca arrumava a própria cama, volta ao próprio quarto, pegando o celular e tenta ligar para o mais novo, mas a chamada vai para caixa de mensagem, tenta mais duas vezes tento o mesmo resultado e decide ligar para a única pessoa que provavelmente saberá responder onde o Jeon está.

- Alô?

- Jiminie.

- Ah, Yoongi Hyung. - conseguia imaginar o mais novo sorrindo somente pela voz e acaba rindo junto. - Como está?

- Estou bem, mas eu tenho uma pergunta importante para te fazer. - diz descendo as escadas, voltando a cozinha para pegar a criança.

- Pode fazer Hyung. - conseguia perceber a repentina preocupação na voz do castanho.

- Jeongguk. Sabe onde está?

- Não sei. Mas ele esteve aqui em casa há pouco.

- Esteve? - pergunta confuso, coloca o sobrinho no chão da sala e fecha todos os cercados para ter certeza de que ele não sairia da sala. - O que ele foi fazer ai?

- Também não sei... - ri. - Mas ele estava estranho, nervoso; chegou aqui e pediu para falar em particular com meu pai, eles foram para o escritório e depois saíram os dois juntos, sem falar nada.

- Estranho... Apenas isso?

- Ele deixou o carro dele aqui na garagem e estava com uma mala bem grande e uma bolsa de viagem, acho que ele foi trabalhar fora.

- Mas ele não me falou nada. - diz nervoso e sobe, indo até o quarto do outro novamente, mas dessa vez ele entra, indo direto ao guarda-roupas, ao o abrir percebe o mesmo vazio, vai ao banheiro que também estava completamente vazio.

- Ah, aí eu já não sei Hyung...

- Jimin, você pode vir agora pegar o Minhyun e ficar com ele para mim? - pergunta ao perceber um papel sobre o travesseiro que não tinha visto antes.

- Claro, será um prazer. - diz rindo.

- Okay, até daqui a pouco, eu vou arrumar ele. - desliga o telefone ainda lendo a carta e sente se coração doer a cada palavra escrita.

Ao terminar de ler amassa a folha em sua mão e respira fundo, se impedindo de chorar, afinal já havia chorando de mais por esse mesmo assunto. Se levanta da cama macia do outro e se dirige ao quarto do pequeno Min, pega a bolsa dele e começa a colocar as roupas dele dentro, todas as roupas que encontra ele coloca na bolsa, junto das fraldas e as coisas de higiene da criança. Vai ao próprio quarto, pegando a carteira e tira algumas notas, colocando da bolsa junto do cartão enrolado em um papel com sua senha, este cartão é o da conta onde está toda sua parte da fortuna que herdou de seu pai em seu falecimento, nunca quis o dinheiro, por isso nunca o usou para nada.

Ao terminar a bolsa do pequeno, vai até ele o pegando no colo e o leva até o banheiro de seu quarto, o banhando com calma, por medo de o machucar de alguma forma, já que seus pensamentos estão longes, ao terminar, penteia os fios lisos e o veste, o deixando no andador que já havia ficado em seu quarto.

Só teve tempo de tomar um banho rápido e a campainha se faz audível por toda a casa, sabendo ser o Jimin, se veste rapidamente, pega o Minhyun e a bolsa e desce as escadas praticamente correndo, ao abrir a porta da de cara com o atual platinado.

- Pintou o cabelo. - observa, abrindo um sorriso discreto. - Está bonito.

- Obrigado. - agradece envergonhado.

- Aqui está o Minhyun e sua bolsa, dentro dela tem roupas, fraldas, os produtinhos de higiene, algumas mamadeiras e as coisas para prepara-las e umas frutas. - diz entregando ambos aos braços do mais novo que balança a cabeça concordando. - Ah, tem um dinheiro também se precisar comprar algo e o meu cartão junto da senha.

- Para que isso tudo Hyung? - pergunta rindo. - Até parece que está indo para longe e não sabe quando volta.

Com o comentário dito em tom divertido pelo menor, Yoongi, que tinha ido até a sala pegar alguns ursinhos para a criança trava no local, olhando culpado para o outro, que fica preocupado.

- Para onde você vai Hyung?

- Jimin... - diz baixinho, se aproximando com os ursos nas mãos, ao ficar de frente para o outro, olha em seus olhos antes de dizer. - Estou indo matar o Jeongguk.


Notas Finais


Até qualquer dia gente...

De uma pessoa completamente apaixonada por yoonkook, para outras...

xoxo

Ren.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...