História Palpitatio - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shawn Mendes
Personagens Personagens Originais, Shawn Mendes
Tags Abuso Sexual, Cameron Dallas, Comedia, Ginecologista, Hentai, Lucy Hale, Nash Grier, Policia, Romance, Shawn Mendes, Sierra Dallas, Suspense
Visualizações 431
Palavras 3.449
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi meus amores! Lá vai mais um capitulozão bem quente pra vocês. Vou deixar nas notas finais o link do twitter da Ella e do grupo do whatsapp caso queiram participar. Amo vocês. ♡ E não se esqueçam de comentar pra me deixar feliz. ♡

Capítulo 10 - Whisky taste


Estico os braços buscando rapidamente por um lençol, sentindo o clima gelado me causar arrepios, e quando encontro, me enrolo completamente no tecido macio, me encolhendo ao máximo na tentativa de me aquecer.

No mesmo instante um cheiro forte de café adentra as minhas narinas, me fazendo despertar imediatamente.

Meus olhos se abrem e quando minha visão finalmente se estabiliza, reconheço o quarto ainda escuro e tenho flashes instantaneos de memória.

Aconteceu.

Rolo na cama até o espaço vazio ao meu lado, aspirando o cheiro forte de perfume que emana da fronha do travesseiro extremamente fofo, o perfume que provavelmente agora também está grudado em meu corpo.

Onde ele está?

Ainda com essa questão na minha mente, agarro o travesseiro e me aconchego, voltando a fechar os olhos e quase pegando no sono outra vez, mas antes de acontecer, a voz melodiosa ecoa pelo quarto, chamando a minha atenção para a porta no canto onde imagino ser o banheiro. Minha idéia é confirmada a partir do instante que finalmente noto as gotas de água se chocando no chão.

Merda.

Me sento rapidamente na cama e me levanto ainda enrolada no lençol, procurando pelo meu vestido. Me xingo mentalmente quando me abaixo para olhar debaixo da cama, sentindo uma dorzinha incômoda entre as minhas pernas. Me lembro de tê-lo deixado na piscina mas ainda assim continuo procurando, na esperança de encontrá-lo.

- O que está procurando? -a voz rouca me faz pular. Quando me viro, encontro-o em pé escorado no batente da porta, uma toalha envolvendo sua cintura e outra em suas mãos, secando o cabelo. - Bom dia.

- B-bom dia. - corrijo a minha postura quando ele se aproxima de mim.

- O que está procurando? - ele repete a pergunta.

- O meu vestido.

- Está lavando. Você acabou deixando-o no chão e algumas pessoas pisaram nele.

- Como eu vou embora sem roupa? - bufo. - Céus, eu sou tão burra!

- Você não precisa ir. Ele não vai demorar a secar. - ele faz uma careta enquanto fala e toca o lençol que me cobre. - Isso é sangue?

- O quê? - olho para baixo, encontrando uma pequena mancha vermelha no tecido branco, bem próximo da minha vagina.

- Ella, eu te machuquei? - ele pergunta sério, jogando a toalha que estava em suas mãos no chão. Engulo em seco e respiro fundo, mordendo o lábio antes de responder.

- Um pouco.

- Merda. Eu sabia. Eu não deveria ter sido tão agressivo. - Shawn esfrega a mão no rosto, deixando sua pele rapidamente vermelha.

- Não se preocupe com isso. Está tudo bem. -digo baixo.

- Eu te machuco e você diz que está tudo bem? - ele força um sorrisinho e balança a cabeça.

- Está porque eu gostei. - admito o mais baixo que consigo, atraindo seu olhar. - Eu gostei, foi muito bom, eu não tenho idéia que palavras usar para explicar o quão bom foi. - suspiro.

- Mas... - ele me incentiva a continuar.

- Mas eu deveria estar me sentindo melhor quanto à isso. Eu não deveria estar com a consciência tão pesada.

- E por quê você está com a consciência pesada? - Shawn se senta na beira da cama, cruza os braços e franze a testa.

- Shawn, você é o meu ginecologista! E ainda é meu patrão! Céus! - passo a mão no rosto e solto um suspiro pesado. - E claro, não posso esquecer da nossa diferença gritante de idade. - esbravejo, vendo de relance ele morder o lábio. - Como as coisas vão ficar agora? O que as pessoas irão pensar? Sua família deve estar achando que eu sou uma vadia. Eu... Meu Deus! - sinto meus olhos lacrimejarem e solto um grunhido de impaciência, sentindo uma vontade absurda de chorar. - Droga, eu sou tão instável!

- Ei. - ele se levanta, fica de pé na minha frente e segura com força minhas mãos. - Fica calma, respira fundo. - os dedos se entrelaçam nos meus e eu faço o que ele manda, puxando todo ar existente em meus pulmões e soltando-o. - Tudo bem? - indaga e eu assinto devagar. - Ótimo, agora me escuta. - ele me guia até a cadeira da escrivaninha, me senta nela e se ajoelha na minha frente. - Está cedo demais para se preocupar com tanta coisa? Não acha?

- Shawn...

- Você está se auto atormentando por causa de coisas tão banais... E daí que eu sou seu ginecologista e seu patrão? Não há nenhuma lei que me impeça de me envolver com você por causa disso e também não há nenhuma lei que me impeça de me envolver com você por causa da nossa diferença de idade. A única coisa que pode impedir tudo isso de acontecer é você não querer. Se você não quiser, eu não posso fazer nada.

- Mas eu quero! - respondo rápido. - Eu só tenho medo. - minha voz soa mais baixo.

- Medo das pessoas?

- Não só delas.

- E do que mais?

- De você. - digo, desviando meu olhar para o chão.

- De mim? - seus olhos se arregalam e posso vê-lo engolir em seco quando assinto. - Por quê?

- Porque eu nunca me envolvi com ninguém antes e eu nunca me apaixonei por ninguém. Meu primeiro beijo de verdade e a minha primeira vez aconteceram com você. Eu tenho medo de, com o passar dos dias, eu me apegar demais a você, me iludir e você me trocar por uma mulher da sua idade e...- digo, arregalando os olhos após perceber tudo o que acabei de dizer. - Ah meu Deus, você deve estar me achando uma idiota.

- Não, eu gosto desse seu jeito. - diz, um sorrisinho surgindo no canto da sua boca. - Ella, você não tem idéia do quão feliz eu fico por ter sido o seu primeiro. - o seu polegar passa a fazer um carinho delicioso nas costas da minha mão. - E você não tem idéia do quão você tem sido essencial nessas últimas semanas. Há pouco mais de um mês atrás eu estava no fundo do poço por causa da Lauren e você apareceu. E independente de qualquer coisa que acontecer entre nós, só não vai embora, tá? - ele pede e eu assinto devagar, mordendo o interior das minhas bochechas. - Quer tomar banho?

- Eu não tenho o que vestir.

- Não precisa vestir nada. - ele morde o lábio, me fazendo revirar os olhos. - É brincadeira. Vou pegar alguma coisa no closet. - Shawn se levanta e beija minha testa antes de passar pela porta que só agora noto a existência dela.- Essa serve? - ele volta a aparecer, segurando uma camisa cinza com os óculos do Harry desenhados.

- Está perfeita. - me levanto, indo até ele arrastando o lençol.

- Solte isso. - ele tenta puxar o tecido e eu nego. - Ella, não há nada aí que eu já não tenha visto. - diz, fazendo minhas bochechas corarem outra vez.

- Isso não quer dizer que você verá sempre. - puxo a camisa de suas mãos.

- Mas eu quero!

- Eu quero muitas coisas mas infelizmente querer não é poder.

- E o que você quer?

- Tomar um banho bem gostoso.

- Eu posso te ajudar. - sugere, sorrindo.

- Você tem alguma escova de dentes nova por aqui? Eu preciso de uma. – peço.

- Claro. Vou buscar. Mas antes... – desaparece outra vez e quando volta a aparecer, me joga uma cueca box preta. – Não quero ninguém olhando para a sua bunda. – ele dá uma piscadinha e sai do quarto, me deixando rindo sozinha.

Após me livrar do lençol, deixo-o na cama e entro no banheiro, me encantando com a decoração impecável, assim como o resto do apartamento.

Encosto a porta e fico um tempo observando cada detalhe. Os perfumes e desodorantes organizados decoram um lado da bancada de mármore preto, e do outro, os cremes de barbear e alguns hidratantes masculinos.

Curiosa, abro um por um dos perfumes e cremes, reconhecendo os aromas deliciosos que ele está sempre usando, mas um em específico me chama a atenção, o que ele estava usando essa noite, o aroma que fez meu corpo enlouquecer e sucumbir ao seu toque sem hesitar.

Depois de um tempo, coloco tudo no exato lugar em que estava antes e pego o pente, desembarançando com dificuldade o meu cabelo que dormiu molhado e cheio de cloro. Ao acabar, tiro os fios que ficaram agarrados ali e jogo-os no lixo, deixando-o limpo.

Antes de entrar no box, faço xixi e sinto um alívio imenso depois de minha bexiga estar vazia, e então, finalmente entro no banho.

Giro os dois registros ao mesmo tempo e solto um gemido de satisfação quando as gotas quentes atingem minhas costas em um jato forte de água, me ajudando a relaxar imediatamente.

Lavo em primeiro lugar o cabelo, esfregando com força o casco e os fios. Após enxáguar e passar o condicionador, deixo o produto agindo e começo a ensaboar o meu corpo, do rosto aos pés, me arrepiando ridiculamente ao fechar os olhos e conseguir sentir outra vez o seu toque em cada pedacinho.

Duas batidas na porta me fazem pular mas eu não consigo abrir os olhos por conta do sabão.

- Aqui está a escova que você pediu. - sua voz ecoa em meio ao barulho do chuveiro mas ele sai antes que eu possa agradecer.

Depois de me lavar lá embaixo, enxáguo o meu corpo e o cabelo e desligo o chuveiro, tirando o excesso de água dos fios e me enrolando na toalha branca. Seco meus pés no tapete e caminho até a pia, tiro a escova da embalagem e ponho uma boa quantidade de creme dental nas cerdas, finalmente escovando meus dentes, com calma. Após lavar a minha boca e secá-la na toalha, busco pela roupa que Shawn me cedeu e me praguejo mentalmente por tê-la esquecido lá fora.

Me encontrando sem saída, respiro fundo e abro a porta ainda enrolada na toalha, encontrando o homem sentado na beira da cama prestes a abrir o meu presente, mas o olhar corre imediatamente para mim e ele para de tentar rasgar o embrulho.

- E-eu esqueci a roupa. - digo, pegando a camisa e a cueca ao seu lado.

- Ah, bom...- ele gagueja um pouco e engole em seco. - A minha irmã mandou te entregar isso e disse para não se preocupar que ainda não usou, ela comprou antes de vir pra cá. - ele me entrega uma calcinha de renda preta e um short jeans da mesma cor, que só agora noto que estavam em seu colo. - E isso também. Não sei se é o seu tamanho mas vai ajudar.

- Obrigada. - sorri agradecida, pegando as peças de suas mãos, mas ao invés de me deixar voltar para o banheiro para me vestir, as mãos fortes me puxam de volta para o seu colo, derrubando a caixa no chão. - O seu presente!

- É o seu? - assinto rapidamente. - Não vai se importa se eu abrir depois, vai? - nego na mesma velocidade. - Quero outro presente agora.

- Esse outro presente você já ganhou. - digo baixo, encarando os olhos castanhos que estão mais escuros que o normal.

- Acho que mereço uma segunda dose dele.

- Não acho que mereça. – digo, envolvendo meus braços em torno de seu pescoço.

- Por que não? Eu tenho sido um bom menino.

- Tão bom que me deixou dolorida. – retruco, vendo-o abrir um sorriso sapeca.

- Eu posso cuidar disso.

- Como? – indago, curiosa.

- Dando um beijinho pra sarar. – solto uma gargalhada alta, vendo sua sobrancelha se arquear e o sorriso se alargar.

- É sério?

- Sem sombra de dúvidas, Dallas. – sinto calafrios na minha espinha quando ouço o meu sobrenome soar com tanta perfeição na sua voz. – Agora, eu quero você deitada. – ele ordena e sem que eu possa ser capaz de controlar, meu corpo o obedece, relaxando no colchão. Fecho os olhos por um momento e prendo a respiração ao sentir a toalha ser puxada para longe do meu corpo. Cada pelinho se arrepia ao sentir o vento gelado do ar se chocar na minha pele super quente, fazendo com que eu cubra rapidamente meus seios com as mãos.

- Se eu pegar um resfriado, a culpa será sua. – murmuro.

- Não tem problema. Eu cuido de você. – diz ao se inclinar e me beijar. O gosto amargo e familiar do álcool não demora para se misturar com o gosto de menta na minha boca, resultando em um sabor refrescante e enlouquecedor.

- Whisky? – indago, entrelaçando meus dedos nos cachos perto de sua nuca.

- Como sabe?

- Já roubei algumas bebidas da minha mãe.

- Ora, ora. Isso é muito feio. Você não tem idade para beber.

- Na verdade eu tenho. Não sou muito chegada a álcool mas amo um bom champagne e um bom vinho. – digo, arranhando de leve sua pele. – Mas só bebo em ocasiões especiais.

- Tinha vinho e champagne ontem. Por quê não bebeu? Não era uma ocasião especial.

- Era mas eu não queria causar má impressão.

- Você não causaria má impressão por estar bebendo, Ella. A única coisa que aconteceria de verdade seria você me deixando super excitado. Só a imagem de você com uma taça de vinho na mão já me deixa louco. – ele fecha os olhos e a voz rouca faz meu coração acelerar.

- Me lembrarei disso da próxima vez.

- Então haverá uma próxima vez? – seus olhos se abrem, me possibilitando ver o brilho incrível que há nas lindas íris castanhas.

- É, acho que sim. – dou de ombros, contendo um sorriso.

No segundo seguinte os lábios estão novamente grudados aos meus, mas não por muito tempo dessa vez já que eles descem por uma trilha molhada pelo meu pescoço, deixando alguns beijos no espaço entre meus seios e atravessando a minha barriga, me causando cócegas.

Finalmente ele chega lá.

Shawn não enrola muito e logo começa a passar sua língua quente e extremamente molhada pela minha fenda, me obrigando a prender a respiração no mesmo instante.

Ele sobe, passando pelo meu clitóris já inchado, e desce outra vez, alcançando a minha entrada e então volta a subir.

- Não faz assim. – choramingo.

- É tão divertido. – ele murmura, soprando contra a minha pele ultra sensível, repetindo o ato várias e várias vezes seguidas.

- Shawn... – afundo minhas unhas em sua nuca, ganhando uma mordida como troco. – Merda! – mordo minha língua, sentindo logo o gosto metálico do sangue na minha boca.

- Quer que eu te faça gozar? – assinto. – Já?Eu nem comecei a brincar.

- Por favor.

- Por favor o quê?

- Por favor, Shawn. Me coma. – peço, sentindo uma fogueira não só em meu rosto mas no resto do meu corpo inteiro.

- Céus, Ella. Esse é o melhor pedido que você poderia me fazer. – sua voz soa ofegante e no momento seguinte, Shawn enterra o rosto por entre as minhas pernas, me penetrando quase inteiramente com sua língua.

Minhas pernas se entrelaçam em torno de seu pescoço e meus dedos em sua nuca descem para seus ombros, arranhando violentamente aquele local em resposta às suas chupadas fortes.

Sua mão sobe pela minha perna apertando cada centímetro, e ao chegar na minha virilha, pula até o meu clitóris, começando a acariciá-lo com pressão.

Agarro os lençóis com força e arqueio minhas costas, sentindo todo o meu corpo prestes a entrar em colapso. Não demora para aquela sensação na minha barriga começar e as minhas pernas tremerem em torno dele.

- Goza para mim, Ella. Me deixa sentir seu gosto outra vez. – ele pede sem parar o que está fazendo e eu não consigo me controlar. Um gemido longo e arrastado escapa da minha garganta quando o meu líquido escorre e meu corpo desaba outra vez na cama. Meu cabelo molhado gruda na minha testa e eu não consigo dizer uma palavra sequer. Meu peito sobe e desce rapidamente por conta da minha respiração ofegante, minha garganta seca quase me faz engasgar com meu próprio ar e ao olhar para Shawn e encontrá-lo lambendo os lábios e os dedos enquanto me encara sem pudor algum, meu coração erra algumas batidas.

A campainha lá fora toca, me fazendo pular no colchão. Fecho por um momento meus olhos e puxo o ar de lá do fundo dos meus pulmões, mas nem assim a minha respiração consegue se estabilizar.

Por alguns segundos o apartamento fica em completo silêncio mas demora para que duas vozes o quebrem.

- Shawn! – a voz de Aaliyah soa junto de algumas batidas na porta. – Eu não queria te atrapalhar mas temos um problema.

- Ei, não fale assim. Vou achar que não gosta mais de mim. – a outra voz diz e imediatamente arregalo os olhos, junto de Shawn. – Amor, o que você está fazendo aí dentro? Por favor, abra para mim. Eu sei que me atrasei mas eu trouxe seu presente.

- Se veste. – ele se levanta em um pulo e eu faço o mesmo, apesar de ainda sentir as minhas pernas vacilando.

- Shawnie, amorzinho, por que está demorando tanto? – de relance vejo o rapaz pressionar os olhos e respirar fundo, como se estivesse contando mentalmente até dez para não surtar.

- Acredite em mim, você não vai gostar de saber. – a voz de Aaliyah faz o irmão rir e é impossível não rir também enquanto visto a calcinha e o short, vestindo por fim a camisa que fica gigantesca para mim, batendo em meu joelho.

- O que foi? Não me diga que ele está com alguém.

- Você verá com seus próprios olhos.

- Ela ficou linda em você. – ele diz baixo. Apenas sorrio e fico na ponta dos pés para depositar um beijo suave em seus lábios. Seus dedos se entrelaçam nos meus e então, ele abre a porta.

Os olhos escuros da morena latina caem em mim e eu sinto como se fosse sair fogo por eles a qualquer momento.

- Eu não acredito.

- O que você quer? –a voz de Shawn soa ríspida, como todas as outras vezes que nos encontramos com Lauren.

- O que você está fazendo com essa garota?

- Sou eu quem faço as perguntas por aqui. – ele solta a minha mão e cruza os braços e trinca o maxilar, como faz sempre que se irrita. – O que você quer?

- Eu vim aqui achando que talvez pudesse resolve as coisas entre nós mas...

- Lauren, não banque a vítima só porque está na minha frente. Eu sei de tudo que aconteceu. – Aaliyah diz, revirando os olhos.

- Mas eu...

- Cansei. Vamos conversar. – Shawn passa por nós, puxando-a pelo braço e arrastando-a até onde consigo de longe ver que é o seu escritório e bate a porta após entrar.

Ao contrário do que pensei, a voz de Shawn soa baixa lá dentro e em momento algum eu ouço a voz irritante de Lauren.

Os minutos se passam ainda mais lentos do que eu gostaria e então ela sai de lá. Lágrimas escorrem por seu rosto, borrando toda a maquiagem bem elaborada que ainda existia há poucos minutos atrás.

- Eu vou acabar com você. – ela passa por mim ao pegar a bolsa no sofá e me empurra contra a parede, fazendo minhas costas se chocarem com violencia no concreto, me deixando sem ar por um momento por causa do impacto.

- Ei, tudo bem? – o olhar de Aaliyah recae preocupado sobre mim e eu assinto em silêncio.

- Vou falar com ele.

- Tudo bem. Vou fazer umas compras para o almoço. Até mais. – ela deposita carinhosamente um beijo na minha bochecha e entre no elevador.

Nervosa, atravesso a sala ampla e entro no escritório, encontrando Shawn sentado na cadeira de couro preta. As mãos estão apoiadas em seu queixo e uma expressão séria ocupa seu rosto, mas se suaviza assim que nota a minha presença.

- Ei. – me sento em sua perna e toco seu rosto com cuidado.

- Ela não vai nos perturbar mais.

- O que você fez?

- Pedi educamente que ela pedisse demissão do hospital e que nunca mais aparecesse na minha frente. – responde, respirando pesado. – Eu ouvi ela te ameaçando. – ele vira o rosto, me encarando nos olhos. – Promete me avisar se qualquer coisa acontecer? – pede baixinho e eu assinto, respirando mais aliviada quanto ele planta um beijo na minha testa, relaxando então em seu ombro.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...