História Palavras afáveis - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Gay, Romance
Visualizações 44
Palavras 986
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Sim, mais uma oneshotzinha procês, porém dedicada à uma pessoinha rs, mas antes, os avisos:
▪ Não foi betado, então perdoe-me por qualquer erro.
▪ Logan e Froy interpretam, respectivamente, Oliver Crapp e Taylor Novak.
▪ Primeira vez que consigo escrever algo fofo, estou surpreso demais.
Boa leitura!

Capítulo 1 - O meu hoje, o meu amanhã, o meu eterno amor


Fanfic / Fanfiction Palavras afáveis - Capítulo 1 - O meu hoje, o meu amanhã, o meu eterno amor

Acho que nem se eu ganhasse na loteria ficaria tão contente assim, pois mesmo com tanto dinheiro, sentiria e me convenceria de que falta alguma coisa. Entretanto, não seria alguma coisa e sim alguém. Alguém que correspondesse ao meu amor, que não negasse e que iria contra o mundo junto a mim, não temendo nenhuma das sequelas dessa luta.

Observar Taylor, o amor da minha vida inteira, abrir um sorriso que aparenta ter capacidade de rasgar seu rosto é algo que eu desejaria admirar até meu último suspiro. Admito que não paro de fazer uma comemoração no meu interior por ter sido presenteado com a chegada de Novak na minha vida. O que antes era tão cinzento e escuro, nos dias de hoje é iluminado e também bastante colorido. Eu acreditava que viveria com a infelicidade para todo o sempre, mas não, sou feliz de novo e rezo para que isso dure até o dia em que eu faleça. Eu acreditava e também previa, com muita veemência, de que iria morrer totalmente solitário.

Tudo que mais aspirava era me reerguer e eu não conseguia me levantar sozinho, já que logo me sentia rebaixado em questão de segundos. E foi nesse instante em que Taylor, com a sua alegria única, ajudou-me a ficar em pé novamente, sem que haja uma tendência de que eu sofra alguma espécie de queda ou derivados. Estou aqui, de pé e fortalecido, surpreendendo e destruindo o sorriso daquele pessoal que tanto amava me rebaixar com palavras hostis e punhos fechados.

Sou tirado de meus devaneios assim que sinto os lábios suaves do meu esposo se encostar-se à minha bochecha, escutando um estalo leve e em seguida sou envolvido pelos braços de Novak, que logo me puxa para mais perto de si. Minha cabeça se esconde na curvatura do seu pescoço, fechando os meus olhos e ficando inebriado por causa do perfume borrifado nele minutos atrás. Com certeza é a companhia de Taylor é a personificação de paraíso e/ou de a cura para qualquer coisa que esteja lhe depreciando. O seu abraço é para lhe proteger, para mostrar que está ao seu lado não importa o que aconteça e não para simplesmente dar um enlace e fingir que não tem um sentimento sequer. Meu marido é do tipo amoroso e não destruidor de corações.

Apesar de estarmos sendo fotografados agora, algo que não damos relevância mesmo com os flashes, Taylor e eu permanecemos assim, abraçados e enchendo o nosso peito de amor. Meu rosto se afasta do peitoral do meu marido e logo nossos olhares se encontram, deixando-me extasiado. Em questão de segundos sinto os lábios de Novak chocar-se contra os meus, iniciando um beijo bastante tranquilo, mesclando todo nosso sentimento em um simples selar, junto com o posicionamento de uma das suas mãos na minha bochecha. Como eu amo esse rapaz.

Ao sentir o oxigênio entrando em extinção nos nossos pulmões, distanciamos as nossas bocas, ficando apenas com o olhar penetrante de meu amado em cima de mim. Ele sorri, sem que exibisse os seus dentes, seguido do pouso de sua bochecha sobre a minha cabeça e a carícia contínua em minha mão. Mexo meu corpo, aumentando o nosso atrito e nos permitindo ficar mais vontade de rejeitar o que acontece ao nosso redor.

— Tay, eu já volto. — digo, afastando-me do abraço.

— Tudo bem, Ollie. — ele me dá um rápido beijo e dá um pequeno sorriso.

Percebendo que ele está distraído na conversa com seus familiares, aproveito a oportunidade de poder subir no palco e pedir licença ao moço em que canta, que atende ao meu pedido sendo bastante cordial. Aproximo meus lábios para o microfone, chamando a atenção de todos os convidados com o pigarreio que minha garganta deu.

— Eu espero que estejam todos se divertindo hoje. — profiro, dando um pequeno sorriso e escutando os sons que os convidados de meu casamento fazem, sinalizando um “sim” — Pois bem, vim aqui falar sobre uma pessoa e o quanto ela significa para mim.

Abaixo a cabeça, ajeitando um pouco o tamanho do suporte do microfone. Feito isso, procuro por Taylor e logo que o encontro, eu sorrio, já começando a falar:

— Mesmo sendo um adulto, eu não sei o que a vida quer de mim, contudo, o sentido de minha existência seja encontrar o meu dom e talvez seja o propósito dela, oferecê-lo. Portanto, para você, Taylor Novak, todo o meu amor que sabe muito bem transbordar. — desenho um sorriso no meu rosto, fitando o cara a quem sou perdidamente apaixonado — Desde o primeiro dia em que nos conhecemos, a partir do momento em que me perdi na beleza única e superior a várias outras coisas dos seus olhos, algo no meu interior me dizia que havia encontrado a pessoa certa que, ao estar perto de mim, iria me completar. Alguém que sempre sonhei em ter ao meu lado, que quando eu estivesse me sentindo melancólico, pudesse me apoiar e me sentir confortável, protegido. O ser humano que me compreende e me faz feliz como nunca ninguém fez.

Antes de continuar, meus olhos vão direto para o meu Taylor, que está, assim como eu, emocionando-se com o meu discurso. Ele sabe como adoro expressar meus sentimentos.

— Hoje, sibilo-te que tudo visto em você, é verdadeiro. Isso faz ficar cada vez mais apaixonado por você, dando-me a certeza de que você, realmente, era tudo que faltava na minha vida. Nos dias de hoje, você é minha razão de viver. — passo um dos meus dedos na minha bochecha, secando uma lágrima que escorria — Pode vir aqui, Tay?

Ele balança sua cabeça, levantando-se da sua cadeira e vindo até mim. Apesar de ter bastante gente aqui, só consigo ter olhos para Novak. Em pouco tempo, ele está ao meu lado, fitando-me. Viro-me para Taylor e sorrio, encarando-o hipnotizado pela sua beleza.

— O meu hoje, o meu amanhã, o meu eterno amor. Eu, Oliver Crapp, amo você!


Notas Finais


Eu te amo, Caio!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...