História Pais por Acidente - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Gorillaz
Personagens 2-D, Murdoc Niccals, Noodle, Russel Hobbs
Tags 2doc, Niccalspot, Studoc
Visualizações 102
Palavras 4.028
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Em homenagem aos meus leitores da madrugada,um capítulo saindo numa hora menos comum.
Boa leitura.

Capítulo 23 - Pais


Capítulo 23

 

Na manhã seguinte os dois estavam moídos. Nem pareciam que tinham descansado alguma coisa. Murdoc acordou primeiro, já que sua tolerância para o álcool depois de muito tempo de bebedeiras era ligeiramente maior do que a do mais novo. Levantou-se sem acorda-lo e foi tateando até o banheiro.

“Acordado tão cedo Muds...?” Uma voz preguiçosa veio debaixo das cobertas da cama e um tudo de cabelo azul de mexeu atrapalhando-o quando estava na metade do caminho.

“Uma dor estranha nos quartos me acordou...” 2D riu tirando as cobertas de cima de si. “Sabe alguma coisa sobre isso Dents...?” Provocou cruzando os braços.

“Está ficando velho...? Ou será outra coisa?” Virou-se sentindo a cabeça latejar, tentando rir mas não conseguindo. “Pega pra mim meus remédios Muds, ou não vou dar conta de levantar daqui...” Gemeu de dor baixinho.

“Velhice pode até ser...” Coçou atrás da cabeça indo até a primeira gaveta e pegando as pílulas controladas do namorado. “Mas eu lembro muito bem do que aconteceu ontem, diferente de você eu não fico bêbado tão fácil...” Abriu as cortinas de supetão fazendo o cantor grunhir pela claridade que invadia seus olhos sem escleras. “Não consigo ler se esse é o frasco certo D, precisava da luz...” Cutucou novamente o amontoado de cobertas. “Anda toma aqui ou vai se arrepender depois...”

2D com alguma dificuldade tomou os remédios no seco, já estava acostumado a fazer isso depois de tantos anos... “Agora além de velho também está ficando cego..?” Riu sentando-se na cama e piscando os olhos para que se ajustassem a luz do novo dia.

“Bom dia pra você também...” 2D disse brincando e deu um beijo na bochecha do mais velho. “Poderíamos repetir o que aconteceu ontem mais vezes não é...?”

“O que é isso?” Fingiu confusão.

“Afeição.” 2D disse franzindo as sobrancelhas.

“Desagradável.” Murdoc colocou a língua para fora como se realmente se incomodasse, 2D ficou um tempo processando.

“Faz de novo.” E sorriu abraçando o cantor, ganhando uma série de beijos carinhosos pelo rosto entre risadas. Ele era completamente apaixonado por aquele velho rabugento. “Poderíamos sim, quem sabe quando você não tiver bebido... E eu estiver de bom humor... Você se saiu muito bem pra quem tinha bebido...” Murdoc colocou a mão sobre a base da coluna fingindo um incômodo grande.

“Bom humor? Eu vi você implorar aqui por mim Murdoc... Nunca me senti tão capaz...” 2D ficou vermelho e abriu um sorriso abobalhado lembrando-se. Vê-lo feliz daquele jeito só com o fato de ter dado um pouco de poder... Não tinha preço.

“Não se acostuma não D... Você mesmo disse que me pertence... Então tenho que fazê-lo meu mais vezes pra você não se esquecer disso...” Puxou a coberta com estupidez. “Anda, você precisa tomar água pra ressaca abaixar e tem duas pequenas lá fora que não vão entender nada de por que você está assim.” Colocou a própria calça e jogou uma em direção do cantor.

2D engoliu um grito com o ato do baixista. Fechou a cara com raiva da ousadia e do frio, enquanto Murdoc ia em direção ao banheiro melhorar a própria cara. 2D colocou com nenhuma dificuldade sua calça, normalmente era difícil quando ele era o passivo, mas estranhamente pela primeira vez não acordou com dor, a não ser a lancinante na cabeça. “Melhor você não andar engraçado do jeito que está andando ou quem vai ter que se explicar pra elas vai ser você Murdoc.” Riu se referindo ao fato que ele andava com as pernas abertas e jogou um travesseiro em sua cabeça, rindo com o resultado, sua franja foi pra todas as direções.

Murdoc virou-se irritado com os dentes e punhos cerrados e 2D se arrependeu da ação anterior amargamente. “Hey Muds eu não fiz por mal, desculpa...” E já ia começar seu discurso pedindo perdão com a voz mais lamentosa que podia fazer. Rapidamente o baixista veio pra cima dele que no reflexo colocou ambas as mãos sobre a cabeça para se defender. “Movimento errado Dents...” Suas mãos se abaixaram fazendo cócegas no tronco do mais novo.

“Ai Deus para Muds... ahahahah... cara assim não... hahahah... você sabe que morro de cócegas... SOCORRO” Estavam os dois sobre a cama só com a parte de baixo da roupa.

As meninas ouviram os pedidos de socorro do pai e entraram para ver o que estava acontecendo, bateram antes mas ninguém atendeu e ficaram preocupadas.

“Bom... dia...?” Lotte disse fazendo uma cara de interrogação assim que a porta bateu na parede tirando os dois do transe.

“Bom... dia... filhas....” 2D tentava recuperar o fôlego que perdeu na “briga”. Empurrou Murdoc de cima de si que ainda ria.

“Que que está acontecendo?” Grace veio abraçar os dois junto com a irmã.

“Nada... O Stuart foi malcriado e eu estava castigando ele...” Deu um peteleco no nariz normal dele.

“Ai...” Colocou as duas mãos sobre o rosto vermelho e suado das cócegas...

“Por que será que parece que ele está gostando...?” Charlotte mais esperta perguntou colocando a mão sobre o queixo desnecessariamente. 2D ficou ainda mais vermelho de raiva e de vergonha.

“Vocês todos estão de motim contra mim” Gritou visivelmente irritado. Isso rendeu um beijo em cada bochecha de cada filha e um do namorado na testa. Três sorrisos muito parecidos entre si direcionados para ele.

“Ah eu amo vocês, gente...” Stuart as vezes assumia o lugar das crianças da casa. Ele foi na frente com Grace e Murdoc ficou com Lotte. Quando percebeu que os dois estavam longe o suficiente agachou-se ficando na altura da menina.

“Estou vendo que a noite de vocês foi legal, papai Muds..” Ela sorriu maldosamente para o pai.

“Lotte, por que toda vez você sempre faz esses comentários sobre a gente...?” Ele tinha um tom acusador.

“Por que... eu sei que você e pai Stu são namorados... Minha mãe também aparecia com essas mesmas marcar e humor de manhã quando tinha algum namorado com ela... Isso antes de conhecer seu irmão... Então eu sei que isso não são machucados. São coisas que namorados fazem...”

“Você é muito nova pra entender muitas coisas, minha filha... Mas mesmo assim entende. Eu tenho orgulho de você ser tão inteligente. E as vezes medo.” Disse arrumando os cabelos bagunçados da menina.

“Puxei você... Eu acho..” Ele se levantou e ela pegou sua mão com a sua muito menor. “Mas se eu fosse filha do pai Stu eu seria bem diferente, não é...?” Murdoc concordou. Realmente elas seriam, e talvez as coisas fossem mais fáceis por essa razão. Mas ser mais fácil não é necessariamente sinônimo de ser melhor.

 

Todos tomaram café e conversaram. Teriam mais shows em breve e precisavam se decidir de como seria dessa vez, já que as meninas terminantemente não ficariam mais em casa, mas juntas aos olhos de todos.

“Acho que no próximo show podemos levar vocês duas... Vocês gostariam?” Murdoc pronunciou-se com todos à mesa.

“Claro que sim... a gente promete que se comporta.” Grace nem a irmã tinham visto nenhum show ao vivo, só pela tv ou em vídeos... O máximo que já haviam presenciado foi o pocket show que fizeram no estúdio só pra elas.

Decidiram a respeito disso e do fato que elas começariam a estudar em casa a partir do ano seguinte. Já tinham perdido esse ano por conta do ocorrido.

 

Na hora do almoço Noodle e Russel decidiram levar as meninas para comer fora. Murdoc e 2D estavam mortos demais para conseguir sair no sol que fazia.

“Toochi, eu vou sair com as meninas e o Russ... Queria muito que elas se aproximassem do tio. Ele é o único bem mais distante das duas, até o Ace era mais próximo.” Ela tinha uma feição entristecida no rosto.

“Pode ir, eu e Muds temos algumas coisas de família para resolver... As meninas querem conhecer os avós, sim essa é a novidade do momento.” Os dois estavam conversando na sala enquanto Murdoc e as meninas estavam na sala alheios ao que estava acontecendo. “Tanto meus pais quanto a mãe dele... Vou tentar contato com eles agora enquanto vocês estão fora...Já esperamos uma resposta bem... negativa, e não quero que elas estejam aqui pra ouvir, podem ficar magoadas.”

“Então casou.  Voltamos mais tarde para ver vocês então...” Os quatro saíram deixando o casal a sós. 2D já estava sentindo as pernas fraquejando. Ele só queria virar gelatina e escorrer pelo ralo fugindo daquilo ali. Seus pais... Será que estariam vivos? Se mudaram? Aceitariam falar com o filho...?

“Muds...” Murdoc assustou-se com a feição desesperada que o cantor esboçava.

“Parece que viu um fantasma D... O que foi?” Endireitou-se no sofá numa posição mais ereta.

“Eu... vou tentar ligar pros meus pais agora. O quanto antes eu fizer isso melhor... E agora estou com coragem para isso.” Ele sentou-se do lado do namorado com o telefone em mãos “Agora é torcer para que me atendam...”

Murdoc nada falou, apenas segurou a mão dele entre as suas, com um sorriso confiante no rosto. 2D discou o número antigo com os dedos trêmulos. Chamou, chamou... Quando ele estava prestes a desistir, atendeu.

“Alô, quem é?” Reconheceu imediatamente a voz da mãe do outro lado da linha... Bem mais envelhecida mas com certeza era ela. Colocou no viva voz para que o namorado também pudesse ouvir. Murdoc apertou sua mão não desviando o olhar um instante. Colocou a TV no mudo para facilitar.

“Ello mãe... é o 2... Stuart.” Ali tinha que usar seu nome de batismo. Para ela ele não era famoso.

“Filho? É você mesmo...? Nossa a quanto tempo... Nunca mais tivemos notícias suas...” Ela parecia agradecida e feliz pela ligação.

“Eu sei mãe... Andei trabalhando muito os últimos anos... Mas não esqueci de você e do papai.... Espero que não estejam bravos comigo.” 2D acalmou-a.

“Não, não estamos. Na verdade seu pai está meio doente, mas não é nada demais... Sabemos que está ocupado com sua própria vida. Como vão as coisas...? Você deve estar me ligando para dar uma notícia importante depois de tantos anos de silêncio não é..?” Ela parecia animada. Murdoc alegrou-se ao ver que ela tinha o mesmo gênio gentil do cantor. 2D sentiu o coração apertar ao saber que a saúde do pai não ia bem.

“Estão bem... Eu...” Engoliu em seco “Estou namorando... Gostaria de jantar com vocês para que pudessem se conhecer melhor...” Ele estava pálido e suava muito.

“Oh que... legal.” Ela sabia que estava passando da hora do filho ter tido filhos e dado netos a ela... Mas também tinha noção que ele não era lá tão esperto e podia ter feito uma escolha muito ruim para sua vida. “Quem é ela...? Está grávida...?” Por um momento o sorriso dos dois se dissipou. Claro que ela estaria esperando uma mulher mais nova e bem bonita. Talvez até mais bonita que o cantor. Murdoc olhou para o aparelho ligado com o olhar triste.

“Na verdade, é um rapaz que estou namorando...” Foi o jeito mais desajeitado de sair do armário, por telefone ainda. Ele sentiu que ia ter um ataque de pânico ali mesmo. Murdoc o encarava para tentar passar alguma segurança, ele não estava sozinho.

“Ah, então acho que não terei netos, certo..?” Ela tinha um tom tristonho na voz. “Então quem é... ele?” 2D engoliu em seco, era agora ou nunca.

“Ah mãe, na verdade isso é outro assunto... Ele tem filhas. Duas gêmeas lindas de seis aninhos.” Sorriu para Murdoc. “De outro relacionamento... E elas estão morando conosco já tem algum tempo. Então tecnicamente você tem netas, meio-netas. Elas são como filhas para mim.” Mentiu, mas escolheu as palavras certas para omitir a verdade sem machucar a mãe.

“Nossa, estou bem atrasada então...” Riu. “Então meu filho já é pai... Mas quem é o .... outro pai?” Nunca pensou que faria esse tipo de pergunta ao único filho.

“Bem, você se lembra... Da minha banda, o baixista, Murdoc...?” Ele fechou os olhos esperando o pior. Murdoc sentindo o nervoso do cantor aproximou-se abraçando-o pelos ombros fraternalmente.

“Aquele que quase te matou duas vezes...? Como eu iria esquecer?” Ela suspirou irritada. “Eu o odeio e odeio o que ele fez com você.” Disse como última frase e uma lança entrou no coração do casal. Murdoc já estava esperando essa reação, mas ver 2D tão magoado com a mãe que mexeu com ele.

“Então, na verdade é ele que estou namorando, e as filhas em questão são dele também. Moramos juntos com o resto da banda. Somos uma família.” Falou num só fôlego como se sua vida dependesse daquilo. O abraço do baixista apenas se intensificou. Não podia falar nada, mas tinha que estar ali presente para ele. As últimas palavras transmitiram tranquilidade ao coração de Murdoc, ele sabia que mesmo com tudo, Stuart estava feliz com a decisão que tomou, e isso bastava para ele.

“Meu Deus.. Stuart como... por que você fez isso?... Assumindo crianças que não são suas filhas de sangue...” Ela estava realmente impressionada, pra pior. “Desculpe filho... Eu estou apenas... surpresa com tudo isso...” Ela sabia que o filho tinha o cérebro danificado, mas isso, era um dano irreversível. Fez uma careta imaginando crianças horríveis parecidas com o pai e com o temperamento igualmente terrível.

“Ele, mudou. As filhas mudaram ele. Posso te provar que ele não é mais o mesmo que você conheceu... Já se passaram muitos anos e... Eu estou muito feliz com as minhas escolhas mãe.” Ele parecia estar mais assertivo e não deixou-se ser derrubado pelas respostas da progenitora.

“Bem querido, acho que seu pai não vai aceitar bem isso, muito menos perdoá-lo, ele tendo mudado ou não. Você sabe como ele é....” Ela suspirou imaginando o tanto de dor de cabeça que teria para contar para ele. “Você quer trazer as meninas para a gente conhecer...?”

“Na verdade eu gostaria de levar Muds para jantar com vocês primeiro...Começarmos devagar... Depois se vocês dois quiserem podemos sim ver das meninas irem visitar vocês.” Stu queria ir por partes e Murdoc concordou em silêncio que ele estava tomando sim a melhor decisão.

“Está bem, meu amor, mas só farei isso porque te amo e estou com saudade de você. Realmente não sei como seu pai vai reagir a tudo isso...” Ela sabia que ele ia surtar, mas queria ter a chance de rever o filho mesmo ele tendo feito a escolha que fez. Talvez se soubesse a posição dos pais pudesse repensar e terminar com toda essa loucura. “Nós nos mudamos, mandaremos a nova localização da casa... Pode trazer aquele... homem. Sábado à noite está bom para nós.”

“Tudo bem mãe, obrigado. Mas saiba que agora eu não sou mais um garotinho, eu cresci e estou com quarenta anos já. E ele me ama pelo que eu sou. Por isso escolhi ficar com ele e com as filhas dele.” Murdoc podia sentir os olhos pinicando com lágrimas, ele realmente estava assumindo tudo que fez para a mãe, mesmo sabendo que ela não era a favor, aquilo era muito importante para si, alguém indo até as últimas consequências por ele.

“Eu sei querido... Mas decisões ruins podem ser tomadas a qualquer altura da vida.” Disse como se eles ficassem juntos fosse uma decisão ruim. Isso machucou o cantor. “E eu não consigo acreditar que aquele... bastardo ame você... Ele só ama a ele mesmo, mais ninguém. É um egoísta, filho.”

“Você não sabe pelo que nós passamos, mãe. Ele realmente mudou, eu sou tipo, a prioridade número um dele.” Ele disse fechando os punhos e cerrando os dentes, estava de olhos fechados como que quando os abrisse veria a decepção estampada na cara de sua mãe. Murdoc estava magoado de ouvir tantas mentiras sendo ditas a respeito de si mesmo, sabia que os “sogros” não gostavam dele, mas fazer afirmações depois de tanto tempo era injusto.  

“Eu só acredito vendo e acho que seu pai nem vai querer ver.” Ela suspirou pesadamente de novo. “Você também era nossa prioridade número um Stuart. E nós falhamos.” Aquela realmente machucou o cantor. Eles não estavam orgulhosos das escolhas dele?

“Eu não acho que vocês falharam...” Stuart estava perto de começar a chorar e sua voz saía falhada por isso. Murdoc permanecia em silêncio acariciando gentilmente o cabelo do cantor na posição que os dois estavam.

"Bem, melhor não falar sobre isso ... eu só preciso me acostumar com a idéia de ... ser sogra daquele .... lixo" Ela notou que Stu estava quase chorando e cortou o assunto antes que ele começasse. Suas palavras foram afiadas como navalha na alma sensível do cantor. "Obrigado por nos informar Stuart" ela definitivamente não estava feliz pelo seu tom de voz.

“Nos vemos sábado então, por favor mande a localização.” Fez questão de se despedir rispidamente, desligando o telefone sem um “tchau mãe” ela tinha sido muito dura com ele. Murdoc se levantou encarando-o. 2D tinha o rosto baixo e lágrimas escorrendo por ele.

“Stu...” Murdoc tentou se aproximar.

“Essa foi uma péssima ideia Muds...” Ele soluçava baixinho e o baixista não conseguia pensar no que falar para acalma-lo.

“Mas ela disse que podemos ir lá sábado... Isso é um bom sinal não é?” Ele tentava soar um pouco mais otimista.

“Muds eles disseram que falharam comigo... Eu sou um fracasso para eles.” Sua voz saia ainda mais embargada e ele soluçava ainda mais alto. Ter o desprezo de seus pais doía muito.

“Não você não é... Você é um homem adulto e capaz de escolher o que quer pra si mesmo... Eu confio em você. Eles apenas... Não entendem isso ainda, acham que você ainda é o menino deles....” Murdoc tentava realmente contornar a situação. “Eu não tenho pai e mãe próximos D... então não posso dizer que sei como se sente agora... Mas as vezes as pessoas simplesmente... não apoiam. Até os que diziam nossos fãs muitos deixaram de acompanhar gente pelo fato de eu e você estarmos oficialmente juntos...” Pegou o cantor pelas costas e por debaixo das pernas colocando-o em seu colo da melhor maneira que conseguiu. Ele se apoiou em seu ombro. “Eu estou orgulhoso de você. Você teve coragem de dizer a verdade pra eles, toda ela. Talvez ela só esteja nervosa, ela não disse isso de verdade...”

“Você ouviu, ela queria uma mulher... filhos... E ela disse que você não me ama...” Ele escondeu-se na dobra do pescoço do mais velho chorando ainda mais profundamente.

“Bem, a maioria das mães age assim... Achando que o filho vai se casar com uma mulher... Dar netos... E você não tinha se assumido para ela ainda... Foram dois choques. E depois de tudo que eu fiz no passado somado ao fato dela nunca mais ter tido contato com você, não é de se surpreender que ela não acredite que eu mudei e amo você...” Ele disse gentilmente acariciando as costas do cantor para ele se acalmar. Tinha que estar lá nos momentos bons e nos ruins também, principalmente neles. “Olha D, eles não vão ficar felizes mesmo, eu ferrei com tudo a muito tempo e não sei se ainda tem jeito de desfazer a cagada, mas... você está feliz que a gente está junto... Digo sua escolha em ficar comigo e com as meninas...?”

Stuart levantou a sua cabeça encarando o baixista que também tinha as sobrancelhas baixas, pensando que ele realmente pudesse estar se arrependendo depois de tudo que a mãe dele falou... “Claro que sim Muds... Eu escolheria vocês outra vez. Você é uma parte grande da minha vida que eles vão ter que aceitar...” Disse encarando-o com certeza no que dizia, o rosto vermelho e inchado de ter chorado, e as sobrancelhas franzidas. Ele estava adoravelmente belo.

“O que estou querendo dizer, Bluebird, é que eu posso lidar com o fato deles não gostarem de mim, na verdade eu já lido desde o dia do acidente. Se você está feliz, para mim é o que importa, por isso que perguntei.” Pousou os dedos gentilmente limpando as lágrimas de seu cantor. “E eles com certeza estariam mais felizes se eu fosse qualquer outra pessoa na face da Terra que não eu, eles só acham que você merece coisa melhor que eu...” Murdoc parecia genuinamente magoado pela reação dos “sogros”. Algo estranho para ele que nunca estava nem ai pro que ninguém dizia. Realmente 2D era sua prioridade.

“Eu não quero “coisa melhor” Murdoc. Minha vida toda sempre foi você, Noods e Russ.. E agora elas. Eu quero você. Vocês.” Ele pegou o rosto do baixista com ambas as mãos. “Eles que estão errados em não respeitar minha decisão... Não é Muds?” Ele procurava algum conforto no rosto do mais velho.

“Eu... Apenas me sinto culpado por tudo. Só isso.” Ele colocou ambas as mãos sobre as do cantor, isso era comum quando estavam procurando proteção um no outro.

“Mas não deveria, você não tem culpa alguma por que eu escolhi você... No coração não dá pra mandar.” Ele beijou a testa do baixista gentilmente. “Eles vão ver que você mudou e vão gostar de você, eu prometo” Disse sorrindo adoravelmente como se só as palavras dele fossem capazes de mudar tudo que estavam vivendo.

“Posso te perguntar uma coisa, Stuart...?” Ele hesitou um pouco.

“Mas claro, sempre pode...” Sorriu amigavelmente mesmo vendo o quanto o namorado parecia preocupado.

“O que aconteceria se eles... Não aceitassem... Nem a gente, nem as meninas... Como você iria se sentir com isso...?” Ele voltou a encarar as orbes negras. Realmente não queria perguntar aquilo.

"Bem, eu acho que ficaria chateado ..." Ele admitiu. "Mas ... não mudaria nada ... vocês são minha família agora. Se eles não gostam que eu esteja com você, então ... É problema deles." Stuart se sentiria realmente ferido e traído, mas ele não iria forçá-los a nada.

“É... você mudou bastante para melhor D...” Sorriu colocando o de volta sentado no sofá. “Espero que eles não morem muito longe... Você pode me ajudar a escolher algo legal para vestir...? Seria legal causar uma boa primeira impressão não...?”

“E eu quem mudei né...?” Disse Stuart colocando o volume da tv no normal novamente e limpando o resto das lágrimas em sua camiseta exageradamente grande “Não quero que você tente agradar meus pais, Muds, tente ser... você mesmo...”

“Eles odeiam esse “eu mesmo” Stuart.” Ele parecia realmente irritado com isso. “Eu só não quero você chateado ou triste por minha causa...” Admitiu, percebeu a algum tempo que ver 2D sofrendo doía muito mais do que quando a dor era provocada nele mesmo.

“Eu amo você. Não vou ficar mal se eles não gostarem da ideia do jantar ou da gente, ou das meninas... A perda vai ser toda deles. Eu prometo.” E o beijou nos lábios abraçando-o com carinho.

 

Seria um encontro incomum e que muito provavelmente não teria um desfecho muito bom. Mas estavam prontos para qualquer coisa. Se 2D teve culhões para cuidar das meninas Murdoc poderia muito bem enfrentar os sogros.

Mais tarde aquele dia, parou para ver o calendário. Sábado coincidentemente seria a data em que completaria seis meses que as meninas estavam com eles. Seu peito se aqueceu ao ver o tanto de tempo que estavam juntos e o quanto tinham crescido nesse tempo. Teve uma ideia ótima para fazer uma surpresa para celebrar com seu cantor, caso tudo desse errado nesse “jantar” que parecia mais uma linha de guerra. Tinha urgentemente que ter um plano B. Tinha alguns dias até sábado, mas tinha que ser ágil para dar tempo. Pegou o celular e colocou o plano em prática, escondido dele.

Olhou para Stuart tomando seu chá reclamando da dor de cabeça da ressaca pela milésima vez aquele dia e não pode deixar de sorrir. Ele tinha a mão sobre os fios azuis, o braço machucado apoiado sobre a mesa e uma cara tristonha de dor... Seu coração disparou e ele se apaixonou mais uma vez com o “Muds?” que ele sempre dizia quando os olhos do baixista demoravam tempo demais sobre si.

Também o amava mais do que a própria vida. E talvez essa fosse a hora de dar um passo a mais nessa relação de amor e ódio.


Notas Finais


Os pais dele vão aceitar? O que Muds pretende como surpresa? As meninas vão conhecer os avós...?
Sexta feira no Globo Repórter.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...