História Paleta de cores - Capítulo 1


Escrita por: e pojeongguk

Postado
Categorias Wanna One
Personagens Jihoon, Kang Daniel
Tags Lemon, Nielwink, Wanna Be Project, Wanna One, Winkniel
Visualizações 50
Palavras 1.643
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, LGBT, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oi gentekkkj cá estou eu, isabella, com uma nova fanfic, dessa vez uma winkniel! queria dizer que estou muito feliz de estar postando ela, principalmente pro wanna be project, porque era meu sonho participar de projetos assim kdjdk boa leitura!

Capítulo 1 - Único- Roxo?


paleta de cores

O dormitório estava em silêncio. Só se escutava a respiração de Jihoon e Daniel, já que os outros nove integrantes preferiram pegar a pequena folga que tiveram para tirarem um tempo só para eles mesmos. Ambos estavam em silêncio e deitados confortavelmente na cama há cerca de vinte minutos, até que Jihoon finalmente resolveu falar.

– Niel, qual sua cor favorita? – perguntou, encarando as mãos entrelaçadas com um pequeno sorriso nos lábios.

– Vermelho, Jihoonie. Por quê?

Jihoon pensou um pouco antes de responder:

– Você me amaria mesmo se eu fosse azul e você fosse vermelho?

– Claro que sim, Jihoonie – respondeu, sorrindo docemente. – Nós formaríamos o mais lindo roxo.

– Como os cabelos de Daehwi-ah, sim? – Jihoon disse sorrindo, os olhos fechados e cabeça apoiada no peito alheio aproveitando o cafuné que recebia de seu namorado. Estava apreensivo nos últimos dias; haviam discutido por uma simples besteira, e já haviam se resolvido, mas seus pensamentos não paravam de lhe atormentar.

– Ainda mais bonito que o cabelo do Daehwi – Daniel afirmou com a maior calma do mundo, fazendo carinho nos cabelos escuros de seu namorado.

– Ainda mais bonito? O tom de cabelo do Daehwi é extremamente bonito! Que outro tom de roxo você imagina que nós formemos? – Jihoon, que antes se encontrava encostado no peito do Kang, havia se levantado e virado de frente para o mesmo, ainda em seu colo.

Daniel respirou fundo, tentando manter a calma. Não era fácil conviver com um Park Jihoon, sem dúvidas. O moreno não era inocente, longe disso, mas algumas de suas atitudes eram feitas sem pensar e sem malícia, o que acabava matando o mais velho. Não o levem a mal, amava o Park em todas as suas formas, apreciava tudo que o namorado fazia, mas existiam momentos em que era difícil se controlar.

O baixinho tinha tudo perfeitamente modelado, como se tivesse sido feito pelas mãos de um famoso artista renascentista, único e exclusivamente para as mãos do Kang.

Mas não pensem que Park Jihoon não sabia o que estava fazendo, pois ele era um excelente ator. O pequeno Park queria outros tons de roxo, se vocês entendem bem. O seu grupo estava em promoção, “Boomerang” havia acabado de ser lançada e a agenda dos idols estava lotada de eventos, fansigns e entrevistas. Mal tinham tempo para si mesmos, imaginem para seus respectivos pares. Momentos como esse eram raros no dormitório, e Jihoon não iria desperdiçar a chance.

– Você quer saber mesmo, Jihoonie? – O Park sorriu nada inocente, sendo retribuído com um sorriso de lado do platinado. Era isso que faltava para o Kang começar a massagear a cintura dele com malícia, ouvindo os suspiros descompassados. – Você quer descobrir o roxo que nós criaríamos? – Jihoon assentiu, remexendo o quadril levemente no colo do mais velho. – Acho que só se nós nos juntarmos para descobrir, hm?

Jihoon não era bobo, sabia todos os pontos fracos do namorado e, por isso, somente esperou ele terminar de falar para se deitar sobre o corpo alheio. Apoiou as mãos e cotovelos na lateral da cabeça dele, para se manter apoiado, e começou um roçar lento com os membros, gemendo baixo e rouco. Daniel não deixava barato, apertava a cintura bem modelada do Park por dentro da blusa, sentindo o choque térmico das mãos geladas e a pele ardendo.

O atrito dos membros com a roupa era deliciosamente torturante, mas eles precisavam de mais. Foi Daniel quem quebrou o ciclo vicioso, se sentando na cama com o namorado no colo, o encarando de um jeito que só Jihoon conseguiria entender. A confirmação do que ele queria veio com a frase que o mais velho proferiu:

– Dança pra mim, Jihoon-ah?

Daniel prendeu a respiração quando Jihoon se levantou e foi andando lentamente até a porta, trancando-a e mudando as luzes do quarto para um tom de púrpura. O menor não estava brincando, de jeito nenhum, quando tirou o celular do bolso, colocando Sweet Lies do EXO para tocar. Já sentindo um aperto, Daniel abriu as pernas na cama, tentando ficar confortável para assistir Jihoon dançar para si. Eram nesses momentos que o mais novo deixava sua essência escapar. O winkboy desaparecia em meio a batida sensual da música. Com esse pensamento, Jihoon fechava os olhos e começava a mexer os quadris, inventando uma coreografia exclusivamente para ver seu namorado babar por si. Sentia os olhos castanhos queimando em sua pele e nem havia começado a brincadeira. As requebradas eram marcadas com a música já bem conhecida pelo moreno. Passeava as mãos pelo próprio corpo, brincando com a roupa que vestia – uma blusa larga de Daniel e um shorts meio folgado para ficar em casa –, e também com o coração do namorado. A respiração alheia era tão densa que quase podia senti-la em sua pele, evidenciando todo o poder que tinha sobre o Kang.

Encarou Daniel por cima do ombro por alguns segundos antes do refrão e já não sabia se iria aguentar se segurar, principalmente quando via o namorado tão necessitado. Daniel se encontrava suado, com os fios bagunçados, os olhos fechados e a mão em cima do volume já aparente no shorts que usava, e Jihoon não acreditava que iria conseguir aguentar terminar seu showzinho para o namorado.

– Jihoonie... – Daniel já pedia desesperado, cansado de ver o menor subir e descer a bainha da blusa que vestia – Você gosta, hm? Gosta de ver o hyung assim? – O Park assentiu, mordendo a língua entre os dentes. –  Venha me ajudar, sim? – E Jihoon, cansado de brincar, começou a rebolar lentamente, retirando o shorts que usava, fazendo o mais velho descobrir que não usava nada por baixo. – Não faça a-assim…

Após tirar o shorts, viu que o namorado havia retirado sua boxer até os joelhos, para poder dar atenção ao membro negligenciado por tempo demais. Sorriu levemente, já retirando a camisa e se aproximando da cama. O celular ainda tocava alguma música de sua playlist, mas não importava. Quando se sentou na cama, já foi puxado para o colo do Kang novamente, não contendo um suspiro alto.

– Ah, Jihoon, se você soubesse a paleta de cores que eu tenho em mente hoje para lhe mostrar – Daniel sussurrava no ouvido do moreno, enquanto mantia o aperto gostoso na cintura do mesmo. – Você é tão lindo, meu amor – deixou uma mordida leve no queixo do mais novo, escutando os pequenos gemidos que ele soltava.

– Me mostre, hyung – pela primeira vez, Jihoon se pronunciou. – Me mostre sua paleta de cores – ele agarrava o pescoço do Kang, suspirando entre as palavras ditas.

– Você não tem noção do que pede pra mim, Park Jihoon – Daniel os inverteu na cama, ficando por entre as pernas do namorado. – Você não tem medo de brincar com fogo assim? Hm? – a cada pausa, um aperto nas coxas volumosas do moreno, que somente gemia baixo, incapaz de rebater as provocações. Entretanto, a verdade era que Daniel também não aguentava mais prolongar todos aqueles jogos que estavam fazendo. Precisava sentir o corpo quente de Jihoon colado com o seu o mais urgente possível. – Você quer que o hyung comece? – Jihoon acenou com a cabeça concordando, incapaz de responder. – Então vou te mostrar nossas cores, Hoonie.

Jihoon respirava descompassado, ansioso e nervoso para o que viria a seguir. Daniel sempre o surpreendia, e não foi diferente quando sentiu o primeiro tapa em sua coxa, na parte externa. Um suspiro surpreso escapou de seus lábios inchados, encarando o Kang com uma mistura de prazer e indignação.

– Vermelho, Jihoonie – mais um tapa, desta vez perto das nádegas cheinhas do mais novo. – Uma cor que traz a sensualidade, o amor. Fica tão bem na sua pele branquinha, por mais que a luz roxa atrapalhe um pouco. Ah, se você pudesse ver, amor – Daniel se abaixou um pouco e deixou vários selinhos nos hematomas avermelhados feitos por si. Esperava que os mesmos durassem até o dia seguinte para o namorado se lembrar da noite anterior.

As coxas de Jihoon ardiam como o inferno, mas seu coração estava a mil no peito e não era de medo. Era excitação. Daniel sabia como o Park gostava de tapas e afins, mesmo que o mais novo nunca admitisse em voz alta. E, após a explicação do Kang, vieram mais tapas, em variados pontos das coxas e nádegas fartas, fazendo-o soltar suspiros e gemidos sem controle, amando se sentir exposto e submisso ao mais velho. A pele branquinha tomava o tom vermelho sangue e Jihoon ansiava por mais. Daniel se sentia duro somente com os deliciosos gemidos que o mais novo soltava junto com o estalar dos tapas.

– Quer descobrir outra cor, Ji? – Daniel sussurrou para o menor, se sentando na cama. – Vem aqui, meu amor – usou um tom manso, contraditório a situação que se encontravam. Quando Jihoon sentou a sua frente, o puxou pela cintura para seu colo, tendo certeza de apertar do jeito que o mesmo gostava. O Park rapidamente abraçou o pescoço do namorado, ansioso pelo que o esperava. Arranhou a nuca do mais velho quando sentiu lambidas em seu pescoço intocado, sentindo a pele se arrepiar com os toques do Kang. – Roxo, Jihoon – sugou a pele do namorado lentamente, deixando uma leve mordida. – O Roxo representa a luxúria, o desejo, o proibido – dizia rente a pele sensível do mais novo, deixando mordidas leves e lambidas em cima  dos hematomas roxos e avermelhados. – Uma cor que lhe deixa tão bonito, Jihoonie…

– N-não deixe marcas, N-Niel... As noonas reclam- Ah! – um chupão mais forte deixado na pele foi o suficiente para calar o pequeno – H-hyung…

– Sim?

– Q-quero descobrir o-outra cor... – Jihoon parecia desconcertado, o namorado ainda brincava com seu pescoço sensível.

– Qual, Jihoonie?

– O branco, Niel. Quero chupar você hoje, posso? – Jihoon já assumia uma posição completamente diferente da anterior, mordendo os lábios e olhando com expectativa para o namorado.

Daniel sorriu em expectativa e já previa que a noite iria render uma paleta de cores que jamais imaginaria que cairia tão bem.

 



Notas Finais


meus agradecimentos a quem betou e a quem fez a capa, vocês são incríveis!

Capa: @Sillyeol
Beta: @jaezinha


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...