História Palavras de Amor - Capítulo 45


Escrita por:

Postado
Categorias O Hobbit, O Senhor dos Anéis (The Lord of the Rings)
Personagens Gimli, Legolas, Personagens Originais, Tauriel, Thranduil
Tags Legolas, Mirkwood, O Hobbit, Príncipe Legolas, Rei Thranduil, Senhor Dos Anéis, Thranduil
Visualizações 61
Palavras 3.169
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fantasia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi meu povinho lindo! ʕ·ᴥ·ʔ
Desculpe a demora, eu meio que me enrolei 😂😂 Queria agradecer por acompanharem e por gostarem tanto da minha historia, é uma honra ter todos vocês aqui, eu realmente agradeço muito. Espero que gostem desse final, tentei fazer um melhor, mas isso foi tudo que consegui, agradeço novamente. Logo, logo terei uma nova historia, vou começar a postar no sábado, mas os capítulos não vão ser postados diariamente como desta vez. Obrigada! 😍

Capítulo 45 - Palavras de amor.


Fanfic / Fanfiction Palavras de Amor - Capítulo 45 - Palavras de amor.

Os meses se passaram rapidamente, e algumas batalhas incessantes começaram a acontecer nas fronteiras de Mirkwood, mas por fim saíram vitoriosos, mesmo com muitas perdas.

Os meses se passaram rapidamente, mas não aplacaram sua preocupação, estava diante da janela da sala de estar, contemplava o céu azul, pensando no que Legolas estaria fazendo, ou o que havia acontecido a ele. A guerra tinha acabado, os homens saídos vitoriosos, e os elfos partiam, não ter notícias a angustiava, não sabia o que fazer, o pensar, seu peito estava pesado em desespero e preocupação.

Nos meses passados ela se descobriu amando com mais força, querendo ter Legolas ao seu lado, a distância apenas deu mais intensidade ao que nutria por ele, fazendo-a miserável em sua solidão. O rei entrou, dando passos largos antes de sentar na poltrona e jogar a cabeça para trás.  Os feridos da batalha se recuperaram lentamente, um deles Thranduil.

- O senhor está bem, aran?           

- Estou ótimo.

- Não parece – ela suspirou e voltou a olhar pela janela – me parece bem aborrecido de verdade, e um pouco melancólico.

- O que quer ouvir Miriel? – o rei questionou voltando a postura ereta para derramar vinho em seu cálice.

 Ela olhou par ao sol do verão, sua mente correndo para o início da confusão em sua vida, durante o inverno quando todos os problemas ocorreram, deu-se conta de que no verão passado estava sentindo-se desolada por causa de Legolas, e nesse ano lhe ocorria o mesmo. Queria muito que voltasse para casa, para ela.

- Eu me preocupo com Legolas, e o quero em casa – soprou o rei – era isso que queria ouvir?

- Não. Esperava ouvir o nome de Lyenna em algum lugar nessa frase.

Ela continuou de frente para a janela, mas escutou o rei soltar uma exasperação, e mover-se sobre seu assento. A ruiva voltou a encara-lo, os olhos pálidos brilhavam na luz do anoitecer.

- Eu já perdi muito Miriel, e cansei de lamentar. Se é isso que espera me ver fazendo, vou adverti-la de que não sou assim, não me verá derramar uma única lagrima se quer por Lyenna, ou por qualquer outro que eu ame e venha a perder. Não resta mais lagrimas em mim para isso.

- Gosta de ser insensível.

- A vida sempre continua, Miriel, perdi quatro filhos, um deles nasceu morto, perdi meus pais e duas mulheres que amei. Você não me verá chorar por nenhum deles. Eu sinto suas perdas e sigo em frente.

Ela suspirou e voltou a olhar o entardecer, esfregou seu coração ao pensar em Legolas. Parecia uma eternidade sem sua presença, esperava que ele sentisse o mesmo, não queria voltar a vê-lo se não a amasse, não conseguiria.

- Legolas me enviou uma carta – suspirou o rei – diz que vai ficar um pouco mais em Gondor, e que estava pensando em morar em Ithilien.

Seu coração parou ao ouvir as palavras, Legolas queria morar afastado? Então ele não a amava como uma mulher, preferia estar longe, fugir dela. Engoliu o nervosismo, mas continuou encarando a natureza abaixo da janela.

- Perguntou por mim? – sussurrou quase timidamente, sua voz falhando no final, sentiu a garganta dolorida.

- Não.

A ruiva levou a mão a boca para tentar conter o soluço, mas era tarde demais, as lagrimas queimaram a pele, a garganta e o rosto ficaram doloridos pelos minutos seguidos que passou chorando a perda de seu melhor amigo, de seu único amor.

- Já terminou?

- Você é sem coração! – ela gritou, descontando sua raiva no rei – se você não chora pelas pessoas que ama, é um mostro! Eu choro sim, choro por perde-las, e sinto não telas perto de mim!

- Está sofrendo atoa – resmungou o rei – pode ir atrás de Legolas a qualquer hora.

- O que quer? Minha humilhação?! Legolas quer estar longe! – ela gritou e enterrou as mãos no rosto, não se parecia com nada a guerreira que era.

- Eu desisto de vocês.

Com essa declaração o rei sumiu pela porta em passos rápidos e longos, Miriel sentia-se muito arrependida, não deveria ter espantado Legolas para tão longe, agora estava sozinha, assim como ele.

**

Miriel estava deitada em sua cama, com os joelhos contra o peito, sentia-se uma menina, ainda mais com Gloriel lhe acariciando os cabelos.

- É melhor que não ter resposta alguma – disse sua prima, mas na verdade estava tão decepcionada quanto ela.

- Eu sei, mas não queria perder a amizade. Eu consigo ser amiga de Elladan, mesmo sabendo que ele gosta de mim.

- Por favor, Iriel – a elleth suspirou – Legolas sobreviveu a uma guerra muito perigosa, e você também, poderia ficar feliz?

- Sim, eu estou feliz, estou muito feliz, mas ao mesmo tempo estou muito triste por não ter o meu amor correspondido.

- Eu sei, querida, eu sei – Gloriel respondeu dando tapinhas suaves em suas costas.

O som da trombeta ecoou sobre todo o palácio, fazendo Miriel se levantar em um sobressalto. Seus cabelos se bagunçaram no processo, mas ela não pode se segurar por mais tempo, correu para perto dos portões, dobrando muitos corredores no processo, mas quando chegou perto, decidiu diminuir sua corrida, e ficar para trás, não queria passar a impressão de estar ficando louca sem ele, mesmo que fosse verdade, nem queria demostrar que chorou muito com saudades, e que sonhou um punhado de vezes com suas caricias.

Esperou pacientemente, quando por fim o príncipe apareceu diante do portão para cumprimentar todos os conhecidos, incluindo seu pai, que trocou poucas palavras, e um gesto, mas não um abraço. Legolas parecia muito mais bonito, seus cabelos estavam mais claros, e luz do sol deixava os fios mais dourados, os olhos azuis estavam limpos, e quando a avistaram, tornaram-se um olhar carinhoso, e um meio sorriso suave enfeitou os lábios perfeitos. Seu rosto parecia mais cheio, assim como seu corpo dentro daquelas roupas diferentes.

- Miriel. – ele lhe chamou com uma voz passiva. Ela não se moveu, não queria mostrar tão ansiosa por ele, e muito porque não conseguia coordenar o que sentia.

Ele estava em casa, finalmente em casa, seu peito cantou em felicidade, mas seus nervos travaram, não conseguia nem sorrir por tê-lo em casa, estava com muito medo do que isso poderia significar. Legolas se aproximou e a abraçou, apertando todo seu corpo contra o dela, esmagando seus seios contra o peito, seus quadris se encontravam, e nenhuma só parte de seu corpo não estava em contato com ele, sentiu aliviou ao sentir seu   calor, seu perfume que lhe enchia os pulmões, parecia diferente, mas de uma maneira boa, e finalmente seu coração se acalmou. O contato tranquilizador começou a deixar seu corpo acalorado, seu rosto estava aninhado contra o pescoço, onde sentiu os batimentos cardíacos do príncipe, se pudesse apenas toca-lo com seus lábios, provar da pele.

- Onde ela está Legolas? – uma voz grossa disse atrás do príncipe, a ruiva piscou algumas vezes confusa, então seu olhar abaixou para o pequeno ruivo que o acompanhava.

- Um anão – ela proferiu confusa, e voltou seus olhos para Legolas que sorria abertamente.

- Este é Gimli, nos tornamos muito amigos – o príncipe respondeu.

- Muito prazer senhorita.

- Muito prazer - ela respirou contrariada, mas sorriu, não sabia bem o que dizer ou fazer.

- Ela é tão bonita quanto você disse, Legolas, ou até mais – disse o anão, fazendo-a corar ainda mais.

- Vocês devem ser acomodados – disse o rei.

- Eu senti sua falta. – Legolas se adiantou, e segurou sua mão – podemos conversa a sós agora?

- Eu...sim, podemos, devemos. – respondeu Miriel.

- Com licença Gimli.       

Legolas a guiou para seu quarto em passos largos, parecia ansioso para ter essa conversa, o que a deixou ainda mais ansiosa, seu estomago parecia se corroer de ansiedade. Ele a puxou para dentro de seus aposentos, e abraçou com força, enterrando os dedos em seus cabelos, puxando-a o mais perto possível, Miriel não sabia o que pensar, nem queria pensar em nada, gostava, mas não queria pensar muito além, ou acabaria mais enrascada com esse sentimento tão forte.

- Legolas... – ela suspirou ainda abraçada a ele – meu amor por você não diminuiu, eu acho que deveríamos....

Ela não pode terminar, porque o príncipe a calou com um beijo muito saudoso, os lábios suaves tinham um sabor delicioso, tinha todo o sabor do príncipe. Sua boca deu boas vindas ao príncipe beijando-o com adoração, sempre sonhou com isso, mas não esperava que fosse tão arrebatador e delicioso.

- Legolas.. – ela respirou afastando-se – o que isso quer dizer?

O príncipe, a manteve colada em seu corpo, mas sorriu suavemente, enquanto acariciava seu cabelo, e seu rosto.

- Você me fez muita falta, era tudo no que pensava durante essa missão, era tudo que ansiava, eu a queria comigo durante essas noites mal dormidas, e todos esses perigos que passamos, a única coisa que me fez mais corajoso era a certeza de que não poderia morrer sem dizer a você o quanto a amo – ele confessou – melinyel, não como um menino, mas como um homem.

- Você tem certeza?

-  Ah, Miriel, nunca tive mais certeza em minha vida – ele sorriu – eu desejo você, amo a você, se ainda me quiser...mas se não quiser, eu vou respeitar sua decisão, eu prometo.

- Eu quero você, eu o amo – ela sussurrou – eu só...tente me entender, é que nós...você....

- Eu sei, mas agora tenho mais domínios sobre o que sinto, e sei claramente o que guardo em meu coração – ele suspirou – fiquei chateado e com muitos ciúmes quando pensei que amava meu pai, não queria você com ele...a queria comigo.

- Ah, Legolas – ela suspirou abraçando-o com força – estou com tantas saudades de você, o adoro.

- Eu a amo, e vou me certificar de que tenha certeza disso, durante todos os dias da minha vida. Eu preciso de você, Miriel, como ar para respirar, preciso estar com você, é meu alicerce, meu porto seguro, o que me completa.

Miriel sentiu seus olhos queimarem com as lagrimas, parecia surreal tê-lo tão perto, saber que a amava, a adoração refletida nos olhos azuis era incrível, queria beija-lo, devora-lo, e finalmente poder tê-lo como seu. Legolas parecia ler seus pensamentos e voltou a beija-la, suas línguas estavam percorrendo sua boca lentamente com adoração, ela se entregou ao sentimento, finalmente era seu.

Legolas a pegou no colo, e a beijou de forma mais firme, reivindicando sua boca, deslizando em seus lábios, exigindo sua cooperação, ela se entregou de bom grado, feliz por saber que ele a amava, mas ainda assim receosa sobre essa escolha. Tão natural que ela pensou que o príncipe a deixaria, que esqueceria de seu amor, e se casaria com outra mulher, ou até mesmo com Celebren.

O príncipe se afastou dela, e pegou sua túnica ajudando-a a tirar a roupa, quando seus seios ficaram livres, sem nenhuma barreira, ele tomou um tempo admirando-os, antes de afagar gentilmente o mamilo rígido, então depositou um beijo em cada um, antes de suga-lo para dentro de sua boca, ele continuou explorando-a enquanto a ajudou a se livrar de suas calças, empurrando o tecido para baixo.

Ele a admirou completamente. A ruiva o ajudou a tirar a túnica, e as calças, Miriel o sentiu tenso, mas continuou ajudando-o, quando finalmente seu membro esteve livre, ela não pode conter, e o segurou, explorando-o com os dedos, sentindo sua textura e suavidade, sua beleza, seus músculos pareciam mais definidos e firmes, seu corpo mais cheio, ela observou como ele ainda estava tenso, observando-a para saber sua reação. A ruiva o abraçou pela cintura, apertando-o contra seu corpo.

- Legolas...você nunca?

- Nunca – ele confessou – nunca...você é minha primeira mulher, e será a única.

Miriel não sabia o que dizer, mas sentiu um certo tipo de orgulho por saber que ele nunca tinha se deitado com Turgon, ou Celebren, ou qualquer outra mulher com quem esteve, ele era seu, completamente seu. Ela envolveu as mãos em seu rosto, e a puxou para si, beijando-o com adoração, certificando-o de que gostava de ser sua primeira, e a única.

- Eu quero beija-la, apenas um beijo. – Legolas sussurrou rouco, enquanto se ajoelhava diante dela.

Ansiou por ela durante toda a viajem, desejou ouvir sua voz, sentir seu abraço, precisava dela como o ar para respirar, a amava, como nunca amou ninguém, e não iria decepciona-la, poderia sentir que estava insegura, mas ele tinha completa certeza de seu amor.  Começou a beijar suavemente sua parte interna da coxa até finalmente atingir seu ponto, chupando e mordiscando, seus gemidos inundaram a sala, ele podia sentir ela inclinar seu quadril por seus toques, em seguida, parou e olhou para ela com um sorriso satisfeito estampado em seu rosto claro, então voltou mergulhou a boca no núcleo dela.

 Miriel arfou. Ele gemeu. Céus! Ela possuía gosto de ambrosia. Pêssego, flores, mel, almíscar... E só um toque de sal, para deixar a doçura insuportável ainda mais doce. Passando a língua para cima e para baixo por toda a extensão da abertura, provocando, saboreando, deleitando-se com a respiração dela, cada vez mais rápida, sentindo os pequenos tremores nas coxas, saboreando a maciez perfeita das partes mais íntimas de dela. E então, quando ela começou a arquear os quadris contra sua boca, ele subiu e encostou a língua no lugar que ela mais queria. Miriel soltou um gritinho e projetou os quadris, então ele manteve um ritmo, deslizando o dedo para dentro e para fora, provocando-a com a ponta da língua. A respiração e os movimentos dela ficaram frenéticos, mas ele manteve o mesmo ritmo lento e regular, até ouvi-la gritar seu nome como uma oração, seu corpo todo tremeu ao seu redor, então ele se afastou.

Legolas se levantou, não pensou que poderia ficar ainda mais duro, mas ao ver Miriel, seu corpo tornou-se mais excitado. Estava ainda mais bonita, com seus cabelos cacheados em uma bagunça vermelha, os olhos castanhos mais escuros, os lábios e bochechas coradas, os mamilos rígidos pareciam pegar fogo, o príncipe a abraçou, e começou a beija-la, no rosto, no maxilar, nariz, lábios.

 Miriel não pode conter o suspiro quando a língua dele começou a explorá-la novamente, deslizando da clavícula para a orelha, seus joelhos arquearam, logo todo corpo dela parecia em chamas, os bicos dos mamilos endureceram, ansiando pelo toque dele, ansiando a boca de Legolas. Os beijos estimulavam uma dor vaga, gostosa, entre as coxas dela. Ele envolveu o seio nu com uma das mãos, erguendo-o e acariciando-o, ela enfiou os dedos no cabelo pesado e macio dele enquanto os dois se beijavam, ela se sentiu adorada. Preciosa. Amada.

O mais empolgante de tudo era o modo como Legolas olhava para ela, ou melhor, olhava para dentro dela.

Depois que ele a penetrou começou a acariciar todo seu corpo. As mãos dele passearam por seus seios, pernas, quadris e barriga. Ele foi se aprofundando em estocadas pacientes, e começou devagar. Mas isso não durou muito tempo. Logo um ritmo mais urgente tomou conta de Legolas e suas estocadas ganharam velocidade e intensidade. A força de sua paixão tirou o fôlego dela, mas Miriel adorava sentir o quanto ele a desejava, o desespero com que o corpo dele parecia necessitar do seu para ficar completo. Ela suspirou feliz e enganchou uma perna sobre o quadril dele, aquecendo-se em seu grunhido suave de aprovação. Ele acariciou com uma das mãos a sua coxa até o joelho, levantando ainda mais a perna. Inclinando seus quadris, ele balançou languidamente no berço de suas coxas. Mãos largas movem-se sobre a pele, mergulhando levemente entre suas pernas, arrastando-as por cima de todos os seus lugares ocultos e sensíveis.

Legolas apertou com força seu corpo contra o dela e a beijou com a mesma intensidade de antes, ele agarrou o lábio inferior entre os dentes e olhou para ela por um momento, seus olhos azuis intensos, brilhavam com um sentimento forte, que somente poderia ser amor. Os olhos vidrados em seu rosto a fizeram tremer.

- Ma vestuvalyen  (quer se casar comigo)? - Ele sussurrou, ela abriu a boca em protesto mais foi silenciada com mais um beijo, mas desta vez foi gentil e amoroso, chupando seus lábios, pressionando gentilmente.

Seus quadris pressionando com força, e ela sentiu como se pudesse se alimentar de nuvens e flutuar com as estrelas, seus nervos se desenrolando, seus dedos cerrados indicando o fim do seu devaneio. Ela envolveu os quadris dele com as pernas e agarrou seus ombros, segurando-o o mais apertado que podia. Então chegou o momento em que as palavras cessaram. Ele se apoiou em um cotovelo e passou o outro braço por baixo da cintura dela, puxando ela bem forte contra si. Quando ele enfiou de novo, seu membro alcançou um lugar tão fundo nela que Miriel o sentiu por toda parte. Depois de mais algumas estocadas, ele estremeceu e gemeu. Legolas desabou sobre ela e enterrou o rosto em seu pescoço, ela passou os braços pelos ombros dele em um abraço apertado. Miriel nunca tinha sentido o coração tão repleto.

- Ma vestuvalyen? (Casa comigo?)

Miriel ainda se sentia sem folego diante do pedido, mal o tinha registrado antes, e agora seu coração corria muito rapidamente, esse era o melhor dia de sua vida, e a tinha assustado muito.

- Miriel? Você está bem?

- Eu...eu...o amo tanto Legolas, esperei por isso por muito tempo, não sei se consigo acreditar que isso é real.

- Acredite em mim, eu não quero estar em nenhum outro lugar que não aqui. Com você. – ele sussurrou e plantou lhe beijos suaves no rosto e na têmpora – eu amo você, amo você, com todo meu coração, juro lhe isso. Vou dedicar todos os dias da minha vida para que você saiba disso, eu lhe fiz essa promessa e vou cumprir.

Miriel suspirou, e o abraçou mais apertado, sentindo seu corpo pesado sobre o dela, seu calor, e o bater de seu coração. Era tudo o que sempre desejou, era tudo o que precisava, e a sinceridade na voz e no olhar dele, era simplesmente clara.

- Sim, Legolas, sim, eu adoraria me casar com você!

O príncipe respondeu com um beijo profundo e lento, percorrendo as nuances de sua boca, provando de seu sabor, e deixando claro o quanto a amava, e estava feliz por sua resposta.

- Não chore, Mela nîn, essa será uma nova etapa para nos dois. Obrigado por me amar do começo ao fim, eu não mereço, e nunca vou merecer sua dedicação, mas prometo ama-la igualmente, você é tudo que eu mais prezo e amo Miriel. Meu coração.

Miriel fechou os olhos, apertando-o contra o peito, não conseguia acreditar em sua sorte, e estava extremamente feliz, Legolas finalmente era seu, e agora poderiam formar a família que tanto desejou ao longo dos anos, era quase inaceitável.

- Eu o amo tanto, com todo meu coração.

- Melinyel, vou honrar nosso amor, para sempre.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...