História Pais por Acidente - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Gorillaz
Personagens 2-D, Murdoc Niccals, Noodle, Russel Hobbs
Tags 2doc, Niccalspot, Studoc
Visualizações 90
Palavras 4.798
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Capítulo meio fofo meio Lemon. Vão entender quando lerem.
Não indicado para pessoas sensíveis.
PS: Uma boa notícia que ninguém perguntou, acho que vou conseguir com uma amiga a capa da fic. É isso, estou feliz.

Capítulo 22 - Machucar


Capítulo 22

 

Entraram no quarto. As meninas imediatamente pararam o que estavam fazendo para dar atenção aos visitantes.

“Papai, olha o que a tia Noods fez!” Grace mostrava animadamente as unhas pintadas.

“Mas ficou lindo, filha...” 2D pegou gentilmente as pequenas mãos da menina. “Obrigado Noods.” Sorriu para a japonesa.

“Fiz pensando em vocês dois..” Disse ela mostrando que cada mão era de uma cor.

“Se lembra quando eu pintava suas unhas Toochi... Agora faço a das suas filhas...” Noodle aproximou-se sorrindo.

“Mas pintar as unhas não é coisa de menina...?” Lotte parou de repetir golpes por algum tempo se unindo a “mestra”.

“Claro que não, Lotte... Qualquer um pode pintar as unhas...” Grace logo retrucou certa de si.

“Eu inclusive também já pintei as minhas...” Murdoc agachou-se bagunçando os cabelos suados da menina. Algumas vezes quando estava embriagado Murdoc pedia para 2D pintar suas unhas, era um passatempo divertido, conversavam muito enquanto elas secavam, algumas vezes o cantor se aproveitava que ele estava vulnerável pela tinta fresca e abusava dele, se é que me entendem... E inclusive em uma entrevista quando indagado onde conseguiu esmaltes, 2D respondeu secamente “Murdoc”. Entendam como quiserem.

“Pai Stu deve ficar bonito, ele tem mãos grandes, maiores que as suas...” Lotte disse referindo-se ao baixista.

“Eu? Eu tenho mãos normais... Ele que tem mãos enormes...” Levantou fechando a cara cruzando os braços.

“E você nem gosta...” Stuart disse quase sem malícia alguma abraçando o depositando um beijo na têmpora. Murdoc estremeceu com a aproximação.

“Gente, estou cansada. Vou jantar e depois se não se incomodam eu queria tomar um banho e dormir...” Noodle disse por fim. Foi divertido mas ela estava exausta.

“Claro que não tia Noods, obrigado por hoje.” Grace veio gentilmente e abraçou as pernas da japonesa.

“Não sei de onde herdaram tanta educação, por que de você não foi Murdoc...” Ela riu enquanto todos saiam do quarto.

 

“Lotte, você vai tomar outro banho e trocar essas bandagens, Grace, você vai jantar e depois já pra cama...” Murdoc disse autoritário como o pai que era.

“E eu vou ficar sem janta?” Lotte disse com a cara chateada.

“Mas claro que não, só vai ter que tomar outro banho...” 2D mais gentil deu um beijo em seu nariz. “Muds eu cuido dela e você da Grace, tudo bem?” Ele acenou com a cabeça. As coisas funcionavam bem depois de descansados.

“Depois temos que conversar, D... A sós.” Seu olhar era sério, o que trouxe arrepios a alma do rapaz de cabelo azul.

 

Depois de tudo feito e as duas na cama, não pareciam muito sonolentas para quem ficou tantas horas sem dormir. No outro dia com certeza iriam acordar bem tarde. 2D devolveu o ursinho que tinha ficado no sofá com eles. Estavam ele e Murdoc sentados do lado das meninas na cama. Isso não era algo comum de acontecer, normalmente um deles dava boa noite enquanto o outro estava fazendo alguma outra coisa... Os dois juntos era algo menos comum, mas não menos especial por isso. As meninas estavam felizes de ver isso.

“Gostaram de hoje, meninas...?” Ambas sorriram abertamente.

“A tia Noods é muito legal... Ela até falou da vida dela pra gente....” Lotte sempre empolgada em contar os detalhes.

“É, ela falou da banda também...?” 2D achou interessante a abertura da irmã para as crianças

“De tudo pai... A gente que perguntou, por que a gente já falou tudo da gente... Mas não sabemos quase nada de vocês...” Grace parecia um pouco chateada com isso.

“Pais, contem uma história pra gente dormir...?” Lotte mais esperta jogou um verde esperando colher maduro.

“Claro, Chapeuzinho Vermelho ou Bela Adormecida?” 2D continuava adoravelmente cabeça-oca.

“Dents, acho que ela quer que a gente conte nossa história... Não contos de fada.” Murdoc disse com toda paciência do mundo.

“Ah sim... é isso meninas?” Ele realmente tinha um cérebro bem denso da informação chegar nele de vez em quando.

“Sim, a gente quer saber de tudo de vocês... São nossa família... E nada de esconder os detalhes...” Lotte era bem autoritária como o pai quando falava. “Todo mundo aqui teve um passado ruim... A gente, a Noods... Queremos saber o de vocês.”

2D coçou atrás da cabeça... Murdoc encarou o teto com a mão no queixo pensando em como começar. Os olhos desiguais das meninas brilharam.

“Não vamos dormir até vocês terminarem.” Grace afirmou com certeza cruzando os bracinhos.

“Vocês querem a verdade coberta de açúcar....? Ou a verdade?” 2D ainda queria dissuadi-las daquela ideia.

“A coberta de ácido por favor...” Lotte as vezes assustava com o linguajar, devia ter ouvido isso de Murdoc.

“A muitos anos atrás, eu era pequeno como vocês.... Devem saber que eu não tive uma infância muito fácil, expliquei pra vocês quando chegamos hoje mais cedo... Então sai de casa e acabei... Me envolvendo com coisas erradas quando tinha 12 anos, Stuart estava nascendo nessa época, temos uma certa diferença de idade...” Murdoc começou incerto.

“Sim, eu tive uma infância normal, cheio de cuidados por que era filho único... Quando tinha 11 anos eu cai de uma árvore... Que nem aquele dia que fomos no parque, costumo cair muito, vocês sabem. Eu bati a cabeça, e depois disso meu cabelo começou a nascer azul.... Não sabemos por que, nem eu nem meus pais... Inclusive minha mãe é enfermeira e meu pai mecânico... Eu e seu pai nascemos na Inglaterra.”

“Isso explica por que você é tão....” 2D franziu o cenho. “Inteligente...” Grace mediu as palavras sabendo da falta de capacidade cognitiva de Stuart e a cara de poucos amigos que ele fez. Murdoc riu, até ela notou.

“E que cor seu cabelo tinha antes, e seus olhos...?” Lotte já recomeçou a metralhadora de perguntas.

“Castanhos e os olhos azuis... Até onde consigo me lembrar...” 2D fazia um tremendo esforço para se lembrar de tudo e não deixar as meninas sem alguma informação.

“Os olhos pelo menos eu cheguei a ver inteiros...” Murdoc comentou.

“Como você e pai Stu se conheceram...?” Lotte já jogou a pergunta que era mais difícil de responder do que “De onde vem os bebês?”

“Bem eu...” Elas queriam a verdade e iam ter. “Eu atropelei ele.... Stuart já deve ter contado do acidente pra vocês duas não é...?” As duas assentiram “Eu quem provoquei ele. Entrei de ré na loja de instrumentos musicais que ele trabalhava, para facilitar a fuga. Íamos roubar algumas coisas para eu começar minha própria banda... Mas o rosto dele meio que ficou no caminho.” As meninas estavam horrorizadas e 2D sem graça “Bem o para-choque acertou diretamente 2D deixando imediatamente ele em coma... E fazendo um dos olhos ficarem pretos como eles são agora...”

“Mas você enxerga né pai Stu...?” Lotte parecia preocupada.

“Enxergo sim, filha, apenas algumas cores são menos vivas que outras e quando estou no meio de uma concussão não consigo ver as coisas corretamente...”

“O que é uma conclusão...?” Grace ficou confusa.

“É concussão, pequena.” Murdoc explicou “Seu pai depois do acidente passou a ter dores de cabeça muito fortes, que são essas concussões, por isso que ele toma tantos remédios quanto vocês me veem dando para ele....”

“Quando eu era pequeno minha mãe cuidava disso pra mim, por que ela é enfermeira, agora é o Muds que toma conta pra eu não tomar demais...” Riu amigavelmente para o namorado. Como isso já aconteceu algumas vezes o mais velho teve que assumir para evitar uma intoxicação.

“Mas continuando... Falando em olhos eu já tive da cor que são os seus, cada um de uma... Depois voltei a ter os dois pretos, de uma hora para outra.” As meninas se entreolharam. “Ele teve essa fratura em um dos olhos, o nome é hifema... E entrou em coma. Nisso eu fui sentenciado a cuidar dele em estado vegetativo...”

“E foi difícil, pai? Você cuidava deles que nem cuida da gente?”

“Nem tanto, ele era bem... comportado já que não podia falar nem se mexer...” Riu dando um soco leve em seu braço.

“Para com isso que você já disse que gostava de cuidar de mim Muds...” O baixista ficou vermelho.

“É... gostava sim. Mas depois do segundo acidente ele acordou... Ai já comecei a desgostar.” 2D tinha um bico irritado. “Comecei a me apaixonar.” Agora ele estava vermelho da cor de um dos olhos desiguais das meninas, Grace achou fofo. “Ele voou do para-brisa do carro quando eu fazia uma manobra... Aterrissou com a cara no meio fio e bum, acordou. Com o outro olho igual ao primeiro.”

“Meu Deus pai, e não doeu?” Grace preocupou-se.

“Não me lembro de nada... Esse período da minha vida eu esqueci...” Ele realmente procurou esquecer depois de tudo.

                “E quando o Gorillaz começou..?” Lotte voltou ao assunto.

                “Foi logo depois disso, filha... Quando vi seu pai acordando tive certeza que aquele ali tinha que ser o vocal principal da banda...” Grace olhou os dois pais...

                “Claro, por que sua voz parece um garfo sendo passado num prato de vidro... Por isso eu que canto meninas...” 2D sorriu e Murdoc ficou puto. Mesmo assim ele sabia que aquilo era verdade.

                “Vocês se conheceram de um jeito bem...” Os dois olharam curiosos “Engraçado.”

                “Noods contou o que aconteceu nas duas primeiras fases da banda... Até do incêndio do Kong Studios... e que ela fez um álbum...”

                “Bem se eu não tivesse preso com certeza teria feito um álbum muito melhor do que o dela...” Murdoc disse orgulhoso.

                “Mas ele não fez e o incêndio quem provocou foi ele também.” As meninas olharam o acusando.

                “Tive meus motivos 2D.” Rolou os olhos.

                “A fase três que ela disse que.... tinha sumido.... E que depois voltou, o que aconteceu com vocês dois...?” Lotte sempre queria saber de tudo até do que não devia.

                Murdoc limpou a garganta. “Logo após conseguir o dinheiro do seguro do “incêndio” do Kong... eu estava procurando um novo lugar para poder gravar o outro álbum, e encontrei uma ilha feita totalmente de lixo no meio do pacífico... Era o lugar perfeito” Ele tinha um brilho diferente nos olhos... 2D o olhava com descrença, tantos anos e o ego dele ainda parecia que os empurrava pra fora da cama de tão grande. Rolou os olhos.

                “Então eu tive que tentar... reunir a banda... Russ tinha desaparecido depois do último álbum e houve o acidente com a Noodle, então sobrou apenas 2D e ele não... estava muito afim de gravar nenhum material novo.... Então usando meus incríveis poderes de negociação... eu”

                “Ele me sequestrou, crianças... assim como o irmão dele fez com vocês...” As duas franziram a testa olhando para o baixista.

                “Assim você me deixa ofendido, amorzinho, eu fui muito gentil com você...” 2D bufou.

                “Bem, quando eu dei por mim estava naquela ilha... preso e sendo vigiado por uma baleia” 2D fez uma careta de puro horror e seus olhos se tornaram brancos.

                “Por que tudo isso pai Stu... o que tem ser uma baleia...?”

                “Eu tenho horror de baleias, elas são enormes,... assustadoras...” Lotte tinha uma cara de interrogação. Como ele assistia aqueles filmes de zumbis comedores de cérebro e não se assustava? Balançou a cabeça em negação afastando esses pensamentos.

                “E eu sabia disso, então.... pedi gentilmente para que ele gravasse Plastic Beach comigo... Ficamos lá até o término do álbum...” Os olhos de Stuart voltaram ao normal.

                “Pedi gentilmente?” você não sabe ser gentil nem se a gentileza te desse um soco na cara... Ele me obrigou, mas o álbum foi um sucesso...”

                “Se ela é a gentileza não me daria um soco na cara, 2D...” As meninas riram dos dois brigando que nem cão e gato. “Pra me ajudar eu construí uma cyborg que era igual a Noods para tocar guitarra, e substitui Russ por batidas eletrônicas. Deu muito mais trabalho mas não sabia onde eles estavam” Deu de ombros como se isso fosse uma coisa aceitável de se fazer.

                “Eu estava arrasado pensando que Noods tinha morrido... Foi uma das piores épocas da minha vida...” 2D tinha a feição triste e melancólica... “Mas foi nessa fase que o homem verde rabugento ai assumiu que gostava de mim... Que me amava.” Murdoc corou violentamente, 2D sorriu vitorioso.

                “É... foi a primeira vez que a gente ficou junto.. E estamos desde ai, já fazem oito anos.” Murdoc esclareceu para aqueles dois pares de olhos que não paravam de encara-los.

                “Mas isso quer dizer... Como a gente tem só seis... e vocês estão juntos a mais que isso...?” Lotte logo percebeu a falha nessa contagem.

                “Eu conto ou você conta Murdoc...?” 2D suspirou tendo que ser honesto com as filhas.

                “Eu... faço isso.” A culpa era dele... 2D olhou para outro canto da sala, visivelmente magoado. Isso era algo que ele queria esquecer e as meninas em sua vida faziam muito bem esse papel todos os dias. “Eu me desentendi com o pai de vocês uma vez... E ai vocês nasceram...”

                “Tia Noods disse que você ficou com a ex namorada do pai Stu ... Ela traiu ele, e era nossa mãe.” Agora foi a vez de Grace se pronunciar.

                “A gente estava esperando vocês ficarem mais velhas para contar... Eu trai o 2D aquele dia...” Os dois agora olhavam para lados diferentes do quarto.

                “Ei vocês...” os dois olharam para Lotte. “O que aconteceu, aconteceu... Não dá mais pra mudar... Obrigada por serem sinceros com a gente.... E mais... por cuidarem da gente...” Ela pegou a mão de 2D “Você.... desde que eu te vi.... sabia que você não podia ser meu pai... Não tem nada a ver comigo, ou com a Grace... mas eu sabia, sabia que você não ia desistir da gente...”

                “Lotte tem razão... A gente só tem que dizer obrigado. E a gente quer ver vocês juntos... Mesmo que seja brigando... O que vocês fazem todo dia.... A última vez foi por causa de um pedaço de torta....” Ela pegou a mão de Murdoc “Vocês são incríveis juntos.” E sorriram.

                “Ainda tem mais história?” Lotte sorriu animada. Os pais se entreolharam vermelhos depois dos agradecimentos.

                “Acho que não... Depois disso veio mais dois álbuns muitos anos mais tarde e vocês.. Que bagunçaram muito nossas vidas...” 2D sorriu.

                “É, ai no meio eu fui preso... E bem houve tudo o que aconteceu até hoje.” Murdoc completou.

                “Obrigada por contarem tudo pra gente...” Grace sempre gentil já se preparava pra dormir. “Vocês são os melhores pais do mundo todo.”

                “Eu diria os mais doidos, Grace...” Lotte riu também se preparando para ir dormir.

                “Normal nunca foi nosso forte. Boa noite, meninas.” 2D disse apagando a luz e saindo do quarto junto com Murdoc.

                “Da próxima vez a gente conta uma história diferente, tipo Cinderella...” Murdoc disse antes de sair.

                “Mas essa a gente já conhece... e a nossa vida também é um conto de fadas...” Grace disse fechando os olhos.

 

                2D e Murdoc estavam de olhos bem abertos já que tinham dormido o dia inteiro. Perceberam que as meninas foram dormir eram apenas 20:30 da noite. Murdoc percebeu que esse era o momento certo para falar com 2D sobre o que aconteceu anteriormente. Entrou no quarto sem muitas cerimônias e trancou a porta.

                “O que queria falar comigo Muds...?” o cérebro do cantor excepcionalmente estava funcionando bem hoje. Ele estava sentado no chão bebendo um vinho, não era de seu feitio mas abriu uma exceção aquela noite. Seu braço ainda doía e ele queria esquecer desse detalhe.

                “Eu conversei com as meninas enquanto cuidava delas quando chegaram D... E bem, temos alguns assuntos de família que talvez te interessem.” Murdoc sentou se na cama do lado dele e acariciou os fios azuis. “Elas querem conhecer os avós.” 2D quase deixou a garrafa cair se engasgando.

                “Muds nem eu mais sei se conheço meus pais...” Limpou a boca com o dorso da mão livre “Faz quase vinte anos que não tenho contato com eles...” Tirou a tipoia do braço deixando apenas o curativo que Noodle fez. Tinha mais mobilidade assim.

                “Eu sei eu sei... Eu falei isso pra elas, mas ficariam muito felizes de conhecer seus pais... Pra elas avós por que na verdade de sangue são apenas minhas filhas...” Ele pegou a garrafa da mão do cantor dando um longo gole... “Mesmo assim avisei que se você não quisesse ou não conseguisse elas teriam de entender..” Deu de ombros.

                “Bem, se é por elas Muds... eu posso fazer esse esforço. Se quiser eu ligo agora mesmo...” Disse já querendo sacar o celular.

                “De jeito nenhum seu idiota, está tarde da noite e você bebeu... Sabe que não vai ser uma coisa simples de se dizer... Eles nem acordados devem estar.” Murdoc já cortou a ideia de jerico.

                “É, eles não devem saber nem de mim e você... só se tiverem instagram o que eu duvido demais... “ riu sozinho. “Vamos ter que fazer isso por partes, tem certeza que é o que quer...?” Murdoc deu outro gole fazendo que sim com a cabeça enquanto isso.

                “São meus sogros...” Riu lembrando-se do ódio dos dois no dia do julgamento. “As pessoas mudam, eu mudei também não foi...” Stuart concordou, tomando um gole para si. “Quem sabe agora seja mais fácil de falar com os dois sobre esses assuntos?” Murdoc deu de ombros. “E da sua parte, Muds?”

                O baixista ficou com o semblante nervoso. “Você já sabe não é? Tem uma chance de minha mãe estar viva... E adivinha, disse isso pra elas e querem conhecer a outra avó também...”

                “Você e sua língua grande Muds... deveria usa-la apenas nas ocasiões certas..” Riu com o rosto ficando vermelho pelo álcool e juntamente sua própria ficando mais solta. “O que vai fazer...?”

                “Eu ainda não sei... Acho melhor procurarmos seus pais primeiro que pelo menos temos alguma informação... Depois eu penso sobre o que fazer sobre ela...” O último gole para secar a garrafa foi de Murdoc, deixando ela cair no chão tilintando...

                “Fechado. Faço isso amanhã...” Stuart levantou-se do chão cambaleante apoiando-se no armário. “Agora estou tonto demais pra isso...” E soluçou exageradamente alto colocando as duas mãos sobre a boca. Murdoc começou a rir muito do soluço do cantor. Logo os dois estavam morrendo de rir e nem sabiam mais por que. Alegres bêbados, ou ao menos Stuart que era mais fraco pra bebida, Murdoc achava graça do tanto que ele estava torto com tão pouco.. 2D Foi dar o primeiro passo em direção ao banheiro mas se desequilibrou, caindo sentado sobre o colo do baixista.

                Os dois imediatamente pararam de rir, encarando-se vermelhos e com o rosto formigando de quente pelo álcool. Arfavam pela proximidade dos corpos.

                “Você é fraco demais quando bebe...” Murdoc passou a ponta dos dedos sobre o rosto do cantor.

                “Eu sou fraco demais quando estou perto de você...” 2D apoiou a mão sobre o peito do mais velho... “Sinto sua falta...” Admitiu fechando os olhos enquanto o baixista movia sua mão do rosto para a nuca... 2D aproveitando o toque já que o álcool o deixava mais sensível ao contato físico. Do peito as mãos de 2D foram em direção aos ombros de Murdoc, gentilmente apertando-os.

                “Eu te amo... sabia... ? Amo você mais do que minha própria vida...” Beber deixava a língua do cantor bem solta... “Você nem precisa se perguntar... A resposta sempre vai ser sim....” Sorria como um bobo apaixonado fazendo carinho nos ombros do baixista. Murdoc estava muito feliz com o que ouvia...

                “Você fala demais quando bebe também...” Murdoc sorria de volta, um sorriso mais luxurioso e lascivo.

                “Poxa só sabe reclamar de mim hein?” Seu rosto passou de apaixonado para irritado.

                “Não estou reclamando Stuart...” Disse perigosamente perto de sua orelha, passando a língua por ela “Estou dizendo que deveria agir também...” Segurou firmemente a cintura de seu cantor deitando-o na cama. Stuart via tudo girando e ria abobalhado. Quando percebeu o baixista habilmente descer até sua cintura e abrir o botão de sua calça decidiu que dessa vez ele faria diferente.

                Numa força ébria sobre-humana, jogou-se por cima de Murdoc o colocando sentado de costas para a parede que ficava atrás da cama. Riu ainda mais debilmente vendo o rosto surpreso do baixista.

                “Na-na-nam... hoje é minha vez... hic ... quem mandou você me deixar beber?” Fazia lentamente de um lado para o outro com o dedo... 2D tirou a camisa própria e a jogou no chão junto com o resto da vergonha que tinha.

                “Maravilhoso...” Murdoc falou baixinho ao ver seu cantor semi nu. Ele era encantado com o corpo de 2D. Não era para ele ter ouvido mas ele ouviu.

                “Maravilhoso é...?” Murdoc sorriu se endireitando na cama retirando a própria camisa no ato. “Maravilhoso é como eu vou ficar com você gemendo meu nome...” Colocou a mão novamente sobre o pescoço de Murdoc como ele havia feito anteriormente pronto para sufoca-lo “Quando eu tiver dentro de você...”

                Murdoc já sentindo dor com a ereção dentro das calças decidiu aproveitar a ousadia do namorado e entrar no jogo dele. Queria ver até onde ia. Talvez nem se lembrasse disso na manhã seguinte. Passou a língua sobre os dentes. “Tenta. Eu te desafio.”

                “Desafia ao que...? Quero ouvir” Ele soltou a mão pronta para ser fechada no pescoço do mais velho. “Desafio a me fazer querer ser passivo.”

                Stuart soltou mais uma gargalhada. “Você fala demais Murdoc...”.

                Com uma habilidade não característica Stuart abriu a calça do baixista e puxou-a junto com a roupa de baixo até os tornozelos. Começou um oral memorável... Sua falta de dentes fazia maravilhas ali... Olhava diretamente para Murdoc da melhor maneira que conseguia, engasgando-se com o seu que não era um dos menores.

                “Porra Stuart... Assim eu vou...” Imediatamente o cantor parou o que estava fazendo, o soltando num sonoro “pop” deixando próximo demais de gozar e insatisfeito. Levantou-se, tirando o resto de sua própria roupa na frente de Murdoc... Ele ria sem pudor algum, até quase caindo, enquanto o namorado se tocava apreciando o que tinha em sua frente. Logo estavam ambos nus.

                Stuart o empurrou fazendo o deitar na cama sentando sobre si roçando as ereções sem sentar-se nela como o baixista pensou que ele fosse fazer. 2D agarrava ambos os membros e num passo extremamente lento e torturante ia para cima e para baixo num vai e vem gostoso. Enquanto isso com sua mão livre agarrava os cabelos do baixista com rispidez e o beijava violentamente... abafando qualquer gemidi que ele pudesse emitir.

                “Quer... ahh... que suas filhas saibam o que estou fazendo com você aqui...?” Ele fazia que não com a cabeça, já com os olhos para dentro do crânio de prazer “Então cala a boca...” Desceu com os beijos para seu pescoço, se esforçando ao máximo para deixa-lo com chupões, com o formato de marca estranho que ficava pela sua ausência de dentes.

                “Gosto de marcar o que é meu...” Murdoc estava tão extasiado que nem pensava mais corretamente, só queria mais daquilo ali. Stuart sendo dominante o excitava de uma maneira que não pensava que pudesse acontecer.

                “Me... fode...” As palavras escaparam de sua boca que 2D não acreditou. Não sabia se era o álcool ou o prazer que o namorado proporcionava.

                “Você tem certeza do que está pedindo...?” Murdoc o agarrou pelos cabelos da nuca o forçando a encara-lo e a parar de masturbar os dois.

                “Não vou dizer duas vezes.” Stuart riu com um soluço no final, levantando dois dedos e pousando-os sobre seu lábio inferior.

                “Então seja bonzinho Muds e chupa.” Os dedos de 2D eram tão compridos que quase encontravam o final da garganta de Murdoc. Fez seu melhor para lubrifica-los bem. O baixista voltou a deitar...

                “Com quantos caras já fez isso Muds...?” Stuart perguntou despretensiosamente voltando a beijá-lo e tocar seu pênis.

                “Ne...nhum...” Gemeu ao sentir um dos dedos de Stuart dentro de si. Enquanto isso seu pênis latejou ao saber que era o primeiro. Era algo novo e surpreendentemente bom, mas queria mais.

                “Stuart... Quero que me machuque...” Agora quem não entendeu foi o cérebro nublado do cantor... A respeito do sadomasoquismo de Murdoc ele já estava ciente... Mas essa era nova. Sorriu, tinha ganhado o desafio.

                “Você não sabe o quanto esperei por isso.” Levantou-se pegando o lubrificante e passando uma generosa quantidade tanto em si quanto no amante. Até mais do que quando ele estava no lugar do satanista. Sua mente insistia em pedir desculpa todas as vezes que achava que estava machucando Murdoc.

                “Sem dedos.. Anda Stuart.. Eu quero você...” Apesar de estar “por baixo” ele não deixava de ser dominante mesmo assim. Stuart se posicionou como foi ordenado. Forçou um pouco ouvindo Murdoc gemer obscenidades baixinho e morder o lábio inferior agarrando se a roupa de cama. Abaixou-se envolvendo o num abraço, beijava-o e não deixava de masturba-lo para o fazer esquecer da dor. Mas a dor era o que ele mais almejava.

                Quando conseguiu estar totalmente dentro dele soltou um gemido vitorioso... perto da dobra do pescoço do baixista. Esperou um pouco para se mexer até que foi tirado de seus pensamentos abruptamente.

                “Está esperando o que...? Anda, se mexe... Eu mandei você me foder e não ficar parado...” Além de por baixo ele também sabia implorar... Stuart sorriu vendo que estava sendo encarado por dois olhos negros cheios de... paixão.

                “Se quiser, vai ter que implorar...” Stuart moveu-se mais profundamente sentindo que tinha acertado a próstata do mais velho, do tanto que obscenamente suas pernas encontravam-se abertas e 2D no meio delas. Murdoc grunhiu, por um instante se arrependendo de ter dado essa oportunidade para o cantor.

                “Por favor... me fode... me faz seu... me faz gozar... goza em mim....” Ele nunca passou por esse tipo de humilhação, mas também não por esse tanto de prazer. Era sua primeira vez e com o homem que amava. Isso mudava tudo, e as unhas querendo entrar na pele das costas de 2D diziam muito. “Por favor... Me machuque...”

                Isso foi o suficiente para encorajar 2D a começar a estoca-lo sem nenhuma gentileza. Murdoc era assim... Desde que Stuart notou o poder que poderia ter sobre ele no dia que ele chegou de volta da prisão, decidiu usar isso a seu favor. E garantia prazer para os dois... Conhecer outras sensações... Como a que tiveram aquela noite. Após ambos terem alcançado o orgasmo, Murdoc sem nem precisar ser tocado para isso, deitaram-se lado a lado arfando cansados mas profundamente satisfeitos.

“Eu te amo tanto que às vezes eu quero quebrar você em pedaços...” Murdoc se pronunciou abraçando o cantor. "Assim eu poderia consertar você de volta e fazer de novo." 2D não sabia se tinha medo ou se sentir lisonjeado pelo “romantismo” torto do namorado. Decidiu permanecer em silêncio do que agradecer.

“Não conhecia esse seu lado Muds..." Desconversou. "Fico feliz que eu tenha sido seu primeiro...” Ele deitou-se mais perto do baixista se aninhando em seu colo

“Sabe 2D...” Murdoc decidiu acender um cigarro agora que eles estavam sozinhos. “Tem uma coisa que talvez eu não tenha comentado sobre mim... Sobre o tempo que passei na prisão...” Stuart atentou-se para ouvir, fazendo carinho no peito nú do baixista. "Se lembra quando você me viu quando foi contar das meninas para mim? Eu estava machucado... Só que outra coisa aconteceu quando eu apanhei...” Murdoc deu uma longa tragada como se quisesse assoprar a confissão para longe. “Eu ... eu fiquei duro." A confissão fez suas bochechas queimarem com vergonha. "Quando ele estava me batendo ... eu senti como se estivesse recebendo algo que eu merecia ... e me senti ..." Ele estremeceu. "Eu percebi, quando estou com raiva, eu quero me machucar, mas você sempre esteve tão perto e você é tão belo ... Acabou virando alvo." Ele rangeu os dentes. "Eu sou um desastre ... desculpe, Stuart." O cantor ouvia a tudo atentamente. O tom de voz empregado era o de arrependimento

“Bem... Se você quiser resolver seu... problema, na cama... Por mim tudo bem. Mas eu mantenho o que eu disse aquele dia, não quero que você me bata... Agora eu aprendi a revidar e não quero mais isso entre a gente.... e nem que as meninas vejam a gente se agredindo.” Ele se lembrava que Murdoc ficou animado depois de ter levado um de direita dele. “Só não se envolva em mais brigas por ai... Você tem que ficar duro comigo...” Riu baixinho virando o rosto para encarar o do mais velho “Por mais que eu não goste de te machucar, eu posso fazer isso se for pra você se sentir bem, se você achar que merece. Você até pode ser um desastre, mas seja o meu desastre.” Beijou o queixo dele. “Se eu te perdoei não tem mais razões para você não perdoar a si mesmo.” Foram as últimas palavras ditas e ouvidas aquela noite.


Notas Finais


Encontrei lendo por ai uma frase que tirei e coloquei aqui, é exatamente como se sinto quando escrevo sobre esses dois.
“Stuart era lindo enquanto rasgava a alma machucada de Murdoc em pedaços. Ele sempre era o anjo que envolvia o odioso demônio em suas asas quebradas e encontrava amor em seu pecado.”
Tradução livre não é plágio. Só queria compartilhar mesmo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...